História Através do vidro. - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 32
Palavras 3.756
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - 1T.Destino traçado


              SHAWN MENDES

São 11h00 e estou prestes a sair para correr com Camila,minha melhor amiga,prometemos um ao outro que iríamos nos exercitar todas as manhãs antes do colégio,e estou cumprindo a promessa a mais ou menos dois dias,hoje é sábado e decidimos correr depois do café da manhã.Preguiçosamente amarro meus tênis de corrida acizentado,enquanto a garota amarra seus longos cabelos em um rabo de cabelo desajeitado e mal penteado.

—Eu definitivamente preciso de férias—Ela diz frustrada,se jogando de costas no colchão que afunda ao receber seu corpo,olho de canto para ela e não deixo de rir ao notar sua expressão de puro drama.—Qual é a boa para essa noite?

Camila Cabello é definitivamente a pessoa mais agitada que conheço,e sempre que tem uma única oportunidade de me arrastar para uma noite divertida,assim ela faz.

—Quero dormir ou assistir o filme do Will Smith na tv—Ela se apoia com os cotovelos no colchão,seu corpo um pouco curvado para frente.Me encara fixamente,e estala a língua,uma mania que Camila pegou recentemente.Arrumo meus cabelos,e para facilitar domar as mechas,coloco uma tiara fina na cor preta,que se perde em meus pequenos cachos desalinhados.Abro as cortinas da janela e o sol adentra o quarto,espio pelo vidro.

Meu coração dispara,as batidas ficam aceleradas,e minhas mãos ficam trêmulas,minha respiração frenética.Ele está realmente muito bonito hoje,parece que acabou de acordar,os cabelos loiros estão bagunçados,e suas coxas expostas porque está usando uma única peça,que é uma camiseta grande azul bebê.

—Ui…é ele?—Camila se esguia por cima do meu ombro,espremendo seu corpo ao meu para observar o garoto.

Não sei o nome dele,somos vizinhos a mais ou menos dois meses e nunca cheguei a vê-lo andando pelo bairro,o que é bem estranho,o paredão médio do seu quarto,expõe todos os cômodos existentes,desde sua cama de casal,até a prateleira gigante de livros e as paredes azuis escuras.Ele está parado olhando para algo que não está tão nítido na minha visão.

—É ele…—Mordo o lábio um pouco inquieto,espremo a boca um pouco irritado quando Camila sorri maliciosa.

Venho observando-o por muito tempo,não do tipo obsessivo,mas o acho muito bonito,sua pele morena e os cabelos ganham vida,não sei qual é a cor dos seus olhos,porque estamos distantes ,mas juro que eu adoraria saber.O ranger da porta se abrindo faz com que Camila e eu saltassemos para longe da janela.É minha mãe,Karen,ela franze a testa quando nota nossas caras de pavor.

—O que vocês estavam…não vou nem perguntar…Estão saindo para correr?

—Sim—Camila responde ao notar que ainda estou nervoso,agarro os fones sobre a mesinha pequena da escrivaninha bem rente à janela,enfio as borrachinhas incômodas em meus ouvidos,e já com o fio conectado ao celular,escolho uma música para tocar e deixo que The Neighbourhood me desperte um pouco.Mamãe sorri para a minha amiga,descemos praticamente juntos e tive que me despedir do meu pai antes que ele saísse para trabalhar.

Manuel me olha e dirige um olhar um pouco perverso,quando Camila está ocupada com seu celular,reviro os olhos e sei que estou super corado no momento.

—Tenham um bom dia crianças!—Mamãe ecoa bem animada.Camila coloca apenas um lado dos fones,e sou obrigado a retirar um dos meus.Corremos devagar dois quarteirões e aceleramos o ritmo,minhas pernas e pés estão queimando como brasa,e sinto todo meu corpo lento e cansado.Paro e apoio as mãos nos joelhos,procuro por todo ar que perdi durante a corrida.Camila continua correndo no lugar.

—Você não cansa?—Passo as mãos no rosto querendo me livrar do suor quente que escorre pela minha testa e desliza pela lateral do rosto,sinto uma única gotinha correndo pelo meu pescoço.Camila para de se movimentar e sorri orgulhosa balançando a cabeça negando.

—Podíamos ir na festa do Matthew essa noite—Camila sugere.Torço o nariz reprovando a ideia.

