1. Spirit Fanfics >
  2. Autumnus Hieme >
  3. VI - Oceano de Temores

História Autumnus Hieme - Capítulo 7


Escrita por: e O7WEASLEY


Capítulo 7 - VI - Oceano de Temores


Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Pelo menos as correspondências chegaram. Eu odeio ter que desvendar os códigos até entender as mensagens, vou levar a tarde inteira nisso.

Tom Riddle
@_TRiddle
Hm. . . Que tipo de codificação?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Todas as linhas são charadas e cada resposta forma uma frase que guia para o tópico de cada carta, irritante.

Tom Riddle
@_TRiddle
Isso parece interessante. Desafios mentais são bons de vez em quando. . . o que dizem as linhas?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Falam sobre as últimas missões do Moony. Os lobisomens não lutarão ao nosso lado, não todos eles. . . e Greyback quer o meu pescoço, nada demais.

Tom Riddle
@_TRiddle
Isso foi o que você conseguiu descobrir até agora? Hm. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
. . . Sim. Vai me ajudar ou vai ficar olhando? Só não pegue as cartas do Charlie.

Tom Riddle
@_TRiddle
*suspirou com certo exaspero e revirou os olhos, murmurando mais para si mesmo* não sei porque acreditei que não precisaria explicar tudo minuciosamente. . . Eu quero a mensagem completa, Ginevra; não apenas o que você supostamente conseguiu decifrar. A propósito, quem enviou as cartas codificadas?

. . . o que tem de mais nas cartas do Charlie?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ São cartas da Ordem, Tonks, Ministério. . . notícias e algumas eu nem faço idéia. Bem, é coisa de irmão.

Tom Riddle
@_TRiddle
Por que o Ministério lhe enviaria cartas? Bom, consigo imaginar algumas coisas. . . coisa de irmão? Hm. . . de repente isso me parece muito interessante.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Estou inscrita em alguns estágios para departamentos específicos, devem ser as repostas de sim ou não. Se abrir eu jogo você para os dragões.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Algum desses Departamentos é o de Imprensa? Abra de uma vez.
HUAHUA! Com os dragões de quem? Se for os do Hagrid, esqueça; com alguns mimos serão acalmados em segundos. . . se forem os do seu irmão, nada que um pouco de conversa não resolva.

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ A maioria é, mandei muitas cartas com matérias minhas até conseguir. Seu bom humor é engraçado, vamos ver se consegue rir quando sua cabeça for comida por um.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Se não os convencer pelas cartas, será pela irritante insistência.

Serpentes não são os únicos animais que sou capaz de controlar, Ginevra.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Não é irritante correr atrás dos próprios sonhos, seu tolo. Tenho pena dos pobres répteis que darão ouvidos a você.

Tom Riddle
@_TRiddle
Certo, talvez você não seja tão condizente com a Sonserina, tsc- Não falei sobre o fato de ir atrás do que quer e sim o modo deliberadamente insistente com que o faz.

Ah, não são só répteis. Animais em geral.
Costumo ter uma boa comunicação com eles.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
É um sofrimento do qual fui poupada, fundador de esgoto que ainda me faria ficar embaixo do lago. Você faria diferente? se não aceitassem por cartas eu iria lá tirar satisfações. Hm. . . conseguiria me entender como raposa?

Tom Riddle
@_TRiddle
“Sofrimento” e “esgoto”? Pfffff, só relevarei porque percebo o quanto de despeito e arrependimento estão embutidos nessas palavras. Obviamente eu insistiria. . . mas não da mesma forma que você.

Consigo. Não falo exatamente a mesma língua nem entendo de uma maneira humana os sons que emite. . . é como se fosse uma compreensão e uma comunicação mais subjetivas.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
aRrEpEnDiMenTos, pfff. Então você deveria insistir mais em coisas que valem a pena. Então se eu xingar você...você não vai entender? Que sem graça, preciso testar isso.

Tom Riddle
@_TRiddle
E quem disse que não insisto? Só utilizo a persuasão e o calculismo ao invés da impulsividade quando desejo muito algo. Em último caso… punição.

Na verdade entenderei perfeitamente, Ginevra.


(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Tem um pequeno vagalume na cozinha, adorável.

Tom Riddle
@_TRiddle
Apague todas as luzes a abra a janela; testemunhará um evento único.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Vai ficar...escuro?

Tom Riddle
@_TRiddle
Nem irei respondê-la; apenas faça o que eu disse.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Whoa, parece uma constelação!

Tom Riddle
@_TRiddle
Parece. . . e agora o vagalume poderá se guiar para o lugar ao qual pertence. Está saindo da janela. . .

Sempre gostei de observá-los à noite.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Uma vez eu e papai fomos pescar, eles fizeram uma pequena cortina sob a água. . . você iria adorar.

Tom Riddle
@_TRiddle
Deve ter sido realmente bonito. Como luzes de Natal. . .

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Achei um walkman na sala do Filch, vou tentar achar o dono.

Tom Riddle
@_TRiddle
É do Filch.
Ele escuta música escondido.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Só tem tango no mixtape dele, que engraçado.

Tom Riddle
@_TRiddle
Argh, que nojento. Ele deve estar praticando para o dia improvável em que dançará com a porca rosa pelos corredores. . .

E. . . ele também tem uma coletânea só de cantos gregorianos.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não são músicas ruins, ele deve dançar com a madame Norra. Cantos gregorianos. . .

Tom Riddle
@_TRiddle
Claro, ele pega a coitada de mártir para treinar. . .
Sim. Ele põe à noite após a ronda para dormir. É por isso que se pode ouvir alguns lamentos fantasmagóricos perto dos aposentos dele.

(...)

(Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Ele deve estar sonhando acordado se acha que manda em mim, tsc. Patético.)

(Tom Riddle
@_TRiddle
Ela ainda queimará aquela língua anormalmente grande dela por tagarelar bobagens demais.)

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Devolvi o walkman do Filch. Madame Nora me olhou com cara de quem ia contar, aquela gata não é normal.

Tom Riddle
@_TRiddle
Roubando um importante item de um pobre homem, Weasley? Tsc, tsc, que covardia. . . aposto que você o furtou transfigurada.

. . . sempre desconfiei que Madame Nora fosse mais do que uma gata.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você assiste Dora Aventureira demais, eu não sou o raposo. E- eu não roubei! Peguei emprestado, assim como fiz com o seu caderno. ㅤela é....é um demônio!

Tom Riddle
@_TRiddle
Acho que ela possa ser uma maledictus. . . Pffff, tarde demais. Se me dissesse isso antes de se transformar em uma raposa, eu - quase - acreditaria. Ah, o velho “pegar emprestado sem permissão e por tempo indeterminado”? Conheço muito bem esse e----- QUE CADERNO?!?!

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Male- male o quê? Não grite, seu tolo. Um caderno comum, eu precisava de folhas. . . tem algo a esconder? Puff.

Tom Riddle
@_TRiddle
“Maledictus”, tonta. É uma mulher portadora de uma maldição sanguínea que lhe concede a habilidade de se transformar em determinada criatura, mas está fadada a se tornar tal animal para sempre. . . Não gritei - falei mais alto, pirralha. . . Seus pais não compram cadernos para você?!
Ah, tenho. Vários planos sórdidos para dominar o mundo *revira os olhos e diz mais para si mesmo em seguida* tenho que parar de deixar pertences no dormitório, tsc.

@O7WEASLEY
Madam Nora realmenta deve ser uma, aqueles olhos. . .ugh. Pirralha é? Nunca vou devolver o seu caderno, seu velho rabugento.

Tom Riddle
@_TRiddle
Velho rabugento?! Ora--! Ah, é mesmo? Tudo bem. . . aquele caderno continha alguns rascunhos de experimentos de magia relativamente obscura e está protegido por algumas maldições. . . não me impressionará se seu rosto começar a derreter por reter o caderno por muito tempo daqui a alguns dias. . .

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Ótimo! Vou jogar ele na privada e assim ficaremos seguros, obrigada pela idéia.

Tom Riddle
@_TRiddle
Jogue. Ele retornará, pulará em seu rosto e começará a comê-lo.
Qual a parte de "ele está protegido por algumas maldições" que você não entendeu? De qualquer forma, me chame se tentar se livrar dele. Quero ver tudo de perto.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Se Charlie contar aquilo a mamãe... eu conto a ela sobre a tatuagem de dragão que ele fez na bunda, acredito que vai ser bem mais interessante.

Tom Riddle
@_TRiddle
Que chantagista, tsc, tsc. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Um segredo por outro, chamo isso de negociar.

Tom Riddle
@_TRiddle
Ainda acredito que você teria se encaixado muito bem na Sonserina. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Nem imagino o porquê. . .

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Se imaginasse. . . sabe que não me repetirei dessa vez.

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Imagino, mas gosto de ouvir você falar.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Sei que gosta. Mas vou deixar que ouça meus motivos nas lembranças que possui.


(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Foi um dia bem legal, voar é libertador.

Tom Riddle
@_TRiddle
Ah, sei bem como é essa sensação. . .
É como praticar Parkour.

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Não sabia que você praticava esportes.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Alguns. Corrida também.

Além de ser bem útil em lugares que frequento, me dão a sensação de que posso fazer tudo como desejo.

Especialmente olhando tudo e todos pelo topo de um edifício alto.ㅤ

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ Quero ver isso de perto, você não é desengonçado com essa altura toda?

Tom Riddle
@_TRiddle
Óbvio que não. Eu realmente não ouvi você dizendo essa baboseira. . . a gnomo de Hogwarts que tropeça nos próprios pés quando está bêbada de sono, chateação ou distraída quer mesmo entrar nesse mérito?

ㅤㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Sou uma ótima atleta! Saberia se prestasse atenção, só ando distraída nos últimos meses. . . ao menos não estou blefando quanto ao esporte.

Humpf.

Tom Riddle
@_TRiddle
Só no Quadribol. . . quem disse? Desde que a conheci você tem diversos momentos de distração, Weasley.

Tom Riddle
@_TRiddle
Nem eu. Minha consciência está em paz.

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ O motivo da minha distração sumirá em breve.

Tom Riddle
@_TRiddle
Sempre haverão outros. Nem que seja por necessidade de seu cérebro.


(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
O bolso da minha capa rasgou e eu o perdi, se alguém achar eu estou perdida.

Tom Riddle
@_TRiddle
Hm, sinto cheiro de desespero no ar. . .
https://twitter.com/_TRiddle/status/1330611614769405960?s=20

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Desespero? Quem está desesperada? Pff, porque eu não estou. Pareço desesperada? ...

Tom Riddle
@_TRiddle
Seria por causa desse. . . diário aqui?
Que caderno formidável. O que será que ele nos tem a revelar?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você não...leu? Devolva! E não ouse colocar essa porcaria no alto, Tom Riddle-

Tom Riddle
@_TRiddle
Lógico que não; não seria um espetáculo se você não estivesse presente. - Opa! Tsc, tsc, parece que alguém vai precisar crescer alguns muito centímetros para alcançá-lo. . . E se por acaso ele. . . puf! Sumiu!

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Merlin me dê paciência para não socar a cara desse salafrário! safado! ladrão! - Me devolva agora.

Tom Riddle
@_TRiddle
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!
Que delicioso será vagar por suas páginas antes de dormir. . . Um excelente dia para você, Weasley.

("Salafrário, safado e ladrão". Como é? "Falo coisas fofas em um tom raivoso"? Ah, sim.)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Vou me arrepender de implorar e você vai se arrepender de ler. Porfavor. . . me devolva?

Tom Riddle
@_TRiddle
É satisfatório vê-la implorando e eu poderia acabar com seu sofrimento logo se quisesse, mas. . . não.

(Eu poderia tê-lo lido no dia em que o encontrei, mas logo percebi que aquele bendito caderno é como a caixa de Pandora. Assim como a mente dela.

Ainda assim, manterei aquele diário guardado comigo por um tempo. Afinal, ela também está na posse de meus manuscritos.

Pelo menos até eu julgar conveniente.)

ㅤ(Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu pegaria a moto do padfoot e passaria em cima do Tommy umas cem vezes.)

(Tom Riddle
@_TRiddle
Ter aprendido a habilidade da intangibilidade me proporcionou uma série de vantagens.

Não ser tocado é obviamente uma delas.)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu faço chocolate quente. . .

Tom Riddle
@_TRiddle
Você não pode me comprar, Weasley.

(Ela acha mesmo que pode me subornar?
HAHAHA!

Ginevra sendo Ginevra.)

(Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Furiosa! é assim que estou, quem mais quiser brigar comigo é só vir. Pocilga de escola.)

(Tom Riddle
@_TRiddle
HUAHUAHUAHUAHUAHAUHAUHUAHUAHUA!
Impossível parar de rir. . . e olha que ela sequer precisou dos pimentões sangrentos de Fred e George. Mfffffffff!)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Também roubei algo seu, só devolvo quando me der o meu diário. E não, não estou falando do seu caderno bonitinho.

Tom Riddle
@_TRiddle
Pfffff, a foto que você havia prometido me devolver também, porém obviamente quebrou a promessa, Weasley? Nah, já desisti dela.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Sua foto está na minha carteira, pode pegar se quiser.

Tom Riddle
@_TRiddle
Sei disso. E acho que está blefando.
 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não estou, gosto dela...mas pode levar.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não estou falando da foto e ela já não me interessa mais. . . me refiro a você ter dito que roubou algo meu além do meu caderno. Porque não há mais nada de interessante que possa ter levado. . . ou encontrado.

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Oh, tem sim. . .

Tom Riddle
@_TRiddle
E o que é?

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Me dê meu diário e eu digo, simples assim.

Tom Riddle
@_TRiddle
Vê? Está blefando.
E não. Você está com meu caderno. . . aposto que se eu o devolver, dirá que estava roubando meu tempo. Tsc.

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você é feio, viu? essa sou eu blefando. Já disse que não tem nada haver com o caderno, não é material.

Tom Riddle
@_TRiddle
O tempo não é material. De todo modo, se for similar, você não me devolveria mesmo se eu o entregasse.

. . . e também não creio que quisesse me devolver. hm.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Está enganado, esse eu devolveria com o mesmo prazer que tive ao roubar.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não minta, Ginevra.

. . . mas tudo bem. Se não sinto falta, é porque não me faz falta.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Nunca fui tão sincera com você. . . se não sente eu posso roubar mais um ou dois?

Tom Riddle
@_TRiddle
Se não é material e não se trata de tempo, então não é quantificável. Portanto, não.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você disse que nem sente falta, nem vai ligar. . . eu acho.
(I stole a kiss or two and you're letting me steal some more. . . still not enough, 'cause I want the heart.
You fool, blinded for being too stubborn.)

Tom Riddle
@_TRiddle
Do que me roubou; não do que pretende roubar.
(Ginevra gosta de me enrolar. . . e acha mesmo que me engana com essa conversa.

Ainda assim ando sempre com a horrível sensação de que estou sendo roubado a todo instante.
O pior é que parece inevitável.

Mas não será.
Não será. . .

Mas se ela quer entrar nesse jogo. . . quando eu resolver roubar realmente, ela não será a última a rir.

Não mesmo.)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Agora que você roubou o meu diário., eu faço o que eu quiser.

Tom Riddle
@_TRiddle
Pelo contrário: encontrei seu caderno por fruto de um descuido seu; quem roubou primeiro foi você. . . e não é só você que faz o que bem entende *deu alguns tapinhas de leve na cabeça dela como se estivesse dizendo “muito bem” para um cachorro e exibiu um pequeno sorriso sugestivo antes de dar as costas* Até logo, Ginevra.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você adora jogar a culpa em mim, típico demais. . . * o puxou pelo colarinho e sorriu de modo instigante * leia, delicie-se com cada palavra, mas saiba que é um caminho sem fim e sem volta. Até logo, Tommy * piscou para ele saiu saltitando pelo corredor. *

Tom Riddle
@_TRiddle
Jogo até quando não puder. A culpa é legitimamente sua e sempre será. *estreitou os olhos sem se sentir intimidado com a súbita aproximação de seus rostos, mirando-a com um olhar profundo e desafiador diante de cada palavra que a garota lançou a ele* Já estou há muito em direção ao inferno, Ginevra. Diz como se eu tivesse a mínima intenção de voltar.

(Não sei se de fato é vantajoso deixar que ela acredite que eu lerei aquele diário.

...................................................
O mais prudente é permanecer quieto sobre, tsc.)

(Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não tenho mais nada a perder em relação a isso, será um sofrimento a menos deixar que ele estrague tudo.

Como vou saber que ele leu? não, não deveria ficar angustiada sobre. . . é patético, me sinto com doze anos no dia do correio de amor. argh!

O evitei por três? quatro? muitos anos, posso ficar afastada de novo, basta ele abrir a boca sobre isso.)

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Sexta feira 13.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não é todo dia que ocorre. A magia se potencializa em absolutamente todos os campos.

Aproveite.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Sim, e os trouxas ficam ainda mais superticiosos. O que você costuma fazer nesses dias?

Tom Riddle
@_TRiddle
Eu? Costumo realizar alguns atos que os trouxas consideram como malignos e típicos de bruxas. Porém também aproveito para colher e cultivar algumas plantas mágicas que têm suas propriedades potencializadas por esse evento incomum e. . . realizo passeios noturnos para relaxar e quem sabe encontrar coisas suspeitas.

