1. Spirit Fanfics >
  2. Baby shark! ( KiriBaku) >
  3. More than that

História Baby shark! ( KiriBaku) - Capítulo 5


Escrita por: e MIYANNEEEEE


Notas do Autor


Irraaa olha eu aqui de novo! Gente não saiam de casa, leiam fanfic. Essa porra tá ficando seria amigos!
Tive uma puta preguiça de corrigir então tem erros amigos!

Capítulo 5 - More than that


- É sério que você tá nervoso? – Izuku estava deitado na cama do loiro. Este que estava se olhando no espelho a quase 30 minutos, sempre perguntando se estava bom ou se faltava alguma coisa. O esverdeado brincava com os pezinhos da filha enquanto olhava de canto para o amigo que agora conferia pela enésima vez a bunda no espelho. – Você. Bakugou Katsuki. Está nervoso com o seu “encontro”? – O cacheado tinha no rosto o seu melhor sorriso de deboche. O mesmo que recebeu de Katsuki quando estava nervoso quando teve seu primeiro encontro com Shoto.

- Vai rindo mesmo seu babaca. Até parece que não tava assim quando foi dar pro Shoto pela primeira vez. – O loiro decidiu que a camisa que estava usando não combinava com a calça preta que vestia. – Acha que eu devo colocar aquela camisa rosa de cetim que você me deu?

- Eu creio que vai ficar mais bonito. Sinceramente eu acho que roxo não combina com você. – O loiro olhou o amigo que agora estava fazendo careta para a filha, que soltou uma gargalhada contagiante.

O loiro caminhou até o armário e pegou a camisa em um rosa pálido que estava bem visível. Retirou a camisa roxa que usava a colocando no cabide e a devolvendo ao guarda-roupa. Rapidamente colocou a camisa, ajustando a peça da forma que gostaria que ela ficasse em seu corpo.

Izuku estava tirando fotos com a filha para enviar ao marido que estava preocupado com a demora do esverdeado para voltar para a casa. – Que horas ele falou que vinha mesmo?

- As oito. Por que? – O loiro que estava indo até o banheiro respondeu. Tentando de alguma forma arrumar seu cabelo.

- Porque já são quase oito.

O loiro arregalou os olhos e correu para fora do banheiro pegando seu celular que estava na cômoda que ficava em frente a cama. O relógio do aparelho marcava 19:45.

- Puta que me pariu eu tô atrasado! – Voltou correndo para o banheiro e escovou os dentes. Também tentou fazer uma maquiagem bem leve, apenas corretivo em pontos chaves, um pouco de pó, um leve sombreado nos olhos, blush e iluminador. E por último um pouco de gloss rosado.

Saiu do banheiro procurando sua correntinha de “melhor amigo”, uma que ganhou de Izuku quando tinha 12 anos. Colocou a correntinha, pegou o celular e deu uma última checada nos cabelos antes de virar para o amigo que já estava de pé e com Eri no colo.

- Como eu tô? Tô bonito? – Era clara a ansiedade na voz do loiro.

- Tá muito gato. Se ele não te pegar de jeito hoje, é porquê é muito burro.

Os dois riram por alguns segundos até que Katsuki sentiu seu celular vibrando no bolso de sua calça. Pegou e viu uma mensagem de Eijirou. Já estavam se falando a mais de duas semanas quando o ruivo tomou coragem de o chamar para sair. Não foi surpresa quando o loiro rapidamente aceitou o convite.

Kirishima 

Já tô aqui 

- Minha nossa ele já chegou. – O loiro digitou um rápido “já desço”. Os dois se encaminharam até a porta da casa do loiro, colocaram os sapatos e o loiro abriu a porta deixando o amigo sair primeiro com a filha enquanto fechava a porta o outro chamava o elevador.

Ambos embarcaram no elevador e apenas esperaram até chegar no térreo.

