1. Spirit Fanfics >
  2. Azul é a cor mais quente (Jeongmin) >
  3. Capítulo 19 - Horóscopo do dia: Não se apegue, é uma cilada

História Azul é a cor mais quente (Jeongmin) - Capítulo 21


Escrita por:


Capítulo 21 - Capítulo 19 - Horóscopo do dia: Não se apegue, é uma cilada


Fanfic / Fanfiction Azul é a cor mais quente (Jeongmin) - Capítulo 21 - Capítulo 19 - Horóscopo do dia: Não se apegue, é uma cilada

ᵃⁿᵗᵉˢ ᵈᵉ ᵐᵃⁱˢ ⁿᵃᵈᵃ, ᵖᵉᵍᵘᵉᵐ ˢᵘᵃˢ ᵖⁱᵖᵒᶜᵃˢ ᵖᵒʳᵠᵘᵉ ᵉˢˢᵉ ᶜᵃᵖⁱ́ᵗᵘˡᵒ ᶠⁱᶜᵒᵘ ᵉⁿᵒʳᵐᵉ. ᵃᶜᵃᵇᵉⁱ ᵈᵉ ᵉᵐᵖᵒˡᵍᵃⁿᵈᵒ ᵘᵐ ᵖᵒᵘᵠᵘⁱⁿʰᵒ ♡ ᵏˢᵏˢᵏᵏˢᵏˢᵏ

Esᴛʀᴀɴʜᴀᴍᴇɴᴛᴇ, ϙᴜᴀɴᴅᴏ ᴇsᴛᴏᴜ ᴛᴇɴᴅᴏ ᴜᴍ ᴍᴀᴜ ᴍᴏᴍᴇɴᴛᴏ, ᴠᴏᴄᴇ̂ ᴇsᴛᴀ́ sᴇᴍᴘʀᴇ ᴘᴇʀᴛᴏ ᴅᴇ ᴍɪᴍ.❞ 

▃▃▃  Mʏ Lᴏᴠᴇ ғʀᴏᴍ ᴛʜᴇ ᴀɴᴏᴛʜᴇʀ sᴛᴀʀ ▃▃▃▃  


DEPOIS DE CORRER MEIO QUILÔMETRO sem olhar para trás, como se qualquer espiada pudesse transformá-la em uma estátua de sal igual a moça da bíblia, Jeongyeon chegou à biblioteca. Seu antigo abrigo contra o temporal, que ainda exercia com excelência seu papel em escondê-la do mundo lá fora, sempre que uma tempestade vez ou outra surgia para assolá-la.

A jovem encontrava-se na mesma seção de romances policias que ela sempre ficava. Àquela hora da noite, a biblioteca da Universidade costumava ser tão silenciosa quanto uma noite fria no deserto, um refúgio ao qual Jeon se sentia abençoada por ter ao seu dispor.

O vazio que rondava o lugar se somou a tudo o que a azulada estava sentindo naquele momento, chegando a ser desumano. Jeong tentou pensar com clareza sobre tudo que vinha passando, até a bomba que acabara de receber, mas ela não tinha ideia de como superar sentimentos como aquele que crescia em seu peito. Sempre foi mais fácil apenas fugir e deixar que o tempo curasse suas feridas.

Ela queria chorar, mas a raiva era maior. Como pude ser tão tola e cega e burra e... argh!

Jeongyeon precisava de uma distração eficaz, por esse motivo, começou a procurar algum livro descente na prateleira mais baixa, passando os olhos pela lombada de cada livro antes de seguir para a de cima. Nenhuma das capas lhe chamava a atenção, a maioria eram livros aparentemente antigos.

Na quinta prateleira, ela estava se esticando tanto na ponta dos pés para conseguir enxergar os nomes dos livros, que achou por um instante que seu pescoço desgrudaria do restante do corpo.

A sexta prateleira, e a mais alta, ficava completamente além do seu alcance. Jeongyeon procurou ao redor, verificando se teria algo em que pudesse subir, que ela pudesse usar ao seu favor, mas sua busca foi infrutífera. Havia apenas um puff, tão molenga que nem a elevaria dez centímetros.

Determinada, rumou em direção à seção da biblioteca longe das prateleiras, onde mesas eram dispostas pelo cômodo, e regressou de lá com alguns pares de olhares julgadores lhe encarando com testas franzidas, por estar carregando uma das cadeiras das mesas.

