História Aventuras em Johto: Alma de Prata - Capítulo 53


Escrita por:

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Ethan, Lyra, Professor Elm, Silver
Tags Aventura, Johto, Pokémon
Visualizações 6
Palavras 5.703
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 53 - Quebrando o Gelo! (Parte 2)


Quinta-feira, 14:27h.

Ethan mal conseguia tocar no almoço naquela tarde ensolarada. Apoiava a cabeça e olhava para o prato com uma expressão perdida, brincando com a comida.

— Está tudo bem, Ethan? Você está meio abatido desde manhã — perguntou Amy que começava a ficar preocupada com o amigo.

— Deve ser pela batalha de Ginásio. Ele comentou que ia desafiá-lo hoje, não? — Forrest respondeu pelo garoto, que não dava sinais de que havia ouvido falarem com ele.

Amy suspirou.

— Ele já lutou em seis Ginásios e toda vez é a mesma coisa, né?

— Acho que perderia a graça se ele deixasse de ser assim.

Amy e Forrest ao menos tentavam se esforçar para que a estranheza não voltasse a tomar conta do coração dos dois. A conversa do dia anterior acalmou os ânimos, mesmo que o clima de desconfiança que estranhamente Amy sentia em seu coração em relação à Forrest estivesse naquele momento sendo mais forte do que qualquer outro tipo de sentimento.

A verdade é que era bom ter Forrest de volta. E aos poucos, Amy começava a ter esperança das coisas voltarem aos eixos. Claro, Ethan estava ficando com um comportamento estranho que provavelmente tinha a ver com o retorno de Forrest, mas era bastante compreensível, visto que o garoto ainda era extremo em suas atitudes. A garota sabia que, cedo ou tarde, Ethan voltaria ao normal e ela poderia enfim ter sua tranquilidade de volta.

O pensamento dos garotos fora interrompido imediatamente quando Vivian Chevalier chegou ao refeitório e aproximou-se deles.

— Quem de vocês vai enfrentar o meu avô?

Ethan, totalmente desinteressado, olhou para a menina.

— Sou eu. Por quê?

Vivian o olhou de cima a baixo como se o estivesse avaliando.

— Por nada. É só porque tem muito tempo que não vejo o vovô atuando em uma batalha e estou ansiosa pra isso.

— Sei... Você não é nenhum tipo de espiã que está querendo saber qual estratégia que eu vou usar não, né? — Ethan, pela primeira vez aquele dia, fez alguma expressão além do desânimo — ele fora cínico.

Vivian fechou a cara, como se o garoto tivesse ofendido sua honra.

— Quem você pensa que eu sou?! Tá maluco?!

Ethan voltou a encarar o prato com o maior desinteresse do mundo.

— Eu nem sei seu nome, menina. Eu posso pensar qualquer coisa de você, não acha?

Vivian pareceu refletir por alguns segundos.

— Mas eu sou a Vivian. Ainda que eu não tenha nenhum Pokémon, isso não me faz muito diferente de você. Não é porque eu sou mais nova que eu acabo sendo inferior.

— Você é mais inteligente do que eu pensei, ainda que tenha pouca idade — sorriu Amy.

A garota ergueu a sobrancelha ao se ver observada por Vivian.

— Você é mais sensata do que eu pensei, ainda que seja uma ladra de bicicletas.

Amy cruzou os braços e fez uma expressão de desagrado.

— Eu não roubei sua bicicleta. Eu peguei ela emprestado. Você pegou ela de volta, não pegou? Então pronto, não me acuse.

— Ela está detonada!

— Bem, ela ficou no meio de uma batalha Pokémon. A Enfermeira Joy disse que vai pedir para consertarem.

Vivian também cruzou os braços e imitou Amy. No entanto, colocou-se de costas para a garota.

— Eu sou inocente e pura demais para esse mundo corrupto.

— Retiro totalmente o que eu falei de você — suspirou Amy, sem paciência.

Forrest tentou apaziguar os ânimos.

— Vocês não vão brigar aqui, né?

Ethan levantou-se da mesa. Sem dirigir a palavra a ninguém, se retirou do refeitório.

Vivian encarou as costas do garoto com uma expressão de curiosidade no rosto.

— Eu disse alguma coisa errada?

— Não é nada pessoal. Ele sempre fica tenso dessa maneira quando está prestes a desafiar um Ginásio. Já acostumamos — explicou Forrest.

Vivian encarou o moreno.

— E o que vocês fazem nessas horas?

— Geralmente o deixamos sozinho. Provavelmente ele irá estudar alguma estratégia pra usar na batalha.

— Eu não sei não, mas eu tenho a impressão de que ele está bem mais isolado e tenso do que o normal... — comentou Amy. — Mesmo que ele sempre acabe ficando assim, parece que tem algo incomodando ele.

