História Avalanche - Taekook - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Oi amados, boa leitura :)

Capítulo 6 - Bons amigos.


Fanfic / Fanfiction Avalanche - Taekook - Capítulo 6 - Bons amigos.

          



             Jeon Jungkook 


Eu me sentia confortável, meu corpo estava em uma calmaria que eu nunca imaginei poder estar. Não faço ideia de como paramos assim, mas eu e Taehyung estávamos deitado no sofá de sua sala. Não era o melhor lugar para se dormir, mas levando em consideração que era um sofá e nós dois estávamos deitados nele, estava até bem confortável. Meus braços envolviam o ômega em um abraço de forma que eu definitivamente, nunca, em hipótese alguma, abraçaria alguém. Taehyung dormia tranquilamente e eu não conseguia parar de olha-lo, sua beleza era coisa de outro mundo e eu nunca havia reparado, beleza nunca foi importante para mim, mas vendo ele ali com uma expressão relaxada - e um tanto quanto cansada - me deixou encantado. As pintinhas em seu rosto, seus lábios carnudos, rosados e atrativos, seus cílios grandes, olhos puxados como os meus, sombrancelhas escuras, suas mexas loiras acinzentadas e por sinal, muito bem idratadas. Simplesmente lindo e encantador, ainda por cima, bastante fofo. E não fazia ideia do porquê, mas sentia meu lobo mais agitado que o normal, parecia feliz e ao mesmo exalava proteção. Faria sentido eu dizer a eu mesmo, que eu estava abraçando Taehyung, por causa de meu lobo mas o fato é que, eu me sentia tão confortável com o ômega, como eu nunca me senti antes.

A companhia de Taehyung era gostosa, trazia conforto e calma. Isso era novo para mim. Eu não sentia seu cheiro, nunca senti e o fato dele fazer eu me sentir assim sem conseguir sentir seu aroma, era totalmente estranho. O cheiro de um ômega tinha uma extrema importância para alfas e betas - chamava atenção até mesmo de ômegas -, ele tem tantos efeitos para a gente, que soa inacreditável. Mas Taehyung e seu cheiro era uma incógnita para qualquer um, como ele conseguia fazer eu me sentir assim sem ele, já era outra.

Fazendo de tudo para não acordar o ômega, eu sai de seu lado. Um vazio me consumiu sem explicação nenhuma. Espreguicei-me calmamente e foi então, que eu ouvi a porta sendo aberta. Meu lobo se alterou por alguns instantes, mas logo voltou ao normal. Reconheci o cheiro como sendo de um ômega, que logo apareceu em meu campo de visão. O mesmo tinha seu cabelo num castanho claro, puxado para o escuro, segurava algumas sacolas e quando me viu ali em pé pela primeira vez, eu pude notar a confusão surgir em sua face. Eu ri. Sua cara estava engraçada.

— Olá. — eu disse primeiro.

— Olá — sorriu. Um belo sorriso. — Você deve ser o tal de Jeon Jungkook, estou certo?

— Esta sim. — retribui seu sorriso. — E você, quem é?

— Jung Hoseok, prazer em conhece-lo. — o ômega colocou as sacolas que segurava em uma só mão, logo estendendo a que deixou livre, em um comprimento a mim.

— Igualmente. — segurei sua mão, educadamente.

— A sua presença é um pouco inusitada no momento, o Tae disse que você odeia ele. — eu sorri sem graça.

— Bom, isso é passado. Acho que eu e ele podemos ser bons amigos. — eu disse e ele assentiu, parecia aliviado. — Você quer ajuda com as sacolas? — perguntei apontando para as sacolas em sua mão. Pareciam um pouco pesadas.

— Ah, eu agradeceria se você me ajudasse com elas! — então eu peguei as sacolas de sua mão e deixei-as na cozinha. — Não precisava pegar todas elas.

— Relaxa, não custa nada ajudar. — eu sorri.