Posicionou frente à prateleira e subiu no móvel.

Muito melhor.

一 Boa noite. 一 uma voz grave soou, assustando-a.

Primeiramente, tremeu na base. Com certeza era algum funcionário vindo expulsá-la alegando que a jovem estava praticando atos de vandalismo. Ótimo, seu dia poderia ficar pior? Perdeu a dignidade, e agora perderia também seu esconderijo secreto.

Jeongyeon que se mantinha concentrada em sua caçada, pega de surpresa pela voz repentina, perdeu o equilíbrio sobre a cadeira. Em reflexo, suas mãos agarraram a prateleira.

Por um instante, a jovem ficou pendurada, os pés balançando no ar. Só lhe restava uma opção: soltar-se e se espatifar no chão. Ela estava a apenas meio metro
de altura, uma dorzinha a mais na bunda não seria nada.
Seu corpo sobreviveria à queda, mesmo que sua dignidade não.

Quanto mais tempo ficava pendurada feito uma penhata, mais ridícula sentia-se. No instante em que soltou a estante, ela se viu caindo, despencando lentamente, e então fechou os olhos, esperando pelo pior.

Contudo, ao invés de uma pancada mortífera no chão, de esmagar os ossos, ela ouviu um grunhido de dor, que por incrível que pareça não originava-se dela.

Mãos grandes e fortes a seguravam firme sobre um peitoral que mais parecia uma muralha, como se ela fosse a mais rara das joias que pudesse ser quebrada com a mais fraca das forças.

Jeongyeon involuntariamente soltou um suspiro de alívio ao se ver auxiliada pelas mãos que escorregaram ao redor das curvas de sua cintura, que fazia a pele ali arder pelo contato.

一 Caracolas! Acho que minha coluna perdeu dez anos de vida útil depois dessa. 一 ele apertou com mais firmeza a mão na cintura da azulada, aproximando lábios quentes de seu ouvido, sussurrando: 一 Espero que tenha valido a pena e você esteja bem.

Um arrepio avassalador desconfigurou o raciocínio da jovem já abalada, enquanto era colocada de volta ao chão. São e salva.

一 Estou. 一 disse ela, a voz fraca, tentando entender o que havia acontecido.

Com as pernas ainda meio bambas, a jovem julgou melhor recuar e sentar-se no puff roxo perto deles, do que correr o risco de cair novamente, então olhou a figura esbelta de lindos cabelos negros e bagunçados a sua frente.

Jimin.

一 Já ouviu falar que quem é do chão não se trepa? 一 ele fala socialmente, sorrindo brincalhão, como se sua lerdeza natural não tivesse permitido-o notar a situação precária em que ela se encontrava.

Jeongyeon quase derrubou o livro que equilibrava no topo de seu joelho, ao notar quem era o rapaz. Ergueu a cabeça para ver Jimin à sua frente, com uma pilha de livros caídos no chão que foram jogados no momento em que o mesmo tentou salvá-la de uma queda feia.

A azulada conteve o calor que subiu subitamente em seu peito e suas orelhas, o pânico diante da especulação que ele poderia imaginar ao ver seu rosto molhado como folhas expostas ao orvalho, e os círculos negros que haviam se formado sob seus olhos, e que ela tanto tentava evitar.

Mas ele ouviu, um soluço mínimo, quase inaudível e completamente angustiado, concluindo que ela havia de fato chorado. E então se agachou ao lado dela.

一 Jeongyeon... Aconteceu alguma coisa? Por que está chorando? 一 quis saber ele, a boca pressionada em uma linha estreita, o semblante aflito. 一  Se for porque acabou o estoque de O Silêncio dos Inocentes, eu te entendo.

Quando a azulada não esboçou nenhum aqueles sorrisos sarcásticos e costumeiros, que ele tanto havia se acostumado a ver partir dela, e que achava particularmente lindo, Jimin se dá conta de que seu trocadilho não teve tanta graça assim, e que algo estava realmente errado.

Jeon nem precisaria dizer para ele saber. O moreno agachado ao lado dela contrai o maxilar, e senta-se no puff amarelo, esquecendo da existência dos livros jogados no chão e focando a atenção apenas na garota chorosa. Ela até tentou, mas não conseguiu ler os títulos que reluziam das lombadas de couro.

Jimin procurava o contato de seus olhos, mas ela esconde o rosto enquanto enxuga as lágrimas que haviam voltado a escorrer.

