História August - Capítulo 4


Escrita por: e camilacch02

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Eijirou Kirishima, Enji Todoroki (Endeavor), Katsuki Bakugou, Midoriya Izuku (Deku), Shouto Todoroki, Yagi Toshinori (All Might)
Tags Camilinhaxuxuenois, Drama, Endeputosendoputo, Fem!deku, Genderbend, Gravidez, Jadissequetemmuitodrama, Midoriya Izuku, Muitodrama, Myfirstparceria, Nãoédekuxharém, Tododeku, Todoroki Shoto, Todorokixdeku, Yaaaay
Visualizações 162
Palavras 3.372
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Camilacch02: Oii gente! Tudo bem? Hj é terça-feira, ou seja, dia de postar um novo capítulo! Então, sejam muito bem-vindos ao capítulo 4 de August. Mano, eu to muito emocionada, essa é a fic mais longa q eu tenho postada e a minha primeira parceria.

Obrigada Cherrry por me proporcionar isso! Pois agora, sem mais delongas, fiquem com o capítulo. Boa leitura e nos vemos nas notas finais!

TiaCherrry: Ownt Camilinha de nada -qq
FALA PESSOAL AQUI QUEM FALA É A TIACHERRRY! Estamos aqui nós com mais um capítulo dessa lindeza maravilhosa de fanfic que só tem tendência a piorar -qq
E mano, É como a Camilinha falou, eu estou muito muito feliz com essa minha primeira parceria porque ela é uma menina maravilhosa e muito fofa e muito linda e da vontade de colocar ela em um potinho. (apesar dela ter esses plots que CARACA MINHA FILHA VOCÊ É ESCRITORA DE NOVELA MEXICANA?)
E bem, esse capítulo tá uma lindeza de xuxu.
Sem mais delongas, vamos ao chapter né?

(O capítulo não foi betado dessa vez, qualquer erro que encontrarem por favor coloquem nos comentários! ;D)

Capítulo 4 - Let's Talk


Fanfic / Fanfiction August - Capítulo 4 - Let's Talk

"Let's Talk."

 

Depois de algumas semanas trabalhando junto da equipe de mudança, Midoriya finalmente se mudou para a casa de sua mãe. Nesse meio tempo seus enjôos da gravidez continuaram o que atrasou um pouco ao processo, todavia no fim dera tudo certo e Izuku passaria a morar com sua mãe de agora em diante. A esverdeada também recebeu diversas ligações dos seus amigos, exceto Shouto, que estavam no hospital naquele dia, mas ela os disse que, após a mudança, explicaria tudo. Desde esse dia, ela também não fora mais trabalhar e já explicara ao Ingenium sobre os seus motivos e ele já estava organizando o anúncio da pausa na carreira de Izuku.

 

Isso deixou Iida e Shinso, que também trabalhavam na empresa do Ingenium, ainda mais preocupados e o suspense que Midoriya estava fazendo também não estava ajudando, mas ela queria explicar a todos de uma só vez, acreditava que dessa forma seria mais fácil e melhor tanto para si quanto para seus amigos.

 

Em especial, Hitoshi estava extremamente preocupado e até um pouco triste. Já fazia algum tempo que estava apaixonado por Izuku e a noticia de que a mesma estava grávida foi como um tiro em seu peito. Duvidas como “Quem é o pai?” ou “Ela está namorando?” inevitavelmente foram surgindo em sua mente, mas apesar de todas as suas incertezas, ele prometera a si mesmo que iria ajudar a esverdeada com o que ela precisasse independentemente dos seus sentimentos.

 

Também não falara com Todoroki desde aquele dia o hospital, a memória da conversa que tiveram era extremamente dolorosa para si, não podia evitar que suas lágrimas caíssem nem a ardência sentida em seu peito. Ele sabia, aquele olhar o denunciara, mas mesmo assim fora embora sem dizer uma só palavra sobre o assunto e isso destruíra Izuku por dentro.

 

Agora, ao fim da mudança, Midoriya tinha de cumprir a sua promessa e esclarecer aos seus amigos sobre a sua gravidez. Já tinha decidido isso há muito tempo, mas isso não impedia que as incertezas pairassem em sua mente, perguntas como: “Como eles vão reagir?”, “E se pararem de falar comigo?”, “E se me odiarem?” e “Eu falo quem é o pai?”; a aterrorizavam dia e noite.

