História Athena - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Adultério, Justin Bieber, Romance Proibido, Scarlett Leithold
Visualizações 250
Palavras 5.093
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Por favor leiam as notas finais, boa leitura amores sz

Capítulo 10 - Athena X (parte I)


Fanfic / Fanfiction Athena - Capítulo 10 - Athena X (parte I)

Tenho uma parte que acredita em finais felizes, em beijos antes dos créditos... enquanto outra acha que só se ama errado.” 

 

Caio Fernando Abreu 

 

 

Athena’s POV 

 

 

– ATHENA! - ouvi a porta ao meu lado ser aberta e Justin me puxando pela mã dali com força. 

 

As pessoas faziam barulho ao meu redor, algumas gritavam, outras buzinavam e foi aí que eu caí na realidade. Minhas pernas começaram a obedecer e eu corri com vontade.  

 

Senti algum líquido escorrendo pelo meu rosto e limpei com os dedos sem me importar em saber o que era. 

 

– Um dos meus seguranças deu a volta, vamos ficar bem, você vai ficar segura. - Justin falou ofegante enquanto corríamos mais devagar. 

 

Um sedan preto parou na rua e o segurança saiu de lá, entregou as chaves para Justin e falou algo em seu ouvido. 

 

– Vamos. - Justin estava aflito e eu estava em choque, corria uma sensação estranha pelas minhas pernas, eu não sabia explicar como me sentia - Caralho, caralho. Você está ferida? Alguma bala atingiu você? 

 

Nos olhos de Justin eu podia ver desespero. 

 

– Esta tudo bem comigo. - eu não sabia como eu estava tão calma - Você tem que se acalmar, se não vai conseguir o que queriam matando aquele segurança. 

 

Ele olhou para mim quase em desespero. 

 

– Eu não quero morrer Athena. - Justin parecia um menino pequeno, assustado. 

 

– Você não vai, eles não conseguiram. - coloquei minha mão em sua coxa - Dirija até um lugar seguro, ok? 

 

Ele acenou positivamente. 

 

Constatando que Justin estava bem mentalmente para dirigir, eu me permitir surtar. Não dizendo uma palavra em voz alta, afundei minhas unhas na palma da minha mão. 

 

Você está segura Athena, está segura. 

 

Eu repetia na minha mente enquanto Justin não respeitava um sinal de trânsito. 

 

– Vamos até a casa de Big bill aqui em LA, estaremos a salvo lá. - Justin falou e minha voz pareceu sumir. 

 

Virei para o lado e tentei bloquear as memórias da minha mente, eu não queria relembrar. 

 

– Athena? - Justin tocou na minha perna - Chegamos. 

 

Quando eu ia protestar, notei as luzes da casa de Bill. Eu estava tão perdida em pensamentos, que mal me liguei no caminho. 

 

– Vem, eu vou te dar um banho. - sem noção alguma do que Justin falava eu  apenas me deixei levar por seu toque. 

 

A sala estava lotada e todos olhavam para nós espantados. 

 

– Mais tarde nós conversamos mais sobre isso, a Athena precisa dormir Bill. - Justin falou baixo e eu senti Big Bill se aproximar. 

 

– Você está a salvo agora. - ele me olhou sério e eu tentei sorrir, acabei concordando positivamente com a cabeça. 

 

Todos na sala pareciam examinar o sangue nas minhas roupas. 

 

– Vem. - Justin falou baixo. 

 

Subíamos as escadas e eu parecia estar voltando à realidade, olhei para as minhas roupas e fiz uma careta de nojo. 

 

Podia ser o sangue de Justin ali. 

 

– Vem aqui, deixa eu tirar. - Justin trancou a porta e fechou as cortinas. 

 

Seus braços foram ágeis em tirar minha roupa e meus saltos. Caminhamos até o chuveiros e Justin ficou parado do lado de fora enquanto eu fechei meus olhos. 

 

A água estava quentinha, me deixando confortável. 

 

– Justin está tudo bem, pode ir. - falei baixo e escutei seus passos saindo do banheiro. 

 

Não fazia ideia de quanto tempo eu estava ali, mas só acordei ao ouvir a voz de Justin do outro lado.

 

– Amanda? Tire todos do país, não estamos mais seguros. - ouvi Justin falando com sua esposa me fez querer chorar - Está tudo bem amor, eu estou a salvo. 

