História Back to you. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Hot, Jeon Jungkook, Onde Shot
Visualizações 64
Palavras 9.447
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIIIIIIIIIIIIIII PERSSOALLLLL!!!
Bom, passei um tempinho trabalhando nessa historinha, e finalmente estou aqui, entregando-a.
Escrevi com todo o meu coração, e estou aqui com os olhos pedrados, porque o spirit não está aceitando a organização do meu texto. Já ajeitei mais de 8 vezes(eu contei), então vai assim mesmo.
Espero que uita gente possa se identificar com esse casal maravilhoso, e que possam amá-los tanto quanto eu!
Ps: Nunca escrevi um hot na minha vida, então só relevem e sigam a vida de vcs rs.
Enfim, amem, aproveitem, curtam, Boa leitura.
Essa one-shot foi inspirada na música back to you, da Selena Gomez.
Amo vocês!

Capítulo 1 - You're stuck in my head, and I can't get you out of it.


Um mês e 8 dias.

Um mês e 8 dias sem você, Jeon Jungkook.

Um mês e 8 dias sem receber o teu bom dia, sem esperar você e sua Harley-Davidson ás 20:45.

Um mês e 8 dias que eu não caio na gargalhada com suas piadas, e muito menos recebo aquele seu sorriso galanteador.

Um mês e 8 dias que você não segura a minha mão, e não pergunta se eu estou bem.

E sabe qual é o problema, Jeon Jungkook?

Eu te amo, e não consigo pensar em mais ninguém além de você.

                O amor é um jardim, se não for cuidado, ele apodrece. Morre. O amor precisa ser regado, colorido diariamente com as mais belas cores. O amor é belo, ele é o sol entre as estrelas. Ele pode até doer, mas é a dor do sacrifício. É o tipo de dor que não importa a intensidade, a recompensa sempre será extraordinária.

O foi o amor pra nós, Jeon? Estaria ele presente nas nossas brigas de areia no primário? No coral de natal da escola que cantamos juntos? Em nosso primeiro beijo no ensino médio? Em nossa primeira vez?

Eu não sei, mas que tinha algo, tinha.

Sabe porque eu não sei? Porque amor resiste, ele é elástico, maleável.

Ele se molda de acordo com o tempo, a forma. Ele é um percussionista, sempre segue o seu maestro, a vida.

Ele dança conforme a música, e definitivamente não estávamos no mesmo ritmo. Eu sou um R&B, cheio de altos e baixos. Um jazz pesado, uma batida pesada e insistente. Uma melodia gostosa, porém travessa. Você adora intensidade, poder, e em mim você encontrou sua partitura completa. Pra você eu sou uma música do Labrinth. Um show do The Neighbourhood. Você sempre dizia que eu era o seu café expresso de fim de tarde. Eu sou a cafeína que te deixa acordado, elétrico.

 E logo você, com sua jaqueta preta e chiclete de menta, é o meu dubstep. Linhas de baixo muito fortes, e padrões de bateria reverberantes, samples cortadas e vocais emocionais. Você consegue ser tudo, ao mesmo Fucking tempo. Você não para, não hesita. Você faz. Consome. Extrai. Grita. Relaxa. E tudo de novo, um novo ciclo. Sempre fostes a minha rave proibida, minha mandala na janela. Você é a barulheira do Skrillex, um concerto do Dimitri Vegas & Like Mike.

  E em meio a todo a este festival sonoro, a gente se apaixonou. Não só nós, como nossos corpos, nossas almas. Nos transformamos numa rádio, e literalmente nos descobrimos a cada estação.

            E é por essa razão que estou aqui, de frente pro espelho. Fechando o zíper do meu vestido verde xadrez. Aquele que você odiava, porque é justo e curto. Lhe causa ciúmes. Pena que você é o ying e também é o yang, você é o dualismo. E nós dois sabemos que você ama esse vestido.

                Ama porque ele delineia minhas curvas, e ama ainda mais porque nele eu me sinto segura.

            Dona de mim mesma.

            Meu cabelo cresceu, os meus fios estão mais longos. Sim, aqueles. Os que você amava fazer tranças, emaranhá-los. Assim como fez com meu coração. Suas pontas agora estão mais claras, vulneráveis aos raios solares que a eles colorem.

            Meu amado batom vermelho, que sempre me deixou mais afoita e descarada.

            Principalmente nas horas em que eu iria te beijar, e você sabe muito bem disso.

