História Back To You - Jikook - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys, Bts, Hoseok, Jikook, Jimin, Jimin!bottom, Jungkook, Jungkook!top, Kookmin, Mãe Aleatória, Namjoon, Seokjin, Taehyung, Yoongi
Visualizações 97
Palavras 3.263
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu não tenho vergonha né cara, né mesmo? Descurpa.
Não vou prolongar, fiquem com essa bomba. <3

Capítulo 8 - Uma noite divertida.


Fanfic / Fanfiction Back To You - Jikook - Capítulo 8 - Uma noite divertida.

Park Jimin

Desci as escadas devagar, para não fazer tanto barulho, eram oito da noite, então acho que Jungkook e minha Omma devem ter saído para algum lugar, já que é começo de namoro... Eles devem fazer essas coisas de casais... 

Por alguma razão isso me da nojo.

Tento limpar minha mente focando nos degraus, e chego até o salão rápido. Iria sair para esperar Hoseok do lado de fora, vai que minha mãe não saiu, e se ela ver o Hoseok... Não quero nem pensar no que pode acontecer.

Olho pros dois lados e suspiro, as luzes estavam todas apagadas, menos a de um abajur perto do sofá, deixando o ambiente com uma luz boa ao menos para que eu não tropece, ainda bem, eu sou muito tonto as vezes...

Me direciono até a porta com cuidado, quase abrindo - a, mas percebo que a mesma está trancada.

Droga, o que eu faço agora?

Antes que eu pudesse pensar direito no que fazer para sair dali, um barulho me interrompe.

— O que você tá fazendo? — Jungkook me chamou, e eu coloquei a mão no peito pelo susto. Ele estava perto da escada, como desceu tão rápido até aqui e eu não lhe ouvi? Espera, o que ele tá fazendo aqui?

— Ah, e-eu ia... Ah, eu não ai fazer nada, não sei o que eu ia fazer, não sei, não era nada. — Se estivesse sozinho, com certeza teria enchido meu rosto de tapas, por que ser um tão mau mentiroso, Jimin? Ah, agora já foI né.

Jeon franziu as sobrancelhas e depois deu de ombros, pra sair da onde estava, se aproximando de mim em seus passos lentos e firmes.

— Ia fazer nada do lado de fora da casa à essa hora? — Perguntou desconfiado, se aproximando. 

— Ah.. — Não tinha o que responder, acabaria me entregando. 

— Aliás, você não ia em uma festa? — Mais uma vez perguntou, e eu fiquei remoendo o meu desgosto em ser um péssimo mentiroso.

— An... Onde está a Omma? — Mudei totalmente de assunto, assim que Jungkook chegou até mim, ficando cara a cara comigo, a proximidade nem era tanta, mas já serviu para me deixar nervoso.

Por que eu estou tão nervoso? É só Jeon Jungkook, namorado da minha Omma, droga. 

— Ela disse que ia sair. — Deu de ombros, como se aquele fato não lhe importasse. — Como até você ia sair, ela decidiu que seria melhor ela sair sozinha e... — Pensou. — Não lembro o que ela disse que ia fazer, ela estava falando demais. — Falou fazendo uma careta confusa, mas logo a desmanchou, focando seu olhar no meu.

— Bom.. Então acho que logo ela volta, não é? — Perguntei. — A-acho melhor eu ir.. — Não faço idéia de porque minha boca resolveu deixar de funcionar, talvez seja o nervosismo, desnecessário, devo ressaltar. 

— Duvido que ela chegue ainda hoje... — Murmurou baixo, mas eu ainda assim lhe ouvi. — Você vai agora? — Perguntou, e eu lhe confirmei com a cabeça, estava me sentindo nervoso, queria correr dali o mais rápido possível mesmo que eu não tenha um motivo específico para isso. 

— Vou sim. — Mesmo depois de confirmar com a cabeça, insisti em responder verbalmente por algum motivo que eu não entendo. 

Não sei, talvez pensar na possibilidade de que estamos apenas os dois nessa casa enorme meio que.. Droga, que droga de pensamento é esse? 

É normal se estar em uma casa com apenas seu.. Padrasto? É, padrasto sim.