 

A palavra “amor” foi o cúmulo para que as minhas lágrimas saíssem com força. 

 

 

 

Três dias depois 

 

 

 

– Merda. - sussurrei e sai de perto da janela. 

 

Eu não queria que alguém me pegasse espiando, iria parecer mais estranha do que eu já era. 

 

– Você pode descer para a festa, sabe disso. - a voz de Big Bill preencheu o cômodo relativamente silencioso. 

 

Maldito três dias e eles achavam motivos para comemorar? Aquilo tudo era um circo para mim. 

 

– Não estou afim, é muito cedo para mim Big. - falei um pouco constrangida. 

 

– Vá para casa garota. - simples e calmo, o homem robusto me olhava com determinação. 

 

– O quê? 

 

Eu não podia ter ouvido direito. 

 

– Vá para casa. - ele cruzou os braços e entortou a boca - Aqui, não é lugar para você. 

 

– Como assim? Mas aqui eu estou a salvo... 

 

Um pequeno pânico começou a subir. 

 

– Você estava na mira da arma que era para o branquelo lá em baixo, mas no entanto as balas não passaram nem perto. Me diga mais uma vez, por que não estaria a salvo em casa? - pelo ponto de vista dele era o certo. 

 

– E Justin? - a proposta parecia tentadora, ficar no colo da minha mãe depois de toda essa merda. 

 

– Eu falo com ele. - Big abriu um sorriso de lado - Por enquanto, ele está seguro. 

 

– Por enquanto? - perguntei estranhando seu tom. 

 

– Enquanto ele estiver de baixo das minhas asas, ele vive. - Big Bill negou com a cabeça - Mas Bieber não é assim, não é homem de se esconder. Mais cedo ou mais tarde ele vai voltar às ruas. 

 

Engoli seco e concordei. 

 

– Vou arrumar minhas coisas, tem alguém para me levar ao aeroporto? - perguntei enquanto ele já estava na porta. 

 

– Tem. - me virei para o pequeno closet ali - Athena? 

 

– Sim? - não me virei. 

 

– Você vai me agradecer depois. - sua voz parecia conter algum tipo de sabedoria. 

 

Olhei ao redor e recolhi minhas peças de roupa que não eram muitas. 

 

– Deus que tudo de certo. - rezei baixinho enquanto eu fechava a bolsa. 

 

Eram poucos pertences, nada distante do necessário. 

 

Desci em passos lentos pela escada, todos estavam pulando e gritando ao som alto na sala. Avistei Justin perto da saída para a piscina, parecia contar os últimos acontecimentos para as pessoas ao seu redor. 

 

Meus olhos se encheram de lágrimas, por que Big Bill teve a belíssima ideia de me expulsar no meio da festa? Parecia que eu estava fugindo, o que não era o caso. Se Justin aparecesse lá em casa, eu não fugiria, muito pelo contrário. 

 

Um homem cutucou meu ombro assim que passei pela porta, Big tinha acabado de pedir um favor a ele. 

 

– Vamos lá Athena, o caminho até sua casa é longo. 

 

Entrei no banco de trás enquanto o cara cantarolava um rap. 

 

– Se importa se eu ir dormindo? - falei uma desculpa qualquer. 

 

Na verdade eu queria me deitar e fechar os olhos até chegar em casa, eu estava com medo do que poderia acontecer comigo dentro de um carro. 

 

– Não gata. - ele ligou à rádio e pelo meu ver estávamos saindo dos portões da mansão de Big Bill. 

 

 

 

– Athena? - apressei meus passos - Athena Williams? 

 

Amaldiçoado seja esse policial por estar gritando meu nome! 

 

– Policia de Los Angeles, pare agora! - minhas pernas travaram e eu fiz uma careta. 

 

– Sim? - me virei para trás o mais inocente possível. 

 

– Poderia responder algumas perguntas? - quando ia abrir a boca para dizer não - Sou Alex e esse é o meu parceiro Josh... 

 

– Beleza, faça as perguntas! - cortei sua fala e os homens se entreolharam. 

 

– Podemos ir para um lugar mais privado? - o loiro falou, ele parecia ser mais tranquilo que o outro. 

 

– Tem um restaurante logo ali. - meus braços ainda estavam cruzados e eu tinha certeza que minha cara não era das melhores. 