一 Você está bem?

一 Eu pareço bem?

Ele manteve o olhar fixo nela por alguns segundos, então os desviou para o chão e questionou visivelmente magoado: 一 Você... quer companhia?

一 Não. 一 disparou rispidamente Yeon, se arrependendo imediatamente assim que as palavras saem de sua boca e o atingem com força, um olhar maltratado surgindo ali.

O entusiasmo de Jimin sofreu um baque.

一 Tudo bem, então. Vou te deixar em paz. Boa noite.

Ao ouvir seu tom amargurado, ela suspirou. Jimin já se levantava para ir embora e deixar-lhe em paz, quando a mão fria da garota envolve a sua, o impedindo de prosseguir.

Jeongyeon sentiu-se mal por ser grosseira. Aquela atenção toda e tudo o mais... era novidade para ela, não sabia como lidar, e fez seu coraçãozinho bater forte. Ele estava preocupado com ela?

Claro que não, ele apenas é genuinamente altruísta demais. É isto.

一 Espera! Você pode ficar. Se quiser...

A voz dela era estável e comedida, mas os olhos não transmitiam a mesma coisa. Jimin jamais sairia dali sem ter certeza que fizera de tudo para animá-la, ou ao menos fazê-la sentir que não estava sozinha.

Jimin suspirou e se limitou a estudá-la por alguns segundos, notando a resistência que sentia ao tentar se afastar, a ansiedade que ultimamente o domina quando ela lançava aqueles enormes olhos castanhos sobre ele... A expectativa de vê-la chegar.

Só pode ser feitiço, bruxaria ou alguma outra explicação sobrenatural, porque a maneira que seu corpo estava agindo em relação aquela garota de cabelos azuis não era normal. Não podia ser normal.

Arrastando o puff amarelo para mais perto dela, o moreno moveu-se com uma graciosidade fluida, colando as costas recentemente danificadas que doíam, na parede.

一 Quer falar sobre o que te deixou assim?

Jeongyeon não se manifestava, e ele simplesmente não
conseguia aguentar toda aquela tensão silenciosa.

一 Humm... Brigou com alguma amiga? 一 Jimin arrisca no palpite, e Yeon diz que não. 一 Com seus pais? 一 ela balança a cabeça novamente em negativa. 一 Com seu namorado?

Dessa vez, oferecendo mais do que silêncio como resposta, Jeongyeon funga, engolindo alguns resquícios do choro.

Então o problema era maior do que o moreno imaginava. Certo que uma coisa é animar alguém triste, mas quando o assunto em questão é discussões de relacionamento, o buraco era mais embaixo. E sendo unicamente péssimo com conselhos amorosos, Jimin se retrai hesitante, coçando a nunca em busca de iluminação divina.

一 Okay, acho que eu entendi. Ele falou algo ruim pra você? Te magoou?

一 Também.

O quê?! Aquele idiota fez algo pior do que magoa-la?! Juro por Deus que se ele encostou um dedinho sequer nela... 一 Jimin pensava exaltado, mas teve que interromper o desenvolver de seus pensamentos. O que ele poderia fazer? Ou melhor, quem era ele pra se intrometer na vida dela? Apenas um colega leitor, conhecido da Universidade... No máximo um amigo, se tivesse sorte.

一 Também?? Quer dizer que ele fez algo ainda pior?

一 Se você acha que traição se encaixa no conceito "algo ainda pior", então sim.

一 O quê?! Ele não seria tão escroto a esse nível...

一 Sim, Jimin. Ele me traiu. 一 Jeon lançou inflexível, um olhar afetado para o moreno surpreso, como se a resposta fosse bastante óbvia e ele tapado demais para entender. 一 Duas vezes, e uma delas foi com a vagabunda da Rosé. Eu perdoei. Daí o estrupício me iludiu, me manipulou e ainda me deu um segundo belo par de chifres de presente no final. Não consegue ver minha cabeça pendendo para o lado com o peso??

Jimin sentia o olhar dela pesar sobre si, mas ela apenas o olhava como se não o visse. O rapaz se deu conta de que prendeu o fôlego enquanto a azulada falava, e soltou o ar com força. Isso a trouxe de volta de onde quer
que ela estivesse.

