História Assuntos Inacabados - Capítulo 2


Postado
Categorias Hemlock Grove, Once Upon a Time, X-Men
Personagens Anna, Anna Marie (Vampira), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Cruella De Vil, David Nolan (Príncipe Encantado), Destiny Rumancek, Dr. Archie Hopper (Jiminy Cricket), Dr. Henry "Hank" McCoy (Fera), Dr. Norman Godfrey, Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Elsa, Emma Swan, Erik Lehnsherr (Magneto), Hades, Henry Mills, James "Logan" Howlett (Wolverine), Jean Grey (Garota Marvel / Fênix), Katherine "Kitty" Pride (Lince Negra), Kurt Wagner (Noturno), Lacey (Belle), Letha Godfrey, Lynda Rumancek, Madre Superiora (Fada Azul), Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Neal Cassidy (Baelfire), Olivia Godfrey, Ororo Monroe (Tempestade), Personagens Originais, Peter Rumancek, Professor Charles Xavier, Raven Darkhölme (Mística), Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Scott Summers (Ciclope), Sidney Glass, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emma Swan, Famke Janssen, Hookedqueen, Killian Jones, Regina Mills, Ruby Lucas, Swanqueen, Wickedwolf, X-men, Zelena Mills
Visualizações 36
Palavras 3.726
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Ficção Científica, Hentai, LGBT, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O capítulo de hoje está cheio de emoções e com um final bem tenso. 😂😂😂
Espero que gostem 😍♥

Obs: Jean e Olívia são interpretadas pela a atriz Famke Janssen. 😉♥

Capítulo 2 - De volta para Storybrooke...


Fanfic / Fanfiction Assuntos Inacabados - Capítulo 2 - De volta para Storybrooke...

Cinco anos depois, na mansão Swan-Mills...

Desde a morte de Sophia, nada era como antes, a vida deles haviam mudado completamente.

Zelena havia perdido o sentido da vida, tudo que queria, era sua filha de volta. Já se passaram cinco anos desde a morte de Sophia, e Zelena nunca conseguiu superar a morte da garota, naquele dia, Sophia completaria 15 anos de idade.

A ruiva estava sentada no sofá da sala, olhando uma foto da filha, enquanto acariciava vagarosamente a mesma. Perdida em seus pensamentos, Zelena, nem percebe Ruby se sentando ao seu lado, lhe abraçando.

- Eu sinto falta dela, amor… – Zelena diz com a voz embargada e os olhos marejados.

- Eu sei amor… – Ruby diz com os olhos marejados e abraçando a ruiva que retribui o abraço, se permitindo chorar.

- Já faz cinco anos Ruby... – Zelena diz chorando. – Hoje ela completaria 15 anos… – conclui.

- Eu sei meu amor… – a lobinha diz chorando.

Zelena apenas aperta o abraço de Ruby, se permitindo chorar cada vez mais, a dor da saudade lhe era gritante, por mais que tenha passado 5 anos, a ficha ainda não caíra, não conseguia acreditar que Sophia não estava mais ali.

Porém, Zelena e Ruby não eram as únicas que não conseguem aceitar a morte de Sophia. Regina, Emma, Cora, Cruella, Elsa, Anna, Tinker, Henry, Franci, Manu e Kamilly, não conseguem aceitar a morte da menina, Sophia era um pouco isolada às vezes, mas, quando se aproximava, demonstrava um grande carinho pela família. A menina era carinhosa, amorosa, companheira e gentil, desde quando a menina veio a falecer, a família Swan-Mills só sente dor, Saudades, tristeza e ódio, ódio por aqueles que assassinaram a garota.

- Eu juro que se aqueles mutantes aparecerem na minha frente novamente, eu mato cada um deles! – Cora diz entredentes.

- Eu também... – Ruby diz e seus olhos ficam amarelados.

- Ei, calma, não inventa de virar lobo agora não, pelo amor de Deus. – Regina diz.

Ruby confirma e começa a se acalmar aos poucos.

- Obrigada. – Regina diz rindo de leve.

Ruby ri de leve confirmando.