E você, Weasley, o que faz?

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Eu...eu...leio Frankenstein e vejo filmes terror...enquanto como pipoca com chocolate.

Tom Riddle
@_TRiddle
É uma boa programação, gosto dos clássicos. Fiz isso no Halloween retrasado.

. . . exceto pela pipoca doce. Nada se compara à salgada.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Talvez precise de mais doses doces na sua vida.

Tom Riddle
@_TRiddle
Mais do que já tenho? Não. . . prefiro o chocolate puro.

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Admite que são doses doces? há!

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
São diabéticas, Ginevra.

ㅤGinny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ São apenas o começo.

ㅤ https://t.co/zvavnOCVjr

Tom Riddle
@_TRiddle
………….………….………….………….

de um coma hiperglicêmico.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
https://twitter.com/O7WEASLEY/status/1327245383072935939?s=20

(Tom Riddle
@_TRiddle
Aquele sorriso não sai mais da minha memória. . . . não importa o quanto eu feche meus olhos.)


(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu podia jurar que vi a forma do meu patrono por alguns instantes, só mais um pouco e chego lá.

Tom Riddle
@_TRiddle
Só falta um pequeno detalhe.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Ainda estou tentando descobrir qual, talvez eu devesse ter aprendido antes de me transformar. ouch.

Tom Riddle
@_TRiddle
O fator é independente à animagia.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
E o que você presume que seja?

Tom Riddle
@_TRiddle
Sua impulsividade mal-direcionada.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Preocupada sobre tudo. Preciso de um abraço, merda.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não poderei ajudá-la nesse quesito específico, mas se quer saber. . . um momento de olhos fechados com a cabeça no gramado próximo ao lago alivia as preocupações.
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
O gramado perto do lago? Bem, eu vou tentar então. . .

Tom Riddle
@_TRiddle
Sim. Não há alunos circulando por lá, então ninguém irá atrapalhá-la.


(...)

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Finalmente as coisas estão um pouco mais claras, quem sabe eu consiga decifrar isso antes de todos.

Aquele dia no ministério a alguns anos. . . conheço a porta de algum lugar, que inferno.

Tom Riddle
@_TRiddle
Conseguiu progredir, Ginevra? Isso é bom.

. . . o que mais vê? Acha que consegue estabelecer uma ordem cronológica?

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Vejo um dos departamentos perto do escritório do meu pai. . . nunca entrei lá mas já vi a porta aberta. Vou tentar algo na aula de adivinhação.

Tom Riddle
@_TRiddle
E a sensação é boa ou ruim quando vê o escritório dele?
É bom consultar a Trelawney. Apesar de ser um pouco caótica, suas previsões costumam ser certeiras.

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
No momento? é pior do que me lembrava. Vou tentar, ela fez o favor de se isolar na torre mais isolada da escola.

Tom Riddle
@_TRiddle
. . . Então alerte a seu pai para que fique atento no trabalho. Esses sinais nunca são coincidência e é no subconsciente que somos avisados de muitas coisas.

Não é de se espantar. Umbridge a humilhou da última vez.

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Mandei um berrador carinhoso o avisando, espero que ele goste. Humpf, eu teria ido de queixo erguido e ainda teria brigado com Umbridge se fosse ela.

Tom Riddle
@_TRiddle
Um “berrador carinhoso”? HUAHUAHUAHUA! A maneira inusitada com que você possui de lidar com as coisas me entretém.

Pois é, porém nem todo mundo tem essa coragem. Trelawney é muito temerosa e suscetível à subjugamento.

 Ginny Weasley
@O7WEASLEY
É bem legal, ele fala coisas fofas em um tom raivoso. . . assim como eu.
https://twitter.com/O7WEASLEY/status/1318733807210663936?s=20

Tom Riddle
@_TRiddle
. . . o contrário também se aplica.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Madame Pomfrey me avisou 'pra não tomar tantas poções. . . não me sinto bem.
Yeah, o chão vai me segurar.

Tom Riddle
@_TRiddle
Cuidado, Weasley. Pretende usar o chão como cama também?
. . . Não deveria estar consumindo poções em excesso.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Tommy?

Tom Riddle
@_TRiddle
Não seja irresponsável com as poções. Já lhe disse uma vez que podem ser perigosas em demasia.
Teve sorte de eu ter passado agora.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Mas, mas. . . foram só quatro.

Tom Riddle
@_TRiddle
“fOrAm sÓ qUaTrO.” Você sabia que apenas uma gota de Saliva de Diabo é o suficiente para matar um adulto?

Não as subestime, Ginevra.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu estava com dor de cabeça e tomei uma poção para dor, meu rosto estava machucado então tomei uma poção para que cicatrizasse. . . fiquei tão agitada que tomei uma poção para dormir- fiquei enjoada com tudo e tomei mais uma para enjoo. Duh.

Tom Riddle
@_TRiddle
Misturar poções com princípios ativos distintos também pode resultar em efeitos colaterais desagradáveis.

. . . Mas esqueça. É inútil tentar lhe explicar.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não eram distintos. . . tem alguma poção 'pra calar a sua boca e me levar até a enfermaria?

Tom Riddle
@_TRiddle
Se você prestasse mais atenção no conteúdo ministrado durante as aulas e nos rótulos dos frascos de cada uma, saberia. . . E, não, não há. Irei com todo o prazer perturbar seus ouvidos até que genuinamente admita que estava errada.

*revira os olhos*

Vamos logo. Atente-se para não tropeçar e deixar que sua fuça vá direto de encontro ao chão. No estado em que você se encontra. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Estou quase desmaiando e você está brigando comigo. . . seja mais legal comigo, e- eu sou sua amiga. Que inferno de poção! Prefiro remédios trouxas, Tommy?

Tom Riddle
@_TRiddle
Sim, estou. Ninguém mandou você ser terrivelmente imprudente.
Remédios trouxas são produzidos e reagem da mesma forma que poções; a diferença é que não resultam em efeitos mágicos como algumas.

. . . . . . É. *sacode a cabeça em reprovação* Você mal se sustenta em pé. *ergue-a e a leva no colo*

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu não fui iMpRuDeNTe, só estava com dor demais 'pra ligar para a burocracia das poções. Vocês estão gritando muito alto quatro Tommy's. * encosta a cabeça em seu ombro e resmunga*.

Tom Riddle
@_TRiddle
Tem razão. Você foi imprudente e negligente, Ginevra. É assim que os acidentes acontecem. . . Se não soubesse que seu estado foi causado pela mistura indevida de princípios ativos, diria que está bêbada.

*revira os olhos em impaciência e afunda o rosto de Ginny nas vestes para fazê-la parar de falar*

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Nunca fiquei bêbada, só aquela vez com seis anos quando pensei que tinha suco de uva naquela taça. . . é horrível, ew. Estamos chegando? * abraçou o pescoço de Tom e enxugou a própria testa*

Tom Riddle
@_TRiddle
…………………………………………………… Então já ficou bêbada. E vinho é uma bebida primorosa.

*Riddle a ajeitou nos braços e a mirou brevemente* Sim. . . Madame Pomfrey, encontrei Ginny prestes a entrar em colapso e desmaiar nos corredores. Ela anda ingerindo poções diversas e demais para findar o estresse.

. . . Creio que alguns dias de repouso na enfermaria sejam suficientes, não?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu. . . eu- Tommy?! Ele é quem me estressa, Madame Pomfrey! Não é minha culpa, você vai ficar aqui não é? Ela não gosta de mim... * ela sussurrou o olhando seriamente e acabou apontando para o espaço vazio ao seu lado.*

Tom Riddle
@_TRiddle
*revira os olhos* Muitas pessoas me estressam, Weasley, mas não desperdiço o dia inteiro bebendo vinte frascos de várias poções que juntas causam sérios efeitos colaterais. . .
*diz sutilmente mordaz* E é claro que ela já não suporta mais se deparar com sua fuça sardenta, Ginevra. Você está acabando com todo o estoque dela. . .
*expira exasperado e inspira, se recompondo*
………………………………………… É lógico que vou ficar. Talvez assim você não cometa mais uma loucura como essa.
Pelo menos até se recuperar. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você me estressa, me acusa na frente da enfermeira e ainda fala mal das minhas sardinhas. . . estou fraca mais ainda posso te machucar, o seu leito seria aquilo do lado! seu...humpf. * vira de costas para ele na maca e se encobre*

eu odeio você. . . obrigada por estar aqui. Agora seja bonzinho e guarde o meu sono, fechado? * se virou de frente para ele e sorriu cansada antes de adormecer sob cuidados de Pomfrey*

Tom Riddle
@_TRiddle
Acuso com fatos! Veja como esses compostos estão afetando seu cérebro. . . Dizer que você tem o rosto sardento é sinônimo de falar mal delas?

Ah, sim. . . Me machucar com uma expressão carrancuda? Hm. *ergue a sobrancelha em sério sarcasmo*

*estreita os olhos* A recíproca é ��������������������, Ginevra. . . . . não foi nada.
*encara-a por um momento em silêncio e calma e atenta seriedade até suspirar enquanto sacudia a cabeça, demorando um tempo consideravelmente longo para cair no sono*

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
*Ginny olhou para o garoto ao seu lado, ele parecia tranquilo dormindo em uma poltrona perto de seu leito. . .passou o indicador pela marca em sua bochecha sem que ele acordasse e apenas sussurrou. "Boa noite, azul" antes de voltar a dormir, sabia que ele estaria em seus sonhos.*


[Ginny Weasley
@O7WEASLEY
(Ninguém entende minha lógica.)

Tom Riddle
@_TRiddle
(. . . A lógica ilógica, é dessa sobre a qual ela está falando.)]

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
December,1995..ㅤ ㅤ
(Lendo as cartas antigas do papai. . . ele realmente adora falar sobre o estudo dos trouxas. Estou com uma sensação ruim de novo.

Quem diabos está batendo na porta essa hora. . .
. . . . . . . . . )

 "Daddy´s little girl, paints the world with her magic wand. ." cantarolava ' Molly's smile ' enquanto observava taciturna o corredor escuro do hospital St. Mungus. A música costumava ser uma canção de ninar que seu pai cantava na infância, apenas um dos muitos elos que possuíam. Arthur havia mostrado o mundo da música, esportes e cada pequeno detalhe que havia moldado a personalidade divertida e explosiva da Weasley mais nova. Poderia afirmar que o pai era seu melhor amigo em todo o mundo. . .
. . . a simples menção de perdê-lo a aterrorizava, e por mais que fosse boa em erguer barreiras contra si na tentativa de sempre parecer forte, jamais havia sido tão quebrada, jamais havia estado tão devastada quanto estava perante as paredes frias do hospital bruxo.

Seu pai havia sido atacado durante a madrugada, uma tentativa fria e horrenda de lhe tirar a vida em troca de algo que o mais velho protegia em seu trabalho. Por um triz e pela ajuda de Harry Potter, o matriarca de sua família havia sido resgatado as pressas.

Ela e seus irmãos foram acordados durante a madrugada em uma pequena comoção na diretoria. Ao mesmo tempo que estava preocupada por deixar Harry com Snape, não havia nada que a impediria de ficar longe do pai.

Um pequeno ronco a tirou de seus pensamentos e um sorriso brotou em seu rosto por intrínsecos segundos, Ron e os gêmeos dormiam amontoados um no outro em um pequeno banco em frente ao quarto em que o pai estava.

Desejou ter um sono tão pesado e a consciência tão limpa quanto a dos ruivos. Com cautela tirou o casaco que usava e encobriu os três da melhor forma que podia, assim como haviam feito com ela a anos atrás, sussurrando " boa noite, Freddie " quando o mesmo se mexeu.

Abraçando o próprio corpo e andando lentamente, ficou na ponta dos pés e olhou pela pequena janela redonda na porta branca a sua frente. . . Molly descansava sentada ao lado do marido, como se estivesse disposta a acordar a qualquer instante em seu chamado.

O corpo enfaixado do pai e o rosto marcado pela brutalidade das mordidas que havia levado estavam alí, sendo zelados por feitiços cuidados a sua volta. Algo em seu peito remexeu em angústia, como se a raiva tomasse conta de seu corpo.

Ginny havia chegado ao limite.

Perdendo o último grau de compostura quando avistou Percy Weasley na sala de recepção a alguns metros longe de si, a expressão desdenhosa dele enquanto observava o local com desgosto, portando um buquê de flores medíocre em sua mão.

Em passos furiosos correu até o irmão que a olhou curioso, os eventos que se sucederam foram rápidos demais para que o garoto em seu terno alinhado conseguisse se defender. Ginny lhe lançou tapas, pontapés, socos e tudo o que poderia fazer sem um varinha.

O mais velho segurou o próprio rosto vermelho pela bofetada que ela havia dado e pediu que as enfermeiras se afastassem, a ruiva pouco ligou para a atenção em si e a mão ardendo. " O que acha que está fazendo, Ginevra?! " Percy disse em um tom sério e a encarou.

"Escute, eu só vou falar uma vez. " Ginny vociferou em um tom raivoso e bufou de raiva com os olhos marejados antes de inspirar e tornar a falar. "Você é um covarde, um hipócrita. . . eu confiei em você. mama confiou em você! E você deixou que eles o machucassem, Percy. Você só pensa em si mesmo e a preço de quê?! Está lutando tanto para se tornar algo. . . quando Voldemort chegar não restará nada, não restará cargo ou a quem você possa recorrer. "

Enxugou o rosto de forma bruta e soluçou. " Diga ao seu ministro de merda, que se ele continuar cego será o próximo. Quanto estiver no topo da pirâmide que tanto deseja, Percy. . . olhe para baixo, nosso sangue vai estar lá."

"Você é apenas uma criança, Ginny. Não sabe nada sobre o mundo. " disse seco evitando olhar nos olhos castanhos da irmã. O olhou com mais magoa que o comum e tocou a própria testa que ardia em febre.

"Escolha seu lado, Percy. . . antes que alguém escolha por você. " disse fechando os olhos e deixou o corpo cair para trás. Deixando que a exaustão das missões para a Ordem, aulas com a armada, a animagia e o regime de Umbrige a consumissem por completo.


Tom Riddle
@_TRiddle
Os passos firmes e calculados de Riddle e os apreensivos de Hermione ecoavam pelos corredores desertos do St Mungus por conta do horário tardio.

Recebera a notícia diretamente através de Harry naquela noite. O garoto havia tido um pesadelo, mais uma das poucas - porém alarmantes - visões, no qual dessa vez o Sr. Weasley estava sendo atacado por uma grande serpente enquanto deixava seu trabalho no Ministério para uma das reuniões da Ordem da Fênix.

Imediatamente, os dois foram ao encontro de Dumbledore, que providenciou os contatos e os auxílios necessários para que o patriarca dos Weasley fosse resgatado a tempo.

Tom havia ficado por último, a fim de avisar Hermione sobre o incidente.

Ou melhor: tentativa de assassinato.

Mas com que finalidade?

Seus orbes cinzentos visavam certeiros o destino à sua frente, embora sua cabeça estivesse distante em reflexões analistas.

Ele não acreditava se tratar de uma coincidência.

A começar pelo ano letivo anterior, antes mesmo de ter início: Harry tivera seu primeiro - e único, na época - pesadelo envolvendo Voldemort, Rabicho e o que parecia ser um plano traiçoeiro e bem arquitetado a ser executado na última Copa Mundial de Quadribol e, conforme o final do Torneio Tribruxo foi concebido, cruelmente concretizado com o retorno de Voldemort às escondidas da sociedade, de modo que as palavras de Harry fossem contestadas e evitadas covardemente pelo Ministro da Magia, que não queria perder o suporte da sociedade bruxa.

E naquele quinto período letivo, os pesadelos de Harry pioraram.

Alguns não eram claros e nenhum deles ocorria com regularidade; porém todos tinham algo em comum.

Voldemort.

Desde o quarto ano de Harry. . . Tom sabia que sua contraparte havia transferido muito mais do que os poderes na noite em que os pais dele foram mortos.

Obviamente uma transferência não-intencional.

Era provável que a proteção de Lilian tenha resultado em tal efeito colateral raro e, muito provavelmente, a estranha conexão entre Voldemort e Harry tenha se fortificado assim que ele usara o sangue do garoto para ressurgir.

Talvez por aquela razão Harry fosse capaz de ter lapsos de visões sobre Voldemort e Riddle, não.

Porque, embora sua contraparte fosse uma fração de sua alma, Tom cada vez mais se distanciava dela.

Além de sua mente ser uma fortaleza.

Suas respostas e pensamentos foram oriundos de longas observações e conhecimentos prévios daquele ramo das artes obscuras, pois Dumbledore não compartilhara consigo as hipóteses mais profundas e possíveis elaboradas por ele.

Porque o velho diretor nunca expunha as regras do jogo com clareza, a fim de que as coisas fossem manipuladas a seu favor.

Mas Tom não precisava da "sábia" bagagem dele para chegar às próprias e precisas conclusões.