一 Sabe de uma coisa, Jeongyeon? 一 os olhos de Park não deixavam o rosto dela à medida que ele falava. 一 Eu não te conheço há muito tempo, mas sou inteligente o suficiente pra perceber que você merece alguém que reconheça a pessoa maravilhosa que você é.

A garota projetou um sorriso agradecido tão fraco que nem um olhar afiado de águia notaria. Mas ainda assim, era um sorriso.

一 Você nunca suspeitou? 一 continuou ele, pigarreando quando sentiu a voz ficar rouca. Não um rouco sedutor, mas um rouco espantado. 一 Tipo, ele deve ter dado um deslize alguma vez. Ninguém consegue esconder uma traição por tanto tempo.

Yeon dá de ombros, despreocupada.

一 Eu sabia que ela é obcecada pelo Taehyung, mas eu confiava nele. Na primeira vez eu perdoei porque eu gostava de verdade dele, e também porque ele era a única pessoa que eu tinha com quem contar. Minha família é toda bagunçada, sabe? Então eu fiz vista grossa ao aviso do Chany e o perdoei. Nunca imaginei que ele seria capaz de fazer isso de novo, depois dele ter me olhado bem no fundo dos olhos e prometido... Mas eu estava enganada. Uma vez cretino, sempre cretino.

A melancolia nos olhos geralmente sedutores e desafiadores da garota fizeram as entranhas de Jimin se retorcerem.

一 Que babaca! E ainda por cima com a mesma pessoa...

一 O pior de tudo é que nós éramos melhores amigas desde o fundamental. Nunca me passou pela cabeça que Rosé se tornaria a mulher sem caráter que é hoje. 一 com um misto de arrependimento e raiva, Jeon refletia. 一 Talvez a culpa seja minha. Talvez eu tenha sido uma péssima amiga.

一 Isso é impossível. Eles que não te merecem, Jeong.

一 Você não sabe...

一 Eu não sei de nada? 一 Jimin a interrompe, antes que ela pudesse terminar de dizer que ele não saberia como é ser traído. 一 Tô ligado. Você fez questão de deixar isso bem claro nas últimas vezes que nos falamos.

Jeongyeon girou no puff, ficando assim frente a frente com o moreno de ombros largos e sorrisos mortais. Ela apoiou os cotovelos nos joelhos e permitiu que o queixo afundasse em suas mãos.

一 Você acabou de falar "tô ligado"? 一 ironizou.

Jimin não conseguiu evitar sorrir. Um tiro certeiro de AWM no peito já fragilizado dela. 一 Olha só, estou tão irritado que até joguei a gramática ao vento. Inédito!

Dessa vez Yeon sorriu de verdade. Um sorriso cheio de dentes, esperança e uma boa dose de agradecimento. Ele a fazia inconscientemente esquecer de suas dores. A neutralizava do mundo cruel fora da bolha que ele instantaneamente criava ao redor deles.

Era seu anestésico.

一 Obrigada.

一 Não há de quê. 一 ele balbuciou, o semblante carregado novamente de autoconfiança. 一 Falo sério quando digo que você merece alguém melhor. Não acho que vá demorar muito tempo pra isso acontecer. Então, fique atenta e escolha com sabedoria.

Yeon enxuga a bochecha molhada. 一 Acho bom que esteja certo. Você me parece melhor do que as cartas de tarô que costumo consultar na internet ou os horóscopos.

Ele arregalou os olhos para ela.

一 Ai meu Deus, Jeongyeon... Eu estava tendo esperanças em você!

一 Ué, 一 Jeong ecoou confusa. 一 mas eu não fiz nada de errado, seu doido varrido.

一 Você acabou de dizer que acredita em signos!

一 Todo mundo acredita em signos! Você não? 一 acrescentou, ao ver a expressão de horror nos olhos do jovem incrédulo.

一 Óbvio que não! 一 disparou chocado. Ou melhor, espantado. Abismado. 一 Mas quem em sã consciência acreditaria que sua personalidade é determinada pela posição do Sol em relação às constelações no céu, no momento que uma pessoa nasce? As células nervosas devem se sentir traídas nesse exato momento, por estarem roubando os méritos que elas carregam sozinhas.

Jimin gesticulava tão rapidamente as mãos no ar enquanto falava, que Jeongyeon jurou que as mãos dele poderiam sair voando e bater na cara dela a qualquer momento. Preocupante.

一 Ai garoto, deixa de ser dramático. Essa é a graça da coisa! E funciona, de verdade!