Na Mansão X, em Westchester, Nova York...

Dois dias após a morte de Sophia, os mutantes descobriram que a família Swan-Mills, assim como todos da cidade, estavam lhes odiando, após uma longa conversa, decidiram voltar para Westchester, Nova York, voltarem para suas antigas vidas, voltarem a viver com o ódio dos humanos. Tudo que eles queriam era ser aceitos pelos humanos, era pelo menos conseguirem ser amigos dos humanos.

Desde que saíram de Storybrooke, Vampira, Jean e Tempestade andavam cabisbaixas pelos cantos.

Vampira, por ter perdido Sophia, elas eram muito amigas, eram muito próximas, se davam muito bem e sempre viviam juntas. Sophia era especial para Vampira, a garota não entendia porque se sentia tão bem quando estava perto da menina, só sabia que se sentia feliz somente por ouvir a voz da menina, ou às vezes, somente por estar perto da mesma.

Jean, desde que saíra de Storybrooke e voltara para Westchester, começara a se sentir sozinha. Ela e Franci haviam se aproximado muito durante o tempo que esteve em Storybrooke, algo na menina mexia com ela, Franci era uma garota especial, apesar da personalidade forte que tinha. A ruiva se sentia bem somente em conversar com a garota, ou às vezes, apenas por ter a companheira da menina. Podiam estar caladas, sem dizer nada, apenas se olhando, apenas em companhia uma da outra, e isso fazia a ruiva feliz, Jean nunca negou que sentia algo pela menina, que sempre foi apaixonada pela menina, Franci tinha tantas qualidades que era impossível não se apaixonar. Mas, desde que foi embora, viu sua vida perder a cor, não tinha mais a garota na qual tanto amava para conversar, não tinha mais sua amada ali, passou a chorar sempre que podia, queria poder estar com Franci sempre que se sentisse mal, sempre que estivesse triste, mas, não podia, Franci estava lhe odiando, e isso lhe machucava muito.

Tempestade, havia mudado seu comportamento desde que saíra de Storybrooke, estava cada vez mais fechada para tudo e todos, a única pessoa que conversava às vezes era Jean, afinal, ambas se sentiam do mesmo jeito. Tempestade era tão próxima de Kamilly e ter que ir embora, foi horrível, saber que a garota estava lhe odiando, lhe machucava, era como se mil flechas tivessem acertadas em seu coração. Tudo havia desmoronado, como era possível se sentir tão mal somente por estar longe de Kamilly? O que aquela menina tinha que mexia tanto assim com seus sentimentos e bagunçava todos os seus conceitos?

Durante esses cinco anos, Jean, Tempestade e Vampira, ainda não conseguiram superar toda a dor que estavam sentindo, por que o amor tinha que ser tão complicado?

- Jean, Jean... Oh Jean... – Lince Negra diz estalando os dedos na frente do rosto de Jean.

- Ah, Oi? – Jean diz após sair de um transe.

- Você ouviu o que o Logan disse? – Lince pergunta.

- Ah, não, o que ele disse? – Jean pergunta atordoada.

- A Steph vai voltar! – Logan diz rindo de leve.

- Sério? – Jean pergunta sorrindo.

- Sim... – Logan responde sorrindo.

- Finalmente, estou com saudades dela. – Jean diz sorrindo.

- Não só dela… – Lince diz rindo.

- Cala a boca. – Jean diz e joga uma almofada em Lince.

A porta se abre e uma menina de cabelos cacheados, um tanto longos, e castanhos escuros, pele clara, olhos castanhos escuros, alta, mais ou menos 1,80 de altura e sorriso em um formato quadrado e lindo, a menina fecha a porta atrás de si e vai até a sala.

- CHEGUEI NEGADA DO MEU CORAÇÃO! – a menina berra.

Todos olham para a menina.

- Steph! – Logan diz sorrindo, vai até a menina e a abraça.

- Oi pai… – Steph diz sorrindo e retribuindo o abraço.

- Oi pequena... – Logan diz sorrindo.

Steph sorri e solta o abraço.

- Como vão as coisas? – Steph pergunta.

