1. Spirit Fanfics >
  2. Baby shark! ( KiriBaku) >
  3. Hold on

História Baby shark! ( KiriBaku) - Capítulo 19


Escrita por: MOO_LINO e arrazttape

Notas do Autor


A letra da musiquinha não se refere ao capítulo. Mas passa a mesma vibe... então...
Ai gente eu não corrigi e nem pretendo.

Capítulo 19 - Hold on


Eijirou não sabe como manteve a calma naquele momento. Bem ele tinha que ser a voz da razão pelas duas partes. Mas ver seu namorado sangrando e com o olhar tão desesperado, lhe abalou muito.

Se aproximou e pegou o loiro a tempo de não o deixar ir ao chão do box, já que as pernas do mesmo estavam moles e ele já sentia suas mãos e bocas amortecerem. Desligou o chuveiro, secou e vestiu o homem como pode devido ao momento. Devia ser rápido colocou uma roupa sua no namorado sem se importar com a combinação de cores e os caralho. Se quer trocou sua roupa que consistia em uma bermuda e luvas de proteção nas mãos tatuadas.

Pegou as chaves e fez o loiro calçar os chinelos antes de saírem do apartamento. Bakugou estava em estado catatônico, tudo que passava na sua cabeça era que não podia perder seu bebê, jamais. Kirishima puxou o loiro e o pegou no colo após trancar o local. Caminhou apressado até o elevador apertando o botão da garagem tantas vezes que seu dedo chegou a ficar avermelhado.

Katsuki apenas se aninhou no ruivo e chorou. Estava tremendo, sua língua e mãos estavam dormentes e ele não conseguia sequer andar devido ao seu estado de medo.

Saíram da caixa metálica e Eijirou praticamente correu até o carro estacionado ali. Sorte que tinha pego as chaves de seu carro e não as do loiro. Colocou o homem no banco do passageiro, não esquecendo o cinto. Fechou a porta e correu para o seu lado, ligou o veículo e saiu o mais rápido que conseguia naquele momento.

Ainda bem que lembrou de pegar seu celular que é interligado com o painel do carro. Pelo menos pegou os documentos e tudo mais que precisava. Já estava ciente que isso poderia acontecer então os deixou em um lugar fácil e prático.

Ligou para Izuku. As mãos tremendos mal se mantinham firmes no volante. Céus estava tão apavorado quando o loiro ao seu lado. O cacheado atendeu no terceiro toque.

- Alô. Oi Kiri...

- O Bakugou teve um sangramento! Eu tô levando ele pro hospital. – Parou em um sinal vermelho e olhou para o namorado que ainda chorava e olhava as próprias mãos que tremiam de maneira preocupante de mais. – Será que você pode ir lá no apartamento recolher aquele demônio e fechar tudo?

Izuku levou alguns segundos para absorver o que lhe foi dito. Mas tudo que respondeu foi:

- Vou sim não se preocupa. Me mantém informado tá bem. Se precisar de mim não pense duas vezes em me chamar.

O ruivo agradeceu ao melhor amigo incrível que seu namorado tinha e desligou a chamada.

Chegou mais rápido que o previsto no hospital, desembarcando diretamente na área de maternidade. Pegou o loiro no colo e saiu correndo para dentro do local.

- Por favor ele teve um sangramento. É o começo da gestação! – Disse desesperado para as enfermeiras do local. Rapidamente uma da mulheres apareceu com uma cadeira de rodas e levou o loiro corredor a dentro. Tentou passar mas foi impedido por uma recepcionista que disse que ele devia fazer o cadastro de entrada do loiro.

Estava tão desesperado, tremendo na recepção de um hospital, sendo observado por dezenas de homens e mulheres grávidas. E nem se deu conta de que estava sem camisa e com os olhos vermelhos de segurar o choro.

Não sabe como conseguiu assinar os papéis de entrada devido a maneira que estava tremendo. Não notou os olhares preocupados dos gestantes que estavam ali. Sentiu um toque em seu ombro e se virou rapidamente notando que era uma grávida.

- Oi moço. Senta um pouco aqui. – Mostrou o lugar vago ao lado de um homem com uma barriga enorme. – Tenta respirar um pouco vai te ajudar.

Se sentou e seguia a dica da mulher tentando normalizar sua respiração da forma que podia no momento. – Bebe. Vai te ajudar. – Um grávido que parecia estar no início da geração lhe entregou um copo com água. O ruivo teve que segurar com as duas mãos para não derramar o líquido.

- Vai ficar todo bem. Isso é bem normal de acontecer. Eu mesmo tive um sangramento no início da gestação. – O homem ao seu lado disse na tentativa de retirar qualquer pensamento negativo que estivesse rondando a cabeça do ruivo naquele momento.

- Ainda mais em gestações masculinas. – Disse a mulher que lhe ajudou a se sentar.

- Eu também tive um sangramento no primeiro mês. Meu marido fez a mesma coisa que você. – O jovem que lhe deu água também compartilhou sua história. – Você vai ver não vai ser nada.

Ficou um tempo conversando com os gestantes que lhe ajudaram. As coisas que lhes contaram ajudaram a acalmar e quando viu já estava conversando com eles. Contou que era o primeiro filho e que haviam feito inseminação para obter o bebê. Respondeu algumas mensagens de Izuku que perguntava em qual hospital estavam.