Não nego uma festa se quer,gosto de beber moderadamente durante os finais de semana,mas hoje pensei apenas ficar em casa e ver um filme qualquer na TV,ou simplesmente adormecer depois da seis horas da tarde.Apostamos corrida até o Starbucks,três quarteirões a mais,e infelizmente acabei perdendo e fiquei com a conta para pagar.Camila e eu procuramos sentar nas mesas do lado de fora,ao ar livre,quando o garçom veio pedimos dois copos médios de café com uma colher de açúcar.

—Tudo bem…então me conta sobre sua paixão louca pelo seu vizinho gostosão—Camila afasta uma mecha de cabelo do rosto e esconde atrás da orelha.Franzo a testa pelo termo como ela se referiu ao meu vizinho,consequentemente meu crush?

—Am…eu não sei nada sobre ele,só sei que ele ouve AC/DC no volume extremo na parte da tarde e que ele adora livros…nada mais,nenhum nome,nenhuma informação de onde ele estuda—Bufo frustrado.

—Ele é real?—Camila pergunta com um tom de sarcasmo bem evidente,reviro os olhos entediado.—Podemos…sei lá,ir na casa dele e convida-la para a festa…assim vocês dois se pegam no quarto do Matthew,magina que…—Ela se cala quando o garçom deixa os copos sobre a mesa,e pede licença para se retirar.Camila tira a tampa do seu copo e o aproxima perto do nariz para sentir o aroma forte do café,que é a segunda maravilha da minha vida.Estou com um pouco de sono e talvez a bebida possa me manter acordado pelas últimas horas.

—Como vai as coisas com Jack Gilinsky?—Camila odeia falar de sua vida amorosa comigo,aceito esse fato,mas as vezes fico curioso e sou obrigado a perguntar.

Jack Gilinsky é um garoto da nossa aula de espanhol,ele é moreno e parece ter um metro e setenta,divertido e um sorriso sarcástico nos lábios o tempo todo.Camila ficou com ele em uma festa da Britt,uma garota que pode ser considerada mais uma das nossas amigas.Somos um pouco populares,na verdade,temos amizade com todos no nosso colégio,então associando realmente somos populares.

—Não quero falar sobre ele—Responde,tomando um longo gole de café e lambendo os lábios,as duas mãos seguram o copo de plástico com um pouco de força.

—Tudo bem—Digo ao perceber que ela realmente não iria falar sobre isso,Camila me olhou agradecida.

Pago os dois copos de café antes de voltarmos para casa,no meio do caminho nos separamos,já que Camila mora a cinco quarteirões da minha casa,observei-a correr na direção oposta e me dou conta que o céu está nublado e parece que vai chover.Me apresso para chegar em casa,pegando ritmo ao colocar um lado do fone para incentivar a minha corrida.Atravessando a rua estou finalmente de volta ao meu lar.Olho para a casa ao lado,no paredão de vidro gigante,meu coração palpita mais uma vez,controlo a respiração cansada.

Nossos olhares se cruzam,sua boca se curva em um sorriso perfeito e os olhos seguem essa mesma curva perfeita.Ele praticamente está rindo,e sua mão se levanta e acena para mim.Paralisado,pisco algumas vezes e tento sorrir,ainda congelado na imensa bolha de timidez,é o nosso primeiro contato,levanto a mão também e aceno.

A porta da frente se abre,e ouço minha mãe me chamar,ao olha-la ela está com as mãos na cintura,as sobrancelhas erguidas me observando um pouco interrogativa.Volto a observar o paredão,só que as cortinas estão fechadas e ele não está mais lá.

—Shawn…eu vou ao mercado ok?sua irmã chega daqui a pouco,ainda não fiz o almoço—Se aproxima,enfiando as mãos nos bolsos da jaqueta,ela olha exatamente para a direção onde eu estava com os olhos fixos,mas não diz nada.Balanço a cabeça concordando,Karen desalarma o carro e abre a porta entrando,ouço o motor se acelerando e o volvo prateado desaparece na rua a esquerda.

Entro e vou direto para o meu quarto,fecho a porta e depressa tiro os tênis,me livro da camiseta suada e da bermuda,corro para o banheiro e ligo o chuveiro na água gelada.Geralmente Miami costuma ser bem quente,os dias de sol são incriveis e o calor é insuportável,só que hoje o clima está bem fresco,perfeito.Após um banho para aliviar,enrolo a toalha na cintura.Procuro uma roupa limpa nas gavetas da cômoda,reviro os olhos ao não encontrar exatamente nenhuma camiseta legal para vestir.

