1. Spirit Fanfics >
  2. Azul É A Cor Mais Quente - (Jukes) >
  3. Você me botou de lado

História Azul É A Cor Mais Quente - (Jukes) - Capítulo 23


Escrita por: e Ghost_Canary


Capítulo 23 - Você me botou de lado


Pov Jukes 

Sábado, 07/10 às 18:30


Depois de horas dirigindo em direção ao parque, que fica numa cidade vizinha, finalmente chegamos. Desço do carro e Peter me acompanha. Caminhamos para a bilheteria e pagamos a entrada.


- em qual você quer ir primeiro?- pergunto guardando minha carteira no bolso e olho pra ele

- montanha russa- o pequeno segura meu dedo e me puxa para uma fila pequena de pessoas que levava para uma montanha russa alta.

- certeza? Ela parece meio grande.- falo já na fila.

- tá com medo, Jukes?- ele me olha com um olhar convencido enquanto da um passo a frente se aproximando do lugar de partida do brinquedo

- me respeita, baixinho- falo e dou outro passo que já nos faz ser os próximos da fila- você que deve tá com medo.

- que medo, o que- Peter cruza os braços

- é bom você já ir se acostumando a subir em coisas grandes- falo e mordo o lábio de baixo.

- próximo- um rapaz nos chama

- babaca- King caminha até uma espécie de aste que iria medir ele, para julgar se ele iria poder entrar no brinquedo

- sorte, baixinho, passou por 3 centímetros - o rapaz brinca

- vem, Pit- puxo o azulado pela mão para o último vagão do brinquedo

- no último?- ele esboça medo 

- ué? Tá com medo?- provoco o garoto

- nunca!- Peter entra no vagão 

- então vamo- senti do lado dele e puxo a trava que nos prende.

- eu... posso?- King se aproxima

- pode me abraçar se sentir medo- coloco os braços nas costas do assento

- valeu- o pequeno coloca a perna esquerda dele em cima da minha perna direita.


O brinquedo faz um barulho e anda um pouco para trás, mostrando que irá começar a andar.


- tá preparado?- o encaro

- sempre- assim que ele fala o brinquedo corre para frente e arranca um grito dele- AAAH!!!


Dou risadas, e Peter me abraça forte. O brinquedo começa a descer em caracol, fazendo três circulos, em seguida vira para uma subida lenta. O desespero do pequeno vai ficando cada segundo mais evidente, isso chega a me divertir.

Confesso que eu estava adorando ficar abraçado com o Peter. Ele a cada dia me encanta mais, não quero fazer um texto shakesperiano ou melo dramático, mas ele está me transformando em alguém novo, atualmente eu quero proteger o King, e quero gritar pro mundo o que eu tô sentindo. 


-Jukes, eu vou morrer!- o vagão para no topo de um monte que levava a uma descida íngreme 

-Uhu! Vamos morrer!- invés de me desesperar, eu brinco e gargalho. Peter me olha e sorri.

- Como alguém tão retardado conseguiu roubar meu coração?- ele fala e ri.


O vagão desce rapidamente o caminho, e invés de gritar de medo ou adrenalina, eu e Peter gargalhamos e quase morremos de rir. Logo o percurso que os carrinhos faziam acaba, e chegamos ao fim, porém ainda não paramos de rir. Saímos do brinquedo e avistamos a fila do carrinho de bate bate.


- vamo no bate bate!- ele me puxa correndo pela mão até uma fila

- você gosta de bater?- pergunto e ele me lança um olhar bravo- brincadeira, bora- chegamos na fila que havia cerca de 7 pessoas na nossa frente, o que mostra que seríamos do próximo grupo- eae, o que você vai fazer amanhã?

- ah, Não sei, acho que só ficar jogado pela casa. E você?- Peter fala ainda segurando minha mão, creio que inconscientemente mas quero acreditar que ele quer segurar minha mão. 

- vou sair pra resolver umas coisas pra minha mãe- falo segurando a mão dele.

- eu nunca vi sua mãe, nem pela internet. Me mostra uma foto dela?- ele pede

- Claro- solto a mão dele e pego meu celular, procurando uma foto da minha mãe- aqui- mostro uma foto do Natal do ano passado

- minha futura sogra é gatissima- King brinca e eu o rio

- mas e a sua mãe?- guardo o celular

- ela... é complicado Jukes- o azulado olha para baixo

- desculpa, eu não queria...- assim que falo a garota que administrava o brinquedo avisa que é a nossa vez.


