1. Spirit Fanfics >
  2. Atração Sem Limites >
  3. Cannon Beach

História Atração Sem Limites - Capítulo 34


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus leitores de Clawen como estão? Espero que bem, e gostaria de desejar a todos uma feliz Páscoa ♥️ e dizer também que vcs são os melhores leitores do mundo😍
Estou aqui para trazer mais um capítulo para vcs, e alegrar o domingo.

Espero que gostem e boa leitura♥️

Capítulo 34 - Cannon Beach


Fanfic / Fanfiction Atração Sem Limites - Capítulo 34 - Cannon Beach

Owen


Acabamos de aterrissar no aeroporto Astoria, o vôo durou cerca de oito horas, e já passa das cinco da tarde. Claire dormiu durante a maior parte da viagem, mas agora que estamos em terra, ela não para de falar sobre o quanto está empolgada para explorar o lugar, e não deixo de me sentir feliz por proporcionar tamanha alegria a ela. 


Seguimos de mãos dadas para o carro que nos aguarda, e Claire chega mais perto de mim, dando um beijo em meu rosto. 


- Muito obrigada por essa viagem amor. Mal posso esperar para conhecer todo o lugar. - Fala totalmente empolgada.


- Já disse que não precisa me agradecer. Sabe que faço tudo por você. - Eu à puxo para mim, e abraço sua cintura. É impressão minha ou ela está mais larga nos quadris?.


- Eu sei, mas mesmo assim obrigada. - Claire abre um largo sorriso, e me sinto como o dono do mundo.


Entramos no utilitário preto, e depois que já estamos acomodados, o motorista sai com o carro. Fico observando pela janela a beleza que é o lugar, e noto então que Claire está muito quieta. Viro para olhar para ela, é percebo que está um pouco pálida, e em sua testa algumas gotas de suor.


- Claire, está tudo bem? - Pergunto preocupado. Ela apenas assente e sorri forçadamente, o que não me convence. 


- Tem certeza? - Insisto. 


- Tenho. Deve ser por conta da viagem. Mas já estou bem. - Ela se aconchega em mim e coloca a mão na minha coxa, apertando de leve. 


- Quando chegarmos aonde iremos ficar hospedados, a primeira coisa que vou fazer é tirar sua roupa e montar em você. - Claire fala baixinho no meu ouvido, e imediatamente me sinto endurecer. 


- Se estivéssemos só nós dois aqui, eu pararia esse carro e você faria isso aqui mesmo. - Vejo seus olhos se incendiarem de desejo, e preciso manter a calma, pois não estamos sozinhos.


Claire continua me encarando com malícia, e fico grato quando ela decide sossegar. O motorista continua a dirigir, até que finalmente chega ao local em que iremos ficar. 


O lugar é um condomínio fechado, com apartamentos e casas que são alugadas para os turistas. Decidi alugar uma das casas, pois Claire e eu já estamos mais familiarizados com uma, e acho melhor por conta do espaço. O condomínio fica localizado nos arredores da praia, e contém de tudo, restaurantes, bares, algumas lojas pequenas e até um spa. 


Descemos do carro, e Claire fica ainda mais maravilhada com a beleza do lugar. Ela começa a olhar tudo em volta, e em seguida olha para mim.


- Esse lugar é lindo. Vamos entrar logo. Quero trocar de roupa e descer até a praia. - Sua voz é pura alegria. 


- Ah então você quer ir até a praia? - Chego mais perto dela e a puxo para meus braços. 


- E sobre o que disse que faria comigo assim que chegássemos hum? - Ela sorri. 


- Você tem razão. A praia pode esperar. - Sorrindo, eu à pego no colo e caminho com ela pelo caminho que nos leva até a casa em que vamos ficar. O motorista vem logo atrás com nossas coisas. 


Assim que entramos, tanto Claire quanto eu ficamos encantados com a casa. A decoração é toda delicada, em tons de branco e um azul bem clarinho. Os móveis são todos próprios para a localização do condomínio, o que deve custar uma boa grana para mantê-los perfeitos e cuidados. 


Coloco Claire sentada no sofá, e me apresso em pagar o motorista. Quero ele fora daqui o mais rápido possível. Assim que me livro dele, retorno para a sala, e me deparo com Claire totalmente nua deitada no sofá. 


