História Até que o Outono vire Primavera - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Lysandre
Tags Amandre, Amandre Muun, Amandre!centred, Amor Doce, Amor Doce Muun, Lysandre, Lysandre Muun
Visualizações 117
Palavras 1.287
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


ღ Mais um capítulo <3

ღ Música nas notas finais!

Capítulo 3 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction Até que o Outono vire Primavera - Capítulo 3 - Capítulo 2

Capítulo 2

Segundo dia

“And I'm sorry that I couldn't get to you
And anywhere, I would've followed you”

— Christina Aguilera

“Olá de novo, bloco de notas.

Hoje estou um pouco mais sentimental do que ontem, a distância caiu com peso sobre os meus ombros, e isso foi desde a madrugada passada quando eu estava com frio e não havia ninguém ao meu lado para me esquentar. Pois é, não foi fácil, não estou acostumada com tamanha distância entre nós, e isso foi apenas o primeiro dia.

Sei que não é tão surpreendente eu ter uma noite difícil, mas dessa vez teve um motivo, foi uma conversa que tive com Lysandre no curto período de tempo em que ele recuperou o sinal no celular durante a viagem. Acho que ele se magoou com a minha mágoa e com o fato de eu estar tão insegura quanto aos sentimentos dele, eu acabei ficando preocupada e disse que não era bem assim, mais que isso, disse que não queria fazer nada que estragasse a viagem dele. Ele respondeu que nada do que eu fizesse iria estragar. Okay, eu sei que era isso que eu queria, mas essa parte me fez sentir um pouco impotente, como se eu não fizesse diferença, enfim, ele percebeu como interpretei isso, porque logo em seguida ele disse que eu não entendi direito, então acho que ele não quis dizer exatamente o que disse e isso fez eu me sentir um pouco melhor. Mas não fiquei menos preocupada, ele ainda parecia magoado e eu não consegui deixá-lo melhor antes dele perder normalmente o sinal.

É, tive que dormir com esse peso.

Mesmo assim, hoje tudo pareceu normal de novo. Acordei de manhã com a mensagem do Lysandre avisando que ele havia chegado na sua cidade natal. Sinceramente, meu coração apertou, não que ele já não estivesse apertado. Mas não é algo que eu possa demonstrar o tempo inteiro, eu tenho que ser forte e, principalmente, preciso parecer bem. Então, como uma boa menina, eu o apoiei o dia todo, dizendo para aproveitar a companhia das pessoas que ele verdadeiramente quer por perto.

Tenho que confessar que estou com um pouco de inveja, e esse sentimento me seguiu o dia todo. Não inveja dele, mas inveja das pessoas que podem estar perto dele, que podem ouvir seus sons e tocá-lo, e eu sinto isso até mesmo das pessoas que ele nem conhece, como a mulher que sentou ao seu lado no ônibus. Querendo ou não, ela pôde vê-lo dormir, por exemplo, já eu, nada. Parece bobo, eu sei, mas isso me mata por dentro, talvez eu esteja sensível demais, mas se ajuda em algo, estou terminando o dia sem derramar uma gota de lágrima. Já é um avanço, não?

Mesmo com toda a carga sentimental no meu coração, eu consegui fazer do meu dia o mais agitado possível. Assim que acordei, já estava em função de uma entrevista de emprego. Pois é, trabalhar é preciso, mas a entrevista não deu muito certo, acabei saindo no meio do processo seletivo pois eles só tinham vagas para o turno da tarde/noite, e à noite eu faço faculdade, daí complicou. Mas tudo bem, vida que segue, com tantas mágoas no coração, não é algo assim que fará diferença.

A parte boa do dia veio em seguida, encontrei-me com as minhas tias e primas para irmos ao shopping, isso era cedo da tarde, aliás, minha prima mais velha estava com o seu filho de três meses, eu só havia o visto uma vez e já fazia tempo, ele cresceu muito e eu finalmente o peguei no colo, estava com medo no começo, mas acabei sentindo segurança, ele é bem leve e já se sustenta bem, não foi ruim, na verdade, foi bem legal.