Minha maquiagem é a mesma que você conhece, e que tanto reclamava. Porque de acordo contigo, eu já sou plenamente Afrodite. Eu não precisaria de mais nada, além do meu sorriso.

            Agora eu vou pegar minha bolsa, e chamar um táxi. Eu preciso de ar, de rua. Eu preciso de você. Da gente.

            A Violet me ligou, ela já está na casa do Yoongi me esperando. Nós 4, o quarteto fantástico. 2 casais de namorados, um conto digno de um relicário.

Pois bem, quatro dividido por dois continua dando dois. Não houve espaço para nós.

Sempre foi lindo os ver namorando, um casal apaixonado, o amor deles se veste de primavera. O jeito único e inusitado do Yoongi, abraçou a calmaria e a simplicidade da Violet. Você sempre dizia que eu desejava que fôssemos iguais a eles, porque ao meu ver eles eram perfeitos.

            Não fazes ideia de como nos amo.

            Amo tudo e tudo de novo. Amo as nossas brigas, as nossas diferenças, como saímos bem nas fotos. Amo quando a gente vai dar uma volta no quarteirão, e a senhora da rua ao lado nos presenteia com seu sorriso de admiração. Amo quando minha mãe fica se gabando porque tem um genro tão bonito, e quando meu pai tira o dia pra te testar e você simplesmente prova a ele que não está de brincadeira.

            Porque você sempre teve essa pose firme, raramente muda de opinião. E quando muda, sempre aparece com a resposta mais lógica para isso.

            As ruas não estão tão cheias, as luzes se encontram mais fluorescentes que o normal. A sua nervosinha não mudou não, eu ainda sinto meu estômago embrulhar em situações como essa. O que será que você tem feito? Será que achou alguma outra mais inteligente e bonita? Ou talvez só estava aguardando para o dia dessa festa, para extravasar e encontrar alguém que ocupe o meu lugar.

            Eu não sei, e se me permite dizer, eu não quero nada disso pra você.

            Analise ao ponto a que chegamos. Ter de se separar por não saber encarar os nossos tijolos, já que preferimos andar por cima do cimento. Quanta infantilidade (que depois de um tempo eu percebi) misturada com pressa, e afobação.

            Quando você saiu, disse que fez isso porque não aguentava mais me ver chorar, era difícil para você.

                E mais difícil ainda, é não saber o porque de tudo isso estar acontecendo. É como se tivessem me amarrado no tapete mágico, e eu fosse obrigada a ver a vida passar. Ver você, passar.

                Já escuto o barulho de longe, a inibriante gritaria. A casa se vê em pura chamas sonoras, pois é, o Yoongi sempre foi fascinado pelas caixas de som Oneal enormes dele.

                Hesito em passar pelos enormes portões brancos, se for mais uma perda de tempo? Se eu só servir de plateia pra você? Bom, se eu não arriscar, nunca saberei.

                Pisadas fortes, nariz empinado. Eu posso ser de tudo, mas a minha cabeça eu não abaixo não.

                As meninas já me esperam na porta, você sabe que eu preciso do meu esquadrão. Minhas garotas.

                Se não fosse por elas, aonde lá se sabe como eu estaria. Amigo a gente reconhece de verdade nessas horas, no buraco mais fundo. No poço mais sombrio. Essas meninas me salvaram, fizeram aquilo o que a minha própria consciência deixou de fazer.

                Elas cuidaram de mim, nesse curto período de tempo, que você não esteve.

                Não esteve.

                Está casa nunca esteve tão lotada, mas a vida tem dessas. Nos momentos mais caóticos ela decide virar filme, ou série de tv. Querer descomplicar é perda de tempo, o nó ainda vai dar mais voltas. Muito mais complexas do que jamais cogitamos.

                Já tinha te dito antes, Jeon Jungkook, se for pra ter empecilho, não vai ter só um não. karma is, and was always, a bitch.

                E sem mais delongas, pra mim mesma, ou para nós, eu te vejo. Te vejo no canto da sala, perto do mini bar. Óbvio. Você nunca tomou jeito, como havia prometido, e muito menos aceitava conselhos.

                Pode ter sido apenas 1 mês e alguns dias, mas a sensação é de que eu não te vejo desde a estação passada. Você está mais alto, forte. E quando eu ainda junto todas as minhas forças para achar que não, você dá um jeito de ficar ainda mais bonito.