— Acha mesmo? Deve ser impressão sua, porque eu não percebi nada de errado. Pelo menos por enquanto — opinou Forrest.

— Bem, eu vou atrás do vovô. Vejo vocês depois.

Vivian Chevalier retirou-se serelepe e dirigiu-se à saída do Centro Pokémon. Amy e Forrest voltaram a se encarar.

— Acredite no que digo. Fico feliz por tudo estar se resolvendo entre nós, ainda que aos poucos.

Os olhos de Amy emitiram um brilho novo. Era um brilho de satisfação. Ela estava feliz. Claro que ela era uma pessoa muito fechada e não costumava demonstrar seus sentimentos, mas desde que começara a viajar com Ethan e Forrest, ela percebeu que podia começar a ser uma pessoa normal. E ver Forrest de volta era uma afirmação de que estava tudo bem. Ela entendia a decisão dele de ter deixado o grupo, e por que seria ela a criticar? Quando o amigo descobriu que ela era uma agente Rocket, havia ficado do seu lado. Ela deveria retribuir isso da melhor maneira que podia.

— Eu também fico — e sorriu.

Ethan, no balcão da recepção do Centro Pokémon, aguardava Chansey trazer a bandeja com suas PokéBolas, deixadas pelo garoto para serem cuidadas pela Enfermeira Joy. Pelo canto do olho, observava aquela cena entre os dois e uma tristeza enorme tomava conta do seu coração. Será que ele realmente era um fraco? Será que ele não podia fazer nada para que Amy fosse salva?

— Droga... Eu sou um inútil... — e enterrou o rosto nas mãos.

***

O céu azul sob a cidade trazia a suspeita de que em algumas semanas, o clima ameno chegaria. Por estar localizada no topo de montanhas, Mahogany costumava ter um clima mais frio do que demais cidades da região de Johto e, naquele momento, Ethan queria ter se lembrado de trazer consigo um casaco. Não que estivesse um clima congelante, mas o vento frio que batia contra o corpo do garoto o incomodava. Amy e Forrest acompanhavam Ethan pelas calçadas da cidade e juntos caminhavam devagar até o Ginásio local. A imprensa e os paparazzis que outrora faziam plantão na frente do Centro Pokémon já não se encontravam mais presentes, muito provavelmente devido a interferência da Elite 4, que agora investigava sobre os acontecimentos estranhos no Lago da Fúria. Pelo menos por enquanto, o trio deixou de ser protagonista de manchetes de jornal e voltou a poder viver tranquilamente suas vidas de personagens anônimos.

Ethan continuava calado. Amy e Forrest vez em quando ainda tentavam puxar algum tipo de assunto para tentar animar o garoto, mas sem sucesso. Os dois continuavam a querer acreditar na ilusão de que ele estava tenso (mesmo que até demais) na batalha de Ginásio que teria dali a pouco tempo.

No entanto, uma enorme barulheira chamou a atenção de todos assim que eles viraram a esquina que dava para o Ginásio.

Barulhos estrondosos de bombinhas percorriam todo o quarteirão. Uma algazarra sem limites tomava conta da rua. Cartazes com o rosto de Ethan eram erguidos como bandeiras de times de futebol. A torcida organizada jogava dentaduras e bengalas para cima, como numa final de Copa do Mundo.

O queixo de Ethan bateu no chão.

— ACHOU QUE A GENTE NÃO IA APARECER DE NOVO? ACHOU ERRADO, OTÁRIO! — Katherine berrou do meio da multidão.

A torcida organizada continuava a algazarra do lado de fora do Ginásio. Ethan estava vermelho de vergonha enquanto Forrest e Amy gargalhavam alto.

— Onde é que vocês se meteram? Sumiram por meses! — perguntou Amy.

— É que participamos de um bingo ao chegarmos em Ecruteak. Ganhamos passagens para um cruzeiro do Carlos Roberto, aquele cantor da Jovem Guarda. Ele é maravilhoso! — Katherine respondeu eufórica.

— Ah, que brega! Eu preferia mesmo era um Cadillac! — um dos velhinhos gritou ríspido no meio dos idosos do fã-clube.

— Cala a boca, Zé! Tudo o que você ganharia é um calhambeque caindo aos pedaços! — xingou Katherine arremessando uma bengala na cabeça do colega.

— Cruzeiro do Carlos Roberto? Que chique! É o sonho da minha mãe ir num desses — comentou Forrest, sorrindo.

— Sua mãe é brega! — outro dos velhinhos bradou, fazendo um coro de risadas surgir da algazarra.

— Que bagunça é essa aqui no meu Ginásio?!

Pryce surgiu furioso forçando passagem no meio da multidão. Ao notar a presença de Katherine, paralisou. A mulher ergueu as sobrancelhas e abriu a boca numa expressão de espanto.

— Você? — disseram os dois em uníssono.

— Vocês se conhecem? — perguntou Ethan.

