1. Spirit Fanfics >
  2. Attitude change >
  3. Convites (part. 1)

História Attitude change - Capítulo 1


Escrita por: A_Silly_Fanfiqueira

Notas do Autor


Estava no maravilhoso pinterest e vi fanarts do Law de versão feminina, aí decidi escrever algo assim e depois de umas meia hora babando pela fanart do Zoro (capa da fic) decidi encaixar ele também kkkkkkk

Eu não coloquei o Luffy e o Sanji de meninas pq não sei fazer yuri infelizmente, nem tenho muito contato com o gênero então é isto 👁💧👄💧👁
Espero que gostem ainda assim <3

Capítulo 1 - Convites (part. 1)


Fanfic / Fanfiction Attitude change - Capítulo 1 - Convites (part. 1)

O dia estava claro, o Sol já havia nascido há mais de uma hora e o calor de mais um dia de verão vigorava, acalentando uns, irritando outros.

– Se você desmaiar eu vou te deixar no mesmo lugar. - A morena disse sem ao menos se dar o trabalho de tirar os olhos do livro recebendo um resmungo da amiga.

– Eu não sou uma fracote, não vou desmaiar, idiota. - A esverdeada passou a fita sobre seus cabelos medianos, os prendendo em um rabo de cavalo alto. – Não sou que nem aqueles mariquinhas.

– Não se trata disso, sua estúpida. - Fechou o livro olhando a outra terminar de se vestir. – Ficar exagerando nesses exercícios em plena manhã não vai te ajudar em nada.

– Você só diz isso porque é a porra de uma sedentária. - Cruzou os braços sob o peito.

A morena suspirou jogando o livro na mochila e se levantando da cama, não podia negar aquilo de toda forma, mesmo que estivesse certa sobre os exageros. Parou de frente da esverdeada com um sorriso debochado no rosto.

– Pelo menos você tomou banho dessa vez, Zorah-ya. - Riu da expressão emburrada da outra.

– Cala boca, Lawliet. Você está parecendo a Perona com essa encheção de saco.

– Banho não é vaidade, idiota. É higiene. - Revirou os olhos.

Ambas as garotas eram amigas desde muito novas. As duas possuíam genialidades fortes, talvez sendo por isso que se davam tão bem apesar das inúmeras brigas e discordâncias que tinham, porém, no fim, se compreendiam como ninguém.

Trafalgar Lawliet era uma garota consideravelmente calma, retraída e até mesmo pacífica, porém também se estressava facilmente, era muito teimosa – tal qual Zorah – e agressiva quando necessário, principalmente quando se tratava de vingança.

Já Zorah era completamente explosiva. Sua paciência era curta e se irritava ainda mais rápido que a amiga. Porém, com os amigos mais próximos, era, mesmo que de uma forma um tanto bruta, bastante carinhosa.

– Ah, que seja. - Jogou a própria mochila sobre os ombros e se dirigiu à porta do quarto. – Só anda logo.

– Não me dê ordens!

Ambas desceram as escadas até a sala de estar da casa da menor, onde um ruivo ainda de pijama as recepcionou com um sorriso.

– Bom dia, meninas.

– Bom dia, Shanks. - Responderam em uníssono.

– Vão tomar café da manhã? - Se encaminhou até a cozinha com as duas em seu encalço.

– Eu já tomei café em casa, obrigada.

– Bom dia, Lawliet. - Mihawk que preparava a comida, se virou para as duas já bem acostumado com a presença da morena em sua casa antes mesmo que acordasse ou da ausência de sua filha em horários como aquele, já era tradição elas irem juntas para a escola. – Não vai comer, Zorah?

– Não, não. Vou pegar só uma maçã, lá eu compro algo. E cadê a chata da Perona?

– Ela está com cólica, vai ficar em casa hoje. E não fala assim da sua irmã, Zorah. Tenha respeito.

– Tá, claro. - Resmungou um "fresca" e "mimada" com a resposta e se despediu. – Tchau, pai. - Deu duas batidas no ombro do mais velho e se encaminhou para saída com Lawleit segurando seu pulso. – Tchau, Shanks.