A única coisa que Harry deveria por hora, em sua opinião, era aprender a bloquear a mente. Pois as visões poderiam servir a seu favor - como naquela noite.

Contudo, poderiam ser uma armadilha.

E se o ataque ao Sr. Weasley tivesse sido uma isca?

Se Harry fosse capaz de ignorar o burburinho e a pressão ao seu redor - além de tirar de sua cachola obtusa que a mente deveria estar completamente aberta às "premonições" -, estaria tendo maior proveito com o que Tom tentava ensiná-lo acerca da Oclumência.

Não contava com Snape, já que ele e Harry tinham seus desentendimentos de longa data, o que prejudicava o ensinamento e o aprendizado.

Os cabelos flamejantes que pintavam o final do corredor assim como o sol que iluminava a cidade após a madrugada indicaram a Tom que logo chegaria.

E o fez se pegar pensativo mais uma vez.

Mesmo que ele tenha sentido os efeitos de uma demorada e cuidadosa lapidação de sua personalidade e visão de mundo, como abrir-se à amizade e refrear seus impulsos mais hostis, ele era incapaz de sentir como os outros.

Na maior parte das vezes, ele não sentia.

A menos que tivesse passado por situação semelhante.

A dor e a angústia não o haviam afetado quando soube do incidente com o Sr. Weasley. Ao invés disso, fora acometido por um leve intrigar, seguido de uma análise fria e científica que pudesse levá-lo a respostas sobre o ataque.

Ainda assim, jamais desejara que aquele infortúnio tivesse ocorrido ao Sr. Weasley.

Ele era uma pessoa por quem Riddle tinha consideração. Não somente pela personalidade humilde, leal, esforçada e de boa índole, além da mente aberta para assuntos diversos, como também por ele tê-lo recebido - ainda que motivado inicialmente pelo acordo com Dumbledore - com cordialidade, evitando se agarrar em ressentimentos pelo mal que ele ocasionara à sua única filha em seu segundo ano.

E alguma coisa no semblante e na aura de Ginny o incomodava profundamente.

Podia perceber como estava péssima.

Tom geralmente era indiferente ao sentimento alheio.

Mas se irritava e não sabia o porquê de as preocupações de Ginny o afetarem ao ponto de desejar vê-la com o jeito confiante, estupidamente alegre, ousado e irritante que sempre tivera.

Ela tivera tantos maus pressentimentos a respeito do pai. . . e todos os esforços, tanto dela quanto dele, não puderam evitar o terrível ocorrido.

Ele se sentia impotente. Inútil.

Porém, embora aquela raiva e indignação por aquela influência não-intencional de Ginny sobre ele perdurasse, seu autocontrole se encontrava mais fortificado, a ponto de não transparecer todos aqueles sentimentos; especialmente o de parecer se importar demais com o estado dela.

Até porque não poderia permitir que seu ser se tornasse um livro aberto nas mãos da garota.

Enquanto Hermione erguia-se na ponta dos pés na tentativa de ver como o pai dos Weasley se encontrava, Tom se sentava próximo à Ginny no banco, mirando-a com um olhar ligeiramente cabisbaixo pelo constrangimento da situação.

Ela parecia repousar com os olhos fechados.

Mas não dormia.

Não ainda.

Então perguntou com a voz baixa, com cuidado para não assustá-la.

"Como ele está?"


Ginny Weasley
@O7WEASLEY
"hm. . ." resmungou durante o sono leve e abriu os olhos assustada com a fala tão próxima, colocando a mão na testa por ter levantado rápido demais e tornou a se sentar, levemente tonta e coçando os olhos cansados enquanto um suspiro longo escapava.

Os olhos castanhos o encararam por alguns segundos antes de repetir o que tinha falado várias vezes no dia. " Três costelas quebradas, seis mordidas... uma na jugular, alguns arranhões e transfusões de sangue. Ele vai estar um pouco melhor assim que acordar, foi por pouco."

Despejou as informações de forma cansada e se jogou sob o banco, deitando a cabeça na coxa de Riddle enquanto encarava o teto evitando olhar em seus olhos. " Você, Harry e Hermione estão bem? "

Disse balançando os pés - cobertos por pantufas grossas de hipogrifos de pelúcia - de modo ansioso, visivelmente preocupada com os três, mesmo que não fosse a pergunta que deveria fazer naquele momento. " Preciso falar com você. . . " bocejou tocando a testa quente.

Tom Riddle
@_TRiddle
“Assustei você?”, voltado para ela, questionou sério com uma sobrancelha erguida e os braços cruzados. Tornou por uns instantes a olhar para o vazio do corredor à sua frente. “Sinto muito, não foi minha intenção. Não desta vez.”

O sonserino assentiu com a cabeça em um sinal de que entendera e concebia as imagens em sua mente, de acordo com as informações que lhe eram passadas.

Sua testa se franziu momentaneamente. Por alguns segundos viu-se imóvel, importunado e hesitante, quando Ginny displicentemente repousara a cabeça em sua coxa. Parecia que quanto mais reclamava e deixava claro o quanto contatos físicos o incomodavam, mais ela não lhe dava ouvidos. Por um momento pensou em protestar e colocá-la de volta sentada no banco, mas. . .

O fato de que o cansaço físico e mental estava tão nítido no corpo dela, além de ela parecer mais confortável após a devastadora notícia, o fez mudar de ideia.

“Nós?”, perguntou, estranhando a pergunta impertinente para o momento. “Posso dizer que sim, apesar do evidente estresse de Harry, que está agora com Snape e McGonagall, e da aflição de Hermione. . .”, indicou com a cabeça a amiga, que agora sentava ao lado de Rony, abraçando o próprio corpo. “. . . ainda bem que Harry e Dumbledore conseguiram agir a tempo.”

Mirou com curiosidade dos pés de Ginny - que, mesmo em situações delicadas, era capaz de esbanjar seu estilo irreverente para roupas - à face dela enquanto ela introduzia outra questão. E, em reflexo e estranhamento, tocou a testa dela após ela fazê-lo. “Isso é assunto para outra hora”, interrompeu, já esperando que ela não desse continuidade ao que pretendia. “Está visivelmente sem condições de pensar e sua febre obviamente não regrediu. Vá dormir, Weasley.”

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
" Não, eu não estava dormindo. " Mentiu e em seguida apenas concordou com a cabeça, percebendo que a atmosfera estava triste o suficiente para que ele se desculpasse por algo. Ginny ergueu o pescoço levemente e deixou os fios ruivos se espalharem por seu colo.

Sempre gostou de deitar alí, era como normalmente recebia cafuné, mas sabia que ele jamais faria isso. Tinha plena consciência do aumento em sua necessidade de toque, mas gostava da onda elétrica que percorria seu corpo quando o abraçava, ou segurava sua mão.

Sua motivação ainda era irritá-lo, mas alí, apenas precisava que ele estivesse perto. . . e não sabia explicar claramente o porquê. " Ele deveria estar aqui, não gosto de deixá-lo sozinho, não quando vocês estão longe." disse preocupada franzindo o rosto.

" Ainda bem. . . e esqueceu de falar se você estava bem, Tommy. " observou seu olhar e corou encolhendo os pés. Logo as orbes castanhas se voltaram para Hermione com quem trocou um olhar cúmplice em relação ao garoto, ela sabia.

Sabia sobre alguns dos sentimentos confusos da garota, mas a amiga havia prometido se manter imparcial até que sua opinião fosse pedida. " Eu estou bem " escondeu os punhos machucados pela recente briga e o olhou intensamente. " Pode não ser agora, mas sabe que perguntarei sobre o que meu pai estava guardando, e porque diabos não me contou durante dias procurando o livro idiota naquela biblioteca " falou séria. Kingsley e os demais haviam omitido informações e aquilo a irritava, odiava ficar as cégas. e odiava ainda mais ser feita de tola. No fundo sabia que o conhecimento de tais fatos poderia ser usado contra ela em diversas situações, apenas era teimosa demais para aceitar aquilo. " Percy esteve aqui, eu lhe dei uma surra mas desmaiei. . . me faça um favor?"

Proferiu ainda mais chateada e virou para o lado, usando o casaco comprido dele como cobertor. " Seja um bom travesseiro e não me deixe careca. " disse ao colocar a mão dele sobre os fios ruivos e fechou os olhos, um suspiro pesado escapando, totalmente esgotada.

" Boa noite, me chamem caso ele acorde. " disse de forma arrastada como se fosse uma maquina prestes a desligar, cujo o volume desacelerava gradualmente. Havia perdido o medo de dormir perto dele, ficava mais vulnerável quando o dava a oportunidade de falar.

Tom Riddle
@_TRiddle
“Claro que não estava”, ergueu a sobrancelha em descrença ácida comedida. “Sua expressão de quem acabou de ver a luz depois de tantos anos e suas pálpebras mais pesadas do que pedra a enfeitam por puro capricho.”

A pessoa precisaria ser tão ou mais resguardada que Riddle para enganá-lo. Sabia interpretar microexpressões, tonalidade de vozes, formas gestuais e mensagens nas entrelinhas a fim de descobrir se ela se camuflava atrás de uma mentira ou não.

Ainda mais Ginny, a quem ele vinha observando com mais singularidade, de forma inconsciente ou não.

Ele a fitou indecifrável nos olhos com uma ligeira surpresa. Não se recordava de um dia sequer que alguém tivesse se importado de modo genuíno com seu bem-estar - e sua memória era um tanto quanto invejável.

Mesmo provenientes dos mais próximos, como o Trio.

Não que tivesse sentido falta de um gesto como aquele - felizmente sua autossuficiência e seu orgulho dirimiam qualquer tentativa patética de carência que ousasse se embrenhar nele.

Mas era em momentos similares a esse - e somente com ela - que era envolvido pelo morno manto do conforto; da sensação de que havia um lugar para si. Para repousar e ser entendido.

“Estou”, respondeu de maneira grave, distante e branda quando desviou o olhar. “Apenas um pouco tomado pelo cansaço, mas nada que um descanso não recupere.”

Não era apenas um cansaço físico gerado pela movimentação aflita e desgastante em seu entorno; era também um causado pelas constantes preocupações a respeito de tudo relacionado à ela que o impactava diretamente.

Estava cansado de lutar.

Mas precisava prosseguir. . .  
Então reparou com incômodo nas pequenas lesões nas costas de suas mãos. Porém o primeiro movimento que o acusasse de estar prestes a questionar fora impedido pela resposta que Ginny lhe concedera.

E não pressionou. Não julgou.

Sabia que aquelas lesões lhe eram o mínimo dos tormentos. E enxergava os motivos dela.

“Você sabe que a única coisa que posso lhe dizer são suposições”, falou sério e sincero, mirando-a diretamente. “Não tenho acesso às reuniões da Ordem. Talvez uma estúpida prevenção de Dumbledore para evitar que eu conte algo da reunião a vocês - como se eu fosse fazer isso”, acrescentou mais para si, revirando os olhos.

E a fitou de uma maneira que estava aguardando algum pedido abusado ou inusitado.

Arqueou a testa em calado e incomodado protesto; só que ela já tinha se virado. Talvez fosse por já estar fadigada e chateada com a sucessão de eventos envolvendo o tão estimado pai e um irmão cego e ingrato que a aborreceram, mas a maneira abusada e desleixada com que ela se expressara, como se estivesse lhe dando uma ordem, fez brotar em si uma ponta de irritação.

Ninguém mandava ou desmandava nele a não ser ele mesmo.  

Porém não alimentaria desentendimentos naquele instante.

Obviamente não se submeteria a um gesto tão particular de afagar-lhe os cabelos; tanto pela aproximação indesejada quanto pelo fato de que aquilo significaria estar cedendo às supostas ordens de outra pessoa - em especial uma que não deveria ser contemplada com aquele saborear; uma que ele fazia questão de vencer pelo orgulho.

Então suspirou.

Com movimentos suaves, tirou o casaco que vestia, cobrindo o corpo de Ginny com cuidado. Repousou tênue uma das mãos em volta da cintura dela, como quem previamente impedia algo de cair ou apenas abraçava com inconsciente proteção.

Simplesmente parecia certo. . . e ideal tê-la em seus braços daquela maneira.

Seus olhos não tardaram a sucumbir ao peso do sono.

No entanto, instantes antes, ao contemplar em contida e inexpressiva admiração a aura ingênua de uma Weasley mais nova entregue ao inconsciente, não pôde evitar a distante tentação de desejar passar os fios cor de cobre por entre seus dedos e senti-los embrenharem-se com o famigerado e insistente perfume de peônias, assim como de imaginar a maciez de sua pele alva através do toque de suas bochechas.


(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Os medibruxos nem me deixaram falar com ele. . .

Tom Riddle
@_TRiddle
Ele ainda está exausto, se recuperando do acidente, Ginny.
Por hora, o procedimento é necessário.

Ginny Weasley
@O7WEASLEYㅤ
Quer assinar o cartão que fiz pra ele? sei que não é um contrato com o diabo como você está acostumado, mas é importante.

Tom Riddle
@_TRiddle
Acho essas condutas sociais um tanto quanto estranhas.
Mas tudo bem, eu assino. Onde está o cartão?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Olhe pelo lado bom, tenho a assinatura de várias pessoas agora. É esse...de patinhos..e flores, não ria.

Tom Riddle
@_TRiddle
Isso não muda o fato de fazer com que me sinta deslocado, Weasley - continua sendo uma prática social excêntrica.
Mffffffff! Santo Merlin-- o problema não são os patos nem flores, mas sim o quanto você exagerou na quantidade desses elementos. . . quase não há espaço para escrever. Parece até sua mãe colando quilos e mais quilos de selos nas cartas.
Hm, vejamos. . . “Desejo ao senhor uma breve e eficiente recuperação. Tom Riddle” -- pronto. Acho que é suficiente.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não sabia que se sentia descolado. . . O quê?! ficou lindo, calado. "Desejo ao senhor uma breve e eficiente recuperação. Tom Riddle xoxoxoxo" pronto! valeu, Tommy.

Tom Riddle
@_TRiddle
"Deslocado", Ginevra, não "descolado", tsc. HUAHUA! Sim, igual ao Filch quando usa ternos coloridos para o jantar do Natal. . . Tsc, tsc, não adianta pôr "xoxoxo" ao final. Seu pai sabe que será obra sua.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você é um careta que não entende nada de cores alegres, seu sem graça! Humpf. . . não vai não, mas com o coração azul talvez saiba.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não entendo? Bom, sei que vermelho, laranja e amarelo são cores quentes, caracterizadas por trazer euforia para as pessoas. Acho que alguém é que não entende a arte de combinações e estou olhando para essa pessoa agora. Pfffffff! Quando eu mandar coraçõezinhos para alguém, pode ter certeza de que terei sido diagnosticado com a Síndrome das Fadas.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Tem que vir do coração, as melhores combinações nascem assim. . . é o que faço com os meus desenhos. Corações? não, seu estilo é mais resmungos e resmungos, bem diferente de beijos e abraços.

Tom Riddle
@_TRiddle
De certo ponto, há razão no que diz. Muito do que atribuímos ao que nos rodeia vem de nossas percepções subjetivas. Outra leitura imprecisa sobre mim? Tsc, já esperava. Meu humor é apenas analítico e seletivo, Weasley.
Você resmunga mais do que eu.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Resmungão e sem papas na língua.

Tom Riddle
@_TRiddle
Como se você valorizasse o que se chama de “limite”. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você sabe os seus?

Tom Riddle
@_TRiddle
A meta é não tê-los.
(...)
(Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Ron caindo de cara no chão enquanto estava brincando com a cadeira de rodas do papai, acho que vou rir pelo resto do ano-

Papai rindo pelo meu contrabando de sal para a sopa do jantar de hoje, no hospital. . .senti falta disso. Tive que voltar para a escola logo ou perderia mais aulas.

Sometimes I just want to ruin our friendship.)

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤPirraça é um dedo duro, quase atraiu os monitores durante a minha fuga para a cozinha. Tsc, não se pode nem tomar chá em paz.

Tom Riddle
@_TRiddle
Parou de pedir a capa de Harry emprestada?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤEstou o deixando quieto esses dias, não quis incomodar.

Tom Riddle
@_TRiddle
Entendo. Faz sentido.
Deveria se utilizar mais dos atalhos para chegar à cozinha ao invés dos corredores principais. Sei que o caminho é mais longo, mas evita problemas.

E. . . ainda não compreendeu como Pirraça funciona, não é mesmo?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não negocio com aquele idiota, eu deveria ligar para os ghostbusters, isso sim. Minha fome me impede de tomar o caminho mais curto.

Tom Riddle
@_TRiddle
É por isso que continua se estressando com ele. Às vezes precisa ser maleável se deseja obter vantagens. . . Pirraça poderia lhe ajudar bastante; veja o que os gêmeos conseguiram com o auxílio dele. . .
Mas se está com fome. . . como ela impediria o caminho mais rápido? Isso não tem lógica.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Meus irmãos conquistam qualquer um, é o charme Weasley. Não sou maleável com ninguém. Bem. . . se eu tomar o caminho mais longo na volta, não tenho que dividir os doces quando chegar, pois já terei comido todos-

Tom Riddle
@_TRiddle
Se o charme dos Weasley é um dom natural, por que não foi capaz de conquistar Pirraça até hoje?
É por isso que não consegue tudo o que quer. . . Tsc, tsc, que esfomeada. . . e que alma viva vagaria pelos corredores além dos fantasmas?
Estava me referindo à ida, mas tudo bem.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Estive ocupada conquistando outras pessoas. Esfomeada é a sua b- humpf. Você vaga pelos corredores, além deles. . . na ida estou à mercê da sorte.

