História Assassino de Suicidas - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 5.058
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 5 - A Queda De Kyle



Kyle acorda em um lugar estranho, não era uma sala branca, agora era um jardim, ele vê morte olhando para o horizonte e se aproxima.
- Tio.. - Morte acerta a foice no rosto de Kyle, ao cair no chão ele sente a foice entrar em sua perna e Morte joga Kyle em sua frente.
- Você passou dos limites Kyle!! - Ele se levanta e dá uma investida de corpo na Morte, ambos caem e Morte se levanta com a foice. - Não só criou sentimentos como deixou seu desejo de vingança te consumir!! -
- CALA A BO-- Kyle é atingido outra vez pela foice e cai ajoelhado, Morte coloca a mão no pescoço dele e se prepara para enfiar a foice no peito dele, Kyle da uma cabeçada nele e se vira dando diversos socos. Morte tenta revidar mas Kyle segura a foice de seu tio e joga para longe, ele da um soco na barriga de Kyle e Kyle contra ataca acertando seu queixo. Morte cai para trás mas se levanta.
- Sempre me perguntei a sensação... - Kyle pega a foice mas fica paralisado, ele ouve gritos de pavor e tem visões de muitas pessoas morrendo, ele solta a foice e Morte da um soco no rosto de Kyle. Morte olha para Kyle rendido e atordoado. - Aquilo foi a gota d'água Kyle... A gota d'água... -
- O que, Tio?? O que foi dessa vez??? - Morte pega seu sobrinho pela cabeça e bate o rosto dele no chão , um foço se abre e mostra um fragmento de memória de um morto. Kyle via ele mesmo sentado e polindo sua arma, totalmente relaxado enquanto alguém olhava para ele.
- Então? - Kyle olha para a pessoa e a pessoa levanta um pedaço de metal.
- Eu.... Eu não quero mais.. -
- Você não tem escolha... - Kyle sorri, a pessoa levanta a camisa e olha para a própria barriga.
- Almoço! - Ambos são interrompidos pelo policial que joga uma bandeija com comida e talheres de plástico. Então Kyle percebeu quer eram as memórias de Billy.
- Uh.. Acho que vamos mudar seu cardápio! - Kyle joga os talheres em Billy.
- Eu... -
- Cale a boca. - Kyle chuta o rosto de Billy que começa a chorar, ele respira fundo e enfia o pedaço de metal na barriga e abre ela lentamente enquanto grita com dor, ele olha para Kyle que assistia atentamente aquela cena.
- E.... Agora... - Billy pergunta apertando a barriga enquanto o sangue escorre.
- Deixe sair... Coma o que cair... -
- O... O que??? -
- Eu disse.. Pra comer o que caiu!! - Os olhos de Kyle ficam vermelhos e Billy começa a cortar seu próprio intestino, em negação ele coloca o primeiro pedaço na boca e começa a vomitar sangue. Kyle pega o que ele cospiu e coloca em sua boca.
- Eu queria que o suicídio de cada um de vocês fossem dolorosos... Mas deixei minha criatividade para você... Billy... Eu sei o que você fez com aquelas garotas... Você é nojento... Todos vocês são... Mas você era o pior... - Kyle sorri e Billy começa a chorar quando vê a forma de Kyle se mudar a uma coisa que ele não consegue destinguir. Ele tenta gritar mas Kyle segura sua boca.
- Eu vou guardar a sua alma.... A de todos vocês... Buscarei vocês no inferno e torturarei todos os dias... - Billy começa a perder as forças e sua visão embassa conforme ele morre.
A memória agora era de Fergus, ele tenta gritar por socorro nas grades assim que Kyle aparece em sua cela.
- Por favor não me mate... Por favor... -
- Eu não vou te matar... Você vai morrer sozinho.. - Kyle dá um soco no nariz de Fergus e joga ele nas grades, sua cabeça fica presa e Kyle gira o corpo do garoto quebrando seu pescoço, a Memória de Harold agora.
- Olá Harold... -
- Não... O que você está fazendo aqui!?!?! -Harold se assusta e um policial bate na porta da cela abrindo uma pequena janelinha.
- Hora do almoço seu doente! - O policial joga o almoço de Harold no chão. Harold corre para perto da cela e começa a gritar.