– Boa aula para vocês. - Apenas acenou já com a boca cheia de ovos mexidos.

– Valeu. - Gritou da sala. – Vou dormir na Lawliet hoje, tá!

[...]

O sinal da terceira aula já havia tocado, indicando o horário do intervalo e todos os alunos caminhavam apressados no corredor para aproveitaram o tempo livre ou se encaminharem ao refeitório.

– Eu odeio aula de cálculo. - Zorah reclamou pela enésima vez.

– Porque você é burra. - Puxou o braço da esverdeada que iria virar no corredor contrário.

Lawliet possuía 18 anos e, apesar de ter a mesma idade que Zorah, já estava no último ano, isso porque a esverdeada já havia perdido um ano. Por isso ambas tinham aulas diferentes, mas sempre se encontravam nos corredores, ainda mais que Zorah possuía um péssimo senso de direção e era Lawliet quem a auxiliava à ir até os lugares corretos.

– Você é uma estúpida. - Resmungou se livrando do aperto da outra quando chegaram aos armários para guardar os livros que não seriam mais usados – Lawliet no caso, já que Zorah havia esquecido de todos em casa. – E uma nerd irritante.

– Ah, olha lá o nosso calsazinho de sapatas preferidas! - A atenção de ambas foi atraída para um grito no meio do corredor acompanhado de um coro de risadas.

– Exatamente, bem quando você bate uma pensando na gente, idiota! - Lawliet gritou de volta fazendo as risadas aumentarem.

– Eu queria estar quebrando a cara desses desgraçados agora.

– Se você levar outra advertência por quebrar o nariz de alguém vai acabar sendo expulsa, e processada.

– Humf. Eu sei, mas o Bellamy e a trupe de idiotas dele seriam os próximos da minha lista. - Zorah revirou os olhos. – Mudando de assunto, você vai vir na tal gincana dos calouros?

– Ainda não sei.

– Ah, fala sério. Soube que sua turma vai fazer o trote com eles.

– Por isso mesmo. Se você que não é da sala está sabendo, nem imagino os professores. - A morena finalmente se voltou ao seu armário tentando organizar a pilha de livros que havia ali – além dos necessários das aulas. – Você sabe que eles proibiram depois daquela pegadinha besta do ano retrasado que deu aquela merda toda.

– Como se você se importasse com isso. - Encostou as costas em um dos armário com um sorriso de lado. – Você só está fugindo da Eustass, né?

– Claro que não.

– Sei. Vai magoar menos se você dizer logo ao invés de ficar patetando aí. Ela vai entender que você é fiel ao seu único amor. - Lawliet afastou o rosto do armário no mesmo instante.

– De que merda você tá falando?

– Do Luffy.

– Eu não gosto daquele idiota.

– Não, claro que não. - Debochou enquanto a amiga ficava emburrada. – Inclusive olha ele vindo aí.

– Eu não vou cair nesse papo, idiota.

– Que papo, maluca? Olha ele ali. - Ainda com o cenho franzido virou na direção que a outra falava, vendo um moreno baixo, com uma pequena e adorável cicatriz abaixo do olho esquerdo no final do corredor ao lado de um loiro fazendo uma careta.

Lawliet sentiu o rosto esquentar quando o olhar do garoto se encontrou com o seu e ele sorriu acenando animado enquanto corria em sua direção.

– Olha aí você com cara de besta de novo. Vou deixar vocês conversarem. - A morena saiu de seu transe com as batidas da amiga em seu ombro. – Boa sorte

– Quê? Não! Me espera, Zorah-ya! - Lawliet se voltou apressada para seu armário, empurrado seus livros rapidamente e tentou fechá-lo às pressas, prensando seus dedos no metal no processo. – Ai buceta!

– Mademoiselle. - Ouviu a voz de Sanji próxima de si e logo o loiro estava segurando sua mão machucada. – Você está bem? Precisamos cuidar desse machucado.

