1. Spirit Fanfics >
  2. Author (Vmon) >
  3. VII: Primeiros passos.

História Author (Vmon) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, meus bbs! Como estão? Espero que bem.

Mais um cap! Espero que gostem!

Boa leitura a todos!!!

Capítulo 7 - VII: Primeiros passos.


Fanfic / Fanfiction Author (Vmon) - Capítulo 7 - VII: Primeiros passos.

A luz intensa provinda janela batia no seu rosto, queimando levemente seu rostinho e irritando suas vistas fechadas, fazendo os olhos se abrirem, rendidos ao incômodo, procurando fugir do sol arrebatador. Rolou no sofá, enfiando o rosto contra o travesseiro, solucionando o problema da luminosidade direto em seu rosto, mas quando o fez sentiu seu corpo todo reclamar. Estava muito dolorido.

 Se ergueu, sentando-se de modo preguiçoso, soprando uma mecha do seu cabelo que entrava na sua visão. Aquele penteado estava terrível. Então viu pelo canto dos olhos a figura de Namjoon se aproximar. Quando o autor colocou os olhos em seu personagem, não conseguiu conter um riso, e acabou abrindo um enorme sorriso juntamente. Ele estava caos. Passou pertinho de Taehyung, colocando as mãos em seus ombros. 

— Eu te disse que dormir na sala não era confortável. Bom dia — disse, ainda rindo baixinho da carinha do Kim mais novo. 

— Bom dia, hyung. Não foi ruim, eu estou bem, sério — disse sem graça, vendo a covinha adorável do ex-namorado naquele sorriso lindo que ele lhe dava.

— Tem certeza? 

Taehyung sentiu as mãos grandes do outro massagearem levemente seus ombros, o fazendo sentir um alívio na área tensa e dolorida, soltando um arfar e uma risadinha tímida, adorando os toques ternos e gostosos.

— Você venceu, talvez eu esteja meio dolorido — Taehyung confessou, pondo suas mãos sobre as de Namjoon e as tirando do local para segurar entre as suas.

O escritor observou o toque e não disse nada, porque Taehyung logo em seguida notou e o soltou, naturalmente. 

— Eu vou fazer um almoço para nós, ok?

— A-Ah, já está tão tarde assim, Namjoonie-hyung?

— Sim, é bem tarde já. Bom, você não tem com o que se preocupar, ou tem algum compromisso?

— Ah… pare, hyung.

Taehyung disse envergonhado, rindo bobinho de Namjoon tirando sarro de si. Ele realmente não tinha nada para fazer e isso talvez fosse algo bom se ele estivesse na sua realidade normal, mas ali era apenas uma notícia meio solitária e vazia. 

— Desculpa, não consegui evitar. Quer me ajudar? Não preciso, mas…

— Claro, eu te ajudo. Vai ajudar a soltar meus ombros.

 Namjoon sorriu, vendo a personagem se aproximar, chegando perto de si na cozinha. No fim das contas fizeram um café bem light com frutas picadas, alguns iogurtes sem açúcar e adicionaram um pouco de creme de leite e grãos para ficar mais gostosinho. Taehyung não era muito fã de comer corretamente, mas ele acabou se acostumando depois que começou a namorar Namjoon. Pelo menos, era o que ele se lembrava de ter acontecido. 

 Se sentaram na mesa, às vezes pegavam os olhares um do outro, mas não comentavam nada. Ainda era um situação meio constrangedora, que aos poucos talvez ficasse mais natural, mas por agora só era meio desconfortável, como permanecer no elevador com algum vizinho que você pouco vê. 

— Pode me passar a geléia, Joon? Quer dizer… Namjoon-hyung. 

— Não precisa ser formal comigo. Está tudo bem. 

Namjoon disse, achando graça de Taehyung tentando se corrigir. Devia ser difícil de repente ter que tratar alguém que era tão próximo de si de uma forma completamente diferente. Entregou a geléia para o mais novo e sorriu gentilmente.

