1. Spirit Fanfics >
  2. Atena >
  3. 3.0 - O interrogatório

História Atena - Capítulo 3


Escrita por: Crazy_Night

Notas do Autor


E aí vocês estão gostando da história? Só posso dizer que ela só vai ficar cada vez mais vibrante.

Boa leitura!!!

Capítulo 3 - 3.0 - O interrogatório


Fanfic / Fanfiction Atena - Capítulo 3 - 3.0 - O interrogatório

Thor com sangue nos olhos, ia em direção de Loki para pegá-lo. Eu me mantenho no mesmo lugar, porém de pé, queria resolver isso de maneira pacífica,  já Tony e Capitão se posicionam como se estivesse prestes a atacar, só sabia que disso coisa boa não sairia disso: 

— Thor, não faça nada, por favor, sabe que pode confiar em mim — imploro enquanto ele se aproximava de Loki. 

— Fico feliz em vê-la, porém não posso deixá-lo aqui — ele estava tão concentrado em pegar Loki que nem se importou com minha presença. 

E então num ato rápido, ele pega Loki pelo o braço e voa para fora do Jato: 

— Vamos atrás — ordena Stark 

— Qual o plano? — pergunta Steve, pegando um paraquedas. 

— Atacar — ele responde já na ponta da traseira, prestes a pular. 

Então os dois juntos, pulam atrás de Thor: 

— Se eu fosse você não iria — aconselha Natasha, logo atrás de mim. 

— Eu tenho que ir, eles são homens, vão se matar se eu não impedir. 

Então sem ouvir sua resposta, pulo e vou o mais rápido possível para baixo. Enquanto descia na medida que conseguia ver a floresta, a raiva consumia meu corpo, não acredito que vão lutar, estamos do mesmo lado, Loki pode aproveitar a oportunidade e fugir, é muita idiotice. 

Quando estava chegando mais perto da situação, via que ambos já estavam batalhando, Loki ficava apenas vendo de longe, tamanha era a idiotice que ele nem ao menos tentou fugir. Mas no exato momento que Thor iria lançar um raio através de Mjölnir, eu o paro, pois cai bem no meio deles criando um escudo que, não sei como mas impede o poder de Thor e meio que o libera mais forte e devastando as árvores em volta, mil desculpas Deméter. 

Quando o efeito todo passa, que foi quase na velocidade da luz, eu grito, pondo tudo pra fora: 

— JÁ DEU! VOCÊS SÃO IDIOTAS OU O QUE? 

Eles não me respondem, estavam chocados com o que tinham acabado de ver, eu não tinha noção do que havia acontecido. Respirei fundo, havia uma batalha interna dentro de mim, estava à beira do surto, uma força dentro de mim agia, algo que não conhecia reconhecer a muito tempo. 

Quando tinha voltado a consciência absoluta, eu falo: 

— Desculpa, só queria parar vocês, porém fiz isso da maneira errada — eles se mantém em silêncio — Loki, seguirá conosco até a S.H.I.E.L.D por conta dos crimes que ele cometeu aqui na Terra, você, Thor, pode conversar com Nick Fury e falar sobre levar ele para ficar preso em Asgard. 

Finalmente alguém fala: 

— Certo — Thor concorda. 

Então após isso voltamos para o jato e seguimos caminho até a base da S.H.I.E.L.D, minha esperança era chegar lá sem nenhuma interrupção. Fiquei no mesmo lugar de antes, e naquele momento tinha caído a minha ficha sobre o que havia acabado de acontecer, eu nunca havia feito algo parecido com aquilo na vida, nem sabia que tinha capacidade para aquilo, nunca pensei que poderia parar um raio vindo do Mjölnir e ainda reverte-lo para algo ainda maior. Mas não era a primeira vez que eu sentia que não estava bem e ter essa sensação de algo me dominando. 

Me lembrei imediatamente do dia que fui expulsa do Monte Olimpo, do exato momento que fui jogada para morrer, meu nível de feitiçaria não era tão avançado nessa época. Então quando estava na queda, que na minha perspectiva tinha levado anos, eu sentia essa força crescendo dentro de mim enquanto pensava no que havia acabado de me acontecer, e a cada flashback mais forte ela ficava. E quando encostei eu não me feri e nem nada, reagi fazendo um meio que uma proteção para diminuir o impacto da minha queda, nem sabia que poderia fazer isso. Esses últimos acontecimentos só me fizeram questionar mais a minha própria natureza. Tinham muitas coisas em mim que desconhecia. 

Em meio a um silêncio reconfortante da cabide de Natasha, Thor se dirige até mim: 

— Desculpa ter chegado assim, queria que soubesse que estou feliz em vê-la novamente — ele fala com um sorriso simpático nos lábios. 

— Muito obrigada, senti muita sua falta também, pensei que jamais iria vê-lo novamente. 

— Eu também pensei, pensando nas circunstâncias de sua partida. 

— É bem esquisito pensar que eu sobrevivi aquilo, né? 