Tom Riddle
@_TRiddle
Hahaha! Eu vago, o que não significa que atacarei seus doces diabéticos.
Na ida é que deveria tomar o caminho mais curto, sendo assim. . . falta-lhe estratégia, Weasley.


(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Se os bruxos deixassem essas crenças antigas de lado, tsc. . . poderiam aproveitar a cultura magnifica que os trouxas tem. A música, o cinema e até as comidas! não sei de onde tiram ideias tão legais.

Tom Riddle
@_TRiddle
O problema é que ainda há muito trouxa com pensamento de 1200 anos atrás.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
. . . e porque será?

Tom Riddle
@_TRiddle
Preconceito enraizado e fomentado pelas instituições trouxas e “valores morais e dos bons costumes” da sociedade não-mágica.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Pessoas assim me enojam.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não merecem um pingo de piedade.
É um ciclo sem fim: dão motivos para que os bruxos continuem a temê-los, incitando a revolta e o separatismo em muitos. Outros, em paralelo, se aproveitam disso para se beneficiarem de um status de pureza.

Mais sábio é aquele que consegue se adaptar em ambos os mundos.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Muitos se vangloriam desse pensamento como se ser puro sangue fosse um triunfo, para mim é apenas um titulo que trás ruína e azar para todos. . . você realmente mudou.

Tom Riddle
@_TRiddle
Na realidade pureza de sangue não define poder; é equivalente ao gene que define cor de cabelo, por exemplo. . .

Nunca comprei o discurso da elite bruxa. Apenas o adotei a fim de persuadir e angariar servos, além de. . . se pudesse escolher, teria o sangue inteiramente puro.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Se não define poder porquê você escolheria?

Tom Riddle
@_TRiddle
…………………………….

. . . porque seria a mudança definitiva de algo que amargamente não tenho o poder de mudar.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você é você do jeito que é, eu não mudaria detalhe algum. . . por que foram esses detalhes que o trouxeram até aqui.

Tom Riddle
@_TRiddle
 

(Naturalmente ela diz isso por não ser filha de um trouxa desgraçado que arruinou toda a sua vida.
. . . mas ela não deixa de ter razão de certo modo. Se não fosse tudo isso, não teria o que tenho hoje nem estaria aqui. Não trocaria minha vida atual por nada.
. . . o que ela disse, o jeito que disse. . . torna tudo estranhamente menos pior. . . . e paradoxalmente mais revoltante.)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não me olhe assim, não me julgue por não entender tão bem uma parte que nunca mostra. . . apenas falo do que vejo, e o que vejo é especial.

Tom Riddle
@_TRiddle
…………………….. Eu não. . .
(E é melhor que continue assim.)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Tudo bem, azul.
https://twitter.com/O7WEASLEY/status/1332893844493508608?s=20

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
New Orleans está no topo da lista de lugares que quero conhecer, cada detalhe é adorável. . . estonteante. A vida real nem deve se comparar aos cartões postais e discos que tenho.

Tom Riddle
@_TRiddle
Há muito da história e de seus elementos que merecem a devida atenção. Naturalmente havia um glamour grande há 50 anos, porém em compensação. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤVocê já esteve lá?

Tom Riddle
@_TRiddle
Por um curto período, em menos de um ano após me formar. Trabalhei em uma das casas enquanto expandia em paralelo meus conhecimentos e habilidades em determinado ramo da magia. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY

Brilhante! quer dizer- hm. . .legal, bem legal. Como era a música? que tipo de magia? as pessoas? não poupe detalhes.

Tom Riddle
@_TRiddle
hm. . .
Cativante. Nova Orleans é o berço do Jazz. Não importa quanto tempo passe, é um gênero que nunca fica ultrapassado. E o hoodoo é tão atraente quanto; uma forma de interpretar e realizar magia com ênfase na arte da mente.
Certamente se decepcionaria com as pessoas. Se em nossa sociedade há complicações entre puro sangue e nascidos trouxas, na não-mágica era muito pior na minha época.
Negros eram ainda tratados como escravos por brancos na região, mesmo tendo se passado mais de um século de abolição.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Um dos meus géneros favoritos. Acha que as coisas mudaram? eu adoraria conferir pessoalmente daqui a alguns anos, mas por hora posso me contentar com as suas histórias duvidosas..

Tom Riddle
@_TRiddle
ㅤSim. Já lhe disse uma vez que há salvação em suas preferências musicais, apesar daquela banda. . . Mudaram bastante, porém ainda há aqueles de mente arcaica; sempre há.

………………. histórias duvidosas? Tsc. Se acredita que disse mentiras sobre Nova Orleans, então não contarei mais.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não é sobre eu não acreditar, sei que você esconde fatos demais. . . como se contasse o resumo da história. Já conseguiu ler livros em que capítulos faltavam? eu não.

Tom Riddle
@_TRiddle
São bastantes fatos, apesar de eu ter vivido por um período bem curto em Nova Orleans. Talvez não seja tão apropriado que tome conhecimento deles. . . se bem que provavelmente não arruinariam a imagem do psicopata que possui sobre mim, hm.

Conseguir, eu consigo. Mas livros dessa espécie sempre me incitam a buscar as respostas.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você me incita a buscar mais respostas, mesmo quando eu supostamente não deveria. Talvez devesse começar a ler nas entrelinhas de certos livros, Tom.

Tom Riddle
@_TRiddle
Certos livros. . . devem ser lidos com cautela, Ginevra.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Certos livros não ficarão na estante para sempre.

Tom Riddle
@_TRiddle
Certos livros sequer devem ser expostos em uma estante. E sim permanecer em uma coleção particular.  

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Minha próxima missão não tem data definida, talvez esteja ligada ao estágio no profeta, não sei dizer.

Tom Riddle
@_TRiddle
Tonks está envolvida novamente nisso?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Ela está presa no escritório, " de castigo ". Fui designada para o Kingsley e o Moody, talvez trabalhe com pooh se mostrar que meu desempenho melhorou. . . o que você acha?

Tom Riddle
@_TRiddle
Interessante. . . e o que eles incumbiram a você agora?
Imagino que esteja eufórica com a possibilidade de trabalhar com seu pai.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Devo repassar a informações do Kings para o Moody, assim como fazer cópias de alguns documentos que só eu terei acesso enquanto trabalho no profeta. Vai ser bom estar perto dele, vou poder cuidar dele..já que Percy não o faz.

Tom Riddle
@_TRiddle
Até onde me contou, estagiará como comentarista de Quadribol, hm? Ninguém irá desconfiar que esteja passando informações confidenciais. . . apenas tenha cautela com nomes de puro-sangues e não confie em ninguém a não ser seu pai.

Percy sempre foi um engomado, que acredita cegamente nas figuras que regem a instituição. Nunca gostei dele, para ser sincero.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Exatamente. Não se preocupe, eu sei me cuidar. . . tive um excelente professor, mas não conte a ele.

(...)


Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Raramente venho para esse lado do castelo, não sei se estou exatamente perdida.

Ele disse quinto andar perto das armaduras ou terceiro? droga, acho que era o primeiro.

Tom Riddle
@_TRiddle
Tsc, parece até que pude sentir; ainda bem que fui procurá-la. . . Perdendo-se de novo, Weasley?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ ㅤ Não estou perdida, apenas usei uma rota alternativa demais para as minhas memórias, uhh.
Tom Riddle
@_TRiddle
Já inventou desculpas melhores. . . me pergunto se não deveria reforçar minha proposta inicial de que você precisa de uma bússola-- enfim, é melhor irmos.

E eu disse 5º andar daquela vez; não 3º.
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Transfiguro você em um mapa e talvez você fique calado e útil, uh. Vamos logo.

Tom Riddle
@_TRiddle
Pffff! Fala como se seu a servisse; tolinha, tsc. Poderia até me transfigurar em um mapa, mas eu seria do tipo que zombaria de você e diria sem parar nos seus ouvidos “viu? eu avisei” todas as vezes que cometesse a estupidez de se perder.

Já estou subindo os degraus - não sei porque continua parada como se um dementador tivesse sugado seu cérebro.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você é muito irritante. . . O que vamos aprender hoje? Eu já até escolhi meu prêmio.

Tom Riddle
@_TRiddle
Obrigado, não me é um grande esforço. . . Hoje será simples, envolverá uma Penseira. . . desde quando alunos tem direito a escolher prêmios?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Sei bem disso. Penseira. . . não vai me fazer reviver aquilo, não é? Uh, desde quando você vendeu sua alma para mim e se eu quero, eu tenho.

Tom Riddle
@_TRiddle
ㅤNão apenas aquilo como absolutamente tudo. É fundamental se realmente deseja se superar com a magia.

Já lhe disse que não terá validade se não me for benéfico. Não tente me passar a perna, Ginevra.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ O que quer dizer com tudo? Eu espero que se controle dessa vez e lembre-se de que é uma aula. . . vai ter validade! Vai ser chocante.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Tudo o que a atrapalha ou a trava em momentos urgentes e que pode ser usado a seu favor se souber direcioná-las. . . Não se preocupe; vou dificultar conforme seu progresso.

Tsc, suas propostas se tornam ainda mais suspeitas quando diz dessa maneira.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Não pegue leve, eu realmente quero entrar de cabeça nisso. Logo vai saber, Tommy.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
É por isso que me propus a lhe dar aulas extras.
Slytherin me dê paciência.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Onde você acha que vai achar uma penseira aqui? eu nunca venho para essa parte do castelo.

Tom Riddle
@_TRiddle
Vive quase o tempo todo falando sobre Transfigurações e não sabe? Tsc, achei que fosse uma de suas especialidades, Ginevra.

Eis sua Penseira, a partir de uma simples folha de papel.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu não gosto de penseiras, não iria gastar minha habilidade com isso. Você está me deixando impaciente, Tommy. . . posso ver uma memória sua? já que você tem as minhas.

Tom Riddle
@_TRiddle
Então nunca poderá evoluir como bruxa. . . Não. Você precisa se concentrar, pensar em todas as lembranças que lhe trazem medo e as colocar uma por uma na Penseira.

Não vou olhar.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você está sendo injusto, mas tudo bem...ainda vou conseguir convencê-lo. Medos, apenas seis medos. Certo, eu consigo.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não é injusto se funciona de acordo com minhas regras. Está se iludindo demais em sonhos.

Colocou todos?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
" Você é um apressado. " chiou impaciente o empurrando para o lado e colocou as lembranças que tanto temia no artefato mágico respirando fundo. " Você vem comigo, e eu não estou pedindo."

Tom Riddle
@_TRiddle
“Não sou apressado, você é quem demora por falar demais”, revirou os orbes e cruzou os braços, observando-a com uma expressão fechada. “Você não dita as ordens aqui, Ginevra. E não vamos a lugar algum. As lembranças é que virão uma a uma da Penseira.

O primeiro passo é aprender a administrar o medo. É fácil conjurar feitiços com eficiência se não há fatores externos ou internos que nos atrapalhem. Então. . . como você lida com o medo quando ele está frente à frente?”

O sonserino se afastou poucos metros e, com um aceno de varinha, trouxe a primeira lembrança à tona.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
" Espero que venham em uma ordem razoável." travou o maxilar sabendo que um de seus medos iria agradá-lo pateticamente. " Não penso muito sobre, acabado agindo conforme a situação. . . não somos imunes a tudo, fatores externos sempre estarão alí."

Ginny fechou os olhos se concentrando no que viria a seguir e logo estavam em seu primeiro medo de infância : água. Havia se afogado quando mais nova enquanto velejavam no Egito, uma parte da vela a derrubando inconsciente na água enquanto Ron chamava por ajuda.

" Eu não sei nadar, odeio a sensação de me afogar." disse estática balançando conforme o mar e tentou se agarrar em qualquer coisa próxima.

Tom Riddle
@_TRiddle
“Virão de acordo com o que menos teme para o que mais tem pavor. Sempre haverá algo para surpreender, mas o seu maior inimigo é a sua mente. Se disciplinar a si mesma, será capaz de contornar melhor situações inesperadas.”

A água do oceano logo os circundou, cintilando devido aos raios de sol correspondente à lembrança. Aquilo fez Riddle lembrar-se de um medo não tão antigo, porém similar e já superado a ponto de não mais desestabilizá-lo - pelo menos não conscientemente.

Não pelo receio de se afogar.

Mas sim pelo que um dia esteve associado à ela. . . e que por muito pouco escapou com vida.

“Enfrente o trauma”, dizia enquanto observava as ações da garota. “Encare-a de frente, estabilize a respiração e se sinta como parte dela; como uma extensão de você. . . agora imagine o ar e a superfície.

Você é uma bruxa afinal; sabe como sair dessa situação.”

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
" Não quero que esteja aqui no último medo" sussurrou mais para si mesma do que para ele e negou com a cabeça, um sorriso trêmulo e nervoso brilhando em seus lábios. Observou a vela derrubar sua versão mais jovem e engoliu a seco.

" Eu odeio você! " gritou antes de soltar gemido de dor e segurou a mão dele com força, pulando na água profunda antes que fossem igualmente derrubados. Podia sentir seu corpo afundando - mesmo que não fosse real - e tentou nadar da forma que podia até adentrarem outro lugar.

Os dois foram levados a visão estereotipada que Ginny tinha do centro de Paris : a vista limpa, com um bonito pôr do sol e os pequenos carros. Seria lindo se não fosse pela estrutura em que estavam.

" T-topo da torre Eiffel, medo de altura" prendeu o riso e revirou os olhos, era um medo bobo ocasionado por pesadelos e filmes demais, a atingiam sempre que ficava insegura quanto a uma partida de quadribol. Tinha tanto medo de cair quanto de falhar em tudo.

Tom Riddle
@_TRiddle
“Não é um problema para mim. É até melhor”, respondeu erguendo a sobrancelha. “Deverá encarar seu pior medo sozinha; acredito que terá controle relativamente melhor após lidar com os anteriores.”

“Sou odiado até pelo que não tenho culpa? Haha!”, balançou a cabeça irônico e deixou escapar uma risada ao ser puxado junto para dentro d’água; sua mão segurando firme a de Ginny em instinto e como reflexo, sem perceber.

Pegou-se ligeiramente surpreso, de um ponto de vista positivo, ao se deparar com a visão ampla da selva de pedra parisiense. Podia até sentir o odor de concreto e escritório que emanava da cidade aos finais de tarde nos quais o pôr do sol pincelava os céus em tons rosados e que remetiam a tantas lembranças boas.

“Está me dizendo que a atrevida jogadora da Grifinória tem medo de altura?”, mirou-a e arqueou as têmporas, cruzando os braços e voltando-se com um brilho distante para o horizonte. “Do alto você possui uma vista privilegiada. Além da adrenalina e da sensação de liberdade, sente que pode controlar tudo ao seu redor; basta ver como tudo se torna pequeno…”

“Pule.”

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Ela abraçou as barras de ferro se equilibrando e olhou para o horizonte antes de sorrir em sua direção. " Eu sempre digo que detesto coisas altas, mas você sempre acha que é implicância." encolheu os ombros e se aproximou dele.

Ginny olhou para baixo por alguns segundos, ficando tonta com a altura e negou com a cabeça. " A vista é linda, eu sempre quis vir aqui quando superasse o medo. . . mas sempre lembro disso." apontou para baixo de modo infantil e se sentou sobre a estrutura de ferro.

" Se eu pular iremos para o próximo medo, e sei que eles não são como esses. . . talvez temer isso me faça ser menos imprudente, ou bem mais covarde" Balançou os pés enquanto ainda encara o chão distante e tocou a mão dele por alguns segundos.

Por um lado ponderava sobre a decisão de prosseguir com aquilo e mostrar a ele algo que escondeu por tempo demais, e por outro, desejava saber o que ele pensava sobre suas tolices. " Tommy?"

Tom Riddle
@_TRiddle
Fitou-a inexpressivo antes de se voltar para a vista e pôr as mãos nos bolsos. “Pensava que fosse”, sorriu levemente com o canto da boca, imaginando. “Ressentimento pela maioria ser maior do que você.”

“Essa é uma das vantagens de praticar parkour, além da capacidade a mais que ele proporciona de fugir de inconvenientes. Sente que nada pode parar você”, comentou se sentando ao lado dela. “Você é quem sabe. Essa é uma bela vista, que vale a pena ser devidamente apreciada.”

O toque da garota sempre lhe causava arrepios, por mais curto ou não intencional que fosse. A indiferença em seu semblante ocultava o receio de que ela chegasse cada vez mais inconvenientemente perto e a consequente barreira que buscava manter a fim de permanecer intocável.

Se é que não era tarde demais. . .

Não. Nunca seria.
Nunca seria. . .

“O que foi?”