— Desculpa, eu ainda estou tentando entender meus limites com você. Eu não tinha nenhum… você sabe — o Kim mais novo se justificou, colocando uma mecha dos cabelos loiros para trás da orelha. 

— Sim, eu sei. É um tempo de adaptação, não se cobre tanto, vamos nos ajustar, ok? Eu vou sempre te dizer se algo estiver passando dos limites — o escritor explicou com toda a calma, olhando para o rostinho meio melancólico de Taehyung.

— Ok… obrigado por ser tão compreensível comigo. 

O Kim mais novo deu um sorriso leve, encarando a face empática de Namjoon. Ele era sempre assim, não é? Um mediador de relações nato, totalmente empático e evoluído. Taehyung admirava muito isso no mais velho e era algo totalmente apaixonante sobre ele. 

— Não agradeça, sério. E, tudo bem com apelidos. Eu não gosto muito de falar formalmente — Deu um sorriso bonito, desviando seus olhos para a mesa.

— Pode deixar. Você pode me chamar por apelidos também, se quiser — Taehyung disse com certa vergonha, as bochechas corando num tom rosadinho boneca.

— Você sabe, quando eu pensava em você surgiu do nada o apelido de ursinho invernal. Eu gosto, combina com você.

Taehyung ficou ainda mais corado, principalmente porque ele também adorava o apelido. Sempre tinha achado muito romântico ao passo que era muito original e muito parecido com ele. Único. E ele era o único ursinho de inverno de Namjoon. 

— V-Você pode usar. Eu amo — respondeu, olhando para sua xícara com achocolatado. — Mas você pode usar apenas Taehyung-ssi ou Taehyungie. 

— Eu vou.

Taehyung levantou o olhar para ele no mesmo momento que Namjoon o fez. As orbes castanhas se fitaram num silêncio, mas não era desconfortável como antes. Era como se tivessem leves… 

 Um barulho no cômodo fez Namjoon subitamente desviar do olhar caloroso e ver seu celular vibrando. Taehyung foi rápido o suficiente para ver na tela o nome de Jeongguk. Mordeu os lábios e enquanto o Kim mais velho atendia feliz a ligação do Jeon, Taehyung se ergueu e pegou seus utensílios sujos e levou para a pia, os pondo na louça suja. Tentou não escutar a conversa, aquilo só lhe faria mal. Ele tinha que ignorar toda a situação e focar no fato de que Namjoon fazia o que quisesse de sua vida. Eles não eram namorados.

 Ele olhou para cima, vendo Namjoon se levantar e levar a louça suja para a pia, onde ele estava e então se dirigiu para fora do cômodo, indo ao banheiro. O Kim mais novo viu que depois de uns minutos Namjoon saiu de seu quarto completamente diferente, usando uma roupa elegante e que deixava o escritor delicioso. Taehyung secou o corpo do ex-namorado, sem conseguir conter a atração grande que ele tinha pelo físico do outro.

— Tae? Eu estou de saída, ok? Tem bastante comida aí, e você pode usar qualquer coisa que quiser, a televisão, o computador e se quiser tem os meus livros para você ler. Não demoro, prometo. Qualquer coisa, eu deixei o número do meu celular anotado perto do telefone fixo. Pode me ligar.

Taehyung apenas assentia enquanto era bombardeado por várias informações e Namjoon. Se sentia um bebê que ficaria sem os pais por umas horas. Sorriu gentilmente para o mais velho então, limpando as mãos molhadas de lavar a louça num paninho. 

— Tudo bem, Namjoon-hyungie, não se preocupe, vou ficar bem. Se divirta. 

Namjoon sorriu, então indo para a saída de sua casa. O Kim mais novo suspirou, olhando para a casa vazia. Seria um dia longo. 