Peter me puxa para um carrinho azul. Eu sento no piloto e ele do meu lado. Assim que o brinquedo começa o pequeno aponta para um carrinho vermelho onde tinha duas garotas e grita para eu bater nele. Basicamente assim foi a diversão, ele apontava para um carrinho, eu dirigia, batia e riamos. Os 15 minutos de brincadeira se passou e saímos do brinquedo. Avisto de longe um carrinho de algodão doce, e caminho até ele, deixando o Peter, que estava distraído com seu celular, para trás. 


- opa, meu querido me vê dois- falo pro senhor que se tava do lado do carrinho

- Claro, 6 reais- o velhinho começa a preparar os algodões doces

- aqui- entrego três notas de dois reais e o senhor me entrega os doces- obrigado- caminho de volta até o Peter e entrego um para ele.

- brigado grandão- ele pega um dos doces e começa a comer.- onde vamos agora?

- na volta você quer parar em algum lugar pra comer?- pergunto comendo o meu algodão doce 

- pode ser- King dava várias mordidas no doce

- então escolhe um último brinquedo pra irmos, sabe, pra não ficar tarde- o encaro

- escolhe você- Peter parou de comer o doce por alguns segundos

- que tal a roda gigante?- aponto para a fila que só havia 3 duplas

- pode ser, aí depois eu te mostro minha roda pequena- o Peter brinca e caminha para a fila

- opa! Agora eu gostei- assim que falo o pequeno me olha com um olhar de repressão- ué, você que brincou.

- exato, era brincadeira- Peter fala já na fila- quem sabe um dia não seja.

- tendi baixinho- paro atrás dele


Ficamos em silêncio e esperamos a nossa vez, que não demora muito para chegar. Entramos no vagão e ele começa a subir. Em segundos estávamos quase no alto e o brinquedo faz uma primeira pausa.


- o que você tá achando do nosso dia?- pergunto e dou uma mordida no meu doce

- eu adorei o dia, mas eu gostei mais ainda de ficar um tempo com você- ele também come o algodão dele- mas e você, o que achou do nosso dia?

- eu também curti. Sabe, qualquer segundo que eu passo com você se torna o meu preferido- falo e pego meu celular- vamo tirar uma foto pra lembrar do nosso dia?

- vai- Peter sorri e se encosta no meu peito olhando para a câmera.

- ok- levanto um pouco o celular a minha frente na câmera frontal e tiro uma foto.


Peter vira para mim e eu não percebo, só vendo pela câmera do celular. Viro para ele, sem abaixar o celular. O vagão que estávamos sobe e para no ponto mais alto possível. Tiro uma última foto da troca dos nossos olhares. King se afasta de mim e começa a olhar a vista ao redor, então eu guardo meu celular.


- o céu tá lindo- ele fala

- você é mais lindo que qualquer céu- falo e Peter sorri de canto, como o último pedaço do meu algodão 

- aqui em cima é meio frio, né?- o azulado passa a mão pelos braços para se esquentar.

- verdade- coloco minha mão nas costas do vagão metálico e abraço ele de lado, para esquetá-lo.

- Jukes- o pequeno vira para mim e fica trocando o olhar entre meus olhos e minha boca- sua boca tá suja aqui- ele passa o polegar num canto ao lado da minha boca e limpa o açúcar que estava lá, porém ele não tira o dedo do meu rosto

- Peter- começo a olhar a boca dele igualmente ao menor- você me desculpa?

- pelo que?- ele não entende porém não sai de perto de mim

- por isso- pego o rosto dele e puxo para um beijo.


Logo o pequeno retribui. Nosso beijo tinha se encaixado perfeitamente. Deixo minha mão na sua nuca enquanto ele coloca a mão dele na minha bochecha. Não havia malícia no beijo, aliás não havia possibilidades de haver malícia no beijo pelo lugar onde estávamos. Mesmo que estivéssemos pouco se fedendo para o lugar onde estávamos, seria difícil qualquer um de nós começar a provocar o outro pelas circunstâncias. 

Hoje o dia tinha sido perfeito, e com esse beijo ficou melhor ainda.


hm, com licença senhores- a garota que estava controlando a roda gigante puxa a nossa atenção nos fazendo separar o beijo- é que o parque já está fechando.

- oh, desculpa moça- Peter se levanta e me puxa pela mão- vem Jukes.


