História Até você chegar (Sehun - EXO) - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Kai, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Drama, Romance, Sehun
Visualizações 482
Palavras 1.424
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo!!

Boa noite pessoinhas :)
Não vou enrolar muito hoje, estou ansiosa para saber o que vocês irão achar deste capítulo. Não me canso de dizer, adoro ler os comentários de vocês <3 Espero que gostem! Como sempre, tenham uma ótima leitura!
Bjssssss <3

Capítulo 32 - Cara a Cara


Fanfic / Fanfiction Até você chegar (Sehun - EXO) - Capítulo 32 - Cara a Cara

 

[ SEHUN ] 

 

Depois de uma exaustiva reunião na corretora, os acionistas decidiram comemorar o fechamento de um excelente negócio em um bar de luxo no centro da cidade. Só o que eu queria fazer era ir para casa ficar um pouco com a S/N e depois dormir, mas fazer o que, eu tinha que cumprir o maldito protocolo e como presidente não posso deixar de estar presente nesses encontros sociais.  

 

( . . . )


 

E lá estava eu, brindando e sorrindo falsamente com aquele bando de abutres que só estavam ali me bajulando por minha posição na empresa, mas eu sabia muito bem que no fundo nenhum deles realmente acreditava que eu seria capaz de dar continuidade aos negócios do meu pai. 

 

Peço licença para ir ao banheiro tão somente na intenção de sair da presença dos executivos por uns instantes que fossem. Caminho em direção ao bar quando me deparo com Chanyeol bebendo ali sentado em um banco, com os braços apoiados sobre o balcão. 

 

 

(Sehun) – Chanyeol?

(Chanyeol) - Olha quem está aqui! Meu amigo Sehun! – Ele estava visivelmente embriagado e me surpreendi, pois a última vez que o vi assim foi em uma festa no colegial.

(Sehun) – Aconteceu alguma coisa? – Perguntei esquecendo nossas diferenças pois ele não me parecia bem.

(Chanyeol) – Aconteceu... – Disse tomando mais um gole da bebida que estava em seu copo. – Eu me declarei para uma pessoa, mas as coisas não saíram como eu esperava...

(Sehun) – Sinto muito por isso.

(Chanyeol) – Claro que sente... – Rio irônico. - Sempre tão esnobe, tão superior! Sempre tentando provar que é melhor do que eu...

(Sehun) – O que? Do que está falando?

(Chanyeol) – “Não há nada que o dinheiro não possa comprar”. Não era assim mesmo que costumava dizer? Pois deixe-me lembra-lo que o dinheiro não compra sentimentos!

(Sehun) – Está bêbado, não vou discutir com você! Além do mais estou acompanhado de pessoas importantes. – Percebo que está alterado e decido não entrar em conflito com ele, mas quando dou as costas ele insiste.

(Chanyeo) – Posso não ter todos os seus milhões, mas pelo menos não mantenho ninguém preso a mim contra a vontade!

(Sehun) – O que disse? - Chanyeol realmente estava conseguindo me tirar do sério.

(Chanyeol) – Eu pedi a S/N em casamento!

(Sehun) – Você fez o que?? Como teve coragem de fazer isso??– Nesse momento senti meu sangue ferver.

(Chanyeol) – Está com medo? Foi por isso que me afastou dela não é? Tem medo de perdê-la para mim?

(Sehun) – Eu devia quebrar a sua cara mas vou poupá-lo, porque está bêbado e não sabe o que diz! – Falei tentando conter toda a raiva que estava sentindo.

(Chanyeol) – Não tenho culpa se não é homem o suficiente para ela!

 

 

Dessa vez não pude me segurar e lhe dei um soco em seu rosto com tamanha intensidade que o fez cair imediatamente no chão. Fui para cima dele e iniciei uma sequência de socos, e mesmo embriagado Chanyeol ainda teve forças de revidar me atingindo na face algumas vezes.

 

Em um dado momento fomos separados pelos seguranças do local que nos contiveram segurando nossos braços, mas ambos continuamos a gritar um com outro e a tentar nos atingir novamente.

 

 

(Sehun) – Eu pedi que não se aproximasse dela!!

(Chanyeol) – Não pode obrigá-la a gostar de você! O que quer ? Que ela seja infeliz como você sempre foi??

(Sehun) – Cale-se!! – Tentei acerta-lo outra vez mas fui contido pelos seguranças.

(Chanyeol) – Ela não aceitou meu pedido por sua causa!! Até quando vai impedir que ela viva a própria vida?

(Sehun) – Fique longe Chanyeol! É meu último aviso!

 

 

Quando os seguranças finalmente me soltaram voltei a sanidade, e me dei conta de que os olhares de todas as pessoas no bar estavam voltados a nós, inclusive dos executivos que me olhavam boquiabertos e cochichavam entre si. Ignorei aquilo e simplesmente fui embora sem dar a eles nenhuma explicação.

 


------------------- Em Casa ---------------------

 

 

 Entrei em casa e S/N estava voltando da cozinha com um copo de água na mão, foi impossível impedir que ela visse meu rosto ensanguentado.

 

(S/N) – Sehun o que aconteceu com seu rosto??