- SOCORRO!!! TEM UM DEMÔNIO NA MINHA CELA!!! - Os guardas começam a rir.
- E tem uma madona na minha cama! - Um dos guardas grita e Harold olha para Kyle se transformando ele desvia o olhar, mas Kyle atraí a curiosidade de Harold. Ele olha, mas fica tão assustado, seus olhos estavam presos, encarando algum tipo de monstro. Harold olha para o chão e pega um garfo e uma faca de plástico, em um momento de desespero ele enfia ambos em seus olhos e começa a gritar com dor e dessespero. A imagem não saia de sua mente. Ele cai no chão e morre pela perda de sangue. As memórias mudam e era a de Mike, Kyle olha para Mike no seu horário de visitas. Era ao ar livre, Mike se senta na mesa e Kyle senta na frente dele.
- Que merda você tá fazendo aqui? - Mike pergunta e todos olham para ele. Ele falava sozinho.
- Eu vim cumprir seu desejo Mike.. -
- Meu desejo? -
- Morrer .. -
- Como? -
- Não se preocupe.. A sua vai ser leve.. Já que você drogava as garotas e gostava de enfiar coisas na boca delas. - Kyle pega uma pedra e deixa Mike em transe.
- Hora de se matar Mike.. Coma cada pedra que achar no chão a partir de hoje... Quando seu corpo não aguentar mais.. Saia do transe e sofra cada segundo.. - Mike concorda com a cabeça e engole a pedra que Kyle deu.
- Tenha uma morte lenta e dolorosa... -
- Eu terei.. - Kyle olha para morte e rosna.
- Eu os matei e daí?? - Morte da um soco no seu sobrinho, o soco foi tão forte que o lugar bonito se incendiou e começou a morrer lentamente.
- Você vingou aquelas garotas... Não os matou... Um desses suicídios foi tão absurdo que parecem ter sidos realmente forjados....  - Morte suspira. - Kyle... Eu estou oficialmente te retirando desse posto... - Kyle se levanta e aperta o punho.
- O que??? - Morte pega a mão de Kyle e coloca um anel. O anel tinha o desenho de uma caveira - Que merda é essa?? -
- Eu estou retirando seus poderes Kyle... Você não é mais um assassino de suicidas.. Você agora é um mortal... Ainda mantém sua forma verdadeira e pode esconde-lá... Mas sua imortalidade será retirada a partir de agora.. Adeus... Sobrinho.. - Morte bate palmas e o anel de Kyle começa a queimar seu dedo, ele grita e acorda em uma cama em uma casa que ele não conhecia.
- Que bom que você acordou.. - Uma mulher entra com uma bacia no quarto e Kyle olha em volta procurando com quem a mulher falava. - Meu marido te achou nu perto do Riacho... Tome algumas roupas... Eram do nosso filho.. Fique a vontade! - Ela entrega as roupas para Kyle e sorri.
- Você... Consegue me ver? -
- Sim! Eu não sou cega. - Ela começa a rir.
- Você tem vontade de se matar? - Kyle se levanta e aperta os braços dela.
- Me solte! - Kyle tenta puxar ela pra perto para amendrontar ela e ela chuta as partes baixas de Kyle. Ele cai no chão gritando com muita dor.
- O que você fez comigo???? -
- Eu?? Eu te salvei!!! E você tenta me estuprar? Aqui não campeão. É melhor que você vá embora! -
- Não.. Não tentei nada... É que não é comum eu... Ser visto ... -
- É .. Mas pelado fica bem chamativo.. Se veste e cai fora ta bom? -
- Mas espera... Aonde eu estou? -
- Canadá... -
- Canadá?? Ok... - Kyle se veste e se olha no espelho. - Eu pareço um pateta. -
- Meu filho disse a mesma coisa quando colocou essa roupa. - A mulher olha para Kyle e sorri.
- É... Vejo que compartilhamos ideias.. - Ela olha para Kyle.- E onde ele está? -
- Ele se matou a alguns meses... Mas pelo menos nos deixou uma carta.. -
-  E... Como era o nome do filho da senhora? - Kyle olhava para o nada enquanto ouvia a mulher lutar para dizer o nome.
-  Phillip... - Kyle fecha os olhos e se lembra. Ele entrou em um quarto de hotel e viu um garoto sentado na cama, muitas sirenes fora do hotel e a polícia tentando invadir o quarto, o garoto chorava e segurava uma arma perto da cabeça, Tinha dois corpos no chão, Kyle se aproxima e fica frente a frente com o garoto.