Pryce e Katherine continuavam a se encarar. Um turbilhão de pensamentos passava em suas cabeças e, por um instante, o tempo parou. A respiração dos dois ficou pesada, seus velhos pulmões faziam um barulho alto. As pupilas dilatadas podiam ser um sinal sério de que a pressão arterial dos dois começava a ficar acima do normal. O coração batia tão rápido que se continuasse nesse estado, muito provavelmente ambos teriam um ataque cardíaco, potencializado com o fato de que a respiração dos dois oscilava de uma forma incomum.

— Eu não faço a mínima ideia de quem seja esse cidadão — disse Katherine, com um certo tom de desprezo na voz.

Pryce apoiou-se em sua bengala e continuou encarando a mulher. Um silêncio incômodo tomou conta do lugar. Ele então deu um sorriso de canto de boca.

— Desculpe, eu também desconheço essa mulher.

As portas do Ginásio se abriram. Pedindo passagem com seu jeito meio estabanado, Vivian Chevalier fora atraída pela multidão que havia se formado do lado de fora. A surpresa tomou conta da expressão de todos quando a garota soltou um berro ao ver Pryce e Katherine.

— VOVÓ? O QUE A SENHORA ESTÁ FAZENDO AQUI?!

A incredulidade tomou conta do ambiente. Em uníssono, todos os presentes soltaram a mesma exclamação, ao mesmo tempo.

— O QUÊ?!

Katherine e Pryce nada disseram. Apenas viraram as costas um para o outro. O velho líder então dirigiu-se para a entrada de seu Ginásio.

— É melhor vocês saírem daqui agora antes que eu chame a polícia para acabar com essa baderna.

— Espere, senhor Pryce! Por favor, tenha um desafio de Ginásio contra mim! — Ethan correu para alcançar o idoso que avançava com dificuldade em direção à construção.

Pryce o encarou zangado.

— Você realmente acha que eu vou lutar contra um pivete igual a você? Eu treino Pokémon há cinquenta anos, não perderia meu tempo com um moleque fracote.

Ethan parou e encarou Pryce como se este tivesse lhe dado um soco. Então, estava constatado — ele era um treinador medíocre.

Vivian Chevalier correu até seu avô.

— Por favor,vovô, lute com ele! Ele disse que é forte e nós vimos como ele usou os Pokémon naquela luta no lago!

Pryce parou por um instante. Ethan permanecia de cabeça baixa.

— Por que está intercedendo por esse garoto, Vivian?

— Ora, vovô, ele é um treinador Pokémon! O sonho dele é vencer a Liga Pokémon, igual ao meu sonho. A gente não deveria apoiar quem tem o mesmo objetivo que a gente? Afinal, o senhor também é um treinador, não é mesmo? — a garota sorria. Como um anjo, olhava para Pryce com um olhar inocente, como se aquilo que ela disse fosse a coisa mais lógica e óbvia do mundo.

E no fundo, era mesmo.

Pryce suspirou e fechou os olhos.

— Muito bem então. Se é você que está me pedindo, eu aceito o desafio do garoto.

Amy e Forrest aproximaram-se de Ethan.

— Você conseguiu! Vamos, é a sua chance! — exclamou Forrest.

Porém, Ethan continuava de cabeça baixa.

— Se for pra perder o meu tempo e o seu, é melhor voltar pra casa, garoto — a voz de Pryce, cansada, deu o sinal de que ele não convidaria Ethan para uma segunda chance de enfrentá-lo.

O garoto encarou Pryce e acenou positivamente com a cabeça.

— Muito obrigado. Eu agradeço a oportunidade, senhor.

O prédio que abrigava o Ginásio era construído com uma arquitetura um tanto quanto simples, apesar de ter um tamanho grande. Um enorme muro separava a rua dos portões que levavam ao Ginásio em si e um caminho pavimentado por concreto que ficava no meio de um grande jardim verde e bastante florido levava a uma grande porta de vidro, de onde era possível ver uma pista de patinação. Quando as portas automáticas se abriram e o enorme grupo de pessoas entrou no local, o vento frio produzido por potentes ares-condicionados tomou conta. Sussurros que aos poucos evoluíram para protestos e reclamações incompreensíveis pela massa sonora eram produzidos pelo público presente. Vivian Chevalier, no entanto, não parecia achar tão ruim, ainda que a ruiva estivesse vestindo apenas um casaquinho jeans com uma estampa de PokéBola bordada nas costas.

— Silêncio! — bradou Pryce, irritado com a baderna. — Peguem os casacos que estão atrás de vocês. Não vou me responsabilizar se algum de vocês tiver uma hipotermia dentro do meu Ginásio!