— Sim, mas graças a Odin, você está bem. Fiquei impressionado com aquilo. 

— Eu também — solto uma risada fraca — Apesar de ter treinado bastante meus feitiços desde da última vez que lutamos juntos, eu não sabia que tinha desenvolvido aquela habilidade. 

— Você sempre foi uma boa guerreira. 

— Você também, se eu não tivesse impedido teria derrotado eles fácil. 

Rimos um pouco, até eu mudar de assunto: 

— Como vão as coisas em Asgard? Me falaram que você também foi expulso de lá. 

— É uma longa história, acredito que esteja cansada para ouví-la. 

— Pode contar, tenho disposição para ela. 

Ele então começa a contar tudo, irei resumir pois é tanta coisa que daria para fazer um filme. Bem de início, Thor iria finalmente virar rei de Asgard porém por conta de uma ameaça dos Gigantes de Gelo, ele não conseguiu assumir o trono e para se vingar ele resolve ir atrás deles para lutar. O que não deixou Odin feliz, então para ensiná-lo uma lição, o mandou para cá, sensato, pois invés de matá-lo como meu pai queria fazer comigo, pelo menos o mandou para cá. Aqui ele fez alguns amigos, especialmente uma "amiga", ficou um tanto envergonhado ao falar nela, Jane Foster, por sua descrição ela parecia ser uma mulher incrível. Enquanto ele estava na Terra, Odin caiu em seu sono, e Frigga indicou Loki para ficar no lugar do pai, e tendo a possibilidade de trazer o irmão de volta, porém ele se recusa. E agora momento revelação: Loki foi a pessoa responsável de trazer os Gigantes de Gelo para a coroação de Thor, ou seja, ele quis atrapalhar tudo para que seu irmão não assumisse o trono. E na verdade Loki havia feito um acordo com eles, ele os levaria até a Asgard para que tenham a chance de matar Odin, com ele morto e Thor na Terra, ele poderia reinar a vontade. Porém com algumas batalhas e tals, seu plano não aconteceu. Thor teve que destruir a ponte de arco-íris, formando um buraco de minhoca, Loki acaba se jogando nela e bem como ele veio parar aqui segue sendo um mistério. Porém uma das revelações quero que seja contada pela a boca de Thor: 

— E bem ele acabou me dizendo agora pouco que na verdade é adotado. 

Fico chocada, já estava em estado em choque com todas as coisas que tinha me contado, porém essa com certeza chamou a minha atenção: 

— Ele nunca havia me dito isso antes, nunca pensei nessa possibilidade. 

— Nem eu, fomos criados juntos, como irmãos. Ele me contou que meu pai o encontrou quando bebê em Jotunheim, que resolveu adotá-lo por dó em vê-lo lá tão indefeso. Por isso se revoltou com Odin, pensou que o tratava diferente por não ser seu filho. 

Não tiro um pouco da sua razão, sempre notei que ambos possuíam uma competição entre si, já que, claramente, Odin tinha seu favorito, porém sempre pensei que era por conta de habilidades de batalha, nunca pensei que poderia ter algo por trás. O entendia por esse lado, Zeus nunca me teve como filho, principalmente pelo o fato de eu ser uma mulher que conseguia o encarar, não como Ares, um imbecil que apenas pensa em brigar e nunca usa o próprio cérebro.  

Fiquei completamente chocada com toda essa história, assumo que nunca imaginei Loki fazendo todas aquelas coisas por poder, trair? Sim, muito, mas nunca envolver a morte de alguém. Entendo o que deve ter sentido a vida inteira sobre a competição com seu irmão, mas não concordo com o que fez com sua dor: 

— Que longa história, meu amigo — comento. 

— Não lhe disse. 

— Muito obrigada por ter contado tudo. 

— De nada — ele responde com um meio sorriso. 

E então ficamos num silêncio de alguns segundos, comigo analisando toda a situação e então resolvo finalmente fazer contato visual com Loki, ele me parecia triste e aquilo cortava meu coração, porém eu tinha que ignorar. Então Thor puxa assunto comigo: 

— Como vai a sua vida, depois daquilo? 

Gosto da forma como é delicado em não citar o acontecimento, Thor é um bom amigo: 

— Vão bem, gosto de viver aqui, já me adaptei, na verdade. Eu estudo muito e tenho um trabalho legal, aqui eu não dependo da vontade de Zeus. 

Ele ri com meu comentário: 

— Que bom, fico muito feliz por você, amiga. 

~[•••]~ 

Quando chegamos a primeira coisa que fizeram foi por Loki na cela do Hulk, e eu queria só me ver longe daqui: 

— Atena! — Fury me chama, então eu volto até o mesmo. 

— Sim, em que posso ajudar? 

— Quero a sua sincera opinião. 

— Certamente. 

— Acha que conseguiria fazer Loki falar a localização do Tesseract ou apenas revelar parte de seus planos? 

