1. Spirit Fanfics >
  2. Até Você Aparecer - Drarry >
  3. Cap. 32

História Até Você Aparecer - Drarry - Capítulo 33


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura <3

Capítulo 33 - Cap. 32




Pov's Draco


Meu corpo estava literalmente fervendo. Parecia que estava com febre em todos os lugares do meu corpo, mas de uma forma boa.

Já estava no meu último dia de cio e ainda não conseguia definir se isso era uma sensação boa ou ruim. Por um lado, era sempre um prazer maravilhoso, por outro, era meio constrangedor ficar de pau duro por literalmente qualquer coisa.

Neste momento estou deitado na cama tentando me aliviar com o que tenho - no caso meus dedos - enquanto Pansy da uma de guarda de prisão e não me deixa sair para nada, porquê segundo ela, da para sentir o meu cheiro a dois andares de distância.

- Draco? Eu vou entrar, se estiver fazendo alguma coisa, por favor pare! - escutei a voz de Pansy do outro lado da porta e revirei os olhos parando o que estava fazendo.

- O que foi? - perguntei assim que vi seu rosto entre a fresta da porta já aberta.

- Eu vou sair. Não saia do quarto e abra a porta para ninguém!

- Pansy, eu sei me cuidar.

- Eu sei que sabe, mas o seu cheiro está realmente forte e bem tentador para qualquer alfa, e bom... qualquer um pode vir aqui e...

- Obrigado por sempre me animar nessas horas, Pansy - digo com um sorriso irônico e ela revira os olhos - Onde você vai afinal?

- No mercado. Preciso comprar algumas coisas.

- Pode passar em alguma farmácia e comprar mais supressores para mim por favor? Os meus já estam acabando.

- Já, mas você foi comprar semana passada!8

- Eu sei, mas só tem dois pacotes agora.

- Tudo bem... - resmungou e se virou para passar pela porta. Pude escutar ela gritar da sala um "Não saia daqui e não abra a porta em nenhuma circunstância!", revirei oa olhos e ignorei a sua fala voltando a fazer o que estava fazendo antes.

Passado uma hora fazendo esse ato sujo porém maravilhoso, ouço batidas na porta da sala e gelo. Não imaginei que realmente alguém iria chegar a vir aqui, sabia que tinha sim a possibilidade, mas pensava que era tudo exagero da Pansy.

Decidi ignorar as batidas por um tempo, mas a pessoa não desistia. Suspirei e saí do quarto indo em direção a cozinha e pegando uma faca, nunca se sabe o que a pessoa vai tentar fazer. Voltei para o quarto, tomando mais uma pílula para o meu cheiro por precaução e segui para a sala silênciosamente.

Fui até a porta e parei para olhar o olho mágico, suspirando e revirando os olhos quando vi que era Harry alí. Larguei a faca no sofá e fui procurar a chave. 

Abri a porta vendo ele me olhar com os olhos meramente arregalados e as pupílas dilatadas, ele claramente estava tentando se controlar.

- Oi.. ér... eu não queria vir em um momento como esse, mas você esqueceu um livro na minha casa então... - disse erguendo um livro em suas mãos que eu só fui perceber agora que estava alí. 

Fiquei o encarando por um tempo, sem dizer uma palavra. A única coisa que se passava na minha cabeça era como ele ficava gistoso com aquele moletom preto. 

- Draco...? - me chamou franzindo o cenho e aquilo com certeza não melhorou a minha nem a sua situação. Mordi o lábio inferior respirando fundo e sem nem pensar, o abraçei pelo pescoço, trazendo-o para perto e atacando seus lábios. Ele ficou surpreso no começo e até tentou ir contra, mas eu não me importava no momento. Eu precisava de alívio. Um alívio que meus dedos não poderiam me dar.

O arrastei para dentro e fechei a porta atrás de si, vi que ele ainda parecia meio relutante, então resolvi apelar mordendo seu lábio inferior e acariciando de leve sua nuca com as pontas dos dedos. Tudo funcionava com o meu cheiro daquele jeito.

Sorri entre nossos lábios quando ele finalmente pareceu aceitar e abraçou a minha cintura com força.

Fui andando para trás e empurrei ele no sofá, sentando em seu colo em seguida.

Eu me sentia nos céus. Obviamente o meu "eu" em estado normal não ficaria assim por apenas alguns beijos, mas eu não estava em meu estado normal e poderia justificar perfeitamente a minha ereção no meio das pernas.

Harry desceu os beijos para meu máxilar e pescoço, mas logo depois parou o que estava fazendo e me encarou confuso.

- Por que tem uma faca no seu sofá?

- Isso realmente importa agora? - perguntei e ele riu da minha cara de indignação, negando com a cabeça e voltando os lábios para o meu pescoço.

