História Até o Carbonara - Imagine BTS (Jimin) - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Eiza Gonzalez, Hoseok, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Taehyung
Visualizações 145
Palavras 3.053
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Científica, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite meus anjos, desculpem o hiatus, voltei a poucos dias de Brasília.
Capítulo feito com muito suor e lágrimasdjfbuezfbuqefbq
Rendezvous significa encontro e também significa O BOP minhas irmas O HIT do Years& Years nesse veraozao stream em Palo Santo!!!

Capítulo 37 - Rendezvous


(...)

 Citizen W (sala de ensaio)

Waterfield, USA

DENVER

 

 


Ele me encara em silêncio e em seguida se vira para o gravador desligado ao seu lado, quebrando todo aquele ambiente tocante e misterioso, um leve sorriso torto se forma em seus lábios olhando para o aparelho. Merda.
Jimin suspira, pega o gravador e se levanta do sofá. Merda… De novo.
Eu o acompanho com os olhos andar pela sala até se colocar atrás de minha cadeira, apoia uma de suas mãos em meu ombro direito e sinto seu rosto se aproximar pelo lado esquerdo. Levanta sua mão colocando o gravador na frente de meus olhos – Acho melhor tomar mais cuidado com isso... – olho longamente para o aparelho antes de suspirar o pegando de sua mão
-Eu sei que aconteceu alguma coisa
-Aconteceu que têm essa garota chamada Denver… Ela anda com seu gravador de um lado para o outro procurando quem ela diz ser um assassino porque ela quer saber... – viro um pouco meu rosto encarando o seu – “Por que ele é assim?”... Então ela desliga seu gravador... Quer mostrar que pode confiar nela... Não acho que ele deva, o que você acha?
-Acho que sabe o que está fazendo – e me responde fazendo “mais ou menos” com a cabeça
Jimin tinha aquele ar diferente de seu habitual, mas aquele que eu podia o chamar de “o de sempre” quando conversávamos: Olhos bem atentos em um rosto levemente relaxado, com seu sorriso torto que encontrava o equilíbrio perfeito entre o lado seu que o relembrava de se comportar como um cavalheiro, e aquele que parecia gostar da intimidade daqueles nossos encontros – Minha vez de perguntar, pode ser? - e me pede o gravador
-Vai gravar?
-Vai querer ouvir depois, não precisa se preocupar – eu subo minha mão o mostrando o gravador e ele o pega – Vai querer sentada aqui ou no sofá?
-Gosto no sofá
Ele ri fraco – Gosta no sofá... - eu me levanto da cadeira indo me sentar.
Jimin continuava parado ali, batendo de leve o gravador em sua mão enquanto me olhava como se aquilo o ajudasse pensar em algo.
Ele arrasta a cadeira até perto de mim se sentando a frente do sofá em minha direção – Você por acaso conseguiu alargar sua definição sobre meu nome?
Afirmei com a cabeça – Quer escutar?
-Estou aqui para isso
-Não acho que seja um cara de diversas faces, acho que apenas não diz tudo o que pensa e quando diz, soa como outra pessoa porque todos estamos acostumados ao Jimin sem sentimento e expressão, acho que apenas guarda demais para si o que pensa… e pensa muita coisa... Gosta de seguir o plano mesmo que não ache ser a coisa mais gentil a fazer só porque vai o levar exatamente aonde quer, para falar a verdade, quando digo que gostaria de saber mais sobre você, é saber o porque de ser tão controlado, tão disciplinado como se tivessem o treinado para ser assim
-Talvez eu goste de ser assim
-Parece um pouco torturante
Jimin nega com a cabeça – Ao contrário, me desvia de muitos problemas como os de má interpretação, os de falar demais… Se ninguém te conhece de verdade e com os rumores que tenho, as pessoas pensam duas vezes antes de falar ou fazer qualquer coisa comigo… Gosto disso, me poupa tempo
-O tempo que ganha não parece o trazer dos mais alegres momentos
-O tempo que ganho me permitiu estar aqui a sua frente a deixando tentar me colocar atrás das grades apenas porque me diverte – falou espremendo seus olhos e sorrindo vitorioso
-Diverte porque talvez goste mais ainda quando testam seu controle – falei colocando as mãos em seus joelhos
-Não é com todo mundo – pega em minhas mãos as subindo até a metade de suas coxas
-Tá aí algo impossível de se acreditar - ele inclina um pouco seu rosto para frente buscando o meu enquanto eu fazia uma leve massagem sua coxa, consegue chamar minha atenção me olhando nos olhos – Parece ser uma pessoa muito estressada
-É diferente com você… Acho que vou muito longe
-Muito longe?
-Saber que tenta se convencer de que me odeia e que quer ser melhor que eu em qualquer coisa é algo que descobri funcionar bem comigo
-É por isso que o incomoda que eu me interesse pelo seu passado? Seu verdadeiro você?
-O que me incomoda é você querer ver em mim algo melhor do que sou
-Acho que me deu a entender uma vez que deveria o conhecer melhor se quisesse ganhar o jogo
-E você vai, só não quero a dar expectativas
-Difícil me decepcionar mais
-Sei que tipo garota é, Denver, sei exatamente em que direção pensa em ir com suas perguntas, continuo a achando sensível demais
-Achei que “o que fizeram com você?” tivesse sido bastante vaga
-E são as perguntas vagas as mais perigosas... Se responder, acaba no vazio do pensamento naturalmente mostrando a direção certa para o tesouro... Não que eu seja o iniciante desse jogo mas prefiro não arriscar
-E se eu fosse mais precisa?
-Tente
-Por que voltou para Waterfield?
-Sempre estive por aqui
-Quero dizer, quando era pequeno - ele franze sua testa - Não consigo acreditar que tenha sido um aluno ruim ou que tenha ido tão longe em brincadeiras para que possam ter o expulsado daquele colégio, dificilmente um dia foi menos sério e disciplinado como é hoje
Ele sorri se inclinando um pouco na minha direção, nega com a cabeça - Eu sempre fui assim, Denver - e olha discretamente para baixo minhas mãos acariciando o interior de suas coxas - Vejo muito de você naquilo...
-O que?
-A Bíblia... Era um colégio religioso... Uma das minhas passagens preferidas… “O Senhor viu que a perversidade do homem tinha aumentado na terra e que toda a inclinação dos pensamentos do seu coração era sempre e somente para o mal” - segura em minhas mãos em suas coxas – Não me sinto tão ruim assim quando a imagino pelada em cima de mim - ele as desliza em sua coxa até seu membro endurecido debaixo da calça – O que você acha?

