História Azul46 - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Tags Kookv, Taegguk, Taekook, Vkook
Visualizações 532
Palavras 4.506
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - Dezessete


Fanfic / Fanfiction Azul46 - Capítulo 17 - Dezessete

Acordou com uns barulhos estranhos e abafados ecoando pelo quarto e, quando abriu os olhos, notou que era Taehyung pulando em círculos tentando colocar uma calça de couro. Jeongguk esfregou os olhos com os dedos e piscou algumas vezes, para ver se ainda estava sonhando. Tinha sonhado com o loiro e nem estava tão surpreso, provavelmente ia sonhar com aquela noite várias vezes até a ideia de namorar Taehyung não parecer tão absurda.

— Bom dia, Tae. — Disse baixinho, esticando os braços e aproveitando para pegar seu celular no processo. — Nossa, ainda tá cedo. Onde vamos?

Taehyung, depois de finalmente ter fechado o zíper da calça de couro, se virou para Jeongguk com um sorriso amarelo no rosto. O moreno por sua vez, franziu as sobrancelhas, desconfiado.

— Agora que nós somos namorados eu prometo que vou te contar melhor as coisas...

— Tae...

— Não sei se você se lembra, mas essa viagem para cá estava marcada porque eu tinha um compromisso. — Taehyung colocou as mãos na cintura, desviando o olhar. — Tenho que me encontrar com um fotógrafo amigo meu e fazer um pequeno ensaio para o instagram dele. Ele tem muitos seguidores, vamos usar minhas fotos para vender uns produtos. Jeongguk espremeu os olhos e coçou a testa, tentando se lembrar de quando Taehyung mencionou o real motivo daquela viagem. Depois de tudo o que tinham passado, Jeongguk nem se lembrava que aquela viagem não era apenas uma “escapada”. Taehyung só aproveitou sua agenda para levar Jeongguk para passear.

— Eu esqueci, mas tudo bem. — Respondeu sorrindo.

— Bom, você pode sair para conhecer a cidade ou dar uma olhada na piscina do hotel, você que sabe, Jeonggukie. — Taehyung se sentou na cama com certa dificuldade, provavelmente por causa das calças que usava. Jeongguk saiu de baixo das cobertas e engatinhou até ele, colocando os braços ao redor dos ombros do mais velho.

— Ou eu podia ir com você, eu coloco um óculos escuros e finjo que sou seu guarda-costas. — Ele disse brincando. Não se importava em ficar o dia todo no hotel ou de sair para dar uma olhada. Sempre quis comer algumas besteiras americanas que via no twitter. Fora que poderia encontrar artigos de arte legais. Não tinha lá muita vontade de sair sozinho, mas tudo era um aprendizado e o combo uber e Google maps poderia salvá-lo de qualquer coisa. Jeongguk estava obviamente brincando, mas quando levantou a cabeça para olhar para Taehyung, viu em seu rosto um sorriso malandro. Seus olhos tinham um brilho que Jeongguk reconhecia muito bem, era prenúncio de uma ideia que provavelmente não iria prestar.

— Você por acaso está levando a sério o que eu disse? — Jeongguk perguntou só parar tirar sua dúvida, queria pensar que Taehyung ainda tinha um pingo de juízo que fosse. — Eu estava brincando.

— Já se olhou no espelho? Se você colocar uma camiseta mais apertada, usar óculos escuros e ficar com uma cara de poucos amigos ficaria um guarda-costas perfeito. — Taehyung o apertou nos bíceps, sorrindo de orelha a orelha. — Fora que você já me salvou de apanhar, então não seria lá tão absurdo ter você como meu guarda-costas.

Jeongguk fez uma careta, e Taehyung logo desmanchou o sorriso e levantou da cama.

— Eu não vou te obrigar a nada, mas é uma boa ideia sabe...

— Você pretende mentir sobre nós? —Jeongguk soltou a pergunta que se formou em sua mente sem nem pensar, logo se arrependendo. — Uh, dizendo que sou só seu guarda-costas?— Ele levantou, indo para perto do outro.

Taehyung pendeu a cabeça pra o lado, encarando Jeongguk com aqueles olhos de cachorrinho.

— Claro que não, eu também estava brincando. — O loiro o abraçou, colocando a cabeça em seu ombro. — Se você quiser que eu minta sobre nós, tudo bem. — Ele apertou o moreno no abraço, e Jeongguk fechou os olhos. — Mas se não, eu não pretendo fazer isso.

