História Aventuras em Johto: Alma de Prata - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Ethan, Lyra, Professor Elm, Silver
Tags Aventura, Johto, Pokémon
Visualizações 22
Palavras 2.041
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 25 - Os Executivos Aparecem!


Red olhou para Amy. Os dois caminharam até o grupo de capangas da Equipe Rocket que estavam em sua frente. Quatro deles tentaram impedir a passagem para o andar superior, mas brasas de fogo fizeram eles se esquivarem.

— Os oponentes de vocês somos nós. — Disse Ethan, virando o boné. Quilava encarava sério os oponentes. Seu Ember havia atraído todas as atenções.

Forrest sorriu para o amigo. Cobriu o punho da mão direita com a mão esquerda, como um soco.

— Espero que vocês tenham plano de saúde. Vão precisar.

— Ou já encomendem seus caixões.

Os capangas da Equipe Rocket sorriram maliciosamente. Eles começaram a olhar uns para os outros e sorriram. Alguns deles retornaram seus Pokémon e sacaram PokéBolas negras. Forrest olhou curioso.

— Ultra Bolas? — Disse o moreno.

Das PokéBolas negras lançadas pelos Rockets, Pokémon diferentes dos comumente usados chamaram a atenção dos garotos. Eram Pokémon grandes e estavam muito nervosos.

Tyranitar. Kabutops. Muk.

Ethan sorriu.

— Acho que temos um bom desafio aqui, mano.

Forrest sacou duas PokéBolas.

— Vai ser divertido.

Shuckle e Heracross juntaram-se a Sandshrew e Scyther, que eram liderados por Quilava e Rhyhorn.

— Não acredito que vocês iam me deixar fora dessa... — A voz de uma menina ressoou pela sala.

Lyra caminhou em direção aos garotos com três PokéBolas em mãos.

Bayleef, Azumarill e Furret encararam seus oponentes com olhares mortais.

Os Rockets atacaram. Seus grandes Pokémon atacavam juntos e suas defesas eram quase impenetráveis. Começou um grande falatório, onde os dois lados se atacavam, gritando golpes e explosões aconteciam. Os Pokémon se enfrentavam como se aquilo fosse a última batalha de suas vidas, como se elas dependessem disso. Cada Pokémon lutava pela honra de seu treinador. Eles só parariam quando o último oponente fosse derrotado.

— Sandstorm! — Berrou um dos Rockets ao imponente Tyranitar.

O Pokémon ergueu os braços e deu um rugido tão grande que poderia ser ouvido há quilômetros. O chão começou a tremer e uma cratera apareceu quando uma massa enorme de areia passou por ele. A areia espalhou-se pela sala e parcialmente cegou os treinadores e Pokémon. A maioria dos Pokémon em batalha era atingida pela areia. Sandshrew, Rhyhorn, Shuckle e o próprio Tyranitar pareciam não sentir nada.

— Como se isso fosse atrapalhar alguma coisa. Scyther, Wing Attack! Quilava, Ember!  Sand, Swift!

— Rhyhorn, Rock Blast! Shuckle, Bide! Heracross, Brick Break!

— Mega, Magical Leaf! Blue, BubbleBeam! Ota, Fury Attack!

Os Rockets também ordenavam ataques simultaneamente.

— Tyranitar, Dark Pulse!

— Kabutops, Aqua Jet!

— Muk, Mud Bomb!

Foi uma bagunça. Rhyhorn quebrava o chão para arremessar pedras nos oponentes enquanto Muk arremessava pedaços de seu corpo tóxico. Tyranitar atingiu Shuckle que resistiu bravamente devido à sua defesa de ferro e Heracross atingia o crânio do monstruoso Pokémon com um golpe super-efetivo, deixando Tyranitar tonto. Blue, a Azumarill e Mega, a Bayleef concentravam seus golpes em Kabutops ao mesmo tempo em que Quilava (que havia, ao invés de soltar o Ember, envolvido seu corpo em uma roda flamejante – Flame Wheel), seu parceiro Sandshrew, Scyther e Ota, o Furret derrubavam os outros Pokémon que estavam no campo de batalha, como os Ekans, os Koffing e também vários Zubat.

Uma explosão gerada pelos golpes que eram atingidos ao mesmo tempo gerava uma enorme nuvem de fumaça. Ethan, Lyra e Forrest suavam enquanto seus Pokémon resistiam bravamente. Tyranitar, que havia sido criticamente atingido por Heracross, cambaleou para trás quando Shuckle devolveu com gosto o dobro do dano que a criatura havia causado nele com o Dark Pulse, devido à técnica Bide.

Ethan olhou para Forrest e Lyra avisando que iria acabar com aquilo naquele instante. Os dois acenaram com a cabeça e olharam para seus Pokémon.

— Sandshrew, Dig!

— Rhyhorn, Stomp no chão, agora!