一 Sério? 一 ele sorri desdenhoso. 一 E o meu cachorro, o qual ainda nem tenho, sabe falar.

Yeon dá um tapa no braço dele. Um tapa forte. Bem forte. Ela não mediu previamente a força que usaria até ouvir o estalo de suas mãos sobre o braço esquerdo dele. Pelo menos ele estava usando um moletom grosso, o que diminuiu o atrito.

一 Que dia você nasceu?

一 Você vai me dar presente de aniversário quando chegar o dia? 一 ele brinca. 一 Só vejo benefício em te falar algo tão confidencial se eu ganhar algo em troca.

一 Anda e fala logo, bestão.

Jimin acaba rindo quando ela revira os olhos de uma maneira engraçada. Perdendo toda a pose de negociador. 一 Treze de outubro.

Jeongyeon cerrou os olhos e pensou um pouco antes de estalar o dedo e apontar para o volume no bolso da calça do jovem. Esperando que ali fosse um celular, porque se fosse outra coisa...

Com o rosto já corado, ela agradeceu a Deus por não ser a outra coisa, confirmou ela quando o rapaz retirou o aparelho do bolso, girando-o.

一 Pra quê quer meu celular?

一 Vou te provar. Abra a aba de pesquisa do Google que eu vou te mostrar.

一 Tudo bem, mas saiba que isso é cientificamente impossível.

Jimin falava sério, convicto de seus ideais. Sempre foi do tipo que preferia acreditar no que seus olhos viam, do que no que seu cérebro pudesse imaginar ou seu coração sentir. Sabe a frase "Não trocar o certo pelo duvidoso"? Uma vez ele escutou uma apresentadora de um programa televisivo falar, se identificou, e desde então levou pra vida.

O garoto desbloqueou o celular prontamente e a encarou, esperando as ordens.

一 Sua senha é "1 2 3 4"? Não é possível. 一 e sua voz era de quem realmente não acreditava no que via. Um jovem que parecia ser tão burocrático com detalhes, tinha uma senha tão simplista? Ela quis rir, mas não ousou fazê-lo. 一 Não tem medo dos seus colegas de quarto pegarem teu celular pra te zoar? Principalmente o Chany, ele é experiente com pegadinhas.

Jimin riu ao imaginar, mas deu de ombros. 一 Não tenho coisas a esconder.

一 Nem mesmo nudes?

一 Não mando essas coisas, acho fúteis demais. Se eu tiver que mostrar faço isso ao vivo e em cores.

As sobrancelhas de Jeongyeon se ergueram involuntariamente, engolindo em seco e quase se engasgando quando a saliva errou de caminho. Outra coisa que a azulada não conseguiu controlar foi o rumo de sua imaginação, puta merda... Sua mente foi de signos para especulação de tamanho, grossura e aparência do amiguinho dele em menos de dez segundos.

Ela agitou a cabeça, no intuito de jogar pra longe pensamentos tão libidinosos. Certo. Ela se obrigou a voltar ao assunto.

一 Hã... Okay, 一 Jeong pigarreou, o olhando d.
e relance. 一 Agora digite "Características do signo de Libras". É o seu signo. Quero que você veja com os próprios olhos, seu Tomé.

Mesmo a contragosto, Jimin sibila um monossílabo em concordância e digita o que lhe foi solicitado, esperando a aba do Google carregar lhe trazendo as devidas informações.

一 Certo, vamos lá. Características positivas. 一 ele pigarreou com o intuito de mudar o tom de voz e começou a ler em voz alta. 一 Esbanja charme e tem apurado senso estético. 一 ele sorriu debochado e olhou pra Yeon. 一 Ótimo começo. Muito sensato, aliás. Talvez eu esteja começando a gostar disso.

一 Pare de falar besteira e continue, vai! 一 resmungou a jovem cheia de autoridade e sem um pingo de paciência para enrolação.

Jimin olhou de volta para a tela acesa do celular e prosseguiu ainda sorrindo: 一 Procura a beleza em todos os setores. 一 ele parou. 一 E não é que é verdade? Por isso ando sempre com um espelho. Admirar o que é belo é essencial. 

一 Ai meu Deus, que convencido!