Realmente havia araras espalhadas pela recepção do Ginásio, cheias de casacos grossos de frio pendurados. Todos se dirigiram até os locais indicados, agasalharam-se como conseguiram e foram para os seus devidos lugares. Olhando novamente, Ethan percebeu que a pista de patinação tinha durante seu comprimento diversas marcações pintadas, onde notou serem de um campo de batalha oficial. O garoto aproximou-se de um dos lados do campo de onde comandaria seu time e os demais seguiram para as arquibancadas do Ginásio, construída sobre enormes blocos maciços de gelo. Katherine, no entanto, não se sentou. Permanecia em pé, encarando de forma séria o campo de batalha.

Vivian Chevalier aproximou-se da senhora.

— Vovó, está tudo bem?

— Está, meu amor. Eu só não quero perder nenhum detalhe dessa batalha.

— A senhora acha que o Ethan tem alguma chance?

— O garoto vai arrasar.

— Como a senhora pode ter tanta certeza disso?

— Eu apenas sei — Katherine disse aquilo com a voz levemente embargada, ainda que não demonstrasse em nenhum momento que queria chorar.

Vivian Chevalier encarou sua avó por alguns segundos antes de voltar sua atenção ao campo de batalha.

— Como o ainda Líder do Ginásio de Mahogany, eu aceito o seu desafio para tentativa de ganhar uma insígnia. Será feita uma batalha de três contra três e você tem a total liberdade para trocar seus Pokémon no meio da batalha — Disse Pryce de forma séria analisando Ethan, que o olhava tenso.

— Certo, eu entendi.

— Muito bem então. Este é o meu primeiro Pokémon. — Pryce arremessou uma PokéBola e liberou um Pokémon.

Ele era um Pokémon bípede, parecido com uma doninha, com um corpo cinza pálido e várias áreas cheias de penas. Ele tinha uma coroa vermelha brilhante em sua cabeça e uma gola feita de penas largas com uma pena única e mais fina em cada orelha. Havia um sinal amarelo e oval no centro de sua testa. Seus olhos eram vermelhos com três cílios em cada um e quatro presas se projetavam de sua mandíbula superior.

O garoto sacou sua PokéDex.

— “Weavile, um Pokémon Garras Afiadas. Ele vive em regiões nevadas. Ele esculpe desenhos em árvores com suas garras como um sinal de sua presença para os outros” — informou o dispositivo.

— Um chão feito de gelo me impede de arriscar um ataque direto, porque é muito escorregadio... — Ethan tentava manter a calma e conversava consigo mesmo sobre estratégias prováveis. O garoto então, sacou uma PokéBola do bolso do shorts, apertou o botão central da cápsula e liberou seu primeiro Pokémon.

Faísca, o Magnemite de Ethan, flutuou no ar, não parecendo se importar o frio do local. Encarou Weavile com um olhar sereno, como se não sentisse nenhum tipo de intimidação por ele.

— Faísca, ThunderShock!

O corpo de Magnemite foi coberto por uma densa corrente elétrica alaranjada, que foi disparada na direção de Weavile, que recebeu todo o golpe sem fazer nada para se defender. O Pokémon encarou Magnemite com um sorriso sádico, aguardando ordens de seu velho mestre.

— Low Kick!

Weavile disparou. Pegou impulso e saltou com agilidade na direção de seu oponente, chutando-o em direção ao teto do Ginásio. Aquele chão nem parecia ser feito de gelo.

O golpe super-efetivo fez Ethan soltar uma exclamação audível. Faísca atingiu o teto com violência, caindo em alta velocidade até sofrer mais dano ao atingir o chão de gelo do campo de batalha.

— Faísca! — Ethan chamava por seu Pokémon, que permanecia caído ao chão.

Pryce sorriu.

— Não vai ser fácil conseguir a insígnia do meu Ginásio, garoto. Eu o avisei que você não seria páreo para mim.

O fã-clube de Ethan, tenso, tentava motivar o garoto fazendo gritos de guerra. Amy e Forrest assistiam apreensivos àquele começo de batalha.

Faísca ergueu-se do chão e voltou a flutuar em seu campo eletromagnético. Afirmou positivamente quando Ethan lhe perguntou se estava bem.

— Paralise-o com ThunderWave!

— Evasiva!

Os imãs de Magnemite prontamente produziram raios elétricos que foram disparadas na direção de Weavile, que como um ninja esquivou-se para o lado direito, desviando do golpe disparado pelo oponente.

— Night Slash!

As enormes garras afiadas de Weavile foram envoltas por uma aura negra. O Pokémon então saltou e cravou as duas patas em Magnemite, que fora derrubado ao chão com extrema violência.

— Faísca! — exclamou Ethan, agora sendo dominado por um desespero imenso.

— Eu avisei garoto. Eu treino Pokémon há muitos anos, não há qualquer tipo de estratégia que vai me derrubar.

A cabeça de Ethan se perdia em pensamentos. Ele não conseguia se concentrar, tudo o que pensava era na hipótese de ele realmente ser um treinador ruim.