                        ✧・゚: *✧・゚:*

 O cheirinho de café lhe recepcionou, acalentando seu coração, o deixando quentinho. Retirou seu casaco grande e o pendurou em sua cadeira, sentando-se em sequência. Aquela cafeteria devia ser um dos seus lugares favoritos na Terra. Não tinha nada de especial nela, na verdade. O café não era excepcional — apenas gostoso, mas nada marcante — e o espaço não era luxuoso, nem mesmo muito criativo, apesar de confortável. 

Namjoon gostava dali porque era ali que ele podia apreciar com calma o homem que ele gostava. E Jeongguk sempre vinha do jeito que entrava naquele exato instante na cafeteria: totalmente distraído, os cabelos negros lindos esvoaçando ao vento, os olhinhos negros enormes procurando pelo loiro sentado em alguma mesa, já a esperá-lo. Então ele vinha todo sorridente para a mesa e se aproximava do Kim, depositando um beijo quentinho nas bochechas de Namjoon — geralmente na que continha sua adorável covinha — e em seguida se sentava, lançando mais um de seus sorrisos de coelhinho adoráveis. 

— Oi, hyung. Te fiz esperar muito?

Namjoon sempre negava, abrindo um sorriso bobo, completamente se esquecendo de qualquer coisa externa. Se focava apenas no rosto angelical que Jeon Jeongguk possuía e em sua voz suave e maravilhosa. Às vezes não continha alguns olhares pelo visual do rapaz mais novo, que geralmente eram roupas pretas estilosas ou ternos lindos que delineavam todas as curvas possíveis que seu incrível corpo possuía. 

 Jeon Jeongguk era o material de namorado que toda garota coreana gostaria de ter. 

— Sinto muito pelo pequeno atraso. Eu estava resolvendo uma urgência que surgiu — Jeongguk explicou, tirando Namjoon de seus devaneios. 

— Tudo bem, eu não esperei quase nada. Está tudo bem? É algo grave? — o Kim perguntou, preocupado. 

 — Mais ou menos. Sabe a Soonmin, minha secretária? — Namjoon assentiu, incentivando Jungkook prosseguir. — Ela está grávida, e agora ela vai entrar de licença, então eu teria que ter uma secretária substituta, mas eu estava tão ocupado que esqueci de fazer o processo de seleção pro cargo e agora ela vai sair e eu não tenho ninguém e vai virar um caos completo. 

O Kim achou que Jeongguk fosse asfixiar de tão rápido que ele disse aquilo e sem tomar ar. Reconhecia que era uma situação complicada, e ele fez uma careta para o Jeon, mas logo, tudo aquilo lhe deu uma ideia imensa. Parecia que o universo talvez estivesse voltando a ficar ao seu favor. 

— Mas, esqueça, hyung, agora eu não preciso pensar nisso e nem te atolar com esse assunto. Você já pediu algo?

— Na verdade, não, estava esperando por você — Namjoon disse, sorrindo gentilmente. 

O garçom veio atender-lhes e eles acabaram pedindo uma torta nova do cardápio. A maior diversão deles era pedir comidas diferentes e ficarem provando um do prato do outro, saboreando não só a comida, como a sensação da atenção alheia e os olhares e sorrisos. 

— Na verdade, Jeongguk-ssi, eu posso te ajudar com isso? — Namjoon disse assim que o garçom saiu.

— Hm? Como assim, hyung? — Olhou para o loiro com as orbes negras grandinhas.

— Bom, é uma sugestão, apenas, mas eu acho que teria alguém para indicar para o cargo — Namjoon começou, timidamente.

— Mesmo? Ah, isso seria ótimo, na verdade. Quem seria? 

— Se lembra do Taehyung? — Namjoon deu uma leve riso, porque a situação era meio constrangedora. — Ele está precisando de um emprego temporário, principalmente porque ele quer alugar um apartamento.

— Hm, é mesmo? — Jeongguk ergueu a sobrancelhas, interessado. 

— Sim, acho que ele seria ótimo, na verdade. Ele é muito inteligente e organizado. Fazia faculdade de medicina pública — Namjoon usou esse fator pra ganhar a confiança de Jeongguk no seu papo. Não era mentira, no entanto. O Kim construiu Taehyung para ser incrivelmente inteligente, apesar do seu jeitinho único de realizar as coisas.

