1. Spirit Fanfics >
  2. Ascensão de um Império >
  3. Apenas Finja

História Ascensão de um Império - Capítulo 2


Escrita por: LadyRyuuguji_

Notas do Autor


Opa a moça da capa de hj é a nossa Princesa Sophia.

Quem assistiu Violet sabe que essa personagem no anime original tem 14 anos, porém, entretanto, toda via no nosso livro ela terá 16 anos okay?

Um xero baby's

Capítulo 2 - Apenas Finja


Fanfic / Fanfiction Ascensão de um Império - Capítulo 2 - Apenas Finja

O frio típico das noites do País da Água era presente em nossa caminhada, uma aflição medonha se instalava em meus pensamentos, daqui posso ver as moças que antes julguei erroneamente conhecidas, caminharem para o abatedouro de seus futuros carcereiros. Sinto-me imensamente impotente diante a tal situação.

O sentimento de desespero invadindo-me o peito quando noto que chegamos ao topo do segundo vão de escadas e nada me vem a cabeça, nem mesmo uma ação sequer. Só então quando encaro as portas dos inúmeros quartos do castelo me vem um plano a mente. Tomo coragem para colocá-lo em prática.

— Meu senhor… — digo num fio de voz. — Tome minha pureza pra si… — apertei minhas mãos com força, o céus o que eu estava fazendo? — E depois chame seus generais e o comandante também — digo encarando-o. — Prometo-lhe obediência, em troca prometa-me que nenhum deles ira tentar contra a pureza daquelas garotas!

Finalizo sentindo seus olhos escuros fitando-me, limitando-me a encarar sua mandíbula trincada.

— Está dizendo que quer deitar-se com todos nós? — proferiu em sua rouquidão, imediatamente os pelos de meu corpo ficaram eriçados. — O que tens na cabeça mulher?! Só um tolo aceitaria!

Encolhi-me a medida que aquele brutamontes se aproximara, pegou-me pelo braço e arrastou-me para dentro de um dos quartos, jogando-me encima da cama sem nenhum pudor.

— Vou-lhe ensinar a ser mais recatada Vossa Alteza! — urrou visivelmente ofendido por minha proposta.

Draken me encarava furioso enquanto tirava o cinto das calças escuras que vestia, como pode ter ficado tão irritado se a poucos negara o "presente do rei"? Questionei-me em meio aquele susto. O enorme homem, subira a cama, ficando de joelhos a minha frente. E agora, o que eu poderia fazer para ao menos salvar a pureza de minha irmã?

Pense Isabelle! Pense!

O loiro agarra-me o pé e o puxa para a beirada da cama, onde está, sem ter como escapar de suas mãos começo a chutar-lhe o torso, que por suas vez é extremamente forte.

— Fique quieta! — ordenou quando agarrou-me o outro dos pés.

— Solte-me! — gritei em súplica. — Solte-me seu ogro!

Sem ao menos dar-me tempo de reagir, Draken puxou-me as pernas abrindo-as, de forma que as mesmas ficassem ao redor do corpo daquele que será meu noivo num futuro próximo, meu vestido acabara subindo mais do que devia em decorrência de ser arrastada pela cama.

Encarei seus olhos com um certo medo, será que ele pretendia castigar-me, tomando-me agora? Bem, não á muito o que possa ser feito, contra isto, á?

É claro que á!

Pretendi entregar-se sem lutar!?

Você é a maldita princesa guerreira!

Depois deste tapa mental, senti uma pontada de coragem golpear-me o coração. Vi o senhor meu noivo aproximar seu rosto do meu deitando-se sobre meu corpo, estava perto demais, e eu não podia deixar que as coisas fossem assim tão fácil para ele. Assim que tive abertura tentei socar-lhe o rosto, entretanto, ele habilmente parou meu soco com o punho e exibiu um sorriso em satisfação, tentei acerta-lo com a outra mão mas, sem sucesso também, o loiro agarrou meus pulsos e os pressionou contra a cama.

— Acha mesmo que pode impedir-me de toma-la? — ele questionou alto, parecia falar para mais alguém além de mim. Apenas o encarei assustada por sua reação. — Desta vez, vou castiga-la, acostume-se, sempre que me desobedecer eu irei o fazer, entendeu princesa?

