1. Spirit Fanfics >
  2. Através do Tempo >
  3. Chega de Negar

História Através do Tempo - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


E aqui estamos para mais um capítulo para vocês, espero que gostem! E nos vemos nas notas finais.

Capítulo 9 - Chega de Negar


Fanfic / Fanfiction Através do Tempo - Capítulo 9 - Chega de Negar

— Beleza não podemos ficar aqui esperando o Drago vim até nós — Soluço disse para Hiro, Baymax e Banguela, esse último sendo atacado por alguns dragões bebê. — Temos que chegar até ele antes.

— Okay, entendi o que temos que fazer, mas qual o plano? — Hiro perguntou se aproximando de Soluço. — Por que não dar só para chegar lá e simplesmente pedir para conversar com ele.

— Então... — Soluço coçou a nuca envergonhado.

— Você não tem um plano né? — Hiro suspira. — Me diga o motivo mesmo que você é o lider dessa missão, Viking?

— Só vamos lá Hiro, vamos chegar lá e mostrar para o Drago como os dragões são amigos... — Foi calado de repente com uma mão em sua boca, Banguela que tinha terminado de afastar alguns bebê dragões olhou para trás rosnando pronto para atacar o miserável que tinha ousado colocar a mão em Soluço.

— Calminha. — Stoico disse acalmando o fúria da noite.

— Você tá brincando? — Soluço se soltou. — Como entrou aqui?

— Da mesma maneira que nós vamos tirar vocês daqui. — Ele diz entregando a mascará de Soluço.

— Nós? — Soluço pergunta surpreso e confuso.

— Barra limpa. — Bocão diz surgindo de uma fenda.

— Vocês venham. — Fala e começa a puxar Soluço para a caverna.

— Pera ai, Pai. Olha só tem uma coisa que você tem que saber.

Hiro, Baymax e Banguela seguiam os dois.

— Me conta no caminho. — Stoico diz continuando o caminho.

— Bem não é o tipo de coisa que conta no caminho. — Soluço tentava argumentar com o pai.

— Já ouvir demais Soluço.

— É do tipo notícia que vai abalar o mundo.

— Coloca ela na fila. — Stoico continuava andando sem ligar muito para o filho.

— Os dois são sempre assim? — Hiro pergunta para Banguela que confirmou com a cabeça.

— Pai, diferente das notícias que eu te conto, dessa você vai gostar. — Stoico continuava andando ignorando o filho. — Você só vai ter que lidar com ela com muita calma.

Pararam de andar ao ver Bocão parado num fenda, ele olhou para atrás e parecia muito incrédulo.

— Eu acho que você vai querer resolver essa parada. — Passou por Stoico colocando a mão em seu ombro. — Ai ai. — Disse se sentando numa pedra com a mão na cabeça.

Sotico pegou a espada e foi em direção ao buraco.

— Oh, será que dar para guardar essa espada por favor. — Soluço foi atrás do mesmo, quando o mesmo parou incrédulo deixando a espasa cair no chão e tirando o elmo. Os outros que estavam ali, se posiconaram atrás do mesmo meio preocupados com a reação dele.

Valka que já tinha percebido a presença do mesmo, negou com a cabeça e tomou com coragem para falar.

— Eu sei o que vai dizer, Stoico. — Valka começou olhando para baixo. — Como pude fazer isso? Sumir por todos esses anos. — Desviou o olhar novamente de um Stoico que ainda estava paralisado. — E por que não voltei para você e nosso filho. — Apontou para Soluço. — Bom que outra escolha eu tinha? — Stoico começou a andar em sua direção. — Você nunca deu sinal que poderia mudar, que Berk poderia mudar. — Stoico continuava sem dizer nada só andando em direção a Valka. — Eu perdi tantas vezes para pararem com as lutas, com as matanças. Mas algum de vocês me ouviram?

— Por isso que nunca me casei. — Bocão disse. — Por isso e por outras coisinhas. — Soluço e Hiro olharam para ele com estranhamento.

— Eu sei que você teve que criar o Soluço sozinho, eu pensei que ficaria melhor sem mim. — Ela segurava o cajado contra si e um pouco temorosa com Stoico tão proximo de si. — Eu estava errada, agora vejo isso mas... Ah— Ela foi chegando para atrás até ficar contra a parede de gelo. — Pare de ser tão Stoico, Stoico, berre grite diga alguma coisa. — Stoico colocou a mão em seu rosto.

— Você está tão linda quanto no dia que te perdi. — Valka arregalou os olhos surpresa, mas logo abaixouu a guarda e os dois acabaram com a distância, selando os seus lábios num selinho, os dragões que os cercavam se afastaram vendo que a mulher estava segura. Soluço sorriu ao ver a cena, Hiro também sorriu ao ver com o treinador estava feliz com o reencontro dos pais.

゚・*☆¸¸.•*¨*••*¨*•.¸¸☆*・゚゚・*☆¸¸.•*¨*•゚・*☆¸¸.•*¨*•゚・*☆¸¸.•*¨*••*¨*•.¸¸☆*・゚゚・*☆¸¸.•*¨*•゚・*☆¸¸.•*¨*•

Enquanto isso num barco de Drago, os cavaleiros junto com Eret estavam prontos para serem jogados no mar congelante.

