História Até a nossa próxima existência (Jjk-Pjm) - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Stray Kids, TWICE
Personagens Dahyun, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Yang Jeong-in
Tags Bangtan Boys (BTS), Bromance, Depressão, Drama, Infância, Jikook, Jimin, Jimin!bottom, Jimin!centric, Jungkook, Jungkook!top, Kookmin, Lgbt, Morte, Reencarnação, Romance, Suspense, Vhope, Yaoi
Visualizações 8
Palavras 1.451
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tá aí mais um capítulo e dessa vez eu não demorei um mês para postar, uhul.
Queria agradecer a yoongisugaa e a Kim_KillerBunny, que me fizeram terminar o capítulo logo<3
É só isso que eu tinha para falar, aproveitem bastante, porque o próximo já está sendo feito e será enorme.

Capítulo 4 - IV.Esperança


Fanfic / Fanfiction Até a nossa próxima existência (Jjk-Pjm) - Capítulo 4 - IV.Esperança


Aquela noite, Jimin fora capaz de dormir. Dormiu com uma paz que foi arrancada de si, assim que seu pai o abandonará, mas agora nada disso o importava, estava feliz, finalmente estava feliz.

A esperança de uma nova vida, de recomeçar, mas nunca esquecer do que viveu.

Nunca pensou que criaria expectativas novamente, mas ter esperança é acreditar que alguma coisa muito desejada vai acontecer, então não pode deixar de imaginar como seria sua vida de agora em diante.

E foi com esses pensamentos que Jimin adormeceu e da mesma maneira acordou. Nunca parando pensar no quão bobo parecia em ter aquelas esperanças, sabendo que poderia se ferir com seus discernimentos errôneos, mas logo mais pensamentos de como seria moldar sua história novamente, empilhavam sua mente.

O dia do pequeno mal havia começado e já estava radiante, como nunca tinha sido visto naquele orfanato.

Ele não pode de evitar o vultoso sorriso que deixou escapar de seus lábios, aquele sentimento estranho estava o deixando vulnerável demais, mas quem ligaria agora, só queria sentir mais daquela sensação anômala.

Eu nunca havia pensado em um jeito de o chamar, como devo o fazer?

Narrei a história desse garoto desde o começo de minha existência, fui criado para ele e por ele, e pensar nisso é algo que me traz arrepios.

Faz tanto tempo, que me perdi no mesmo.

Mais não se engane, eu não sou qualquer um, não comparado a vocês, humanos.

Jimin a pouco havia se levantado e já recolhendo suas poucas coisas, as colocando em sua pequena mochila, que tinha sido utilizada para o tirar de sua casa e agora do orfanato.

A sua diminuta mochila tinha personagens de um desenho animado, que Jimin amava.

Antigamente, sentiria vergonha de sua mochila por ser muito infantil para se andar por aí, mas agora só tinha orgulho dela, que foi comprada por sua querida mãe.

- Jimin, seja rápido com isso, sua tia chegou e está ao seu aguardo. Desça para a sala principal e nos espere lá. - Jimin apenas teve tempo de assentir, antes que a porta fosse fechada com força.

Após Jimin ter colocado todos seus pertences que tinha conseguido pegar de sua casa e levado para o lugar atual, desceu as escadas, e logo chegou ao local indicado pela inspetora, o encontrando vazio assim como tinha sido avisado.

Ele se sentou timidamente no sofá, e colocou sua mochila ao seu lado, enquanto esperava, de certa forma impaciente, pela chegada das mais velhas, que após alguns minutos que duraram mais do que deveriam, entraram no recinto, sendo seguidas pelo olhar ansioso de Jimin.

- Olá Jimin, espero não ter demorado muito meu querido, eu estava lendo alguns documentos, e assinando o contrato de adoção e responsabilidade. Mas agora eu já terminei toda essa papelada e podemos ir, meu amor. - Byeol pegou sua bolsa, que estava jogada no sofá e a colocou em seu ombro.

Jimin logo ficou de pé e não esperou nada para começar a seguir sua tia para a saída daquele lugar que tivera o desprazer de conhecer.

Nem ao menos olhou para os lados, saiu sem se despedir de ninguém, não que tivesse alguma pessoa para dizer adeus naquele orfanato, e sua tia o entendia, por isso não o fez pergunta nenhuma ou o julgou por tal ato.

Chegando ao estacionamento velho, a mais velha imediatamente destravou seu carro, nem muito novo ou muito velho, era um carro esportivo, que mesmo não sendo dos mais caros tinha uma ambientação confortável.

Jimin ficou impressionado, já havia visto muitos carros, mas nunca havia entrado em um de verdade, pois sempre andará de a pé e algumas raras vezes, de ônibus. Claro que sem incluir o carro que havia o levado de sua casa até o orfanato, pois ao menos saibia se podia chamar aquele automóvel podre dado pelo governo, de carro.

Jimin entrou no veículo, fechando a porta com o maior cuidado possível, logo puxando o cinto algumas vezes, mas sempre travava.