— Tudo bem. — o ômega começou a tirar algumas coisas da sacola. — Você dormiu no sofá com o Tae? Como conseguiu? Aquele sofá é pequeno para duas pessoas.

— Eu dormi com ele naquele sofá e honestamente não faço ideia de como conseguimos tal proeza. — eu disse rindo e ômega me acompanhou.

— Eu e ele já dormimos naquele sofá varias vezes e assim como você, não sei como conseguimos. — ele falou e uma coisa martelou em minha mente.

— Você e ele estão em algum tipo de relacionamento?

O ômega parou o que estava fazendo, me encarou e começou a rir.

— Isso para mim seria algum tipo de incesto, eu e Taehyung nos consideramos irmãos. — suspirei aliviado. Eu não estou estragando o relacionamento dos dois. — Por que a pergunta?

— Você aparentemente tem a chave da casa, levando em consideração como você entrou.

— Sim, eu tenho. O Tae também tem a da minha casa.

— Não seria estranho, quer dizer, você poderia ter entrado e ter visto nós dois fazendo algo errado. — arqueei a sombrancelha esquerda de modo sugestivo. O ômega gargalhou e a esse ponto, Taehyung já devia ter acordado, de tão alta que era a risada de Hoseok.

— Que merda você esta dizendo? O Tae é um anjinho, você acha mesmo que ele transa? — agora foi minha vez de gargalhar.

— É claro que sim, sabe, eu não acho que ele vá ser puro pro resto da vida. — Hoseok me olhou sugestivo.

— Disso nós dois sabemos, não é Jeon Jungkook? — o ômega sorriu malicioso. E eu, mais uma vez, cai numa gargalhada, sendo acompanhado pelo ômega. Acho que Taehyung não esconde nada de Hoseok, provavelmente o ômega já estava ciente que o amigo passaria o cio comigo.

— Vocês dois são muito escandalosos, sabiam? — eu e Hoseok demos um pulo pelo susto. Pela falta de cheiro, não dava para senti-lo chegar. Taehyung coçava os olhos de uma maneira bem fofa, vista por mim. — Devem ter acordado a vizinhança toda.

— Oush, exagerado! — Hoseok disse e pareceu lembrar-se de alguma coisa. — Kim Taehyung, por que diacho você veio embora tão tarde ontem? Você tem ideia do perigo que é andar sozinho na rua, sendo um ômega? Você devia ter me acordado para vir com você. — o olhar de Hoseok dizia o quanto estava bravo com o ômega.

— Desculpa Hobi, não fica bravo comigo! — Taehyung foi até Hoseok e o abraçou. — Eu precisava vir embora e você estava tão cansado ontem, não quis acordar você. — Hoseok sorriu. Não conseguia ficar de fato bravo com o ômega e isso era visível. Eles tinham uma linda amizade.

— Tudo bem, mas não faça mais isso, okay? — Taehyung assentiu sorrindo. — Ótimo.

— Vocês dois são amigos a quanto tempo? — perguntei.

— A três anos. — fora Taehyung quem respondeu. Eu arregalei os outros.

— Sério? Vocês dois parecem se conhecer a vida inteira!

— Todo mundo fala isso, acho que a gente só se deu bem o bastante para nos tornarmos aquele tipo de amigo que, só não estão juntos quando realmente não da. — Hoseok disse me olhando e Taehyung assentiu.

— Isso é bastante interessante. Onde se conheceram? — ali naquele momento, eu estava conhecendo um pouco dos dois.

— Na faculdade.

— Vocês dois cursam o que e a onde?

— Vai fazer nosso cadastro para benefícios mensais do governo, Jungkook? — Taehyung disse e eu ri, juntamente de Hoseok.

— Só estou curioso, oras. — o ômega sorriu.

— Nós dois cursamos administração, na Universidade Yonsei, somos bolsistas lá — e mais uma vez, arregalei os olhos.