— Eu não sei bem o que fazer, Tae. — Jeongguk se afastou do abraço só para olhar Taehyung nos olhos. Ele estava com uma expressão suave no rosto.

— Podemos pensar nisso depois. — Ele deu uns passos para trás e pegou a bolsa tira colo que estava em cima de uma cadeira. — Mas você tem que decidir se vem comigo ou não.

Jeongguk ponderou por alguns segundos, pensando nos prós e contras. Além de querer acompanhar Taehyung só para ver no que iria dar, também tinha curiosidade para ver como era um estúdio profissional de fotografia. Poderia fazer inveja para Yoongi depois. Parte dele queria se manter longe de qualquer situação complicada, mas outra parte queria cair de cabeça nesse jogo e se livrar da dúvida, de todos os “e ses” que pairavam por sua cabeça.

Por fim, decidiu arriscar um pouco mais. Já tinha até paparazzis o perseguindo nas ruas, o que mais poderia vir pela frente.

— Eu vou com você.

Taehyung pareceu surpreso, depois preocupado e enfim, sorriu. Os dois foram tomar café da manhã no hotel e depois saíram de uber black para o estúdio do tal fotógrafo. Taehyung explicou no caminho que o homem era um pouco escandaloso e excêntrico. Jeongguk estava quase se arrependendo de ter vindo quando eles pararam na frente de uma construção moderna, majoritariamente preta e branca, bom, pelo menos por fora.

— Como é o nome desse cara mesmo?

— Eu sugiro que você fique de boca fechada perto dele, mas ele gosta de ser chamado de Vinny. — Taehyung disse enquanto saía do carro. Os óculos escuros não podiam esconder o sorriso que ia até seus olhos. Jeongguk ficou imaginando como era essa amizade dele entre o fotógrafo americano.

Depois de dar o nome na portaria, os dois entraram em um elevador espaçoso e com um espelho de cima abaixo. Jeongguk tentou parecer o mais ajeitado possível, parecendo sério e casual todo de preto e com os infames boné e óculos escuros. Acabou gostando da ideia de sair como um guarda-costas, assim podia ficar calado e evitar perguntas, pensava ele. Pelo menos por enquanto.

O elevador parou em um andar cheio de equipamentos de fotografia, vários tripés, holofotes de diferentes tipos, cenários, fundos infinitos e móveis diferentes. Jeongguk nunca tinha visto tantos sofás numa só sala. Fora isso, ela parecia estar deserta. Passou os olhos por tudo, maravilhado. Tirou o celular do bolso e tirou algumas fotos enquanto Taehyung procurava o tal do fotografo por aí. Mandou as fotos direto para Yoongi com a simples legenda “estúdio”. Por conta do fuso horário, não fazia ideia de quando ele responderia, mas estava ansioso pela resposta.

— Vinny! — Taehyung gritou de repente, fazendo Jeongguk quase derrubar o celular no chão. Com um malabarismo, conseguiu salvar o aparelho novo. — Quanto tempo!

— Taehyung, é um deleite ver sua beleza novamente em meu estúdio! — Um homem de terno florido saiu de trás de um dos cenários. Ele parecia realmente bem excêntrico. Se isso não ficasse claro por seu modelito, seu cabelo metade preto metade branco estilo Cruella de Vil denunciava isso.

 — Minha beleza está sempre ao seu dispor. — Taehyung estendeu a mão e o fotógrafo a pegou, deixando um beijo sobre um de seus anéis, como se Taehyung fosse um príncipe. — Sozinho hoje?

— Esse vai ser um ensaio particular, não quero nenhum dos meus funcionários e aprendizes me atrapalhando. — O homem fez uma careta enquanto gesticulava. — Sabe como é, eu preciso de espaço para minha criatividade.

— Sei bem como é isso.

Depois de alguns minutos achando que nem seria percebido, Jeongguk notou o olhar do fotógrafo cair sobre si.

— Já você, está acompanhado de alguém que não é aquela mulher alta. — Ele apontou para Jeongguk. — Ainda bem, porque ela é uma das únicas pessoas que me deixa intimidado.

