1. Spirit Fanfics >
  2. Através do espelho ---Shirbert >
  3. Através da realidade

História Através do espelho ---Shirbert - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Através da realidade


Gilbert não ouviu o conselho de Diana no dia seguinte,  nem no posterior a este, e nem nas últimas duas semanas, ele ficara acordado durante noites apenas para contemplar o grande e dourado espelho e a garota que em apenas uma mísera curta visão o havia encantado.

Não podia evitar, se sentia atraído pela menina de grandes cabelos ruivos e uma mecha azul celeste de maneiras que o mesmo não conseguia descrever, as feições suaves, o sinal ao canto da boca, tudo nela era belo, instigante e misterioso, isso fazia Gilbert parar em frente ao espelho por horas a fio, passando a mão sob os detalhes em ouro, mas nunca no reflexo, não queria assustá-la, e se ela se espantasse com o barulho?
 

––Boa noite, se você estiver escutando.––São duas da madrugada, ele esta sentado no chão de mármore enquanto mexe no farrapo solto de seu pijama amarrotado.––Já é a segunda semana que eu passo aqui, não sei o porque, não sei como...––Ele se aproxima do reflexo, suas mãos tocam finalmente a parte central do espelho.––Mas algo em você me encanta, é uma sensação diferente de qualquer outra, alguma coisa me prendeu a você, e aqui estou eu, falando com um espelho.

Suas mãos continuam no reflexo, aos poucos ele observa uma chama, uma pequena faísca de fogo que se apaga, e sua mão atravessa o centro o permitindo entrar.

––O quê?––Uma voz feminina se instala no cômodo escuro, 'é ela, o cômodo se acende como mágica, são as mãos dela, estão em chamas mas não parecem queimar, o fogo não a incomoda.––Como você entrou aqui?

––Então você podia me ouvir.––Gilbert ignora a pergunta.––Sabe que eu fiquei semanas tentando falar contigo, não é?

––Como entrou aqui?––As chamas estão em seus olhos, é uma visão assustadora para Gilbert, mesmo que quisesse, não saberia como responder tal pergunta.

––E-eu não sei.––Ele recua por puro instinto de sobrevivência.––Só coloquei as mãos no reflexo e...entrei.

Eles se encaram em silêncio por alguns minutos, sem todo o fogo sob seus olhos ficar no mesmo cômodo que a garota é bem menos assustador, ela usa uma camisola de provavelmente o dobro do seu tamanho e seus grandes cabelos estão presos em duas tranças laterais, Gilbert para para analisar cada detalhe de sua face pensando ser a última vez que a veria, as inúmeras sardas se destacam em sua pele pálida, as unhas grandes beliscando seu pulso.

––Anne Cuth––Ela se interrompe antes de completar.––Anne Shirley.

––Perdão?––As sobrancelhas dele se arqueiam.

––Este é meu nome, Anne Shirley.––Ela se senta na cama do quarto e Gilbert senta também, ao seu lado, o silêncio é constrangedor.

––Então...Quantos anos você tem?

––Quinze.––Ele sorri, pelo menos tem a idade em comum.––Você....você gosta de ler?

––Bem, posso dizer que aprecio a leitura, embora meu maior prazer seja a escrita.––Está aí algo que nunca havia contado, sua paixão pela escrita de contos e poemas era um grande segredo que guardava a sete chaves.

––Fantástico!––Ela se anima.––Quem sabe não possa me trazer um deles? Se desejar, sei que a escrita é muitas das vezes algo pessoal  ou embaraçoso para quem escreve, no entanto  eu acredito que a escrita seja uma área do conhecimento fascinante e que deva ser exposta e apreciada por todos, mas se assim desejar eu não lerei uma só palavra, eu também tenho alguns contos dos quais tenho vergonha de mostrar, não por que estejam horríveis, do contrário, minha habilidade com a escrita é um dos meus maiores orgulhos, mas há coisas em particular tão especiais que devemos guardar para nós mesmos, não concorda senhor......––Uau! De fato ela era falante, a vergonha e medo de minutos atrás agora fora substituída por entusiasmo e alegria, de alguma forma até a tagarelice da garota agradava Gilbert, que rapidamente respondeu.

––Gilbert, e por favor não me chame de senhor.––Ele sorriu.––E claro, posso lhe trazer algumas escritas minhas, amanhã, no mesmo horário.

––Formidável!Então o vejo amanhã, as duas da manhã.

––Amanhã, as duas da manhã.––E se despediu da garota, passando as mãos pelo reflexo do espelho e voltando a casa de sua tia.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...