— Caralho! — disse expressando a surpresa na voz. A Yonsei definitivamente não é para qualquer um. É difícil se manter lá dentro. Eu sei disso porquê meu irmão mais velho, Wonwoo entrou e saiu no mesmo ano por achar muito pesada, além de ser extremamente difícil entrar. — Vocês dois são fodas.

Os ômegas riram.

— Não seja exagerado, a Yonsei não é esse bicho de sete cabeças que as pessoas falam. — Hoseok disse.

— Talvez de oito? — Tae riu ao que dizia.

— Meu irmão mais velho entrou e saiu no mesmo ano, ele é bastante inteligente, mas não aguentou. Fora que ele me disse que os bolsistas recebem tratamento diferente do restante, porquê vocês não podem deixar a nota cair. É verdade isso? — Eu estava curioso. Antes eu tinha vontade de entrar para Yonsei, mas depois do que o Wonwoo disse, eu desisti.

— Infelizmente é sim. Nós temos tratamento diferente por parte da faculdade inteira. — Hoseok suspirou. — Nós não podemos deixar nossas notas cair, se não perdemos nossa bolsa. Se nossa nota for um cem, não podemos deixar cair para noventa e nove virgula nove.

— Sim e isso é extremamente chato e cansativo. Nós, por sermos bolsistas, temos que provar que somos bons o suficiente para continuar lá. De qualquer forma, não existe faculdade fácil.

— Isso é verdade, eu sou da Seul University e posso confirmar isso.

— A Seul University também é bem difícil.

— Eu não discordo, mas há varias pessoas lá que entraram para a Yonsei, e reclamam bastante de quão pesado lá é.

— Sendo honesto? A Yonsei exige muito dos alunos. Temos ótimos professores e tudo mais, eu gosto muito de lá. — Taehyung disse. 

— Eu também, apesar das dificuldades que enfrentamos lá dentro, além de sermos bolsistas, somos ômegas, então já viu. — Hoseok revirou os olhos ao que dizia.

— Eu quis entrar para a Yonsei, mas desisti por causa do que meu irmão disse.

— A Seul University é tão boa quanto a Yonsei, por isso que todo mundo que sai de uma, vai para a outra.

— Isso eu também não nego.

Nós três continuamos a conversar ali na cozinha da casa de Taehyung e eu estava surpreso por duas coisas: eu consegui manter um longo diálogo com Tae e não foi sobre nosso casamento - como costumava ser quando conversavamos -, a noite de ontem foi importante para nosso relacionamento e isso me deixa feliz. E a outra coisa é que, eu havia adorado o Hoseok e conversei bastante com o ômega, não me senti desconfortável com a presença dele ou envergonhado com algumas coisas do que falávamos, como eu costumava ser. Geralmente, quando eu conheço alguma pessoa, eu não falo nada além de um "oi", mas com Hoseok, foi tão natural.

— Eu sinto muito rapazes, mas terei que ir embora agora. — pronunciei-me ao que me levantava da cadeira em que estava sentado.

— Vai embora porra nenhuma não, pode sentar essa sua raba ai de volta que eu vou preparar algo para comermos! — eu ouvi Hoseok dizer e por algum motivo eu senti que se eu não o fizesse estaria ferrado, então obedeci.

— Você estava sendo um doce Hoseok, assim você me magoa! — cruzei os braços. O ômega ao qual eu me referia, revirou os olhos.

— Pode me chamar apenas de Hobi, Jungkook.

— Certo. — sorri. — Eu não sei cozinhar, mas será que você quer ajuda?

— Não precisa, eu vou fazer somente alguns sanduíches, coisa rápida. Eu estava enrolando para fazer. — riu. Hobi passou a pagar tudo que precisava para fazer o sanduíche, separando delicadamente.

Eu olhei para Taehyung, o ômega estava muito quieto e seu olhar estava direcionado ao chão. Parecia estar em um conflito interno e pelo o que eu conheço do ômega, ele não era assim. Me apaixonei dele e o cutuquei, o mesmo me encarou confuso mas logo sorriu.

