História Geração do Amanhã - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Barão Vermelho
Tags Anos 80's, Barão Vermelho, Brasil Anos 80's, Rock Nacional
Visualizações 12
Palavras 1.441
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Musical (Songfic)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi meus lindos amigos oitentistas!
me perdoem se esse capítulo estiver ruim, pelo amor!
enfim, eu amo vocês, tá?!

Capítulo 3 - Feliz ano novo, adeus ano velho.


Fanfic / Fanfiction Geração do Amanhã - Capítulo 3 - Feliz ano novo, adeus ano velho.

                                                           31 de Dezembro de 1982

 

O centro da cidade estava lotado e não havia sequer um lugar para estacionar uma bicicleta. Maria Helena, Vicente e Gal precisavam andar juntos para eles não se perderem um do outro. O barulho das pessoas conversando bem alto e da feirinha do outro lado estava um puro caos. Uma das lojas de roupas e miçangas chamou atenção das duas que caminhavam por ali.  

 

— Aqui deve ter umas roupas bacanas. - Maria Helena comentou enquanto olhava a vitrine da lojinha - Vamos entrar? -  as duas entraram na loja e uma atendente provavelmente chapada se aproximou -

— Bom dia. O que desejam? - os seus olhos vermelhos não negavam que ela havia dado uns tapas - É para quem?

— Estamos só dando uma olhadinha, qualquer coisa a gente te chama. - Gal respondeu enquanto olhava uns vestidos artesanais - Esse aqui é a sua cara. - entregou um vestido branco estilo sereia com um decote na frente - Toma!

— Será que vai ficar legal? Esse decote aqui...não acha que vai ficar mostrando meus peitos? - a Maria Helena começou a olhar no espelho e a Gal começou a rir - O que foi, hein?

— Amiga, o que é bonito é para se mostrar. Seu corpo é lindo...anda logo! - Gal deu um empurrãozinho de leve na Maria Helena para entrar no provador - Vou procurar mais roupas para você provar! 

— E você, não vai querer nada? - a atendente perguntou observando a Gal procurando roupas para a Maria Helena - Tem alguma preferência?

— Não, já tenho a minha roupa, obrigada. - ela sorriu e continuou procurando roupa - E ai, Maria? Prestou? 

— Acho que sim. - Helena deu uma risada e abriu a cortina do provador - Até que não caiu mal. Quanto custa, moça?

— Ficou lindo em você! - Gal comentou e acendeu um cigarro - O preço não importa, se faltar dinheiro, você sabe que eu lhe ajudo.

 

Assim que Helena comprou o vestido,  as duas saíram atrás do Vicente que estava numa loja de instrumentos. Ele se encantou em uma Fender Stratocaster azul e mais que decidido que compraria a guitarra. A loja era minúscula, porém, cheia de instrumentos e chamativa o suficiente para que qualquer músico entrasse.

 

— Compraram as roupas? - o Vicente perguntou a Maria Helena e Gal que estavam distraídas conversando sobre os instrumentos - 

— Compramos, olha aqui. - Maria Helena levantou uma sacola com seu vestido que usaria na virada - Sua irmã que escolheu.

­— Vou comprar essa guitarra aqui, estava louco por uma dessa. - ele comentou contente com a compra - Depois daqui vamos fazer um lanche, beleza?! - se aproximou da Maria Helena e deu um beijinho - 

— Ainda amigos? - Gal comentou rindo do que havia escutado ontem sobre os dois - Que tipo de amizade é essa? 

— Vê se não enche, Gal. - Vicente falou após se desgrudar de Maria Helena e pegar o instrumento que tinha comprado - Vamos embora?

 

  Após bastante tempo procurando uma lanchonete, finalmente encontraram uma barraquinha em frente ao mar. A Praia de Itaúna era um ponto turístico e atrativo para o público. Surfistas, crianças e adultos por ali circulavam...ah claro, os vendedores ambulantes também. O pôr do sol deixou a paisagem magnífica, os olhares estavam atraídos com toda essa maravilha da mãe natureza e as palmas surgiam de um grupo de surfistas.

 

— Hippies...revolução...guerra...caos e destruição. - Gal comentou e os dois olharam confusos para ela - Vocês deveriam saber que as vezes eu falo certas coisas e entro em meio que em transe mesmo sóbria.

— Esse seu nome combinou certinho com você, Gal. - Maria Helena falou enquanto terminava de saborear uma suculenta acarajé - Limpa a boca, Vicente. - deu uma risada e passou o guardanapo na boca dele - Prontinho.

— Valeu. - ele deu uma risada e levantou da cadeira para pagar os lanches - Querem mais alguma coisa?