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
"Também. " Revirou os olhos de forma divertida, esquecendo totalmente da altura, entrando em um clima leve que ocasionalmente aparecia na presença dele. " Mas isso não posso mudar. " encolheu os ombros se sentando ainda mais perto dele e suspirou.

" Antes. . . você sabe, antes mesmo..do que você tinha medo? " Disse curiosa e colocou a mão sob o peito dele, tirando o cordão que ele usava e o deixando sobre seu pescoço, a peça reluzindo em sua cor viva ao ser iluminada. " Sei porque estamos aqui mas. . ."

". . . não sei porque você faz questão de me ajudar, de estar tão perto, você não deve nada a ninguém e sei que a minha ladainha não soma nada no seu ' conhecimento cientifico' " mordeu os lábios largando a mão dele e tomou coragem ao se levantar.
" Não sei o que somos, só sei que não quero que o último medo estrague isso e nunca pensei que me preocuparia com isso. " Começou a andar em linha reta para pular enquanto a visão de paris parecia estar disposta a mudar a qualquer instante.

Ginny sabia que o seu pior medo jamais poderia e deveria ser lapidado como estavam fazendo agora, não sem mudar drasticamente a essência da afeição que havia gerado em torno da amizade com Riddle.

Certas feridas nunca saravam com o tempo, não uma que sangrava diariamente.

Ele.

Tom Riddle
@_TRiddle
Riddle hesitou em quietude por um instante. Tanto pelo formigamento suave e entorpecente em seu peito quando Ginny expôs seu colar quanto à pergunta íntima.

Ele não deveria responder.

“De cadáveres”, disse após uma breve olhada para a garota seguida de um desvio para a cidade que parecia infinita. “Da morte. Tinha medo de me tornar um deles.”

Desde a infância e por vários anos, o sonserino nutriu aquele temor primitivo.

Até tragicamente constatar, há não muito tempo, que existiam eventos infinitamente piores do que a morte, embora caminhassem constantemente atrelados.

Talvez aquele temor inicial fosse a representação não só visceral da morte como também simbólica de outro horror que tanto o assombrava veladamente até hoje quanto o rebelava, causado por anos tecelados sob traumas, mágoas e ira.

O pensamento que escapou pelos lábios da ruiva chamou sua atenção. As íris cinzentas de Tom a encaravam com profundidade e um fulgor vivo, ao passo em que aquele clima leve parecia ter sido substituído pela melancolia.

Pela primeira vez não sabia o que responder, então julgou que o silêncio fosse a alternativa correta. Seria imprudente de sua parte presumir que a justificativa de que ela simplesmente necessitava de uma atenção especial a fim de aparar pequenas deficiências e lapidar suas habilidades em magia preenchia de forma verossímil aquela lacuna.

Porque ambos sabiam que não era verdade.

Riddle simplesmente detestava quando a garota trazia afirmações e questionamentos que remexiam o oceano profundo de suas emoções obscuras, paradoxais e preocupantes porque, quanto mais as fossas abissais de seu ser eram reviradas, mais as poeiras corrosivas se espalhavam dentro de si, revelando não só a medonha criatura para a qual fechava veemente seus olhos como também testemunhava aquela nuvem arenosa deteriorar suas estruturas.

Ele a ajudava. . . porque simplesmente não conseguia parar. Nem mesmo se quisesse.

Por que infernos não tinha controle sobre aquilo?     

O sonserino se levantou e se manteve afastado dela a pouco mais de um metro, observando taciturno suas ações.

Ele sabia muito bem do que ela estava falando.

No começo. . . era o que ele mais desejava: que Ginny o visse como a figura ameaçadora por trás de suas feições impecáveis e que pensasse várias vezes antes de ousar confrontá-lo.

Mas agora, depois de tanto tempo, algo havia mudado.

De repente aquilo lhe soava tão. . . vazio. Patético.

Ele queria algo diferente; algo que ia muito além do que almejou inicialmente.

E era aquilo, em conjunto com os dilemas e a então emergente rejeição, o que mais temia.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Arqueou as sobrancelhas para tudo o que ele tinha dito, não tinha controle sobre as feições de surpresa em seu rosto. Ginny definitivamente não esperava que ele confidenciasse algo tão intimo, não como havia feito anos atrás. E por mais que estivesse com medo. . . tanto da altura quanto do que viria a seguir, sentiu seu coração se aquecer minimamente, virando de costas para para a queda livre e deixou um suspiro escapar, com seu sorriso mais brilhante ela apenas disse :

" Você nunca vai morrer Tommy, você é um grande infinito. . . meu eterno azul, quer ser infinito hoje? " ela abriu os braços e piscou para ele antes de morder os lábios e pular de costas em direção ao próprio medo.

A sensação de cair não a incomodava, talvez porque muitas coisas a segurassem alí - de modo figurativo ou não - a jovem Weasley não precisava ser perfeita ao lado dele, Riddle enxergava suas imperfeições de longe e errava tanto quanto. . .

Ela não precisaria mais fingir ser algo que não era, porque ele havia pegado todas as verdades para si, todos os sentimentos para si e ela havia depositado todas as suas esperanças nele. Um movimento tão arriscado e uma decisão imprudente.

Tão imprudente quanto o salto de costas que havia dado, ela sabia que se pensasse demais nele acabaria por transformar a penseira na confusão de emoções em que estava e então caiu sentada em uma sala escura, tateando o corpo do sonserino enquanto tentava enxergar algo.

" Tive esse pesadelo ano passado, quando Cedric foi assassinado. " sussurrou nervosa ligando as luzes da sala completamente preta e pegou um pedaço de pergaminho do chão, lendo em voz alta sobre a única lâmpada do lugar.

" Uma vida inocente em troca da condenação de cem culpados ou a vida de um culpado em troca da liberdade de cem inocentes, descubra qual é qual. " ela entregou o papel a ele e ficou sob a luz da lâmpada, dois corpos ajoelhados em ambos os lados da garota surgiram.

Pareciam garotos da idade dela, com capuzes que cobriam seus rostos, quando ela retirou o tecido dos mesmos pode ver os olhares de Diggory e Potter a crucificando " Sempre tive medo de ferir as pessoas erradas, estaria disposta a tirar tudo de alguém como tiraram deles?", sua voz saiu pesada como se tudo aquilo começasse a doer. Como pássaros bestantes, os garotos começaram a implorar por suas vidas e Ginny tapou os ouvidos tentando fugir daquilo, andando de costas até bater contra o peito do Sonserino. " Não posso fazer isso."

Tom Riddle
@_TRiddle
Seus lábios se bipartiram quase imperceptivelmente ao passo em que fitava a garota em uma miscelânea de pequenas emoções, coberta por um lençol fino e de um transparente escuro de impassibilidade. Se via intimamente tocado e admirado pela consideração verdadeira para com ele em suas palavras, o que ele não esperava, nem naquelas proporções.

Era como se Ginny compreendesse seus propósitos e a ele intimamente, sendo desnecessário que ela tivesse conhecimento de todo seu histórico para tal.

Por um lado seu ego considerava aquele fato um perigo e um absurdo que não deveria ocorrer, fazendo com que sentisse não só pontadas de raiva pela garota, por ela precisar de tão pouco para decodificá-lo, quanto por ele mesmo, pela amarga incompetência em afastar tanto sua presença física quanto mental, emocional e psicológica.

Weasley era feito um vírus que se infiltrava nas estruturas e as modificava e que produto farmacêutico algum tinha capacidade para eliminar.

Muito menos esforços reais eram empregados a fim de aniquilá-lo.

Por outro lado. . .

Ninguém jamais havia o entendido tão bem.

Nem o aceitado por inteiro, com suas tendências mais obscuras.

Então sem que houvesse tempo para reações ou mais pensamentos e paranoias internas que tendiam ao caos, Riddle testemunhou Ginny literalmente se atirar insensatamente nas regiões mais profundas e tenebrosas de seus medos.

E ele a seguiu, correndo pela viga e saltando de cabeça como se pulasse direto ao mar. . .

Seus olhos se estreitaram ao passo em que buscava se nortear em meio à escuridão e identificar do que se tratava o atual ambiente. Um incômodo ligeiro e inicial, que o obrigou a fechar os orbes por um ou dois segundos, se fez quando a garota finalmente acendeu a luz fraca.

Ainda assim, a sala mais exalava um ar de reflexão silenciosa incrustada de angústia em sua atmosfera em que as cores mal sobreviviam. As sobrancelhas do sonserino se contraíram com a avaliação inicial da situação e ao receber e ler com atenção o papel que Ginny lhe entregou.

Ele observou calado, aproximando-se, até que ela se chocou em desespero contra seu corpo.

Tom segurou as mãos da garota, uma de cada lado, e descobriu seus ouvidos a fim de que ela ouvisse. . . e começasse a não se importar mais com as lamúrias.

Ele a fitava intensamente; as mãos nos ombros dela; o rosto sério, porém não severo: queria que ela olhasse para ele e somente para ele naquele instante.

Ainda que sua expressão se mostrasse isenta de condolência, sua voz suave e baixa entregava as intenções de alguém que procurava esclarecer um complicado problema com compreensão e sem rigidez, embora os fatos que embasavam seus argumentos carregassem o peso cruel da realidade.

Riddle não era capaz de sentir em seus ombros ou em sua consciência a carga de ferir alguém como Ginny.

Mas já viu aquilo acontecer com outros no decorrer de sua vida.

“Escute, Ginevra. Por mais bem-intencionadas que as pessoas seja, elas sempre irão ferir e decepcionar alguém, seja alguém odiado ou amado; ferirão com ou sem razão. O que importa é o que vai acontecer depois, se a pessoa se esforçará para melhorar de algum modo ou se compensará o suposto prejuízo. . . você não sempre diz que todos erram?

Então se permita errar. . . e aprender com os erros.”

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
" Me deixem em paz " gruniu com raiva tentando tapar os ouvidos novamente e segurou as mãos dele contra suas próprias bochechas. A voz do lufano ecoando sombria, mesmo depois de tanto tempo, o aluno que um dia fora seu amigo ainda estava vivo em sua memória.

Ao mesmo tempo que Harry dizia coisas que ela sempre desejará ouvir quando mais nova, palavras que a faziam sentir pena e remorso tão facilmente. Então soltou uma respiração pesada colocando as mãos no casaco de Riddle, encarando seus olhos por longos segundos.

Jamais admitira que ele a fazia sentir segura, jamais se sentia insegura em relação a algo. Mas alí, enfrentando seus medos um por um, não desejava mais ninguém além dele para estar em sua companhia.

Ginny odiava o fato de se sentir tão fraca naquela situação, praguejando internamente por ceder a algo tão significativo para ela. . . um simples olhar azulado dele bastava para que a orbita a sua volta girasse mais devagar. Mas o medo ainda estava alí, enraizado como o velho carvalho de sua história. Com um arrepio frio em suas costas pelo tom calmo qual ele usava, ela tornou a prestar atenção em sua fala como se estivesse recebendo a chave de todos os problemas que a rondavam.

" Não quero errar com as pessoas certas, não quero que um erro me tire aquilo que mais amo. . . me ensine a salvar o mundo inteiro, porfavor. " Disse cabisbaixa e encostou a testa em seu peito enquanto alcançava a varinha de teixo que usava, talvez semelhante a dele.

Com as mãos trêmulas apontou a varinha para onde os garotos estavam. " Heróis salvam até os vilões. . . e é por isso que eles morrem, não é? " disse se virando de frente para um de seus alvos e colocou a mão de Riddle sobre a sua ao apontar para um deles.

" Durante a copa Cedric me disse que não devo viver de metades, nunca iria me sentir inteira assim. . . que se não pudesse ter tudo, seria melhor ter nada e transformar o nada na realidade que desejava. " ela fungou olhando para o garoto que havia se calado.

" Nossa pequena tese sobre transfiguração." Um lampejo verde e forte saiu de sua varinha, abatendo os garotos em um vento cortante e explodindo todas as lâmpadas. Seus pés estavam fixos no chão com o leve "impacto" e Ginny sentou no chão ao largar a mão de Riddle.

" Certos medos devem ficar guardados, Tommy. Certos medos fazem parte de nós, são vários dos sentimentos que não queremos ter." Pode sentir a névoa em volta de si mudar e a pequena luz da janela do porão em que encontravam-se intensificar.

" Não conseguimos vencer todos, as vezes é mais assustador perdê-los" ela o olhou erguendo o queixo mas ainda continuava séria, havia falado mais ríspida do que queria, como se estivesse se referindo a ele.

E lá estava a Weasley teimosa de novo, deixando seu orgulho falar mais alto. Tocou de modo estranho o local qual ele havia tocado, a sensação parecia real demais. . . mesmo na penseira. Ela desejou que seu último feitiço não tivesse ferido alguém.

" Quando você me toca eu- " piscou algumas vezes antes de falar mas sua frase foi cortada quando viu a cena de sua última missão se repetindo diante de seus olhos. Um ponto de vista dez vezes mais brutal do que se lembrava.

Ela engoliu a seco correndo e se pondo em frente a Riddle como se fosse inutilmente protegê-lo de algo, Greyback sufocando seu outro eu sem pudor e tocando seu rosto metros de distancia dos dois. " Quando sairmos daqui. . . eu mato você." sussurrou raivosa.

Tom Riddle
@_TRiddle
“Não se pode salvar o mundo inteiro, Ginevra”, respondeu, inclinando ligeiramente a cabeça a fim de continuar mantendo o contato visual. “Nem todos querem ser salvos; nem todos devem ser poupados”, o oceano em seus orbes refletia a inflexibilidade de suas palavras. “Às vezes a vida exige sacrifícios e erros podem nos levar ao lugar certo se pararmos de lutar contra eles. . . heróis morrem porque hesitam e por acreditarem que devem abraçar o mundo e carregar um peso muito maior do que podem e devem suportar.

Você sabe o que fazer.”

Ele assistiu quieto à garota discursar enquanto ela se preparava, em hesitação e melancolia, para dar o golpe final às vozes de lamúria que eram dispersas sem filtros pela representação da carga que a assombrava.

Não podia deixar de prestar atenção, assim como em todas as reuniões da AD, no tipo de madeira que constituía as estruturas da varinha de Ginny.

Aterradoramente convergente à sua.

Mais uma vez o sentimento de angústia borbulhava sorrateiramente no sangue em suas veias, diante da sensação de crença de que aquilo era um sinal; proveniente de um destino inevitável e muito além do que podia controlar.

Se não queria aquilo. . . não compreendia o motivo de a voz distante em sua cabeça de desejar mais.

Então o derradeiro lampejo e a forte mudança na atmosfera, provocando uma movimentação brusca na massa de ar e vidros estilhaçados - mas não potente a ponto de atingi-los com mais do que um esvoaçar -, deu fim à sofreguidão.

Não respondeu de imediato; pelo menos não em referência direta ao que Ginny sacramentou. Cada sílaba do que fora dito por ela parecia forçar os cantos ecoantes de sua consciência a ponderar sobre a mensagem.

Tão furiosamente constrangedor.

Pois, às escuras, sabia que não podia negar.

……… não era um covarde.

Porque jamais aceitaria que aquilo o dominasse e o enfraquecesse. Jamais recuaria.

Defenderia o que tão convictamente acreditava. Provaria razão sobre todas as dúvidas.

Como estava fazendo há meses.

Como fazia todas as vezes em que Ginny o desafiava e ignorava suas barreiras com tanta presunção e descaso; mesmo que sem pensar.

Em todas as vezes que seu peito formigava em ardor e seu coração dava um salto irregular quando se encontrava tão próxima de si a ponto de tocá-lo; fosse com palavras que ecoavam em seu crânio, ações que tão somente expressavam o “eu”, olhares profundos, gestos inocentes e afetuosos, intencionais ou despretensiosos que se repetiam sem parar em sua memória ou com o contato físico de dois mundos tão divergentes e similares ao mesmo instante, que não haviam colidido tanto por forças que ele compreendia quanto por aquelas que se achavam além da sua capacidade de entendimento. . .

Então as sombras de Greyback e da derradeira missão cortaram seus angustiantes devaneios.        

Tão encolerizante quanto assistira através dos olhos de Weasley.

Mesmo nunca tendo visto o lobisomem. . . agora sua existência parecia ter recebido importância singular.

Da espécie que não era benéfica para Greyback.

Acompanhou a cena com uma sombra sóbria nas feições e um mar em chamas nos olhos, como se recebesse combustível para se inflamar lentamente, dando tempo de cozinhar até que a mistura explodisse de forma violenta quando a mínima fagulha fosse concedida no momento oportuno.

Mas sua postura se via friamente impassível e calculista.

“Vai me agradecer depois, Weasley. O medo só poderá levá-la a dois lugares:”, enfim se pronunciou, “ou você sucumbirá e definhará, dominada por ele, ou se levantará em fúria irrefreável. . . Enfrente-o.

Encare bem a face de seu inimigo. Olhe para Greyback. . . Sabe do que ele é capaz. Vai deixá-lo destruir você?

Olhe nos olhos dele. Não pode mais feri-la. . . quantos ele já matou? Imagine-o perseguindo sua família e dilacerando seus pais e cada um de seus irmãos a troco de nada. . . Percebe o desejo de vingança crescendo através de seus punhos e se alastrando? Concentre-se. . .