- Indo, está tudo muito complicado. – responde Jean.

- Jean… – Steph diz sorrindo, vai até a ruiva e a abraça.

- Oi… – Jean diz sorrindo e retribuindo o abraço.

- Vem cá, vocês três ainda estão arrasadas por causa daquelas meninas? – Steph pergunta.

Jean confirma.

- Ah se foder… – Steph diz rindo.

- É a vida… – Jean diz.

- Sim… – Tempestade diz entrando na sala com Vampira.

- Tempestade, Vampira... – Steph diz sorrindo e as abraça.

- Oi Steph… – as duas dizem sorrindo enquanto retribuiam o abraço.

Xavier entra na sala, e desvia o olhar para Steph que o olha.

- Stephanye… – Xavier diz.

- Professor... – Steph diz.

- O clima ficou pesado de repente né? – Lince pergunta e Tempestade confirma enquanto observava a cena.

- Bom… – Logan diz. – Precisa de alguma coisa Professor? – pergunta.

- Na verdade só vim dar um aviso. – Xavier diz.

- Qual? – Scott pergunta.

- Iremos voltar para Storybrooke… – Xavier diz.

- Que? – todos perguntam.

- Isso mesmo que vocês ouviram. – Xavier diz e sai.

- Vou falar com ele... – Jean diz e sai.

Enquanto isso, em Hemlock Grove…

- O que diabos é Storybrooke? – Destino pergunta.

- É uma pequena cidade no Maine… – Olívia diz.

- Traduzindo, vamos para o Canadá… – Marie diz.

- Exatamente. – Olívia diz.

- E essa tal de Storybrooke, é legal? – Destino pergunta.

- É sim, eu fui lá uma vez, fazer uma visita... – Olívia diz sorrindo.

- Nem leva as amigas né? Deixa você, sua falsa. – Destino diz.

- Também te amo. – Olívia diz rindo.

- Bom, vamos logo? – Destino pergunta rindo.

- Espera, falta a Letha… – Marie diz. – E o Peter também.

Letha e Peter descem as escadas com as malas.

- Peter você é um folgado me deixou com as malas maiores e mais pesadas. – Letha diz.

- Claro amorzinho... – Peter diz rindo. – É bom ter uma melhor amiga mulher, eu uso ela, como escrava melhor ainda... – conclui rindo.

- Folgado dos infernos! – Letha diz revirando os olhos.

- Obrigada pelo elogio. – Peter diz rindo.

Letha bufa e revira os olhos, fazendo, Olívia, Destino e Marie rindo.

- Bom, vamos agora? – Destino pergunta rindo.

- Vamos... – responde Olívia rindo.

- Finalmente. – Marie diz, pega suas malas e sai.

Olívia, Destino, Peter e Letha saem logo atrás, colocam as malas no porta malas, entram no carro e saem.

Enquanto isso, na Mansão X…

- Professor, há mesmo necessidade de voltarmos para Storybrooke? – Jean pergunta.

- Sim tem, ela é mais calmo e creio que temos assuntos inacabados para resolvermos lá… – Xavier diz.

- Você está falando do que o Bobby fez né? – Jean pergunta.

- Sim… – Xavier diz.

- Acho que nem temos mais autorização de pisar naquela cidade depois do que aconteceu. – Jean diz.

- Ou temos e não sabemos. – Xavier diz.

- Eles vão nos matar! – Jean diz.

- Acho que eles não serão capazes de fazer isso, aliás aquela garotinha, qual o nome dela mesmo? – Xavier diz. – A Francieli, a garota na qual você é apaixonada, acho que ela não seria capaz de machucar você... – conclui.

- Não tenho certeza disso, na cabeça dela, eu sou um monstro, o Bobby matou a prima dela e, ela deve enxergar todos nós como monstros. – Jean diz.

- Minha querida Jean... – Xavier diz e puxa a mão da ruiva. – Se ela realmente teve consideração por você algum dia, ela não irá te machucar.

- Eu não sei... – Jean diz.

- Confie em mim. – Xavier diz.