-Acho… - sinto o volume em sua calça fazendo um movimento de vai e vem com minha mão direita – Talvez eu não seja tao boa quanto achava em interpretações de texto

Ele sorri mordendo seu lábio inferior -Mesmo? - minha mão ainda sentindo seu volume, eu levanto meu olhar o encarando, com certeza entregando nele minha excitação – Porque parece ter entendido muito bem – diz me fazendo sorrir levemente e abaixar meu olhar novamente estimulando seu membro por debaixo da calça
Jimin segura em meu rosto com uma das mãos o inclinando levemente para o lado, em seguida sinto seus lábios quentes tocarem em meu pescoço, eles sobem nele o beijando suavemente, me fazendo arrepiar cada vez que se desprendiam de minha pele e eu sentia sua respiração. O chupão que me deu me faz cruzar minhas pernas com mais força excitada -Quer que eu diga mais? Sei que gosta de ouvir o quanto penso em você...
Eu faço sim com a cabeça aproximando meu rosto do seu, me matando por dentro para que me beijasse com toda sua vontade - Fala rápido - mas ele desliza sua mão até meu queixo me parando assim que nossos lábios se tocam, tão perto de me satisfazer
Jimin olha minha boca avermelhada pelo calor que sentia dentro de mim- Eu não farei nada até que esteja bem safada- então puxa delicadamente meu queixo para ele me fazendo ir sentar em seu colo, minha intimidade sentindo o volume de seu membro debaixo do pano molhado de minha calcinha- Você deve ter muita sorte de ser assim com os outros caras, eu não consigo parar de te odiar por isso, perco bastante do meu sono repensando nas coisas que diz, fico o resto da noite me imaginando a fodendo com força…
-Vai descontar em mim?
Ele ri fraco, deu um leve beijo em meu decote antes de levantar seu rosto me falando em tom baixo com sua voz rouca - Preciso de você bem cachorrinha quando começar- sua mão arrasta minha blusa em meu ombro o deixando amostra, deposita um beijo suave nele antes de me pedir- Tire a roupa
Eu então saio de seu colo ficando de pé. Começo a tirar minha blusa.
Jimin se levanta, tira sua camisa e anda com ela na mão até o sofá me observando ficar nua para ele. Se senta confortável, suas pernas ainda vestidas abertas para mim e seus braços esticados apoiados no encosto do sofá.
Enquanto eu tirava minha roupa a sua frente como se o fizesse um espetáculo, eu o encarava pensando que Jimin era o único homem que podia me fazer fazer aquilo. Me entregar para ele do jeito que ele queria era como uma de minhas fantasias secretas.