. . . O que você sente?”

‍ ‍‍ ‍‍ ‍ ‍‍ Ginny Weasley
@O7WEASLEY
" Não podemos salvar o mundo inteiro. . .mas a decisão entre quem deve viver e quem dever morrer não deve ficar nas mãos de um assassino, um assassino como ele. " disse encarando o lobo com raiva, o maxilar travado enquanto um brilho sombrio pairava em seu olhar.

Sua mão apertava a madeira do artefato mágico que segurava com tanta força que partiria facilmente. A face com sardas tomando um tom levemente avermelhado pela raiva acumulada, ela não fazia questão de parar.

A intensidade sempre seria sua ruína, talvez seu maior triunfo. . . assim como seu orgulho. Ginny sentia tudo tão intensamente, aumentava as situações em sua mente sem que percebesse, transformando até o pequeno sentimento em uma arma. . .para o bem ou para o mal.

Mas era orgulhosa demais para se permitir explodir, para demonstrar o quão aquilo o tornava fraca. Consequentemente, por esses mesmos fatores, carregava uma bola de neve consigo, uma que ficava cada vez maior conforme ela não extravasava.

Todas as brigas e discussões com ele não demonstravam sequer metade do sentimento sombrio qual ela guardava. Abrir a porta para que a sensação de ódio saísse era só mais uma forma de criar um meio alternativo para que seus demônios entrassem. Não teria volta.

Inclinou a cabeça para trás, escutando os sussurros de Riddle como havia feito a anos atrás, o olhando por cima dos ombros com certa luxúria. . . como se seus conselhos fossem um bom pecado a se pagar. " Não, não irei deixar. " assentiu com firmeza.

" Raiva, dor " Seu coração pareceu acelerar com os pensamento de perder a todos mais uma vez, seu peito subindo e descendo de modo levemente ofegante. Greyback largou o outro eu ruivo no chão, e passou a encarar os dois como se fossem um pedaço de carne suculento.

Bastou um olhar lupino em direção ao herdeiro de sonserina para que ela perdesse o controle. Ginny entregou a própria varinha para o mais velho como quem entrega um casaco a ser segurado durante uma briga e então avançou em cima do lobisomem.

A cena seria cômica se não fosse trágica. Mas a Weasley mais nova sabia se defender, sabia usar tudo o que lhe era ofertado contra adversários maiores que ela. Não havia feitiço no mundo que satisfizesse sua sede por vingança, que a desse a sensação de poder que tinha naquele momento, fazendo Greyback passar por todo o tormento que havia incubido a ela. Como 'flashs que escureciam o lugar a todo momento através da pequena janela, o local pareceu ainda mais lento. O lobisomem havia caído no chão em um grande estrondo.

" Não vai tocar neles, nem nele, porque eles são meus, ele é meu. . . são minha família " vociferou possesivamente apertando os olhos do lobisomem com as unhas de seus polegares até que seu corpo virasse fumaça entre seus dedos, ficando em silêncio por alguns minutos.

" O que você fez. . .o que está fazendo comigo? " ela sussurrou e o encarou enquanto se levantava. Mesmo que não houvesse sangue em suas mãos, era assim que se sentia. Enquanto caminhava até ele o cenário mudava, cada passo formando uma pilastra da câmara secreta.

Haviam chegado ao fim da linha. " Me diga, Tommy. . . me diga como faz para estar nos meus sonhos assim como está nos meus pesadelos." suplicou e acenou com a cabeça para o que viria a seguir.

Tom Riddle
@_TRiddle
“E a quem você acha que cabe a decisão sobre quem deve viver ou morrer?”, dizia baixo como num sussurro, feito um eco incessante, derradeiro e envolvente. “Sabe a resposta; sabe que jaz no fundo de si, que tem o poder para mudar à sua volta e banir a impureza. Deixe que saia. . .”

“Isso. . . mentalize a raiva e a dor. Elas são tudo de que precisa agora. Sinta-as crescendo e percorrendo cada centímetro de suas veias. . . Sinta-as lhe recompensando com o poder e como precisa de mais. . . Greyback a fez sofrer. Quis tomar o que é seu. Merece pagar o preço. . .”

Não lhe restava muito a ser feito a não ser observar. Essa era sua função ali: fazer com que Ginny encarasse de frente a fonte de seus bloqueios, aceitasse os sentimentos provenientes deles como combustível de suas motivações e permitisse com que estes fossem liberados em uma explosão - fosse na forma de magia; fosse com as próprias mãos -, para apenas depois aprender a canalizar aquela energia a fim de aprimorar quaisquer habilidades possíveis em magia ou outra área que desejasse.

Foi assim que Riddle aprendeu por conta própria a disciplinar sua mente e suas emoções durante os anos em que fora aluno em Hogwarts. Fora preciso ocultar, proteger e alimentar o que lhe servia no caminho para o poder e destruir aquilo que deveria ser destruído: todas as fraquezas que o levariam à ruína caso agisse com displicência em consentir que entrassem ou permanecessem em sua vida.

Só que, mesmo aplicando e repetindo aquele mantra todos os dias, a sombra danosa incutida e desenvolvida em seu interior não desanuviava; não desaparecia.
   
Permanecia tão sólida e indestrutível quanto suas convicções.

E quanto mais curiosidade e sedução elas instigavam nele, mais a raiva era alimentada. . .

Mas não iria desistir.

O herdeiro de Slytherin sempre conseguiu o que almejou. Sempre lhe fora estupidamente fácil persuadir os demais, principalmente através das migalhas e anseios de que tão desesperadamente necessitavam para saciar suas carências. E, após o período em que aprendera com mais requintes a arte da sugestão, por meio da vertente da magia denominada hoodoo, convencer os outros a traçar os caminhos por ele denominados a ponto de não ter mais volta se tornara um processo por completo trivial, feito uma serpente traiçoeira e irresistível prestes a dar o bote em sua presa quando esta já estivesse tão cega de tão entregue. . .

Assim como fizera com Weasley e tantos outros.

A diferença era que, daquela vez, não a instigava em benefício próprio. Mas sim porque. . .

Quanto menos pensasse, quanto mais ignorasse, os motivos incômodos paulatinamente deixariam de existir.

Assim dissimulava a si próprio.

Ginny estava entretida demais em sua tarefa inadiável e tão consumida em suas implacáveis emoções que jamais notaria o quanto de voracidade irreprimível faiscava nos orbes de Riddle enquanto a contemplava faminto diante da explosão da raiva e da dor da ruiva expressa de maneira tão primitiva e visceral; o primeiro estágio no caminho ao autocontrole.

Ele entendia com perfeição e maestria a sensação prazerosa de respirar, provar e banhar-se no sangue daqueles que mereciam sofrer; de saciar o implacável desejo de vingança.

Era tal qual libertar a alma.

Fora quando criança ainda, anos antes de sequer tomar conhecimento de que era bruxo, que experimentara aquele sentimento; quando, após anos e anos de surras mentais e estrangulamentos emocionais cada vez mais acumulados, instintiva e silenciosamente a revolta em seu âmago bradou contra um de seus colegas; não matando-o, mas o ferindo como se aos olhos desatentos tivesse ocorrido um desagradável acidente.

Nunca esquecia. Nem perdoava.

Ali a pequena semente do prazer sádico pelo sofrimento germinara, crescendo e gerando frutos com o passar do tempo.

Tom gostava daquilo. E não fazia a mínima questão de curar-se daquela loucura.

E ver Ginny daquela maneira. . . só fazia com que a sombra danosa em seu âmago se solidificasse e se entranhasse por suas estruturas ainda mais.

Naquele momento, nem as vozes iradas de seu ego eram capazes de refrear e destruir o que vinha alimentando pela garota há meses, mas que seu orgulho tão teimosamente o cegava e lutava contra o mal que indubitavelmente o conduziria à desgraça. Era simplesmente saboroso e aprazível testemunhar a impulsividade e o poder em Ginny, nutrida tão ardentemente pela intensidade e o sentimento de posse, cólera e vingança; os quais ele conhecia tão bem. . .

Era como se o núcleo de ambos se conectasse com violenta harmonia de alguma maneira.

Sempre esteve ali; ele sempre soubera.

E queria para ele, e somente para ele.

Ele a cobiçava.  

Então o silêncio e o vazio calaram o ímpeto evidente.

Ocultar. Negar.

Destruir. . .

A gélida calmaria tornara a afagar seu oceano.

Mas suas profundezas arquejavam. . .      

“Conhecer para redefinir”, inclinou a cabeça com sutileza e quase imperceptível, estudando-a com uma atenção particular.

Ainda não era hora de explicitar todo o propósito daquela prática. No instante adequado, quando enfim estivesse esclarecida e consciente, mais branda, poderia tomar conhecimento da importância daqueles “exercícios mentais”; se é que dessa forma poderiam ser chamados.

Mesmo não desviando seu olhar dos castanhos de Ginny, conseguia sentir a mudança de atmosfera e de ambiente.

Estava em um lugar com o qual possuía singular familiaridade.

E, ainda que soubesse perfeitamente qual era o iminente temor da garota, também tinha consciência de que era completamente capaz de enfrentar o trauma que a assombrava todas as noites há tantos anos; como vinha o encarando por meses.

Assim como ele confrontava todos os dias aquele sombrio e tentador mal em seu íntimo, provocado por ela.

‍ ‍‍ ‍‍ ‍ ‍‍ Ginny Weasley
@O7WEASLEY
As orbes castanhas - que tão bem contrastavam com o cabelo e a paleta em cores de outono que ela usava - estavam ainda mais escuras, sem o típico brilho sonhador e falante que tinham. Seus olhos focando em algo que estava a metros de distância dos dois; uma forma alta que se mexia entre as sombras. Mal tinha escutado as últimas palavras de Riddle.

Seus pés se moveram pelo chão de pedra, os olhos se estreitaram para reconhecer aquilo que provavelmente sabia o que era, ou melhor, quem.

Os passos molhados ecoaram por toda a câmara, até que Ginny tomou fôlego para falar, ignorando o tremor em sua mão e o forte arrepio em sua espinha.

“ No primeiro ano, depois que tudo passou, um pouco antes de Dumbledore explicar a situação a todos. . . não acreditaram em mim, me acusaram de ter feito tudo aquilo. Não importava o quanto ele explicasse, ou se você estivesse aqui, nada apagou os olhares de pena que recebi ”, disse calma, o fato ainda a incomodava, a humilhava, mas fora uma das primeiras coisas com qual lidou, apenas uma memória distante de sua realidade atual. . . uma fato que não machucava tanto quanto todo o resto, mas era tão importante quanto.

Ela se moveu lentamente em meio ao local, a voz ecoando alta e clara enquanto caminhava em direção a sombra com quem falava, como se Riddle não estivesse alí.

“ Eu tive pesadelos todas as noites, gritava em meio ao sono apenas para abrir os olhos e saber que você ainda era um pesadelo, e que eu estava vivendo um, porque uma criatura como você estava alí. . . se infiltrando em tudo o que conheço, em tudo que eu confio.”

Vociferou ácida, em um tom presunçoso como se não temesse nada, mas estava aterrorizada por dentro - o que não impedia o leão orgulhoso dentro de si de falar verdades cruas sobre si mesma e sobre ele.

“ Foi difícil ver você se enraizando entre meus amigos, conquistando até mesmo a afeição de meus familiares, vivendo suas aventuras. . . enquanto eu parecia apenas uma garota tola e amargurada com tudo e todos ” sentiu um gosto ácido na boca ao lembrar daquele tempo.

“ A alguns meses em uma das primeiras reuniões da Ordem, falei com Dumbledore a seu respeito. . .o questionei sobre a importância de sua presença, e como o “ bom ” mago que ele é, apenas me respondeu o que não perguntei.” riu sem graça dando mais passos lentos.

“ Ele me contou sobre o infortúnio de sua infância, a queda de sua família, sobre o que você mesmo julgava ser uma impureza em seu sangue, um pouco mais do que eu já sabia. Me perguntei - o porquê - de tudo aquilo por um bom tempo, até obter a resposta a alguns meses.”, disse parando no local onde um dia havia deitado e suspirou. “ Dumbledore estava errado sobre você, assim como eu estava. . . o resumir em simples frases ou conversas triviais, quando você se mostrou ser muito mais.” Ginny lutou contra a força de chorar alí e agora.

“ Aquilo que você mais odeia, é tudo aquilo que mais o difere de Voldemort. Você nunca será um pedaço da alma dele, jamais será só um diário ou viverá na sombra daquele covarde. Você foi o princípio de um bruxo brilhante. . . ambicioso, forte, determinado em tudo o que fazia.”

Repetia as recentes palavras que havia anotado em seu diário. As palavras que mais temia que ele lesse enquanto estava na posse do objeto. “ Sei que odeia suas origens, por mais que eu não saiba o porquê. . . mas é o seu sangue Tommy, que o torna tão único.

Cada mestiço e nascido trouxa desse mundo, cada um é presenteado com o melhor de dois mundo em conflito, o dom de enxergar além da magia e da ignorância não deveria ser tratado como sujo ou impuro.

Porque sei que você não é nenhum dos dois, você é alguém que não se rendeu a uma vida miserável e correu atrás da construção de seu próprio legado, jamais vivendo a sombra daquele que não deve ser nomeado ”

A visão que tinha de Riddle havia segurado a mão da garota, a olhando de modo imparcial enquanto era puxado para um abraço.

Ela havia esquecido que estava na penseira, e que aquele quem ela abraçava não passava de uma miragem, uma visão feita para a atormentar. Enquanto a ruiva fechava os olhos e se permitia relaxar no abraço, a miragem olhou diretamente para Riddle através dos fios cor de cobre, lançando um olhar vitorioso ao ‘eu’ verdadeiro do outro lado da câmara. A visão afagou os cabelos ruivos, como se exibisse um prêmio, como se mostrasse que ela ainda se entregava facilmente a ele. . . e cedia a todas as suas falas, ela de fato o fazia e pouco se importava.

Mas aquele medo não era apenas dela, não havia sido feito de modo unilateral. Era feito para testar ambos. Ele se desvencilhou dos braços da garota, fazendo a simples menção de beijá-la e então ela se afastou franzindo o cenho. Riddle jamais faria aquilo. . .

. . ." Tommy? " disse incerta e olhou em volta como se não conseguisse ver nada além da pessoa a sua frente. Os olhos azuis se tornaram pequenas orbes reptilianas, assim como a pele pálida que havia tomado uma textura escamosa, ele havia se transformado na visão que Harry tinha de Voldemort, uma versão humanizada e assustadora de uma enorme cobra. Weasley arregalou os olhos e manteve os braços imóveis em puro pânico.

A visão roubou um pequeno objeto dela, uma fita que pretendia entregar a Riddle, cada faixa preenchida por uma música que lembrava o sonserino. . . assim como admitia parte de seus sentimentos por ele. Voldemort apenas a olhou com desdém e tornou o olhar para Riddle em pessoa.

As unhas longas puxaram cada fio do presente, o despedaçando em frente a garota e a fazendo gritar de dor, como se estivesse dilacerando algo em seu peito . . . e lá estava o sexto medo : rejeição.

A única coisa que ainda temia em Riddle, tudo aquilo que a freava sempre que os dois pareciam tomar uma direção, uma parte sombria que ele jamais - e nem deveria - abrir mão, uma parte qual ela jamais havia perdoado, a qual tinha medo de conhecer.

O medo por Riddle englobava tudo aquilo que sentia, o medo de afogar-se no desconhecido, a impulsividade que a atraía e a assustava como em uma queda livre, o medo de ser obrigada a tomar decisões e agir de em situações onde ameaçava a vida de alguém que amava, o medo de falhar . . .

. . . assim como o medo de perdê-lo.

O medo antigo que se misturava com o ódio havia perdido lugar para todos os sentimentos genuínos que nutria pelo garoto. . . tais sentimentos que haviam acabado de ser massacrados, porque mais uma vez, ela acreditava fielmente que era ‘ Tommy ‘ alí.

Que o lado “ruim” dele sempre o impediria de seguir em frente, de a olhar com os outros olhos que não a vissem como tola ou fraca.

Cada um se encontrando ali como uma grande teia, na qual ela se encontrava presa e paralisada, sem poder lutar ou fugir. A miragem virou a garota para a direção de Riddle e lhe entregou um grande e afiado dente de basilisco, assim como a fita destroçada.

Após sussurrar algo venenoso em seu ouvido a fazendo andar até ele de modo apático. “ Não é para mim ” disse entregando os objetos, tão quebrada por dentro que não o reconhecerá, como se tivessem apagado sua chama interior, deixando apenas uma fraca brasa para trás.

. . . aquelas eram as consequências de seus sentimentos, um cenário que ela também temia. “ Termine o que começou.” aquela não era ela, não como ele conhecia.        

Tom Riddle
@_TRiddle
A mudança de atmosfera pôde ser sentida segundos depois de se estabelecerem no novo cenário de temores de Ginny, que se aprofundavam e assumiam um caráter mais sombrio conforme cada medo era deixado para trás.

As águas superficiais de onde os corpos ofídicos de pedra se erguiam mal se alteravam, propagando por elas mesmas ondulações calmamente traiçoeiras e quase imperceptíveis; independentes do exterior que as circundava.