 

A única certeza que tinha era que já havia prometido aos amigos uma explicação e eles mereciam uma, afinal todos ficaram preocupados consigo naquele dia no hospital e apesar das suas incertezas ela se prendeu a essa idéia e os chamou para passarem à tarde na casa de sua mãe, onde explicaria tudo a eles.

 

Mas sabia que isso seria difícil para si de qualquer forma, sentia-se culpada por ter sido irresponsável de transar com Shouto sem camisinha, ter engravidado e de ter sua mãe lhe ajudando, afinal ela pode ter aceitado aquela gravidez, mas Midoriya sabia que aquilo dificultaria a vida de sua mãe também. Izuku também se sentia frustrada por ter de pausar a sua carreira de heroína, afinal aquele sempre foi seu sonho e ela batalhara muito por aquilo junto com All Might e às vezes se perguntava o que ele diria se estivesse com ela. Todos esses sentimentos iam se juntando e formando uma tristeza de proporções cada vez maiores que parecia consumir Izuku ao poucos.

 

Mas nem tudo era só tristeza, tudo tem seu lado bom e ruim, suas vantagens e desvantagens; e nesse caso o sentimento de ter uma vida se formando dentro de si era mágico e trazia momentos de calmaria em meio à tempestade que também se formava dentro de si. E esse sentimento a motivava a seguir em frente.

 

Chegado o dia do encontro com seus amigos, sua mãe fazia biscoitos enquanto ela aguardava a sua chegada. As primeiras a chegar foram Asui e Ochako. Tsuyu trajava um vestido branco com uma estampa de sapo e um par de sapatilhas pretas, e Uraraka trajava uma regata branca por baixo de um macacão jeans com estampas de flores e um all star rosa.

 

Midoriya cumprimentou as duas e as amigas se sentaram no sofá da casa e conversaram sobre banalidades. Ambas não perguntaram nada a Izuku sobre sua gravidez, pois sabiam que a esverdeada explicaria tudo quando todos chegassem e também não queriam pressioná-la.

 

Os próximos que chegaram foram Iida e Shinsou, que vieram juntos após terminarem o trabalho na empresa no Ingenium. Tenya trajava uma camisa pólo azul e uma calça e sapatos sociais, ambos pretos; já Hitoshi trajava uma camiseta branca por baixo de um suéter cinza, uma calça preta e um tênis branco.

 

Izuku os cumprimentou com um sorriso da mesma forma que fez com Uraraka e Tsuyu, mas Hitoshi percebeu a tristeza e o nervosismo no sorriso da menor, mas nada disse, já havia suposto que aquilo não era uma simples gravidez para Midoriya, afinal se fosse não haveria problema em contar para os amigos logo de cara.

 

Os últimos que faltavam chegar eram Kirishima e Bakugou. Enquanto não chegavam, os biscoitos que Inko estava fazendo ficaram prontos, ela os colocou na mesa de centro da sala, onde estavam Izuku e seus amigos, cumprimentou-os e depois foi para seu quarto para dar mais privacidade a eles, mas continuava os observando para caso tenha de ajudar sua filha no momento em que ela for falar sobre a gravidez.

 

Depois de algum tempo esperando, a campainha da casa tocou novamente e Midoriya fora atender. Ao abrir a porta encontrou Bakugou e Kirishima como o esperado. Ejirou trajava uma camisa preta por baixo de um moletom vermelho, calça jeans azul escuro e um tênis para esporte preto; já Katsuki trajava uma regata vermelha, um short com estampa do exercito cinza e um tênis esportivo vermelho.

 

Midoriya estava prestes a cumprimentá-los, mas antes que pudesse dizer qualquer coisa, o loiro se pronunciou:

 

- MAS QUE PORRA DE GRAVIDEZ É ESSA, NERD DE MERDA! E A SUA CARREIRA!? MAS QUE BOSTA VOCÊ ANDOU FAZENDO!? FALA ALGUMA COISA... – Bakugou iria continuar com seu monologo, mas foi interrompido pelo namorado, Kirishima, que ativou a sua habilidade e deu um “leve” tapa na cabeça de Katsuki.