— Faça como quiser — disse-lhe num tom audível.

Apertei meus olhos numa tentativa falha de impedir que alguma lágrima caísse, como poderia eu, ser uma completa inútil! Para onde foi minha coragem?

Senti a enorme mão quente de Draken  pousar sobre meu rosto, então abri meus olhos imediatamente vendo que  ele se aproximava de meu ouvido.

— Finja — sussurrou rouco deixando-me arrepiada. — Finja que está sendo açoitada.

Não o questionei, apenas guardei sua informação extremamente inesperada. O tatuado saiu de cima de mim e sentou-se na beira da cama de costas para mim.

— Venha cá mulher! — ordenou áspero novamente num tom alto. — Vou ensinar-lhe a ser menos oferecida!

Engatinhei até ele, que a essa altura do campeonato já estava com seu cinturão em punho novamente, fique de joelhos ao seu lado.

— Desculpe-me pela falta de decoro, meu senhor — disse enquanto o encarei dobrar o cinto ao meio.

O loiro puxou-me para seu colo de forma que eu ficasse de bruços sobre suas pernas visivelmente fortes, feito isso observei-o segurar cada lado da dobradura, juntando os punhos, fazendo ambas as partes do cinto formarem um "O". Rapidamente ele puxou as pontas em direções opostas, fazendo um barulho estalado pouco acima de minhas costas. Os deuses bem sabem o quanto senti-me aliviada em saber que aquele barulho não fora em minha carne.

— Por favor pare! — pedi numa falsa suplica, o tatuado repetiu o processo mais três vezes. — Perdoe-me! Não aguento mais!

— Isto deve servir — disse-me num tom ríspido. — Recomponha-se Princesa.

Antes que eu pudesse sair daquela posição no mínimo vergonhosa, Draken puxou-me o rosto para mais próximo do seu de forma que seus lábios quentes ficassem próximos ao meu ouvido.

— Aquelas moças não serão estupradas por eles — sussurrou.

— Como tens tanta certeza? — retruquei no mesmo tom.

— São homens de princípios — respondeu-me convicto. — Vamos aprese-se! — agora tornando a falar em seu tom alto. — Encontre-me no jardim amanhã cedo.

— Da-me a sua palavra? — questiono baixo num olhar inquisitorio. — Como quiser meu senhor — digo alto.

Assim que terminou de por seu cinto de volta as calças, e eu de arrumar minhas vestis, Draken inclinou-se para ficar mais próximo de meu ouvido e sussurrou um "Tens a minha palavra" com isso saímos do quarto e caminhamos mais um pouco em silêncio.

— Espero que tenha aprendido a lição princesa — disse-me assim que parou enfrente a porta de um dos quartos. — De qualquer forma tenha uma boa noite.

— Para você também — respondi secamente, nem ousei parar meus passos, segui até meu quarto, adentrei trancando a porta logo em seguida.

Tateei as paredes para encontra uma saída secreta, agradeci aos céus por conhecer cada caminho secreto daquele castelo. Minha mão afundou a pedra revelando uma porta próximo as estantes, passei rápido fechando-a logo em seguida. Não podia me dar ao luxo de confiar na palavra do vice comandante do exército inimigo.

Corri pelo caminho estreito até encontrar a próxima porta no quarto de minha irmã, com sorte, de algum jeito poderia impedir o ato. No meio do caminho vi uma figura masculina que cabia naquele pouco espaço com uma certa dificuldade.

— Só pode ser um castigo divino! — falei aos sussurros quando reconheci Draken.

— Ei! — sussurrou de volta um tanto alto. — Isabelle!?

Não tinha para onde ir, a não ser, voltar para meu quarto, então decidi que não deveria ser muito difícil derruba-lo.

— Saia do meu caminho! — disse firme.

— Eu lhe dei minha palavra, volte para o seu quarto! — Disse-me chegando mais próximo.

— Dane-se a sua palavra! Verei com os meus próprios olhos — digo tentando passa.

— Você e sua irmã estarão em perigo se por um acaso os serviçais presenciarem isto! — ele diz coagindo-me a caminhar para trás.

— Saia da minha frente homem! — Digo tentando empurra-lo para trás.

Em vão é claro, o loiro segurou meus pulsos e me forçou a caminhar de volta.