As portas se abriram e juntos caminharam até a saída, se despedindo do porteiro que sempre estava vendo sua TV no canal de notícias.

Bakugou viu o “ruivo” parado em frente à um caro de preto, um Jeep. O “ ruivo” estava simplesmente lindo na opinião do loiro.

Eijirou vestia uma camisa preta com flores amarelas estampadas por toda a peça, combinada a uma calça branca e um par de sapatos extremamente lustrosos. Uma visão de tirar o fôlego para qualquer um.

- Se cuida anjo. – Izuku deu um breve abraço no amigo antes de se encaminhar ao seu carro para ir embora.

- Eu vou sim. Boa noite e se cuida também.

Os dois seguiram para direções diferentes. Enquanto Bakugou caminhava em frente, indo diretamente até o “ruivo" , Izuku estava em seu carro para ir embora.

- Puta merda que sorriso lindo... – O loiro sussurrou para si mesmo enquanto se aproximava cada vez mais de Eijirou. Os cabelos vermelhos estavam presos em um coque mal feito, um pouco melhor que da vez no restaurante. Estava lindo na visão de Bakugou, que acabou notando conforme se aproximava um pouco de maquiagem no “ruivo”.

- Oi... – Eram raras as vezes em que o loiro ficava tímido, nunca em nenhum encontro se sentiu dessa forma. Se bem que, com Eijirou as coisas foram diferentes desde o começo.

- Oi. Você tá muito bonito. – Bakugou não sabia explicar o que o sorriso de Eijirou tinha que o encantava tanto. – Vem, eu quero ser um cavaleiro hoje. Eijirou abriu a porta do carro, e em resposta recebeu um revirar de olhos de Bakugou e um sorriso.

- Obrigado cavalheiro. – O “ruivo” fechou a porta e deu a volta no carro. Eijirou entrou no veículo e em seguida prendeu o cinto de segurança assim como loiro já havia feito. Colocou a chave e deu partida logo saindo em direção ao centro da cidade. – Então para onde vamos?

- Sinceramente, eu não faço a mínima ideia. – Katsuki virou olhando Eijirou que sorria enquanto mantinha os olhos na estrada. O carro parou no sinal vermelho e assim o de cabelos vermelhos pode olhar para o loiro que tinha uma expressão de pura indignação. – O que foi? Eu nunca tive um encontro antes, não sei o que fazer.

O sinal abriu e assim Eijirou voltou a se concentrar na estrada. Bakugou apenas negou com a cabeça enquanto sorria de maneira divertida.

- Então quais eram os seus planos já que nunca teve um encontro?

- Eu estava esperando você me dizer onde quer ir. – Eijirou parou em outro sinal vermelho.

- Não sou um bom exemplo, meus encontros sempre foram horríveis e sempre iguais. Restaurantes e depois decidir transar ou não. – O loiro disse calmamente e viu o sinal abrir. – O mesmo clichê de sempre. Eu sinceramente odeio clichês.

- Nossa, parece aquelas coisas que só se vê em filmes ou em livros clichês. – O “ruivo” olhou rapidamente o loiro, notando que o mesmo passava as mãos rapidamente no tecido da calça. – Tive uma ideia. Já que você odeia clichês, eu posso fazer algo diferente.

- Diferente tipo o quê? Me levar em uma balada?

- Me sinto levemente ofendido. Eu não sou esse tipo de cara. – Os dois riram por um tempo não muito grande. – Tem uma exposição de arte feminista hoje, eu tava muito afim de ir. Então acho que é um bom lugar para te levar.

- Gosta de arte feminista? – O loiro olhou surpreso para Eijirou que agora dirigia em direção ao local onde seria a exposição.

- Eu gosto de arte. Gosto de conhecer as diferentes manifestações. Mas aqui... cá entre nós, eu sou péssimo com tudo que não seja arte, cozinha e esportes.

- Eu estou impressionado, geralmente saio com caras burros que não conhecem Simone. – Eijirou gargalhou realmente achando graça na maneira como o loiro falou com desprezo.

