1. Spirit Fanfics >
  2. Aventuras e desventuras de percabeth >
  3. Special Frazel

História Aventuras e desventuras de percabeth - Capítulo 59


Escrita por:


Notas do Autor


GENTE ALGUÉM ME DA UM TIRO, SÉRIO!

não acredito que eu postei os capítulos na ordem errada, mas eu reescrevi esse praticamente para as histórias encaixarem... espero que gostem 😚

Capítulo 59 - Special Frazel


Fanfic / Fanfiction Aventuras e desventuras de percabeth - Capítulo 59 - Special Frazel

Pov.Hazel


   Não pode ser.

  

   Isso não é real, ou é? 


   Estou congelada, em choque, na entrada do restaurante, e o vejo conversando alegremente com Annabeth. Ela o conhece? Será que já namoraram? Será que ele era com ela como ele era comigo? Será que ele a amou? Será que ainda a ama? 


   Porque eu estou me fazendo essas perguntas? Eu tenho um namorado. Um namorado atencioso, bonito, que me ama e que eu amo. Mas pareço esquecer disso quando o olhar dele cruza com o meu. 


-Hazel, você está bem? - a voz de Frank me tira de meus devaneios e eu me viro para ele.


-Estou sim, eu só... 


-Hazel? - Sammy aparece na minha frente me encarando como se eu fosse um fantasma - Quem é você? - pergunta ao meu namorado, já que eu não falo nada.


-Sou o namorado dela.


-Nossa, parabéns Pepita - diz usando o apelido que me dera. Parece que foi a tanto tempo...


-Sam, o que você está fazendo aqui? Não tinha se mudado para a Austrália? - pergunto chocada e ele confirma.


-Estamos de férias e Ann me chamou para o aniversário.


-De onde você conhece a Annabeth? - pergunto desconfiada.


-Ela é minha amiga de infância - diz ele com aquele sorriso deslumbrante.


-Ah...- será que ele a conheceu antes de mim?


-Não, pepita - ele responde minha pergunta não verbalizada - você foi minha primeira.


-Sua primeira o que? - Frank pergunta ciumento e curioso.


-Minha primeira amiga de verdade. E algo mais - completa com uma piscadela e eu coro.


-Ele é aquele amigo que eu te falei - digo a Frank e ele fecha a cara. Sempre teve ciúmes do Léo, por me lembrar o Sammy. Agora ele conheceu o Sammy. 


-Quer que eu deixe vocês um pouco a sós? - pergunta e eu concordo. Ele me da um selinho e vai se sentar com nossos amigos. 


-Você até que superou bem né? - pergunta com um sorriso triste e eu concordo.


-Não foi fácil - digo e ele assente.


-Desculpa. Por tudo. Por ter deixado um bilhete ridículo e por não ter avisado. Por não ter ligado. Eu não sabia o que dizer nem fazer - ele confessa cabisbaixo e eu apenas o consolo.


-Tá tudo bem, Sam. Eu não te culpo. A gente ficou um tempo separado não? - digo com um sorriso de lado e ele confirma.


-Haz você não vai acreditar. Eu consegui botar fogo no quarto! - Léo chega correndo ofegante. Quase rio mas fico preocupada.


-E calipso, está bem? - pergunto me levantando e ele assente.


-Claro que sim!


-o jeito que você é desastrado é diferente, Léo.


-Obrigado - diz com uma reverência. Fecho a cara.


-Não foi um elogio, elfo! - digo em tom de bronca - você poderia ter se machucado e machucado ela também, seu animal! Desastrado.


-Calma ae Haz, não é pra tanto! - diz ele desviando o olhar e focando atrás de mim a quem é esse? 


-Fiquei tão chocada com o que aconteceu que até me esqueci de apresentar vocês - digo ainda em tom de bronca.


-Até a amnésia ela põe a culpa em mim! - resmunga ele e eu o encaro.


-Esse é o Sammuel - apresento e Léo logo assimila.


-O cara que você fala que parece comigo? - ele diz sorridente e eu confirmo - ele não é gostosão que nem eu mas da pro gasto! Pode fazer parte do time Léo! - diz estendendo a mão, que Sammy prontamente cumprimenta sorrindo.


-Obrigado... eu acho.


-Não agradeça - sussurro e os dois escutam. Sam ri enquanto Léo faz cara feia.


-Ei! Isso é uma honra, tá? - diz fingindo irritação.


-Claro Léo, claro! - concordo rindo.


   Seguimos para o restaurante e tomamos o café da manhã junto a alguns outros amigos. Quando acabamos, todos dispersam pra curtir a viagem. 


-Hazel, querida - chama Perséfone com a voz doce.


-Ah oi, Perséfone - cumprimento.


-Seu pai quer tirar uma foto em família, pediu para eu te chamar - ela diz com aqueles olhos pidões e eu concordo. Entrego minhas coisas a Frank, para que ele segure enquanto eu vou.