— A Sem tem esse efeito sobre as pessoas. — Taehyung riu, não aprofundando o assunto sobre Jeongguk. Vinny também não pareceu interessado em fazer perguntas, animado para puxar Taehyung para ver as roupas que usaria no ensaio.

O loiro fez um sinal para Jeongguk e desapareceu atrás de um biombo colorido. Jeongguk deu mais umas voltas pelo estúdio, tirando fotos das coisas. Depois de alguns minutos, se sentiu confiante o bastante para tirar o boné e os óculos. Aqueles cenários eram legais demais para não tirar algumas selfies. Suas roupas pretas compensavam o colorido dos fundos e móveis, então esperava que saísse algo legal. Só se tocou que não estava mais sozinho quando viu um flash. Arregalou os olhos e viu Vinny segurando uma canon de última geração em sua direção.

— Desculpe-me, mas se eu soubesse que você tinha esse rosto, teria feito isso antes. — O homem não parecia estar realmente arrependido. Na verdade, portava um sorriso satisfeito no rosto. — Eu geralmente não fotografo qualquer um, mas você ficou tão bem aí que meu lado artístico falou mais alto.

— O que acha? — Taehyung apareceu ao lado de Vinny, usando um conjunto rasgado em tons de roxo, algo que lembrava muito os designs de Namjoon. — Hm?

Jeongguk estava pronto para agradecer e dizer não, mas seu sorriso tímido denunciou sua curiosidade. Não havia ninguém ali, não poderia recusar tal oferta.

— Algumas roupas ficaram grandes demais em mim de qualquer forma. — Taehyung piscou, puxando Jeongguk para trás do biombo.

Naquele ano, Jeongguk tinha feito mais coisas impossíveis do que poderia imaginar. Bom, impossíveis pelo menos para ele. Se alguém dissesse que estaria ao lado de um modelo sendo fotografado por um grande nome da fotografia fashion, ficaria um dia todo dando risada. Porém, lá estava ele sentado num sofá preto de couro, tentando seguir as instruções de Vinny sobre que pose fazer. Provavelmente estava vermelho, apesar da maquiagem simples que Taehyung fez nele. Não sabia se todos os fotógrafos eram assim, mas Vinny ficava elogiando sua expressão o tempo todo. Jeongguk ainda não lidava bem com elogios, mas era uma experiência interessante.

Foram só algumas fotos, logo ele já estava em pé um pouco mais longe de Taehyung, apenas observando seu ensaio particular. Taehyung com certeza tinha experiência. Vinny não precisava nem dizer que pose e que expressão ele tinha que fazer. De qualquer jeito e de qualquer ângulo, Taehyung parecia perfeito. Mesmo estando ali em carne e osso, Jeongguk tinha a impressão que ele ainda estava olhando a primeira foto do loiro que viu naquela revista. Não parecia real. Era fascinante. Taehyung pertencia ao flash da câmera, aos cenários e às roupas de grife. Jeongguk se sentia privilegiado de ver tudo em primeira mão.

— Deslumbrante como sempre meu amor, acho que consegui. — Vinny respirou fundo e descansou a câmera sobre uma mesinha. — Venha, vamos ver as fotos.

Os três se colocaram atrás de uma grande tela de computador, e Jeongguk se assustou ao ver sua face logo de cara.

— Você trouxe um modelo com você ou esse garoto é um diamante bruto? — Vinny colocou a mão sobre o peito e ergueu uma sobrancelha. — Estou chocado.

— Digamos que ele é bom em tudo. — Taehyung piscou, dando uma ombrada em Jeongguk.

Depois de passar algumas fotos, Vinny exclamou, maravilhado.

— Essa aqui ficou perfeita! É uma pena que não vamos postar... — Ele lamentou, olhando para Jeongguk sugestivamente. Era uma foto dos dois no sofá de couro, uma que em que Jeongguk estava sentado de costas para Taehyung, se apoiando nas costas dele. Os olhares dos dois encaravam fixamente a câmera. Jeongguk não conseguia acreditar que aquele era ele mesmo.

— Realmente, eu queria imprimir essa foto em um pôster enorme para colocar no meu quarto. — Taehyung riu, mas Jeongguk sabia que ele estava falando sério.

— E se a gente postasse essa? — Jeongguk disse sem pensar, se assustando com o gritinho que Vinny deu logo em seguida.

— Sério? — Ele pegou nas duas mãos do moreno, se levantando da cadeira em que estava sentado. — Seria maravilhoso, você ficou perfeito nesse conjunto que não ia servir direito no Taehyung.