 

Bufei quando vi que eles estavam me esperando. Eu usava um vestido colado e um tênis, estava indo comprar besteira no mercado como o usual. 

 

Eu deveria ter escutado a minha mãe e ter ficado em casa. 

 

– Então? - me sentei na mesa e uma garçonete se aproximou. 

 

– Vão querer alguma coisa? - a morena mascava seu chiclete debochada, ninguém gostava da polícia ali, eles não estavam fardados, mas dava para perceber o que eram. 

 

– Não. - falei rápido e os policiais pediram dois cafés. 

 

– Então, quantos anos tem? - dei uma risada debochada, era isso que queriam perguntar? 

 

– Dezoito. - falei simples. 

 

– Qual a sua relação com Justin Bieber? - eles estavam anotando num bloquinho de notas. 

 

– Saíamos juntos. - dei de ombros, eu não ia dizer que éramos amantes. 

 

– Com que frequência? - Ele me olhou atento. 

 

– Nos finais de semana. 

 

– Qual foi a última vez que se viram? - mordi os lábios tentando lembrar. 

 

– Já faz umas semanas. - desde a casa de Big Bill eu não tinha visto Justin. 

 

– Pode me dizer o que aconteceu naquela noite? - respirei fundo e assisti a garçonete entregar os cafés. 

 

– Estávamos saindo de uma festa... 

 

– Festa de quem? - tentei manter minha calma. 

 

– Blond. - os dois fizeram uma careta. 

 

– Não sabe o nome dele? - o moreno franziu a testa.

 

– Não, esses caras nunca usam o nome, apenas apelidos. - dei de ombros mais uma vez. 

 

– Sabe me dizer se Blond era da região? - eles eram bem pacientes, mas eu sabia o jogo que estavam fazendo comigo. 

 

– Não, ele era de LA. - pelo o que eu sabia às vezes Blond vinha para cá, mas nada como morar aqui. 

 

– Era? - o loiro bebeu seu café. 

 

– Não sei de notícias desse cara faz tempo. - chamei a garçonete e pedi um café também. 

 

– Entendi, desde o assassinato de Christian? - esse era o nome do segurança? 

 

– O segurança? - eles concordaram com a cabeça e escreveram mais coisas em seu bloco de notas. 

 

– Pode dizer mais detalhes, qualquer coisa que possa nos ajudar a resolver esse crime. - eles pareciam cansados daquele assunto. 

 

O pessoal nas ruas nunca contava sobre o que acontecia. 

 

– Estávamos saindo da festa, eu entrei no carro logo em seguida Justin, mas ele saiu. - preferi ocultar o nome de Big Bill - E então um segurança entrou no seu lugar. 

 

Eles acenaram positivamente. 

 

– Você não saberia dizer se alguém chamou o Senhor Bieber? Alguém que soubesse que algo iria acontecer? - fitei meu café recém posto na mesa. 

 

– Justin não tinha inimigos ali, estávamos entre amigos, não vejo ninguém querendo matar ele ali. - eles me olharam com curiosidade. 

 

– Você ia muito nessas viagens com o Senhor Bieber? - o moreno me olhou e pude ver a ironia no seu olhar. 

 

– Não, essa foi a primeira. - eles concordaram - Por que estão aqui depois de tanto tempo? 

 

O loiro sorriu fraco. 

 

– Não sabíamos que você estava no carro no instante do assassinato, uma doação anônima mandou o vídeo em que a senhorita é tirada do carro as pressas. - concordei com a cabeça. 

 

Doação anônima, até parece que alguém acredita nisso. 

 

– Estávamos assustados, um ataque assim não acontece do nada, por isso saímos dali o mais depressa possível. - o moreno me olhou. 

 

– Se lembra dos tiros? - concordei positivamente com a cabeça. 

 

– Eu estava cansada, então apenas fechei meus olhos até chegarmos no hotel. - neguei com a cabeça - Começou com um barulho de pneu e então quando dei por mim uma arma estava apontada na minha direção pelo vidro do carro. 

 

– Então você esteve na mira do atirador? - concordei com a cabeça - Deveríamos te colocar no programa de testemunhas nesse exato momento. 

 

Eles estava nervosos, era perceptível. 

 

– Não me queriam morta, eu só era a garota que saiu com Justin Bieber da boate. - dei de ombros, Big Bill estava certo - Estou segura. 

