1. Spirit Fanfics >
  2. Até o dia de amanhã ( bakudeku , dekubaku) >
  3. Porque é você kacchan!

História Até o dia de amanhã ( bakudeku , dekubaku) - Capítulo 2


Escrita por: KaniB

Capítulo 2 - Porque é você kacchan!


Fanfic / Fanfiction Até o dia de amanhã ( bakudeku , dekubaku) - Capítulo 2 - Porque é você kacchan!

Katsuki (…)

 

 

Vou ficar Trancado no meu quarto, quanto mais distância daquele ser melhor, ele e como a Monalisa não pode ser tocado não por mim. Lembranças de kirishima vinha a minha mete pensei em como seria sentir os toque que ele me dava, com as mãos de izuku. pus meus fones queria me desligar deste pensamento, me desligar deste dever, me desligar dele mais quanto mais tentava mais ele vinha…

Senti a borboletas dançarem nos meu estômago, e lá no fundo nos dois… eu queria enfiar minha mão goela a baixo e esmagar todas elas mas ele estava lá e como o esmagar.

Ele Vinha na minha mente como um pesadelo como um sonho distante. Fazia parte de mim.

Levantei e fui até o local onde as cartas chegavam, e lá tinha uma para mim não era do Aizawa, este garrancho só pertence a uma pessoa. 

Abri o conteúdo 

 

Hello brou Katsuki espero que esteja tudo bem não me responda ok. queria te falar que sabe e… bem lembra ficamos por uma semana e já sentia algo, por alguém não tinha coragem de contar não sabia ao certo oque sentia e depois de você soube oque era, eu disse pro kaminari oque sentia e bem ele tá um pouco assustado achou estranho mas vamos tentar. Espero que esteja tentando com o deku também.

Tirei meus fones eles continuaram tocando não poderia ficar ouvindo está música porá de música triste ela que me fez chorar limpei as lágrimas que caiam, tapei a boca para abafar soluços  — mas que inferno pus o braço na frente dos olhos e pensei por que infernos larguei kirishima com meu app de música agora está uma bagunça com essas coisas tristes. Olhei o visor que dizia spring breeze rihwa.

Então foi você que me pós para ficar neste estado decadente, olhei para a a carta vi a luz acender por baixo da porta limpei meus olhos e sai. Logo estava na cama passei por deku direto ele estava com um rosto de curioso. Um pouco triste ofegante surpreso será que ele ouviu. Ele provavelmente ouviu e queria chegar tempo de me salvar 


 

Izuku (…)

 

Como dormir, passei o tempo pensando como está as coisas lá em cima, acho que kacchan tá acordado, que barulho é esse ouvi sua voz sai do quarto em disparada kacchan está chorando, o kacchan finquei com meus olhos arregalados sim ele estava chorando, me almaldicoo tanto por o conhecer tão bem. por ser assim, por ele não me deixar chegar perto. Voltei a arena de treino passei a noite lá não iria dormir como poderia era o melhor que podia fazer, treinar meu interior insistia em repetir a cena dele passando por mim. 

Me pergunto quem me pós aqui com kacchan se sabia oque estava fazendo ? não sabia oque estava fazendo. Tinha a resposta para esta pergunta quem vira nosso relacionamento em todo curso sabia que isso é insano, para ele, para mim. Aguentar isso. Porém em algo está mente doentia acertou eu  iria fugir se não fosse ele. Sairia daqui muito rápido com meus poderes mais olhei para traz avistei a porta e disse — e o kacchan. Meu corpo ainda um pouco fraco.

Respirei comecei a me exercitar, lembrei de kacchan me pedindo desculpas. Lembrei da carta que escrevi. 

Como posso ser burro, como pensei que iria sentir algo por me. 

Como pude imaginar. 

Burro! — gritei 

—acertou miserável, agora vai comer e um aviso se recusar minha comida como fez ao all Might eu enfio está porá pela sua goela. Olhei para o relógio já era 7 da manhã como passei tanto tempo assim.

— eu sei kacchan — cosei a cabeça e sai a caminho da cozinha ou sim ele faria tudo que disse.

Oque era estar com o bakugou, era a melhor e a pior coisa, era o extremo necessário uma descida interminável de elevador com meus estômago revirando com sensações boas e ruins uma montanha russa ou roda gigante me causando calafrios bons e ruins.

 

Tomei um banho e dormi mas não em paz por muito tempo.

Sonho 

 

 

No meu sonho estava pequeno e estava vestido de all might e kacchan também. Estávamos com espadas de papelão e nossas mães gritando era a voz da tia mist e da mamãe quando chegamos abrindo as portas, elas não estavam, ate achamos eu e kacchan andando lado a lado pra salvar nossas mães, ate que abrimos uma porta e elas estavam la… Com lençóis nas cabeças e pedindo por socorro.

— achamos elas kacchan! — Virei pra ele gesticulando com as mãos logo estávamos envolvidos em um abraço com nossas mães que nos carregou já estávamos com sono tirou as fantasias pondo pijamas, e nos puseram na cama pra dormir acharam que íamos mesmo dormir.