- Um pouco complicado confiar em você não? – Jean pergunta arqueando uma sobrancelha.

- Por que pensa tudo isso de mim? – ele pergunta.

- Porque você já fodeu muito com a minha vida. – Jean diz. – Eu posso ter te perdoado, mas, ainda não confio totalmente em você.

- Eu entendo, mas confie em mim dessa vez… Se ela tiver ou se ela teve um pingo de consideração por você, ela não irá te machucar. – Xavier diz.

Jean apenas confirma, queria confiar em Xavier, mas era difícil depois de tudo que ele havia lhe feito.

Minutos depois…

Todos haviam arrumado suas malas, estavam prontos para voltarem para Storybrooke, apesar de estarem felizes, pois, finalmente poderiam tentar resolver tudo que havia acontecido no dia da morte de Sophia, temiam que, os únicos humanos nos quais já se deram bem, estejam os odiando e querendo os matar. Já Bobby, não estava nem um pouco contente com o fato de ter que voltar para aquela cidade, tudo que queria era apagar o passado.

- Bom, vamos? – Xavier diz.

- Nem bem chego e já tenho que ir… – Steph diz revirando os olhos.

- É a vida… – Vampira diz. – Voltar para Storybrooke não será fácil, aquela cidade me lembra coisas ruins... – conclui e seus olhos marejam.

- Eu sei, também me sinto assim... – Jean diz enquanto eles saiam da mansão.

Horas depois, em Storybrooke…

Franci andava pela calçada, quando percebe uma morena, de pele clara, cabelos pretos, olhos castanhos escuros, se aproximando com outras quatro pessoas. A menina continua olhando para a mulher, percebendo a semelhança da mesma com Jean.

- Jean? – Franci pergunta confusa assim que a morena se aproxima.

- An? O que? – Olívia pergunta confusa.

- Jean… – Franci diz.

- Quem é Jean? – Olívia pergunta.

- Como assim quem é Jean? – Franci pergunta rindo. – Jean é você. – conclui rindo.

- Que? Não... Meu nome é Olívia... Olívia Godfrey… – Olívia diz rindo e estende a mão, cumprimentando a menina. – Prazer…

Franci sorri e segura a mão da morena, a cumprimentando.

- Prazer, Francieli Swan-Mills… – Franci diz sorrindo.

- Por que me chamou de Jean? – Olívia pergunta.

- É que, eu conheço uma moça muito parecida com você... – Franci diz rindo. – Só a cor dos cabelos muda.

- E o nome dessa moça é Jean? – Olívia pergunta.

- Sim… – Franci responde sorrindo.

- E onde ela está? – Olívia pergunta. – Quero conhecê-la.

- Ela, saiu da cidade a cinco anos atrás. – Franci diz e abaixa o olhar.

- Poxa… – Olívia diz.

- Parece que você tem uma irmã gêmea perdida por aí e só ficou sabendo hoje... – Destino diz rindo.

- Pelo visto sim… – Olívia diz sorrindo.

- Bom, onde vocês irão passar a noite? – Franci pergunta.

- No Granny's… – Olívia diz.

- Podem passar a noite lá em casa se quiserem. – Franci diz.

- Não queremos incomodar. – Marie diz.

- Se fossem incomodar eu não estaria convidando vocês... – Franci diz rindo.

- Delicadeza do cão. – Marie diz rindo.

- Bom, vamos para minha casa? – Franci pergunta.

- Não irá mesmo incomodar? – Destino pergunta.

- Não... – Franci responde rindo. – Vamos logo.

Eles confirmam rindo e vão em direção a mansão, conversando, fazendo com que se conhecessem melhor.

Ao chegarem em frente a mansão Swan-Mills, todos observam e desviam o olhar para Franci.

- Que foi gente? – Franci pergunta.

- Que casa linda. – Letha diz sorrindo.

- Obrigada... – Franci diz sorrindo e todos adentram a casa. – Cheguei gente. – Franci diz a todos que se encontravam na sala.

- Oi… – todos dizem.

- Quem são eles? – Elsa pergunta olhando para as pessoas atrás da menina.