— Bom, então, vou abrir a porta pra você. — Jungkook não esperou que eu saísse da frente da porta para puxar suas chaves e me "prensar" na mesma, enquanto estava focado em abrir a fechadura desta.

Se eu já estava nervoso antes, sentir seu corpo quase que totalmente colado ao meu, deixou meu corpo todo bambo, se alguém me empurrasse agora, eu iria ao chão com toda certeza. 

Da visão que eu estava, pude ver sua nuca de amorenado natural, uma cor super cativante, que estava quase me hipnotizando para tocá - lá, como seus cabelos, que eram tão negros quanto seus olhos, pareciam seda, deveria ser ótimo emaranhar meus dedos ali. Além do cheiro forte e másculo do seu perfume, que me fez fechar os olhos com certa força, era tão... Tão... Droga.

Assim como eu podia ver sua nuca, se ele olhasse, provavelmente veria a minha, e notaria como eu estou totalmente arrepiado, mas acredito que o Jeon não faria isso.. Além de que ele está focado em abrir a fechadura, bom, pelo menos é o que ele deveria fazer.

Não entendo porque estou pensando no que ele deveria ou não fazer, sendo que eu mesmo não deveria estar quase caindo de joelhos por seu perfume, mas estou. 

Droga, eu sou realmente um idiota.

Abro os olhos e deixo - os o mais aberto possível, para que não se entreguem de novo e se fechem, vendo que Jungkook demorava mais tempo do que o necessário para abrir aquela fechadura, já estava começando a suar de nervoso, mas antes que eu falasse qualquer coisa, ouvi o barulho da porta se abrindo, e Jeon aos poucos se afastando de mim.

— Ah... Aí está, acho que eu vou subir.. — Falou meio nervoso também, mas eu não podia ver sua expressão, já que não conseguia olhar em seus olhos depois daquilo, sinto que se eu o fizer... — Tome as chaves, você provavelmente vai chegar tarde então apenas entre. — Estendeu sua grande mão... Por que eu estou reparando até em sua mão agora? Que droga! Estendeu sua mão com as chaves e eu timidamente peguei - as, ainda sem olhar seu rosto, o meu provavelmente estava pegando fogo, não queria que ele visse o tanto que aquela aproximação me afetou.

Por que diabos me afetou tanto? Eu não faço idéia.

— E-eu.. Eu... Tô i-indo. — Claro, como ele não perceberia seu nervosismo se você gagueja à cada palavra Jimin? 

Depois conversaria comigo mesmo e tentaria ver o que diabos eu devo fazer, mas agora, vou apenas fingir que nada aconteceu.

Bom, tecnicamente nada aconteceu.. Mas droga, por que isso me afetou tanto? Apenas se... Não, não, nem pense nisso Park Jimin, você está louco? Me repreendo internamente.

— Então.. Pode de ficar com essas chaves, são de toda a casa, depois faço novas cópias para mim. — Jeon falou, e eu fiz a maior força pra lhe olhar, que erro... Seus olhos pareciam tão negros e penetrantes como no primeiro dia que eu o vi.

Quando o seu olhar focou no meu, parecia que novamente ele podia ler a minha alma, e eu estava ficando cada vez mais derretido com isso, tanto que nem percebi quando meus pés me guiaram até frente a frente com ele. 

Quase recolei meu corpo junto ao seu, podia ouvir até os seus batimentos cardíacos acelerados, enquanto com certeza ele podia ouvir os meus, que já estavam quase chegando ao espaço de tão rápidos.

Meus pés me inclinaram, e eu fiquei de ponta de pé, ficando a realmente poucos centímetros de seu rosto. Os olhos de Jungkook pareciam hipnotizados, mas logo eles alternavam em olhares de minha boca e meus olhos, e assim eu também fiz, meus olhos se desviaram pra sua boca, que naquele momento me pareceu tão convidativa. Parecia estar me chamando...

Mas antes que eu fizesse qualquer besteira, um som de buzina é ouvido, e eu pulo com tudo pra trás, quase caindo, me afastando completamente de seu corpo.

Jungkook parecia perplexo, tentava raciocinar o que houve.. Não. Oque não houve ali. Até focar sua visão em mim, que agora poderia explodir de tanta vergonha e nervoso. O que diabos eu iria fazer?