— Estou animada para essa virada de ano, Gal. - Helena falou sorridente enquanto olhava o pôr do sol - 1983 vai ser maravilhoso. A melhor coisa que eu fiz foi ter saído de Brasília...não pelo lugar em si, por outros fatores.

— Também estou animada. Saímos de Maceió com um aperto no coração, porém, também é uma nice morar aqui no Rio. Brasília...Quais seriam os outros fatores? - Gal perguntou curiosa esperando uma resposta de Maria Helena, infelizmente, não deu tempo. Vicente chegou bem na hora e atrapalhou a conversa das meninas. - 

 

A casa ficava mais ou menos perto da Praia de Itaúna, por isso, não demoraram muito para chegar. Na estante da sala, tinha um comunicado que sr. Álvaro avisando que não estaria junto com eles, pois, ocorreu um problema e ele teve que ir resolver. Uma pena que aconteceu esse imprevisto, porém, não tinha problema. No final do recado, ele avisou que os três deveriam aproveitar bastante o momento. Gal passou a tarde terminando de ler o livro "A Moreninha", Vicente ficou escutando música no quarto e Maria Helena passou a tarde conversando em francês com um cachorrinho de rua (era costume dela falar em outras línguas com os animais, segundo a própria, eles entendem bem melhor). A hora de começar a se arrumar chegou e ambos, foram para os seus respectivos quartos. 

 

— Nossa você está belíssima...quer dizer, você é belíssima. - Vicente comentou após ver a Maria Helena toda arrumada enquanto ajudava Gal a vestir a roupa para não borrar a maquiagem - Já estão prontas? Só irei colocar meu cinto.

— Obrigada. - Helena sorriu e terminou de ajudar a Gal - Estamos terminando. Quer uma ajuda também? 

— Vicente, o Álvaro..o painho ligou? Estou preocupada e querendo saber o que aconteceu. Ah, já sabe para onde iremos? - o Vicente negou com a cabeça para a Gal - Porra. Nem a empregada está aqui. 

— Vai ficar tudo bem, amiga. - Maria Helena deu um sorriso e foi ajudar o Vicente a ajustar o cinto de sua calça - Tá bom, Vi? - ele confirmou e ela foi para a sala - Estarei esperando vocês lá fora

— Não tem nem vergonha na cara, não é?! - Gal comentou rindo - Por que não pede ela em namoro logo? Bem mais fácil. 

— Primeiro que eu não sei se ela vai querer e segundo que pode deixar comigo. Quando a gente começar a namorar, eu te aviso, beleza?! - Vicente falou rindo num tom de deboche  - Não pode nem falar nada, você e o Mauro... 

—  Eu e o Mauro estamos bem. Espero que ele esteja bem e não vou dizer que não estou com saudades do meu amigo...pois estou. - Gal deu uma risada e se aproximou perto do ouvido dele - Ela tá na sua, pode ter certeza. Vê se enxerga isso de uma vez por todas.

 

Sem tanta cerimônia, os três entraram no carro para chegar ao destino. O caminho que levava até a pracinha estava cheio de gente caminhando em direção e não tinha como passar com o carro. A única solução era deixar o carro por ali mesmo e sair andando, foi o que fez Vicente. Do lugar onde ele estacionou não era muito longe, dava para ver toda a movimentação. A virada do ano de Gal não seria igual a todo ano novo que ela lembrava. Primeiro por seu pai querer reconciliar com os filhos depois da separação e segundo que, apesar de serem legais as festas da dona Débora, Gal estava querendo ir além de se reunir com os familiares maternos. 

 

— Tá ficando cheio disso daqui. Quem vai tocar? The Rolling Stones ou The Beatles? - O Vicente pega na mão da Helena - Sério, o que vai ter aqui? Quem é atração?

— Deve ser porque é ano novo, seu idiota. - Gal falou baixinho enquanto parou pra respirar um pouco - Cansativo. Tem um cigarro ai? 

— Eu tenho, Gal, toma. - Maria Helena tirou uma carteira de cigarros e um isqueiro de sua bolsa - Sempre ando com uma carteira, porém, nem sempre fumo. 

— Obrigada. - ela acendeu o cigarro e começou a fumar - Faz certo em não manchar logo o seu pulmão. 

­— Estão escutando isso? É o Alceu Valença. Este cara é demais! - Helena falou animada e puxou o Vicente para o meio da galera - Venham! 

 

    Nada mais e nada menos que Alceu Valença cantando seus maiores sucessos. O coro da plateia em Anunciação chegava a dar arrepios. Crianças, jovens, adultos e idosos todos reunidos para comemorar a virada de ano. Frio na barriga, choro, gritos, abraços e beijos faziam parte da contagem regressiva e...5, 4, 3, 2, 1...Feliz ano novo! Feliz 1983!

 

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...