 

- Desculpa pelo susto pessoal. – Falou rindo de nervoso. – Juro que o esquentadinho aqui não fez por mal.

 

- Ei! Cabelo de merda... – Bakugou se recuperou do “leve” tapa que levou e tentou se pronunciar, mas novamente foi interrompido pelo ruivo que lhe lançou um olhar bastante irritado. – Tsc. Desculpe pelo meu comportamento agressivo e rude. Juro que não foi minha intenção, estou muito estressado por conta da empresa esses dias, sinto muito e prometo que essa postura não se repetirá novamente. – Falou com uma cara de tédio e Kirishima sorriu.

 

Desde que Bakugou fundou a sua empresa, Ejirou vem ajudando-o a controlar seus nervos para que o loiro não espantasse executivos e nem futuros heróis candidatos a trabalhar na empresa. No inicio Katsuki não queria aceitar a proposta, mas depois de perceber que isso realmente estava o atrapalhando e depois que o ruivo lhe disse que se a sua empresa fizesse sucesso ele poderia agir da maneira que quisesse, ele acabou aceitando. Mas como ainda não conseguia controlar seu comportamento impulsivo, o ruivo o fez decorar esse pedido de desculpas.

 

Todos olhavam assustados para o casal, mas Kirishima apenas sorria e Bakugou continuava com sua costumeira carranca. Midoriya foi a primeira a se recuperar do susto, apesar de estar incomodada pelas palavras do loiro, e cumprimentou-os da mesma forma que pretendia antes de ser interrompida, como se nada tivesse acontecido.

 

O casal adentrou na casa e sentaram-se no sofá, Izuku logo os acompanhou, sentando-se na poltrona que ficava em frente ao sofá. Nesse momento o clima ficou tenso, o show que Katsuki dera na entrada acabou com toda a tentativa de amenizar o clima daquele lugar, ninguém falava nada, nem tocaram nos biscoitos que a dona Inko fizera.

 

Shinsou estava extremamente bravo com Bakugou, afinal, Izuku pode até não ter demonstrado, mas ele podia sentir o quanto a fala do loiro a feriu, pelo menos Kirishima deu um soco nele em seu lugar, não conhecia muito o ruivo, mas já o admirava por aturar o loiro explosivo.

 

Agora, a sua raiva estava se transformando em preocupação para com Izuku, estava diante da mulher que ama e vendo-a claramente incomodada com aquela situação, sentia vontade de falar algo ou de correr para abraçá-la, mas não conseguia, afinal estava ferido por dentro também e por mais que tenha prometido para si mesmo que apoiaria Midoriya, seu coração não era de aço e agora já havia se quebrado.

 

Depois de alguns longos segundos naquele ambiente silencioso, Izuku arrumou a postura passando a encarar os amigos e respirou fundo na intenção de quebrar o silêncio.

 

- Bom, acho que já sabem mais ou menos porque chamei vocês hoje, e agora que todos chegaram... – Midoriya foi interrompida por Iida que esticou seu braço como se fizesse uma pergunta em sala de aula.

 

- Na verdade, Todoroki-kun ainda não está aqui. – Iida disse.

 

Talvez somente Katsuki tenha percebido, mas o clima pareceu se tornar mais pesado naquela sala, mas nada disse.

 

- B-bem... Ele disse que estaria ocupado com o trabalho nas próximas semanas e como eu não queria adiar muito esse encontro eu acabei contando para ele por telefone mesmo... – Izuku mentiu, não estava pronta para contar aos amigos sobre o envolvimento de Shouto naquele assunto.

 

Ficou com medo de não ter soado convincente, não se chamaria de uma boa mentirosa, mas ao que parecia fora o suficiente para convencer os amigos, exceto Bakugou.

 

O loiro não era burro e conhecia Deku a tempo o suficiente para saber quando a mesma mentia, mas na hora nada disse, sabia que Midoriya deveria ter um bom motivo para mentir dessa forma para os amigos e, além disso, percebeu que só a menção do bicolor deixou Izuku mais tensa, não sabia o que acontecera, mas com certeza não foi bom.