Perco o fôlego e fico paralisado por um instante apreciando a vista, e mais uma vez me dou conta do quanto eu sou sortudo. 


- Vai ficar aí parado, ou vai me deixar fazer o que te prometi? - Ela pergunta atrevida. 


- Sou todo seu doce Claire. Faça comigo o que quiser. - Abro os braços para ela que imediatamente fica de pé, e vem até mim, me beijando ardentemente. 


Claire se afasta o suficiente para arrancar minha camisa, e volta a me beijar, descendo a boca por meu pescoço, onde ela morde e chupa com vontade. Deixo escapar um gemido alto, e enfio uma de minhas mãos em seu cabelo, enquanto ela continua com os beijos. 


- Claire. - Sussurro seu nome em súplica, pois sinto que a qualquer momento vou gozar na calça, o que chega a ser ridículo. 


 - Shhh, quietinho. Seja um bom rapaz Owen. - Ela repete para mim a ordem que costumo usar com ela, e meu tesão só aumenta. 


Claire desce as mãos até a barra da minha calça, e desabotoa em tempo recorde. Ajudo ela a puxar para baixo junto com a cueca, e antes que eu possa tirar por completo, Claire me empurra e caio sentado no sofá. 


- Sou eu quem estou no comando aqui lembra? - Não questiono, apenas fico sentado, arquejando de desejo enquanto ela se abaixa, puxando a minha calça, e a jogando no chão. 


Quando já estou sem nada me vestindo, Claire se inclina sobre mim, beija meus lábios, meu pescoço, e vai descendo por meu peito, minha barriga, até chegar ao meu pênis que está sedento para entrar nela. 


Claire me encara ousadamente, e perco o fôlego. Ela dá um beijinho nele antes de colocá-lo na boca, me fazendo sufocar com minha respiração. Ela nunca havia feito isso, e por mais que eu desejasse, nunca tive coragem de pedir que fizesse. 


Jogo a cabeça para trás, me deliciando com a sensação de ter sua boca maravilhosa em mim, me proporcionando o melhor dos prazeres. Meus gemidos saem descontrolados, e quando percebo que já estou prestes a gozar, seguro em seu rosto e a afato. Não posso fazer isso com ela. Ainda não.


Claire me lança um olhar irritado por interromper sua festinha, mas não dou a ela a satisfação de abrir os insultos, e a puxo para meu colo, entrando nela de uma só vez. 


- Caralho. - Solto um grunhido no instante em que sinto Claire me apertando. 


- Qual foi a parte do eu estou no comando que você não entendeu? - Ela pergunta, mas vejo que está tão doida de tesão quanto eu.


- Você ainda está no comando doce Claire. Continue, por favor continue. 


- O que é que você quer?


- Me cavalgue. Faça amor comigo, faça o que quiser Claire. - Encaro seu rosto profundamente.


Claire não diz absolutamente nada, e no mesmo instante faz o que sabe fazer maravilhosamente bem. Ela me ama. 


☆☆☆☆


Uma hora depois estou sentado em uma poltrona, tomando uma cerveja e observando Claire dormir. Está exausta, e não é pra menos. Depois do que fez comigo, ela merece um longo descanso antes de sairmos para jantar no restaurante fora do condomínio, onde fiz as nossas reservas. 


Durante a nossa aventura sexual, percebi que realmente seus quadris estão mais largos, e a sua barriga um pouquinho estufada. Sem contar que os seios dela estão maiores, e pelo visto bem sensíveis, pois ela não me deixou nem chegar perto quando quis tocá-los. Isso é realmente bem suspeito. Conheço esse tipo de mudança no corpo, não sou burro. Mas a gente sempre toma cuidado, então não creio que isso seja possível. 


Continuo observando Claire. Ela está tão feliz por estarmos aqui, e quero tornar seus dias os melhores. Quero que lembre dessa viagem por muitos anos. Claire se remexe um pouco e sorrio. É inquieta até dormindo, mas também é linda pra caralho. Tão linda que as vezes quero escondê-la de todo o mundo, para que nunca a façam mal.


Quando penso nisso, imediatamente a imagem da Patrícia vem em minha mente. Por onde será que essa louca anda?. Espero que bem longe.