Ouço um barulho,que me chama atenção,corro até a janela segurando a toalha na cintura,espio rapidamente,noto que ele está ali novamente,dou um sorriso,molho os lábios e sorrio.Estamos nos encarando,balanço a cabeça ao me perder em alguns pensamentos.Tenho uma ideia que ilumina minha mente por alguns segundos.Abro a gaveta da escrivaninha,tiro quatro folhas de sufite,olho para a janela novamente só para ter certeza que ele ainda está lá,e está,me olhando confuso,levanto a mão e peço para que ele espere.Busco uma caneta de ponta grossa na cor azul.

Escrevo em letras bem claras.

"SEU NOME?"

Colo o papel contra o vidro da janela,ele cerra os olhos e fico esperançoso pela resposta,espero que ele tenha entendido também.Por um momento acho que ele não entendeu,mas então ele move os lábios e eu forço a visão para focar apenas em sua boca graciosa se mexendo devagar.Volto a escrever em outro papel.

"CAMERON?"

Ele assente e ri,cobrindo a boca com as mãos.Mordo o lábio e abro um enorme sorriso.Nos encaramos novamente,pego outra folha,e escrevo rapidamente,colando o papel no vidro novamente.

 "NÚMERO DE CELULAR?"

Cameron assente e olha para trás,as cortinas se fecham assustadoramente.Deixo o papel cair sobre a escrivaninha,suspiro decepcionado,realmente achei que de repente iria conseguir descobrir algo sobre ele.Pelo menos agora sei o seu nome,olho para baixo,ainda estou só de toalha.Pego uma cueca na gaveta e uma bermuda,visto rapidamente e sento na cadeira da escrivaninha.Será que ele iria voltar?

Ele não voltou,não estou decepcionado nem nada,a tarde toda estudei para a prova importante de geometria,mas as vezes espiei a janela em busca de um sinal de vida de Cameron,fico me perguntando se ele é mesmo real.Anoto pequenos números nas lareiras do livro,ainda estou parado em uma conta com números e letras ainda com o triângulo equilátero.Meu celular vibra e tem uma mensagem de Camila,e mais outras vão chegando,uma atrás da outra.

"Você vai na festa"

"Não é um pedido"

"É uma ordem"

"Preciso do seu carro e da sua companhia"

Espio a janela novamente,cortinas fechadas,nada.Bufo frustrado,fecho o livro e levanto da cadeira,dígito rapidamente uma resposta para a minha amiga.

"Tá bom caralho"

Respiro fundo,ando de um lado e outro no quarto,olho para a janela pela milésima vez,suspiro frustrado,encaro meu celular com a tela apagada,balançando-o devagar.Merda!o que está acontecendo comigo?fico me fazendo essa pergunta,minha mente vagando por inúmeras dúvidas curiosas.Ouço o barulho agitado do lado de fora,acho que minha mãe chegou,abro a porta e me coloco entre a pequena brecha aberta.

—MÃE EU VOU SAIR—Bato a porta novamente sem esperar respostas,me encosto na parede,e quando olho pela janela novamente,lá está ele,ou o fantasma dele.Corro para perto da janela,apoiando as mãos no parapeito,ele segura uma folha contra o vidro,há números,é seu número de telefone,arregalo os olhos e desbloqueio meu celular,anotando e salvando seu contato.Cameron sorri e acena simpático.

Imediatamente mando uma mensagem para ele.

"Meu nome é Shawn".

Respiro fundo,ansioso pela resposta contínuo andando de um lado e outro,meus pés ficam inquietos quando estou nervoso.Meu celular vibra.

"Oi Shawn,me desculpe por ter sumido"

Olho para a janela,e ele está me observando com um belo sorriso grudado no rosto.Digito ainda mais rápido querendo conversar o que puder com ele,quero desvendar todos os seus segredos,espera…será que ele namora?

"Sem problemas,você quer sair para conversamos um pouco?"

Precipitado demais Shawn!Olho para ele novamente,seus ombros meio que murcham e seu sorriso desaparece.Será que fiz algo errado?o pensamento me cobre e me deixa muito mais angustiado.Sua resposta vem em seguida,na verdade não é muita coisa,são emoticons com carinhas tristes e não sei o que isso quer dizer.Quando olho para a janela,ele simplesmente sumiu e dessa vez as cortinas passaram o resto do dia fechadas.