Após mais alguns minuto estava sozinho na sala de espera. Os gestantes iam embora após serem consultados deixando o ruivo ali, junto de seus pensamentos. Estava tão absorto nos mesmos que nem notou o cacheado correndo em sua direção e lhe abraçando e perguntando se estava tudo bem.

- Eu fiquei tão assustado quando você me ligou. Deixei a Eri com a minha mãe e vim pra cá o mais rápido. Já conversou com alguém? – O esverdeado abraçava o amigo com força passando confiança para o mesmo.

- Eles não me falaram nada ainda. – Se limitou a apenas receber os carinhos, estava tão confortável se sentia nos braços de sua mãe.

- Eles logo vem aqui. Eu falei pro Shoto vir aqui também após o turno dele.

Eijirou ficou confortável no abraço e nos carinhos no cabelo. Mal escutou quando uma moça lhe chamou o nome, apenas sentiu Izuku lhe chacoalhando e após isso seguiu a mulher que lhe disse que agora veria seu namorado.

Seguia a enfermeira e adentrou um quarto onde seu companheiro estava deitado e adormecido. A mulher se retirou e disse que o médico logo viria para velo. Se aproximou do homem que dormindo parecia um anjo, mas sempre era assim.

O homem adentrou a sala chamando a atenção do ruivo que lhe olhou rápido e notou que aquele era o médico.

- Boa noite. Me desculpa a demora em lhe chamar, mas eu gostaria de ter a confirmação que ele estava fora do risco de abortar.

- Ele não sofreu um aborto? – Estava tão feliz em saber que seu filho ainda estava ali. Crescendo e ficando mais forte.

- Na verdade ele sofreu sim. Um dos fetos não resistiu, mas isso acaba sendo normal do caso de inseminação. O outro está saudável assim como ele. Mas eu creio que a gestação possa ser de risco. – O médico disse tudo enquanto checava os sinais vitais e anotava coisas em sua prancheta

- Tinha outro?

- Nesses casos dois embriões são colocados no útero, então se isso não tivesse ocorrido vocês teriam gêmeos. – O médico arrancou um folha do bloco preso a placa de madeira entregando ao ruivo. – Vou passar algumas vitaminas e encaminhar para um consulta com uma nutricionista, acho que seria o melhor para ele no momento ter uma dieta específica. Só vamos esperar ele acordar e logo vocês serão liberados.

Eijirou pegou o papel e prestou atenção em tudo o que o médico havia lhe dito. Iria dar o seu melhor para cuidar de seu futuro marido e também de seu filho. – Sinto muito por não serem os dois que viram. – Recebeu o consolo do médico antes dele sair. Ficou olhando para o loiro que nem de longe dava indícios de acordar.

Izuku entrou no quarto dizendo que era pra Eijirou ir para casa para tomar um banho, que ele ficaria com o amigo e logo Shoto iria trazer alguma coisa para ele comer então que ele fosse e demorasse o quanto precisasse já que Bakugou e o bebê já estavam fora de risco.

Era começo da madrugada quando Bakugou acordou e teve alta. Deku ficou um bom tempo junto do amigo, mas as 22:00 teve que ir embora já que ainda teria que trabalhar no dia seguinte logo cedo e tinha que cuidar de sua filha. O loiro ficou aliviado por saber que não tinha perdido seu bebê, porém ficou um pouco chateado por saber que houve a possibilidade de terem tido gêmeos.

- Você tem que descansar amor. Amanhã eu vou marcar sua consulta com a nutricionista e comprar seu remédios.

- Você também tem que dormir um pouco. – Já estavam no apartamento, Bakugou já tinha tomado banho e estava no sofá, enquanto o ruivo prepara uma xícara de chá para os dois. – E que porra é essa de você ter me levando pro hospital sem camisa?

- Tá com ciúmes? – Caminhou até a sala e se sentou ao lado do loiro com as xícaras em mão. – Eu tava desesperado a última coisa que passou pela minha cabeça foi colocar uma camiseta.

- É claro que eu tô com ciúmes! Imagina você numa sala cheia de grávidos que estão com a libido a mil! A maioria queria sentar em você! – O loiro bebeu seu chá sem olhar para o namorado e não pode ver o sorriso de canto que estava nos lábios bonitos. – Sorte deles que que não tava lá. Por aí o pau ia quebrar.

Deixou a xícara na mesa de centro e esperou Katsuki soltar a dele também para lhe abraçar e encher de beijos, carinhosos e apaixonados. Estava morrendo de vontade de contar sobre a casa que estava para comprar mas não podia ainda. Iria deixar as emoções pra quando o companheiro estivesse mais estável.

- Eu te amo tanto! – Disse olhando o loiro nos olhos e lhe beijando a testa em seguida, se afastou um pouco e abaixo o rosto na altura da barriga sem volume. – Eu te amo também Kota.

- Kota? – Perguntou confuso enquanto fazia carrinho nos cabelos ruivos. – Acha que é um menino?

- Acho sim.

Eijirou levantou o olhar para o loiro e se perdeu na imensidão escarlate, que quase sempre transmitia raiva, mas que naquele momento transmitia amor.

- Eu te amo pra caralho...


Notas Finais


Eles não perderam o bebê!!! Risos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...