História Auntie's Baby - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags Auntie, Baby Boy, Dirty Talk, Got7, Incesto, Masoquismo, Mommy, Mommykink, Romance, Sadomasoquismo, Yugyeom Babyboy
Visualizações 195
Palavras 1.924
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiiiii
Se eu pedir desculpas vocês perdoam ou jogam uma pedra na minha testa? KSDAIHJKSKSK
Eu tô muito bonde da piada hoje(falou o titulo do capitulo)
Desculpem pela demora(dessa vez sem pedras tá)
Contém um hotzinho meio mixuruca(em minha deprimente opinião).
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA FAVORITOS MUITOS FAVORITOS, ESTOU SURTANDO CADA DIA MAIS. AMOOOO VOCêS COM OU SEM FAVORITOS MOCHIS :3
Se tiver algum erro pode falar because perdi o costume de escrever pelo pc e não sei colocar alguns acentos(vulgo minha vó)
Boa leitura Babies:3

Capítulo 10 - Horn


Estavámos na mesa e ver que Jack voltaria amanhã me dá ojeriza, recebi a noticia que Tena também voltaria portanto foi o que me deu uma sequer felicidade que se extinguia quando lembrava dele. As coisas eram boas na empresa e isso decerto se delimitava em minha aura— agora— boa, acabei rompendo meu caso com Bambam, disse-o delicadamente que não conseguia mais fingir algo e que como ele sabia que tudo não passava de uma "diversão" como ele mesmo havia dito. Apesar de tudo ele parecia estar ali para o que der e vier, eu gostava disso em Bamie, ele era facilmente adaptavél a mudanças.

Yugyeom voltou da escola e foi diretamente para cima, até considerei ter feito algo que não o agradou porém horas depois ele saiu do quarto balançando alegremente o boletim escolar e me chamando pela casa para ver suas notas máximas merecidissimas para um aluno tão esforçado. Ele frisou o ultímo e me olhou sujestivamente como quem queria uma recompensa.

—Ummmm— Yugyeom se delicia no bolo de paçoca lambendo os dedos. Eu estava mesmo virando uma boba apaixonada e sabia disso, acabei por tornar tudo isso ainda mais real quando apoiei meus cotovelos no balcão e o olhei intensamente vulgo filme de romance clichê—Mommy isso é muito gostoso!

Mais uma vez fiquei séria e percebi no olhar sapeca dele que estava me provocando. Durante as semanas que se passaram Yugyeom encontrou cada vez mais maneiras de me tirar do sério, ele estava necessitado e eu também. Bebi o vinho sentindo a brisa fria da noite entrar pela porta aberta da cozinha, eu coincidia acordar de anos de um sono profundo, a vontade de viver intensamente outra vez atacou-me desde que libertei meus sentiemntos por Yug e a chama de liberdade, a chama do amor agora se alastrava como um incêndio dentro de meu peito. Era errado sem mais nem menos porém me fazia tão bem que minha sanidade se esvaiu por completo...e eu só pensava em amar Yugyeom. Considerei tantas vezes o que ele havia dito...


"Fuja comigo Noona"


E isso claramente tirava meu sono então ele se virava como quem notasse o que eu sentia, colocava a cabeça em meu peito e imitava com a boca os meus batimentos cardìacos, depois caia no sono e dava para perceber que ele sonhava com algo porque sempre balbuciava alguma palavra ou frase. Certa vez pareceu-me uma briga visto que pedia que Jungkook lhe esmurrasse a cara. E eu sorria observando sua pintinha no olho direito. Dias antes ele já dormia em minha cama, e o espaço vazio e frio é agora preenchido pelo garoto que faz meu coração bater mais forte—uma dadiva para mim não?

—Você não acha que me provocou demais essa semana?— ele negou e soltou um riso mostrando seus dentinhos de coelho sujos de chocolate.

—Onde está meus parabéns sobre ser um aluno tão esforçado e inteligente?

E então minutos depois Yugyeom maltratava seu lábio inferior sensualmente aparentando estar se lembrando de algo. Olhou para mim e quando percebeu meu olhar felino suas bochechas ficaram rubras feito uma obra de arte. Meu corpo se retesa quando recordei das marcas vermelhas no bumbum do garoto. Considerei fortemente fazê-las mais uma vez.