— O que?! Sério? Uau, ele deve ser bem inteligente mesmo. Ele saiu da faculdade? 

— Sim, infelizmente não condizia com o que ele queria fazer, no fim das contas. Era mais pelos pais, sabe? 

Os dois beberam um gole da bebida recém chegada à mesa e então Jeongguk assentiu, pensativo.

— Entendo. Bom, você pode me passar o contato dele? Eu vou falar com ele então, e fazer uma entrevista rápida — o Jeon disse, sorrindo.

— Ah, pode ser pessoalmente? O Taehyung está sem celular por enquanto. Foi… roubado — mentiu, sem saber como justificar a ausência do celular do garoto em pleno século 21. — Ele está comigo, na minha casa, por conta da minha mãe, você sabe, então pode me ligar e eu passo pra ele o telefone.

Jeongguk assentiu, concordando com aquele plano, apesar de achar super estranho. No fim das contas, parecia um jeitinho dele ficar mais perto de Namjoon. Contratar seu melhor amigo de infância e ter contato com ele lhe daria a chance de perguntar e saber tantas coisas do Kim…

— Ah, parece tão bonito! 

 O Jeon viu as tortas chegarem e o sorriso enorme nos lábios grossos de Namjoon. E começaram imediatamente a comer, famintos um pelo outro mais do que pelas tortas.

  A tarde caiu maravilhosamente enquanto eles estavam perdidos em toques suaves, sorrisos e risadas apaixonadas. O sol alaranjou todo o ambiente, tornando a cena ainda mais romântica. No entanto, já era hora deles irem. Nunca durava muito e como Namjoon desejava parar no tempo para aproveitar eternamente aquelas curtas horas tão gostosas. 

— Hyung, eu te levo para casa. 

— Hm? Não é necessário, Kook, sei que tem coisas para fazer — o Kim negou a gentileza, mas Jeongguk sorriu, desviando os olhos. 

— Não foi um pedido. Faz o favor de entrar no meu carro e me deixar te levar para casa, Namjoon-hyung — Jeongguk disse, sorrindo serenamente com os lábios fininhos e molhados, tão vermelhinhos.

— Desde quando você está tão mandão? — Namjoon provocou, dando risada do comportamento adorável do mais novo. Sinceramente, que vontade que dava de apertar.

— Desde que meu hyung está tão desobediente aos meus pedidos — Jeongguk reclamou com um biquinho. 

— Ah, que hyung malvado — o loiro sorriu, terminando de pagar pela refeição dos dois mesmo que Jeongguk tivesse dito umas 50 vezes que dividiria a conta. 

— Ele é. Faz tanto tempo que não o vejo e ele nem quer me deixar levá-lo para casa. Parece que nem gosta da minha companhia — Jeongguk deu as costas, saindo da cafeteria e Namjoon o acompanhou, achando graça de toda a manha do Jeon. 

Namjoon envolveu os ombros de Jeongguk com as mãos, fazendo o rostinho do mais novo se virar para si.

— Não, ele ama sua companhia, então você pode levá-lo para casa. 

O Jeon sorriu grande, se aconchegando nos braços do loiro e caminhando com ele até o veículo. Eles entraram e Jeongguk dirigiu até a casa do autor enquanto conversavam e aproveitavam mais uns minutinhos da companhia alheia. E quando chegaram na fachada do prédio do Kim, Jeongguk estacionou e viu os olhinhos castanhos gentis de Namjoon lhe olharem.

— Entregue em segurança — falou baixinho, sorrindo para o mais velho. 

Namjoon retirou o cinto então, dando um leve selar nas bochechas quentes de Jeongguk. 

— Obrigado por me trazer, Kookie. 

O Kim disse, se afastando, mas Jeongguk gentilmente colocou a mão no casaco do mais velho, o segurando.

