História Awkward. - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Alice Englert, Cara Delevingne, Froy Gutierrez, Kaya Scodelario, Matthew Daddario, Nash Grier, Shawn Mendes
Personagens Cara Delevingne, Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Cara Delevingne, Drogas, Kaya Scodelario, Matthew Daddario, Nash Grier, Shawn Mendes
Visualizações 17
Palavras 4.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 19 - 18: Daddy tomato, mommy tomato and baby tomato


Fanfic / Fanfiction Awkward. - Capítulo 19 - 18: Daddy tomato, mommy tomato and baby tomato

Pov's Viola William Sparks

Sidney, Austrália

Chapter eighteen, Awkward

Naquele momento, eu não conseguia me mover ou ter qualquer tipo de reação, era horrivel vê-lo, era horrível lembrar daquela noite e lembrar de como era a respiração dele no meu pescoço, era horrível me sentir incapaz de me defender, era horrível ter ele por perto! Shawn estava tão assustado como eu, se eu não sabia o que fazer, Shawn muito menos.

— Hum, Viola? — Ele diz, soltando um sorriso falso em seu rosto, como ele pôde vir até mim depois de tudo que me fez? Isso me deixava desesperada como se eu estivesse em um labirinto sem saída, eu sentia como se meus pulmões fossem explodir!

— Bryan, não é? Prazer, Shawn, sou o namorado dela…— Shawn dispara, nos tirando daquela situação embaraçosa e assustadora. Não sabia que até perto de estranhos, ele diria que nós somos namorados. — Que tal voltar outra hora ou quem sabe nem voltar? Ela não está muito bem, sabe? Aconteceu algumas coisas com a gente e sério, nós só queremos comer nosso lanche, apenas. — Concluí, sorrindo falsamente. A forma de como ele me defendeu, foi surreal e eu realmente não conseguiria fazê-lo sozinha.

— Okay, Vi, que tal me ligar? Aqui está o meu número, seria bom beber um pouco com você, até logo. — Brian diz, sorrindo sarcástico e fazendo uma ótima referência á bebida. Ele enfim, vai embora, me deixando sozinha com Shawn, o olho e chorar foi uma coisa inevitável.

— Vi, olha pra mim… — Ele pega delicadamente em meu rosto, me fazendo o encarar, solto alguns soluços e seco minhas lágrimas que queimavam meu rosto. — Eu sei que é difícil mas ele não vai ser preso sozinho e também não vai se entregar de bandeja, sei que ele fez isso uma vez, mas acho que ele não estava sóbrio e talvez você ache disso também. — Shawn diz, me acalmando, ele sorri levemente me fazendo parar de chorar e diminuir o meu pânico. — Sua mãe não me deixa dormir na sua casa, então que tal dormir na minha? Tudo bem se não quiser, eu entendo. Mas caso não queira ficar sozinha, eu e o meu doce e peculiar lar estão á suas disposições.

— Eu acho... Uma boa. — Digo, tentando sorrir. Não queria fingir que estava feliz e bem, por que eu não estava e acho que isso estava bem nítido. — Podemos ir? Por favor? — Pergunto, angustiada e apavorada para ir embora, Shawn concorda, sorrindo, ele pega U$100 de sua carteira e deixa em cima da mesa, se levantando e estendendo a mão para me ajudar a me levantar da mesa, vocês não sabem o quão indefesa e inútil eu me sinto agora.

O caminho inteiro foi quieto e depreciativo, já era 18h e metade do caminho foi a gente não falando uma palavra sobre hoje ou sobre como eu me sentia, afinal, eu não queria tocar em nenhuma palavra sobre esse assunto. Shawn tentava me agradar inúmeras e inúmeras vezes, e eu sempre ria falsamente. Porque depois de anos isso ainda me pertuba? Como eu ainda não superei essa merda? Sim, eu consigo deixar que pessoas me toquem, mesmo ainda sendo um pouco transtornada com tudo isso mas porque eu ainda me assusto quando o vejo ou quando tocam em seu nome? Minha mãe sempre dizia que Bryan era um bom menino e que ele seria bom para mim e eu concordava, achando que ele me salvaria de tudo e que nós seríamos felizes para sempre, e todo aquele blá blá blá, talvez nós duas estivéssemos erradas sobre ele.

