História Autópsia de um Crime - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Deimon Salvatori, Justin Bieber
Visualizações 3
Palavras 709
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - VI


- A verdade. - Sensualizou a ruiva.

- Uma coisa inteligente. - Brian.

- A verdade é que vocês não são de nada.

- Vamos lá explique melhor. - Agora parece o Deimon de sempre.

- Quem precisa de motivo? Ninguém precisa de motivo para matar. Hoje mesmo você abriu um garoto de 16 anos que levou um tiro porque alguém queria um maldito IPod. Que tipo de motivo é esse? Somos animais. Nossa natureza é matar. Básico. Simples. Claro que somos civilizados, socializados e falamos sobre isso bebendo cerveja. Não agimos. Mas se pudessemos matar qualquer um? Nois matariamos simples assim.

- Parabéns, você é um homem que me conquistou. Brian vamos pega mais cervejas.

Deimon saiu da mesa com os garotos me deixando com as duas garotas.

- Gostei de você sabia. - Ruiva não quero problemas com o Deimon.

- Mellanie não de em cima do Bieber, nos temos que ir. - Então esse é seu nome, é perfeito para ela, se encaixou direitinho.

- Niki vai brincar com os garotos. - Esse é o nome da japonesa, ta ficando bom isso.

- De onde você é? - Nossa como sou burro ela vai me achar um idiota.

- Acho que podemos pular essa parte. - Ela me olhava fixamente se insinuando.

- Tabom. - Ela riu de deboche, fudeo acabou tudo.

De repente Deimon aparece com um copinho de uisk e entrega pra ruiva.

- Beba, vamos, nos temos que ir.

- Onde nois vamos?

- Não Justin, nois vamos, você pega um taxi.

- Sinto muito amigo. - Brian bateu em minhas costas se despedindo.

A ruiva riu foi até o Deimon e o beijou ele percebeu que eu fiquei olhando e veio até mim.

- Não fica chateado. Toma outra cerveja. Amanhã a noite só você e eu.

- Vamos fazer o que?

- Nada muito agitado.

(...)

Já estava loco, eu e Deimon estavamos correndo na rua com seu carro. Coloquei quase todo o meu corpo pra fora do carro e começei a gritar Deimon também gritou, nos não paravamos de rir. A música era um rock pesado e estava bem alta Deimon fumava e eu estava com uma garrafa de cerveja em mãos.

- Cuidado com o carro cara você está na contra mão.

- Mas o cara tava na minha faixa.

Rimos e o meu celular toca, Deimon encosta numa rua abandonada e desço mas não há sinal.

- Venha, quero que veja uma coisa.

- Espera deixa eu abrir isso, DROGA! - Meu celular era de abrir e ele não quis abrir, fiquei nervoso e gritei.

- Shiu cara venha.

Deimon para em frente a uma porta de latão e bate. O cara abre a porta e percebo que cujo seu crachá ele diz ser Deivin, ele era moreno e suas roupas que mais pareciam trapos sujos e rasgados.

- Quantos são? - Diz olhando nos olhos do Deimon.

- Quantos você vê? - Ele olha pra mim ri e o cara responde.

- Cento e cinquenta. - O que será? Pra entrar? Nossa deve ser algo emocionante.

- Cinquenta. - Deimon tenta convençe-lo mas não da muito certo.

- Cento e cinquenta.

- Olha cara, aqui tem 80 pratas ou a gente entra ou abre o bico. - O Deivin pegou o dinheiro cherou e aceitou.

Deimon você é loco, onde estamos. O lugar tinha uma luz vermelha varios quartos, varias mulheres de todos os tipos tamanhos e alturas todas sem roupas, quartos sem portas com pessoas transando, eu estava meio tonto e estava ficando enjoado. Uma moça só de jaqueta e ela cobria a cabeça com a toca, passou em nossa frente.

- Como vai a herpes? - Deimon indagou deixando garota timida e ela saiu correndo.

Andamos mais um pouco...

- Está nervoso?

- Não, mas também não vou tirar minhas calças.

- Tem certeza disso?

Passamos por uma porta e tinha um garoto de mais ou menos uns 8 anos brincando no cercadinho, era moreno e sua espreção era de assustado.

- Tudo bom garoto?!

- Merda, isso não é real. Isso é pra valer?

- Oi gata.

Deimon disse pra uma velha gordona e acabada e ela era morena. Não me diga que ele quer tranzar com ela ou pior fazer um menage eu, ele e ela. Meu deus aqui é o inferno. Corri pra fora de lá e não aguentei, vomitei, peguei um táxi e fui pra casa.


Notas Finais


Confuso? O que acharam? 😘❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...