História Back To Start - Capítulo 2


Escrita por: e SheCami

Postado
Categorias La Casa de Papel
Personagens Professor, Raquel Murillo
Visualizações 139
Palavras 905
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


oiii gente, aqui está mais um capítulo! fico feliz que estejam gostando da história, espero que gostem desse capítulo <3

boa leitura!

Capítulo 2 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction Back To Start - Capítulo 2 - Capítulo 2

Raquel não conseguiu dormir direito na noite passada. Discutiu com Alberto. Mais uma vez por coisas totalmente idiotas. Por sorte, ela não havia sido agredida. Acordou cedo até demais, mesmo sendo seu dia de folga. Como já estava acordada, decidiu se arrumar e ir até o Hanói. Talvez pudesse encontrar aquele desconhecido gentil que conheceu outro dia e fazer uma nova amizade. Antes se sair, se olhou no espelho e resolveu passar um batom. Agora sim estava pronta. Assim que chegou, ele foi a primeira pessoa que ela viu, já que o lugar estava praticamente vazio. Ele estava sentado numa mesa e ela resolveu acompanhá-lo.


"Bom dia." - ele disse, ao vê-la se aproximar.

"Bom dia. É...eu queria te agradecer por ter me emprestado seu celular e me desculpar pela saída repentina. Era coisa do trabalho."

"Não se preocupe. Não precisa se desculpar ou agradecer por nada. Sente-se - sugeriu e ela aceitou - E desculpe a intromissão mas... no que você trabalha?"

"Sou inspetora da polícia. E você?"

"Professor de história."

"Que interessante! Olha, acho que vou pedir aquele bolo novamente, já que eu nem pude experimentar." - disse, dando um leve riso.

"Ah, claro! Antônio, pode trazer aquele bolo, por favor? E dois cafés." - pediu.

"Acho que nem me apresentei de verdade. Me chamo Raquel Murillo."

"Sérgio Marquina."

"Você trabalha aqui perto?" - Raquel perguntou, já cortando um pedaço do bolo que Antônio havia acabado de entregar.

"Sim. Fica perto do..."


E assim eles começaram a conversar por muito tempo. Tanto que nem sentiram a hora passar. O que Raquel nem sequer imaginava é que essa simples conversa fosse lhe trazer tantos problemas depois.
Ainda em casa, Alberto acordou e estranhou a ausência de Raquel, afinal era folga dela. O que ela estaria fazendo fora de casa tão cedo? Foi para o trabalho, e lá pediu para um amigo que não tinha muito serviço no momento para procurar por Raquel na cidade, começando pelo Hanói, que era o lugar que ela mais frequentava. Ficou possesso quando descobriu que ela estava lá, e que estava de papinho com outro homem. "Raquel não sabe se comportar como uma mulher casada. Vagabunda!" Ele pensou e cerrou os punhos tentando controlar sua raiva. No Hanói, a conversa ainda fluía naturalmente.

"E você? É casada?" - ele pergunta.

"Sim, eu sou." - ela desvia o olhar, tentando evitar o assunto. Seu semblante muda de repente.

"Você está bem?" - perguntou, preocupado. 

"Ah sim, sim! Mas me diga - disse, voltando a sorrir e mudando o assunto - As alunas não dão em cima de você?" - Raquel perguntou - "Quer dizer, é muito comum isso acontecer."

"Na verdade, dão sim." - ajeitou os óculos - "Mas eu não dou muita corda. Não acho ético."

"E você é todo politicamente correto, né?" - sorriu. Sérgio percebe que adora quando ela sorri. E gostava também do brilho nos olhos dela quando ela dava risada.

"Acho que sim, eu... - diz mas para ao de repente se lembrar de que tem que ir trabalhar. Olha para o relógio e vê que está atrasado. - Meu Deus, estou atrasado! Desculpe, eu tenho que ir. Depois a gente continua nossa conversa." - não queria ir embora, mas precisava trabalhar. Esticou a mão na mesa, com o intuito de pegar na mão dela. Mas se reprimiu, não seria algo adequado de se fazer.

"Não se preocupe com isso. E cuidado com as asseadiadoras!" - riu. Ele riu de volta, se despediu e foi embora.


Raquel ficou mais um tempinho, ainda terminando seu café. Depois voltou para casa para levar Paula na escola.

Enquanto Sérgio dirigia até o trabalho, só conseguia pensar em Raquel. Agora que a viu de perto e por mais tempo, pôde perceber melhor cada traço dela. E como um bom observador que era, não deixou passar nenhum detalhe. Seus cabelos tão deslumbrantes, o piercing no nariz, os olhos castanhos encantadores, aquele sorriso exótico que tanto lhe encantava, a forma como a todo momento coloca uma mecha de cabelo para trás da olheira. Raquel tinha uma beleza natural, e isso era fascinante. Se lembrou de que nem pegou o telefone dela, e se ele não voltasse mais a vê-la? Não! Ele queria conhecê-la melhor. De qualquer forma, ela era casada - o que significava a extinção de qualquer possibilidade deles ficarem... juntos? - e isso talvez trouxesse problemas para a relação dela.

[...] O dia foi passando, e a noite chegando. Raquel estava em seu quarto mexendo no celular quando Alberto chegou.

"Falando com seu amante?" - perguntou, irônico.

"Do que você está falando?" - ela perguntou, desviando os olhos do celular e olhando para ele.

"Não se faça de sonsa. Sua vagabunda! Eu já tô sabendo que você tava de conversinha no Hanói com outro macho."

"Alberto, ele era apenas um amigo meu. Não seja louco!"

"Você é uma mulher casada. Se comporte como tal!" - se aproximou dela e apertou seu braço esquerdo.

"Eu estou casada e não morta! Posso conversar com quem eu bem entender. Estou cansada das suas proibições, Alberto!" - e então, Alberto acertou em cheio um soco no rosto dela. 

"Você é minha mulher, entendeu? Minha! Se eu descubro que você tá me traindo... Ah, Raquel, você não sabe o que eu faço com você!"

"Eu já disse que ele era só meu amigo, merda!" - falou, passando a mão no machucado, soltando um baixo gemido de dor.

"Eu espero que isso não se repita, meu amor." - disse largando Raquel e indo para o banheiro tomar banho.


Notas Finais


bora matar o Alberto? quem topa?

desculpa por qualquer erro e até o próximo capítulo! bjs ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...