Perto das 19h37 foi quando me lembrei da festa que Camila queria ir e eu ao menos estava pronto,mesmo assim,eu não queria ir,por estar definitivamente com a cabeça quase batendo em um coma com tantas perguntas que giram em minha mente e nenhuma delas tinha uma resposta plausível.Tento ler um livro,pelo menos dois capítulos menores do que o restante,deitado entre as cobertas da minha cama.Meu celular vibra insiste sobre a mesinha ao lado,ao pega-lo,na tela está o nome da minha amiga,já imagino que vou levar um belo sermão.

—Estou indo!calma aí!—Digo um pouco alterado,socando os lençóis para o outro lado e saltando da cama,pego meus tênis no canto do quarto e sento na ponta da cama.

Eu vou ir caminhando até a sua casa e se não estiver pronto,explodo seu crânio com uma faca—Ameaça,o que me resta é rir baixinho,desligo o celular e enfio os tênis,amarrando-os desajeitadamente.

Meu pai abre a porta,e seus olhos vagam por causa minúscula parte do meu quarto.Ele sorri firmemente ao notar que estou de saída,e não perguntou sobre nada.

—Boa sorte campeão!—Papai chia animado,franzo a testa e molho os lábios.—Quando a Camila e você vai começar a namorar?Ela é uma bela moça—Quase engasgo com a saliva,meu coração começa a bater mil vezes acelerado,e meu sangue desce e sobe correndo pelas veias saltando loucamente.

—Somos melhores amigos pai,não há chances dela ser minha…—Engulo em seco—Namorada.—Fico de pé após arrumar os tênis,meu pai me observa a cada movimento brusco que faço.Nunca conversamos sobre minha vida amorosa ou sexual,é simplesmente vergonhoso e sempre que ele tentava,eu desviava o assunto,não sei como contar a ele que não gosto de garotas,foi assim desde os nove anos,meus amigos sempre admiravam as mais belas modelos e tudo que eu mais queria era fugir do assunto quando eles me perguntavam a respeito da minha opinião sobre elas.

E quando me apaixonei por Cameron,apenas olhando para a janela,para o seu corpo moreno musculoso,os cabelos esvoaçantes,foi apenas uma comprovação que eu sou definitivamente gay.

—Am…eu vou…levar a Camila…a uma festa,não sei que horas volto—Enfio o celular no bolso de trás da calça skinny preta.Meu pai ergue as sobrancelhas e cruza os braços dando passagem para que eu pudesse sair.

—Juízo!—Ele pede,sendo o pai mais humorado do mundo.Manuel é um ótimo pai,mas quando tem de ser bravo,as coisas começam a ficar apavorantes e por isso eu sempre tentava ficar nos trilhos e não fazer nada errado.Mamãe está na cozinha,mas decido passar direto pela sala,pego as chavesdo meu carro,pendurada em um gancho na parede da sala,e bato a porta ao sair.

Camila está sentada no meio-fio e quando sente minha aproximação se vira e levanta em uma velocidade sem igual,está agitada e vem até mim dando pulinhos e gritinhos animados.

—Esse é seu lema meu amor?demorar pra caralho e fazer uma deusa como eu esperar?—Ela joga os cabelos para trás,o cheiro inebriante de hortelã se espalha,seu perfume doce tem um aroma adorável.Camila está muito bonita,veste um vestido azul escuro,não tão colado e nem tão justo,porque definitivamente ela não consegue ser esse tipo de garota,usa um decote pequeno que mostra uma parte do seu colo,e os braços estão amostras,não usa saltos e sim uma sapatilha preta muito simples.

—O Matthew vai adorar você desse jeito…está linda—Ela dá uma risada e revira os olhos um pouco sem jeito,seus lábios estão pintados com um batom rosa bem claro,na cor da sua boca.Olho novamente para a casa ao lado,a tempo de encontrar Cameron nos encarando por entre uma pequena brecha na cortina,ele força um sorriso e logo desaparece.

Camila não percebeu o momento que acabei de ter e agradeço mentalmente por isso,ela está vasculhando a bolsa a procura de algo.