— Olha, quando entrar em casa, haja normalmente e não fique tensa. Meu pai além de ser alcoólatra e descarado é um ótimo psicólogo, consegue ver um problema mental de longe, então respire, fique calma e se der algum desespero, sussurre alguma música do David Bowie. — Shawn diz, sorrindo e tentando manter a calma. Ele desliga o carro, nós pegamos nossas coisas e saímos, indo em direção á sua casa, que porra, se você for perceber ela é enorme!

Shawn abre a porta, sorrio, respiro fundo e entro, vejo uma mulher ruiva, muito bonita por sinal, Chris passava sua mão por trás de sua cintura, a deixando feliz com aquilo. Porra, ela é uma prostituta? MERDA. Tento agir normalmente e não ficar com vergonha, eu apenas segurava a risada de desespero e tentava não encarar demais.

— Pai, a Viola vai dormir… – Shawn diz, entrando e fechando a porta, ele se depara com a ruiva e fica totalmente… Alegre? Não era essa a expressão que eu esperava. Ele corre até a prostituta e lhe dá um abraço, enquanto ela fazia carinho em seu cabelo, minha cara ficou igual á aquele meme do Vicent Vegas em Pulp Fiction. — Porque não me disse que ela viria hoje? Eu teria voltado mais cedo! Ah, merda, hum… Mãe essa é a Viola, a menina que eu te falei e Viola, essa é a minha mãe. — Shawn diz, com a mão na atrás da cabeça e olhando para baixo. Dou um sorriso sem mostrar os dentes e aceno, tentando ser gentil e não ficar nervosa. Eu não acredito que eu pensei que a mãe do Shawn era uma prostituta, meu Deus, cara!

— É um prazer imenso conhece-lá, Srta. Sparks. Ouvi muito sobre você, Shawn falou coisas ótimas. — A ruiva diz, olho para Shawn e sorrio, meio envergonhada, Shawn fica com as bochechas vermelhas, fazendo seus pais rirem. — Que tal um jantar especial hoje? Hum, podemos chamar seus pais...

— Sim, seria uma ótima ideia, se claro, a minha mãe não estiver trabalhando. — Digo, um pouco surpresa. Ela era um pouco direta, mas nada demais, eu admiro isso, mas ela já quer conhecer a minha mãe? Caraca. Dou um leve empurrão em Shawn para que pudéssemos subir, ele me olha e arqueia a sobrancelha, logo se dando conta do que eu falava, me fazendo rir.

— Ah, pai, a Viola vai dormir aqui hoje. — Ele diz, sorrindo com convicção. Agarro seu braço esquerdo e me escondo atrás do mesmo, sorrindo sem graça. Ouço uma risada amorosa de Hayden e Chris, acho que ela gostou de mim! Enfim, eu e Shawn subimos para o quarto, que era a coisa mais fofa se você for perceber; tinha uma escrivaninha para estudar, milhares de pôsteres de inúmeras bandas "antigas" como Nirvana, Rolling Stones, The Beatles, bom saber que o meu "namorado" gosta de The Beatles, porque sinceramente eu adoro. — Gostou? Você parece estar admirada com tudo isso, nunca viu um quarto?

— Só os de motéis, bobão. — Digo, revirando os olhos e sendo sarcástica. Shawn, aqui é a Austrália, é nós estamos acostumados á ouvir Iggy Azalea, 50Cent e Eminem, quase não ouvimos música pop, então por favor, não me encha o saco. Shawn me olha e se joga na cama, rindo, uau, ele gostou do deboche australiano. — Que foi? Nunca viu uma australiana sendo sarcástica? – Pergunto, me aproximando dele, ele revira os olhos e ri convencido. Ah, pronto, o bobão vai querer ser o dono da razão.

— Não, nunca vi, só as canadenses, elas sim sabem debochar. — Shawn diz, com as mãos atrás da cabeça e rindo daquela situação. Olha aqui, eu não vim pra essa merda só para ouvir você falar daquelas canadenses sem sal, minha casa é logo ali na frente, então fica esperto. Me sento ao seu lado na cama, o encarando e percebendo como ele é perfeito, mesmo sendo debochado. Tiro meus sapatos lentamente, até ficar somente de meia depois da canela, bermuda e aquela camisa larga do futebol, Shawn morde seu lábio inferior, ficando mais perto. Querido, se você acha que eu vou transar com você, pode se retirar desse recinto porque isso não vai acontecer (Não hoje *risos*)! — Então, senhorita Viola, o que achou da minha mãe? Com certeza ela gostou de você.