Ele era esperto, sabia conseguir o melhor de uma mulher na cama. Sabia exatamente o que e como queria, e Jimin não parecia gostar de pegar leve. Apesar de suas intenções obvias, era paciente como um bom predador, o tipo de homem que sabia excitar uma mulher e fazer com que os dois pudessem aproveitar o melhor dela, com suas palavras provocativas, mãos carinhosas e uma estratégia de me fazer implorar para que fizesse comigo exatamente o que queria, eu me sentia segura para me entregar aquele momento e cada vez que me tocava, queria desesperadamente que tomasse o controle e satisfizesse aquela vontade mútua de fazer amor forte um com o outro que tínhamos.
Minha calcinha é a última peça a tocar o chão. Eu levanto minha cabeça encarando Jimin, quem desvia seu olhar de meu rosto e percorre meu corpo completamente amostra para ele.
Lentamente me afasto do pano em meus pés indo em sua direção, o assistindo pegar em seu membro o apertando levemente por debaixo da calça preta, seu olhar que sobe minhas pernas, passa por minha intimidade e depois meus seios até chegar em meu rosto. Sua pele levemente corada e seu peito que subia e descia, me esperava subir em seu colo com aquele seu olhar sério e admirador. Suas mãos seguram minhas coxas quando me sento virada para ele. Sentindo minha pele, ele as desliza até minha bunda. Meus seios pressionados contra seu peito, nossos corpos quentes colados, nossas peles se encontravam em um delicioso calor.

Sinto uma de suas mãos subir minha espinha me pressionando contra ele, vai até meu pescoço com seu toque cheio de vontade de sentir meu corpo me fazendo aproximar meu rosto do seu então seus lábios molhados puderam tomar os meus. Segura em meu cabelo intensificando os longos beijos que dávamos, me fazendo subir minhas mãos alisando seu peitoral até cruzar meus braços em volta de seu pescoço. Eu queria sentir sua pele calorosa, ele queria meus lábios, meu corpo em sua mais pura forma, pegando nele como se fosse propriedade sua, suas mãos incansavelmente me apertando e me fazendo me sentir tão dele.

Desce suas mãos novamente até meus glúteos, ele dá um forte tapa em um deles antes de os apertar me fazendo soltar um leve gemido. Quando viro meu rosto para atrás tentando ver suas mãos, eu sinto seu nariz em meu pescoço e sua respiração quente em minha pele me faz arrepiar – Coloca as mãos nos meus joelhos – o obedeço e ele me ajeita em seu colo me puxando para frente pela bunda antes de aproximar sua boca de meu seio esquerdo, seus lábios chupam delicadamente o bico dele me fazendo o segurar por seus cabelos. Jimin o abocanha me olhando, o beijava e chupava me vendo me contorcer de prazer em seu colo.

Pegou minha mão de seu cabelo e a colocou de volta em seu joelho – Eu sei que aguenta – diz encarando meus olhos, em seguida, seu olhar vai lentamente percorrendo meu corpo sentado em cima do seu até parar em minha intimidade.

Jimin sobe novamente seu olhar para mim antes de beijar seus próprios dedos e os descer até minha intimidade, me levando a loucura quando sinto seu dedo molhado delicadamente tocar meu clítoris, me toca me massageando em mini-círculos. A forma que brincava com meu corpo era torturante – Jimin… - gemi seu nome querendo o pedir para terminar com aquilo, quando seus dedos desciam e me provocavam sem me penetrar, seus toques molhados bem posicionados que me faziam me contorcer em seu colo

-O que foi, Denver? - murmurou em meu ouvido – Quer que eu te foda? É isso que quer? - eu tento levar uma de minhas mãos até minha intimidade mas ele a segura

-Por favor… - falei quando subo meu rosto encontrando o seu, eu sabia o que ele queria, me avisou desde o começo sua condição para me satisfazer por completo – Me fode… Jimin – ele então dá um leve sorriso vitorioso, aproxima seu rosto do meu me beijando

Eu segurava em seu rosto enquanto me beijava, suas mãos abrindo suas calças e ele coloca seu membro endurecido para fora.

Desço minha mão o segurando e fazendo movimentos de vai e vem o estimulando antes de Jimin me puxar para sentar em cima dele, brinca em minha entrada passando a cabeça de seu membro nela – Molhadinha… - fala antes de o enfiar em mim

Quando terminei de sentar nele, nós dois suspiramos.

Eu coloco minhas mãos em seus ombros subindo e descendo lentamente em seu membro. Aproximei meu rosto do seu quando rebolo em cima dele o sentindo dentro de mim e fazendo Jimin gemer levemente, sorriu mordendo seu lábio inferior.