Primeiro, Forrest, seu melhor amigo, queria entregar Amy para a Equipe Rocket.

E não havia nada que ele pudesse fazer para impedir isso.

Agora, seu oponente não lhe levava a sério. Subestimava sua força e o fazia ter a certeza que talvez, no fim das contas, o garoto fosse realmente um fracasso.

Ele tinha que fazer alguma coisa para que pudesse dizer para si mesmo que ele era sim forte.

— Faísca, erga-se! ThunderShock!

Magnemite voltou a levitar e disparou uma poderosa corrente elétrica na direção de Weavile, que foi atingido em cheio, para vibração de alivio da arquibancada.

— Não deixe ele se recuperar, Faísca! Tackle, agora!

— Low Kick!

Os dois Pokémon partiram para o ataque físico. Os dois golpes se chocaram ao mesmo tempo, mas Magnemite acabou arremessado com brutalidade no chão do campo de batalha. Dessa vez, Faísca não conseguiu ter outro destino a não ser o nocaute eminente.

Uma gota de suor escorria pelo rosto incrédulo de Ethan. Começar perdendo não era um bom sinal, principalmente com um oponente tão poderoso.

Pryce deu um sorriso sádico.

— Seria antiético de minha parte contar vitória antes da hora, mas... Um à zero.

Da arquibancada, Katherine não esboçava nenhuma reação. Continuava encarando o campo de batalha de forma séria. Ao seu lado, Vivian Chevalier entrelaçava os dedos e, apreensiva, apoiava sua cabeça nas mãos.

Forrest e Amy permaneciam tensos.

— Isso é ruim... Começar perdendo assim sempre abala a gente — comentou a garota, preocupada.

— Ele ainda pode virar o jogo. Ele precisa se concentrar, Pryce é muito experiente. Talvez seja o desafio mais difícil que Ethan esteja enfrentando até agora — Forrest procurava manter a calma e pensar positivo. Suas mãos transpiravam pelo nervosismo, mas o garoto permanecia concentrado na batalha.

— Vai, Quilava! Eu escolho você! — Ethan arremessou a PokéBola na arena de gelo.

Quilava encarou Weavile e acendeu as labaredas em suas costas, intimidando o oponente. Ethan sabia que apesar de estar em vantagem, precisaria ter muito cuidado com os comandos de Pryce, que visivelmente saberia barrar um Pokémon de Fogo em seus domínios.

— Lava, vamos começar com tudo! Flame Wheel! — ordenou o garoto.

— Weavile, desvie!

Quilava enrolou-se em uma intensa bola de fogo e acelerou em direção à Weavile, que saltou para a esquerda, fazendo com que seu oponente passasse direto. Quilava, no entanto, continuou acelerando e, em alta velocidade, fez uma curva acentuada no sentido oposto, quase deitando no chão. Mirou no oponente que foi pego de surpresa pela agilidade do Pokémon de Ethan e o atingiu em cheio no estômago, fazendo-o perder o ar e cair para trás, deixando Pryce surpreso pela primeira vez.

— Weavile! — exclamou o líder.

Os velhinhos do fã-clube deliraram. Uma intensa ovação chegou a quase ensurdecer os presentes no local. Aquele golpe havia feito a chama da esperança de uma possível vitória voltar a queimar.

Katherine, no entanto, continuava a observar de forma séria a batalha.

— Foi um golpe incrível, mas ainda não definiu a batalha. Espero que o Ethan continue assim — os olhos azuis de Amy não piscavam. Ela encarava o campo de batalha como se sua própria vida dependesse do resultado daquela batalha.

Pryce voltou a encarar Ethan. Sua expressão de surpresa deu lugar a uma seriedade mais tensa. Golpe de sorte?

— Você está bem, Weavile? — questionou ao Pokémon, que respondeu afirmativamente. — Ótimo. Fake Out, agora!

Weavile ergueu-se do chão e correu na direção de Quilava com velocidade, batendo suas duas patas dianteiras na frente de seu oponente. Uma grande onda de choque foi produzida e Quilava foi arremessado com violência para trás, batendo o cocuruto no chão sólido de gelo.

— Não desista, Quilava! Use o Ember!

Quilava ergueu-se do chão. No entanto, sua visão estava turva e sua cabeça rodava. O Pokémon titubeou* e não conseguiu executar o golpe, para desespero de seu treinador.

— Quilava!

— Weavile, Ice Punch!

Ágil, o Pokémon de Pryce fechou o punho, que foi envolvido por uma grossa camada de gelo, atingindo em um soco poderoso o rosto de Quilava, que bateu em uma das paredes laterais do campo de batalha de forma feroz.

O público da arquibancada soltou uma exclamação sonora. Quilava podia ser resistente a golpes de gelo, mas os danos causados não foram pelo golpe em si, mas pela violência que seu corpo teve ao chocar-se com as paredes concretadas.