Percorri minhas mãos pelo seu corpo, chegando na barra de sua calça e adentrando a mesma, não me surpreendendo quando senti uma ereção se formando naquela área.

Me levantei de seu colo, vendo ele me encarar confuso, mas logo se abriu um sorriso em seu rosto ao me ver caminhar em direção ao meu quarto.

Assim que ele passou pela porta, fechei a mesma - caso Pansy chegasse - e ele me prensou na mesma, atacando meu pescoço novamente, mas dessa vez com chupões e mordidas e não apenas beijos.

Puxei sua cabeça para cima e iniciei um novo beijo. Um beijo muito mais sedento e apressado do que o anterior. 

Em algum momento durante o beijo, começamos a nos mover e quando menos percebi ele já estava por cima de mim na cama.

Harry começou novamente a descer os beijos por meu pescoço, deixando algumas marcar que provavelmente iriam me render uma boa discussão com Pansy mais tarde. 

Parei ele com as mãos, começando a despi-lo do moletom preto, mordendo os lábios ao ver seu corpo. Fiquei o analisando como na última vez, Harry tinha um corpo praticamente perfeito, nem tão musculoso, nem tão magro. Era tudo na proporção certa.

Desci as mão para a barra de sua calça e começei a tirá-la rapidamente, vendo ele dar uma leve risada do meu desespero e pegar para si o trabalho de tirá-la.

Em poucos segundos já estávamos ambos apenas de cueca box, nos beijando loucamente enquanto nossos membros se friccionavam de forma prazerosa.

Sinto ele levar três dedos até minha boca, me fazendo chupá-los e o faço de bom grado.

Assim que termino ele afasta minhas pernas e introduz o primeiro dedo com cuidado. Gemi arrastado ao senti-lo dentro de mim. Eu não sou do tipo que geme, principalmente com apenas um dedo, mas o efeito do cio faz parecer aumentar as sensações em mil vezes, com apenas um dedo eu já estava perto de gozar

Ele introduz o segundo dedo, e as sensações que já tinham sido aumentadas em mil vezes, foram aumentadas ainda mais. Quando o terceiro dedo é colocado em mim, eu já estava um completo caos de emoções e sensações. Eu arfava aceleradamente e Harry distribuia beijos em meus rosto enquanto me estocava com os dedos.

Logo começei a me irritar com apenas seus dedos e bastando um olhar meu, ele retirou seus dedos de dentro de mim e começou a tirar a própria cueca. Olhei atentamente para cada movimento dele. Da última vez em que havíamos transado, estávamos muito mais calmos e pacientes, mas dessa vez estamos o completo oposto disso, tanto eu quanto ele queríamos nos consumar o mais rápido possível.

Ele se acomodou entre as minhas pernas e pincelou seu membro na minha entrada e eu suspirei ao vê-lo me invadir lentamente enquanto levava os lábios aos meus.

As estocadas começaram de forma lenta, mas rapidamente foram ganhando um rítmo mais acelerado e profundo.

Chegamos ao nosso ápice praticamente juntos e eu senti seu membro criando o nó entre nossos corpos, mas sinceramente, ru não estava nem aí para isso. Finalmente o meu cheiro tinha diminuído e isso para mim já estava mais do que bom.

Ele desabou sobre meu peito e ficamos nessa posição até que nossas respirações fossem se normalizando.

Assim que o nó estava desfeito, ele saiu de dentro de mim e se jogou ao meu lado na cama. 

Fiquei com os olhos fechados  e em completo silêncio, pelo menos até eu sentir o seu olhar queimar o meu corpo. Como da última vez.

- Você gosta desse lançe de ficar me encarando quando acabamos de transar, né? - disse e ele deu uma leve risada.

- Não é como se fosse uma visão ruim. - me virei para ele, o encontrando olhando o teto com os braços atrás da cabeça e de repente me bateu uma carência enorme. Aquilo era novo para mim, pois nunca tinha passado um cio com alguém. Me aproximei dele e puxei um de seus braços para a minha cintura, me deixando encostar em seu peito - O que você...

- Cala a boca Potter. - resmunguei e ele riu, me apertando contra seu corpo e depositando um leve beijo na minha testa, o que me fez sorrir minimamente.

Quando dei por perceber, tínhamos dormido assim, abraçados. E eu não me arrependia nem um pouco disso.







Notas Finais


Eu sei que o lemon não ficou muito bom, ok? Mas relevem, são uma da manhã e eu estou com sono.

Eu também só escrevi esse lemon por dois motivos: Vocês, é claro, que adoram uma putaria. E eu meio que estava fazendo um "teste pessoal" com esse capítulo, para ver se para mim, era mais fácil escrever do ponto de vista do passivo. O que claramente não é meu caso kkkkkkkkk

Até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...