Riddle permaneceu muito quieto, desconfiado, enquanto Ginny caminhava até o centro da câmara, para o qual a luz reduzia-se gradativamente até não lhe restar espaço digno de esperança no ambiente taciturno e penumbral.

O sonserino progrediu alguns passos, tão sutis e silenciosos quanto o lugar, mantendo-se a alguns metros afastado dela apenas presenciando as atitudes que a ruiva tomava para lidar com seu pior e mais íntimo medo. E o que ele ouvia provocava um escapar de hesitação, inquietação e perplexidade por seus lábios tenuamente separados e no cintilar de seus olhos bem abertos, como em uma realização.

Algo parecia ter mudado nele.

Tom se recordava daqueles dias com impecável nitidez, tal qual estivessem ocorrendo diante de seus olhos naquele exato momento. Fora uma voz inocente, feminina e ligeiramente melancólica, ávida por despejar seus anseios e frustrações em um canto confiável e muito particular, que o despertara da obscuridade na qual havia sido enclausurado erroneamente por ele mesmo em estado comatoso por um tempo que julgava ter sido infindável.

Fora como se, representada por seus cabelos ferruginosos longos e livres e sua aura ardente e exasperantemente exultante, a luz tivesse chegado a uma escuridão sem precedentes e eterna, vazia o suficiente para que se remoesse em seus próprios ressentimentos incuráveis, enclausurados e imutáveis mesmo em sua letargia anterior. E, apesar dos pequenos e imbecis percalços que lhe exigiam doses constantes de paciência e uma gentileza que não lhe era natural, somente produzida para proventos pessoais, aquela luz se mostrara com exatidão ser o que ele necessitava para se libertar daquela prisão e se reerguer; como uma fonte de alimento tão primordial e indispensável para um ser vivo faminto e miserável sobreviver e desfrutar de sua existência e de tudo o que seu redor pudesse lhe oferecer.

Só que Riddle queria tudo para si. Ele não se importava com absolutamente nada a não ser ele mesmo. Quanto mais recebia daquela energia vital, mais a ganância estimulava seu consumo; ainda que isso significasse o esgotamento total de sua fonte.

Mas aquilo não lhe seria um problema. A absorção de toda a energia apontaria sua completa liberdade. . .

Porém o herdeiro de Slytherin jamais imaginou que ela, uma alma que julgara ser ideal àquela altura apenas por ter se entregado emocional e psicologicamente - o que poderia ocorrer com qualquer uma que lhe depositasse confiança o suficiente -, seria muito mais do que o trivial e, ainda que por intermédio de outrem, ressuscitaria implacável como a chegada do amanhã.

Assim como ele.

Embora mantivesse suas ambições e sua essência, agarrando vigorosamente aquilo que o estimulava a continuar, sua vida começou a sofrer uma mudança de direção depois disso. Precisou se submeter à humilhação da derrota por simples prepotência e de se aliar a antigas inimizades a fim de recomeçar. Abandonou velhos dogmas irracionais e reconsiderou possibilidades, feito um bom estrategista no xadrez. Experimentou, viajou, conheceu e valorizou em discrição determinadas convicções e relações que, sem elas, admitia, nunca chegaria tão longe.

Por isso se distanciara tanto de Voldemort, o alter-ego que criara para si.

Só que havia princípios que jamais deveriam ser abandonados.

Abraçar fraquezas era inadmissível.

E ele percebera que o orgulho existente na garota que tanto considerou estúpida, frívola e incapaz entendia aquilo mais do que ninguém.

Tanto quanto ele mesmo.

Sua vaga percepção, ao longo dos anos, o permitiu enxergar com determinada opacidade de senso, devido à sua própria arrogância, o quanto ela refletia. Aguardava, à sua maneira, o momento certo de dar a volta por cima. De silenciar todos que questionaram seu valor e sua dignidade.

Então, ao longo dos últimos meses, observara melhor do que os que se viam à sua volta.

Seu ego se recusara no princípio. Não aceitava que ela o desafiasse; pusesse em prova seu poder. Desejava humilhá-la, provocá-la até que ela enfim perdesse a batalha.

Mas Ginny começara a ter vantagens naquela guerra.

E, ao invés de ser contra ela, a famigerada luta sangrenta tornara-se interna.

Contra ele mesmo.

Tudo devido à maneira com que ela se cravava com sutileza, naturalidade e atrevimento em sua memória e nas camadas de suas emoções e razões, cativando-o tão intensamente como jamais haviam feito. Tudo porque ela lhe mostrara o quanto, a seu jeito e com suas limitações, o compreendida tanto e era capaz de ser tão diferente ao mesmo tempo. Tudo porque não se deixava abater por seus temores e pelas vozes condenadoras e debochadas à sua volta; por sua vontade irrefreável de conquistar o mundo e de provar para si e para todos a força bruta que jazia em seu íntimo. Havia provação e dúvidas; havia raiva, vontade e revolta.

Mas também existia compreensão, delicadeza e inocência.

Tudo o que ele desconhecia.

Ambos eram como o teixo, a madeira que configurava o corpo de suas varinhas: tóxicos e venenosos, cada um expressando de um jeito, quando sua integridade e suas posses eram ameaçadas, e renasciam de si mesmos quando todos acreditavam que haviam se apagado e apodrecido; sempre por intermédio de novos caminhos, adaptações conforme a exigência do meio e de uma vitalidade interna surpreendente, assim perpetuando sua existência.   
   
Há muito havia deixado para trás o desejo de pô-la em um lugar inferior.

Ela não sabia disso.

E talvez fosse prudente que não soubesse mais do que o necessário.

O necessário para que ele não perdesse aquela guerra.

. . . mas ele também não queria perdê-la.

Aquela dualidade, aquele paradoxo, estavam o enlouquecendo.

Só que ele aprendeu a se controlar. Havia aprendido a nadar no desconhecido que o apavorava; a calcular e se posicionar na queda livre a fim de que o impacto fosse minimizado ou inexistente e a esvaziar a mente de dilemas quando uma escolha derradeira precisava ser tomada.

Entretanto, a verdade é que se encontrava constantemente preso à barra da guilhotina, apenas capaz de vendar seus olhos na esperança utópica de que a derradeira lâmina não descesse e arrancasse sua cabeça e, ao mesmo instante, receoso de que as cartas auspiciosas jamais fossem correspondidas. . .

O sonserino franziu a testa diante da tensão estabelecida. Os gritos agonizantes de Ginny o fizeram retornar à realidade.

A ruiva havia mergulhado demais no próprio medo, se entregado tanto que já não era capaz de distinguir as vozes de sua cabeça das imagens externas que tentavam resgatá-la de seus devaneios nefastos. Parecia ter morrido em vida; como um bruxo que vegetava após ter a alma sugada pelo beijo de um dementador ou feito uma casca desprovida de consciência e essência que agia automaticamente.

Ele recebeu a fita danificada, tão real a seus olhos e cuja existência se arrastava em piedade para se manter, e a presa de basilisco, esculpida pelas sombras da própria garota.

Uma onda de maligna e egocêntrica onda o percorreu. Ali jazia sua oportunidade. . .

E, com um olhar muito sério e irredutível, ele a encarou.

Por todo o conflito caótico e revoltante que Ginny instilara nele; por todos os momentos que ela ridicularizou seu orgulho e questionou seu poder. Concretizaria a ideia que tanto foi sussurrada em seus ouvidos diversas vezes e que poria um ponto final em todo seu infortúnio. . .

Terminaria o que começou.

Então, erguendo a presa do basilisco, firme na mão que a segurava, intensificou o aperto até próximo de estrangulá-la.

E a presa, a miragem criada pela ruiva, se pulverizou em finos grãos de fuligem, assim como havia ocorrido com Greyback.

Logo em seguida, Riddle apanhou a varinha do bolso, apontando-a para a fita.

Uma luz amarela fora projetada de sua ponta com a consumação do feitiço não-verbal, envolvendo todo o objeto. Com o processo de destruição tomando o caminho inverso, as finas linhas dos rolos de fita magnética se restabeleciam e se enroscavam novamente em seus carretéis até assumir a aparência nova e impecável de outrora.

Assim ele a entregou de volta nas mãos de Ginny.

. . . apesar de tudo, ele jamais permitiria que a fagulha interna dela, por mais debilitada e esperançosa por um sopro de vida que estivesse, se apagasse de vez.         

Porque teria muito mais a perder se o permitisse - ou o causasse.

. . . Desde quando se tornara tão acostumado com aquela angústia interna?

“Quando seus medos se tornam seus melhores amigos”, disse baixo e firme, mirando-a profundamente, “eles acabam consumindo você.”

Como ele sentia o peso de suas próprias palavras. . .

Havia sido refém de sussurros brandos e sinuosos que perpassaram seus ouvidos no último verão. A morte, um temor ainda latente naquela época, se transmutara em uma tormenta mais mórbida e terrível, desconhecida e quase terminal, alastrando mórbida desordem, isolamento e desesperança. O pavor naquele período fora implantado e cultivado dentro dele como um parasita que suga aos poucos tudo o que mantém sua presa viva até arrebentá-la de dentro para fora e, se não fosse sua persistência por vencer nem o suporte da repórter trouxa e de sua antiga mestra de hoodoo, jamais veria o nascer do dia mais uma vez.

Com um aceno circular e em seguida reto de sua varinha, toda a sombria câmara se desintegrou, resumindo-se a uma névoa cinzenta e quase líquida que se condensara em longa farpa e viajara veloz até atingir o fundo da penseira ao centro.

E a sala vazia e iluminada, de tons amarelos e terrosos e janelas altas de grades ornamentadas, da qual se apossou para o treino particular, tornou a decorar a realidade.

Tom devolveu o instrumento mágico aos bolsos, tornando a falar após breves instantes de recomposição, repetindo os dizeres de Mama Cecile no começo de sua sentença e fitando Ginny como quem transmitia determinação e força, além de uma sensibilidade quase imperceptível e não usada para com mais ninguém, através do olhar.

“Quando se chega ao fundo do poço, a única saída é para cima. . . Não deixe que ninguém destrua o impulso motriz que há em você, Ginevra.”

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Seus olhos encaravam Riddle ao tentar enxergar além das sombras, a primeira faixa da música ecoando em sua cabeça repetidamente, como um disco que a muito havia se quebrado mas insistia em tocar. . . a atmosfera a sua volta ainda parecia pesada, como se o ar fosse tóxico, e quanto mais tentava respirar, mais sufocada se sentia. Deu um passo à frente como se algo a empurrasse, esperava que a presa fosse cravada em si.

Pois Ginny estava tomada pelo medo, tomada pela sensação dilacerante e quebrada que havia sentido assim que a fita fora destruída, sentindo-se despedaçada por dentro e por fora. Talvez aquele fosse o castigo dado a ela sempre que mostrasse seus reais sentimentos.

Mas ela jamais seria covarde para engolir aquelas palavras, jamais poderia ser desfeito.

E não fazia questão de mudar nenhum detalhe.

O brilho quase dourado passou como um pequeno fio de esperança por seus olhos, tornando o mais velho e tudo que a cercava claro e menos “ assustador ”. Seus ombros se encolheram com a movimentação dele, e apenas recolheu a fita para si, saindo do transe em que havia se colocado.

“ Talvez não haja forma de escapar, talvez eu não queira perdê-lo. . . perdê-los.” sussurrou sem tirar os olhos dele. Mesmo quando as palavras de Riddle soavam frias aos outros, ainda assim ela se sentia em um fim de outono como aquele em um contraste perfeito do que a natureza era e do que viria a se tornar. . . mas diferentemente das estações, ele não era lido com facilidade, mesmo por ela.

Apenas deixou que um suspiro de alívio escapasse de seus lábios enquanto sentia que finalmente sairia daquele local.

Havia compreendido seus medos um por um, alguns que já eram de seu conhecimento, outros que desejava esquecer. Firmou os pés no chão a fim de não cair devido a claridade do local.

Tudo permanecia do mesmo modo, então por que ela sentia que tudo havia mudado? Depois de alguns minutos - que pareceram horas - ela passou as mãos pelos fios cor de cobre e tocou o próprio bolso a procura da fita, apenas para confirmar que tudo aquilo não passara de um visão, o objeto estava seguro, assim como os dois que estavam presentes na sala.

“ Eu caí no poço, como uma inocente garota que buscava água e se perdeu. . . eu me lancei em sua direção, apenas para cavar mais fundo, se a luz fosse aquilo que eu busco, certamente teria a achado a tempos.” disse se aproximando do garoto e tocou seu rosto de modo delicado, como quem tocava uma fina e precisa estátua de mármore. “ Não deixarei que meus impulsos sejam destruídos, tudo que há em mim, corpo e alma, jamais poderá ser domado. Um espírito livre reconhece o outro, reconhece sua agonia..”, seu polegar tocou a pequena marca na bochecha pálida, a mão vaga arrumando os fios alinhados dele, o transformando em um Clark kent bravo, o que a fez rir levemente. “ Está na hora de começar a seguir seus próprios conselhos, Mrs. Darcy. . . está na hora de enfrentar seja lá o que for que você teme, pare de moldar o seu agora com o seu passado. Quando eu mesma deixei de o fazer. “

Ginny sorriu com os olhos e levou os lábios rosados e hesitantes a bochecha da Riddle, fechando os olhos e mantendo o contato por alguns segundos antes de recuar e abraçar o próprio corpo.

“ Não sei o quê e nem o quanto ouviu, nem se o viu do modo qual eu enxergava a alguns anos, só saiba que não irei retirar nenhuma palavra.” disse séria e umedeceu os lábios antes de voltar a falar, havia tomado coragem demais para um dia só, e aquela seria sua última dose.

“ Você é meu melhor amigo, e se está planejando ir embora. . .parta de uma vez, cansei de implorar para que fique” Disse dando meia volta e suspirou parando na saída e olhando brevemente antes de encerrar aquele dia do modo Weasley.

“ Gosto do Kent, mas só porque ele tem uma amiga jornalista” arqueou o canto dos lábios em um sorriso levemente convencido e coçou a nuca antes de partir.

Tom Riddle
@_TRiddle
Desde quando começou a perder a capacidade de contra-argumentar?

Tom não sabia o que dizer nem conseguia pensar em uma resposta lógica e verossímil para refutar o discurso de Ginny, por mais que desejasse ter uma justificativa pronta ou arquitetar uma tão rápido quanto a velocidade da luz.

Porque sabia que ela estava certa.

Ali, naquele momento, o tempo parecia vagar feito a preguiça de uma manhã de domingo. Cada palavra dita pela Weasley mais nova internava delicada, sendo refletida pelas paredes de sua mente, que havia abdicado temporariamente de quaisquer reflexões para ceder à ela com naturalidade, até ressoar branda e perpétua, como uma eco de lembrança de infância, nas trilhas e ramificações sinuosas e longínquas de seu ser enquanto um suave brilho no oceano cinzento em suas íris cintilava em uma espécie de admiração e torpor ao cruzar com o fumê de fim de outono e traçava seu foco com vagueza e atenção para diferentes pontos do rosto da garota; desde os lábios até os olhos vivos.

Seu corpo se anestesiava com o toque e os dizeres de Ginny em uma sensação espontânea de cuidado, conforto e mansidão que jamais havia sentido, jamais haviam lhe proporcionado e que jamais cogitou a necessidade; tão adequado e natural em sua conexão como se sempre fosse assim e sempre seria. . .

Havia caído em uma armadilha feito uma mosca distraída que se emaranhava na teia de uma aranha e uma vespa presunçosa, fria parasita, capturada pelo bico de uma andorinha em pleno voo. . .

Não fazia ideia de quando exatamente havia ocorrido.

E não importava o quanto tentara enxergá-la sob uma esfera julgadora durante anos e meses. Não importava se tentara diminuí-la ou provocá-la somente para provar o status de superioridade que ele mesmo arquitetara. Não faria diferença se a apagasse de vez de sua memória ou de sua vida.

Ela sempre o derrotava.

E agora ele havia chegado a um ponto em que simplesmente perdê-la para sempre lhe causaria um estrago muito maior do que o que já estava feito, o qual ele tanto se desmembrava para ignorar.

Da mesma forma que possuía a consciência de que arraigar-se por completo ao passado a fim de construir o futuro era sinônimo de fracasso, como Ginny bem apontara de outra maneira, abandonar todos os conceitos básicos que fundamentavam um indivíduo inevitavelmente o levaria à falência - embora algumas de suas concepções tivessem se modificado.

Não era exatamente o medo que o dominava.

Mas sim a revolta.

Porque fora testemunha do que aquele sentimento preocupante, conturbado e enigmático, do qual ainda não tinha nem queria ter certeza - ou apenas não queria enxergar o pior -, era capaz de provocar.

Ele cegava um indivíduo em detrimento de outrem, alimentado pela euforia e ilusão. Fadava à fragilidade e à vergonha, fazendo este alguém tanto dependente e submisso da pessoa para quem abnegava a si mesmo quanto refém alheio pela personificação de todo seu ponto fraco na figura santificada.

Era símbolo de toda a hipocrisia impregnada na sociedade, que pregava tanto aquele sentimento, mas era seletiva quanto aos que julgava ser dignos de recebê-lo.