— Ah, ela é legal. — Digo tentando disfarçar meu desespero em dar risada sobre o que achei da mamãezinha dele, Shawn me puxa pela cintura, me assustando completamente e me colocando ao seu lado, exatamente em cima de seu braço direito, o encaro, rindo sem graça, ele me abraça e aperta minha cintura, me fazendo rir de cócegas. Sim, eu tenho cócegas na cintura!

— Não… Tem mais alguma coisa. Sinceramente, o que achou dela? Sei que ela é controladora e tals, mas ela é um amor de pessoa se você for conhece-lá melhor. — Shawn diz, ficando por cima de mim e distribuindo vários beijos e mordidas pelo o meu corpo. Como que aquela relação de amor e ódio podia chegar aonde está? Caraca, ontem a gente se odiava e agora ele me beija e me morde por tudo quanto é lugar!

— Ela é um amor de pessoa, sim, eu adorei ela! Mas tem uma coisa, que eu achei dela quando cheguei aqui e eu espero de coração que você não fique bravo com o que eu vou falar! — Digo, rindo e gritando de agonia pela mordida que eu levei na coxa direita, merda Shawn! Você virou algum tipo de cachorro? — Cara, se você quiser me comer é só falar! Merda, você está quase entrando na minha vagina, olha aonde a sua cabeça tá, caralho! Para de me morder, filho da puta! — Eu literalmente gritei de raiva, fazendo Shawn rir desesperadamente, ah, faça mil favor! Pronto, cacete, não vou contar mais porra nenhuma agora! Empurro Shawn de cima de mim, o fazendo rolar e cair da cama, mas ele não ligava, ele ainda ria como uma criança de cinco anos. Pego meu tênis, quase o colocando, até Shawn jogar um travesseiro em mim e o vagabundo ainda ria! Pego o mesmo travesseiro e bato repetidamente em sua cara, até o mesmo me deixar vencer e cair na cama, ainda rindo, como vocês podem ver, um escroto!

— Olha, não foi minha intenção te machucar e não, eu não quero te comer, pelo menos não agora. – Ele diz, sarcástico, safado e convencido. Dou uma leve arqueada de sobrancelha e reviro os olhos, levando uma breve risada dele. — Viola, por favor me perdoa, eu juro, juro que eu não fiz por mal. — Ele dizia, beijando as costas da minha mão, literalmente quase lambendo. Eca. Puxo minha mão de volta, o deixando chateado, não é a sua mão aqui, né querido.

— Você sabe aonde você mordeu? Não foi no braço, não foi no pescoço, nem no peito, foi na coxa! Poxa cara, minhas coxas são sagradas! Você quase, quase mesmo, por um triz, entrou dentro de mim, literalmente. — Digo, rindo falsa, como uma forma de mostrar que eu não vou embora, tiro (denovo) o meu tênis, me deitando completamente na cama e fechando os olhos, sinto o olhar triste de Shawn em meu corpo e esfrego os meus olhos. — Ah, porra! Eu te desculpo, vem logo seu fudido! — Digo, ele rapidamente fica alegre e vem até mim, se deitando novamente ao meu lado, ele começa à fazer cafuné em meu cabelo e em minutos eu já estava deitada em seu peito, enquanto recebia aquela cafuné que todo mundo gosta. Minhas pernas estavam uma de cada lado e meus braços abraçavam Shawn, enquanto o mesmo me acariciava. Caralho, não tem sentimento melhor que esse.

— Eu não posso jurar isso. Sabe? — Shawn diz, ainda acariciando meu cabelo, o olho e fico sem entender, do que ele estava falando?

— O que? — Pergunto, tentando entendê-lo, ele me olha e revira os olhos, frustrado. Cacete, para de me deixar confusa!

— Você disse que eu tinha que prometer que eu não iria ficar bravo com aquilo… Eu não posso prometer isso, eu não sei do que se trata, você pode me contar e eu posso ficar bravo sem ter culpa. — Ele diz, esclarecendo tudo, o olho e faço uma cara de "Ah, entendi", que lógica boa. — Então vai, me conta.