Afasto o pensamento e volto a olhar para a minha bela noiva. Jamais permitirei que façam mal a ela. Jamais. 



☆☆☆☆


Claire 


Após tantas tentativas frustradas de usar meus dois vestidos favoritos que trouxe para uma ocasião especial, visto o que Owen foi comprar para mim. Ele viu meu sofrimento enquanto lutava para fechar todos os dois vestidos que experimentei, mas sem sucesso, e decidiu sair para comprarmos outro. Estou inconformada. Não posso ter engordado tanto assim.


Depois de tanto chorar por causa disso, pois sim, minhas emoções saíram do controle novamente, estou recomposta e estamos a caminho do restaurante em que vamos jantar. Owen fez reservas em um restaurante fora do condomínio, e estou empolgada. 


Nada que um novo vestido, uma bons beijos e carinhos, e várias garantias de Owen de que não estou gorda para animar meu astral. O motorista que Owen contratou para esse tempo em que iremos ficar aqui estaciona o carro em frente a um lindo restaurante com vista para a praia, e imediatamente descemos do carro.


- Vou ter que me segurar para não socar ninguém. Você está tão linda que será difícil alguém não notar. - Owen fala um pouco irritado, o que me faz rir.


- Deixa de ser ciumento seu bobo. Não ligo se me olharem, pois quem está comigo é você. - Dou um beijo em seus lábios. 


- Tem razão. Eu devo mesmo é me orgulhar. Vamos entrar. 


Owen estende o braço para mim e aceito. Seguimos para dentro do restaurante, e realmente o lugar a agradável. A recepcionista vem nos atender, e assim que Owen informa nossos nomes, ela abre um sorriso e nos conduz para uma mesa um pouco mais reservada. 


Owen me ajuda a sentar, e quando já estamos acomodados, um garçom chega até nós e entrega os cardápios. 


Enquanto Owen está concentrado lendo as opções, meu estômago embrulha quando leio o nome de todas essas comidas, e me seguro para não vomitar. Esses enjoos já estão passando dos limites, e está a cada vez mais difícil de esconder do Owen, que me observa até quando escovo os dentes. 


- Decidiu o que vai querer? - Owen pergunta me tirando dos devaneios. 


- Aham, claro. - Sorrio para disfarçar a náusea. 


O garçom retorna assim que Owen acena para ele, e fazemos nossos pedidos. Ele se retira, deixando nós dois sozinhos novamente. 


Respiro fundo e tento me concentrar em algo que não seja o cheiro da comida. Viro meu rosto para a janela que está bem ao meu lado, e inspiro a brisa do mar.


- Quando sairmos daqui, que tal irmos caminhar na praia? - Owen sugere, o que me deixa animada. 


- Eu vou adorar. - Ele sorri e segura minha mão.


O garçom retorna com nossos pedidos, e assim que bato os olhos na comida, minha vontade é morrer ali mesmo. Volto meu olhar para Owen, que me observa atentamente, e sinto vontade de atirar o prato de comida na cara dele por ser tão observador. 


Desvio o olhar de seu rosto, e me forço a comer. Dou pequenas garfadas na comida, e meus olhos lacrimejam. Não posso chorar aqui, não na frente desse tanto de gente, e não por estar comendo algo que nem quero. Me forço a engolir, e bebo um pouco de água para ajudar. 


- Está gostando da comida? - Owen pergunta, e sei que é um teste. 


- Estou sim. Agora pare de me observar e coma. - Tento soar o mais neutra possível. Owen faz o exatamente o que eu disse e volta a comer. 


Depois de vários empurrões, afasto o prato de mim como se fosse um bicho, e bebo toda a água da minha taça. Owen também termina de comer, e sorri satisfeito. 


- Que comida maravilhosa. - Ele comenta. 


- Uhum. Podemos ir agora? - Pergunto desesperada. Preciso sair daqui antes que aconteça uma tragédia.


- Você não quer a sobremesa? - Owen me olha mais uma vez desconfiado. 


- Não, obrigada. Quero caminhar na praia. Por favor. - Uso todo o meu charme que sei que ele não resiste. Owen concorda com um pequeno aceno, e respiro aliviada. 