 

Não a respondi, apenas subi as escadas e caminhei em direção ao meu quarto.

 

 

[ S/N ]

 

Me assustei ao ver o quão machucado estava Sehun, tentei falar com ele mas o mesmo parecia querer se esconder de mim.

 

 

(S/N) – Hey! Tô falando com você! – Disse o impedindo de fechar a porta de seu quarto. – O que aconteceu? Por que está ferido assim??

(Sehun) – Não foi nada... – Ficou de costas a fim de evitar o contato visual comigo, então segurei em seu braço o virando para mim.

(S/N) – Como assim não foi nada? Olha só isso!! Está sangrando!! – Fiquei na ponta dos pés para conseguir tocá-lo, e ele sorriu de lado ao ver o esforço que tinha que fazer para alcança-lo. – Não ria! Vamos, sente-se aqui. – Segurei uma de suas mãos o levando até a cama onde ele sentou.

 

 

Fui até o banheiro e voltei de lá com uma caixinha de primeiros socorros, onde tinha tudo o que precisava. Sentei-me ao seu lado e ele tirou o terno e os sapatos, ficando apenas com sua camiseta e calça sociais. Comecei a limpar seu rosto com um algodão umedecido, ele se mantinha sério e pensativo, de vez em quando fazia careta quando doía.

 

 

(Sehun) – Isso arde! – Reclamou quando passei um medicamento em cima de seu ferimento e eu soprei de leve o local o fazendo fechar os olhos no mesmo instante.

(S/N) – Não vai me dizer o que houve? – Disse enquanto cuidava de seus machucados.

(Sehun) – Eu briguei...

(S/N) – Isso eu já imaginava. O que eu quero saber é com quem e o porquê.

(Sehun) – Com quem: Chanyeol. Porquê: Por você...

(S/N) – Por mim?? – Perguntei surpresa.

(Sehun) – Por que não me disse que falou com Chanyeol? – Virou-se para mim.

(S/N) – Por que? Hã... Porque... não era importante... – Tentei disfarçar fingindo estar procurando algo na caixinha de remédios, e ele segurou minha mão me fazendo parar e olhá-lo.

(Sehun) – Ele a pediu em casamento? Disse que não aceitou por minha causa... Queria ter aceito? – Perguntou-me com uma expressão entristecida.

(S/N) – Foi por isso que brigou? É assim que resolve as coisas?

(Sehun) – Não me respondeu!

(S/N) – Nem você!

 

Ele pensou por alguns segundos e então continuou a falar;

 

(Sehun) – Eu costumo perder a paciência quando tentam me tirar o que é meu... – Falou emburrado virando o rosto, desviando seu olhar de mim.

(S/N) – E quantos anos você tem? Cinco? Parece uma criança mimada! Além do mais... eu sou sua por acaso?

 

Fiquei esperando sua resposta com uma certa ansiedade, no fundo inconscientemente acho que eu esperava que ele dissesse que sim, ainda que não compreendesse o porquê desse estranho sentimento.

 

(Sehun) – Sim... Você é minha! – Disse pondo uma mecha do meu cabelo que estava sobre meu rosto atrás de minha orelha.

 

Meu coração estranhamente palpitou por um instante e quando ele continuou a falar, estragou tudo.

 

(Sehun) – Você é minha responsabilidade.

(S/N) – Aish... – Pus o curativo em sua mão e levantei da cama. – Pode terminar isso sozinho! – Caminhei em direção a porta e ele me gritou.

(Sehun) – Não me respondeu!!  Aceitaria se casar com ele?

(S/N) – Eu ainda estou aqui não estou? Acho que já fiz minha escolha... Só espero que não tenha sido a errada. – Disse saindo do quarto.

 

( . . . )

 

Só foi o tempo em que deitei em minha cama para ouvir batidas na porta. Sabia que era Sehun então ainda deitada falei;

 

(S/N) – Entre...

 

Ele não responde e então vejo deslizar por debaixo da porta um envelope. Levanto e caminho até ele o pegando do chão. Volto a sentar-me sobre a cama e abro aquele embrulho, retirando de dentro um estranho papel. Depois de ler o mesmo vi que se tratava de um documento de compra registrado em cartório, Sehun havia mesmo comprado o parque! Eu cheguei a imaginar que era uma brincadeira sua, mas ele realmente comprou e o colocou em meu nome. Ele só podia estar louco!

 

Levanto novamente e penso em ir discutir aquilo com ele mas hesito, e desisto em seguida voltando para a cama. Pego meu urso que está sobre o móvel ao lado e falo com ele;


 

(S/N) – Você foi o responsável por isso sabia? Por sua causa ele gastou todo esse dinheiro. É tudo culpa sua!


 

Dou um sorriso idiota e me sinto ridícula ao perceber que estou tendo uma conversa com um brinquedo. Alguns minutos depois e eu durmo abraçada a ele, com o documento ainda nas mãos...


Notas Finais


Sehun o que está esperando para se confessar?
S/N quando irá perceber que já tem sentimentos por Sehun?

Até o próximo capítulo! :)
Bjsssssssssssss <3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...