— Sabe aquela hora que a gente chegou aqui? Eu vi seu pai e a sua mãe juntos, e de cara, eu pensei que a sua mãe fosse uma prostituta, eu fiquei tão envergonhada quando eu descobri quem ela era! Eu não sabia que ela viria hoje… — Digo, sentando em cima dele, ele me olha e começa a rir. Eu sabia que ele iria rir!

— Era só isso? Eu pensei que você achou ela implicante ou alguma coisa do tipo e caraca, você achou que ela era uma prostituta? Meu Deus! — Ele diz rindo, pegando meus dois pulsos e me puxa para mais perto, me dando vários selinhos e rindo ao mesmo tempo, pelo menos ele não ficou bravo! — Vamos chamar sua mãe para ela vir aqui, antes que seja tarde. — Shawn diz, me abraçando forte e mais forte, como se não quisesse me soltar nunca. Era boa essa sensação, porém, eu tinha medo de estragar tudo, bom, amar é um risco para qualquer um. Dou um último selinho em Shawn, que sorri com o meu ato, pego meus tênis (denovo), os coloco e espero Shawn, que se levantava e arrumava o cabelo. Que vaidade do caralho. Shawn finalmente fica pronto, ele anda até mim, pega em minha mão e saímos do quarto, juntos, para encarar o dragão que é Alexandra Katherine William Sparks, minha mãe.

Inicialmente, eu não fiquei surpresa com o que Shawn fez, eu adorei, caso queiram saber, mas agora, nada mais que Shawn Mendes faz me surpreende.

— É verdade que você foi para a Escócia? Você me surpreende cada vez mais… — Shawn diz, sorrindo gentilmente e parando no corredor para que pudesse ouvir história, mordo a parte inferior dos meus lábios e rio um pouco. Ele consegue ser gentil em qualquer momento, como pôde isso?

— Foi só um mal entendido. Quer mesmo que eu te conte? — Pergunto, querendo uma resposta negativa, não quero relembrar um passado que vem da puta que pariu e que sinceramente, me lembra coisas horríveis, pela infelicidade e pelo azar, a resposta de Shawn é afirmativa. — Bom, eu levei heroína para a escola, por ordem do babaca do Bryan, meu tio ficou sabendo e para que eu não fosse expulsa, me colocou na Escócia por dois meses, porque se me colocasse por mais que isso, ele sabia que eu fugiria e imagina uma menina de treze ou catorze anos andando pela Escócia? Bom, a culpa era toda do Bryan, mas eu não queria deixar que ele fosse expulso, eu achava que eu o amava. Achava. — Concluo, o deixando um pouco pasmo, claro, eu também ficaria assim se soubesse que minha suposta namorada foi pega por quase ter traficado drogas. Normal, todo mundo passa por isso.

— Posso contar uma piada? — Shawn diz, querendo que eu ria e concordasse, e como a garota educada que sou, concordo com a cabeça, o fazendo sorrir satisfeito. — Tá, havia três tomates apressados atravessando a rua; mamãe tomate, papai tomate e bebê tomate, o bebê tomate fica para trás, o papai tomate fica com raiva, vai até ele e diz: "Ketchup", entendeu? Ketchup. — Shawn diz, rindo. Fico sem entender a piada por dois minutos, e meu Deus! Agora eu entendi! Começo a rir desesperadamente, juntamente á Shawn, que também ria. Ketchup! Continuamos a descer a escada enquanto riamos, que piada clichê, porém agradável! Após descer a escada, encontramos Chris e Hayden arrumando a mesa para o jantar, uma cena um tanto agradável, vejo apenas seis cadeiras e os olho confusa e o Ronnie? Solto a mão de Shawn, que fica confuso, ando até Hayden que me encarava gentilmente.

— Senhora Mendes, hum, como eu posso explicar isso… Bom, eu tenho um irmão mais velho, o nome dele é Ronnie e pelo os meus cálculos, aqui só tem seis cadeiras e se ele vier, e ele vai vir, seremos sete. Então, eu realmente não sei como vocês irão fazer. Desculpa incomodar. — Indago, deixando todos ali surpresos. Gente, eu apenas disse que meu irmão viria, nada demais.