-  O que te leva ao suicídio? - Os olhos do garoto ficam azulados.
-  Eu matei minha namorada e o amante dela... - Kyle olha em volta. - E eu não quero ser preso... -
-  Então... Quer morrer por isso? Uma garota que te traía? - Ele balança a cabeça fazendo que sim. - E sua família? -
-  Eles não sabem.. -
-  Então.. Escreva uma carta de suicídio.. -
-  Acha que dá tempo? -
-  Enquanto você perde tempo conversando, menos tempo você terá para escrever. - O garoto começa a escrever a carta e ao assinar, Kyle se lembra do nome. Era Phillip.
-  Certo Philip, feche seus olhos.. Eu vou atirar.. - Ele fez como Kyle pediu e relaxou. - Adeus Phillip... Sinto muito por tudo.. -
-  Está tudo bem... - Phillip sorri e Kyle coloca um revolver na cabeça do garoto, ele dispara e o garoto sorri.
-  Obrigado... Mas quem é você? -
-  Sou um anjo... E eu mato suicidas... - Kyle sorria e olhava para Philip.
-  Eu sou Phillip.. Mas você já sabe. - Eles riem e Kyle acaricia os cabelos de Philip, o garoto sai do transe e a polícia continua batendo na porta, mas gritavam pelo Phillip na esperança de uma resposta. Kyle tira a comoda que impedia a porta de abrir ou ser derrubada e destranca a porta, passando no meio de todos os homens.
-  Eu sinto muito pelo seu filho senhora... Ele devia ser um ótimo rapaz.. - Kyle fala para a senhora que o ajudou.
-  Kathelen. - Ela diz.
-  O que? - Ele olha para ela confuso.
-  Meu nome, é Kathelen... -
-  Prazer senhorita Kathelen.. Eu sou Kyle e muito obrigado por me salvar.. -
-  Posso saber o que fazia caminhando na rua? Pelado..? -
-  Ah... Eu briguei com meu tio .. - Kyle olha para o anel.
-  E por esse motivo você saiu correndo pelado pela rua? E parou pra descansar em um rio? -
-  Eu não fugi.. Ele meio que me largou.. Por lá... - Kyle olha para a mulher. - Eu tenho que resolver umas coisas... Obrigado pela ajuda Kathelen.. Vou ficar te devendo essa.. -
-  Sim.. Você vai ficar devendo... - Kathelen pega a bacia de roupas e sai do quarto. Kyle a acompanha e olha a sua volta, a casa de Kathelen ficava em um vilareijo muito afastado da cidade de Kirk, Kyle abre suas asas e sorri, ele começa a voar em direção a casa de Kirk. Ele batia suas asas com força e sorria ao sentir o vento em seu rosto.
Ele pousou e olhou para casa de Kirk, mas algo estava diferente, Kirk estava com Amália na cozinha, eles sorriam e se olhavam com paixão, Kirk estava muito feliz. Começa a chover e Kyle sente a água correr pelo seu corpo, ele sorria , era gelada, era a primeira vez que ele sentia essa sensação, ele nunca parou para apreciar a natureza humana, chuva, vento, sol ou neve. Ele nunca esteve curioso para sentir essas coisas. Mas agora sem seus poderes e apenas com sua forma humana, ele so tinha suas asas para voar. Kyle fica um tempo com os braços abertos e ouve alguém buzinar.
- Sai do meio da Rua seu Maluco! - Kyle se afasta e um carro passa, Kirk olha para Kyle pela janela e sai pela porta.
- O que você tá fazendo aí??? - Amália se aproxima por trás de Kirk e sorri.
- Entra Kyle! - Amália acena.
- Espera... Você consegue ver ele? - Kirk pergunta.
- Sim... Porque não veria. - Ela responde rindo, Kyle se aproxima e sorri para os dois.
- O que fazia na rua sozinho? Na chuva ainda, entre vamos te agasalhar. - Kirk pega em um braço de Kyle e Amália pega no outro, eles entram e Amália corre para pegar uma toalha.
- Cara o que houve? Você sumiu... E agora aparece assim.. Sem dizer nada, na chuva que nem um maluco.. - Kirk olha para Kyle, ele parecia preocupado, Kyle percebe a preocupação de Kirk.