 

– Talvez não agora que falou com a polícia. - eles olhavam ao redor, todos pareciam normais. 

 

– Eles estavam com marcaras e pareciam usar lentes, era um cor de olho estranha. - bebi meu café inteiro. 

 

– Sabe onde Justin Bieber está? - eles fecharam o bloco de notas e pareciam estar prontos para saírem dali. 

 

– Você acha que alguém sabe aonde ele está? - neguei com a cabeça e sorri convencida - Ele quer viver, não é burro o suficiente de sair dando sua localização para qualquer um. 

 

– Você não me parece como qualquer um. - o moreno ainda tinha aquela pose irônica. 

 

– Seja lá o que eu fui para ele nos últimos meses, agora eu não sou nada. - falei decidida. 

 

A polícia não iria me assustar, ainda mais a polícia de Los Angeles. 

 

– Obrigada por seu depoimento, pode me passar seu contato? - o loiro, que parecia ser mais tranquilo me estendeu um cartão. 

 

– Posso. - falei contra gosto. 

 

Digitei meu número e recebi dois em troca. 

 

– Qualquer coisa, pode nos ligar. - eles fizeram uma reverência com a cabeça e saíram. 

 

Relaxei meus ombros, puta merda, será que sabiam sobre Justin ser traficante? Sabiam sobre ele ser o novo membro da gangue? 

 

Deixei umas notas na mesa e sai para rua, eu precisava falar com Kisha, ela saberia me auxiliar nessa. 

 

O salão da Kisha ficava um pouco afastado do meu prédio, por isso acabei andando alguns minutos a mais. 

 

Bufei ao ouvir meu celular tocar, minha mãe estava mais preocupada que o normal ultimamente. Ela estava com medo de tudo, do sumiço de Justin, dos perigos que ele estar perto me oferecia, mas também dos perigosos dele estar longe também me oferecia. 

 

Minha mãe mal respirava quando eu saia de casa, mas eu não podia simplesmente ficar dentro de casa. 

 

– Oi mãe. - ela suspirou. 

 

– Por que demorou tanto? 

 

Olhei ao meu redor. 

 

– A polícia veio me fazer perguntas, eles descobriram que eu estava no carro. 

 

– Athena, volte já para casa! - ela parecia agoniada com alguma coisa - Estão dizendo que viram Justin pela rua. 

 

– Qual rua especificamente? - continuei andando normalmente. 

 

O salão da Kisha não estava longe. 

 

– Eu la vou saber menina, a vizinha veio me avisar. - suas pulseiras fizeram barulho no fundo. 

 

– Eu é que não vou parar minha vida por causa dele. - havia tantas coisas que eu gostaria de dizer, mas nenhuma palavra a mais saiu. 

 

– Faça o que você tem que fazer e volte para casa, Athena eu to preocupada. 

 

– Relaxa só vou passar no salão da Kisha. 

 

– Tá bom. - ela não tinha ficado contente. 

 

– Até já. 

 

Entrei no salão e notei a loucura que aquele lugar estava. Kisha conversava com sua assistente e uma mulher no caixa. 

 

Ela me olhou e parecia se despedir, sorriu fraco e indicou seu escritório escondido lá no fundo. 

 

– Sabia que você viria aqui, já está sabendo não é? - ela colocou as mãos na cintura e jogou seus cabelos loiros para trás. 

 

Ignorei o que ela disse. 

 

– É nova? - me referi a peruca. 

 

– Sim, Za me mandou mensagem do número de alguém dizendo que estaria na cidade esse mês. - ela sorriu - Faz semanas que eu não vejo ele, preciso sair dessa seca horrível! 

 

Nós rimos. 

 

– E você? Como está se sentindo? - Kisha me olhou e sorriu doce. 

 

– Amiga eu entendo tudo pelo o que ele está passando, entendo que é perigoso, entendo que é para salvar a vida dele, mas - eu suspirei - por que ele não me mandou um sinal de vida? 

 

Kisha deu de ombros. 

 

– Ele ainda manda por aqui, mas é Ryan que está comandando tudo pessoalmente. - ela falou baixo. 

 

– As coisas estão confusas agora - falei o que andei pensando - Vamos sair hoje? Estou muito ansiosa em saber que ele está aqui. 

 

– Eu também! - ela riu - Vai ficar tudo bem, vá para casa, tome um banho, fique bem bonita! Eu vou te buscar e vou te levar para o racha, você precisa se animar e se divertir. 