— 'Tá tudo bem com você? — perguntei e Taehyung me lançou um olhar que eu não sabia o que dizia.

— Claro! Por que a pergunta?

— Você esta bem quieto.

— Ah, isso? Na verdade eu só estava pensando em como faria para levar minhas coisas para a sua casa. — suspirou. Eu definitivamente não gostei da forma que o ômega falou.

— Nossa casa, Taehyung. Nossa casa. — a casa não era só minha, era dele também. — Meu carro esta lá fora, eu vou te ajudar a levar.

O ômega arregalou os olhos.

— Não precisa disso, eu posso dar um jeito! — falou tão rápido, que eu quase não entendi.

Revirei os olhos.

— Não, eu disse que vou te ajudar e ponto final. — o ômega suspirou e assentiu arrancando-me um sorriso vitorioso.

— Eu fico mais feliz em saber que o Tae vai ir embora para morar com alguém que não ira maltrata-lo. — Hobi disse sorrindo ao que fazia agora que os sanduíches estavam prontos, um chá.

— O Hobi quer me ver longe, Jungkook. — o ômega ao meu lado falou manhoso, com um biquinho nos lábios. Eu não resisti e o abracei, logo sendo retribuído.

— Você sabe que não, seu bobinho! — Hoseok riu e levou seu olhar até nós dois, arqueando uma de suas sombrancelhas provavelmente pela forma que eu e Tae estávamos. Deu de ombros e continuou a falar. — Eu estou com o coração doendo em ver você ir embora para longe de mim. Sou acostumado a fazer tudo junto de você e confesso que sou dependente de ti, mas estou aliviado, Tae. Sei que você não vai estar sozinho lá e espero, de todo coração que o Jungkook venha a ser um bom amigo para você, e isso eu creio que ele vá. — me encarou ao que proferia a última parte. Eu assenti. Eu pretendo ser um bom amigo para Taehyung.

Depois de passarmos bastante tempo conversando sobre coisas aleatórias, eu fui ajudar Taehyung a colocar as coisas dele no meu carro e levar para nossa casa. Recebemos a ajuda de Hoseok para isso e no fim do dia, eu me peguei em um asilo com dois ômegas e um alfa de oitenta e três anos - o que me surpreendeu bastante pois o mesmo não aparentava ter nem sessenta -, que havia ligado para Taehyung pedindo exatamente para me conhecer. Eu fiquei um pouco surpreso quando o ômega me perguntou se eu me importava de ir até lá hoje mesmo e eu disse que não. Era final de domingo e eu não tinha nada para fazer, então aceitei na hora.

Eu gostaria de conhecer cada parte de Taehyung e queria que ele me conhecesse também, quero ser seu amigo para todas as horas. O ômega não precisava ser bom comigo, afinal, eu não fui bom para ele. Mas acontece que seu coração era bom demais e isso me instigava a me aproximar cada vez mais dele.

Quando conheci Minhwan, fiquei bastante surpreso. Primeiro pelo fato do mesmo não aparentar, de jeito nenhum, ter oitenta e três anos, segundo porque ele também era bastante encantador. O alfa havia me dito que Hoseok não tinha sangue dos Kim, mas aquilo não importava para ele. Ele deixou bem claro que ter o mesmo sangue não era nada, já que ele ama Hoseok da mesma forma que amava Taehyung e eu só consegui sorrir encantado com aqueles três. A relação que eles tinham era muito bonita e os três eram bastante engraçados, e mais uma vez no dia, eu fiz amizade com alguém facilmente - o que não era nada comum para um Jeon Jungkook -. Minhwan, no começo não gostou de mim por causa de como tratei seu bisneto, mas eu lhe assegurei que faria de tudo para ter uma ótima relação com Taehyung pelos próximos dois anos e meio, depois disso o alfa conversou animadamente comigo e eu simplesmente me apaixonei.