— Eu que peço desculpas, Vi! Não sabia que você tinha um irmão, peço que aceite minhas desculpas, vou providenciar uma cadeira agora mesmo. — Hayden diz, tentando ser o mais gentil possível, ela pega uma outra cadeira e a coloca ao lado de outra cadeira qualquer, me deixando totalmente satisfeita. Caminho até Shawn que me esperava, claramente orgulhoso, pego em sua mão e andamos até a porta, saindo daquela casa, para entrar no inferno em forma de tijolos italianos.

— Sua mãe é muito formal, me senti em Reign, ela me trata igual á uma rainha, não que eu não adore, ao contrário, eu amo. Porém, é um pouco estranho… — Digo, descendo as escadas ao lado de Shawn, ele me olha e franze o cenho. Você que me desculpe, mas caraca, é verdade, quem em pleno século vinte e um ainda fala desse jeito? Atravessamos a rua e Shawn ainda estava calado, espero que a minha mãe não ataque pedras nele. Assim que chegamos na minha porta, senti o medo contagiante de Shawn, querido, do que exatamente você está com medo? Da minha mãe cuspir fogo na sua cara? — Cara, calma, ela não é uma psicopata! — Digo abrindo a porta, vejo Alexandra correndo atrás de Ronnie que ria e gritava, Mike assistia ao futebol como se nada acontecesse. Mas que porra…

— Vai secar a porra da louça, Ronnie! — Alexandra grita, fazendo Ronnie e Shawn rirem como loucos, eu realmente não entendo o que estava acontecendo aqui.

— A Viola chegou, viu? Manda ela secar a louça, ela não faz nada aqui em casa á não ser dar para o Shawn! — Ronnie diz, ainda rindo e correndo, aquilo me irritou completamente, me fazendo correr igual louca atrás desse filho da puta. Esqueci, a mãe também é minha. — Viola, você é a minha irmã mais nova, por favor para!

— Foda-se essa porra! — Grito, com raiva, minha mãe se aproxima de Shawn e o dois começam a conversar normalmente, como se os dois filhos dela não estivessem se matando. Que?!

— Aqui mãe, a Viola falou palavrão! — Ronnie diz, desviado do meu tapa. Por pouco eu não acerto a cara dele! Finalmente consigo pegar Ronnie, bato em sua cabeça, enquanto Mike assistia aquela briga inédita

— Tem como vocês dois ficarem quietos?! — Mike grita, nos deixando assustados, me afasto de Ronnie que esfregava sua cabeça, como se estivesse com dor. Óbvio, Viola! Você machucou ele! — Ah, oi Shawn. Ignore essa briga inútil, isso acontece sempre, toda a noite.

— Temos um jantar! — Minha mãe grita, totalmente animada. Quase nenhum vizinho gosta da nossa família, nos acham estranhos e que não sabem como meu pai ficou tão rico, ao ponto de morarmos em um dos melhores bairros de Sidney. Mike rapidamente se levanta do sofá, indo até Shawn, tirar satisfação com ele. Sem ninguém perceber, dou leves chutes em Ronnie que retribuia com socos descretos. Paramos, por levar um olhar ameaçador de Alexandra, ela e Mike conversavam com Shawn, que ria, assim que me olhava. Vou até eles, mesmo recebendo tapas de Ronnie, que com certeza, eu iria devolver.

— Vocês vão assim mesmo ou eu posso esperar vocês se trocarem? Ah, e por favor, peça para o Ronnie não agir como um cachorro lá. Sim, projeto do anticristo, você também vai. — Digo olhando Ronnie, que mostra a língua como uma criança de cinco anos, eu ainda tenho que aguentar essa praga, parece que eu sou a mais velha. Com raiva, subo as escadas, em direção ao meu quarto. Entro no mesmo, bato a porta e tiro a minha roupa, ficando apenas de lingerie e meia. Ando até o meu frigobar, pego uma garrafa de Jack Daniels e óbvio, bebo a mesma, ouço abrirem a porta e eu espero que não seja Ronnie querendo me encher.

— Quando for se trocar, feche a porta. — Ouço uma voz grossa mas ao mesmo tempo confortante saindo do fundo do meu quarto, e claro, não poderia ser ninguém mais, ninguém menos que Shawn Mendes! — Você fica linda assim. — Ele diz, se aproximando, reviro os olhos e rio agradecida.

— Shawn, eu preciso tomar banho, cara! — Digo, ao ser barrada por ele, dou uma risada nasal e instantes, Shawn começa a rir também, me dando espaço para passar, obrigada. Vou para o banheiro, tiro minha lingerie e ligo o chuveiro, sentindo a água quente em meu corpo. Porra, como era delicioso.