 

– Tudo bem. - ri fraco. 

 

– Não sabemos se ele vai estar lá, mas se tiver... 

 

– Relaxa, não estou acreditando que ele vai estar lá de verdade. - era muito arriscado de qualquer jeito. 

 

– E existe mais probabilidade deles não irem, mas sabe como é estar junto com caras assim. - ela olhou para baixo - Todos nos julgam, mas poucos sabem quão difícil é, quando Za foi preso eu... 

 

Sorri compartilhando de sua dor. 

 

– Esta tudo bem, vou para casa me arrumar. - ela sorriu e demos um curto abraço. 

 

Sai do salão de Kisha me sentindo mais leve, ela sempre me fazia bem. Nessas últimas semanas sem Justin a pior parte era não ter notícias dele, mas com eu disse ele queria viver, precisava fazer alguns sacrifícios. 

 

Duas viaturas passaram ao meu lado, eles estavam atrás de alguém para passarem tão devagar assim. 

 

Cheguei em casa quinze minutos depois, minha mãe estava fazendo máscara facial e esperava seu esmalte secar. 

 

– Eu vou sair com a Kisha hoje. - ela me olhou e estreitou os olhos - Preciso me distrair mãe. 

 

Ela riu debochada. 

 

– Até parece que eu não sei que você tá louca para esbarrar com ele na rua. - eu revirei os olhos, não era mentira de fato. 

 

– Eu não acredito que ele está aqui, essa é a verdade. - dei de ombros entrando no banheiro. 

 

 

Duas horas depois Kisha berrava no meu ouvido. 

 

– Vai queimar esse cabelão loiro assim! - sai dos meus pensamentos e tirei meus fios do babyliss - O que tanto pensa? 

 

Eu suspirei. 

 

– Eu to tremendo só se imaginar. - quase gaguejei - E se ele estiver sozinho? Digo, ele tá em perigo, ele é maluco ou o quê? 

 

– Você que é maluca, por mim ficava em casa. - minha mãe falou enquanto passava para ir na cozinha, estávamos no minúsculo banheiro da minha residência. 

 

– Não enche. - falei seca. 

 

– Você deveria ter me dito que queria enrolar o cabelo, eu pegava um do salão e nós sairíamos mais rápido. - Kisha estava impaciente para caralho, mas eu não ligava, perfeição leva tempo. 

 

– Relaxa, quer fazer então estressada? - ela tomou o aparelho da minha mão e me empurrou com as mãos. 

 

Bufei e me encarei no espelho, só faltava isso para sairmos. 

 

 

 

– PRONTO! - ela gritou e saltitou - Podemos sair. 

 

Dei um meio sorriso e peguei minha bolsa. 

 

– Tchau mãe. - falei baixo e Kisha sorriu. 

 

Descemos as escadas e em minutos estávamos cantando alto no carro. 

 

– Faz tanto tempo que não me divirto assim Kisha. - falei rindo. 

 

Estacionamos o carro e saímos às pressas, as meninas já nos esperavam a horas. Eu não me enganava, eram amizades para festa e só. 

 

– ATHENA SUA VADIA! - Alyah gritou assim que me viu. 

 

Corri em sua direção. 

 

– Que saudades! - abracei ela e virei para as outras meninas - Essa safada e eu no semestre passado estávamos estudando juntas. 

 

Semestre retrasado, mas não importava. 

 

– Sim, o que anda aprontando? - elas riram. 

 

Estávamos numa rodinha agora. 

 

– A Athena largou do Bieber, acredita Alyah! - revirei os olhos - Nossas preces finalmente foram atendidas. 

 

– Não é bem assim. - as meninas riram. 

 

– É assim sim, aliás ele está aqui hoje. - meu sorriso se quebrou - Se importa?

 

Dei de ombros numa completa mentira. 

 

– Hoje à noite é das meninas, não é sempre que venho para rachas, então me aproveitem meninas! - nós rimos animadas. 

 

– Vamos beber? - falei animada - Preciso animar. 

 

– Eu não comi ainda. - as meninas concordaram com Alyah - Faz assim, você e Kisha vão beber e já chegamos lá. 

 

Sorri para ela. 

 

– Precisamos conversar mais tarde mocinha. - Alyah piscou o olho. 