                Filho da puta, sempre foi assim.

                Poderia ser depois da academia, de um dia completamente estressante na faculdade,não importa. Eu me sentia um caco, as olheiras quase chegando nos lábios e o suor se dissipando na pele. Ele dizia que não, mas ele, e se me permite dizer, a maioria da comunidade masculina, não se afeta nas ocasionalidades visuais da vida. Não estou dizendo que todo mundo seja bonito, mas a vida não seria muito mais fácil se, em vez de acordar parecendo a monga naquele domingo maroto, acordássemos com a mesma feição?

                Ponto para os garotos, para você.

                Seus cabelos não se encontram mais castanhos, agora são negros, da exata cor da sua jaqueta. Você está de topete? Jeon Jungkook de topete? O homem que não gostava de usar topete?

                Realmente, o que a falta não faz, não é mesmo?

                Se é que houve falta.

                -Vocês dois não tem jeito mesmo, mal chegaram e já estão se encarando.- Depois de um puxão repentino, Min Yoongi, ou também conhecido como gasparzinho, me acorda da minha epifania Jungkookeana.- Qual é, todo mundo aqui já sabe que vocês vão voltar, mas também não transformem minha festa em uma cena do The noteboook.

                -Boa noite para você também, quem disse que eu iria voltar com ele?- Por mais que eu quisesse, as coisas não são tão rosa quanto parecem. Ele me deu um freaking pé na bunda.

                -Você sabe que ele é complicado, ele provavelmente só estava com a cabeça cheia. O pai dele é um carrasco, e ainda tem os estágios que consomem todo o tempo dele. Ele só precisa se achar.- O mais velho parecia um mafioso, com sua calça vinho de veludo, social branca e gargantilha dourada.

                - De cabeça cheia, eu, você, e o mundo todo estamos. Ele é problemático, isso sim. Quem quer, dá um jeito Yoongi.- Não estou sendo uma brat não, apenas dolorosas e voláteis verdades. Meu ex sogro é uma pessoa maravilhosa, mas assim como todo pai, se preocupa com seu filho. Contudo, a espermatozoide que ele liberou não é a pessoa mais fácil do mundo, por isso eles não se dão tão bem.- Não é possível que tenha tanto prédio pra se construir numa empresa só, Seoul é enorme!

Ah, Jungkook cursava engenharia. Aquela cabeça sempre foi cheia de números. Descartes provavelmente deve ter sido seu ancestral, porque eu nunca achei alguém pra gostar tanto de cálculo quanto ele gosta. Até nisso a gente difere.

Desde o primeiro ano do ensino médio, a sua fascinação por números sempre me encantou, mesmo eu ainda continuando sem entender a utilidade dessa coisas. A minha memória só salvou a fórmula de bhaskara, e eu ainda vejo vantagem nisso.

Tantas olimpíadas, menções honrosas da escola...Quem te vê nunca vai nem cogitar um histórico desses. Sem preconceitos ou muito menos esteriótipos: eu sempre te falei que esse teu jeito marrento e essa cara de motoqueiro dos anos 90 enganam muita gente.

-Deixa dessa brabeza Stass, hoje é sexta-feira, vai tomar uma Corona e ser feliz.

Anastasia. Meu nome é Anastasia.

Não sou uma princesa, ou uma das irmãs Romanov. Minha mãe é russa, e meu pai é daqui. Sim, eu sou fruto de um romance proveniente do bug do milênio.

Minha mãe foi uma voluntária que veio prestar reforços aqui na coreia, e meu pai era o responsável pela bancada de softwares da empresa que ela foi contratada. Daí eles se amaram pra sempre e me tiveram, tcharan.

-E eu acho que vou acabar fazendo isso mesmo, cadê a Violet?- Pergunto assim que vejo meu amigo olhando pelos lados, provavelmente procurando sua namorada.

-Pois é, estamos falando da Violet. Você e ela são impossíveis quanda se trata de escolher roupas, hoje ela conseguiu ganhar de você. Falando no demônio…

Os olhos do fantasminha brilham e seu sorriso enorme se espelha sobre a altura dos meus ombros. Como eu amo esses dois.

-Amiga, você está divina!  Graças a Deus eu consegui te arrancar daquela casa.- Violet, fazendo jus ao seu nome, estava com um vestido violeta. Seus cabelos loiros agora se encontravam enrolados nas pontas. Ela sempre pareceu uma princesa da disney.- Min Yoongi, seu cabelo está preto? Estou vendo coisas?