一 Continuando...  一 o garoto falava entre gargalhadas gostosas demais de serem ouvidas e admiradas.一 Gosta de viver em harmonia e procura o equilíbrio em tudo o que faz. Prega e exige justiça tanto para si como para as outras pessoas. Cultiva a diplomacia e sonha com um mundo melhor... Tá, tudo bem que acertou uma boa parte. Mas isso é pura jogada de mestre, Jeongyeon.  Não pode acreditar que todas as pessoas nascidas em outubro seguem essas definições.

一 Uhuum... 一 Yeon cruzou os braços enquanto arqueava uma sobrancelha, exibindo um sorriso debochado. 一 Agora lê os pontos negativos.

一 Calma criatura, vai pegar um trem, é? Características negativas.... É indeciso, muitas vezes não sabe escolher o que é melhor para si. Fala muito e é vaidoso- 一 Jimin bufou e não precisou nem olhar pra saber que Yeon estava rindo dele. 一 Incapaz de dizer não, acaba assumindo compromissos que não pode cumprir. Tem medo de magoar e por isso quase sempre concorda com a outra pessoa, em sacrifício das próprias opiniões.

Nesse momento, Jimin parou de falar. Dessa vez não foi pra fazer alguma piadinha. Seu cérebro deu umas cambalhotas e se pôs girar, trazendo alguma de suas lembranças à tona.

Ele se recordou das muitas discussões que teve com a mãe durante a adolescência. A maioria delas porque a Ji-hyun sempre o obrigava a fazer coisas que ele não queria, como por exemplo, fazer o teste pra entrar no time de futebol da escola, ir em um encontro à cegas com Sung-kyung, estudar pra fazer medicina, parar de escrever ficção porque ela achava que era coisa de quem não tinha o que fazer...

Sempre fizera tudo que a mãe quis... Até o dia no qual decidiu que não deixaria sua mãe levar também o direito que ele tinha de seguir sua grande paixão. A escrita.

Jimin ficou em silêncio olhando sem foco para o ecrã do celular, enquanto Yeon o observou por alguns minutos, se perguntando que bicho tinha mordido ele até decidir cutucar seu antebraço.

一 E aí? Ainda acha que é pura coincidência do destino?

O mais novo piscou, voltando a atenção para o telefone. 一 Acho, mas vamos aproveitar e ver o que eles falam de você... Qual a data do seu aniversário?

一 Não é mais fácil perguntar logo meu signo? 一 quis saber ela, inquisitiva e perigosamente desconfiada.

一 Sim, mas eu também quero saber seu aniversário. Não posso?

Jeongyeon emitiu um estalo com a língua, cruzando os braços.

一 Um de novembro.

一 Um de novembro... Um de... aqui! Escorpião? Uau. 一 Jimin para de deslizar o dedo na tela e semicerra os olhos para ver melhor as letras pequenas. 一  Características positivas... Tem muita energia física e mental. Gosta de emoções fortes e de perceber o lado oculto das outras pessoas. Possui um dom especial para descobrir o que os outros querem esconder. Sedutor e carismático, é dono de um magnetismo que atrai as atenções por onde passa. 一 Jimin sorriu e olhou para o cabelo azul brilhante e as tatuagens no braço dela, concordando mentalmente com cada ponto, vírgula e corações daquela última frase. Jeongyeon sabia como despertar coisas em um homem. E em mulheres também, pensou ele. 一 Não me leve a mal, mas chamar atenção com certeza é o seu sobrenome.

Yeon exibiu um glorioso sorrisinho de lado, que fez com que o pobre jovem tivesse que reconfigurar todo seu sistema que entrou em curto-circuito.

一 Isso é tudo inveja por saber que jamais ficaria tão lindo quanto eu fico com essa cor.

一 E como você poderia saber? Já me imaginou com o cabelo azul?

一 Claro. 一 confidenciou a jovem. 一 Já te imaginei de várias maneiras, e agora, estou imaginando como você ficaria careca...

Já te imaginei de várias maneiras.

Nossa senhora, vocês nem imaginam a avalanche que aquela frase provocou dentro daquele homem. Jimin não sabia se sorria por ficar feliz em saber que ela pensava nele, seja qual for a maneira, ou se ficava preocupado em descobrir que se importava com o que ela pensava dele.

一 Olha, fico lisonjeado em saber que você anda pensando muito em mim... 一 Jimin comenta convencido em cada micro expressão de seu rosto, enquanto Jeongyeon cora à medida que se dá conta da frase recheada de duplo sentido que havia acabado de falar sem querer. 一 Mas você tem que concordar que eu ficaria mais gato ainda, tenho certeza. Quem nasceu pra brilhar jamais se ofusca, queridinha...