Avós foi algo que eu nunca tive, porém, sempre quis ter. Eles sempre estiveram lá, vivos. Porém, eu nunca fui o neto favorito. Meus avós deixaram bem claro que não me queriam por perto, a única coisa que sempre importou para eles, foi o dinheiro e meu irmão mais velho, Jeon Wonwoo. Eu não era tão próximo do primogênito dos Jeon, por isso não comento tanto sobre ele. As vezes nós passamos bastante tempo conversando mas é algo raro e que acontece somente se estivermos todos reunidos - o que não acontece muito -. De qualquer forma, meus avós não fazem falta.

Provavelmente, foi por isso que eu gostei tanto de Minhwan, ele era a personificação do avô que eu sempre quis ter. Tínhamos bastante em comum e eu percebi isso, quando nós quatro fomos soltar pipa do lado de fora. Naquele momento, o sol já estava se pondo. E eu estava me divertindo tanto com coisas tão simples.

— Jungkook, você esta atrapalhando a minha pipa a ir mais alto! — ouvi Taehyung dizer. Encarei o ômega, que tinha um biquinho em seus lábios rosados. Extremamente fofo.

— Tae, você é péssimo nisso. Por que esta jogando a culpa em mim? — eu disse rindo, voltando minha atenção para a pipa. Minhwan concertava a linha da pipa de Hobi, que havia soltado. O ômega perderia a pipa se não fosse o avô.

— Olha lá, Jeon! A sua linha ta quase cortando a minha. — eu olhei as linhas e o que o ômega disse, era realmente verdade, porém eu não tinha culpa nenhuma naquilo. A pipa de Taehyung estava um pouquinho alto no céu - claramente estávamos soltando-as em um lugar que não apresentava perigo para ninguém - entretanto ela estava rodando em círculos e sua linha estava ficando cada vez mais próxima da minha.

— Você não esta fazendo direito, Taehyung! — revirei os olhos em diversão.

— Como não?! Ela esta voando, não esta? É isso que eu tinha que fazer. — suspirei. Puxei minha pipa de volta e fui até o ômega.

— Ela não esta voando direito, deixa eu te ajudar. — o ômega me encarou, ao que eu receava meus braços envolta de seu corpo. Segurei a mão que ele manuseava a linha, com uma de minhas mãos e depois ajudei-o a segurar seu carretel com a outra. O ômega estava soltando linha demais e esse era o problema ali. — Tae, você soltou uma quantidade de linha enorme. Ela esta subindo por causa do vento forte e a quantidade de linha esta fazendo com que ela fique dando círculos no céu, você não esta manuseando direito! — ajudei-o com minha mão por cima da sua, fazendo com que agora, a pipa, pouco a pouco, fosse voando corretamente no céu. — É assim que deve ser, segure firmemente a linha com sua mão dominante para ela voar corretamente. — eu terminei de ensina-lo e só ver ele sorrindo daquele jeito, meigo e animado, fez meu coração ficar aquecidinho, a ponto de eu nem perceber que minha cabeça estava escorada no ombro esquerdo do ômega. Eu me sentia confortável, então quando percebi, não fiz menção de tirar minha cabeça de seu ombro. O ômega não estava encomodado e eu também não.

Olhei para Minhwan e Hoseok, que nos encaravam sorrindo. O momento estava tão gostoso que eu não queria que acabasse nunca e definitivamente, eu faria aqueles momentos acontecerem novamente. 






                     <•><•><•>





A segunda havia iniciado da mesma forma de sempre. Tediosa. Eu odiava segundas, definitivamente. O fato é que passar o final de semana fazendo aquilo que eu gostava era bom demais e quando a semana - por parte e duas úteis - se iniciava com aquele monte de obrigações que eu tinha que cumprir, me irritava muito. Não faz sentido culpar um dia da semana mas era o mais certo a se fazer. 