Ele fazia alimentar esperanças por algo ou alguém que nunca veio.

Ele matava.

Tom nunca poderia se permitir sucumbir.

. . . mas por que com Ginny parecia ser diferente?

O sonserino não sabia o que fazer. Via-se entregue à contradição graças à garota; preso em um dilema que parecia não ter solução.

Era melhor não pensar.

Talvez se fechasse seus olhos as vozes internas, conflitantes com sua razão e sua honra, cessariam com o despojar de uma partícula de poeira sendo lançada ao vento. . .         

Riddle deparou-se consigo mesmo muito quieto e reflexivo durante longos minutos quando Ginny o deixou sozinho na sala com seus próprios pensamentos, dos quais ansiava tanto por dissipar, porém não empregava o mínimo esforço para que isso acontecesse.

E naquele estado se manteria por dias, trancafiando em seu âmago aquelas perguntas cujas respostas o levariam ao desgosto se respondidas; necessitando de longos momentos de solitude.

Só que não por muito tempo.

Por que a maldita insinuação à descontinuidade do cobre, tão essencial à fixação do ferro em seu sangue e tão imprescindível para que o ar puro e vívido continuasse a circular por seu corpo, lhe provocava uma pesada e fatal síndrome de abstinência.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
https://twitter.com/O7WEASLEY/status/1328430590316654593?s=19

Tom Riddle
@_TRiddle
Vá com calma, Weasley. Umbridge terá outra lição muito em breve. . .

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Alunos do primeiro ano, Tom. Como ela tem coragem de maltratar crianças? eu deveria. . . eu queria tanto

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Simples, ela é covarde o suficiente. Tenho certeza de que quase a totalidade de Hogwarts quer a cabeça dela, mas há formas mais. . . interessantes de fazê-la pagar pela hipocrisia.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Metade de Hogwarts já foi castigada por Umbrigde. Quais formas? eu acho que fui inocente em pensar que você pararia naquele pequeno acidente.

Tom Riddle
@_TRiddle
Ah, logo saberá. Dessa vez será um pouco mais cômica, receio dizer.

Eu nunca paro até julgar ser conveniente, Ginevra. E no caso dela jamais será.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Se Dumbledore descobrir. . . ele mandaria você para longe de m- da escola? só pergutando.

Tom Riddle
@_TRiddle
O quê? Pffffff! Ele irá me condecorar com um Prêmio por Serviços Prestados à Escola, isso sim.

Talvez a única atitude que ele julgue passível de aprovação - embora todas as minhas condutas o tenham sido, tsc.

(...)


Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Claro, só tentaram me caçar uma ou duas vezes quando estava naquela forma. Uh

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Não seja tola de perder a vida por um motivo estúpido.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Deveria se preocupar mais com eles do que comigo.

Tom Riddle
@_TRiddle
Hunf. Não esperaria menos.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Tive um sonho com Rob na noite passada, ele falava mais uma vez sobre a profecia e me apontava um livro na biblioteca.

Tom Riddle
@_TRiddle
Lembra qual era o livro?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Aquele grande e velho que Pince usa para catálogar a biblioteca, talvez eu esteja passando tempo demais lá.


Tom Riddle
@_TRiddle
Se quiser vê-lo terá que ser à noite. Ela não deixa que os alunos cheguem perto, há catálogos da Seção Reservada e Restrita.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Um pequeno desafio? fácil.

Tom Riddle
@_TRiddle
Um bem simples. Apenas para não dizer que suas noites têm sido entediantes.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Poucas coisas ainda me assustam, o fato de Greyback querer meu pescoço é uma delas.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Eis outro motivo pelo qual deveria evitar ir aos vilarejos por um tempo. Especialmente à noite, que é quando aquele cachorro pulguento gosta de vagabundear.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ ㅤ Ele está longe daqui, todos estão o caçando desde, você sabe.

ㅤTom Riddle
@_TRiddle
Não conte muito com isso; Greyback possui seus recursos.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Corri tanto hoje que fiquei morrendo de fome. . . meu estoque de doces foi embora, mas valeu a pena.

Tom Riddle
@_TRiddle
O que andou a motivando para tanto, quadribol?

. . . ou estava fazendo o que não deveria?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não posso "quebrar regras" se não deixar que elas se apliquem a mim.

Tom Riddle
@_TRiddle
É para isso que existem: para que haja exceções, tsc.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
(Minha família está bem e é tudo o que importa agora, eles sempre serão a minha prioridade.

Talvez eu esteja começando a aceitar meus sentimentos, ao menos eu os percebi antes dele. Não posso me decepcionar por algo que sei que não vai acontecer.

No fim vai ser melhor assim, sei que sim. . .

ㅤ ㅤ Azul.)

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤOs monitores nunca conseguem seguir minhas rotas pelo corredor, talvez seja pelo fato de eu me perder com frequência. . . ou sou muito boa.

Tom Riddle
@_TRiddle
Indubitavelmente a primeira opção. Acho que os monitores têm medo de nunca acharem o caminho de volta.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Está com inveja do meu senso de direção maravilhoso, admita.

Tom Riddle
@_TRiddle
Inveja de agir como uma barata desnorteada pelo castelo? Sinceramente, não é possível defender seus critérios de sensos “virtuosos”.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Me deixe guiar você para um lugar, vai morder a língua. Tsc.

Tom Riddle
@_TRiddle
A Floresta Proibida? Não precisa, já a conheço de cor.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Conheça pelos olhos de uma raposa, uh?

Tom Riddle
@_TRiddle
E são confiáveis? Me disse outro dia que ainda está tendo dificuldade para se acostumar com seus sentidos.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Só alguns, como cheiros e correr. . . bati o focinho em uma árvore outro dia. Você não confia em mim? não pergunte sobre os meus olhos então.

Tom Riddle
@_TRiddle
Bateu o focinho? Mffffffff! Sendo como raposa o que é como humana- Depende. Para servir de mapa, tenho minhas dúvidas. Porém lhe darei um voto de confiança; quero ver no que essa história resultará.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Finalmente ele calou a boca, obrigada Merlin. Na próxima lua cheia, tenho um lugar para mostrar, um lugar que vai o agradar muito, até lá.

Tom Riddle
@_TRiddle
Espero que tenha descoberto algo novo naquela floresta, Weasley, porque até agora já descobri todos os cantos possíveis.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Shut it, seja paciente.

Tom Riddle
@_TRiddle
Mais do que estou sendo, impossível.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Apesar de tudo, acho que estou indo bem na maioria das matérias. . . menos poções, argh.

Tom Riddle
@_TRiddle
Se seguisse meus conselhos, estaria se encaminhando perfeitamente em Poções, tsc.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Situações desesperadoras exigem esse tipo de medida, quer ser meu parceiro de laboratório? O seboso gosta de você.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não me parece um grande sacrifício, tsc.
Espero que se esforce dessa vez para compreender a matéria. Não vou desperdiçar meus conhecimentos em vão.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu estou me esforçando, tenho métodos de estudos bem legais. . . mas não parece o suficiente.

Tom Riddle
@_TRiddle
A questão não são os métodos. O problema é que você ainda insiste em enxergar a disciplina da mesma maneira limitada e arcaica que a maioria.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não foi tão chato fazer aquela poção na floresta. . . a matéria é razoavelmente interessante, eu não gosto da aula e fim.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não estou dizendo que deve gostar das aulas, e sim que deve visualizar Poções pela perspectiva correta.

O “como” e o “por quê”.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Yes, sir. * revira os olhos*

Tom Riddle
@_TRiddle
Tsc. Foi por causa de pensamentos como esse que fracassou até agora.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu não fiz nada. . .

Tom Riddle
@_TRiddle
Mas disse.
Não com palavras exatas, porém o descaso é perceptível em suas palavras.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você me lê de um jeito muito errado, Riddle.

Tom Riddle
@_TRiddle
Leio? Por que esse revirar de olhos foi bem típico seu de um “lá vem ele com esse discurso outra vez”, tsc.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você sempre diz que nunca repete as coisas 'pra mim, e aí está você. . . repetindo seu discurso sobre poções apenas para o meu divertimento interno.
https://twitter.com/O7WEASLEY/status/1330345193531437057?s=20

Tom Riddle
@_TRiddle
Nesse caso a repetição é primordial. Assim quem sabe a maneira apropriada de compreender a magnificência desta matéria entre nessa sua cabecinha de vento.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não é não. . . * cantarolou *

Tom Riddle
@_TRiddle
Bom, isso só irei dizer uma vez, Ginevra: ou você se empenha para ao menos ter boa vontade de verdadeiramente aprender ou então pode esquecer.
 
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não se preocupe, vou tirar uma nota excelente e deixar você e o seboso de queixo caído.

Tom Riddle
@_TRiddle
Lembrarei-a também de que de nada vale obter uma nota alta apenas para ser aprovado sem ter aprendido realmente o conteúdo.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Estou calma em relação a isso, e sabe o porquê?

Tom Riddle
@_TRiddle
. . . só falta me dizer que usará os kits de cola de Fred e Jorge. Podem funcionar nas provas escritas, mas não nas práticas.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não, não. . . depois da escola, já tenho alguém para me fazer poções e me salvar de vez em quando. Ele é bem rabugento mas é legal.

Tom Riddle
@_TRiddle
…………………………………………………

Não deveria contar com a dependência de terceiros, Ginevra.
Nunca.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não são terceiros, é você. De qualquer forma, sei me virar sozinha. . . apesar de que ser mimada por você é uma idéia particularmente s- hm, tenho que ir.

Tom Riddle
@_TRiddle
………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………...

(...............................................................................................................................................................................................................................................

Gostaria de entender o motivo desse estúpido sorriso involuntário encurvar meus lábios neste exato momento.

Não. Isso não está certo. É preocupante, na verdade.

É isso. Apenas um pensamento frívolo de minha cabeça e que não corresponde à realidade.

De qualquer forma, o importante é que ela não me viu sorrir.)

(Ginny Weasley
@O7WEASLEY
E está nevando outra vez. . . eu gosto disso.
Pelo menos ele sorriu.)

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Os centauros parecem agitados, Hagrid e eu topamos com Firenze na aula de hoje. . . ele me disse para ter mais cuidado com aquilo.

Tom Riddle
@_TRiddle
Andei observando uma movimentação ao redor da floresta recentemente… Firenze desagrada Umbridge e me parece que o Ministério deseja intervir na vida da floresta proibida.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Os centauros e os gigantes os trucidariam antes mesmo que pudessem utilizar suas varinhas, a floresta é mais viva do que posso por em palavras, magnífica.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu consegui?! Consegui mesmo- Merlin! Vai ser um ótimo estágio, acho que vou explodir de alegria.

Tom Riddle
@_TRiddle
Um mérito totalmente seu, Weasley… suponho que não tenha sido necessário fazer protesto em frente à Seção de Imprensa do Ministério, hm?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu..eu.. estou tão feliz, quase gritei nos corredores. Bem, o protesto ainda é uma idéia a longo prazo.

Tom Riddle
@_TRiddle
. . . por que não estou nem um pouco surpreso?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
É difícil surpreender você positivamente, quem sabe eu consigo no natal.

Tom Riddle
@_TRiddle
Se for com a tal fantasia de Patrick Estrela do Bob Esponja, pode esquecer.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você vai de lula molusco, igualmente rabugento.

Tom Riddle
@_TRiddle
………………………..

Não sou tão rabugento. Diferente dele, eu rio de vez em quando.
E não usarei nenhuma fantasia ridícula. Não me chamo Ginevra Molly Weasley para passar vergonha.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
G I N N Y !!!

Tom Riddle
@_TRiddle
Tanto faz. Passa vexame de qualquer maneira.

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
ㅤ Alguém devolva a calça daquele homem, meus olhos-

Tom Riddle
@_TRiddle
Também tive o desprazer de ver. Aguentará ficar com essa imagem para sempre na cabeça ou se cegará, Weasley?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu vi coisas piores, mas aquilo foi tenebroso. Vai para o top dez de coisas horríveis que já vi.

Tom Riddle
@_TRiddle
Se pelo menos fosse uma samba-canção teria nos poupado traumas, mas era uma daqueles slip ridículas.

. . . eca.
(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Estou com soluço desde manhã cedo, nem os sustos do pirraça conseguiram fazer passar.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não deveria ir com tanta sede ao pote de doces; comer rápido demais desregula a respiração.

Já tentou prendê-la?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Mamãe diz a mesma coisa, mas ela também diz que soluço mata…
VOCÊ ACHA QUE EU VOU M-

Tom Riddle
@_TRiddle
Menos drama, Ginevra.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não é drama! seu idiota, estou falando sério.

Tom Riddle
@_TRiddle
*revira os olhos* Você está há mais de 48 horas com soluços ou tem crises frequentes? Pelo visto não. Então pronto.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Ainda odeio você, azul.
https://twitter.com/O7WEASLEY/status/1330226396283736070?s=20

Tom Riddle
@_TRiddle
Anotado. Mais alguma reclamação?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não sorria assim, seu cínico.

Tom Riddle
@_TRiddle
E por que? *alargou o esgar cínico*
Curioso. Se estou sério, você reclama - não que eu me importe, só para que fique claro -; se sorrio, você protesta.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
* suspirou corando ao extremo e o olhou brava* Esqueça! você é ridículo, mil vezes ridículo. . . não sorria assim e ponto!

Tom Riddle
@_TRiddle
*soltou uma risada zombeteira, deliciando-se com o fato de que havia a desconcertado* Sorrio quando e como quiser. Você não manda em mim, Ginevra.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
................................ !!!!
Vou embora antes que eu cometa uma atrocidade, odeio azul, odeio você e seu sorriso idiota. Humpf.

(Não faça nevar, não faça nevar. Porque diabos ele fica sorrindo assim? tenho vontade de socar o rosto dele, que raiva.)


Tom Riddle
@_TRiddle
Parece que bebeu chá de meias do Filch; e depois eu sou o ranzinza, tsc, tsc. . . Até logo, Ginevra. Que você tenha um dia sorridente.   

(Vê-la ficar tão vermelha quanto um tomate é um entretenimento que galeão algum do Gringotes pode pagar. É algo que lhe cai perfeitamente bem. Hm.)

(...)

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
(Yep, ele tem um bom abraço, tão aconchegante quanto deitar em frente a lareira durante o inverno. . . não acho que ele saiba disso)

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
O corredor está parecendo uma daquelas novelas que mamãe costuma escutar no rádio da cozinha-

Tom Riddle
@_TRiddle
. . . barulhento?

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Cheio de pequenas narrativas entediantes.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não é de se estranhar o porquê.

Porém tudo o que é reprimido em demasia possui tendência a se rebelar com mais brutalidade.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Pensei que hoje era sexta, quase chutei o balde na aula de poções.

Tom Riddle
@_TRiddle
Quase ganhou uma detenção de Snape.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu tenho que escolher entre encostar as costas na cadeira e os pés no chão, inferno. Malditas sejam as pessoas altas.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não culpe a maioria dos estudantes por sua discrepância… genética.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Você que comeu tortinhas demais na infância e cresceu mais que o Hagrid, minha altura é normal!

Tom Riddle
@_TRiddle
Não exagere. Tenho 1,91m de altura e Hagrid, quase quatro metros.

Menos de 1,60m é normal? Pffffff, posso guardá-la em meu bolso se quiser.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
É a mesma coisa. Eu tenho 1,68, tsc. . . não planejo ficar dentro das suas calças tão cedo, adeus.

Tom Riddle
@_TRiddle
Para quem é baixo como você, então sim. Mffffff.
Até porque, se você ficasse, muito provavelmente se perderia em meus bolsos e nunca mais sairia. Estão enfeitiçados com o Feitiço Indetectável de Extensão.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Finalmente meu limite de poções para dormir foi zerado e vou conseguir regular meu sono.

Tom Riddle
@_TRiddle
Prevejo que voltará a abusar do recurso, tsc.

(...)
Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Eu pedi para que mamãe e Fleur me arranjassem algo simples para usar no natal, aquilo é quase uma fantasia de estrela.

Tom Riddle
@_TRiddle
E ainda diz que queimarei minha língua? Estamos próximos do Natal, Ginevra; não do Carnaval. Avise à elas, por favor.

Tsc.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Não reclame, eu que vou ter que usar aquilo. Talvez você precise de óculos escuros no natal.

Tom Riddle
@_TRiddle
Não estou reclamando, terei um ótimo motivo para risadas.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Se rir de mim eu coloco sal no seu chocolate quente e ainda suborno os elfos para fazerem o mesmo.

Tom Riddle
@_TRiddle
Uau, me sinto intimidado agora. . . Pode colocar. Apenas saiba que se o fizer, revidarei de forma pior.

Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Vou usar essa frase contra você no futuro, e vou usar muito bem.

Tom Riddle
@_TRiddle
Cuidado com o que deseja. Sei me utilizar muito bem de um golpe baixo.

(...)
(Ginny Weasley
@O7WEASLEY
Azul e verde, uma boa combinação.

Ele declara a si mesmo como herdeiro, como se desse fim a sua geração, tsc. . . para mim ele é apenas o começo.)
(...)

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...