O loiro, por outro lado, olhava horrorizado para Jeongguk, como se estivesse encarando um fantasma.

— Acho que ele está brincando, não é? — Ele parecia bem confuso, e Jeongguk engoliu em seco. Não sabia direito o que estava pensando, mas por algum motivo aquela ideia não parecia tão ruim. Pensar em manter sua relação com Taehyung em segredo por alguma razão não caia bem. Fora que, não era lá muito segredo mais.

E se?

— Eu não vejo problema, você tira foto com vários modelos aspirantes por aí. — Vinny disse, fazendo um sinal com as mãos. — Geralmente as pessoas só tem olhos para você.

Jeongguk rolou os olhos, mas sem tirar a razão do fotografo. Já tinha fuçado no instagram e era verdade, Taehyung aparecia em vários cliques com pessoas diferentes o tempo todo. Alguns mal tinham nome no mercado, já outros, eram até mais famosos que o loiro. Ele seria apenas mais um desconhecido, podia passar até por estagiário de Vinny.

— Você tem certeza? — Taehyung perguntou, sua voz saiu séria. — Isso não é brincadeira. Vinny tem milhões de seguidores.

Jeongguk sentiu um frio na espinha, mas de certa forma se sentia decidido quanto a isso. Mergulhar fundo no jogo? Well, try me.

— Pode postar. — Respondeu.

Vinny bateu palmas e o agradeceu mil vezes. Taehyung não tirou aquela expressão preocupada do rosto, mas Jeongguk tentou ignorar. Alguma coisa dentro dele dizia que estava cansada de se esconder. Claro, era meio hardcore se expor em grande escala, mas era isso ou nunca ter coragem de novo para fazer algo.

Colocaram suas roupas novamente e sentaram com Vinny para almoçar no restaurante do estúdio. Taehyung estava mais quieto, praticamente só ouvindo o fotógrafo falar enquanto folheava uma revista de moda. Jeongguk estava preocupado. Será que fez a escolha errada? Ainda dava tempo de desistir, Vinny só iria postar as fotos mais tarde, depois de editá-las e colocar sua assinatura. Brincava com o pen drive contendo as fotos de que fazia parte, pensando se aquilo foi realmente uma boa ideia. Taehyung parecia pensativo também, virando as páginas da revista sem realmente prestar atenção. Seus olhos não pareciam focar em nada específico, e sua outra mão batia os dedos freneticamente sobre o tampo de vidro da mesa redonda.

Jeongguk se encolheu em seu lugar, se sentindo estranho. Não sabia bem o que era aquele nó na garganta. Talvez fosse medo da mudança, do novo, do tentar. Não era acostumado a se arriscar. A única coisa arriscada que fez antes de conhecer Taehyung, foi se mudar para junto de seu irmão, praticamente fugindo da casa de seus pais. Fora isso, estava começando sua vida de loucuras agora, depois do modelo term entrado nela.

Assim era a vida de um universitário?

Jeongguk remoeu essas coisas até voltarem novamente para o hotel. Nem tinha percebido que já era quase hora do jantar quando saíram do estúdio, Vinny era ótimo em emendar um assunto no outro e Jeongguk saiu de lá com uma grande quantidade de cultura inútil na cabeça. O que não era ruim, era interessante.

Diferente.

Taehyung permaneceu quieto durante a viagem de volta, só abrindo a boca quando chegaram no quarto.

— Vista aquele blazer que eu comprei para você. — Taehyung disse, se aproximando do namorado e abrindo o zíper de sua jaqueta. — Vamos jantar.

Depois disso, o garoto pegou uma muda de roupas e sumiu para dentro do banheiro. O comportamento era estranho. Jeongguk de repente sentiu naquele filme "Uma linda mulher", se preparando para jantar com um ricasso que solicitou seus serviços.

Era idiota, mas Jeongguk estranhou a frieza de Taehyung.

Porém, decidiu não pensar nisso e se trocou. Procurou entre as sacolas das lojas. Depois de tirar tudo dos pacotes, montou uma combinação que parecia certa. O blazer preto ia bem com a calça social de mesma cor,  que contrastavam com a camisa azul bebê que Taehyung insistiu em levar para ele. A ultima vez que tinha se vestido formalmente foi em um casamento de um parente distante quando tinha uns doze anos. Jeongguk se estranhou, mas era até legal se ver arrumado. Sentir os sapatos sociais lustrados abraçando seus pés era mais confortável do que se lembrava.