— Será que dar para o dia piorar? — Melequento falou

— Deixa eu ver. — Cabeça Dura diz com ironia. — Ser jogado nessa água congelante e morrer afogado.

— Parece tão refrescante. — Eret diz olhando para água e depois se vira. — Primeiro as damas. — Fala para Astrid.

— Você é um monte estrume de dragão. — A loira diz sendo empurrada para frente.

— Abaixa. — Astrid faz o que ele perde e com um chute derruba os caçadores que seguravam a loira e se solta logo em seguida.

— Pega eles filhos de Eret. — Cabeça Quente diz vendo o rapaz lutando com os outros caçadores. — Okay me conquistou de novo. — Diz indo para perto dele.

— Ah. — Melequento diz triste.

— Que patético. — Cabeça Dura fala balançando a cabeça.

— Vamos soltar os seus dragões. — Ele fala indo em direção as armadilhas.

— Hum. — Astris diz o olhando.

A loira após dessaramada abre uma das armadilhas encontrando batatão, na qual tratou de soltar.

— Tem alguém vindo? — Eret pergunta para Cabeça Quente que só observa.

— Não sei, continua com isso ai que está bom. — Ela diz mordendo os lábios.

Eret consegue abrir a armadilha e nela encontra tempestade, ele se aproxima com calma ela olha deaconfiada, mas ele estende a mão e diz:

— Obrigado por ter salvo a minha vida. — Ela fecha oa olhos deixando ele encosta-a. — Agora deixar eu retrubuir o favor.

゚・*☆¸¸.•*¨*••*¨*•.¸¸☆*・゚゚・*☆¸¸.•*¨*•゚・*☆¸¸.•*¨*•゚・*☆¸¸.•*¨*••*¨*•.¸¸☆*・゚゚・*☆¸¸.•*¨*•゚・*☆¸¸.•*¨*•

No covil de Valka, Soluço contava animado sobre Berk para mãe que junto a Stoico preparava o jantar.

— É, nosso filho mudou Berk para melhor. — Stoico fala. — Ele é nosso motivo de orgulho.

— Valeu pai. — Valka começa a andar, mas acaba derrubando os peixes que estavam na tabua.

— Pode deixar. — Stoico diz.

Banguela se aproximou com o objetivo de comer os peixes, mas pula nuvem foi mas rápido, mas o ver a carinha de gatinho do fúria da noite colocou os peixes de volta para dora e Banguela comeu rapidinho. Hiro que tinha visto a cena quase colocou o que tinha no estômago para fora.

— Eu estou um pouco sem prática. — Valka fala.

— Tudo bem, eu não casei com você por causa da sua comida. — Stoico diz colocando mais peixes na tábua e Soluço a pega levando para Bocão.

— Espero que não, as amôdegas dela podem matar mais bestas que um machado. — Ele diz pegando a tabua e pegando um espetinho. — Eu ainda tenho algumas se mexendo aqui.

— Quando você mudar para Berk com os seus dragões, Drago não vai ter nem chance. — Soluço fala muito animado. — Ai vai ficar tudo bem.

— Calma filho. — Stoico diz colocando a mão no ombro do garoto. — É muita coisa acontecendo.

— Ah, entendi. — Diz quando ver a mulher ir para preto de um fonte meio desanimada.

Stoico vendo aquilo, começa a assobiar uma canção, e se aproximando devagar e logo começando a cantar, demorou um pouco mais logo Valka e ele cantavam e dançavam juntos.

Soluço sorria ao ver a cena, logo Bocão também dançava e puxou Soluço para fazer o mesmo. O único que não dançava era Hiro que se levantou e foi para algum lugar, o treinador só percebeu isso pouco tempo depois e resolveu ir atrás do mesmo, que olhava alguns videos no monitor de Baymax.

— Tá tudo bem? — Soluço perguntou se aproximando do garoto.

— Estou sim. — Ele diz sem desviar do monitor. — Por que não estaria?

— Você sair de lá do nada e agora está olhando para isso meio desanimado. — Fala aprontando para o monitor de Baymax.

— Eu só não queria atrapalhar o momento em família. — Hiro finalmente olha para ele. — Fico feliz por você Soluço, não há coisa mais importante que a família.

— Valeu. — Soluço olha para o monitor. — Esse daí deve ser o Tadashi não é?

— Sim, fora ele que construir o Baymax original, ele queria ajudar as pessoas. — Hiro olha novamente para o monitor. — Ele teria gostado de você, vocês se parecem muito nesse quesito.

— Tenho certeza que teria gostado dele também. — Soluço fala e Hiro sorrir meio fraco, mas sorrir ao ouvir isso. — Hey, quando você consertar a máquina do tempo, você pretende tentar de novo? Sabe voltar no dia do acidente de seu irmão.