一 Ai meu Deus, isso foi tão brega! 一 Yeon cobriu a boca com as mãos para não mostrar o sorrisão que esticava seus lábios. Ela não podia rir, estava de luto por acabar de sair de um relacionamento, oras! Mas Jimin estava dificultando cada vez mais ela entrar no estado de profunda angústia e tristeza na qual ela deveria estar. 一  Daqui a pouco você vai dizer que vai pintar o cabelo de vermelho e que ficará ainda mais sexy. Você sabe... porque vermelho é a cor mais quente.

Jimin ria com gosto, de um jeito que não fazia há um bom tempo. Quando deu uma trégua à seção de risada, sacudiu a cabeça, apontando para a jovem com o indicado e então sussurrou:

一 Não, não. Azul é a cor mais quente..

Jeongyeon encarava o sorriso dele, um pouco atordoada, como se tivesse sido atingida de repente por um terremoto de magnitude 9. Reação não tinha, muito menos o que falar.

一 Mas Deus que me livre. 一 o moreno disparou, rompendo a tensão, sentindo o climão que crescia desenfreado ali. 一 Eu ficaria parecendo o pica-pau. Estou satisfeito com meu humilde e comum cabelinho preto. 一 disse ele pra descontrair.

一 Eu amo pica-pau... 一 falou, sorrindo nostálgica.

一 Espera! Não muda de assunto, espertinha! 一 proferiu o rapaz rapidamente, as bochechas esquentando... Caramba, tá complicado esse lance de efeito estufa, o tanto que aqueles jovens sentiam calor não estava escrito nos gibis! Ele prosseguiu: 一 Falta a melhor parte, os pontos negativos. Vamos lá... Características negativas do signo Escorpião... É sarcástico, desconfiado e reservado no trato com os outros. Gosta de se fazer de vítima e ser dramático. 一 Jimin riu consigo mesmo, mas nada comentou. Yeon, claro, resmungou reclamando outra vez. 一 Apresenta traços de sadismo e fanatismo. Fala pouco, mas tem a língua mais ferina do Zodíaco. Magoa-se facilmente e guarda ressentimento.

一 Algo a comentar? 一 a azulada já revirava os olhos.

一 Não. Eu não mudaria uma vírgula sequer. Principalmente a parte do sarcasmo e do drama...

一 Arghh, você é chato demaaais. 一 Jeongyeon disparou à reclamar, levantando-se do lugar duro onde estava, que começava a fazer a bunda dela doer, e caminhando pelos corredores de prateleiras cheias com Jimin a tira colo, perguntou curiosa: 一 Você só lê suspense policial?

一 Em maior parte, sim. Também leio filosofia japonesa às vezes.

一 Sério? Algum motivo em especial?

一 Não, 一 falou sincero depois de refletir rapidamente. 一 Apenas gosto da forma como os autores costumam se expressar. Já leu alguma obra?

Jeongyeon poderia inventar alguma história dizendo que já havia lido sim e que havia esquecido porque fazia muito tempo, apenas para impressioná-lo... Não que isso importasse pra ela, Yeon não se importava com a opinião dele sobre ela... Certo? Mas no fim, resolver ser sincera:

一 Pra falar a verdade, não. Nunca tive muito interesse por filosofia.

De repente, Jimin interrompeu a caminhada deles no corredor, como se aquele lugar fosse um campo minado e que com apenas um passo, tudo explodiria reduzindo-se a pó...

一 O quê??! 一 o jovem se aproximou e se inclinou sobre Jeongyeon, cuidadoso para que seus corpos não se tocassem, então a segurou pelos ombros e a olhou de cima a baixo. Jimin a julgava abertamente, olhando feio, mas havia diversão em sua expressão. 一 Eu não acredito nisso, como você pode viver sem ao menos ter conhecido os clássicos?! Se vamos ser amigos, tenho que pelo menos te influenciar a algo bom.

Jimin desaparece ao entrar na seção vizinha. Ele vasculha entre os livros dispostos em fileiras, como soldados obedientes enfileirados, que seguem ordens de seu superior, e leva consigo um livro de capa vermelha decorada com folhas de bordo e páginas encardidas.