—Eu esqueci a porra do celular—Exclama fechando o ziper da bolsa de couro,dou meia volta pela frente do carro e entro,fechando a porta,enterro a chave na ignição e ligo os faróis e aqueço o motor enquanto Camila demora do lado de fora.Finalmente entra e puxa o cinto de segurança o colocando.—Você sabe onde o Matthew mora?

Eu balanço a cabeça afirmando,e pego caminho pela rua principal rumo a casa de Matthew Espinosa

            CAMERON DALLAS

Eu sei de muitas coisas,nunca vou viver uma história de amor,isso é de fato a verdade,também nunca vou poder sentir os meus pés sobre a areia da praia de Miami,conhecer pessoas novas e explorar o mundo.Talvez essa seja a minha vida para sempre.Olhando através do vidro da janela,o lado de fora parece tão bonito,as pessoas riem,conversam,correm a luz do sol e por que simplesmente meu pai dizia que tudo era cruel e sem vida?

Shawn não só me despertou uma boa sensação de se estar do outro lado,longe de uma barreira invisível,mas eu percebi que não podia ser amigo dele,porque amigos sentem a presença um do outro,amigos podem conversar livremente ao sair para algum lugar juntos e eu não passo do hall da entrada.

—Você está com fome Cam?—É meu pai,ao me virar,ele está encostado na porta me observando com as sobrancelhas grossas franzidas.Balanço a cabeça negando,mesmo realmente estar morrendo de fome.Dan é um pai super protetor,e eu sei que ele faz tudo isso para me manter seguro,desde que a mamãe e a minha irmã Sierra faleceram em um acidente de carro em Las Vegas,eu tinha três anos,nos mudamos para Miami quando meu pai encontrou um bom emprego como gerente em uma grande empresa,e ele nunca está em casa,apenas nas noites de sexta que assistimos inúmeros filmes da Marvel com pipoca e muito refrigerante.

Eu sou criado de uma maneira muito diferente,tenho professores particulares,dez deles para cada matéria e todos os dias tenho quatro aulas,como se realmente fosse um colégio ou algo do tipo,passo a metade da tarde inebriado com os meus milhares de livros e desenho em cada dia,algo que realmente me inspira.Moro em uma casa gigantesca,construída especialmente para me manter seguro dentro dela.E partes da casa há paredões gigantesco de vidro para que eu pudesse me sentir do lado de fora,mas não é o suficiente.Também tem o meu jardim no fundos da casa,é um cômodo grande feito com gramado artificial e flores coloridas dando vida ao lugar,revestido completamente em vidro.Passo quatro horas do meu dia sentado em um balanço idêntico a uma poltrona confortável em formato de ovo feito de madeira rústica.

Meu pai não está mais parado na porta quando olho em direção a onde estava.Respiro fundo.Eu não posso culpa-lo por querer me deixar preso dentro de casa,mas também não posso aceitar o fato de estar a treze anos confinado.Eu não tenho amigos e isso me faz ficar o dia inteiro sem saber o que fazer ou com quem conversar,tudo bem,tenho Nash Grier um garoto daqui de Miami,mas nunca cheguei vê-lo pessoalmente,conversamos poucas vezes pelo facebook,mas não é uma amizade forte,ele tem sua vida do outro lado.Assim como Shawn também tem a dele com a sua namorada.

Meu estômago se revira ao lembrar dos dois a poucos minutos no jardim,por que estou me sentindo assim?ele apenas tentou ser meu amigo por alguns minutos.Sento na ponta da cama,encaro meus pés cobertos por meias coloridas,esfregando-os no tapete de pelos macios que aquece meus dedinhos.Levanto,e ando até a prateleira de livros decidindo selecionar cinco deles para a leitura da semana,mas acho que já li quase todos eles.

—PAI!PRECISO DE LIVROS NOVOS—Grito,ouço seus passos se aproximando e a porta que está encostada se afasta completamente.Olho para o meu pai,e tento forçar um sorriso.—Por favor…—Faço um bencinho triste,meu pai nunca me negou nada,só o fato de eu querer sair e ir para uma biblioteca,ou visitar algum lugar.Eu sempre pedia para sair e ele sempre dizia não,então chegou uma hora que acabei cansado e aceitei a minha vida.