— Mega, Grass Knot!

Sandshrew cavou um buraco no chão, abalando toda a estrutura do andar.

Rhyhorn auxiliou na destruição jogando todo o peso de seu corpo para baixo.

Mega, a Bayleef prendeu as patas dos oponentes, impedindo-os de fugir.

Todos começaram a sentir um repentino tremor. Um terremoto fazia tremer tudo e o chão partiu-se em dois, quatro, oito, dezesseis pedaços. Uma enorme cratera abriu-se e todos que estavam ali naquele andar começaram a cair em queda livre aqueles sete andares até o solo.

— Vine Whip! — Exclamou Lyra.

Bayleef, com os cipós em seu pescoço, agarrou-se em uma das pilastras do andar de cima, firmemente presa. Ethan subia novamente em direção ao topo graças à Scyther, que voava com o garoto, enquanto Heracross levava Forrest. Os dois retornavam seus Pokémon rapidamente enquanto voavam.

O poder da gravidade fez Bayleef pegar impulso em uma das paredes dos andares abaixo que já não existiam mais e se lançar para o alto, levando Lyra consigo. Em um último movimento, a garota se jogou das costas de Bayleef e rumou para baixo, recolhendo Azumarill e Sentret, que estavam em queda livre. A garota só não alcançou o chão porque sua cintura foi agarrada pelos cipós de Bayleef, que a conduziu de volta para cima.

No último andar, Amy entrava com Red na sala de transmissão. Ariana, Petrel, Proton, Archer e Silver pareciam que estavam aguardando os dois chegarem. Os reféns continuavam calados, mesmo quando perceberam a presença de Red ali.

Silver levantou-se de uma das poltronas e se dirigiu, de braços abertos, para receber seus “convidados”.

— Ora, ora, ora... Finalmente as estrelas do show... Vocês estão atrasados. — Disse o ruivo sorrindo maliciosamente.

Amy dirigiu-se até o ruivo e deferiu-lhe um soco na cara.

Capangas da Equipe Rocket que estavam presentes sacaram suas PokéBolas. Ariana deu um sorriso maléfico.

— Você continua rebelde... Nem cumprimenta ninguém, já chega causando confusão... Continua sendo a mesma menina mimada de sempre.

A garota deu um olhar mortal para a ruiva.

— Cala a sua boca, sua velha nojenta.

Ariana engoliu o sorriso. Um olhar de ódio surgiu em seu rosto. Com uma fúria mortal, andou apressadamente até Amy e deu um forte tapa em seu rosto. O impacto foi tão violento que a garota caiu de costas no chão.

Com lágrimas nos olhos, Amy deu um sorriso sádico.

— Você precisa de bem mais do que isso pra me derrubar...

Do bolso da mochila, retirou a PokéBola GS. Ariana permaneceu estática, assim como os outros membros. Um silêncio mortal tomou a sala.

A garota levantou-se devagar e aproximou-se de Red, que apenas observava.

— Vamos fazer alguma distração.

Amy tascou um beijo em Red, que retribuiu com desejo. A Equipe Rocket continuava estática vendo aquela cena bizarra.

Os dois se separaram. Amy ergueu a PokéBola dourada e prateada e a arremessou pela janela daquele andar. Ariana soltou um berro e correu, mas não conseguiu chegar a tempo. A cápsula de Celebi caia tranquila, indo em direção ao chão.

Outra PokéBola foi arremessada pela janela. Pidgeot voou rapidamente em direção ao chão, pegando a cápsula e voando para longe.

Ariana voltou sua atenção para o jovem casal. Todos na sala ainda estavam atônitos pelo ocorrido.

Amy sorria.

— Eu sempre tenho um truque na manga.

Red liberou seu Blastoise.

— Acho que ainda vamos causar alguns problemas.

Forrest, Lyra e Ethan adentravam na sala. Estavam suados, roupas arregaçadas, arfavam muito, mas tinham um sorriso inabalável. Um sorriso confiante.

Ethan deu um passo a frente e apontou para Silver com o indicador.

— A gente deu um jeito em uns carinhas pau-mandados de vocês. Eu não sabia que vocês eram tão fracos.

Silver levantou-se.

— E não somos. Então quer dizer que a Amy trouxe toda a sua trupe de treinadores trouxas que a protegem junto com ela... Fico surpreso que vocês tenham chegado até aqui intactos... Eu me surpreendi.

Archer agora era quem aproximava-se curioso daquele grupo infame.

— Por que vocês estão protegendo ela? Se ela virou as costas até para a Equipe Rocket quando fazia parte dela, eu imagino que não vai faltar muito pra ela se virar contra vocês também.

Ethan e Forrest encararam a garota surpreso. Red não se manifestara.

Amy engoliu o riso. No entanto, não se dirigiu à Red, Ethan ou Forrest.