- Eu... Perdi meus poderes.. Agora sou mortal... Meu tio me deu esse anel e... - Kyle olha para Amália descendo as escadas. - Ele me expulsou de casa... Agora eu to sem nada... - Amália enrola a toalha em Kyle e Kirk cruza os braços.
- Complicado... - Amália entrega uma toalha para Kyle secar os cabelos.
- Já se passou 3 mese que você sumiu... - Amália comenta e Kirk olha para ela.
- Meu tio mora longe.. - Kyle sorri e seca os cabelos.
- Aonde ele mora? - Amália pergunta e Kyle coça a cabeça pensando.
- Ele... Mora no Canadá! - Kyle sorri torto.
- Nossa... E ele te mandou embora? E você veio para minha festa aqui? - Amália se levanta surpresa.
- Sim.. Kirk.. Ele é... - Kyle olha para Kirk , que olhava para ele de volta e sorria preocupado, nesse momento Kyle percebeu o porquê de não conseguir matar Kirk, Kyle sorrio e olho para Amália. - Kirk é um amigo muito especial... Eu ficaria muito mal se algo o fizesse mal.. Então, cuide dele , Amália, ele é uma pessoa pura e muito boa.. - Kirk sorri envergonhado.
- Certo! Pode deixar! - Amália sorri. - Ele é muito especial pra mim também... - Kirk fica mais vermelho ainda.
- Ele é um garoto incrível... Mas enfim, deixarei vocês a sós, preciso procurar um lugar para ficar.. - Kyle coça a nuca e se levanta.
- Não! Fique conosco, temos três quartos e dois deles estão livres. - Kirk responde e olha para Kyle.
- Três? - Kyle não entende e os sorrisos que tomavam conta do rosto de Amália e Kirk somem.
- Meu pai faleceu.. Ele ficou muito doente, não me contou e quando eu descobri, comecei a trabalhar e a cuidar dele para ele melhorar... Mas era tarde... - Kirk começa a chorar e Amália abraça ele.
- Eu fiquei sozinho e Amália veio morar comigo... Mas estou com medo de ter que me mudar e ir morar com meus tios ou sei lá... -
- Entendo... - Kyle aperta o ombro de Kirk e o abraça. - Sinto muito... - Kirk abraça Kyle e continua chorando.
- Ele ficou muito abalado.. Quase se matou de tantos remédios que tomou. Ficou umas três semanas no hospital. Essa é a primeira semana dele em casa depois de receber alta... - Amália responde e olha para Kyle.
- Se você ficar, Vai ser muito bom para nós, vamos ter um adulto, responsável por nós! - Amália olha para Kyle. - Além do mais.. Kirk adora sua compania... -
- Certo.. E ... - Kyle da uma tosse fraca. - E o que eu preciso? -
- Bem. Quando vier um policial, você mostra seus documentos e diz que morava por aqui junto com o Kirk e voltou o mais rápido que pode para cuidar dele. - Amália responde.
- Documentos? - Kyle pergunta confuso.
- Sim, com o seu nome, o nome dos seus pais, quanfo você nasceu , uma foto sua e sua digital.. - Kyle fica mais confuso e sente Kirk pisar em seu pé.
- Ai!! - Kyle grita, Amália se assusta com o grito e pergunta.
- O que foi? -
- Meus ... Meus documentos ficaram na casa do meu tio.. E estavam muito velhos.. Preciso de novos. -
- Então, vamos renovar todos amanhã. - Kirk responde e Amália sorri.
- Certo.. - Kyle olha para Kirk.
No dia seguinte ,Kirk ,Kyle e Amália vão à um cartório para renovar os documentos de Kyle e decidem começar pelo RG.
- Certo.. Sente-se, vamos tirar uma foto sua para seu documento... - Kyle se senta e olha para a câmera, a câmera dispara e Kyle olha para Kirk e Amália.
- E Agora? - Kyle pergunta.
- Tem que preencher seus dados pessoais. - Amália responde e caminha com ele até uma fila de pessoas com senhas, Kirk entrega uma senha para Kyle.
- Que isso? - Kyle pergunta.
- Uma senha! - Amália responde.
- Quando o número do papel aparecer na TV é sua vez. - Kirk comenta.