- Ah, são os novos moradores da cidade… – Franci diz sorrindo.

- Novos moradores ou os mutantes voltaram? – Elsa pergunta olhando diretamente para Olívia, não deixou passar despercebido que a morena era completamente idêntica a Jean. – O que a Jean está fazendo aqui?

- Gente, parem de me chamar de Jean, eu nem sei quem é essa mulher. – Olívia diz.

- Elsa, essa não é a Jean, e sim a Olívia, uma suposta irmã da gêmea da Jean. – Franci diz.

- Não sei não… – Elsa diz desconfiada.

- Bom, e os outros como se chamam? – Cora pergunta.

- Essa é a Letha… – Franci diz e aponta para Letha. – Esse é o Peter… – aponta. – Essa é a Marie… – aponta. – Essa é a Destino. – aponta. – E essa como eu disse é a Olívia. – conclui sorrindo e apontando para a morena que sorri involuntariamente.

- Oi… – todos dizem sorrindo.

- Bom, tem quartos de hóspedes lá em cima, podem escolher alguns. – Emma diz sorrindo.

Eles confirmam e sobem.

As horas logo se passam, em Storybrooke, estava tudo tão calmo, o que era estranho, fazia um bom tempo que nenhum vilão aparece tentando destruir a cidade e os heróis que lá vivem.

- Essa cidade anda tão tranquila ultimamente… – Franci diz.

- Sim… – Manu diz.

- Pode ter certeza que alguma hora vai dar merda, sempre que estamos felizes acontece algo de ruim... – Kamy diz.

- Concordo com a Kamilly. – Tinker diz.

- Também concordo. – Anna diz.

A campainha toca e ninguém atende, ouvindo a campainha tocar novamente.

- Atendem a porra da porta seus bandos de desocupados! – Regina berra da cozinha.

- Eu atendo. – Franci diz e vai até a porta.

A menina desce os degraus que haviam em frente a porta e a abre, se deparando com Xavier e os mutantes atrás de si.

- Puta que pariu. – Franci diz revirando os olhos.

- Nossa, que recepção hein. – Xavier diz revirando os olhos.

- Vai tomar no seu cu. – Franci diz. – O que fazem aqui?

- Não vai nos convidar para entrar? – Xavier pergunta e Franci os teletransporta para o centro da sala, fechando a porta com magia logo em seguida.

- O que eles fazem aqui? – Zelena pergunta entredentes.

- Calma, viemos conversar. – Scott diz.

- Não temos nada para conversar, vão embora daqui, por favor. – Zelena diz.

- Zelena, nos escute, por favor. – Jean diz.

- Não Jean Grey, não queremos conversar com vocês, será que vocês não entendem? – Ruby diz.

- Não depois do que vocês fizeram. – Regina diz.

- Não fomos nós, foi o Bobby, foi só ele, não podemos sofrer as consequências dos atos de outra pessoa. – Logan diz.

- Ele é um de vocês... – Zelena diz entredentes.

- Olha, se vocês forem discutir, discutem sem mim, eu não estou afim de briga, e outra, está tarde para isso. – Franci diz.

- Concordo. – Kamy diz.

- Eles mataram a minha filha, eu não vou deixar isso impune! – Ruby diz.

- Gente, por favor... – Franci diz.

- Oh gente, eu estou precisando de… – Olívia diz descendo as escadas, porém se cala ao ver Jean. – Quem é você?

Jean desvia o olhar para a morena.

- Quem é você? – Jean pergunta confusa.

Olívia e Jean se aproximam uma da outra e se olham.

- Você é igualzinha a mim. – as duas dizem ao mesmo tempo.

Steph começa a rir assim como Franci e Kamilly.

- Não somos tão iguais assim. – as duas dizem.

- Ué... – Franci diz rindo.

- Bom... Meu nome é Olívia... Olívia Godfrey… – Olívia diz estendendo a mão, cumprimentando a ruiva, ainda incrédula.

- Meu… Meu nome é Jean… Jean Grey... – Jean diz cumprimentando a morena.