Fui até o sofá, ele percebeu e rapidamente se endireitou me lançando um olhar malicioso, sentei ao seu lado bem inclinada para ele. Beijei aqueles lábios sem me importar quem chegaria, senti um gosto de chocolate e sorri com isso...tão precioso. Meti a mão entre os fios sedosos do garoto e puxei com força deixando seu pescoço imaculado exposto, suguei a pele dali e deixei também uma mordida. Minha avidez era clara, eu desejava Yugyeom não só sexualmente como também amorosamente, como eu nunca senti. Meu corpo inteiro se eriça como se choques percorressem por ele.

Ponderei por alguns instantes no olhar negro de Yugyeom, as lindas iris castanhas têm um brilho especial, sinto naquele olhar uma brisa quente mas ainda sim fresca da praia a noite, e então a pele de Yugyeom tinha toques feito uma floresta fria e cheia de mistérios, seus braços, seu sorriso, tudo,tudo,tudo nele me fazia querer gritar para o mundo o quanto eu o amo. Talvez fosse a carência de uma adultéra que nunca foi amada e que nunca amou, ou talvez fosse apenas loucuras de minha cabeça louca porém sendo esses ou quaisquer motivos eu apenas diminui o mundo ao olhar de meu sobrinho. Ele me observou com a mesma fervura.

—Você é tão linda— Passeei minha mão por seu rosto sentindo sua pele macia— Diga-me que sente o mesmo que eu Noona, diga que quando me vê sente algo aqui— pôs a mão espalmada sobre meu peito— que nubla sua mente e te faz querer fugir de todos e viver a sós comigo, apenas vivendo de amor— Ele ditava tudo tão incrédulo como se eu não pudesse entender— me diga Noona, porque é exatamente isso que sinto.

— Eu provo tanto disso todo dia que chega a doer— digo as palavras veridicas e dessa vez Yugyeom me beijou fortemente como se me odiasse por fazê-lo sentir isso tudo, retribuo o beijo mordendo seu lábio inferior e "dançando" eroticamente em sua língua como uma forma de constatar que ele era tão maldito quanto eu por me fazer experimentar do mesmo sentimento. Sentei em seu colo, o choque de nossas intimidades cobertas foi intenso o que fez ele soltar um suspiro alto.

Passeio as mãos pelo corpo do garoto e sinto-o se arrepiar com isso, iço meu quadril para frente, a ereção ainda em formação latejou forte o que fez minha boceta se contrair também. Meu estado de lubricidade era tanto que chegava a ser incômodo, até Yugyeom notou isso e eu soube por seu olhar que agora ele achava que tinha algum dominio sexual. Não tão cedo.
Junto todos os cacos de meu autocontrole levantando e puxando-o até meu quarto. Na varanda. É gigantesca e tem apenas um colchão(de casal) perdido por entre os sofás e poltronas, por algum motivo que não me recordo ele estava ali assim achei uma grande motivação para usá-lo.
O céu assemelhava-se a estar debruado em penas escurissimas de um pavão enxerido, as luzes apagadas destacavam ainda mais nossa tensão sexual, e talvez, só talvez houvesse um diabinho em meu ombro suplicando para que eu fodesse com aquele garoto mais uma vez...e então no outro ombro havia o anjinho mas eu não escutei sequer uma palavra sua apenas fechei a porta que dava para a varanda e prensei Yugyeom no parapeito.  Quando dei por conta já estávamos despidos, ele estirado sobre o colchão e eu em seu colo.


—Mommy, eu quero te chupar— ele estalou a lingua logo depois, sorri com a possibilidade e me estirei sobre o colchão. Yugyeom logo veio se debruçando entre minhas pernas, á luz da lua ele se assemelhava a um anjo sexual. Sinto imediatamente uma lingua se concentra em meu potinho, ele suga ali levemente, eu sabia que era sua primeira experiência e não esperava que ele me fizesse revirar os olhos no entanto quando ele sugou com mais força perdi as estribeiras, agarrei seus cabelos e o pressionei  mais sobre minha boceta ele automaticamente entendeu o recado e continuou me chupando forte.
—Você é tão gostosa quanto parece Mommy— sussurou baixinho causando vibrações em meu intimo, tentei reprimir o gemido mas foi quando o garoto continuou os movimentos sem dó nem piedade. Eu sabia que o ego de Yugyeom agora ia as alturas e minha vontade de fazê-lo baixar aumentava gradativamente.
A lingua fazia movimentos circulares e fortes, em algum momento ele introduziu dois dedos em minha boceta começando a mexê-los rapidamente, gemi como nunca, segurei fortemente os fios dele puxando-os. Meus sentidos se aguçavam e notei que quase recebi uma carícia da brisa de tanta sensibilidade. Ele fazia aquilo tão bem, como um profissional, então eu gozei, gemi alto quase em gritos puxando ainda mais os fios de Yugyeom quando grandes ondas de choque tomaram meu corpo, depois a quietitude.
Yug olha atentamente a minha recuperação do recente orgasmo e sorri timidamente como se não houvesse feito tal coisa minutos atrás, suas bochechas ficaram vermelhas o que dava um destaque contrastante em sua pele branca. Logo fui ao encontro de sua boca e o beijei mais uma vez.
...
O prazer escorria por meus olhos enquanto quicava sobre o pau de Yugyeom, segurei forte a carne de seus braços e cravei minhas unhas ali sentindo toda a grossura e o tamanho dele, sentia perfeitamente suas veias pulsantes e a cabecinha encostando em meu âmago causando uma dorzinha boa, por conta de minha lubrificação em excesso seu pau escorregava deliciosamente para dentro de minha boceta, Yugyeom observava e lambia os lábios desejando talvez ter alguma dominâcia, e eu com certeza adorava não lhe conceder isso.