— Olha só. — Taehyung saiu do banheiro usando uma camisa de manga comprida cheia de flores, uma calça social xadrez e uma gravata bordô. Era uma combinação escandalosa, mas parecia ornar perfeitamente em ser corpo, como se as peças tivessem sido feitas para que ele usasse. — Eu tenho muito bom gosto.

— Ou eu sou um bom modelo. — Jeongguk brincou, e Taehyung fez careta, chegando perto para deixar um beijo inocente em seus lábios.

— Provamos isso hoje, não é? — O loiro disse com certo ritmo, como se aquela frase significasse mais do que parecia na superfície.

Jeongguk deixou passar e seguiu o garoto para o elevador. Estava curioso para ver por que Taehyung decidiu jantar no restaurante do hotel. Também estava ansioso. Nunca havia jantado em um lugar chique, já estava com medo da variedade de talheres que teria de usar. Quando chegaram na entrada do restaurante, Jeongguk puxou Taehyung pelo braço.

— Será que estou apresentável mesmo para comer aqui?

— Claro, você parece um playboyzinho milionário. — Taehyung riu, e Jeongguk não sabia se aquilo era um elogio ou um insulto. — Fica tranquilo, Jeongguk.

Taehyung deu os nomes para o recepcionista e logo eles estavam sendo acompanhados para dentro do restaurante. Jeongguk ficou maravilhado com os móveis finos, os lustres dourados, a música clássica e todo o brilho daquele lugar. Fora, é claro, o aroma maravilhoso das comidas. Seguiu Taehyung e o recepcionista até uma pequena varanda que ficava em uma das extremidades do restaurante. Só tinha uma mesa e ficava consideravelmente longe das outras varandas. Não era totalmente privado, mas era confortável. Um castiçal bonito iluminava a mesa, e era possível ver o bosque do hotel varanda afora. Era tudo muito bonito.

— Esse lugar é ótimo, foi sorte estar disponível. — Jeongguk comentou, se sentando em seu lugar ainda se sentido em um conto de fadas.

— Não foi sorte, eu reservei hoje de manhã. — Taehyung sorriu, descansando a cabeça sobre uma das mãos e encarando Jeongguk com curiosidade. — Enquanto você dormia, pedi para que reservassem um lugar especial para nós.

Jeongguk sentiu o rosto queimar com a intensidade do olhar de Taehyung. Encarou seu próprio reflexo no prato brilhante a sua frente. A louça fina parecia patética com sua cara refletida, mas Jeongguk estava feliz.

— E qual a ocasião?

— Ué, esse é nosso primeiro encontro como namorados. — Taehyung estendeu a mão e segurou a de Jeongguk, que estava colocada ao lado dos vários talheres. — Tinha que ser perfeito.

— Você sempre tem uma carta na manga, não é? — O moreno sorriu, trazendo a outra mão para colocar sobre a do modelo.

— Diz isso de mim, mas me surpreendeu hoje, senhor Jeon Jeongguk. — Taehyung recolheu suas mãos e voltou a apoiar seu rosto. Jeongguk conseguia ver as chamas do candelabro nas íris escuras do modelo. — Não consegui entender até agora o que aconteceu no estúdio do Vinny.

Jeongguk encolheu os ombros. Aquela sensação esquisita de mais cedo voltando a inundar seu ser de dúvida.

— Eu só pensei... — Começou, sentindo um nó se formar em sua garganta. — Na verdade, eu, não pensei.

O olhar de Taehyung se tornou compressivo, e Jeongguk respirou fundo, sentindo a palma quente do outro novamente pousar sobre a sua.

— Eu fiquei preocupado, mas... — O loiro mordeu o lábio inferior, parecendo pensar. — Mas orgulhoso, de alguma forma. Eu não esperava isso de você.

— Acho que é convivência com você. — Brincou, ganhando um tapinha na mão e uma risada contagiante.

— Você não tem medo do perigo, Jeongguk.

— Sei lá, eu quero arriscar. — Desviou o olhar, percebendo um garçom caminhando na direção da varanda. — Uma vez na vida.