— Garanta que vai levar Sophia direto para o meu quarto! — digo séria.

— Tá tudo bem, vou levar ela para o seu quarto — ele faz um manear de cabeça derrotado.

— Leve-a! — digo dando as costas para ele, caminho de volta para o quarto seguida por ele que fica calado por todo o trajeto.

Chego no cômodo pouco iluminado, o homem loiro passa pela porta dando-me um breve aceno. Ali já havia uma banheira fumegante, tomei meu banho calmamente enquanto planejava uma forma de ao menos melhorar a situação para meu povo, quando terminei, vesti-me de algumas peças de seda, deitando-me logo depois de limpar os dentes.

Princesa Sophia pov's

Percebi que minha irmã já não caminhara mais atrás de nós, e de certa forma me sentia culpada por isso, tinha plena consciência do que poderia acontecer com ela era não atoa que minhas mãos tremiam a medida que nos aproximamos do último andar, o futuro predestinado de minha irmã seria possivelmente o meu também.

— Senhores, Princesa — o homem de cabelos laranjas nós fazia uma reverência com um sorriso aberto. — Irei me ausentar de vossas companhias, tenham uma boa noite.

— Smile, espere um pouco — o homem de cabelos levemente pigmentados de roxo pronúncia em um tom baixo. — Vamos dividir logo a mercadoria.

Sinto meu corpo inteiro tremer quando uma mão quente toca minhas costas, bem onde a pele era exposta.

— A princesa será minha — o homem loiro atrás de mim fala com uma expressão suave.

E eu apenas engoli seco sem nenhuma reação aparente, não havia nem um pingo se quer de coragem em mim. E isto é vergonhoso.

— Eu gostaria de saber seus nomes — o homem que revela uma face idêntica ao antes dito "Smile", fala carrancudo. — Vamos falem!

Alguns olhares ali eram de puro medo, poucas delas tinham coragem de se quer olhar no olho daqueles homens, e eu era uma dessas, infelizmente não fui abençoada com a coragem que minha irmã possuía, nem mesmo a facilidade para manusear armas eu herdei, dizem que herdei apenas beleza e diplomacia, do que discordo bastante.

— Vá pro inferno — a morena de cabelos brancos balbuciou encarando aqueles homens.

— My Lady tens a boca suja hein? — o homem alto de olhos amarelos e cabelos negros falou aproximando-se. — Gostei de suas curvas. —  Disse ostentando um sorriso, no qual era possível ver seus caninos pontudos. — Eu sou Keisuki Baji, general da primeira divisão do exército Toman, e você vai vir comigo.

— Prefiro morrer a ser tomada por você! — a morena de estatura um tanto alta e longas madeixas claras diz firme ainda imóvel.

— Morrer não é uma má ideia para você — ele fala com um ar sádico e uma carranca nada boa. — Venha logo!

Ele finaliza arrastando a jovem pelo pulso.

— Solte-me seu desgraçado! — a pobre mulher esperneava e batia com os punhos na mão daquele homem incessantemente.

— Fique quieta mulher! — Baji disse pouco antes de atira a morena em seus ombros e levá-la  a base de força bruta.

Smile ria da situação enquanto seu gêmeo apenas encarava-o sério, o homem de cabelo roxo fraco analisava as meninas com um olhar distante, realmente parecia que ele via através delas, exceto uma, dona de longos fios roseos e um par de esmeraldas brilhantes.

— Vejo que já encontrou sua escolhida, Mitsuya — o Comandante Mikey pronunciou atrás de mim. — E vocês?

— Quero a moça de cabelos trançados — o gêmeo de cabelo azul murmura sério. — Venha.

Um único aceno de mão e agora só restava uma moça, a mesma de mordaça e um olhar incrivelmente corajoso.

— Gosto de desafios — um sorriso debochado foi nos dado antes de sair caminhando no corredor. — Por aqui, vamos.

— Temos que ir também princesa — e de novo meu mal feitor se pronunciou, ele não era muitos centímetros maior que eu, mais ainda sim tinha uma diferença de altura ali.

Caminhei em silêncio logo atrás dele, que parecia despreocupado com a situação, sinceramente não sei o que fazer agora e nem se devo fazer algo.

Isa com toda certeza faria algo, mais o que? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...