-Surprise, baby.- Yoongi nunca comentava com mesma sobre a  cor da vez, a coitadinha ficava tão brava que já se acostumou. Pra falar a verdade, fazia tanto tempo que ele não posava com sua cor natural, que até eu já havia esquecido de como ele ficava com os cabelos negros.- Sabia que você iria gostar, e você está linda, como sempre.

E assim o casal margarina deu início a uma super pegação bem na minha frente, eles nunca entenderam o fato de que eu simplesmente odeio ser vela.

-Muito obrigada pela consideração, usem camisinha!

Á aquelas alturas ninguém já não escutava mais nada, por isso tive que berrar para pelo menos dar este grande conselho aos pombinhos.

Se já estava ensurdecedor antes, agora eu tinha certeza que meus tímpanos iriam explodir. Um remix de silence do Marshmello.ft Khalid preenchia o ambiente, e a cada minuto que se passava eu tinha a impressão de que a casa estava ficando mais lotada.

Olhei ao redor a procura das meninas, e não as achei nem de relance. Provavelmente já encontraram seus devidos peguetes, ou até mesmo acharam um amor de verão bem no meio deste barulho.

Seguindo a sugestão de Min Yoongi, fui tratar logo de buscar a minha  Corona mesmo, já que as coisas pra mim não estavam muito movimentadas.

Não estavam, até este exato momento.

-Anastasia.

Aquela voz. A voz pela qual já me causou diversos sentimentos, de todos os tipos e cores, texturas. Ela, com sua tonalidade grave, conseguiria abafar o som de qualquer canção ou batida.

-Jeon Jungkook.

Com toda a confiança presente nas cédulas do meu corpo, não hesito em me virar e encarar a figura alta e viril em minha frente. Seu olhar vem de encontro ao meu como um tiro, uma bala que perfurou a configuração mais resistente do meu osso. É isto que ele causa em mim, completa bagunça.

-Que bom te ver, estava com saudades.- Esboço um sorriso no canto da boca, mas que eu ainda me encontrava magoada, uma grande certeza.

-Eu também, infelizmente.- Pego o meu copo no balcão decorado com luzes neon e me coloco à frente do moreno, de costas para a multidão.

-Olha, eu fiz merda. Muita merda, por muito tempo. Mas de verdade, eu nunca deixei de pensar em você. Juntos ou separados, você sabe que sempre foi a única na minha cabeça.-Suas sobrancelhas relaxam, e sua torso se inclina em minha direção.

                -Eu não sei de nada, Jungkook. Não mais.- A situação ainda era fresca, não se houve tanto tempo para pensar.

                -Stass, me escuta. Será que você não entende?- Sua mão vai de encontro a minha, suavemente me puxando mais pra perto.- Eu sou louco por você.

                -Entendo o quê? Que você terminou comigo da forma mais idiota possível? Ou passou um mês fingindo que eu não existia? Se tem uma coisa que você é, ela é prolixidade. Você é prolixo, Jeon!- Provavelmente essa não era a resposta que ele esperava, ainda mais a berros, devido a barulhada. Mas o que eu posso fazer? Eu também não esperava o nosso término.

                -Stass,quanto tempo!

                No mar, sempre tem um ouriço. E o ouriço da vez foi Kim Jonghyun. Simplesmente um ex colega de sala que é obcecado por mim desde que eu me entendo por gente, segundo lugar no time de matemática avançada da escola na nossa época. Preciso dizer quem era o primeiro?           

                Não, eu você e todos já sabemos.

                A questão dessa situação não é essa. Kim Jonghyun sempre foi o maior festeiro aproveitador que já se existiu nesta terra, e além do mais, ele possui outro apelido. O maior concorrente de Jeon Jungkook.

O meu nam...Ex namorado, chegou a trocar de turno na faculdade. Só pela garantia de não conseguir mais olhar na cara dele. Richas e richas. Coringa e Batman.

                -Ah...Oii.- Claro que eu não deixaria um possível ataque de ciúmes passar despercebido, eu nunca prestei mesmo. Embora eu só tenha falado com o Kim 5 vezes em toda a minha vida, 3 delas com certeza foram foras, provavelmente.

                -Porque você está aqui?- Sempre muito bem humorado e simpático, Jungkook não mede esforços em exibir sua melhor cara de desprezo e desaprovação para o rapaz.