Taehyung não disse nada, mas apertou sua mão por alguns segundos antes de soltá-la e dar atenção ao garçom. Jeongguk não falou nada, confiou no modelo para pedir a comida. Não entenderia nada do menu nem se estivesse em coreano. A comida mais chique que já comeu na vida foi um aperitivo de pato no mesmo casamento em que usou a roupa formal da última vez. Aliás, nem sabia o nome daquilo.

— Eu não faço ideia de que talher usar.

Taehyung riu.

— É só olhar para mim. — Taehyung o olhou nos olhos, piscando. — Mas nem se preocupe, ninguém vai ver se você errar.

— Mesmo assim... — Jeongguk abaixou a cabeça para encarar os talheres com um bico nos lábios. Queria fazer bonito na frente de Taehyung, de seu namorado, em seu primeiro encontro oficial. Se Taehyung não tivesse feito surpresa, poderia ter se preparado melhor.

Mas alguma coisa lhe dizia que o modelo não se importava com sua falta de etiqueta.

— Jeongguk. — Taehyung disse suavemente. Sua voz grave soava doce como mel naquela noite , e o moreno não podia se sentir mais encantado pelo namorado.

Namorado.

Adorava poder chamar Taehyung assim, nem que fosse só dentro de sua cabeça por enquanto.

— Hm?

— Eu amo você.

Jeongguk agradeceu pela comida não ter chegado ainda, porque com certeza ia se engasgar com qualquer coisa que estivesse em sua boca naquele momento. Taehyung o olhava com um sorriso pequeno, porém sincero. As luzes do candelabro pareciam mil vezes mais brilhantes refletidas em seus olhos e as chamas estavam esquentando o ambiente bem mais do que Jeongguk se lembrava desde que chegou ali.

Seu coração queria sair do peito e se jogar da varanda.

— Eu não ligo se você usar a colher errada, eu só quero passar uma noite agradável com você.

Jeongguk sorriu, desviando daquele olhar intenso demais, verdadeiro demais. O olhar que atravessava todas as suas barreias mais fortificadas. Taehyung derrubava suas muralhas uma a uma, o deixando sem defesa, sem forças e sem poder de ataque nenhum. Taehyung era uma carta invencível de um jogo que ele sempre conseguia vencer, e Jeongguk já nem tentava mais ganhar. Era tudo tão diferente de como eles haviam começado. O moreno nem conseguia se lembrar de suas discussões com o modelo. Aquela vontade de pegar Taehyung em sua própria armadilha já nem passava por sua mente. Ele só queria aproveitar cada momento com seu namorado. Seu namorado. Queria aproveitar aquele sentimento tão profundo, puro e ao mesmo tempo tão carnal que o queimava por dentro. Queria viver aquela adrenalina que era acompanhar Taehyung por suas aventuras. Jeongguk queria se deixar aventurar naquele mar, antes traiçoeiro, que tanto estava evitando desde o começo do ano.

Agora ele não precisava mais.

— Eu também te amo, Tae.

O modelo abriu um sorriso, mostrando seus dentes brancos e as crescentes bonitas de seus olhos. Jeongguk sentiu seu rosto formar um sorriso tão sincero quanto, como se eles realmente compartilhassem do mesmo sentimento. E ele sabia que sim, que esse era exatamente o caso. Nunca teve tanta certeza de alguma coisa na vida.

Talvez fosse por isso que se sentia tão confiante arriscando tudo por aquele sentimento.

Arriscando tudo por Taehyung.

Jeongguk queria abaixar suas barreias uma a uma, e quem sabe, conseguir descobrir o que ele mesmo tentava esconder do mundo.

O primeiro prato chegou, e Taehyung sutilmente pegou um dos garfos e sorriu para Jeongguk. Era uma salada muito saborosa que tinha até uma flor em cima. Jeongguk estava com vergonha de perguntar se a flor também era para comer, mas riu quando viu o loiro a colocar na boca sem cerimônia. Tinha um gosto... De salada, mas era estranho. Não era ruim. Na verdade, todos os pratos que se seguiram era deliciosos e únicos do seu jeito próprio. Jeongguk se deliciava com a mistura de sabores e temperos que nunca havia provado, ouvindo Taehyung falar sobre os pratos e contando histórias de outras viagens. Taehyung não nasceu sabendo se portar em restaurantes chiques, então tinha vários casos vergonhosos para contar. Jeongguk se sentiu mais confortável com aquelas histórias, rindo enquanto bebericava da sua taça de vinho.