-Tudo bem, vamos lá - digo e a acompanho até um ponto em que estão meu pai e os irmãos cara pálida - oi pai.


-Oi filha - ele me da um beijo no topo da cabeça. O fotógrafo começa a falar em uma língua que eu não entendo e olho confusa para meu pai - ele pediu para você ficar ao lado de Perséfone.


   Me posiciono como o instruído, tem uma só de nós três, eu, Bianca e Nico. Outra de Hades e Perséfone. Uma minha e de Perséfone, uma minha e de Hades. E por aí vai!


   Saindo da área de fotos, fomos para o zoológico, subimos em elefantes e camelos, pegamos filhotes no colo, o que me rendeu até uma foto de Frank com três filhotes de panda no colo e um na cabeça. Foi muito fofo. 


   De manhã, Frank vai jogar com os meninos. Então resolvo ir numa feirinha de artesanato local com algumas meninas. Pegamos uma van do hotel e fomos. Algumas das nossas mães também foram, mas em outra van. Sentei junto com calipso e nós fomos ouvindo música e conversando. 


-E então, quem é o cara que apareceu do nada? - ela pergunta.


-O Sammy? - pergunto e ela assente.


-Sei que ele é um amigo de infância da Annabeth, mas como você o conhece? - ela pergunta sem suspeitas, apenas curiosidade.


-Ele também é meu amigo de infância - tipo um namorado. Completo mentalmente.


-Hmm - ela percebe que omiti alguma coisa mas não liga - você já está com saudade do Cruzeiro? sinto que lá se tornou minha casa... já estou morrendo de saudade! - ela confessa e começa a tagarelar. Minha participação na conversa consiste em assentir e murmurar um sim ou não de vez em quando, mas Calipso não liga pra isso também.


   Logo chegamos a bendita feira. Compro vários doces e alguns acessórios adoráveis. Vejo um par de alianças lindas com uma pedra que nunca vi. Eu e Frank não temos aliança ainda, mas eu realmente amei essa. Me aproximo da senhora que toma conta da barraca e pergunto sobre a aliança.


-Ah minha filha. Essa aliança é raríssima. A pedra delas é única e a cor é incrível não? - ela pergunta e eu assinto - é uma espécie de dourado translúcido que lembra a cor do meu olho. Como se a senhora lesse meus pensamentos, ela comenta - mas são da cor dos seus olhos, querida! 


-Eu notei exatamente isso! - digo gentil e a senhora me da um sorriso banguela.


-Sabe... esse par é muito especial - ela comenta como se fosse um segredo confidencial - de fato eu nunca vi nada parecido, em toda a minha vida. 


-Então acho que terei que levar, não é mesmo? - pergunto como se fosse inevitável e ela concorda. Entrego uma nota de cem dólares.


-Ah, minha filha - ela olha em uma caixinha de madeira e lamenta - receio não ter troco - ela diz e estende a nota - mas leve o conjunto, elas são perfeitas para você!


-Obrigada, mas não precisa me devolver, isso vale muito mais que cem dólares pra mim - digo e aperto sua mão - obrigada - agradeço e sigo para o grupo de meninas reunidas. 


   Assim que voltamos para o hotel, uma das funcionárias me ajuda a levar as sacolas para o bangalô. Recuso a ajuda, nem era tanta coisa, mas ela insiste. Então, lhe entrego metade das sacolas e levo a outra metade. Quando ela está indo embora peço a ela para me indicar onde ficam as quadras, quando ela termina de me explicar, pego as alianças e me rumo pelas suas instruções.


   Encontro a quadra em que os meninos estão jogando sem dificuldade, e como se fosse combinado, eles começam a ir embora, me deixando sozinha com um Frank suado e se abanando com a camisa. Que por sinal estava grudada em seu corpo. Isso é uma puta sacanagem com a minha pessoa. 


   Qual é! Eles querem que eu vá presa por fazer atos obscenos em público? 


-Oi - meu namorado me cumprimenta me tirando de meus pensamentos nada puros.


-Oi, eu queria falar com você - digo lembrando o motivo de eu ter vindo aqui, para início de conversa.


-Então fala. Sou todo ouvidos - diz ele e eu respiro fundo, tomando coragem pra fazer o que eu vou fazer.


-bem, eu fui hoje na feirinha e vi um par de alianças lindo - digo e por sua expressão ele parece estar entendendo o rumo que isso vai ter - e me dei conta de que nós não temos aliança.


-Hazel...


-Deixa eu falar - corto e ele se cala - Então, eu resolvi comprar e por isso quero te perguntar: Frank Zhang, quer namorar comigo? - pergunto e ele sorri apaixonado e me abraça.


-Eu achei que a gente já namorava, mas se você insiste em perguntar! - diz ele e eu rio.


-Olha - mostro os anéis a ele, que diz exatamente o que eu e a velhinha pensamos.


-São da cor dos seus olhos - ele diz maravilhado e eu concordo. Colocamos as alianças e então ele me beija.