– Eu estou bem, não se preocupe. - Puxou sua mão das dele. Sua vontade era de esmurrar a cara da amiga, mas ela já estava longe. Por sorte sabia bem como irritá-la sem precisar de esforço algum. – A Zorah-ya estava indo para o refeitório, é só você ir no caminho contrário que encontra ela.

A morena sorriu satisfeita ao ver o olhar do loiro se converter em um brilho apaixonado. Sanji intencionou segurar sua mão para depositar um beijo de agradecimento, mas foi impedido por um empurrão de Luffy.

– Tral! - Luffy abriu um imenso sorriso para a garota. – Eu tava te procurando.

– Qual seu problema, seu desgraçado? - Sanji ralhou irritado com o amigo, mas voltou-se sorrindo para Lawlie. – E muito obrigada, senhorita. Eu vou procurá-la.

Sanji apenas foi ignorado pelos dois enquanto saía atrás de Zorah.

Quando o pai de Zorah se casou com Shanks, ela acabou, por consequência, conhecendo Luffy, que era seu afilhado, e se tornaram amigos. Com isso, os inúmeros amigos dele vieram de brinde, incluindo Sanji.

Lawliet já a conhecia por seu pai, Corazon, e Mihawk trabalharem para o governo, o que as tornaram próximas desde novas, então, assim como Zorah, também se tornou amiga de Luffy e os amigos, mesmo que só se considerasse apenas amiga dele.

– Você vai para a gincana no sábado? - Lawliet se encostou no armário fechado revirando os olhos, por que todos estavam tão interessados nesse evento idiota?

– Ainda não sei. - O sorriso de Luffy diminuiu dando espaço à uma feição insatisfeita.

– Ah, sério? Eu queria brincar com você. - Lawliet riu nasalado com a fala de Luffy, vindo de qualquer outra pessoa com certeza teria um duplo sentindo, mas era impossível aquilo vim dele, ainda mais com aquela expressão inocente.

– Sabe que não somos mais crianças para brincar desse tipo de jogo, né? - Perguntou com um sorriso um tanto malicioso nos lábios e tentou cruzar os braços, mas a dor em sua mão a impediu.

Seu rosto se converteu em uma careta de dor e Luffy assumiu uma postura preocupada.

– Acho que é melhor a gente ir na enfermaria. - Luffy pegou a mão que não estava machucada de Lawliet, a puxando em direção à enfermaria. – E sempre vamos poder brincar do que quisermos, Tral.

Lawliet revirou os olhos.

– Não precisa exagerar, eu estou bem. - Apesar das palavras deixou-se guiar pelo garoto. – E por que você queria "brincar" comigo? A Zorah-ya com certeza vai.

– Porque eu quero ficar com você, ué. - Ele com certeza não percebia o duplo sentindo em suas falas e revirou os olhos, ignoraria aquelas falas ou sua mente daria um nó. – E você tá machucada, Tral. Você vive me levando para lá quando eu estou machucado.

– Isso porque você é pior que a Zorah-ya e está sempre metido em brigas e confusões.

– E você sempre cuida de mim shishishi. ‐ Luffy a olhou sobre o ombro com um sorriso grande no rosto enquanto apertava a mão dela. – Agora eu vou cuidar de você também.

Lawliet sentiu suas bochechas esquentarem com aquelas palavras. Possivelmente Luffy não dizia aquilo no mesmo sentido que a morena interpretava, mas era o suficiente para fazê-la sentir o coração falhar algumas batidas dentro do peito e fazê-lo rir animado com a expressão engraçada que ela fazia.

– Idiota. - Lawliet possuía um sorriso carinhoso nos lábios enquanto retribuía o aperto em sua mão.

Assim como Zorah, por mais que se negasse a admitir, Lawliet também possuía um lado carinhoso, e Luffy em específico, era um dos principais motivos para sua mudança de estado de espírito.


Notas Finais


Então, um cap vai ter mais foco em Lawlu outro em Zosan

Obrigada por ler e até amanhã, se gostarem 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...