- Faltam... 30.. Senhas? - Kyle olha para a Tela. - Eu vou morrer nessa fila! -
- Não demora tanto. - Kirk ri.
-  Vamos te esperar ali fora. - Amália diz e ambos saem. Kyle espera por alguns minutos e vê duas pessoas conversando sobre o caso da prisão.
-  Soube que os policiais vão investigar por que um dos garotos pode ter sido assassinado na cela.. - Diz uma senhora ajeitando a bolsa.
-  Sério? - Um homem comenta.
-  Sim! Eles não acreditam que o garoto girou o corpo até quebrar o próprio pescoço.. -
-  Se foi mesmo assassinato, eles mereceram. - Uma mulher comenta no outro lado do banco, todos olham para ela, era Jennifer , mãe da Giovana, que morreu baleada na festa da casa de Amália.
- Concordo! - O homem comenta , Kyle olha para o homem e sente um ar misterioso e percebe o olhar malicioso do homem que olha Jennifer dos pés a cabeça.
- Credo.. - Diz Kyle.
- Disse algo? - O homem comenta e se levanta olhando para Kyle.
- Sim.. Eu disse credo, eu fui o único que percebi o olhar desse nojento ? - Jennifer parece ter sido fisgada por Kyle, ela não tirava os olhos dele.
- O que quer dizer? - O Homem se levanta, ele era um armário comparado com Kyle, ele se aproxima e pega na gola de Kyle com raiva.
- Você praticamente comeu aquela mulher com os olhos. Eu acho que você esta exagerando na reação... Porque? Sente tesão em mostrar seus músculos? - Kyle sorri e o homem levanta o punho.
- Olhei mesmo, é gostosa e merece toda a atenção! Você ta tirando uma com a minha cara? Você quer morrer? - o Homem aperta a gola de Kyle e o puxa pra perto tentando ameaçar Kyle.
- Não. Claro que não... Eu teria nojo e raiva de ver meu tio tão cedo.. - O homem da um soco no rosto de Kyle, Kyle cai no chão e olha para cima, o homem chuta seu rosto e ele cai no chão novamente, ninguem interfere, pois o homem era enorme. Kyle se levanta e sorri, ele passa a mão no rosto e percebe que estava sangrando.
- Você me fez... Sangrar? - Kyle olha para o Anel.  - Belo truque... Morte... - O homem corre até Kyle e quando levanta seu punho para dar outro golpe, Kyle dá um tapa tão forte no homem que ele atravessa a recepção, um apito chama a atenção de Kyle , era a tela de senhas, era sua vez.
- Finalmente.... - Kyle se ajeita e olha para o homem que estava desmaiado. - Eu queria agradecer pela diversão... Mas deixa isso para outro dia.. - Ele caminha até a mesa e uma moça olha para ele.
- A segurança ja está vindo, gostaria que eu chamasse a polícia senhor? - Ela pergunta para Kyle e Kyle nega.
- Acho que ele já aprendeu a lição! - Kyle sorri e a moça entrega um papel enquanto olha para Kyle com um olhar estranho.
- Seu nariz está sangrando.. - Ela diz.
- Oh.. Obrigado... Maldita maldição mortal.. - Kyle ri e limpa o sangue. - Bem. Vamos acabar logo com isso. -
- Sim... - Ela começa a digitar em seu computador.
- Seu nome? - Ela pergunta.
- Kyle! -
- Kyle de que? - Kyle pensa.
- Kyle.... Lifen! - Ela ergue a sombrancelha.
- Ok.... Data de nascimento? -
- Não sei ao certo... Mas eu já tenho uns mil e quinhentos anos... Então é... Mais ou menos nos anos 500? - Kyle pensava.
- Moço.. Assim fica difícil ajudar...-
- Coloque ai então. Dia seis de junho de 490 - Ela olha para Kyle e suspira digitando o que ele pediu.
- Nome da Mae? - Kyle Pensa.
- Vida! - A moça olha para ele.
- Vida? - Ela pergunta.
- Sim... Ela é a responsável por cada um de vocês estarem aqui e eu também! - Kyle sorri.
- Espera... O que? - Ela olha confusa para Kyle.
- Nada... - Kyle fica quieto.
- Então.. Tá... Hã... Vida do que? - Ela pergunta.
- O que? - Kyle olha para ela.