Eu não tenho nenhum respeito à minha Omma? 

Que droga, a minha Omma!

Assim que lembro dela, meus olhos se enchem de lágrimas. Não acredito que quase acabei com a vida dela, pela segunda vez. Ela não me perdoaria se eu fizesse isso, ela já foi um anjo de me acolher depois que meu pai nos deixou por minha causa!

Se ela perdesse o Jungkook, eu também nunca me perdoaria.

— E-eu vou embora. — Falei rápido, tapando minha boca e me apressando para sair daquela casa o mais rápido possível, mas Jeon segurou o meu braço, droga, por que ele me segurou?

— Espera Jimin! — Ele disse, mas eu não tive capacidade de olhar em seus olhos novamente, Deus me deu uma nova chance de não acabar com tudo dessa vez, então eu não iria desperdiçá - la.

Apesar de Jungkook ser mais forte, eu fui mais ágil, em um ato rápido, me soltando de sua mão, abrindo a porta que estava apenas escorada, e saindo quase que correndo pelo quintal bem arrumado até ver que o carro que buzinou e nos atrapalhou... Nos salvou, Hoseok estava dentro, junto com aquele garoto do outro dia de motorista, Yoongi, sim, esse é o nome dele.

O carro não tinha teto, então com a adrenalina que eu estava em meu corpo, apenas pulei as portas e me entrei dentro, ficando ao lado de Hoseok no banco de trás.

— Nossa, você tá correndo da sua mãe ou apenas deu uma de querer ser radical? — Hoseok perguntou brincalhão, e eu virei meu olhar pra porta, vendo Jungkook parado lá, me olhando com uma expressão que eu não soube identificar. Mas seus olhos negros ainda estavam ali, quase que me chamando, então parei de olhar pra si.

— Por favor, vamos sair o mais rápido possível daqui. — Quase implorei, e não foi preciso eu dizer mais para que Yoongi concordasse e ligasse o carro.

— Mas e suas roupas? — O alaranjado perguntou quando o veículo já estava se distanciando da casa, querendo que o outro voltasse, mas isso não iria acontecer mesmo.

— Você me empresta algo, mas agora temos mesmo que sair daqui. — Falei meio apressado, e Yoongi continuou nos afastando da casa. Ainda podia ver o moreno de longe, mas virei - me de costas para não vê - lo mais.

— Você vai me contar o que houve? — Hoseok perguntou baixinho, e eu neguei com a cabeça.

— Apenas obrigado. — Agradeci, e pousei minha cabeça em seu ombro enquanto pensava a merda que eu poderia ter feito, deixando o garoto sem entender nada.

Droga, mas eu nem estou me entendendo mais.



━━━━━ • ஜ • ❈ • ஜ • ━━━━━



Hoseok tinha me feito milhares de perguntas, tentando extrair o máximo do assunto acontecido possível, como se aquilo nunca tivesse acontecido. E de fato não aconteceu, droga, mas por tão pouco... 

Não ouvia quase nada que Hobi falava, e isso me rendeu uma boa dor de ouvido, por que pra cada grito que ele dava tentando chamar minha atenção, Taehyung, seu amigo, dava dois, pedindo que ele não exigisse demais de mim.

Viemos direto pra casa do Hobi, e encontramos Taehyung jogado na frente dela esperando a gente, mesmo que faltasse bastante tempo pra tal festa começar, além de que ele nos deu a desculpa de que tinha acabado de chegar, mas pra falar a verdade, pela a cara de sono e o cabelo meio descabelado, desconfio que ele já está ali há algum tempo...

Enfim, meu amigo ficou discutindo alguns minutos com Tae alguma roupa que achasse que eu deveria usar, enquanto Yoongi estava lá embaixo recebendo quem já chegava e controlando o som, mesmo que eu ache que ele apenas colocou uma música qualquer e se jogou no sofá.

No final, eu passei aquele tempinho calado, apenas olhando pro nada, deixando ser maquiado e martelando em minha cabeça a situação anterior. 

Usei qualquer coisa que eles jogaram na minha cara pra que eu usasse, já que não faria a menor diferença, eu sempre sou igual, só certas vezes pareço mais ridículo.