 

Após a interrupção de Tenya, Midoriya calou-se novamente e aquele silêncio constrangedor retornou ao ambiente. Mas para a sorte de todos, Uraraka se pronunciou:

 

- Deku-chan. – Chamou e em seguida a esverdeada lhe encarou. – Pela forma como você nos reuniu, imagino que esse é um assunto ainda bastante delicado para você. Mas acho que falo por todos quando digo que nós somos seus amigos e por isso, independentemente do que você nos contar, nós iremos apoiá-la. – Falou com um sorriso gentil.

 

Pequenas lágrimas escorreram pelo rosto de Izuku, então Uraraka e Tsuyu se levantaram e foram abraçar a esverdeada. Enquanto isso, Iida também se pronunciou.

 

- Isso mesmo Midoriya-san, não precisa ficar insegura em falar conosco, assim como a Uraraka-san disse, estamos aqui para o que precisar.

 

Todos sorriram e concordaram com a cabeça, até mesmo Bakugou abriu um pequeno e discreto sorriso que só fora percebido por Kirishima e Izuku. Midoriya enxugou suas lágrimas enquanto Asui e Ochako desfaziam o abraço e voltavam para os seus lugares, ela também arrumou a postura, encarando diretamente os amigos novamente.

 

- Muito obrigada pelo apoio pessoal, eu não sei o que faria sem vocês. – Abriu um pequeno sorriso e em seguida respirou fundo. – Eu queria pedir desculpas por ter preocupado você, não foi minha intenção... Mas como já tinha dito antes, eu reuni vocês aqui para falar sobre a notícia que vocês receberam aquele dia no hospital. – Respirou fundo novamente. – Primeiramente. Sim, eu estou grávida.

 

Após essa fala, abriu um sorriso e pôs a mão sobre a barriga, o que estimulou todos os presentes a abrirem um também. Mas esse pequeno momento de alegria acabou quando Izuku desmanchou o sorriso e apertou a blusa que estava usando no lugar onde antes acariciava a sua barriga.

 

- Mas... Bem, se fosse só isso eu não teria feito esse suspense todo... – A voz de Izuku soava trêmula. - E-eu não estou em um relacionamento e também vou ter parar um pouco com a carreira de heroína, porque pode ser perigoso pro bebê e...

 

Nesse momento, Uraraka e Tsuyu correram novamente para abraçar Izuku que não conseguiu mais conter suas lágrimas e começou a chorar. Enquanto isso, os três homens na casa observavam a cena, cada um com seus pensamentos.

 

Shinsou, por mais que estivesse se odiando por isso, ficou aliviado ao saber que Izuku não estava em um relacionamento. Claro que não queria se aproveitar da situação da menor, mas nada o impedia de ajudar a mesma a passar por toda aquela situação e quem sabe ajudar com a criança quando ela nascesse.

 

Kirishima observava Izuku pensando no que poderia fazer para ajudá-la, se sentia um pouco culpado por não ter conseguido conter a raiva do seu namorado e o impedido de explodir na frente de Midoriya. Mas ao mesmo tempo também entendia Katsuki, sabia o quanto o trabalho era importante para ele também e como aquilo estava sendo frustrante para o loiro, mas não achava justo ele descontar isso na esverdeada, afinal a mesma não tinha culpa de nada.

 

Katsuki estava um pouco decepcionado, ele já imaginava que Izuku teria de dar um tempo na carreira caso estivesse grávida e agora ele tinha certeza dessa informação, sabia que esse era o sonho da esverdeada e era obvio que estava triste por ela, mas também era ruim para si. Ele queria se tornar o herói número um por mérito próprio queria superar Midoriya e agora ele se tornaria o numero um apenas para preencher a vaga, isso o frustrava, entretanto, como estamos falando do loiro explosivo, logo essa frustração se transformava em raiva.

 

Mas ele não podia demonstrar o quanto isso o afetava, apesar de não ter dito nada, sabia que o seu show na hora que chegou tinha afetado Izuku negativamente e se sentia mal por isso. Mesmo com todas as brigas, ainda eram amigos de longa data e não queria que nada de ruim acontecesse com Midoriya.