— Hyung, espere um pouquinho. Eu tenho algo para você. 

— Hm?

O escritor fitou o rostinho levemente corado de Jeongguk, os dois tão pertinho, as respiraçoes quentinha já batendo sobre o rosto do outro. Os dedinhos do moreno seguraram o rosto de Namjoon e então ele trouxe os lábios fininhos e vermelhos para os do autor, os tocando gentilmente e formando um beijo. Namjoon fechou os olhos, aproveitando do contato que ele tanto tinha ansiado por meses. O calor e o gostinho de Jeongguk, tão gostoso e único, docinho pelo resquício das tortas que comeram juntos. Se sentiu acolhido na boquinha tão boa, no toque tão gentil dos dedos do Jeon. Se sentiu no céu. 

Soltaram-se depois longos minutos explorando a boca alheia bem devagar, sem pressa. Os olhos se abriram e Jeongguk arfou baixinho contra Namjoon, o rosto ainda mais vermelhinho, por vergonha e pelo calor que o autor lhe causava. Sorriu um tanto envergonhado, mas sem se arrepender de seu primeiro passo.

— Hyung… eu gosto de você. E eu não queria mais esperar para te demonstrar isso — disse baixinho, olhando para as orbes lindas do mais velho. — Essa semana eu senti tanta a sua falta e…

Jeongguk foi interrompido pelos lábios de Namjoon, lhe beijando intensamente, roubando sua boca totalmente para ele, o fazendo gemer baixinho contra o mais velho. Era um beijo tão bom. 

— Eu gosto de você também, Jeonggukie. Muito. Sinto sua falta toda hora.

Um sorriso de coelhinho apareceu para si e Namjoon achou que fosse desmaiar de amores.

— E desse sorriso lindo. 

— O seu é mais. Olha para essa covinha adorável — Jeongguk disse, vendo Namjoon justamente sorrir e ele poder beijar sua covinha.

— Jeonggukie… — o loiro o chamou, achando adorável seu beijinho. Amava. 

Olharam-se em silêncio por uns segundos, beijando-se mais algumas vezes, por necessidade ou por charme.

— Eu gostaria de te levar para casa para ficarmos mais tempo juntos, mas eu não posso hoje — Namjoon disse, um tanto frustrado. 

— Tudo bem, Namjoon-hyung, teremos mais tempo depois, certo?

Jeongguk disse, os olhos grandinhos e negros fitando Namjoon com intensidade.

— Sim. Bastante. 

Então deram um beijinho de despedida, algo tão bom que não queriam soltar as bocas uma da outra. Mas o fizeram por fim, Namjoon deixando um beijo carinhoso na testa do mais novo.

— Não esquece de me mandar mensagem quando chegar. Toma cuidado, Kookie.

Jeongguk assentiu, deixando o mais velho sair por fim do carro e entrar no prédio. Suspirou, apaixonado. Seu coração estava tão acelerado e quentinho. Podia sentir por horas o toque dos lábios de seu hyung nos seus. Tão bom. Estava orgulhoso de si mesmo de ter dado esse passo que ele tanto queria. Aquela semana, onde ele ficou distante do Kim e toda a brincadeira de Taehyung de namorar o autor, mexeram consigo. Ele percebeu que não queria perder Namjoon e verdadeiramente gostava dele, então precisava mostrar isso antes que um outro alguém o roubasse de si. 

Deu partida para casa, sorrindo como nunca. 





Notas Finais


É isso bebês, espero muito que estejam gostando. ♡

Era pra eu ter postado sábado, mas com toda essa confusão do corona vírus minha faculdade me lotou de trabalhos e atividades nesse tempo que não teremos aula presencial, então acabei atrasando um pouco.

E falando nisso, se cuidem, bebês. Fiquem em casa, lavem as mãos, cuidem dos familiares e leiam fanfics kkkkk.
Amo vcs, vamos papear se quiserem! ♡

Vejo vocês no próximo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...