- O sobrenome da sua mãe sabe? -
- Ah... Ela não tinha.. Era apenas Vida! - Kyle continua sorrindo.
- Só pode estar brincando comigo .. - Ela digita e olha para ele. - Nome do pai? -
- Eu não sei... - Ela olha para Kyle.
- Não sabe o nome do seu pai? -
- Não, não sei quem é meu pai... Pode ser qualquer um... - A moça segura a risada.
- Então.. Sua mãe era uma prostituta? -
- O que? Não!! Respeite minha mãe! Sua cadela mal amada! - Kyle se levanta furioso.
- Calma senhor.. E me respeite que eu não sou uma qualquer e.. - Kyle arranca a mesa do lugar e rosna enquanto olha no fundo dos olhos da mulher, os seguranças se aproximam, todos olham para Kyle e ficam assustados. Um segurança segura o braço de Kyle e Kyle o joga para longe.
- Como ousa chamar minha mãe desse nome!!! -
- Senhor se não se acalmar eu vou ter de chamar a... -
- CALADA!!!! - Kyle bate o pé e o estabelecimento treme. - Termine esse maldito documento para que eu possa ir embora daqui! - A moça começa a chorar e olha para Kyle.
- Você é repugnante ao estragar a imagem da minha mãe a chamando desse nome. - O chefe da moça se aproxima.
- Tudo bem por aqui? -
- Essa moça... Chamou a minha mãe de ... Prostituta! - O chefe olha para moça e coloca a mão no rosto com vergonha.
- Eu sinto muito senhor. Mas ele disse que o pai dele poderia ser qualquer um e.. -
- Calada! - O chefe dela grita. - Espere em minha sala! - A moça concorda e se levanta.
- Sinto muito pelo ocorrido... Vamos fazer seus documentos, o senhor vai embora e nós continuamos nossos serviços. Certo? - Kyle pensa por alguns instantes.
- Vamos lá cara.. Está assustando as pessoas. - O chefe do local insiste e Kyle olha em volta. Crianças choravam nos colos das mães.
- Certo. - Kyle aceita e termina seu documento, o chefe entrega para Kyle seu mais novo RG e Kyle agradece. - Obrigado!!! - Kyle abre a porta e esbarra em Kirk e Amália que estavam se beijando. - Ah... Pelo amor... Façam isso em casa.. Ninguém merece.... - Kirk e Amália começam a rir.
- Então.. Conseguiu? - Amália pergunta.
- Sim! - Kyle responde e sorri torto enquanto levanta o RG.
- Que demais deixa eu ver! - Amália pega o Rg e olha para os dados escritos atrás.
- Kyle Lifen... Que nome estranho.. - Amália ri. - Nascido em... Seis de junho de quatrocentos e noventa? Isso é sério Kyle? Nome da mãe Vida? E seu pai você não sabe? - Kyle olha para Amália, ela devolve seu documento. - Desculpe por isso.. -Amália diz e olha para Kyle.
- Tudo bem. Para falar a verdade eu não conheço ninguém da minha família. Assim que eu nasci minha mãe me entregou ao meu tio... Então ele cuidou de mim desde pequeno. - Kyle diz e olha para Amália que sorria.
- Qual a graça? - Kirk olha para Amália.
- Agora temos um responsável para cuidar de nós! - Kyle olha para Kirk e sorri.
- Porque eu sinto como se isso tudo fosse um erro? - Kirk comenta enquanto observa Amália e Kyle conversando, eles caminham até uma sorveteria. Kyle observa Amália e Kirk pedindo um sorvete, eles se sentam e olham para trás, Kyle sumiu.
- Onde ele foi? - Amália pergunta para Kirk.
- Não sei.. Deve ter ido ao banheiro, daqui a pouco ele volta.. - Kirk responde e eles pegam três sorvetes, eles se sentam e olham um para o outro.
- Sabe Amália.. Esse tempo que estivemos juntos, foi realmente incrível, você me deu apoio, cuidou de mim, veio morar comigo e estamos... Muito próximos, então, eu queria saber se você... Aceita namorar comigo? - Amália fica vermelha e sorri totalmente sem jeito, ela olha para Kirk e o beija enquanto abraça ele apertado.
- Sim! - Ela responde entre o beijo e Kirk sorri retribuindo, Kyle assiste tudo por uma pequena janela espiritual, ele olha para trás e vê morte segurando sua foice e um pequeno papel.