Caminhamos até o carro e conversamos sobre o nosso dia até chegar numa lanchonete temática americana perto da casa. Descemos do carro e entramos.


- eae, pequeno, o que vai querer?- sento numa mesa para dois e pego um cardápio. 

- que tal um milk shake duplo e dois hambúrguer?- ele se senta na minha frente- a gente divide.

- pode ser- bato numa campainha que tem na mesa pra chama algum atendente e logo um rapaz negro de dreads curtos de pontas roxas vem

- qual será o pedido rapazes?- o garoto pega um caderninho 

- um milk shake de chocolate duplo e dois hambúrgueres clássicos- faço o pedido e o rapaz anota

- algo mais?- ele nos olha

- então... qual a marca da tinta que você usa?- Peter pergunta pro rapaz

- é kamaleão garoto, uso a "beija-flor e você?- o rapaz abaixa o caderninho e fala sorrindo pro Peter 

- também uso da kamaleão, a minha é a "jubarte"- King sorri

- muito show sua cor, agora com licença vou levar o pedido- o rapaz caminha até a cozinha

- simpático ele, né?- King me pergunta 

- muito, até de mais pro meu gosto- cruzo os braços e finjo ciúmes 

- tá com ciúmes, grandão?- Peter me pergunta e cruza os braços

- Claro que não, é zueira- brinco e logo o mesmo atendente volta com o nosso pedido

- aqui está- ele coloca a bandeira sobre a mesa e nos entrega um recibo- o recibo pro pagamento.

- vocês são rápidos aqui,hein?- brinco e coloco um canudo no copo grande de milk shake

- obrigado senhor- o rapaz agradece

- hmm- Peter já havia provado um gole do milk shake- muito bom o milk shake, beija-flor. Posso te chamar assim?

 - Claro, mas só se eu puder te chamar de jubarte- o rapaz fala e Peter da uma risada torta

- Claro!- King fala e o rapaz se distancia da mesa

- você conheceu o garoto agora é já tem apelido com ele?- pergunto e como o hambúrguer 

- é ué- Peter também morde o hambúrguer- algum problema? 

- nenhum, só que não temos apelidos entre nós- mordo de novo o lanche 

- Claro que temos! Anjinho, diabinho, baixinho, grandão, temos vários apelidos de casal- o pequeno fala e logo para ao perceber que nos chamou de casal

- de falar que somos um casal, sinceramente até gosto- término de comer o lanche e bebo alguns goles de milk shake 

- okay- Peter da mais algumas mordidas e termina o lanche dele. Logo terminamos o milk shake

-vamos embora?- me levanto e me direciono pro caixa.

- bora- King me segue

- Boa noite senhor, qual forma de pagamento?- a garota do caixa pergunta

- cartão- entrego o recibo e meu cartão para ela. Faço o pagamento- tenham uma boa noite.

- moça- Peter entrega uma nota de dez reais para a garota- da de gorjeta pro rapaz de cabelo roxo e diz que foi um presente do Julbarte,por favor.

- claro! Muito obrigada e voltem sempre- a garota fala e saímos do restaurante.

- já deu até presentinho pro "beija-flor"- falo mostrando ciúmes 

- também te dou um presente, bobo- o azulado entra no carro 

- qual presente?- entro no banco do motorista e logo o carro

- eu!- Peter fala e abre os braços

- esse é o melhor presente do mundo- douum selinho nele e dirijo até a casa. 


Estaciono o carro na garagem e entramos pela porta da cozinha. Caminhamos até a escada e vemos o Rakin sentado no sofá, encarando o celular extremamente sério. 


- oi Rakin, boa noite- Peter o cumprimenta

- Peter, eu posso conversar com você?- Rakin pergunta e me olha- a sós.

- claro- King cochicha pra mim- sobe lá, já já eu chego.

- okay, qualquer coisa me chama- subo as escadas e entro no meu quarto, porém fico encostado na porta.


Pov King 

Sábado, 07/10 às 20:40


Caminho até o sofá e me sento do lado do Rakin. Ele parece bravo, muito bravo. Como se fosse matar alguém. O barbudo respira fundo e me olha.


- Eai, não tem nada pra me dizer?- Rakin me pergunta

- não, eu deveria- assim que falo ele demonstra raiva

- beleza, não queria ser grosso mas vou direto ao ponto- ele vira pra mim- você e o Jukes transaram?