Esse era o grande segredo da estratégia de Pryce. Seu Weavile era ágil e poderoso o suficiente para arremessar grande parte dos oponentes para onde queria, a seu bel-prazer.

Ainda que estivesse frio dentro do Ginásio, Ethan transpirava de nervoso. A tensão o fazia enrijecer seus músculos enquanto tentava pensar em diversas soluções para contra-atacar. Mas por mais que pensasse em golpes, o olhar que Pryce e Weavile lançavam em sua direção o fazia ter a certeza de que eles estavam preparados para qualquer tipo de estratégia que o garoto utilizasse.

Quilava, no entanto, não iria ser derrotado para um Pokémon do tipo Gelo.

E então, ele gritou. A atenção de todos fora atraída para o Pokémon de Ethan, que ergueu-se sobre as quatro patas e aumentou a intensidade de suas chamas, que queimavam em um intenso calor que rapidamente tomou conta do ambiente. Tais chamas expeliram como um vulcão em erupção, com fogo e fumaça espalhando-se pelo campo de batalha e formando uma enorme onda gigante de chamas escarlate que dirigiram-se com velocidade na direção de Weavile e o engoliram por inteiro. O oponente de Quilava foi arremessado em direção ao teto, batendo violentamente a cabeça e caindo de cara no chão, sem consciência. “Lava Plume” era o nome daquele golpe poderoso, de acordo com a PokéDex de Ethan.

Êxtase. O silêncio reinava no ambiente enquanto Pryce retornava seu Pokémon sem dizer uma palavra. Nas arquibancadas, ninguém ousava sequer respirar um pouco mais alto.

Da segunda PokéBola de Pryce, surgiu um Pokémon grande, marrom e peludo com uma corcunda impressionante em suas costas que, apesar de seu aparente peso enorme, pairou sobre o gelo sem sequer trincá-lo. Ele também tinha duas presas feitas de gelo, que pareciam pequenas, mas podiam ser letais.

— “Piloswine, um Pokémon Suíno. É a forma evoluída de Swinub. Por seus longos pelos em todo seu corpo obscurecerem sua visão, ele simplesmente continua utilizando seu golpe Take Down sem parar. Se ele usa sua investida em um oponente, os pelos em suas costas ficam em pé. É muito sensível ao som” — informou a PokéAgenda de Ethan.

Pryce olhou para Piloswine e respirou profundamente antes de ordenar o primeiro golpe. Considerou que a sorte de seu oponente acabaria em algum momento.

— Mud Bomb!

Piloswine pegou fôlego e disparou grandes pedaços de lama na direção de Quilava, que foi atingido em cheio de forma super-efetiva.

— Ember! — a voz de Ethan ecoou confiante.

Brasas flamejantes foram disparadas da boca de Quilava na direção de Piloswine, atingido em cheio e caindo ao chão. Pryce começou a hesitar. Quilava realmente era bem treinado.

Ao erguer-se do chão, Piloswine prontamente atendeu ao comando de seu mestre.

— Blizzard!

O Pokémon uivou alto. Sob seus pés, uma fumaça fria começou a ser emanada do chão feito de gelo e a cobrir o corpo de Piloswine, que abriu sua bocarra e disparou uma poderosa nevasca na direção de Quilava, que sentiu uma forte ventania dominar seu corpo e o paralisar de frio. As chamas em suas costas tentaram protegê-lo do congelamento completo, mas ao final do ataque, viu que seus pés estavam completamente colados ao chão, congelados.

— Quilava, rápido, use o Lava Plume!

— Mud Bomb!

As poderosas chamas de Quilava aumentaram sua intensidade. Mas grandes pedaços de lama atingiram o Pokémon no rosto, o impedindo de concentrar-se.

— Quilava! — Ethan exclamava em desespero.

— Ice Fang! — Pryce ordenou impiedoso.

Piloswine acelerou em direção ao oponente e suas presas emanaram um forte brilho azul claro, ficando maiores e cobertas por uma espessa camada de gelo, que em questão de segundos atingiram um Quilava despreparado para evitar o ataque fatal.

O Pokémon de Ethan caiu nocauteado. Ao retorná-lo para a PokéBola, o garoto deu um suspiro lento e profundo. O sorriso sarcástico no rosto de Pryce desapareceu. Ele encarava o jovem com certa surpresa e espanto. Estaria seu Pokémon mais forte derrotado ou o garoto ainda tinha uma carta na manga?

A curiosidade de todos só foi saciada quando o brilho emanado pela última PokéBola de Ethan cedeu. Piloswine bufou e a franja que cobria seus olhos subiu por alguns segundos, possibilitando o Pokémon encarar seu oponente. Sandslash devolveu o olhar com a mesma intensidade.

— Piloswine, Take Down!

— Sandslash, Dig!

Piloswine saiu em velocidade na direção de seu oponente numa investida poderosa. Sandslash rapidamente cavou um buraco no gelo, fazendo com que Piloswine passasse direto.