- O que é isso? - Kyle pergunta.
- É o contrato de morte do Kirk .. Ele vai morrer daqui uma semana e se você não matar ele.. Eu mato... - Morte responde e o contrato some.
- Tio espera. Ele mudou a vida, ele tem uma segunda chance ele está feliz ele não precisa mais morrer... -
- Mas ele tem que morrer! - Morte responde.
- Porque??? -
- Porque ele assinou o contrato do suicídio com você! Era sua obrigação matar ele... Mas você teve dó e virou amigo dele... Uma semana Kyle.. Ou você vai ver seu melhor amigo morrer em sua frente.. - Kyle furioso o ataca, mas tropeça e cai no meio da rua, Kyle olha para frente e vê Kirk e Amália se beijando, morte as mãos e uma fumaça escura passa por todo o local.
- O que você fez? - Kyle se levanta.
- Te apaguei. Ninguém além de Kirk se lembra de você. Só ele pode te ver agora. Mas você ainda é mortal. Você existe não existindo. - Kyle se levanta e aperta seus punhos.
- Tio! - Morte levanta a mão e bate a foice.
- Você é uma vergonha Kyle. Agora sei porque sua mãe te largou. - Kyle corre m as tropeça na calçada e ao se levantar seu tio havia sumido.
- Olha ele lá! - Kirk se levanta e aponta para Kyle.
- Ele quem? - Amália sorri nervosamente.
- Kyle , Amália você não ta vendo ele? - O sorriso de Amália some e ela se levanta.
- É... Você não está bem.. Conversamos em casa tá? -
- O que? - Kirk fala enquanto vê Amália caminhando para fora da Sorveteria.
- Kirk.. Eu não existo mais. Eu preciso te matar. Meu tio tirou meus poderes e apagou minha existência do mundo dos vivos. Estou selado em você.. Você precisa morrer para que eu volte a ser eu... - Kirk fica com uma expressão triste e Kyle continua. - Você assinou meu contrato quando quis se matar. Eu me tornei seu amigo.. Mas acho que isso foi um erro. - Kirk começa a chorar e sai correndo da sorveteria.
Kirk chega em casa tarde, Amália estava dormindo, Kyle estava sentado na cama e olhando para Kirk segurando um contrato. Kirk olha para Kyle e se ajoelha.
- Vamos terminar logo com isso.... - Kirk diz e abaixa a cabeça.
- Não.. - Kyle comenta e fica na frente de Kirk. - Tenho sete dias para isso.. Podemos ficar juntos até lá e quando você estiver pronto.. Eu te levarei comigo. - Kyle sorri e aperta o ombro de Kirk.
- Certo.. - Kirk sorri e se levanta.
- Descansa. Amanhã diz para Amália que você viu alguém famíliar e que se confundiu.. -
- Certo.. - Kirk diz e se prepara para dormir, Kyle senta na poltrona que ficava do lado da cama e olha para os dois dormindo, ele sobe sua visão e vê morte na parede, segurando um relógio que contava 6 dias.
No dia seguinte , Kirk e Amália acordam e vão tomar café, quando chegam na cozinha eles escutam um barulho no quintal, ao abrirem a porta, encontram um gato preso no lixo. Kirk pega o gato no lixo e sorri, ele era pequeno e estava ferido e com fome, Amália se aproxima e acaricia a cabeça do gato. Eles entram em casa e dão pão e leite para o gato.
- Vamos ficar com ele? - Amália pergunta.
- Sim! - Kirk comenta e olha para o gatinho comendo, Amália abraça Kirk por trás e coloca a cabeça no ombro dele.
- E como vai se chamar? - Kirk pensa e olha para o gatinho.
- Que tal... Jack? -
- Jack? -
- Sim! Jack! - Amália sorri e concorda.
- Jack é um bom nome. - Eles se beijam e sobem para dar banho no gatinho, o gato resiste mas desiste ao sentir a água morna molhar seu pequeno corpinho.
- Ele é esperto. - Amália comenta e ri.
- Sim! - Kirk concorda e Kyle assiste tudo da janela, Kirk e Amália sentados no sofá brincando com o gatinho, Kyle olha para parte de trás do sofá e vê seu tio, com o mesmo relógio agora contando cinco dias.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...