 

Sorri fraco e peguei na mão de Kisha e fomos até o bar improvisado. 

 

– Eu quero enérgico com vodka. -  a moça concordou e começou a fazer. 

 

Olhei para baixo numa tentativa de não procurar Justin com o olhar. 

 

– Não quero ver ele hoje Kisha. - falei baixo e fiz uma careta. 

 

Na verdade, querer ver ele eu até queria, mas eu estava nervosa.

 

– Já recebemos a confirmação de que ele está aí não é, agora é tentar se divertir. - ela deu de ombros - Será que ele acha que você o abandonou? 

 

– Se ele fosse atrás de mim, para tirar satisfação, eu falaria a verdade. - peguei a minha bebida e paguei - Sabe da história, te contei mil vezes. 

 

Me virei de costas para a multidão e Kisha se sentou. Empinei minha bunda para trás e joguei meus cabelos os arrumando. 

 

– Tentando me seduzir? - Kisha riu mas algo atrás mim fez seu olhar ficar estranho. 

 

Senti mãos ao meu redor e me preparei para virar. 

 

– Acho que seu corpo sente a presença do meu, estava até empinando para mim. - tentei me soltar e Justin soltou uma gargalhada alta. 

 

Assim que me virei, seus braços me apertaram com força. 

 

– Eu senti tanto a sua falta. - Justin falou em meu ouvido e segundos depois estava pedindo bebidas. 

 

Olhei ao redor e Ryan ria com vários meninos. 

 

– Ryan! - falei sabendo que não via ele a muito tempo. 

 

– E aí menina. - ele se aproximou de mim e me abraçou - Como anda? 

 

Seus olhos estavam baixos e vermelhos, ele tinha fumado maconha. 

 

– Bem e você? - ele deu de ombros. 

 

– Não poderia estar melhor, mais tarde te levo para conhecer o meu novo conversível. - Ryan segurou suas correntes de ouro e apontou para um lugar não identificado por mim. 

 

– Tira o cavalinho da chuva, essa aqui sempre teve dono. - Justin passou um mão na minha cintura. 

 

Uma sensação de náusea me passou. 

 

– Precisamos conversar. - falei em seu ouvido e ele concordou com a cabeça, deu um gole da sua cerveja e abriu um sorriso. 

 

– E aí cara. - ele fizeram um toque e o cara passou pela gente. 

 

– Vamos circular. - Justin passou a língua pelos lábios. 

 

Continuei encarando sua face e ele me olhou pelos óculos escuros. 

 

– Mais tarde Athena. - ele falou e tomou mais um gole de sua bebida. 

 

Justin estava bem vestido hoje e o seu cheiro não havia mudado, ele estava como sempre. 

 

Uma vontade louca de beijar ele passou por mim e eu já era doida sem álcool, com álcool então. 

 

O puxei pelo pescoço e colei nossos lábios. Os garotos gritavam ao nosso redor, suas mãos apertavam minha cintura com força e eu me derretia em seus braços - nada novo. 

 

Nos afastamos e todos riam. 

 

– Eu sabia que a Athena ia dar um show quando vocês se vissem. - Ryan riu - Essa é a garota que eu conheço! 

 

Revirei meus olhos e limpei a boca de Justin, ele ainda me olhava ofegante. Acho que alguém foi pego de surpresa. 

 

– Estava com saudades neném. - ele negou com a cabeça e riu. 

 

– Kisha vamos? - eu segurava na mão de Justin. 

 

– As meninas? - ela franziu a testa. 

 

– É verdade. - mordi os lábios - Justin hoje é noite das meninas. 

 

Ele riu irônico e me deu um beijo na bochecha. 

 

– Se divirta, no final da noite você é minha. - ele riu malicioso e voltou a andar com os meninos que estavam fazendo algazarra. 

 

– Eu nem vou te falar nada. - Alyah andou até nós - Eu vi o seu show de exibição, não estavam separados? 

 

– Precisamos conversar. - falei e ela riu - Vamos nos sentar ali e eu conto tudo. 

 

Alyah pegou minha mão e caminhamos até uns banquinhos do bar improvisados. 

 

– Tá. - ela me olhou com raiva - Conta tudo sua otaria. 

 

Eu ri alto e contei minha história com Justin até agora. 

 

– Quer mesmo continuar a viver assim? Amiga ele está jurado de morte e você quase presenciou a morte dele. - Alyah estava aflita de verdade agora. 

