1. Spirit Fanfics >
  2. Até o dia de amanhã ( bakudeku , dekubaku) >
  3. O início

História Até o dia de amanhã ( bakudeku , dekubaku) - Capítulo 1


Escrita por: KaniB

Capítulo 1 - O início


Fanfic / Fanfiction Até o dia de amanhã ( bakudeku , dekubaku) - Capítulo 1 - O início

Capítulo 1 UA alojamento dos alunos 

 

Depois 

 

— até quando vai fazer isso com você bakugou — kirishima disse o pé do ouvido do amigo 

— não gosta dos nossos momentos — Katsuki disse em um tom de sacarmos

— agora sai preciso dormir, amanhã tem treino… 

— eu sei quem você quer de verdade. até que izuku volte… — cortei a fala dele 

— não fala dele. 

— oque irá fazer o dia do resgate está próximo 

— irei ser eu mesmo. oque quer que faça. — o perguntei 

— Katsuki você nunca mais será o mesmo.

Lembro como se o dia que o izuku se foi fosse hoje, com os sentimentos e o coração em uma completa bagunça. achei a minha carta um pouco diferente eu já sabia de tudo sabia que ele me amava e meus sentimentos surgiram surgiram como uma grande granada detonando bem na minha fuça e ele não estava ali para o socar a face dele como um saco de areia eu queria o partir em 20 pedaços depois os unir novamente. Oque eu quero fazer oque oque posso fazer eu posso o resgatar o posso fazer voltar de qualquer forma nem que tenha que o despedaçar como ele fez nem que tenha que ser do modo difícil minha cabeça zumbiu ao acabar de ler eu sai sai e fui em busca de alguém alguém que poderia me tirar daquela situação.

 

 

Abri a carta novamente 

 

Kacchan eu tive que ir mais saiba, não foi culpa sua kacchan. Queria que soubesse, te ver perfurado daquele jeito… eu não conseguiria aguentar, não poderia te ver novamente. Se pondo na minha frente daquele jeito, por isso vim sozinho. sabe quando foi sequestrado quando te salvei inúmeras vezes percebi uma coisa a sensação de te perder me rasgou a alma e sai de controle  eu vim aqui pra fora para salvar todos, para te salvar meu herói. Agora irei dizer a mesma coisa que me disse a uns messes  Não venha kacchan.

 

 

Antes 

 

 

Queria acima de tudo descobrir que sentimento eram esses, vi kirishima no corredor o arrastei pela camisa até meu quarto — ei kacchan oque está fazendo é sério você precisa ser mais amoroso.

— já disse para não me chamar assim 

— eu esqueço, só o midorya pode te chamar assim. — Ele disse as palavras proibidas ele o mencionou, estava de frente a porta do meu quarto abri, a fechei e o joguei de costas para porta o imprensei na parede. Com minha perna no meio da sua. 

— ei ei kacchan — de novo está merda pus meu ante braço no seu pescoço 

— está surdo — minha mão a frente da sua face ameaçando o explodir 

— oque está fazendo, sabe que não me machuca — ele me perguntou me olhando incrédulo era de certo que kirishima era o único que me aguentava, não o machucava por conta da sua individualidade então acabamos nesta amizade em que ele se considera muito meu, melhor amigo.

— eu não sei. Fica quieto — minhas mãos foram até a cintura dele levantando a camisa pegando no seu corpo o tocando eu queria estar tocando em outro corpo mais quem estava a minha frente era uma pessoa de cabelos vermelhos. 

— Katsuki, para. — disse pondo a mãos no meu peito me afastando. 

— precisa me ajudar kirishima, presiso que me ajude. — talvez, só talvez ele nunca tivera ouvido este tom na minha voz  
 

— ok só está vez.

Só aquela vez se tornaram várias noites, de eu com um pedaço de pano na boca, contendo meus gemidos.  tornaram-se noites intermináveis nada me satisfazia.  Eu queria me machucar meu inconsciente queria aquelas noites me faziam bem e me rasgava por completo. 

— bakugou temos que parar com isso eu não consigo mais. hoje é o dia do resgate sabe não podemos mais e se descobrirem agente 

— eu preciso de você kirishima l

— você precisa do Midoriya — ele disse pegando sua camisa e saindo do meu quarto pela janela. 