- Como é possível sermos tão iguais assim? – elas perguntam em uníssono, fazendo todos rir.

- Existem duas explicações... – as duas dizem. – Ou somos irmãs gêmeas, ou somos sócias. – concluem.

Steph gargalha.

- Ai eu não aguento... – Steph diz rindo.

- Eu também não... – Franci diz rindo.

- Que dia você nasceu? – Jean e Olívia perguntam uma a outra.

- Dá para uma falar de cada vez? As duas falando não dá não gente. – Kamy diz rindo.

Jean e Olívia riem e se olham.

- Fala você. – Olívia diz sorrindo.

- Não, fala você... – Jean diz.

- Pode falar... – Olívia diz rindo.

- Bom... Que dia você nasceu? – Jean pergunta sorrindo, porém receosa.

- Dia 05 de novembro de 1990. – Olívia responde sorrindo e Jean a olha incrédula. – O que foi?

- Eu… Eu também nasci nesse dia. – Jean diz desacreditada.

Olívia sente seus olhos marejarem.

- Não... Não pode ser... – Olívia diz com a voz embargada e os olhos marejados.

- Você acha que podemos ser irmãs? – Jean pergunta com os olhos marejados.

Olívia confirma e uma lágrima cai.

Jean sorri e abraça a morena, que rapidamente retribui, naquele momento, ambas sentiram um laço forte entre elas.

- Que cena mais fofa... – Kamy diz sorrindo.

Jean e Olívia soltam o abraço, olhando uma para a outra, eram de fato muito parecidas, a primeira coisa que pensaram quando se viram foi que, talvez, fossem somente sósias, mas, ao descobrirem que nasceram no mesmo dia, essa dúvida, foi substituída por outra, “Será que são mesmo irmãs gêmeas?”

- Eu… É… Nunca imaginei que encontraria uma pessoa tão idêntica a mim. – Jean diz sorrindo.

- Nem eu... – Olívia diz sorrindo.

- Mas, preciso ir agora... – Jean diz.

- Ir aonde? – Olívia pergunta.

- Para a Mansão X… – Jean diz.

- O que seria isso? – Olívia pergunta confusa.

- A casa onde eu e meus amigos moramos... – Jean diz rindo de leve.

- Entendi... – Olívia diz sorrindo. – Se cuida…

- Vou me cuidar e, se cuida também... – Jean diz sorrindo e abraça a morena.

Olívia confirma sorrindo e elas soltam o abraço.

- Tchau Franci... – Jean diz sorrindo de leve, não sabia se a menina se sentia a vontade com sua presença.

- Tchau Jean... – Franci diz sorrindo de leve, sabia que a ruiva não estava se sentindo a vontade ao seu lado, talvez por medo. – E tchau para vocês. – diz olhando para os outros mutantes. – Menos para vocês dois. – conclui olhando para Bobby e Xavier.

Bobby revira os olhos e sai com Xavier. Os outros saem logo em seguida.

- Poderiam morrer no caminho. – Zelena diz e revira os olhos.

- Zelena! – Emma diz.

- Zelena é o caralho, eles mataram minha filha. – Zelena diz e vai para o quarto.

Os dias se passam, tudo estava ocorrendo bem na cidade, até que, Emma recebe a notícia de que havia acontecido um assassinato perto da fronteira da cidade.

Swan corre até a fronteira da cidade, se deparando com David, seu pai, que também era xerife, nos limites da cidade, a loira se aproxima.

- O que houve aqui pai? – Emma pergunta.

- Um assassinato… – David diz e aponta para o local.

Emma desvia o olhar para o lado, se deparando com um garoto caído, ensanguentado e muito ferido, a loira se aproxima, examina o local, pega uma pinça ao avistar um fio de cabelo. Com a pinça, Emma pega o fio de cabelo e o coloca em um plástico, o lacrando logo em seguida.

- Temos que avaliar esse fio de cabelo, essa é a nossa prova. – Emma diz e entrega o plástico para David, se aproximando do corpo.

- O que vai fazer? – David pergunta.