Após sairmos do restaurante, luto contra o impulso de suspirar de alívio. Digo a Owen que não quero voltar de carro, e ele dispensa o motorista por hoje. 


Caminhamos de mãos dadas até  chegarmos a areia. Tiro minhas sandálias e sinto a maciez e o frio da areia em meus pés. O vento forte agita meus cabelos, e fecho os olhos apreciando a sensação. 


- Essa é a vista mais linda que já vi desde que chegamos aqui. - Ouço a voz de Owen e abro os olhos. Ele está parado bem ao meu lado, sorrindo para mim.


- Não exagera. - Falo timidamente. 


- Não estou exagerando. - Ele se aproxima de mim, envolve minha cintura com os braços, e permanecemos nos olhando em silêncio. 


- Amo você. - Sussurro para ele. 


- Eu também amo você. - Ele sussurra de volta. 


- Quando chegarmos em casa, quero que dance para mim. - Ele pede descaradamente, e não consigo evitar a risada. 


- Vou pensar. - Não tenho nada que pensar. Assim que chegarmos eu farei exatamente isso.


Owen me puxa para um beijo, e me permito relaxar na segurança dos seus braços. 


☆☆☆☆

Patricia 


Então o casalzinho decidiu vir para Cannon Beach. Quem diria que iríamos nos encontrar. Pra falar a verdade eu que decidi vir atrás deles, pois não posso perder nenhum de seus passos até chegar a hora de por meu plano em ação. 


Observo os dois se beijando feito um casal de adolescentes e sinto vontade de vomitar. Quem diria que Owen se tornaria um patético a esse nível. Quando ele voltar para mim darei um jeito nisso.


- Aproveite seus dias de glória baby Claire. - Dou mais uma olhada nos dois antes de sair dali. 


☆☆☆☆

Claire


Acordo com o cheiro de bacon invadindo meus sentidos, e imediatamente dou um pulo da cama em direção ao banheiro. Me debruço na pia e começo a vomitar. Nunca vomitei tanto em toda a minha vida, e experiência não é nada boa.


Assim que termino, lavo o rosto, e deixo que a água leve para o ralo toda a minha sujeira. Pego uma toalha e enxugo o rosto, e assim que me viro dou de cara com Owen parado na porta, me observando de braços cruzados. 


- Agora chega. Se vista e vamos ao médico agora mesmo. - Sua voz soa ríspida, o que me assusta.


- Mas eu já falei que não preciso...


- Não estou pedindo que se vista Claire. Estou mandando. Vamos ao médico agora. - Ele continua ríspido. 


- Ah é mesmo? E se eu não quiser? - Uso o mesmo tom que ele usou comigo. 


Owen suspira e caminha até mim segurando meu rosto entre as mãos. 


- Se você não quiser, vou levá-la assim mesmo. Precisamos saber o que você tem. Eu já tenho minhas suspeitas, porém me recuso a acreditar que seja isso. - Ele usa um tom mais calmo agora, porém não me deixa nada calma. 


- E o que você acha que é? - Pergunto nervosa.


- Melhor irmos ao médico logo. - Ele se afasta.


- Owen.


- Agora Claire. Vista-se agora e não irei falar de novo. - Então ele sai me deixando sozinha e totalmente nervosa.


☆☆☆☆


Uma hora depois estamos no consultório médico que fica próximo aonde estamos hospedados. Relatei ao médico tudo o que venho sentindo, e ele solicitou um exame chamado Beta HCG. Sei que exame é esse, e assim como Owen, eu me recuso a acreditar. Não pode ser isso. Não ainda. Será que essa é a suspeita de Owen?. É por isso que ele ficou tão ríspido comigo, e continua calado?. Será que ele não quer?.


Estamos os dois sentados no consultório, aguardando o médico retornar. Olho para Owen que está com o maxilar rígido, e sua expressão me deixa com medo. 


- Owen. - Chamo por ele tentando puxar algum assunto, mas ele não tem a chance de me responder, pois o médico entra na sala e senta a nossa frente. 


Estou tão nervosa que sinto estar chegando a beira das lágrimas, e o jeito de Owen não está ajudando nada. O médico olha para nós dois, e abre um largo sorriso.


E então, dá a notícia que muda as nossas vidas imediatamente. 






Notas Finais


Continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...