— Não. — Hiro suspira e olha para Soluço. — Já aprendi a minha lição, eu tenho que aceitar que o Tadashi se foi e que mesmo que eu tenha medo de esquce-ló eu não vou, pois ele continua vivo no meu coração e jamais vai sumir contanto que eu continue seu legado de ajudar os outros.

— É um bom jeito de pensar. — Soluço fica em silêncio e dois garotos assistem os vídeos de Tadashi, ou pelo menos Hiro assiste, pois Soluço olhava para Hiro olhando para cada expressão que o mesmo fazia, até que não aguentou a ver o sorriso que o garoto abriu ao se lembrar de algo e com certeza iria contar para ele, já que se virou para ele, mas nem teve tempo de dizer nada, já que teve seus lábios tomados pelo os do viking.

De primeira Hiro não reagiu estava muito surpreso, a mistura de sentimento que se encontrava dentro dele estava muito confusa, mas ao perceber que Soluço se afastava ele tacou uma foda-se e colocou as mãos envolta da nuca do treinador o puxando para mais perto e começando a retrubuir o beijo.

Quando beijou Hiro, foi na impulsividade e quando viu que o garoto não reagia resolveu se afastar, pronto para lidar com a merda que tinha feito, só não esperava ser puxado de volta e ser retrubuido, então Soluço tratou de aproveitar o momento, segurou o rosto de Hiro fazendo um pequeno carinho no local, ele sabia que não devia está fazendo aquilo, mas se dissese que não estava gostando de sentir a maciei dos lábios do Hamada ou que não estava gostando de sentir de como a língua de Hiro batalhava pelo controle com a sua, de como estavam sincrozinados, é ele estaria mentindo se dissese que não estava gostando, pois estava e muito. Nunca tinha sentindo algo assim antes, nem mesmo com Astrid. Droga, ao se lembrar da loira, o treinador não pode deixar se sentir culpado, mas ele não conseguia parar, ele só queria aproveitar mais a boca de Hiro.

— Hu..hum... — Hiro já estava se sentindo sem ar então se separou do garoto. — I ..sso foi...

— Bom. — Soluço completou e já estava se inclinando para outro beijo, quando vários dragões passaram por ele muito assustados. — Mas o que está acontecendo? — Dito isso um barulho de explosão foi ouvido.

Os garotos se apressaram para irem ver o que raios estava acontecendo. Quando chegaram aonde Valka, Bocão e Stoico estavam viram que era as tropas de Drago que atacavam.

Valka furiosa se colocou a andar para ir se preparar para a batalha.

— Val, espera. — Stoico a para. — Somos uma equipe okay, vamos resolver isso juntos.

Valka olha para a familia e sorrir e os quatros vão pegar seus dragões e suas armas. Hiro também se preparava para ajudar, mas de repente foi parado por Soluço.

— Nem vem, eu vou ajudar sim Soluço. — Percebendo a intenção do garoto.

— Hiro essa batalha não é sua e tenho certeza que a tanto a sua tanto a armadura do Baymax não foram feitas para suportarem ataques de dragões. E eu não me desculparia se algo acontecesse com você, então por favor fica fora dessa.

— Mas Soluço....

— Por favor. — Deu um selinho no mesmo. — Baymax cuida dele. — E saiu com Banguela.

— Acredita nisso? — Hiro disse frustado. — Eu sei me proteger e... Baymax? — Olhou para o robô que estava muito queito. — Tá tudo bem?

— Hiro o seu desejo é que não tocasse nesse assunto, mas vou ter que desconsidera-lo.

— Que desejo? — O garoto olhou para ele sem entender.

— O que você realmente sente por Soluço? — Hiro ficou surpreso com a pergunta.

— Sinceramente Baymax eu não tenho a plena certeza do que eu sinto, só sei que é algo diferente. — Hiro diz meio derrotado e cansado de negar.

— Já disse isso para ele? — Baymax pergunta. — Pois pelo os meus dados e observações de 98,8 ℅ dele sentir a mesma coisa.

— E 1,2℅ de não corresponder. — Hiro fala. — Além disso Baymax mesmo que corresponda, logo teremos que ir para casa, somos de mundos totalmente diferentes e... — Para de falar ao ouvir o tanto de barulho de tiros de pedras caindo. — Não está na hora de falar de sentimentos, precisamos ir ajudar. — Hiro pergunta aprotando para saída.

— Mas o menino Soluço...

— Disse para ficamos aqui, mas pensa assim Baymax tem gente se machucando lá fora que precisa de cuidados médicos e quem melhor para da-lós do que você? — Hiro diz apelando para programação do robô.

— Está correto, devo ajudar. — Baymax diz concordando.

— Ótimo amigão, vamos lá. — Os dois saiem da caverna indo para batalha, e Hiro não podendo negar que estava muito preocupado com Soluço e esperava que o treinador estivesse bem.


Notas Finais


Momento de silêncio............Ahhhhhhhh(Surto Fujoshi)
Sim meu povo lindo vocês leram certo, finalmente rolou um beijo entre nosso querido casal🎉💋🎉 E agora as coisas começam a desenrolar entre eles.
Então o que achamque vai acontecer no próximo capítulo?
Comentem;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...