História B de Bel-Prazer - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Seventeen, TWICE
Personagens Jeon Wonwoo, Kim Mingyu, Sana
Tags B De Que, Meanie, Minwoo
Visualizações 110
Palavras 1.052
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ooooi, meus amores! Era para eu estar me matando de estudar e fazendo exercícios de matemática, mas estou fazendo o quê? Pois é, fazendo fanfic. :')
Vi esse projeto "B de Que?" e me apaixonei. Espero que a história tenha ficado legal.
Boa leitura! <3

Capítulo 1 - Capítulo Único


Bel-prazer significa vontade própria. É o indivíduo que toma atitudes de acordo com o que quer fazer, com seu livre arbítrio.

Essa expressão também é utilizada para dizer quando uma pessoa manda e desmanda em outra, faz ações sem se importar com o sentimento ou opinião do outro, faz a seu bel-prazer, muitas vezes podendo ser por prazer pessoal, ou capricho.

Desde que confessei a meu grupo de amigos e a minha família minha admiração pelo jeito carinhoso de Minatozaki Sana, vivo cheio de perguntas idiotas sobre minha orientação sexual. Isso deveria, realmente, ser motivo de discussões? Motivo de brigas e amizades desfeitas?

Respirei fundo olhando para a tela de meu notbook e um sorriso torto surgiu lentamente em seus lábios. Após dois anos tentando achar algo que possa descrever a ideia que as pessoas têm de bissexualidade, finalmente achei uma: bel-prazer. Por incrível que possa parecer, ainda acreditam que indivíduos que se denominam bissexuais são monstros sexuais que sentem desejo de ficar com qualquer pessoa, sem se importar com o gênero dela já que a única coisa que os interessa é sua vontade de se saciar.

Não poderiam estar mais errados com isso.

Eu sou Jeon Wonwoo, um garoto bissexual e assexual.

Amo as pessoas, não seus gêneros. Para mim, garotas e garotos devem ser amados da mesma forma. Personalidades são mais importantes do que características dessa pessoa. E além disso, não consigo sentir atração sexual por elas. Apenas um sentimento bem puro e intenso. Carinho é tudo para mim. Sexo é algo muito carnal e brutal para mexer em uma coisa tão linda e verdadeira quanto o amor. Ele, sinceramente, pode estragar tudo. Tornar tudo banal e acabar fazendo o relacionamento ficar automático, ou até, se cansar dele mais rápido. E isso é a última coisa que quero ao me envolver com alguém.

“Oh, Wonwoo, então você não é bissexual, você é bi-romântico. Apenas gosta das pessoas romanticamente, não sexualmente.”

Por muito tempo, utilizei desse termo para explicar às pessoas próximas e possíveis paqueras o que sentia. Porém, o único resultado que tive foi sofrer ainda mais preconceito.

Embora a intenção da comunidade LGBT seja boa — tentar descrever cada situação de cada indivíduo a fim que ele se encaixe em algum lugar —, isso não funciona. Apenas é criado mais e mais rótulos ridículos, fazendo que as pessoas busquem por soluções que não existem. Você não deveria ter que se descrever, nem colar um nome na sua testa para se identificar, nem ter que explicar para as pessoas suas sensações e desejos pelos outros sendo que nunca irá se relacionar com ela.

Precisamos, ao invés de fingir que coisas diferentes não existem, ou criar termos para encaixar a todos, realmente incluir as pessoas, aceitá-las independente do que são ou sentem. O que importa, no final disso tudo, é o amor. Orientação sexual não é sobre amor e sexo?

— Wonu…? — Uma voz doce me chamou. Senti meu corpo todo arrepiar. Meu olhar se voltou para a porta de meu quarto. Mingyu estava lá, só com a cabeça a mostra. Sorri largo e ele me acompanhou. Entrou timidamente, massageou meus ombros delicadamente. — Está escrevendo para o seu blog novamente? Sobre bissexualidade? — Riu. — Você não cansa de tentar fazer as pessoas te entenderem. 

— Algum dia, alguma pessoa vai ter que me entender, Gyu. — Declarei olhando para o notbook. Senti os lábios de Mingyu tocando em minha bochecha. Meu rosto corou bruscamente. Não importa quantas vezes ele fizesse isso, sempre iria me sentir da mesma maneira: desnorteado e totalmente apaixonado. É como se, naquele momento, esquecesse de tudo que existia no mundo e apenas me concentrasse em sentir tudo que aquele garoto me proporcionava: seu mais lindo e puro amor.

— Eu te entendo, bobinho. — Fez um carinho em meus fios recém descoloridos. Girei na cadeira a fim de encará-lo.

— Mesmo? — Perguntei tímido. — Eu nunca vou te entender. — Olhei-o. — Sou muito exigente, indeciso, inconstante. Não confio nem em mim mesmo. Sou totalmente manhoso. Todos me julgam por isso e, mesmo não desejando, preciso de muito atenção e isso te suga a cada dia mais, Gyu e-

Ele calou minhas palavras e medos com seus lábios rosados e quentes. A sensação de tê-lo conectado fazia com que meu peito explodisse dentro. Isso me entorpece, me faz sentir completo. Separamo-nos lentamente. Ele sorriu para mim, o sorriso mais lindo do mundo.

— Eu amo você, garoto. E pare com todas essas besteiras. Enquanto nós nos amarmos, sentirmos totalmente bem com esse relacionamento, vou fazer de tudo para você. Isso inclui te entender. Eu não preciso de sexo se tiver você comigo, e sei que mesmo que goste muito de garotas também, não vai me trair como todos meus amigos dizem. — Entrelaçou nossos dedos. Acariciou-os delicadamente. — Essas são só características que te fazem o que é. O que importa é o amor.

— Você andou lendo meus artigos, Kim? — Eu ri alto com os dentes amostra. Ele sorriu e me abraçou.

— Eu leio sua mente, garoto. — Bagunçou meu cabelo e isso arrancou ainda mais risadas. — E de acordo com minha leitura, você precisa de uma tarde cheia de filmes, salgadinhos e chocolate com seu namorado que estava morrendo de saudades.

 — Vou tomar cuidado com o que penso. Você está ficando muito bom nisso. — Ri envergonhado. — Só deixa eu terminei meu artigo, ok? Vai lá embaixo e arruma as coisas. Eu já vou. — Sorri.

 — Ok. Não demora. — Selou nossos lábios e saiu do quarto me deixando sozinho novamente.

 Eu sorri bobo pensando nele e nas sensações que Mingyu me provocava. Meus dedos correram pelo teclado, finalmente terminando meu artigo.

 Embora o mundo seja cheio de obstáculos, preconceitos, que ser bissexual, assexual ou qualquer outra denominação é horrível, você vai passar por isso. O que importa é que seja feliz com quem é, aceite o que é e ame quem quiser amar do seu jeito. Quem realmente importa vai te amar pelo que é, não pelo rótulo que descreve melhor a sua situação.

 Você não brinca com o sentimentos das pessoas por ser bissexual, e nem coloca seus desejos acima de tudo por causa disso, apenas ama de uma maneira diferente.

 O B de LGBT é de Bissexual, não de Bel-Prazer.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, bolinhos! E participem desse projeto lindo. É para dar mais visibilidade a bissexuais já que são pouco representados nas fanfics. Se caso se interessou, entre nesse link e participe. <3
https://spiritfanfics.com/jornais/projeto-b-de-que-10889729


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...