Já se passaram três meses que eu e Taehyung nos casamos e nós ficamos bastante próximos, o que era muito bom. Cada momento que passávamos juntos era importante. Fiquei bastante próximo de Minhwan e Hoseok também. Descobri que o alfa era o dono do império Kim e que era bisavô de Yoongi e Namjoon também, fiquei surpreso com isso pelo fato de que as condições de Taehyung era totalmente diferente da dos primos. O ômega me assegurou que quando estivesse preparado, ele me contaria tudo o que não fazia sentido para mim. 

Estava no momento, sentado em minha mesa de sempre no restaurante em que Taehyung trabalhava. Minha cara expressava pura irritação, o que estava chamando atenção de quem passava por perto de mim, até de Minho - que recebeu um rosnado meu -, este que chamou Taehyung para conversar comigo - pois minha presença estava assustando alguns clientes -. O ômega não demorou a aparecer. Estava um pouco confuso e assustado, mas mesmo assim sorriu. Seu sorriso foi o suficiente para eu me acalmar um pouco. 

— Tá' tudo bem? Você esta assustando alguns clientes e a mim também, eu nunca te vi assim, o que houve, hum? — o ômega foi atencioso, como sempre. Sentou-se ao meu lado, deixando alguns carinhos em meus cabelos. Eu gostava daquilo. 

Suspirei. 

— Estão todos enchendo a minha paciência, porque desde aquele dia, eu não estou falando com Jin! — o ômega estava ciente sobre tudo. Conheceu a Jin e Jimin, e sabia da minha magoa com o hyung. 

Desde que Seokjin me disse aquelas palavras, eu não voltei a falar com ele. Eu estava magoado e com raiva dele, o que não era pouco. Não era frescura da minha parte - como Jimin e minha mãe haviam me dito -, eu estava realmente magoado. O ômega tocou em uma parte de mim, que doeu por anos e eu não perdoaria tão fácil. A raiva que eu sentia de Seokjin não era pouca e juntando com a magoa, só me fazia me afastar cada vez mais.

— E quem são esses "todos"? — perguntou-me. 

— Jimin, minha mãe, meu pai, minha irmã, meus amigos. Todo mundo! — joguei para trás na cadeira. Esfreguei minhas mãos em meu rosto em pura angustia e irritação. 

— Jin magoou a eles ou a você? — perguntou-me. 

— A mim! 

— Então pronto, Jungkook! — encarei-o confuso. — Foi para você que Seokjin disse todas aquelas palavras, foi a você quem ele machucou. Somente você sabe o peso daquelas palavras! Volte a falar com ele quando você quiser, Jungkook. Não é a pressão dos outros em você que vai fazer as palavras dele doerem menos. — acariciou minha bochecha esquerda, ao que me encarava, dizendo-me todas aquelas palavras. — Leve o tempo que você e somente você, achar necessário! 

O fato é que, eu estava ciente de tudo o que Seokjin havia me dito. Era verdade. 

O que me machucou mesmo, foi a forma que ele disse tudo, tocando na minha maior ferida, sem se importar com o como eu me sentiria depois. Aquilo foi a gota d'agua para mim e eu não estava preparado para perdoa-lo. 

— Não se sinta pressionado por isso e nem fique irritado, eles não entendem porque não foi com eles. — o ômega completou.

Eu sorriso e depois o abracei. 

As vezes sinto que ele é o único que me compreende. 

Taehyung sempre diz aquilo que eu preciso ouvir e isso me encantava. Nós de fato estávamos virando grandes amigos. 





Notas Finais


E ai? Capitulo cheio de momentos Taekook pra vocês. Espero que tenham gostado e desculpa qualquer erro (não revisei por pura preguiça).
Apreciem a capa maravilhosa (by @ROZOK) e JONGDAE PAPAI!!!!!!

É istoh, eu estou feliz demais!!!!


Até o próximo capitulo ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...