Depois de tomar meu banho, saio do banheiro, indo até o meu guarda roupa, Shawn ainda estava lá, só que de costas e porra, quando ele me viu, ficou de boca aberta! Claro, eu não sai com a toalha, aqui é a Austrália, temos praias de nudismo em todos os lugares, não ache estranho se você vier para cá e ver alguém pelado. Pego minha lingerie preta e a coloco, lentamente, para que Shawn visse o que ele não vai poder comer. Finalmente eu estou vestida, escolho um dos meus All-Star e o separo dos demais. Caminho até o guarda-roupa, pego uma roupa preta, como sempre e a coloco, pego meu Vans e os coloco, Shawn ainda me encarava com um sorriso provocante, vou até ele, rio e cruzo nossos dedos, nos deixando unidos e o deixando feliz, mais do que nunca, na verdade.

— Você sabe que, ainda não somos namorados, né? Eles acham que nós somos mas… — Digo, tentando ser agradável e não grossa, Shawn rapidamente interrompe a minha frase, me deixando realmente frustrada com isso, quem ele pensa que é para me cortar assim?

— Viola William Sparks, quer namorar comigo? — Shawn dispara, me deixando completamente surpresa, ele me pega pela minha cintura e se abaixa, ficando do meu tamanho, caralho, eu não acredito que ele pediu isso. Porra, eu nunca fiquei tão feliz na minha vida!

— Sim, sim, sim! — Digo, sendo levantanda por ele, nós dois riamos igual á loucos, e realmente, eu estava louca! Seria muito cedo para namorar? Ah, foda-se! Saímos do quarto, totalmente alegres, descemos as escadas e vejo toda a minha família preparada, minha mãe, quero dizer, Alexandra estava linda, Mike e o projeto de cruz credo também estavam lindos, claro. Com toda aquela pressa de irmos logo, acabei ficando estressada, como sempre, espero que não seja assim lá. Shawn não se separou de mim por um segundo sequer, ficou ali, segurando a minha mão, como se eu fosse fugir dele. Atravessamos a rua até a casa de Shawn, chegamos em sua porta, quando Shawn a abriu, o que era para ser um jantar especial apenas para as nossas famílias, se tornou uma festa enorme, que porra é essa? Ali estava cheio de meninas chatas e suas famílias sem importância, a cara da minha mãe foi a melhor! Rapidamente, Hayden vem nos cumprimentar, como se não houvesse ninguém ali, apenas nós.

— Viola, você está tão agradável, adorei sua roupa! Prazer, Hayden Mendes. Vocês devem ser Ronnie, Mike e Alexandra! — Hayden os cumprimenta, que com gentileza, retribuiem aquela cortesia. — Shawn, querido, espero que não se importe, mas eu convidei alguns amigos seus. — Que amigos? Certeza que ele não conhece ninguém ali! — Vamos, vou lhes apresentar o pessoal.

Hayden sumiu naquela multidão com a minha família, Ronnie foi o único que ficou comigo, já que o mesmo, não se viu interessado naquilo.

— Não viu quantas garotas tem ali? Porque não vai? — Pergunto, rindo, o fazendo ficar com vergonha. Shawn estava bravo, muito, porém não demonstrou. Cara, eu quero explodir,porque você não faz o mesmo?

— Elas não fazem o meu tipo, são narizinhos empinados. — Ronnie diz rindo e por acaso, me fazendo rir também. Shawn estava vermelho de raiva, ele não dizia nada, apenas ficava quieto, Ronnie percebe a tensão dali e ri nasalmente. — Aí que vontade de beber uma água… — Ronnie diz, sumindo da minha vista, vejo algumas garotas o cortejando e reviro os olhos, que atiradas!

         — Ela passou dos limites agora! Quem é esse pessoal? Eu não conheço ninguém aqui! — Eu não disse?! Eu disse que ele não conhecia ninguém aqui! Vejo um rosto familiar e balanço a cabeça, tentando ver se era uma alucinação ou se era real. E merda, que porra ele faz aqui?


Notas Finais


AAAAEEEEEE CARALHO CÊS NÃO ACHARAM QUE IRIA SER TUDO MARAVILHOSO AINDA MAIS COM A SENHORA HAYDEN NÉ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...