História Automatic - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Red Velvet
Personagens Irene, Joy, Personagens Originais, Seulgi, Wendy, Yeri
Tags Drama, Longfic, Mistério, Mortes, Novela, Policial, Red Velvet, Romance, Songfic, Suspense
Visualizações 28
Palavras 1.309
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Finalmente retornei!

Capítulo 21 - De Volta Para Casa


 O aeroporto estava calmo, a chuva caia fraca lá fora e as nuvens cobriam o céu naquela manhã tornando o dia de Irene mais solitário, ela havia acabado de fazer o check-in e ficou sentada esperando o seu vôo.
 Quando foi notificada para embarcar, passou pelo portão e entrou no avião, antes de se assentar, fitou a janela, por um momento pensou em sair correndo daquele avião, em voltar para a empresa e para as suas amigas, mas era tarde demais para isso, respirou fundo por um momento, o avião começou a andar e depois a correr pela pista até Irene senti-lo flutuar, foi em direção as nuvens, pôde olhar a chuva de perto.
- "Será que por cima de todo esse temporal... dessas nuvens, existe um céu azul?". - refletiu.
- Atenção alunas!!!
 O clima ficou tenso na SM, Wendy, Joy e Yeri estavam muito preocupadas pelo fato de Irene não ter ido naquele dia para o treinamento, ela que nunca faltava.
- Temos um importante anúncio para fazer. - disse um homem com um alto falante.
 As estagiárias estavam nervosas com a forma que o funcionário as olhava, como se estivesse prestes a anunciar a falência da empresa.
- A estagiária da SM e membro do "SM Rookies" Irene, deixou a empresa.
 Ouviam-se lamentos por quase toda parte, Irene era conhecida por ser amiga de muitas estagiárias na empresa. As três melhores amigas dela ficaram completamente sem chão, não esperavam uma notícia como essa sem pelo menos um aviso de Irene.
- Para evitar que aconteça de uma equipe ficar com mais integrantes que a outra, a estagiária Joy irá juntar-se a equipe de pré-estréia no grupo Velvet. É só isso!
 A multidão começou a se dispersar pela empresa e as estagiárias não paravam de se olhar cochichando uma no ouvido da outra sobre o motivo da saída de Irene e outras dúvidas.
 Algumas estagiárias perguntaram a Joy como ela se sentia depois de entrar para a equipe, mas ela estava muito triste por Irene e respondia com tristeza no olhar. Quando as meninas foram embora Joy perdeu-se em seus pensamentos.
- "Eu queria que ela estivesse aqui, seria muito melhor, não consigo sequer pensar na minha possível estréia, não sem minha amiga do meu lado." - pensou.
 Yeri ficou chocada com a notícia, como se não bastassem os sonhos, agora Irene não estava mais lá para aconselha-la. Resolveu procurar uma psicóloga que Irene havia indicado para ela uma vez quando Yeri estava isolada em casa sem querer ir para a empresa. Yeri se dirigiu até o ponto de ônibus e foi para a clínica particular da psicóloga.
 Quando chegou, foi atendida muito bem pela mulher.
- Então doutora, eu vim aqui por recomendação de uma amiga... A Irene... Meu caso é um pouco... estranho, talvez você nem acredite no que vou te falar.
- Claro querida, pode me contar, esse é o meu trabalho, vou tentar ajudá-la da melhor maneira possível! - disse a psicóloga.
- Então, já faz um tempo que eu tenho tido uns... sonhos... é... bem estranhos para falar a verdade.
- Hum... Conte-me sobre esses sonhos! - a mulher inclinou-se para ouvir cada palavra de Yeri.
- Meu irmão mais novo Yuri, foi vítima de um atropelamento de carro há alguns anos atrás em uma avenida, mais tarde eu descobri que a responsável era uma colega de trabalho, desde então eu... ando tendo pesadelos estranhos com ela, por exemplo, ela me enforcando, e coisas do tipo.
- Hum... Talvez seja algum ressentimento que você guarde dela.