 

– Eu amo ele, a nossa história é muito mais que pequenos encontros. - eu olhei para Justin, ele ria de algo que Ryan fazia piada - Você não entende, ninguém entende... 

 

– Athena, eu não do a mínima para o que acontece com ele, eu não quero perder você. - Alyah me olhou com atenção - Isso é questão de tempo e sorte, e se vocês estiverem juntos e cairem em uma emboscada? 

 

Neguei com a cabeça. 

 

– Eu amo ele. 

 

Minhas palavras foram simples, mas meus olhos transmitiam tudo. 

 

– Tudo bem, vamos dançar um pouco e enquanto isso, que tal tentar ter um pouco de juízo? - ela riu e continuamos nos olhando - Se cuida, pensa em você. 

 

Sorri e fomos até as meninas, olhei para elas e tomei minha bebida que estava com Kisha, virei meu olhar para o lado e Justin me observava de longe. Sorri e ele piscou, voltando ao assunto. 

 

Eu estava nervosa para caralho, iríamos voltar ao normal sem o drama? Eu gostaria disso, mas também gostaria de contar sobre a polícia... 

 

– Athena? Qual é? Não vai participar do assunto? - revirei meus olhos e sorri para elas. 

 

– Me ponham a par de tudo. - sorri e elas riram. 

 

Eu pensaria no assunto Justin Bieber mais tarde. 

 

 

– Quem está afim de dançar? - Kisha falou se levantando, estávamos a vários minutos conversando e rindo. 

 

– EU TO LOCA PARA DANÇAR! - falei alto sem me importar com os olhares tortos. 

 

– Então vamos! - Alyah pegou em minha mão tão animada quanto eu. 

 

Me separei de Alyah e dei um último gole na minha bebida, jogando o copo fora. As batidas daquela musica faziam meu estômago gelar, era um sensação boa. 

 

Sem esperar, joguei meu quadril para um lado e depois para outro, seguindo o ritmo da música. Meus olhos estavam fechados, naquele momento eu me sentia feliz. Minhas amigas, Justin, musica alta, aquilo tudo me cativava. 

 

Desci minhas mãos pelo meu corpo e quando menos vi, estava descendo até o chão. Eu não ligava para as pessoas ao meu redor, não ligava para nada. 

 

– Caralho Athena, assim é até difícil te deixar em paz. - reconheci a voz de Justin em meu ouvido. 

 

Suas mãos estavam na minha cintura, rebolei contra ele no ritmo da música. Abri um sorriso e me deixei levar pelo momento. 

 

 – Você... - Justin começou a falar mas se auto interrompeu. 

 

Me virei para ele curiosa. 

 

– O quê? - meu sorriso não se fechou ao ver que ele parecia pensativo. 

 

– Você parece diferente mas ao mesmo tempo igual. - ele me puxou para perto. 

 

O racha estava lotado, as corridas só seriam mais tarde. 

 

– Você parece preocupado, alguém precisa relaxar. - dei um sorriso sacana - Vamos dançar amor. 

 

Ignorei o que Justin disse ao meu respeito, eu não queria me preocupar. 

 

 

 

 

– Filha da puta! - joguei meu telefone longe - QUE ÓDIO! 

 

Coloquei minhas mãos na cintura, andando de um lado para o outro enquanto xingava Justin de todos os nomes possíveis. 

 

– Ele não vai fazer isso comigo, ele não tem esse direito! - fui atrás do meu celular e dei graças a Deus por estar intacto - Me atende!

 

Liguei para Justin, ele não podia sumir de novo e me deixar na agonia de não saber onde ele está. 

 

– Que foi porra? - quase sorri de felicidade - Eu to subindo a droga da escada. 

 

– Quando chegar aqui eu explico. - falei rápido e desliguei. 

 

A porta foi aberta e eu dei graças a Deus pela minha mãe não estar em casa, ela me mataria depois. 

 

– Fui comprar algo para comer. - Justin colocou sacolas na bancada da cozinha. 

 

Prendi um sorriso nos meus lábios e fui até ele, que claramente estava irritado, passei minhas mãos pelo seu peitoral. 

 

– Achei que tinha sumido de novo. - minha voz saiu baixa. 

 

Depositei um beijo em suas costas, eu não saberia o que fazer sem Justin na minha vida. 