-Você...- começo quando separamos o beijo - não está se sentindo menos homem não né? - pergunto apesar de já saber a resposta. 


-O que? Isso é o que qualquer homem iria querer. Quer dizer, quem não quer o amor da sua vida te pedindo em namoro - ele fala acariciando minha bochecha e eu concordo.


-Também acho - o puxo para outro beijo apaixonado e ele me pega no colo me girando. 


-Agora acho melhor irmos para o quarto, preciso tomar um banho antes do almoço...


   Eu e Frank fomos os únicos que pegamos um bangalô, é bem aconchegante e praticamente pé na areia. Sem contar que Annabeth nos colocou em um dos mais exclusivos, que tinha praticamente o dobro do tamanho e era escondidinho no mato. Tinha até um ofurô na floresta ao lado. 


-Nossa, eu to com cheiro de suor - diz Frank e logo em seguida tira a camiseta, revelando a  tatuagem em sua costela, que era “Zhang” em japonês. E uma outra, de uma Flecha, em seu antebraço. 


   Entrando no bangalô, ele segura a porta aberta pra mim com um sorriso malicioso. Eu sei muito bem o que vem pela frente. Devolvo o sorrisinho e sigo para o banheiro. Ouço ele trancar a porta enquanto eu tiro minha roupa e, entro na banheira que já estava cheia e perfumada. 


   Frank chega logo em seguida, apenas com a bermuda de futebol, bem baixa em seu quadril, destacando meu caminho para a felicidade naquele abdômen esculpido. Deuses que homem! 


   Ele tira a calça e a cueca e caminha até mim, gloriosamente nu. Me afasto um pouco e ele senta atrás de mim. Quando se acomoda, me puxa para si, me prendendo.


   Ele pega a bucha e o sabonete, e então começa a me ensaboar. Vai descendo a mão até minha intimidade. Pouco depois vejo a bucha boiando na minha frente e sinto seus dedos me acariciarem. Gemo.


-Está gostando? - pergunta em meu ouvido fazendo cada pelo meu se eriçar.


-Sim - consigo dizer e então ele enfia dois dedos em mim. 


   Começo a me erguer na banheira e ele me vira, entrelaço a perna em sua cintura e o beijo sedutoramente, mordo seu lábio inferior e ele me posiciona em seu membro e eu abaixo, fazendo-o me preencher por completo. Sei que dizem que pau de japonês é pequeno, mas se isso for verdade, Frank é um verdadeiro mutante. 


   Me ajeito e começo a cavalgar em seu membro, Frank põe um dos meus seios na boca e eu rebolo lentamente enquanto ele chupa meu mamilo com voracidade. Faminto. Ele põe as mãos fortes no meu quadril, me incentivando a continuar e eu faço. 


   Minhas pernas já estavam queimando, mas quando comecei a sentir o prazer chegar, acelerei ainda mais os movimentos até que nós dois gozamos em perfeita sincronia. E então, ele me puxa para um beijo apaixonado. 


   Terminamos o banho e eu me enrolo no roupão, faço uma maquiagem e separo um vestido amarelo que deixa as costas abertas e um outro mais simples. 


   De acordo com Frank, o amarelo ressalta meus olhos âmbar. Fofo, eu sei, mas resolvi ir com o mais simples. É um modelo da Louis Vuitton com os monogramas em dourado, já deu pra notar que eu amo dourado? 


-Amor, tá pronta? - ele pergunta saindo do banheiro já vestido com uma bermuda e uma regata. 


-estou - digo ajeitando o vestido. Pego uma bolsa da Versace dourada e ponho minhas coisas. 


   Encontramos com todos no restaurante e as meninas querem apenas ir para a piscina e se divertir no dia livre, não me oponho, já que a semana de roteiro me saturou. Vou com Frank me trocar e me deparo com aquele vestido amarelo, com certeza ele não vai combinar com a praia, mas acho que vou usá-lo hoje a noite, já deixo separado em um daqueles sacos pra não amassar nem nada. 


   Coloco meu biquíni, adivinhem, dourado! E minha bolsa de praia ponho uma sandália, coloco uma toalha de praia da Versace, bronzeador, protetor, etc. acabo e confiro tudo, Frank já está esperando ao lado da porta. 


   Noto o vestido amarelo de novo. Por precaução, antes de ir ligo para o serviço do hotel e peço que alguém passe o vestido e deixe aqui antes das 18:00. 


   Depois de passar a tarde na praia, conversando e jogando na areia, todas vamos nos arrumar para o jantar de natal no quarto da Annie, obviamente é o maior. Antes, cada uma passa no seu quarto para buscar o vestido, as makes, essas coisas. Meu vestido está lá impecável, solto o ar que estava prendendo. Pego a sandália, a lingerie e a necessaire. Sigo para o quarto de Annie, onde a música já está estourando.


   



Notas Finais


Gente sério, desculpem aí eu fiz uma confusão... espero que tenham gostado, comenta e favorita, pra me ajudar 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...