Mas me arrependi amargamente de ter vestido o que eles mandaram sem nem antes dar uma conferida, aquela roupa era totalmente... Droga, eu não sei nem que palavras usar pra descrever. Só sabia que ele não parecia eu no espelho.

— Eu não vou usar isso. — Disse simplesmente e já fui tentando retirar a camisa, mas Hoseok segurou levemente meu braço, me impedindo.

— Mas você tá até parecendo gente! — Praticamente gritou, e vi pelo reflexo do espelho em minha frente Taehyung torcer o nariz pelo grito fino do meu amigo.

— Odeio gente, então... — Murmurei, voltando à tentar tirar a camisa, mas essa tinha tantos botões que eu não fazia idéia de por onde começava a tirar.

— Nossa, o que te deu hoje? — O alaranjado perguntou e eu dei de ombros ainda procurando por ondes diabos abria aquilo. Hoseok tem umas roupas estranhas...

— Apenas me ajude a tirar isso. — Continuei com meu tom de voz baixo, virando - me de frente ao outro, com a maior cara frustrada que eu tenho, suspirei.

— Mas você tá lindo, nem parece que se veste como um velho! — Mais um grito sem necessidade. Minhas bochechas inconscientemente se inflaram, assim como o bico que se formou em minha boca, insatisfeito.

— Que gracinha. — Taehyung exclamou sorrindo aberto e me puxou pra ficar de frente pra ele. — Deixa que eu te ajudo. — Começou a procurar por onde abria a roupa também, igualzinho eu estava antes.

— Vai ajudar nada não. — Meu amigo falou irritado, e afastou Taehyung de mim com a mão, e assim, acabou tocando no ombro do rapaz, o que foi o bastante pra esse ficar com as bochechas rubras. — É... Porque.. Você vai ficar com essa roupa mesmo. — Hoseok falou meio nervoso, era fofo, porque parecia estar arrumando uma desculpa pro pequeno ato de ciúme que acabou cometendo.

Não entendo como se pode existir ciúmes.

O momento estava estranho, mas este não durou, já que logo a porta foi aberta estabanadamente, por um Yoongi meio cansado.

— Hoseok já chegando muita gente e eu já tô me cansando da cara dessas pessoas que só vêm me pedir bebid... — Parecia ter sugado o máximo de fôlego que conseguiu, pra falar aquela frase o mais rápido possível, mas assim que seus olhos se focaram nos meus, sua boca se fechou e não falou mais nada. — Oi Jimin. — Falou dando um meio sorriso, coçando a própria nuca com sua mão.

— Quê? Termina a tua frase criatura! — Hobi cortou aquilo, e eu desviei meu olhar do do outro, que fechou a cara pro meu amigo.

— Gente. Bebida. Querem. — Falou desinteressado, saindo da porta e entrando mais pra dentro do quarto.

— Por que não disse isso de primeira? — Perguntou como se fosse óbvio. — Você é uma porta, porque eu te mandei deixar aquelas porra' tudo à vista pra ninguém ficar se fazendo de sonso! — Hoseok resmungou e saiu do quarto batendo a porta parecendo irritado, mas isso era apenas caso.

— Mas cê' tá brava? — Taehyung perguntou negando com a cabeça, e saiu também, indo atrás de Hoseok provavelmente.

Eu ri baixo e tirei uma mecha do meu cabelo que cobria meu olho, já está grandinho, acho que preciso cortá - lo logo.

— Então.. — Yoongi chamou minha atenção, e eu virei pra si. — Não pensei que fosse do tipo que gostasse de festas. — Sorriu doce depois de sua fala.

— Eu nem desci lá embaixo ainda.. — Falei baixinho com um sorriso pequeno.

— É, ele não vai gostar. — Falou mais pra si mesmo e riu sozinho. — Vamos. — Apontou com a mão pra porta já indo, e eu ia seguir seus passos, mas antes lembrei da maldita roupa.

— Espera.. — Parei à frente do espelho de antes, analisando cada parte de mim dali. Até a maquiagem que Hobi colocou em meu rosto estava me parecendo estranha, que droga.

— O quê? — O de fios desbotados perguntou, e depois pareceu perceber o problema. — Você está lindo. — Falou com um sorriso, o que me fez sorrir de volta pra si.