Swan enfia a mão no peito do garoto, percebendo que o local estava fazio, o coração do mesmo não estava mais ali.

A loira coloca uma luva, pega um taco de beisebol que estava ao lado do corpo. O objeto estava todo ensanguentado, Emma olha para todo o corpo do garoto, respira fundo e seus olhos marejam.

- Tenho psicológico para ser Xerife não... – Emma diz com a voz embargada.

- Eu não entendo, como alguém pode matar a sangue frio? – David pergunta inconformado.

- Algum motivo a pessoa deve ter mas… Por qual motivo a pessoa arrancaria o coração desse garoto, o esmagaria, pegaria um taco de beisebol e o espancaria? – Emma pergunta confusa.

- Também quero saber. – David diz.

- Cada coisa que acontece nessa cidade, puta que pariu. – Emma diz retirando as luvas.

Dias depois, os resultados da perícia criminal haviam ficado prontos, e o resultado foi surpreendente.

- E então Emma? Quem foi o assassino? – David pergunta.

- Foi a Sophia... – Emma diz incrédula e cai sentada na cadeira. – Ela tá viva e se tornou uma assassina.

- Mas, isso não é possível, a Sophia sempre foi uma boa menina, ela não mataria alguém. – David diz.

- As pessoas mudam. – Emma diz.

Ruby entra, e rapidamente Emma e David mudam de assunto, a lobinha encara os dois, cruza os braços e arqueia uma sobrancelha.

- Posso saber do que vocês estão falando? – Ruby pergunta desconfiada.

- Não é nada demais… – Emma diz.

- Se não fosse nada demais vocês não haviam mudado de assunto assim que eu cheguei. – Ruby diz.

- Não é nada demais Ruby. – Emma diz. – Aliás, o que faz aqui?

- Eu estou te ajudando na investigação está lembrada? – Ruby pergunta revirando os olhos. – Qual foi o resultado?

Emma e David se olham e ficam calados, não faziam a menor ideia do que podiam dizer a morena.

- Me respondem! – Ruby diz e eles continuam calado. – Quer saber? Eu vejo. – diz e pega o documento onde mostrava o resultado da perícia.

Ao ler o resultado que havia no documento, a morena deixa a folha cair no chão, abrindo a boca em perfeito “O”, incrédula. Ruby vai ao chão, caindo sentada.

- Como assim? – Ruby pergunta incrédula. – Ela voltou e virou uma assassina?

- Pelo visto sim. – David diz.

- Mas… Não... Meu Deus... – Ruby diz se embolando toda com as palavras.

- É… – Emma diz.

Ruby se levanta do chão, pega o documento e coloca sobre a mesa.

- Como isso é possível? – Ruby pergunta.

- Eu não sei, talvez ela tenha conseguido sair do submundo… – Emma diz.

- Eu pensei que ela tinha ido para o céu... – Ruby diz.

- Eu também. – Emma diz. – Mas pelo visto na nossa família, ninguém vai para o céu, é sempre para o submundo.

Ruby confirma e sai.

Minutos depois, Ruby chega a Mansão X e toca a campainha. A porta se abre e Ruby se depara com Vampira.

- Precisa de algo? – Vampira pergunta.

- Preciso conversar com você. – Ruby diz.

- Ah sim, entre… – Vampira diz dando passagem a lobinha que entra.

As duas vão até a sala e se sentam no sofá.

- Diga… – Vampira diz receosa, seu medo era que Ruby lhe fizesse alguma coisa.

Ruby entrega o documento para Vampira.

- O que é isso? – Vampira pergunta.

- É o resultado da perícia… É daquele assassinato que aconteceu… – Ruby diz.

- É mais fácil você me dizer, nem sabia que esse assassinato havia acontecido. – Vampira diz.

- A Sophia está viva… – Ruby diz. – E se tornou uma assassina.

- Que? – Vampira pergunta incrédula, não acreditara no que acabara de escutar.


Notas Finais


Ih, e agora? Será que Sophia realmente está viva e irá aparecer para todos eles, ou é só uma armação? 🤔
Deixem o que acham nos comentários 👇♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...