O que mais gosto de sair com elas é que não existe tempo ruim para café, paramos para tomar duas vezes, na primeira eu pedi dois cafés grandes e na segunda apenas um, estavam maravilhosos, mas não foram capazes de cessar a minha dor de cabeça, que me atrapalhou boa parte do dia. Fazer o que, né? Não posso esperar que tudo seja da forma que quero, depois de tantos baldes de água fria, esses empecilhos viraram nada. Enfim, voltando, acompanhei elas e fomos numa loja apenas, o que foi o suficiente por um dia, ficamos mais de uma hora nessa loja e isso me fez lembrar do quanto a minha família gosta de comprar. Eu não sou acostumada à isso e chega uma hora que cansa, mas eu estava bem, pelo menos tinha companhia. Quanto menos sozinha, menos eu penso. E valeu a pena no final, eu acabei ganhando um casaco rosa bebê, um amorzinho.

Apesar de toda a agitação do dia, a minha parte favorita foi falar com o Lysandre. Ficamos ligados nas mensagens o dia inteiro, mas não o tempo todo, ambos tínhamos nossas coisas pra fazer, e eu conheço o Lysandre quando está com a família, ele dedica muito do seu tempo para eles e eu sei que nem sempre ele pode falar comigo. Mas até que me surpreendeu a atenção que ele me deu, foi bastante, eu acho, ele também disse coisas fofas como estar com saudades e coisas assim, e pareceu se preocupar com a credibilidade que eu daria para as suas palavras. Claro que eu acredito, espero que ele não se preocupe tanto. Enfim, foi realmente bom, aquele peso da conversa da noite passada acabou se dispersando com o tempo. Estamos bem, eu consegui ficar bem.

Depois de um dia agitado, agora estou em casa e daqui a pouco farei mais um café, vai me acalmar. Ah, e apesar de eu estar sozinha, também não estou. O Lysandre está agora mesmo em videochamada comigo! Poder vê-lo e ouvir sua voz é tão bom que me despedaça, eu estou me segurando muito para não estragar esse momento com lágrimas. Ele parece bem, parece feliz, e não é por menos, ele está onde queria estar, com as pessoas que queria estar. Eu só vou sentir isso daqui a dez dias, até lá, me contentarei em ficar feliz com a felicidade da pessoa que amo.

Aliás, ele percebeu que eu estava escrevendo no seu bloco, pareceu feliz e ao mesmo tempo curioso, tenho certeza que ele vai querer ler quando voltar, mas só se eu permitir. Talvez eu permita, afinal, eu mesma odiaria ficar curiosa, não posso fazer isso com ele. Enfim, estou com um pouco de medo, apesar da boa companhia, eu sei que ele está bem cansado da viagem e do dia e vai querer dormir mais cedo que o normal. A ideia me deixa um pouco triste, mas eu não posso impedi-lo. As vezes eu só queria ser tão boa em dormir quanto ele, e está aí mais uma das coisas que me trazem inveja. Eu me sinto mal por ser tão invejosa às vezes, mas não é com uma intenção ruim. Vendo por um bom lado, eu estou apenas reconhecendo as suas qualidades e querendo tê-las pra mim. Ou talvez eu esteja maluca e queira apenas me defender. Acho que isso não importa tanto.

De qualquer forma, quando ele for descansar, me manterei focada em não pensar, como fiz o dia todo. Não é agora que vou me entregar para as lágrimas, certo? Tenho certeza que posso achar algo para assistir enquanto tomo um bom café e como batata palha com maionese, bizarro, mas gostoso.

Acho que já falei demais por hoje, agora quero aproveitar até onde posso a companhia do Lysandre, pois sei que não será sempre tão fácil ter a sua atenção. Obrigada por me ouvir mais uma vez, bloco de notas.

Assinado: Amanda, a menina invejosa.”


Notas Finais


https://www.youtube.com/watch?v=-2U0Ivkn2Ds

ღ Espero que tenham gostado!

ღ Beijão!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...