1. Spirit Fanfics >
  2. Atrás do amor >
  3. Sorry :P

História Atrás do amor - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Oieee
Volteii!
Vai demorar mais pra eu atualizar, mas eu juro que vou continuar
Boa leitura!

Capítulo 19 - Sorry :P


Quando o Victor fechou a porta eu olhei bem pra ele e disse

-Eu sou um gato não um coelho! – Eu cruzei os braços.

-Ele é burro mesmo! – O Victor disse e começamos a descer as escadas.

-Ainda não acredito que você “fugiu” de casa pra vir aqui... – Eu estava saltando de dois em dois degraus para descer as escadas...

-Tipo... – Ele continuava falando sozinho. –E se sua mãe acordasse e você não estivesse lá ou...

-Eu gosto de viver perigosamente! – Eu disse enquanto me preparava para pular quatro degraus, mas acabei tropeçando e ia cair de cara no chão. Eu senti meu coração gelar e logo depois e u senti a mão do Victor agarrar a minha cintura me puxando de volta.

-Isso! Vai lá viver perigosamente!

-Obrigada, obrigada! – Eu dou um abraço na cintura dele bem forte.

Eu desci todas as escadas segurando na mão dele.

Quebra de tempo

Já era meio-dia, eu tinha chegado e consegui dormi algumas horas, as meninas saíram faz 20 minutos.

A minha mãe já tinha ido trabalhar, ninguém desconfiou que eu sai escondida, mas não pretendo fazer isso de novo...

Eu finalmente saio da minha cama, eu coloco um Shorts cintura alta preto, uma blusa amarela.

Eu só ia ficar em casa, mas fiquei com vontade de sair e comprar algum doce, já que comemos todos noite passada ‘-‘.

Eu coloquei um vans preto e um brinco de argola só porque eu gosto muito deles mesmo...

Eu sai do meu prédio e os meninos estavam indo embora, pareciam estar se despedindo do Victor e do Rafael e eu me aproximo bem devagar...

Mesmo estando bem perto eles não notaram a minha presença.

-EEEEIIIIIIIIIII! – Eu gritei bem alto chamando atenção de todos que estavam confusos...

-Eu só queria atenção mesmo, tchau procês! – Eu passo por eles e saio do condomínio em direção ao mercado...

Amigos...

Eu nunca usava essa palavra, eu sempre tinha só um amigo...

Eu não consigo me lembrar do rosto de ninguém de antes de me mudar...

Nem dele...

Se talvez fosse o menino do sonho...

O Sonho, eu não sei o que significa...

Alguém coloca as mãos no meu ombro e eu tomo um susto.

-AAAAh! – Eu me viro e o Pedro está de frente pra mim dando uma risada...

-Você me assustou seu filho da...

-Eiiiii! – Ele fala como se me censurasse.

-De qualquer forma... – Eu continuo. – Por que você tá me seguindo? – Eu pergunto enquanto cruzo os braços.

-Quem disse que eu to te seguindo? Eu vou comprar tinta guache! – Ele fala e eu caio na gargalhada.

-Tinta guache? –Eu dou uma risadinha – Pra que você precisa de tinta guache??

-PRA COMER, NICOLE! Pra comer! – Ele disse irônico como sempre.

-Olha que de você eu não duvido... – Eu dou mais uma risada

-Você quer ir comigo...? – Eu falo enquanto pego na mão dele e a levanto.

Ele dá uma leve corada, bem leve mesmo.

-Tá! – Ele meio que dá de ombros

Eu solto a mão dele, eu não conseguia andar calada com ele, toda hora ele fazia uma piada...

-Ei, tenho que sair da calçada! – Ele disse e começou a andar do lado da calçada.

-Por que? – Eu pergutei meio preocupada por ele não estar na calçada.

-Tá escrito ali, ó! Proibido jogar lixo na calçada! – Ele apontou para uma placa um pouco mais a frente.

-Abre espaço, eu preciso ficar ai também então! – Nós dois começamos a rir.