 

Então, usou as dicas que recebeu de Ejirou e respirou fundo esvaziando a mente, com os pensamentos mais controlados, teve uma idéia que não tinha lhe passado pela mente antes. Aborto, Deku poderia abortar a criança, não sabia a opinião da mesma sobre o assunto, mas caso optasse por essa opção, não teria de lidar com as responsabilidades de criar uma criança naquele momento e nem teria de desistir do seu sonho. Parecia-lhe uma boa solução, mas Bakugou sabia de todas as implicações disso, contudo, ainda achava ser uma opção que deveria ser considerada.

 

- Deku. - Katsuki chamou, recebendo o olhar de Midoriya sobre si. – Mas você sabe que pode abortar a criança, não é? – Falou sério, deixando o clima da sala mais pesado, ninguém pode negar que este é um assunto polemico, mas não deixou isso o abalar.

 

- S-sim... Os médicos já me falaram sobre isso, mas acho que vou cuidar da criança, eu sou a heroína numero um e assim como o All Might quero salvar todos, então isso inclui o bebê que cresce dentro de mim. – Midoriya falou com mais calma.

 

- Deku... Isso não se trata da ideologia que segue no trabalho, é sobre você, sobre a sua vida! Se tiver essa criança agora vai prejudicar a sua carreira, o seu sonho! E, além disso, cuidar de uma criança é difícil e por mais que nós te possamos te ajudar nisso, é uma mudança muito drástica na sua vida. Você está realmente disposta a abrir mão de quase tudo por essa criança, sendo que você tem a escolha de reverter isso? – Bakugou disse, tentou não soar muito agressivo em suas palavras para não machucar Izuku.

 

Midoriya não soube o que responder, entendia o ponto de Katsuki e realmente lhe parecia uma boa solução, mas também sentia-se culpada em abandonar aquela vida. Não era uma decisão fácil, ainda mais por não ter uma opinião definida sobre o assunto, sentia-se confusa. O ambiente ficou em silêncio novamente até que Ochako se pronunciou.

 

- Está bem pessoal, acho que todos já tivemos muito por hoje. Vamos descansar um pouco, já faz algum tempo que não nos reunimos assim. O que acham de assistirmos um filme?

 

Todos concordaram. Tsuyu escolheu o filme, tomando o cuidado de selecionar um que não envolvesse gravidez. Fizeram pipoca e comeram junto com os biscoitos que Inko fizera enquanto assistiam ao filme.

 

Todos ainda tinham uma dúvida em comum em suas mentes: “Quem era o pai da criança?”, mas tomaram uma decisão mútua e silenciosa de que Izuku os contaria caso estivesse pronta.

 

Após terminarem de ver o filme, Shinsou se ofereceu para lavar a bandeja onde estavam os biscoitos e o pote de pipoca. Tsuyu, Uraraka e Iida foram os primeiros a se despedir. Logo em seguida, Bakugou foi buscar o carro para ir embora com Eijirou já que eles estacionaram um pouco longe.

 

Kirishima ainda estava se sentindo culpado por tudo o que aconteceu na hora que chegou junto com Katsuki, então aproveitou que ele e Izuku estavam sozinhos na sala para falar com ela.

 

- Midoriya...

 

- O que foi?

 

- Eu queria pedir desculpas pelo que o Katsuki falou na entrada... – Ele pretendia continuar, mas foi interrompido por Izuku.

 

- Não precisa disso, Kirishima – Abriu um sorriso.

 

- Preciso sim. – Dessa vez falou determinado. – Sinceramente eu não sei dizer como você se sente nessa situação, mas eu sei que o que Katsuki falou foi muito rude e por mais que eu entenda que ele está frustrado, não acho justo que ele desconte isso em você. Então peço desculpas pelo seu comportamento, eu sei que ele é quem deveria pedir desculpas por isso, mas você e eu sabemos o quanto ele é orgulhoso, mas quero que não tenha dúvidas de que ele se importa com você Midoriya e apesar de estar frustrado ele não a culpa por nada.

 

- Obrigada, Kirishima. – Izuku abriu um sorriso e Eijirou retribuiu.