— Agora, Sandslash! Crush Claw! — exclamou Ethan da superfície.

Sandslash surgiu por debaixo de Piloswine atingindo-o no estômago e o arremessando para o alto. Enquanto o Pokémon estava no ar, Sandslash pegou impulso do chão e foi de encontro ao seu oponente. Suas garras brilharam e o Pokémon de Ethan arranhou Piloswine de forma violenta, arremessando-o ao chão.

— Piloswine! — Exclamou Pryce, agora completamente perplexo.

Ethan percebeu e passou a não deixar o Líder de Ginásio controlar a situação. Ele agora estava no comando.

— Sandslash, Rollout!

O Pokémon de Ethan caiu no chão e rolou com velocidade pelo chão de gelo na direção de seu oponente atingindo-o em cheio.

— Piloswine, resista! Ice Fang!

— Sandslash, vá de encontro com Rollout!

Sandslash outra vez disparou veloz rolando pelo chão. Piloswine correu de encontro com suas presas na boca emanando um forte brilho. Os dois ataques se chocaram com precisão.

A arquibancada vibrava cada vez mais com a batalha. Amy e Forrest olhavam apreensivos a cada golpe comandado pelos treinadores.  Vivian Chevalier berrava de entusiasmo.

Piloswine foi arremessado para a parede atrás de Pryce e Sandslash apareceu com as pernas e os braços congelados.

— Piloswine, recupere-se! Aproveite que ele está paralisado e ataque com Take Down!

— Receba o ataque com tudo, Sand

Na plateia, Amy arregalou os olhos.

— Ele é louco?! Arriscar Sandslash assim é perigoso!

— Take Down é um ataque que tira energia do próprio usuário... Será que ele está fazendo Piloswine ser enfraquecido pelo próprio golpe? Se Sandslash perder... — analisou Forrest com uma certa apreensão.

Piloswine atingiu Sandslash em cheio. O Pokémon foi arremessado e bateu as costas com força na parede atrás do campo de Ethan.

— Sandslash, erga-se! — Ethan, aflito, chamava por seu Pokémon.

Sandslash estava exausto. Levantou-se e se dirigiu novamente para o campo de batalha, onde encarou Piloswine que parecia estar numa situação pior ainda.

— Senhor Pryce, eu só saio daqui hoje com a minha sétima insígnia.

O velho Líder de Ginásio encarou Ethan e sentiu firmeza nas palavras do garoto. Então, fechou os olhos e concentrou-se.

— Talvez não seja sorte mesmo... Piloswine, Take Down!

— Vá de encontro com Crush Claw!

Piloswine correu rápido em direção a Sandslash com vigor. A última coisa que se viu antes da nuvem de fumaça subir e tampar a visão do campo de batalha foram as garras de Sandslash brilhando.

Um forte estampido foi ouvido. A fumaça cessou e todos puderam ver o resultado.

Sandslash estava apoiado em um joelho com as garras ainda brilhando. Piloswine deitado de bruços no campo de batalha. Nocauteado.

A torcida berrava. A batalha estava finalmente empatada. Os dois estavam no mesmo nível.

Seria Ethan realmente um fracasso? Estaria Pryce enganado?

A última PokéBola fora arremessada em campo. Ethan surpreendeu-se ao ver quem era o último oponente.

— Jamais na minha vida eu imaginei que apareceria alguém que me faria utilizá-lo. Este Pokémon e eu temos uma história antiga, que começou há muito tempo em terras distantes. E agora, você mostrou que está apto a enfrentá-lo.

Katherine, pela primeira vez, demonstrou-se surpresa. Ela mesma sabia o quanto aquele Pokémon significava para Pryce e — mesmo não admitindo, — para ela também.

— Sandslash! — ela exclamou.

O último Pokémon de Pryce era o Sandslash de gelo que lutou lado a lado com Ethan e seus Pokémon no Lago da Fúria alguns dias atrás. O Pokémon de Ethan cumprimentou seu oponente curvando-se em respeito. Seria uma honra poder lutar contra um Pokémon tão forte contra aquele Pokémon de Gelo.

— Faça as honras — convidou Pryce, esperando o movimento do oponente.

— Obrigado. Sand, comece com o Crush Claw!

Sandslash disparou veloz na direção do oponente, enfiando suas poderosas garras em seu tórax e arranhando-o. No entanto, o golpe não funcionou. As garras de Sandslash escorregaram e não penetravam no peito do seu semelhante de gelo.

— O quê?! — o garoto surpreendeu-se com a falha.

— Esse truque não funcionará aqui. Sandslash, Icicle Spear!

O Pokémon de Pryce virou-se de costas e disparou espinhos afiados feitos de gelo na direção do oponente, que atingiram em cheio o peito de Sand, que fora arremessado no chão. O golpe super-efetivo agora fez o nível de energia do Pokémon de Ethan entrar em estado crítico.