- Eu gosto de Simone, e de muitos outros. – Kirishima estacionou o carro em frente a um galpão que estava iluminado com luzes coloridas e podia se ver pessoas entrando no local. – Bom chegamos. Se você quiser depois da exposição a gente pode ir em algum bar beber alguma coisa.

- Pode ser. – O loiro não esperou Eijirou dar uma de cavalheiro novamente e abriu a porta do veículo saindo sem auxílio.

O “ruivo” saiu também acionando o alarme. Caminhou até onde Bakugou estava e estendeu a mão para o loiro que olhou confuso.

- Vamos? – Bakugou negou antes de aceitar a mão de Eijirou, este que não demorou em caminhar com o ruivo em direção à entrada.

O segurança do local os parou assim como estava fazendo com todos que entravam.

- Nomes? – A voz grave e um pouco rouca se vez audível ao dois. Os olhos do homem alto olhava uma prancheta em suas mãos.

- Kirishima Eijirou e acompanhante. – O ruivo falou com total calma e clareza.

O home olhou na lista e escreveu algo na prancheta, em seguida saindo da frente do casal dando passagem aos dois. – Tenham uma boa noite e apreciem a exposição.

- Não sabia que estava saindo com alguém influente à esse ponto. – O loiro disse baixinho se aproximando do outro para que pudesse ouvir.

- Não sou tão influente assim. Mas é que meu amigo é o artista por trás da exposição, então eu recebi um convite com direito a acompanhante.

- Uma exposição feminista feita por um homem? É a primeira vez que vejo uma.

- Ele é trans. Então sabe como é já que já esteve na pele e passou pelo que as mulheres passam.

- Que maravilhoso.

Os dois caminharam juntos por toda e exposição que continha quadros, esculturas, fotos e modelos que desfilavam pelo local completamente nuas e com o ventre pintado de vermelho. Admirando as obras e comentado cada uma delas. Os olhos do loiro brilhavam a cada obra que via e a cada resposta bem dada que Eijirou lhe dava. O homem de cabelos vermelhos era de fato impressionante e muito inteligente, isso era o que mais estava cativando Katsuki.

A cada minuto passava um garçom servindo diversos drinks. Bakugou estava na terceira taça de vinho enquanto Eijirou bebia apenas um suco de laranja, não podia se dar ao luxo de beber já que estava dirigindo, de vez em quando bebericava um pouco de vinho quando o loiro lhe oferecia a taça.

- Então, está gostando? – Kirishima perguntou próximo ao ouvido do loiro, não queria atrapalhar as outras pessoas que apreciavam a exposição. Seu braço estava ao redor da cintura de Bakugou, tinham se aproximado mais conforme a conversa fluía e o loiro bebia.

- Muito. Essas obras são incríveis! – Era visível a animação do loiro tanto na voz quanto na expressão, o sorriso não saiu de seu rosto desde que chegaram no local.

- Que bom. Acho que agora posso te levar para conhecer o Sero. Só não te levei antes porquê todos deviam estar ao redor dele. – Puxou gentilmente Katsuki em direção ao bar do local onde havia visto Sero. Enquanto caminhavam até o moreno, uma mulher alta com traços ocidentais e um corpo considerado fora do padrão passou por eles sorrindo ao casal. O corpo nu exposto sem nenhuma vergonha fez o sorriso de Bakugou aumentar e ele vibrar inconscientemente, Eijirou sentiu isso enquanto caminhavam juntos.

Enfim chegaram até o moreno que estava bebendo uma taça de champanhe.

- Meus parabéns Sero, isso tá realmente incrível. Esse é o Bakugou Katsuki. – O loiro foi puxado para mais perto do corpo de Kirishima. – Bakugou, esse é Hanta Sero, o artista por trás de tudo isso.