—Faz uma lista que a amanhã mando Alisha comprar—Alisha é a empregada fiel da família Dallas,e ela é muito boazinha,sempre cuidou de mim como se eu realmente fosse seu filho,sei que ela tem um,chamado Carter,mas infelizmente o meu pai nunca deixou a mulher trazer seu filho para cá.É isso,é como se eu fosse um bicho asqueroso que deveria viver preso dentro da jaula,ninguém podia se aproximar.—Você está bem?—Pergunta quebrando o silêncio entre nós dois.Eu concordo com um movimento lento de cabeça.

—Só…não tenho nada para fazer…já li metade dos meus livros papai!—Reclamo,repousando as mãos em cada lado da minha cintura,analisando de cima a baixo minha prateleira de livros.Escuto a risada de Dan se espalhando pelo quarto.

—Vai dormir…já está tarde…Boa noite filho,eu te amo—Olho rapidamente para ele e novamente estou sorrindo falso.

—Boa noite pai—Ele fecha a porta,e a tranca.Está na lista de regras:"as portas são trancadas depois das 8h30,apenas para evitar que você fuja durante a noite"acho que essa é a regra número nove.

Não consigo dormir a noite toda,nada acontece,ouço as folhas arrastando-se pelo asfalto.Pelo paredão,tenho uma visão ampla da rua vazia,e os postes de iluminação.Observo um carro escuro estacionar em frente à casa simples ao lado,não consigo ver muito na escuridão,cerro os olhos e espalmo as mãos no vidro.Uma silhueta grande atravessa o jardim,pisando firmemente,parecendo bem raivoso.A luz branca atinge meu campo de visão e consigo enxergar que é Shawn quem está passando.O que será que aconteceu para ele estar assim?

A luz do seu quarto ascende,a janela está aberta,e as cortinas também.Vejo-o andando de um lado e outro desaparecendo em seguida,e lá está ele novamente,seus olhos me encontro e meu coração de repente está pulsando um pouco mais rápido.Busco meu celular sobre a cama e volto para a frente do paredão.Digito rapidamente uma nova mensagem.

"Você está bem Shawn?"

Ele pega o celular,olha para mim,posso notar o brilho em seus olhos e talvez um sorriso alegre quase a se formar.Sua resposta vem em seguida:

"Aconteceu uma coisa…acho que estou muito bêbado"

Franzo a testa,soltando um pequeno riso,dígito em resposta:

"Está bravo por estar bêbado?"

Lanço um olhar para ele,só que seus olhos estão nitidamente focados na tela do aparelho.Outra mensagem:

"Estou!mas estou ainda mais feliz por falar com você!me indica uma música,a sua favorita :)"

Ele parece bem animado,o observo novamente,tento analisar sua expressão,o queixo dele é quadrado,os lábios carnudos.Penso em alguma música que realmente gosto muito,estou entre Back in Black do AC/DC ou Numb do Linkin Park,as duas são realmente boas só não sei se é para ele.Mas dígito rapidamente:

"Gosto de Hello da Adele"

Sua resposta vem um pouco mais rápido do que o esperado.

"Que deprimente Cameron,vou ouvir agora"

Quando olho para a janela,lá está ele,rindo de mim.Qual seria o som da sua risada?extremamente alta ou delicada?

"Eu queria saber…se você quer ir comigo amanhã tomar sorvete?"

Engulo em seco.Como dizer para ele que não posso?que estou vinte e quatro horas preso dentro de um quarto,meus olhos ardem e sei que estou prestes a chorar por ser tão insensível.Ele está me olhando esperando uma resposta,apenas digito:

"Tenho compromisso…com meu namorado"

Mentir era a saida,não quero iludi-lo qual seja a intenção dele,o sorriso em seu rosto se desmancha por inteiro e sinto a culpa crescendo em meu peito.Meu celular vibra novamente e sua mensagem é bem curta:

"Está bem"

Ele fecha as cortinas devagar e cobre toda a visão que tenho de seu rosto tão suave.Também fecho as minhas,minha visão está embaçada pelas lágrimas que segurei a um bom tempo,me jogo de costas na cama,escondendo meu rosto com as mãos,solto um grito abafado,lançando meu corpo para o outro lado da cama.

  Por que tinha que doer tanto não poder sentir a presença de outra pessoa diferente?seus olhos castanhos me olham tão intensamente,lembro da garota bonita que estava com ele nessa noite,e me forço a parar de pensar tanto em Shawn.


Notas Finais


Tô preparando uma playlist muito boa no spotify para vocês ouvirem durante a leitura dos capítulos.

To ansiosa para escrever o enredo dessa daqui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...