Quebra de tempo

O mercado estava meio vazio, eu fui direto para um corredor cheio de doces e o Pedro veio comigo, mas depois ele iria comprar tinta guache pra sei lá o que...

-Você quer alguma coisa? – Eu pergunto pra enquanto escolho um chocolate.

-Não, eu tô de boas... – Ele disse enquanto me ajudava a escolher

Eu peguei uma barra de chocolate e um pacote gigante de m&m’s.

Logo depois de eu pegar o que eu precisava fomos para o outro corredor pegar a tinta.

Ele pegou a primeira que viu e fomos para o caixa rápido...

O problema era que o caixa rápido tinha uma fila enorme, e tinha uma caneta dourada pra desenho muito bonita naquelas prateleiras que ficam do lado da fila, mas eu tinhas gastado todo o meu dinheiro...

Eu peguei só pra ver o preço e era 10 reais, mas eu já tinha visto essas caneta, ela durava muito e a tinta era boa.

-Você vai levar? – O Pedro disse e eu coloquei a caneta de volta.

-Eu não tenho mais dinheiro, tanto faz de qualquer forma...- Eu virei pra frente. Éramos os próximos.

-Você quer? Eu pago! – Ele foi levando a mão pra pegar a caneta, mas eu não deixei.

-Não precisa, serio! Depois eu compro! – Eu soltei a mão dele e ouvimos um som de caixa livre.

Eu fui andando acreditando que o Pedro estava do meu lado, mas ele chegou um pouco depois no caixa.

Eu peguei minhas coisas e vi que ele tinha pego a caneta enquanto eu estava indo até o caixa.

-Aqui! – Ele me entregou a caneta e na minha cabeça passou o André me entregando o ursinho.

Eu só fiquei encarando o chão...

Tudo vai se repetir?

De novo e...

DE NOVO?

Eu agradeci e disse que precisava ir, ele parecia meio triste em ouvir isso.

Ele deu um sorriso meio bobo e se despediu.

Eu fiz o mesmo e me virei.

Já ia começar a andar pra casa quando sinto um abraço por trás.

-WUAAAH! – Eu gritei assustada.

Eu me levantou um pouco ainda me abraçando e me deu um beijinho na bochecha que me fez corar muito...

Ele me soltou e eu olhei pra ele.

-IDIOTA! – Eu me virei de novo.

-Tchau coelhinha! –Ele disse logo em seguida

-EU SOU UM GATO! – Eu comecei a andar mais rápido e bem corada.

Quebra de tempo

Eu fecho a porta e me jogo no sofá...

Meu Deus...

EU TENHO UMA SALA CHEIA DE MENINO GATO E SÓ AGORA EU TÔ ME LIGANDO DISSO!

Eu sento e fico olhando pra tela do celular.

-De quem eu gosto? – Pergunto a mim mesma enquanto fecho os olhos.

Nada.

Eu acho que eu gosto do...

Sinto minha mão vibrar, e quando abro os olhos a tela do celular está ligada.

Nova mensagem

Eu clico e quem mandou mensagem foi o André...

André: Oi, pode falar agora?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que?

Eu sinto um frio na barriga e começo a falar sozinha.

- E-eu posso? Sim, eu posso! Mas eu quero? Não sei... Para de falar sozinha sua entranha!  

Eu volto a olhar para o celular, o que eu respondo??
Eu paro de pensar tanto e mando qualquer coisa...

Nicole: Oiee! Aham, posso sim :3

-Eu sou estupida! – Eu falo novamente comigo por estar nervosa...

André: Me desculpa

André: E me desculpa de verdade por não conseguir pedir desculpas pessoalmente de primeira

Eu ia responder com um “tanto faz” sei lá, mas ele mandou outra mensagem...

André: Mas se você puder atender a porta eu agradeceria...

Eu fico muito confusa e ouço uma batida na porta...

Não...

NÃO!

Ele não fez isso...

Eu me levanto e olho pelo olho mágico da porta e começo a ficar muito vermelha...

Eu sinto uma sensação de estar em um filme romântico adolescente, que eu amo...