- Prazer em te conhecer. – O moreno estendeu a mão até o loiro, este que de maneira alguma recusou o cumprimento. – Você é bonito Bakugou.

Katsuki ficou levemente vermelho, seu rosto já estava um pouco vermelho por conta do vinho que bebia. Elogios sempre foram seu ponto fraco.

- O prazer é meu e muito obrigado. Eu preciso dizer que a sua exposição é incrível! É tudo tão perfeito e harmonioso. E nossa... – Bakugou suspirou e levou a mão até o peito. – É de tirar o fôlego. Eu amei as mulheres nuas andando.

- Eu fico muito feliz que tenha gostado. – O sorriso de Sero é tão peculiar quanto o de Eijirou, e tão bonito e encantador quanto. – Se gostou das modelos tem que assistir agora. – O moreno apontou para o centro do galpão onde várias modelos se reuniam. As luzes ficaram baixas e uma música tocada apenas em um violoncelo soava de fundo.

Os movimentos feitos em perfeita sincronia pelas mulheres reunidas, maravilhavam a todos. Os corpos se movendo conforme a música fluía. As expressões faciais que faziam completavam o espetáculo. Katsuki achou que não tinha como ficar melhor sua noite, esse era de fato o melhor encontro de sua vida e ele estava apenas na metade.

- É tão lindo... – Sussurrou para o “ruivo" ainda com os olhos vidrados nas mulheres dançando.

- Sim, muito lindo. – Eijirou tomou coragem e selou seus lábios na bochecha rosado de Katsuki o abraçando firme enquanto ambos apreciavam os movimentos tão expressivos que as mulheres tinham.





•••☆•••  





Já era passado das onze horas quando a exposição acabou de fato. Os dois homens se encontravam no carro de Eijirou. Estavam em silêncio apenas ouvindo as músicas da playlist do “ruivo", indo em direção à um bar mas sem a mínima intenção de beber. Bom, Eijirou não tinha essa intenção, já Katsuki não tinha prometido nada.

- Por que eu não tô surpreso que na sua playlist tem Trey Songz? – Bakugou perguntou quando Walls começou a tocar

- Talvez por quê todo mundo goste de alguma música dele? – Eijirou respondeu com um sorriso no rosto, olhou rapidamente para Bakugou que estava agora com o seu celular em mãos escolhendo a próxima música.

- Meu deus você só tem músicas pra transar aqui. – O loiro estava a procura de alguma música não tivesse uma letra completamente sexual. – Você escuta isso sempre, ou só quando vai transar?

O tom de deboche era perceptível na fala de Bakugou. Eijirou apenas balançou a cabeça em negação enquanto ainda sorria. O carro foi estacionado em frente à um pequeno bar estilo rústico.

- Qual o seu problema com as minhas músicas? – O “ruivo” tirou o cinto de segurança e virou o corpo em direção ao loiro, que agora tinha uma carreta vendo as músicas que estavam no final.

- Não tenho nenhum eu gosto das suas músicas, só achei diferente o fato delas estarem na sua playlist normal e não playlist de músicas para transar. – O loiro desprendeu o cinto e virou para o “ruivo”. Agora estavam um de frente para o outro, com um fundo musical composto por Lauren Jauregui. O refrão de “more than that” era o único som ouvido.

Eijirou se aproximou lentamente do loiro, não recebendo nenhuma resistência da parte de Katsuki. A mão tatuada com um escorpião foi em direção à cintura do loiro, os rostos a cada segundo mais próximos. A mão de Bakugou que não estava com o celular do “ruivo” em mãos foi em direção ao ombro do homem.

Kirishima eliminou a distância entre as bocas iniciando um beijo. Um beijo que não era lento e também não era afobado. Um beijo de certa forma gentil. As bocas se movendo em total sincronia, as mãos respeitando os limites impostos inconscientemente. Um beijo simples sem deixar de ser bom, sem deixar se ser apreciado.