— Vocês são tão panacas que adoram reviver o passado. É por isso que vivem atrás do Celebi... Mas vamos acabar com isso. — A garota sacou uma PokéBola. — Primeape, é com você.

O Pokémon de Amy encarou os velhos conhecidos. Mas ele mesmo sabia que eles queriam fazer coisas ruins com a sua treinadora e ele não podia deixar.

Ethan caminhou e foi parar ao lado de Amy.

— Eu não ligo. Eu não ligo se ela virou as costas pra vocês. Eu não ligo se ela pertenceu ou não à Equipe Rocket. Vocês são nojentos. Eu imagino que eu faria o mesmo no lugar dela. — O garoto ergueu uma PokéBola para frente. — Quilava.

Um brilho intenso iluminou a sala quando Quilava marcou presença ativando as chamas em suas costas. Encarava seus oponentes com um olhar sombrio.

Rhyhorn e Azumarill tomavam a frente. Cinco ferozes Pokémon encaravam a Equipe Rocket de forma assustadora. Porém, nenhum dos executivos ou agentes demonstravam ter medo. Pareciam apenas aguardar alguma coisa.

O rádio no bolso de Petrel deu a resposta. A voz grave de Giovanni ressoou.

— Está feito. Avançar.

As paredes da sala explodiram. Uma grande nuvem de fumaça tomou conta do lugar.  Os membros Rocket fugiam dali por várias saídas improvisadas da explosão. O prédio fora totalmente esvaziado.

Red fez menção em segui-los, mas Amy segurou com força em seu braço. Apontou para os reféns. O garoto entendera.

A policia chegou minutos depois, mas não conseguira deter nenhum dos agentes. Os reféns foram levados ao Centro Pokémon para serem curados enquanto Red, Amy, Ethan, Lyra e Forrest permaneciam sentados em uma calçada do outro lado da rua onde ficava o prédio, agora destruído, da Torre de Rádio.

— Você sabe que eles ainda não desistiram, não é? — Perguntou Red à Amy.

A garota suspirou.

— Eles nunca desistem.

Ethan, que permanecia calado, se virou para a garota.

— Então quer dizer que você era agente da Equipe Rocket, aquela PokéBola bizarra que você carrega consigo pra cima e pra baixo contém um Pokémon lendário e agora nós estamos sendo perseguidos pela máfia?

Amy ficou em silêncio por alguns segundos, mas, sem olhar para o garoto, respondeu.

— Sim.

A garota levantou.

— Obrigada por vocês terem viajado comigo todo esse tempo. Eu não vou mais atrapalhar.

Forrest soltou uma exclamação.

— Mas como assim?!

— Eu vou seguir viagem sozinha.

Foi a vez de Ethan se levantar e encarar Amy com um olhar sério.

— Escuta aqui. Eu nunca vou deixar você sair por aí sozinha, me ouviu bem? Cê tá maluca? Quer morrer? Você vai continuar seguindo viagem com a gente!

Amy olhou zangada.

— Você não manda em mim.

— Você tem razão. Mas eu tenho atitude o suficiente pra falar isso pra você. Eu te sigo até o Polo Norte se você insistir nessa maluquice.

Os dois se encararam de forma intensa. No entanto, Amy acabou cedendo.

— Está bem então. Mas saibam que vocês vão precisar se fortalecer muito para a próxima batalha contra eles.

— Não é problema. Temos o cara mais poderoso do continente seguindo a gente. A retaguarda tá protegida. — Sorriu Ethan.

— Não se preocupe. A gente dá conta. — Disse Forrest.

Red também sorriu.

— É, gatinha... Acho que você tá em boas mãos. E a propósito, adorei o gosto do seu batom. Morango, né? Mas eu adoro uva. Fica a dica pra próxima vez.

Charizard fora convocado da PokéBola. Red o montou e decolou rumo ao horizonte.

Lyra suspirou.

— Vocês só causam problemas... Eu vou seguindo pra Cidade de Ecruteak. A gente se vê.

A garota deu as costas e foi andando pelo caminho que dava à Rota 36, que seguia para a próxima cidade.

— Acho que a gente seguir nossa viagem também. Juntos. — Disse Amy cruzando os braços.

Ethan sorriu.

— É ótimo mesmo. Mas vamos passar no Centro Pokémon antes de seguirmos viagem.

— Tudo bem... Acho que a gente precisa repor as energias mesmo... — Comentou Forrest.

Ethan e Forrest descobriram sobre o passado da amiga e sobre o segredo da PokéBola GS. No entanto, nada fora revelado sobre os motivos que levam a Equipe Rocket a cobiçar Celebi, o Pokémon com o poder de voltar no tempo. A viagem pela Cidade de Goldenrod se aproxima de seu desfecho, mas os corações dos jovens ainda terão lembranças a guardar dessa enorme cidade. Vamos acompanhar a próxima aventura.

 

TO BE CONTINUED...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...