Eu sabia que ele estava me deixando fazer o que quisesse com ele naquele momento. Quando começo a quicar em cima dele e que me pede – Abre mais – me fazendo segurar meus glúteos o deixando que me penetrasse com mais fundo, eu sabia que “minha vez” de estar no controle daquilo estava próximo de acabar.

Jimin segura em minha bunda e desliza um pouco para a frente no sofá me fazendo colocar novamente a mão em seu peito. Me apertou puxando meus glúteos para cima e para baixo controlando o jeito que me metia seu membro, começou devagar e depois aumentou a velocidade me fazendo gemer – Vem aqui… - disse passando seus braços contornando minha cintura e me colocando deitada contra ele, presa em seus braços, ele começa a socar seu membro agora ainda mais rígido em mim e eu coloco a mão em minha boca evitando gemer muito alto. Jimin então o introduz o máximo possível dentro de mim e empurra, me pergunta com malícia – Quer que eu pare, gostosa?

-Continua

-Você é uma delicia sabia… Gozando em mim desse jeito – e mete profundo em mim uma última vez antes de dizer – Não adianta colocar a mão na boca, agora todo mundo vai saber que eu to te fodendo bem gostoso aqui dentro – apontou para a penteadeira da sala com o queixo – Vai para la e empina esse rabo lindo pra mim – eu o obedeço indo até a penteadeira

Vejo Jimin vir em minha direção e se colocar atrás de mim pelo seu reflexo no espelho da penteadeira. Segurou em minha nuca e me deu um beijo de “boa sorte” na bochecha me encarando malicioso pelo espelho antes de o encostar contra a mesa da prateleira me fazendo curvar e empinar minha bunda mais ainda para ele.

Sinto ele me penetrar novamente recomeçando a brincadeira, suas investidas fortes que me faziam balançar o móvel o fazendo bater na parede, provocando um tremendo barulho – Ai caralho, Denver…- diz inspirando profundamente antes de aumentar a velocidade de suas estocadas me fazendo gemer mais alto, tendo que me segurar à prateleira com mais força naquele sexo quase que violento mas tao prazeroso.

Ele tira seu membro de dentro de mim e me pega pela mão, deita no chão me levando com ele. Deitamos de lado e ele, atrás de mim, pede – Abra as pernas – antes de o penetrar novamente em mim – Olha Denver… – fala com seu ar quente em meu ouvido – Sua bucetinha toda molhadinha indo e vindo no meu pau, que delicia – olho para abaixo vendo minha intimidade engolir seu membro sentindo que gozaria

-Me mete com força – ele então segura em meu pescoço dando estocadas mais rápidas

-Era nisso que estava pensando quando ligou para mim, não é Denver, eu metendo meu caralho assim em você que nem uma vadia, você gosta

-Eu gosto

Ele coloca mais força em suas investidas, cerrou seus dentes – Vai cachorra, goza em mim de novo – eu realmente adorava aquilo, ele falando todas aquelas sacanagens em meu ouvido enquanto me metia daquele jeito, eu ia a loucura e não demorou para que sentisse aquele líquido quente sair de mim novamente.

Jimin não para continuando a investir cada vez mais rápido – Eu vou botar tudinho na sua boca – disse avisando que gozaria.

Fica de pé e eu me coloco de joelhos. Pega em minha cabeça e me faz abocanhar seu membro, gemendo alto quando este começa a gozar dentro de minha boca. Fez um movimento de vai e vem me deixando chupá-lo antes de tirar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(...)

2010

Colégio L’Agora

Waterfield, USA

 

No largo corredor de pilastras em estilo greco-romanas do L’Agora, elas escondiam naquele dia de greve um garoto de estatura alta e ombros largos, uniforme típico de um estudante do colégio, tentava ler um mangá se sentindo extremamente ansioso, se pegava as vezes fixando as largas janelas de vidro por onde a luz do sol entrava esperando. Uma espera que não o era incomum, mas uma circunstância que o deixava levemente receoso.

A porta que bateu fez Kim Namjoon se levantar e se esconder atrás da pilastra, se inclinou discretamente vendo “aquela garota do oitavo ano”, Denver Delafonte, sair da sala de aula como a única aluna que veio assistir a tediosa aula de história de professor Murs naqueles tempos caóticos por causa de greve.

Se virou novamente se interessando ao seu mangá percebendo que não era quem esperava, até alguns segundos depois ouvir a garota dizer um “Boa tarde”. Namjoon se automaticamente vira e vê Park Jimin atravessar o corredor ignorando a menina. Se escondeu um pouco atrás da pilastra o observando ir até o armário onde havia botado o dinheiro da enorme dívida de sua família em uma bolsa de bolas de basquete.


 


Notas Finais


postei e sai correndo mas assim sai correndo mt rapido


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...