Seria apenas uma noite, então não vejo algum problema de verdade.

Dei de ombros e segui até si mesmo com certa vergonha.

Saímos do quarto e descemos às escadas já podendo ouvir o som alto das músicas eletrônicas que tocavam por toda a casa. Sério, Hoseok deve ter isolamento de som no quarto dele, já que quando estávamos lá eu não ouvi nada dessa zona toda. Bom, talvez eu também não estivesse prestando atenção.

Assim que chegamos podemos ver o monte de adolescentes amontoados do nosso lado. Todos dançando feito loucos, a música alta fazendo doer os meus ouvidos, e o cheiro de bebida já pelo ar.

— E aí? — Yoongi lembrou - me de sua presença quase gritando pela altura do som, e eu lancei - lhe um olhar nervoso.

— Acho que você estava certo... — Falei quase em seu ouvido por não querer gritar, e o outro caiu na risada.

— Olha só, parece que milagres existem! — Uma pessoa colocou os braços ao redor de mim e Yoongi por trás, e assim que conferi, pude ver o Jackson sorrindo aberto, tão aberto que podia sentir o cheiro de álcool vindo de sua boca que já chegou me enjoando.

— Cai fora Jackson. — Yoongi parecia conhecer o loiro também, esse que fez cara de ofendido e nos soltou, pra depois se pôr à nossa frente.

— Pra quê a revolta? — Riu alto depois de falar, com certeza já estava bêbado, e não deram nem meia hora de festa... — Hum... — Fez o som com a boca e olhou em volta, tomando depois o copo de um garoto que passava e colocando frente ao meu rosto. O garoto apenas xingou e saiu pisando firme, coitado. — Pega! — Falou me oferecendo a bebida.

— Não.. — Eu murmurei desviando o olhar pro lado, estava começando a ficar irritado.

— Por quê!? — Fez uma cara triste e balançou o copo vermelho, quase molhando meu rosto com o líquido.

— Eu não bebo. Nem tenho idade pra isso, aliás. — Falei o que era óbvio para mim, e o loiro ficou confuso.

— Nem Hoseok, mas as bebidas são todas dele. — Deu de ombros. — Toma... — Falou prolongando a última vogal e eu voltei a negar com a cabeça.

— Chega, vamo' sair daqui. — Yoongi falou irritado, com seus braços cruzados e cara fechada.

— Ah não, eu não vou sair da cola de vocês até o Gixin beber isso. — Falou até meu nome errado, e eu revirei os olhos, pegando o copo de sua mão e bebendo de uma vez só o seu conteúdo. Que péssima ideia. — Isso aí! — Jackson gritou e deu dois tapas nas minhas costas depois de se virar e ir pro meio da multidão.

A bebida desceu rasgando minha garganta, e eu comecei a tossir e meus olhos lacrimejarem por conta do álcool. Não faço ideia do que eu tomei, mas aquilo era quente.

— Você está bem? — Yoongi perguntou aparecendo em meu campo de visão com sua feição preocupada, provavelmente estava com a coluna abaixada, pois eu estava olhando pro chão. Sorri pra si.

— Eu quero outro desse. — Eu pedi e depois sorri aberto, já o desbotato negou com a cabeça rindo anasalado.

Pelo jeito vai ser uma noite divertida.

Aí Deus, ao menos isso pra compensar mais cedo.. Aí que droga, mais cedo! 

Não, agora eu vou pensar apenas nesses copos vermelhos de bebidas quentes e esquecer o acontecido. 

Que droga Jeon Jungkook.







Notas Finais


Perdão às mortes.
Parei.
Tenho nem o que dizer aqui, só que estou postando a essa hora porque foi agora que eu terminei esse capítulo, e se eu não postasse, eu acabaria apagando sem querer, porque sou uma alpaca.
Obrigado por ter lido <3
• Pra quem pediu à Deus, a mãe do Jimin não apareceu nesse capítulo, ouvi um aleluia? Não prometo pro próximo :c
• Gente e esse momento Jikook do começo? Então, sentimentos então fluindo.. Ou apenas sendo descobertos né? KSKSJS
Aaaa
Até mais meus anjos, volto logo que eu parar de excluir sem querer os capítulos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...