— acho que elas foram beber aquilo que so adultos bebem! 

— falei pra kacchan e fomos a sala coçando os olhos. Sempre que perguntava minha mãe dizia com voz doce.

— não neném não bebe isso neném bebe algo melhor — dando xícaras de chocolate quente pra mim e kacchan já estavam preparadas com chantilly e marshmallows no topo kacchan insistia em retrucar a sua mãe e a mesma sempre brigava com o kacchan.

 — eu não sou mais neném eu sou um herói, herói não bebe isso? Herói! — ele repetia

 — não filho o almight também toma o chocolate quente. Como a mãe dele faz... você não vê ele na TV com a caneca, e o chocolate quente para dar forcas de achar os vilões. 

Nos não contestamos fomos dormir, kacchan saiu com a cara feia dele de sempre e antes de adormecer ouvimos risos vindo da sala...

Abri os olhos lentamente ele não estava ali, acordar só era triste lembrar que éramos próximos e triste. Mas parecia que tinha alguém olhei para os lados e vazio a porta encostada mas eu a fechei 

 

Katsuki (…)

 

ouvi a voz de izuku como se estivesse me chamado fui até ele era manhã ainda será que ele passou a noite treinando esse nerd não tem jeito. 

Abri a porta e sim ele estava falando baixinho meu apelido sai de perto a qualquer momento acordaria e eu estava oque, ó espionando. Enquanto borboletas dançavam no meu estômago querendo escapar pela minha garganta 

Sem saber como me senti sai do quarto, oque estou pensando e se kirishima estiver certo. não, eu não gosto do nerd. senti pequenas explosões sair das minhas mãos como se não pudesse as controlar, segurei o outro pulso desabei no chão. Passos vinha em minha direção como se ele estivesse sempre vigilante em um farol que apontava em direção a mim, por mais que não quisesse admitir me encontrava naqueles olhos que agora sinalizavam que me dizia que ia ficar tudo bem 

Droga oque ele está fazendo aqui pensei izuku estava parado a porta seus passos lentos vindo a mim e só via seus olhos, eu queria queria que ele me salva-se mais meu ego teimava em dizer outras palavras. 

— fica longe, não venha. Pus uma mão a frente uma explosão forte me escapou logo segurei com a outra mão me contendo

— kacchan — ele deu mais uns passos com a mão estendida 

— já disse pra ficar longe —  outra explosão maior escapou de minhas mãos 

Senti o corpo de deku colado ao meu estava muito perto tanto que sua respiração batia no meu pescoço ele está aguentando as explosões ele está se ferindo.

— izuku fica longe — ele parou de falar 

— oque está fazendo via sua mão subir pelas minhas costas e dar batidinhas 3 em três para ser exato  — mas que merda e essa izuku — ouvi sua voz ela dizia um 

— shiu

— não diz shiu pra mim — tentei me soltar quanto mais tentava mais me descontrolava aceitar estava me acalmando

Tinha que adimitir ele sabia oque estava fazendo este inferno de abraço me acalmou eu queria mais, eu queria… oque 

Sua mão foi até minha cabeça e da onde tirei coragem não sei oque deu em mim, me entreguei as borboletas, estava me sentido flutuando agora o calor do seu corpo ajir como um gás helio me levitando 

 — Izuku posso te perguntar uma coisa 

— O que quiser —  nos afastei e olhei nos seus olhos que estavam fixos em mim 

— está sentindo isso — o perguntei peguei sua mão e levei até meu peito que palpitava fora de compasso 

— sempre senti kacchan — senti suas mãos apertarem minha camisa senti a delicadeza daquelas mãos cheias de cicatrizes grosa, em cima do fino pedaço de pano que separava nossa peles. 

— posso fazer uma coisa kacchan.

— pode. 

A boca dele veio até a minha, estava precisando ele iria me ajudar era so isso. Meu coração estava me fazendo de idiota e queria ser feito de idiota.

Peguei seu pulso e o levei para a cama abri sua calsa vi seu menbro pulando tirei a minha quase sentei não queria cerimônias, não hoje, não agora .

— espera kacchan vai doer sem nada. E assim que quer fazer.? — seu olhar ficou incrédulo talvez frustado 

— eu quero que doa — disse firme 

— não bakugou — o vi se levantar não quero te machucar, não quero guardar está lembrança na nossa primeira vez entendeu. Já estava pegando seu short quando perguntei

— doque me chamou — seu olhar voltou a me e o fez se aproximar 

— desculpa kacchan 

— Izuku não faço ideia doque estou fazendo, só me ajuda. — Talvez fora essas palavras que o fizeram ceder pouco a pouco.

E no final ele conseguiu chegar atempo. A tempo de me salvar.

— porque você não fugiu izuku — perguntei em meio as carícias em meio aos beijos e lambidas com o compasso que ele dava 

— porque é você kacchan. — já sabia que era esse o motivo só queria o ouvir falar.
 

 

 

 

 


Notas Finais


E aí pessoas :) tutu bom


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...