Bakugou finalizou o beijo com alguns selinhos. A música que tocava de fundo já não importava mais. Os dois estavam apenas apreciando o que acontecia, a pouca luz que vinha de fora somadas a luz do painel do veículo eram mais que suficientes para que pudessem admirar um ao outro.

- Quer entrar no bar? – A voz sussurrada de Eijirou se fez presente, mas sem quebrar o clima calmo se sensual que se fez presente.

- Se eles servirem algum tipo de bolo... – A resposta foi dada em um tom tão sussurrado quando a pergunta.

- Eles têm um bolo de caramelo salgado...

- Parece bom...

Kirishima não respondeu, apenas avançou e deu início a mais um beijo. Era fato que aquele não seria o único beijo que iriam trocar na noite. A mão que estava na cintura do loiro apertou levemente o local e o puxou para mais perto. O celular de Eijirou ainda estava na mão de Bakugou, mas o loiro não se importou e levou a mão ocupada ao pescoço do homem que estava beijando.

O beijo se findou quando o ar fez falta. Os narizes encostados enquanto os dois tentavam normalizar as respirações descontroladas.

- Vamos?

Katsuki apenas concordou com a cabeça, antes que começassem a se afastar deu um breve selinho nos lábios avermelhados de Kirishima. Devolveu o celular ao dono, que desligou a música e então saíram do veículo. O alarme foi acionado e da mesma maneira que aconteceu quando estavam na exposição, Eijirou estendeu a mão para o loiro, que aceitou de bom grado.

- Vai querer beber alguma coisa? Eles têm um ótimo vinho branco. – O “ruivo” comentou enquanto empurrava a porta do estabelecimento. O lugar era aconchegante, com luzes amareladas que davam um ar de conforto para o local. Também não estava muito cheio, apenas alguns amigos bebendo e conversando e um homem de cabelos arrepiados e olheiras profundas que escrevia alguma coisa em seu computador.

Andaram em direção à uma pequena mesa mais ao canto do local, quase no fundo. Se sentaram lado a lado, não tinham mais a intenção de se manterem afastados, muito menos de negaram a atmosfera de tesão que estava os rodeando.

- Eu acho que vou querer mais uma taça talvez. – Bakugou respondeu ao mesmo tempo que se aproximava mais do corpo do ruivo. Eijirou praticamente abraçou o loiro pela cintura, o deixando praticante colado ao seu corpo. – E o bolo que você comentou que eles têm.

Eijirou fez os pedidos. Pediu o vinho e o bolo para o loiro e para si pediu apenas um ice americano. Quem os visse de fora, diria com toda certeza que eram um casal apaixonado no auge de seu relacionamento. Sequer pensariam que aquele era apenas o primeiro encontro que tinha. A espontaneidade que transmitiam era incrível, a segurança em agir de suas maneiras.

Katsuki bebia lentamente seu vinho enquanto apreciava a sensação do bolo de caramelo salgado se desfazendo em sua boca. Dividindo sua fatia com o “ruivo", levando o garfo a boca de Eijirou enquanto mantinham uma conversa peculiar sobre filmes de guerra.

Bastou apenas que o bolo acabasse para que os dois passarem a se beijar. Sem se importar se chamavam a atenção ou se estavam sem vulgares por fazer aquilo em um local público. Os beijos estavam a cada momento mais quentes e eufóricos.

- Puta merda eu quero muito transar com você... – A fala entrecortada e sussurrada do loiro se fez audível para o de cabelos vermelhos. O sorriso de Eijirou foi inevitável e quando perceberam já estavam novamente aos beijos.

- Eu digo o mesmo. – Eijirou mordeu de leve o lábio inferior do loiro que estava vermelho e um pouco inchado. – A minha casa é perto daqui se comparada a sua...

Katsuki devolveu a mordida que ganhos no lábio. – Então o que a gente tá fazendo aqui ainda?


Notas Finais


Talvez tenha um lemon no próximo...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...