 Na boca dele formava-se um "o" perfeito, os olhos estavam semicerrados, daqueles lábios doces saía a prova de seu prazer em sons manhosos e baixos, os cabelos estavam colados na testa e ele mexia a cabeça para os lados constatemente como numa agônia incontrolável. A quentura que emanava dele e a visão privilegiada que eu tinha me deixavam insana ao ponto de cerrar os dentes impedindo os gritos que acordariam os vizinhos. Continuei os movimentos mais fortemente que antes, meu clítoris roçava no baixo-ventre do garoto me fazendo enlouquecer ainda mais, estando tão embargada naquilo não percebi quando Yugyeom pôs as mãos em meu quadril apertando minha carne e empurrando-me mais para baixo.  Tirei suas mãos dali soberanamente e juntei minhas forças para parar de quicar em seu colo, ele franziu o cenho e içou o quadril esfregando seu sexo em minha entrada, por um segundo quase sucumbi mas logo tomei ímpeto e tive uma grande ideia. A camisa dele estava no chão peguei-a e amarrei sua mãos na frente com um nó, sabia o quanto ele ficava em uma agonia extrema quando estava amarrado por isso o fiz como forma de castigo.
—Já lhe avisei tantas vezes sobre me tocar sem minha permissão Yug mas parece que você não aprende.
—Mommy, me solte por favor— ele ofegava já tentando se livrar do nó enquanto eu lambia os gominhos pouco definidos de seu abdomên, fui cada vez mais baixo acariciando a parte interna de sua coxa, ele se arrepiou quando segurei seu pênis pela base sentido-o quente e pulsante—Isso é mal Noona!
Sorri e lambi vagarosamente a glânde  vendo a sua expressão sofrida. Comecei a "sessão tortura" que segundo ele—horas depois— havia sido bom demais para ser considerado como tal.
Não dormimos naquela noite, apenas nos abraçamos aproveitando a compahia um do outro achando linda a forma como a lua parecia ser mais exibida para nós dois. Em um lampejo, tudo passou-se como o tempo se tornasse mais rápido para quem ama. De madrugada veio os trovões e ele disse num sussuro baixo que se assemelhava ao fim do mundo mas que se o fosse seria muito feliz em ir para o inferno comigo, ri com a afirmação e ele continuou dizendo que SUA Noona sendo brava do jeito que é daria um jeito de barganhar com o diabo...ri mais ainda. Logo depois ainda de madrugada os trovões cessaram, menos a chuva, essa ainda preenchia nossos ouvidos, choveu até a alvorada da manhã então nós vimos os primeirissimos raios de luz do sol nascer quando o astro principal ainda era encoberto pelas nuvens gordas de chuva.

Bem antes das cinco da manhã Catarina soube que iria a qualquer lugar com Yugyeom.


Notas Finais


Yugyeom seu safradeeenho(aquela carinha)
Me colocaram como co-autora de uma história cheia de putaria. Aí vai a indireta: @Milly_BABY sua vagabunda, eu não vou escrever essas blasfêmias que você me propõe(mentira, eu adoro).
Gostaram? Desgostaram? Podem dizer, eu respondo todos os comentários.
Obs: Alerta de loucura...eu ia postar esse capitulo em Alice in Wonderland ;)
Provavelmente virei no próximo cap com um Pvo do Yug(Spoiler)

Beijão da Unnie
Amo vocês Babies:3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...