 

 

 

Lá estava eu com ele nos meus braços o pedindo desculpa all might e seus conselhos, oque fiz comigo. oque fiz com ele está sem forças está caído  a piada que me meti foi muito poética. Isto não é Karma é castigo.

Como uma penitência ou sim alguém estaria me punindo. porá estar perto dele me rasgava a alma mais eu o queria como queria meu coração estava na boca palpitando e ter feito um treino escondido para poder cuidar dele não estarei Sá das ideias quando sai daqui estarei completamente louco. 

Repetia na minha mente como um mantra — eu não amo izuku Midoriya. 

 

 

Esconderijo subterrâneo 

 

 

Fui posto na situação mais constrangedora da minha vida tirar aquela água suja do seu corpo aquele traje não tinha salvação mas não queria o jogar fora apenas lavei estava aos farrapos mais fazia parte da história do imbecil o deixei pelado na banheira ele parecia em algum tipo de transe. 

Estava passando shampoo no seu cabelo quando acordou

— kacchan, kacchan oque onde estou. Oque  está fazendo aqui. Não kacchan sai, sai ele está atrás de mim eles.. eles… eles vão matar você kacchan, não. — ele estava tendo uma crise na minha frente oque faria 

— Deku, merda se acalme porá. Que merda! — tentei falar baixo mais oque poderia fazer gritei e o sacudi 

— kazinho. — disse voltando a si 

— Escuta que só vou falar uma vez entendeu. Vamos lá. Basta você saber que atingiu seu limite estamos aqui porque eu sou o único que você  obedeceria.

— kacchan só estamos nos dois 

— sim, isso deve ser algum castigo sádico do Aizawa, ele disse que essa seria minha missão 

— cadê os outros todos estão bem.— essas falas do izuku me enlouquecem, todos estão bem a porá. puta que pariu — estão. — Respondi  mais olha para ele machucado caído fedendo esmurrei a borda da banheira .

— oque ouve kacchan — perguntou curioso 

— estão lá em cima ajudando no plano de batalha a reorganizar a cidade que está uma verdadeira bagunça

 respondi sem dar importância a sua pergunta anterior — então iram chegar heróis internacionais até você se recuperar irá ficar aqui tem uma semana se quiser um local para treinar temos lá nos fundos, e Aizawa manda cartas, temos um local para nos comunicar também. 

— resumo estamos presos aqui entendeu, se tentar, sonhar em fugir eu te cato onde estiver , você não pensou na sua mãe seu maluco, não pensou nos seus amigos, não pensou em mim. — o vi cabisbaixo após este sermão ele foi incapaz de me responder só disse um — eu sei kacchan, eu te conheço.

Fui até o quarto e peguei sua roupa — já está bem? agora se veste — joguei a muda de roupas nele enquanto saia da banheira. Suas mãos a pegou e segurou ouvi o baque estava mole. Olhei para ele e estava caído estava fraco, por não se alimentar como deve, negando a comida do all might. e cá estou eu o carregando o dei uma comida e fui dormir em paz. 

 


 

2 dias se passaram bem estranhos eu via izuku comer beber jantar e treinar tudo se repetia todos os 2 dias como um robô. 

 

Entrei no seu quarto a fim se descultir sobre a batalha tinha que passar os planos pra ele até que ouvi sua voz baixa falar enquanto apertava as suas mãos 

— Eu pensei em ser seu herói, kacchan. — Depois de 2 dias ele me responde. O olhei tentando o desvendar izuku era fácil de se desvendar e eu estava a ponto de ter um troço perto dele sentia falta de kirishima, sem entender oque sentia realmente e repeti mais uma vez sentia saudades de ser punido.

Eu não gosto de izuku Midoriya. — em algum momento iria ter que acreditar nas minhas palavras. 
 

 

 


Notas Finais


E aí pessoas gostaram.
Quem gostava da versão antiga sorry mais a vida é assim, irá ficar melhor. até semana que vem na quarta será o dia oficial de postar está aqui.
agora vou acabar de escrever o capítulo da outra
Pausa quem tá acompanhando o manga caraí tá show Rogerinho.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...