Era uma pergunta difícil, bem difícil, sempre possui um certo controle sobre ele, porém não acho que me revelaria muita coisa. Respondi: 

— Eu não o vejo a anos, ele mudou muito, acredito que não possa fazer muita coisa. 

— Quero que tente, Atena, dê seu máximo. 

Não podia recusar, estava ali para trabalhar nem que seja interrogar Loki. Assento com a cabeça como a resposta, ele então me explica todos os detalhes. Ia ser apenas eu e ele, cada palavra dita iria ser gravada e meu objetivo era conseguir tirar alguma informação dele. 

Então após me passarem a missão, eu sigo de volta para a cela, sozinha. Me dá um frio na barriga imenso, porém eu segui em frente, conseguiria isso. Já entrevistei um psicopata uma vez na faculdade, acho que conseguiria entrevistar o cara que quase me matou numa boa. 

Quando chego, o encontro ali, sentado em sua cama e olhando para a parede, parecia estar refletindo. Eu sem falar nada me sento numa cadeira em frente a cela e falo: 

— Refletindo, meu caro? — pergunto o dando um susto. 

— Que surpresa agradável! — ele exclama tentando disfarçar. 

— Bem, eu vim aqui conversar com você. 

— Já imaginei que iria vir ao meu encontro, principalmente sobre aquela nossa conversa. 

— Está enganado, vim conversar sobre suas recentes ações que foram bem expressivas, não é mesmo? Roubar um artefato que pode destruir todo esse planeta, matar 80 pessoas em dois dias e ainda enfeitiçar um agente da S.H.I.E.L.D e um cientista para trabalharem para vocês. 

— Como sempre sendo profissional, sei que no fundo não é sobre isso que se quer conversar. Na verdade compartilhamos esse sentimento. 

Ignoro suas provocações a mim e exploro suas respostas, obrigada psicologia: 

— E por que não quer conversar sobre isso? Pensei que gostava de compartilhar suas conquistas. 

— Gosto, mas não considero esses eventos como conquistas. 

— O que é uma conquista para o Loki? 

— Acho patético quando você usa a terceira pessoa. 

— Só responda minha pergunta, não estamos aqui para discutir gramática. 

Impressionado com a minha resposta, ele responde: 

— A conquista desse reino, que você gosta tanto de chamar de Terra. 

— Certo e onde o Tesseract entra nisso? 

— Ele é a luz para o período sombrio de liberdade que tiveram aqui. 

Ah como ama usar metáforas filosóficas como resposta, anotei num memorando mental essa resposta, sei que não era uma simples resposta. Sigo minha série de perguntas: 

— Onde ele está atualmente? 

— Isso você terá que dizer a seus chefes que não irei responder, pois sei que está aqui por interesse de terceiros. 

Fico quieta queria ouvir o que mais ele tinha a dizer, para a minha vontade ele continua seu raciocínio: 

— Da forma que lhe conheço, sei que queria conversar comigo sobre aquele incidente, porém não iria vir imediatamente. Iria saborear uma boa garrafa de vinho e veria ao meu encontro na manhã seguinte pronta como se não tivesse chorado por mim a noite inteira. 

— O que lhe dá tanta certeza disso? 

— Não foi você que quase morreu por mim? 

— Eu só sei que até agora você apenas me enrolou usando metáforas previsíveis em meio a perguntas e afirmações mentirosas sobre minha vida pessoal. Não estou aqui como a Atena que conhece, estou aqui apenas como a Atena que só quer saber onde está o Tesseract, o que vai fazer com ele e a quem interessa que seus planos sejam executados perfeitamente. 

— Essa machucou, "metáforas previsíveis", e "afirmações mentirosas", sabe que [•••] — o interrompo. 

— Responda minhas perguntas. 

— Bem, já que quer tanto, bem como eu disse através de uma metáfora previsível, ele será a luz, sua localização cabe a sua equipe descobrir e a pessoa com quem trabalho......bem......eu sei que você possui as peças, só falta encaixá-las. 

Acredito que aquilo seria o máximo que iria conseguir tirar dele. Então me levanto, não iria dizer tchau a ele, já tinha esgotado a minha paciência. 

~[•••]~ 

Aquele interrogatório tinha me deixado com mais perguntas do que respostas. "Luz"? Que "peças" eram essas que eu tenho? Ele é um excelente enrolador. 

Queria ir na maior tranquilidade pesquisar o que ele havia acabado de falar. Para tentar livrar um pouco a minha mente, resolvo tomar um café no refeitório. 

O local estava vazio por conta do horário, era quase madrugada, ideal pra mim. Pego uma caneca de café e me sento em uma das mesas próximas. Bebo enquanto penso no que havia acabado de acontecer, apesar de estar péssimo, estava me ajudando a organizar meus sentimentos. Estava tão focada nisso que nem notei que alguém falava comigo: 

— Tudo bem eu me sentar aqui? — pergunta enquanto indica o lugar ao meu lado.



Notas Finais


Até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...