 

Mas logo o belo momento entre os amigos foi interrompido pelo celular do ruivo que tocava indicando uma ligação de Bakugou.

 

- Eu tenho que ir. Tchau, Midoriya. – Se despediu da esverdeada e logo saiu da casa da mesma.

 

- Tchau.

 

Enquanto isso, Shinsou levou mais tempo para lavar uma tigela e um pote do que a maioria das pessoas levaria, pois estava pensando no que dizer para Izuku. Pensou em se declarar para a esverdeada, mas achou isso radical demais, afinal Midoriya já estava confusa e se ela não retribuísse seus sentimentos poderia ficar pior.

 

Então decidiu ir com calma, conquistar Midoriya aos poucos e por mais que seu coração implorasse para que ele exponha logo o que estava entalado em sua garganta, Shinsou não faria nada que pudesse machucar Izuku e agüentaria qualquer dor por isso.

 

Ao sair da cozinha, não pode deixar de rir com susto que Midoriya levou ao vê-lo.

 

- Me confundiu com um fantasma? – Perguntou ironicamente, ainda rindo.

 

- Engraçadinho. Você demorou muito, nem lembrava que estava aqui.

 

- Ai. – Pôs a mão em frente ao peito com a intenção de fingir que estava triste, mas ele realmente sentiu uma pontada no peito por causa da fala da esverdeada.

 

- Desculpa. – Izuku riu, não percebendo a real dor do amigo. – Já vai embora?

 

- Quer que eu fique? – Perguntou de forma sarcástica novamente, mas mesmo assim uma pontada de esperança cresceu em seu peito.

 

- Eu te acompanho até porta. – Izuku riu novamente.

 

Os dois caminharam até a porta e se despediram. Izuku estava fechando a porta, quando Hitoshi se virou para a menor a encarando com um olhar sério e segurou a porta.

 

- O que houve? – Izuku se assustou com o gesto repentino do maior.

 

- E-eu... – Shinsou não sabia exatamente o que estava fazendo, mas sentiu que não devia ir embora sem dizer nada, então respirou fundo e continuou. – Eu quero que saiba que pode contar comigo com o que precisar, está bem Midoriya?

 

- S-sim. – Izuku não entendeu bem o que Hitoshi quis dizer com aquilo.

 

Shinsou sorriu, sabia que Midoriya não entendera seus reais sentimentos, mas não deixou que isso o abalasse. Aproximou-se delicadamente e depositou um rápido selinho na testa da menor que corou instantaneamente com o ato.

 

- Até mais, Izuku. – Disse se afastando de Midoriya, então virou de costas e foi embora.

 

Izuku ficou ali, observando as costas do maior se afastando cada vez mais, tentando entender o que acabara de acontecer.

 


Notas Finais


Cá estamos novamente, no caso só eu, Camila mesmo (desculpa gente, mas se depender de mim eu faço essa piada até o fim da fic kkk).

Enfim, como a Cherrry disse nas notas finais do cap passado a tendência é só piorar, na minha opinião esse cap tá bem light, contudo não se enganem, as coisas vão ficar bem mais tensas (e a culpa n é só minha n, senhorita Cherrry tbm tem uma grande parcela de culpa nisso kkkkk)

Gente, assim como dissemos no cap passado, esperamos q vocês entendam a opinião dos personagens sobre o aborto e a respeitem, entendemos o quão delicado esse assunto pode ser, mas é algo importante para fic.
E quero reforçar, q sim o Bakugou se importa com a Deku e que ele está preocupado com ela tbm (além disso, ele tá namorando com o Kirishima ent se tu esperava alguma relação entre a Mido e ele, sorry -q)

Mas em compensação, se tu gosta de Shindeku assim como eu, acho q nessa fic a relação dos dois vai te agradar. Claro, meu OTP supremo é Tododeku, mas eu acho o Shinsou maravilhoso e como já devem ter imaginado pelo final do cap os dois vão ser bem próximos.

Enfim, é isso, oq acharam do cap? Se possível, comentem! Eu e a Cherrry ficamos mt felizes com os comentários de vcs! Obrigada por ler!

Beijos meus e de cerejinha da Cherrry e até a próxima :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...