Eu lembro que eu tinha falado que eu gostava dessas coisas meio cliché pra ele...

Eu giro a chave na porta com a mão tremendo um pouco...

Eu seguro a maçaneta e respiro fundo antes de abrir a porta...

Sabe... Sabe aquelas cenas de filme que é pra ser fofo? Que tem alguém com um presente na porta da casa da outra pessoa?

Foi tipo isso!

Agora imagina com duas pessoas obviamente constrangidas e com o Ycaro olhando um pouco de longe...

Eu abri a porta e ele estava lá parado, a gente ficou se encarando por uns 10 segundos até eu voltar a mim mesma

-O-Oi! – Eu disse mexendo na manga da minha blusa por causa no nervosismo...

Ele estava com um urso de pelúcia muito grande, o mesmo boné rosa claro, mas com uma cara extremamente vermelha que me fazia ficar vermelha também.

- O-oi! – Ele respirou fundo  um pouco antes de continuar acho que pra afastar o constrangimento ou algo assim...

- Primeiro isso é pra você! – Ele pegou o urso e me entregou, e eu sei que eu tenho que ficar normal, mas na mesma hora que eu peguei o urso...

-QUE FOFINHO! – Eu peguei ele e abracei contra o meu peito bem forte balançando de um lado pro outro.

Ele era bem fofinho e tinha um cheio de doce...

Eu lembrei que o André ainda estava ali e tirei minha atenção do urso um pouquinho...

-Obrigada! – Eu disse e abracei o urso de forma que ele tampasse a minha boca.

- Eu queria pedir desculpas por todo escândalo que eu fiz por nada, que você obviamente não precisava ter passado. Eu sei que eu sou culpado e peço desculpas por não ter pedido desculpas o mais cedo possível e eu...

Ele vai ficando mais nervoso e começa a falar muito, que o faz mais fofo ainda...

-...Só que eu não sabia como você iria reagir ai eu...

Eu larguei o urso subitamente e dei um abraço nele, eu percebi que ele ficou meio em choque, mas senti ele me abraçando de volta depois de um tempo.

Eu ouvi alguém dando um grito de alegria e quando olhei um pouco para o lado eu vi o Ycaro com o celular apontado pra gente.

Eu percebi que o André estava soluçando como se estivesse chorando, e ele me abraçou um pouco mais forte e eu consigo escutar ele sussurrando algo bem baixinho. Eu me concentro pra tentar ouvir...

-Eu te amo... Muito mais do que você imagina...

Eu senti um arrepio gigante subindo por toda minha espinha e comecei a corar muito.

A gente se separa e eu olho bem pra ele pra fazer uma pergunta muito importante, que eu queria fazer a muito tempo...

 

Eu junto ar...

 

 

 

 

E...

 

 

 

 

 

 

Quase lá...

 

 

 

 

 

-O que o Ycaro tá fazendo aqui?

 Eu senti que a minha pergunta foi meio que no momento errado.

-O Ycaro? Bem... Ele veio aqui pra-

-Eu vim aqui pra garantir que o André não ia arregar no meio do caminho! – O Ycaro interrompe lá de longe e eu consigo ouvir ele descendo as escadas logo depois.

- Ok! Foi tipo isso mesmo! – Ele diz e eu do uma risada.

- Outra coisa! – Ele fala enquanto pega a minha mão.

- Você...

Ele olha bem no fundo dos meus olhos e eu começo a pensar em tudo que ele poderia perguntar nesse momento, e é claro que o tal pedido de namoro ficou meio esperado...

-Você... Você! – Ele age como se quisesse falar algo, mas tem algo o impedindo...

-Eu? – Eu falo confusa

- Você... An... Quer sair um pouco? – Eu percebi que ele mudou a pergunta no último instante...

Eu jogo o urso no sofá, bem rápido e fecho a porta...

-Claro! – Eu dou um sorriso bem grande.

Eu seguro a mão dele e começamos a andar...


Notas Finais


Obrigada por ler!
(Me dá um urso que tudo fica de boas...)
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...