 

– Relaxa, se eu for embora, quero que você vá junto. - ele me virou e me olhou nos olhos - Você vai comigo, não vai? 

 

Engoli seco. 

 

– E a minha mãe? - Justin parecia agoniado - Você está correndo perigo estando comigo aqui, não é? 

 

Ele riu irônico. 

 

– Não, não estou. - passou as mãos pelo cabelo - Eu me garanto. 

 

– Entendi. - olhei para baixo. 

 

– Você não me respondeu. - ele pegou em meu queixo e ergueu meu rosto - Vai embora comigo ou não? 

 

– Eu preciso pensar. - Justin não esperava por essa resposta, estava claro em sua feição. 

 

– Tudo bem, eu estou saindo de Nova York hoje, mas podemos manter contato. - ele passou sua língua por seus lábios - Posso mandar uma passagem de avião para você. 

 

Ele passou seus braços pela minha cintura e colocou seu rosto no meu pescoço, ficamos ali por minutos. Me afastei dele e o olhei em dúvida. 

 

– Eu poderia voltar para ver a minha mãe? - ele concordou com a cabeça - Então eu vou. 

 

Justin abriu um sorriso de lado e me tirou do chão com um abraço. 

 

– Nós vamos antes do seu aniversário. - me afastei dele e fui olhar nas sacolas o que tinha para comer ali. 

 

– Tudo bem, vamos comer agora. - estávamos ambos sorrindo e olhando para o outro - Não fique aí olhando, estou com fome. 

 

Estávamos comendo em silêncio quando uma dúvida me ocorreu. 

 

– Vai embora de Nova York hoje? - eu tinha ouvido bem quando ele disse isso? 

 

– Vou, mas é temporário, preciso resolver algumas coisas e volto. - ele limpou sua boca com guardanapo. 

 

– E para onde vai? - ele parecia pronto para se levantar. 

 

– Prefiro que você não saiba. - ele andou até o meu lado e deu um beijo na minha bochecha - Para sua segurança, você sabe. 

 

Revirei os olhos. 

 

– Tudo bem Bieber. - ele riu baixo e puxou meu rosto em sua direção. 

 

– Quando eu voltar te ligo. - puxei sua mão. 

 

– Nós ficamos de conversar, não se lembra? E eu preciso te contar algumas coisas. - Justin me olhou curioso - Por onde eu começo? 

 

Justin deu de ombros. 

 

– Você não ficou bravo quando eu fui embora né? - Justin colocou as mãos na cintura e riu. 

 

– Não, Big Bill tinha conversado comigo mais cedo e eu concordei em não me despedir, seria mais fácil. - ele não olhava no meu rosto - Ainda bem que você não estava lá, muitos acertos aconteceram depois que você foi embora. 

 

Concordei com a cabeça. 

 

– A polícia veio me procurar. - falei baixo - Me perguntaram de você, sobre o que tínhamos. 

 

– A polícia de Los Angeles? - acenei positivamente com a cabeça - Merda, o que disse? 

 

– Não dei o nome de ninguém e disse o básico de tudo. - Justin pegou seu celular e começou a discar alguns número - Onde vai? 

 

– Preciso ir princesa, a gente se vê. - seu beijo foi apressado. 

 

Num piscar de olhos, Justin tinha ido embora de novo. 

 

Bufei por sua ausência, olhei ao redor e notei a bagunça que tínhamos feito. 

 

– Minha mãe vai me matar. - falei baixinho. 

 

Me levantei pronta para arrumar aquele apartamento.


Notas Finais


“Parte I” Como assim Izabela? Então o rascunho do último capítulo chegou a quase oito mil palavras e eu preferi dividir em duas partes porque não ficaria tão confuso de se ler, eu ainda estou escrevendo (melhorando) a parte II mas não vai demorar.

Outra coisinha, nós teremos SIM segunda temporada :) Quando sai que é o problema, eu tenho algumas fanfics na frente então possa ser que demore. Será uma short fic como Athena, eu aviso aqui assim que sair, ou seja leitores fantasmas favoritem Athena para vcs ficarem sabendo em rs

Eu fiz uma playlist para Athena e ela estará no primeiro capitulo, pq achei que faria mais sentido por lá do que aqui kkkk

Enfim, meu twitter é o @trustemos e a dm está sempre aberta!

Obrigada pela paciência, até mais


XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...