- Sim, mas recentemente eu tive um sonho muito estranho... diferente dos outros... - começou. - Sonhei que estava em um longo corredor com uma porta aos fundos e... eu ouvia vozes que não podia identificar, a porta me levava para uma sala escura depois para duas portas, uma escrito "Verdade" e a outra "Mentira". Eu entrei na porta da mentira e vi um quarto de uma criança recém-nascida o interessante é que havia um berço só mas eu ouvia o choro de dois bebês do lado de fora, eu sei que isso não tem nada a ver e parece loucura tudo o que estou falando mas... A pessoa que atropelou meu irmão matava alguém que não era ele, ao contrário dos outros sonhos, ela me viu e não tentou me matar em nenhum momento...
 A psicóloga estudou Yeri por um momento.
- Eu acredito em você querida, talvez esteja certa sobre isso, sabe eu tinha sonhos desse tipo quando eu era pequena, eu contava para os meus pais mas eles não acreditavam em mim. A verdade é que, eu percebi que você estava preocupada demais enquanto falava tudo isso para mim, isso só pode ser explicado se talvez você acredite que a pessoa que assassinou seu irmão pode machucar outra pessoa que não tenha a ver com você...
 Yeri ficou chocada com o conhecimento da psicóloga e continuou sentada sem dizer uma palavra.
- Você gosta da Irene não é?
 Yeri fez um gesto com a cabeça indicando que sim.
- Já que vocês são amigas, eu sugiro que vá para casa e... avise a ela, convença-a a acreditar em você...
- Como sabe que estou certa? Por que acredita tanto em mim? - perguntou Yeri.
 A psicóloga deu um sorriso com ar de tristeza e passou a mão em uma foto da sua família na mesa da clínica.
- Os meus pais não acreditaram em mim quando eu disse a eles para não irem aquela viagem de navio em Seul... - uma lágrima escorreu de seu rosto. - eu disse até o último momento... "Não vá papai" "Mamãe eu estou com medo" eles me abraçaram e me convenceram de que iria ficar tudo bem... Até que... Eu ouvi uma notícia no jornal, falando sobre o naufrágio do navio. Eu fiquei sem ninguém... Se eu tivesse conseguido convence-los só mais um pouco... um pouquinho mais de tempo que fosse... Eu daria minha vida por isso...
 Uma lágrima escorreu do rosto de Yeri.
- Eu sinto muito!
 A psicóloga enxugou sua lágrima.
- Não há tempo para isso criança... Volte para sua amiga, você precisa protege-la.
 Yeri saiu correndo da clínica, havia uma chuva forte no final daquela tarde que atrapalhava um pouco a visão de Yeri, ela pegou o celular que estava em seu bolso e, imediatamente, ligou para Irene.
 Irene parou para ver quem chamava no telefone, quando viu que era Yeri, já estava em frente a casa da sua mãe.
- "Depois eu atendo!" - pensou.
 Continuou seguindo e bateu na porta, bateu novamente e ninguém respondeu.
 Mais tarde notou que a porta estava apenas escorada e entrou.
 Não havia qualquer barulho, o ambiente estava assustadoramente silencioso, sentia a presença de alguém na casa, alguém que a observava o que lhe causou arrepios.
- Mãe? Mãe! - gritou enquanto caminhava pelos corredores da casa.
 Entrou no seu quarto e fechou a porta dando de cara com uma mensagem escrita com sangue na porta que dizia: "Boas-vindas para Irene".
 Irene tentou dar um grito abafado mas ouviu o barulho de alguém saindo do seu armário e logo em seguida foi atingida por um objeto fortemente na cabeça.
 Quando acordou estava em uma lugar estranho, mas que conhecia. Uma pessoa tirou a mordaça que usaram para manter Irene calada. Estava amarrada em uma cadeira de frente para um grande televisor.
- Me soltem! Onde estou? Onde está a minha mãe? O que vocês querem? Respondam!
- Você fala demais Irene. - um dos homens disse. - Acho que foi má ideia tirar isso da sua boca!
 O homem fez um gesto apontando para a mordaça.
- Onde está a minha mãe?
- Não temos permissão para te dizer nada mocinha, acho melhor ficar na sua, em breve você não verá mais a luz do dia!

 


Notas Finais


Amanhã me livro do ENEM pessoal, vou voltar a escrever logo, trazendo capítulos com mais frequência. Falta pouco para o fim então podem esperar capítulos de tirar o fôlego a partir de agora!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...