— Sand!

— Metal Claw!

— Evasiva!

O Sandslash de gelo partiu com velocidade na direção do adversário caído ao chão. Suas garras enormes emanaram um brilho prateado e ameaçador. Sand enrolou-se em uma bola e girou para trás, fazendo com que o Pokémon de Pryce atingisse o golpe no chão.

— Dig! — ordenou Ethan.

Sandslash cavou um buraco no chão e esgueirou-se pelo solo.

— Ice Ball naquele buraco!

O Sandslash de gelo disparou bolas de gelo que dobravam de tamanho a cada vez que eram arremessadas. O chão de gelo maciço rachou em diversos pedaços quando as bolas produzidas encontraram o corpo do Pokémon de Ethan, explodindo e fazendo-o ser arremessado para cima, bastante machucado.

— Sand! — a voz de Ethan quase não saiu.

— Slash!

— Crush Claw!

O Sandslash de gelo pegou impulso do chão e pulou para atingir o oponente com as quatro garras poderosas que tinha em suas patas. O Pokémon de Ethan, esforçando-se ao máximo para não perder a consciência, usou tudo o que restava para que suas garras conseguissem atingir o adversário. Uma nuvem de poeira subiu quando os dois ataques se colidiram.

Os dois Pokémon pousaram no campo de batalha. O Sandslash de Ethan estava cambaleando. O de Pryce ofegava.

Era tudo ou nada.

— Icicle Spear!

— Sand, mova-se apenas ao meu sinal! — pediu Ethan ao Pokémon que acenou afirmativo com a cabeça.

Novamente os espinhos de gelo do Sandslash de gelo foram disparados na direção do Pokémon de Ethan, que aguardava tenso as ordens de seu treinador. Os cacos de gelo aproximavam-se com velocidade e Sand preparou-se para o impacto.

— Dig!

Em uma fração de segundo, Sandslash desapareceu debaixo do campo de batalha. O Icicle Spear passou direto e atingiu uma das paredes laterais do campo de batalha, fazendo um enorme barulho.

— Ice Ball!

— Isso não! Agora, Sand!

O Sandslash de Ethan surgiu por debaixo do adversário de gelo, pegando-o desprevenido. O impacto violento arremessou o Pokémon de Pryce para o alto, levando-o a cair com violência de volta ao chão.

— Erga-se, Sandslash! — Pryce exclamava com todo o fôlego que ainda lhe restava.

— Acabe com isso, Sand! Rollout, agora!

O Sandslash de Ethan rolou com velocidade e, com toda a força que conseguiu reunir, atingiu o oponente, atirando-o com agressividade alguns metros à frente.

O Pokémon de Pryce bateu com violência na parede de concreto construída atrás de onde o Líder de Ginásio assistia atônito o resultado final.

O Sandslash de gelo deslizou nocauteado. O de Ethan caiu de exaustão.

— Empate?! — Forrest levantou-se imediatamente do banco em que estava sentado e olhava incrédulo para o campo de batalha. Os dois Pokémon caídos faziam a torcida na arquibancada não dar uma palavra sequer.

Ethan olhou para Pryce, buscando algum tipo de resultado. O Líder de Ginásio o encarou de volta enquanto retornava seu Pokémon.

— Eu disse que não seria fácil conseguir a insígnia do meu Ginásio. Você me mostrou que isso é completamente verdade.

Pryce aproximou-se do garoto e tirou de dentro do casaco que vestia um símbolo de metal de formato hexagonal com desenhos que, juntos, remetiam a flocos de neve. O símbolo brilhante era refletido na íris castanha nos olhos de Ethan.

— Essa é a Insígnia Glacial. É a prova que você fez uma batalha bem sucedida no Ginásio de Mahogany e que eu o reconheci como vencedor. Faça bom proveito.

O fã-clube de Ethan trouxe a arquibancada a baixo. A algazarra ensurdeceu o local e podia ser ouvida do lado de fora do Ginásio.

Katherine sorriu.

— Eu sabia.

Vivian Chevalier a abraçou aos prantos.

— Vovó, ele conseguiu! Ele conseguiu mesmo!

Pryce fechou a cara. Mesmo que tentasse, ele jamais conseguiria fazer com que os idosos calassem as matracas.

Amy descia correndo a arquibancada para abraçar o amigo ao mesmo tempo que Forrest se perdia em pensamentos.

— Ele realmente é um treinador excepcional... É melhor eu avisar aos outros.

Ethan sagrou-se vencedor de uma batalha complicada. Mas, mal sabia ele naquele momento que, mesmo com a sétima insígnia conquistada, outra batalha mais difícil se aproximava e iria desafiar ainda mais suas habilidades como treinador Pokémon.

 

TO BE CONTINUED...

 


Notas Finais


*“Quilava flinched!”


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...