- desculpa Rakin, mas isso não é da sua conta- me levanto- se era só isso, eu já vou.

- Não! Não é só isso!- Rakin pega meu pulso com força e me puxa de volta pro sofá. 

- você tá me machucando- falo e ele me solta

- você falou que eu tinha chances com você!- Rakin estava bravo

- e tem- coloco minha mão em cima da dele

- não parece!- ele tira a mão de baixo da minha- você me botou de lado, e de primeira me trocou pelo Flávio!

- não, não fiz isso- tento me defender mas sou interrompido

- fez sim!- Rakin eleva o tom- você tá pouco se fodendo pra mim- ele aponta o dedo pra mim

- para de gritar comigo- meus olhos começam a marejar

- Cala a boca e não chora!- Rakin grita- você é ridículo, eu te ajudo em um monte de coisa e na primeira oportunidade você me troca!!! Você é desprezível, desde o início esse foi seu plano! Tentar fazer eu me apaixonar por você para você fazer o que quiser comigo. Eu não sou trouxa! EU NÃO SOU TROUXA!!!

- o que ta acontecendo aqui?- a Caju aparece na escada, junta com a Queen e o Henry 

- por que você tá gritando com ele?- Henry pergunta e se aproxima

- não se mete, Henry!- Rakin se levanta- você é horrível Peter!

- por favor, Rakin, para!- começo a chorar

- para de show, não tem plateia pra você!!!- Rakin aponta o dedo na minha cara

- para de gritar, seu ogro- Queen corre até mim e me abraça

- já mandei não se meterem nisso!- Rakin me puxa pelo braço com muita força- escuta aqui...

- que porra tá acontecendo?- Brtt aparece no pé da escada e se aproxima 

- TT não se mete- Rakin fala e Jukes desce as escadas me puxando pra longe do Rakin- Peter, minha primeira impressão de você estava certa. Você é só mais uma criancinha mimada que não liga pros outros- ele me olhava com puro ódio. 

- Rakin, vai pro seu quarto agora- Brtt empurra ele e aponta pro quarto do mesmo. Rakin entra no quarto dele.

- King, você tá bem?- Queen me pergunta encostando no meu braço.

- e-eu, sou um monstro!- me deparo de todos e subo as escadas correndo.


Entro pelo quarto do Jukes, dou o maior salto que consigo para puxar o alçapão e subo as escadas correndo. Entro no meu quarto e tranco a escotilha. Me deito na cama e me cubro inteiro. O frio se instaura pelo quarto e o medo me invade.

O que eu fiz pro Rakin? Por que ele ta bravo comigo? O que eu faço?

- isso é apenas o começo garoto- sinto "ele" se aproximando- um já sente raiva de você, e logo os outros também sentirão!

- por favor vai embora- abraço minhas pernas e me encolho na cama.

- Nunca, querido. Eu já sou parte de você,  nada que fizer vai adiantar.- a voz ecoa pelo quarto.

- VAI EMBORA!!!- grito pelo desespero

- eu só vim dar um aviso. Bons sonhos garoto.- a voz se dissipa

-O que eu fiz?- naquela noite eu dormi de tanto chorar...






Continua...


Notas Finais


Oi gente, desculpa o atraso. Então... no último capítulo eu vi que muitos de vocês comentaram sobre Raking(Rakin e king), e eu adoro responder todos os comentários, mas isso que aconteceu já estava programado no roteiro e eu sabia que se eu falasse alguma coisinha mínima nos coments, acabaria soltando um mega spoiler.

Eu agradeço muito por torcerem pelo casal Raking, mas quero deixar avisado desde já que a fanfic é sobre o Jukes, terá sim momentos do Rakin e do Peter, do Pimpi e do Peter e até uma momento do Brtt e do Peter, mas não se apaguem muito pois no fim o Peter vai sempre ficar com o Jukes. Não quis parecer grosso, me perdoem se eu tiver parecido.

Por último eu quero lhes pedir uma ajuda pra vocês. Eu vou lhes dar duas opções de nomes e vocês devem escolher a que mais gostarem. Os nomes serão da lanchonete que apareceu nesse Cap e o real nome do beija-flor. As opções são:
A-) Sprint Mix (lanchonete)
B-) Apple Delish (lanchonete)

A-) Alex (personagem)
B-) Jeff (personagem)

Bom, espero que tenham gostado. Bjssss e até a proxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...