一 Aqui, 一 Jimin admirava o objeto como se fosse diamante lapidado. 一  Esse é um dos meus preferidos da coleção de Natsume Soseki, o cara é um gênio incompreendido. Me prometa que vai ler com carinho!

Ele estica o braço, e ao entregar o livro, suas mãos roçam acidentalmente. A transferência momentânea de calor tirou o equilíbrio do cérebro da moça, enviando impulsos elétricos para seu coração.

Sentindo o nervosismo torturar seu psicológico, Jimin esfrega as mãos na calça, a fim de secar o suor frio.

Yeon sorri e agradece, não sem antes selar a promessa com o clássico dos dedos um do outro entrelaçados.  一 Vamos logo, já está quase na hora da biblioteca fechar.

一 Eu quero me desculpar por ter agido tão rude no começo... E por todo o drama e sentimentalismo. 一 Parados sobre a calçada pavimentada e silenciosa fachada da biblioteca, iluminados apenas pela luz amarelada de um dos postes, Jeongyeon diz antes que a coragem decida fugir.

一 Jamais peça perdão por colocar pra fora o que te aprisiona por dentro, Yeon...

一 Obrigada de verdade pelo ombro amigo. Eu precisava disso...

À medida que a noite chegava ao seu fim, o humor de Jeongyeon melhorava consideravelmente, e Jimin se
tornava uma ótima companhia. Ela confessa para si mesma nunca tinha ido com a cara dele, tendo em vista sua primeira impressão, mas naquele momento em especial, percebeu o quanto primeiras impressões podem ser perigosas e te afastar de pessoas incríveis por puro achismo e julgamentos precoces.

A azulada pensava um pouco em tudo que ele havia falado e no quanto fazia sentido. Ela era boa demais para se dar ao trabalho de sofrer por quem não a merece. Jimin era muito sensato, especialmente naquela noite.

Eu até que gosto um bocado do Jimin. 一 Yeon guardou essa confissão em um lugarzinho especial de seu coração.

Com cuidado, Jeongyeon abriu o zíper da mochila a fim de guardar o livro sem amassá-lo, e de lá, retirou uma caixa média amarela. Era uma caixa de vitaminas que ela havia comprado para dar ao ex-namorado que precisava ficar forte para seus treinos para as estaduais.

Ela entregou a caixa para o moreno, que a recebeu com prazer. 一 Não foi nada, Yeon. É pra isso que servem os amigos, não é? Sempre que precisar, é só latir por ajuda!

Caramba, ele estava indo tão bem...

Jeon enrugou a testa, olhando feio. 一 O quê?! Eu aqui sendo toda cuidadosa com as palavras, e você me chama de cachorra?!?!?!

一 Não, não não! 一 ele ri, erguendo a mão involuntariamente em defesa própria, caso ela decida virar jogadora de futebol e lhe dar um chute nas bolas. 一 Foi força do hábito, me desculpa! Eu assistia muita patrulha canina com minha irmãzinha.

A mais velha o mediu com olhos severos, desconfiada, tentando decifrar se suas palavras convergia com suas ações.

一 Tudo bem, vou deixar passar dessa vez, já que você me ajudou hoje.

一 Eu... Posso te perguntar uma coisa antes de irmos? 一 ela assente então ele continua: 一 Qual era o décimo desejo da sua lista?

Jeongyeon sorri, virando-se para ir embora, enquanto balançava a cabeça em um "não" efetivo. 一 Se eu te contasse, teria que te matar!

A voz dela reverberou sob o luar, viajando em ondas sonoras que chegaram provocantes aos ouvidos do moreno. Jimin também sorriu em reposta, acenando com a mão enquanto ela se afasta, mesmo sabendo que não veria seu gesto.

一Sendo assim, tudo bem! 一 falou, a voz um pouco elevada para ter certeza que Yeon ouviria. 一 Quando quiser um ombro pra chorar, já sabe onde me encontrar!

Olhando-a se distanciar, Jimin esfregou o pescoço, um vermelho leve surgindo naquelas bochechas fofas, de um jeito vivo e acolhedor que a azulada viria naquela noite. Sussurrando sorridente:

Boa noite, Jeong. 

🍒 。・゚♡゚・。 📚 。・゚♡゚・。 💙 。・゚♡゚・。 🎨 。・゚♡゚・。🍓 

• Não esquece de deixar seu favorio se estiver gostando, isso me diz que você quer que eu continue. 💕



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...