— Teve uma vez que tivemos um jantar de negócios com o presidente de uma marca e serviram caranguejo. Eu fiquei horrorizado com eles quase fugindo da panela, sabia que eles são cozidos vivos? — O modelo contava, gesticulando. — Aí eu tentei abrir um e ele voou por cima da mesa e foi cair no preto de uma senhorinha. — Jeongguk já estava rindo com as expressões de Taehyung. — Eu queria me esconder debaixo da mesa. A Sem me olhou de um jeito que parecia que ia me matar ali mesmo.

— Eu não consigo imaginar... — Jeongguk já estava se sentindo meio aéreo por causa do vinho, mas sabia que estava rindo simplesmente porque Taehyung era muito engraçado. — Você é sempre tão elegante...

— Nem sempre fui assim. — O modelo sorriu, brincando com a taça. — Eu sou só um garoto do interior que gosta de anime, sabe plantar batatas e tem medo do futuro.

— Ainda falta conhecer uma grande parte de Kim Taehyung, então... — Jeongguk tirou o candelabro do meio da mesa para encarar o modelo mais facilmente. — Logo quando achei que estava perto de desvendar você.

Taehyung riu, jogando a cabeça para trás. Jeongguk tinha certeza que aquela era a risada mais gostosa do mundo.

— Achou errado, garotão. — Ele se inclinou para frente e sorriu ladino para Jeongguk. — Temos muito para aprender um do outro.

— Estou ansioso.

O jantar se seguiu confortavelmente até terminar com a sobremesa. Os dois ficaram conversando na varanda por mais ou menos uma hora depois que terminaram de comer. Jeongguk estava sentindo os olhares de sugestivos de Taehyung desde o fim do jantar, mas não queria dar a ele o que ele queria. Pelo menos não ali, aos olhos de qualquer um. Foi difícil se manter longe dele dentro do elevador, mas a câmera no canto superior fazia questão de piscar para relembra-lo de que tinha alguém observando. Quando Taehyung já estava ombro a ombro com ele, Jeongguk o lançou um olhar.

— Só mais alguns andares, Tae.

— E se eu não quiser esperar? — O modelo sussurrou em seu ouvido. Sua mão desceu da cintura e parou sobre suas partes traseiras, apenas para se fazer presente ali, sem apertar nem se mover.

— Vai esperar como um bom menino.

Taehyung riu, agarrando o braço de Jeongguk, e encostando a cabeça em seu ombro.

— Seu desejo é uma ordem.

X

Quando sentiu a parte de trás do joelhos batendo na cama, Jeongguk sabia que estava totalmente entregue a Taehyung naquele momento. Ele não fazia nenhuma questão de lutar contra o desejo. O modelo engatinhou por cima dele e fez uma trilha de beijinhos da base do pescoço até chegar em seus lábios, agora totalmente sentado sobre seu colo.

— Prometo que vou ser um bom menino, Jeon Jeongguk.

Ele riu, colocando as mãos ao redor da cintura de Taehyung e fechando os olhos, esperado pelo beijo lento que veio sem demora.

Jeongguk não tinha muita certeza sobre o que o futuro o traria, mas naquele momento, só queria aproveitar todas as sensações que amar Taehyung o podia propiciar.

Viveria todas elas.

Sem medo, dali para frente.

Porque ele sabia que os dois estavam, de certa forma, caminhando juntos para o futuro incerto.

E ele queria estar ao lado do modelo, até quando fosse possível.

 

Wooseok: JEON JEONGGUK!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

VOCÊ???AJHSGDVABHJNDSKASD

VOCÊ PODE ME EXPLICAR O QUE É ISSO???????????????

EJONGUGUGK

JEONGGUK

JEONGUK,ASMNJDBHGVF

 

Yoongi-hyung: Onde você foi se meter

Lugar legal mas

Muito frufru

Ei, me rouba aquele tripé

Jeongguk é melhor você me explicar depois

Divirta-se

Te amo

 

 


Notas Finais


Saudações seres vivos! O próximo capítulo é o penúltimo e só vou postá-lo quando tiver terminado o último, porque quero poder avisar a data exata em que essa fanfic chegará ao seu fim.

Espero que seja em breve.

Obrigada por tudo e até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...