- Tem que puxar devagar, meu bem... - Se inclinou e pegou o cinto em suas mãos, rapidamente conseguindo colocar no garoto a sua frente - Assim! - Diz dando um leve afago na cabeça de Jimin, que a lança um sorriso envergonhado.

- Obrigado, tia.

- Não há o que agradecer pequeno, agora se ajeite direito, porque a viagem será longa.

Andava de carro, observando a movimentação de fora do ambiente, com uma expressão pensativa.

Não tinha traço algum de tristeza em sua face, por estar deixando sua cidade natal. Pensava que indo embora de lá, deixaria suas lembranças dolorosas para trás, mesmo que soubesse que nunca poderia as esquecer.

Durante todo o trajeto foi trocada diversas conversas doces entre Jimin e sua tia, e em uma dessas o pequeno garoto descobriu que Byeol tinha um filho, detalhe muito importante que não havia sido mencionado até tal momento.

No mesmo instante Jimin ficou nervoso, começou a imaginar se seu primo não fosse com a sua cara e começasse a o importunar, como sempre era feito em todos os lugares que aparecia.

Mas logo a notícia que esse tal garoto estava em um intercâmbio nacional e que só voltaria por voltar de seis meses depois, o acalmou e o fez para de pensar nessas coisas.

Após muito tempo de estrada Jimin começou a se sentir extremamente cansado e era visível que não conseguiria ficar acordado por mais tempo, sendo esses os efeitos de semanas sem dormir direito, logo adormecendo no banco razoavelmente confortável do carro.

  [...]

- Jimin, acorde meu bem, já chegamos - A voz suave de sua tia atingiu seus ouvidos, o fazendo levantar sua cabeça lentamente, analisando o ambiente ao seu entorno.

Se encontrava em um estacionamento, junto de outros carros, além do de sua tia.

- Tia, você não disse que iriamos a sua casa? O que estamos fazendo no estacionamento de um prédio? - Pergunta Jimin confuso, tanto pelo seu sono, quanto pela sua falta de conhecimento sobre o lugar que se encontrava.

Byeol notando a desorientação de seu sobrinho, sorri e passa a mão entre os cabelos negros de Jimin, que mesmo pela falta de banhos, continuava com a mesma textura e aparência.

- Querido, eu não te disse por não parecer de muita importância, mas eu moro em um apartamento, entendeu?

Finalmente compreendendo o porquê de estar naquele local, Jimin abriu um grande sorriso, aquilo estava virando um hábito.

Comparado a constância que se sentia infeliz durante aqueles meses, sorrir havia se tornado um ato doloroso, mas de súbito tudo tinha mudado.

Agora estava com um de seus maiores sorrisos no rosto, unicamente para a pessoa que o tirou do pior lugar de sua vida.

- Mas e então, vamos? - Sua tia muda de assunto rapidamente, tirando o próprio cinto, sendo seguida de Jimin que somente assentiu.

Jimin imediatamente saiu do carro ansioso, estava nervoso, mas isso não impediu que mais um sorriso instala-se em seu rosto, enquanto subia os degraus da escada, que o levariam para sua nova morada.

Mandando seus olhares para os lados, analisando todo e qualquer detalhe que aparecesse em sua frente, parou bruscamente quando percebeu que sua tia estava parada em frente a uma porta, o olhando com um sorriso divertido.

- Ei Jimin, já chegamos haha - Diz a mulher mais velha, olhando para a face envergonhada do moreno, que tinha voltado alguns passos e estava parado em frente a porta, assim como a mulher

- Não se preocupe, pequeno. Quando arrumarmos suas coisas, apresentarei o prédio inteiro para você, está bem? - Jimin apenas assente, ainda um pouco envergonhado, mas acima disso, estava animado para conhecer o lugar em que viveria.

Seus pensamentos foram cortados com o barulho de chave sendo rodada e um *click sendo ouvido.

A porta sendo aberta lentamente, justamente pelo motivo de suspense, Jimin foi entrando devagar dentro da casa, arregalando os olhos, ao ver o ambiante límpido e brilhante.

Era um apartamento modesto, não o suficiente para serem chamados de ricos, mas não tão pouco ao ponto de serem ditos pobres.

Para Jimin, aquele fora o ambiente mais luxuoso que já tinha entrado em sua vida, mesmo sendo o mais simples possível, e percebendo que seus olhos lacrimejavam, os limpou rapidamente.

Sentia-se cheio, cheio de alegria, expectativas e principalmente de esperança, aquela que nunca se permitiu ter novamente, para não se machucar de novo.

Confiava mais uma vez nas pessoas ao seu redor e a única coisa que não queria era perder a tal esperança, de que tudo daria certo nessa nova ocasião.

Pobre criança, o destino pode te dar coisas boas e as arrancar com a mesma rapidez que chegaram, e sempre foi assim.


Notas Finais


Espero que tenham gostado e como sempre, se verem algum erro, por favor me corrijam.
E eu amo comentários, tá?•^•
Aah e eu quase ia me esquecendo, eu fiz um trailerzinho pra fanfic, está bem amador, mas eu juro que me esforcei:
https://youtu.be/mioikMEG_pg

Um dia eu consigo fazer uma edição decente, ok?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...