                -Uma amiga minha foi convidada, eu vim junto. Sempre muito bom te ver, Jeon.- A idade poderia até chegar, mas aquele rapaz iria morrer ostentando aquele sorriso debochado, desafio pra ele é oxigênio.

-O que você quer?-O moreno mais alto deixava cada vez mais claro que não queria conversa, realmente, Jonghyun não poderia aparecer em uma hora mais inapropriada que esta.

-Vim dar boa noite a Stass, você está muito linda hoje. A gente pode se encontrar próxima semana?- Após responder a pergunta de Jungkook, o Kim se virou e se aproximou mais, quase entre nós dois. Em total surpresa, eu realmente não sabia o que responder a essa abordagem repentina.

-Olha, é que…

-Você realmente vai continuar fazendo isso na minha frente? Você quer me tirar do sério, não é?- Não pude nem terminar a frase anterior. Jeon puxou levemente, ou nem tanto assim, os ombros do rapaz. Incrédulo, assim como eu também.

Nem ciúmes eu queria causar mais, isso aqui vai dar em merda.

-Ela está solteira, que eu saiba.- Bom, eu já não ia muito com a cara dele, e depois desse comentário machista, agora que eu não gosto dele mesmo.

-Solteira eu estou sim, mas disponível, não. Eu não quero nada com você.

Aos poucos o sorriso de Junghyun ia sumindo, e consequentemente, o de Jeon iria aparacendo. Ele também que não fique abusado, Jungbobo.

-Olha, eu acho que é a hora de você ir embora. Depois de um fora desses eu me enterrava.-Jeon se deu por ficar todo sorridente, com certeza estava se achando a última bolacha do pacote.- Se me der licença, nós dois ainda temos que dar continuidade ao o que você atrapalhou.

-Vocês dois se merecem. Ele vai ter chutar de novo, Stass.- Por mais puta que eu estivesse, ele conseguiu sim me atingir com aquilo. Se nós voltássemos, será que havia possibilidade do filme se repetir?

-Eu só não acabo com você agora porque eu não vou deixar você estragar a minha noite. Estou a dias esperando por ela.- minha bochechas inevitavelmente adquiriram cor, minha imaginação é muito fértil para essas coisas.- Agora você vai sair daqui, e não vai falar com a Anastasia, ou comigo. E se vinher encher o saco de novo, eu garanto que você não sai daqui do jeito que você está agora.

Ai vocês perguntam: Ah Stass, então quer dizer que você é apaixonada(e namorava) com um ser humano briguento e temperamental?

Sim, isso mesmo.

Bom, não me levem a mal, eu não estou sujando a fita de jeon Jungkook. Ele é um amor, com quem ele quer.

Se Jeon Jungkook gostar de você, ele vai te tratar super e incrivelmente bem.

Se Jeon Jungkook achar que você nem fede e nem cheira, ele vai ficar quieto e vai continuar te respeitando.

Agora se Jeon Jungkook não gostar de você, e com um motivo plausível para isto, ai considere-se em constante perigo.

Ele sabe brigar, e ele gosta.

Se na adolescência ele tivesse salvo 30% do seu tempo brigando com os meninos do colégio ao lado, ele já estaria formado em engenharia e provavelmente construindo prédios em Dubai.

Se bem que essa peste já ajudou a projetar 3 edifícios, e ele tem 18 anos.

Enfim, competente e inteligente.

Saco, já fugi do assunto de novo. Inteligente nada, burríssimo. Um jumento.

Toda semana ele discutia com o pai sobre uma briga diferente, e o melhor de tudo é que quanto mais ele cresce, maior é a bobagem por qual ele fica irritado.

Se brigam com seus amigos, ele toma a frente. Se o garçom da lanchonete é desleixado, ele já fica full pistola. Andar com ele estressado no trânsito é vivenciar uma cena de velozes e furiosos.

Quando era menor, odiava porque os meninos chamavam ele de nanico. Ele era o menor da sala, sem brincadeiras, eu dava duas dele.

Só que aí chegaram as férias de verão do último ano como ensino fundamental, e assim completamente do nada, ele cresceu e ficou maior que todo mundo.

Não só de altura, em um curto período de tempo ele deixou de ser a versão masculina da olivia palito, pra virar de vez o popeye.

Não que eu esteja reclamando, pelo contrário. Hehe. O problema é que infelizmente não foi só eu que gostei da mudança. Não sou tão ciumenta, mas ser namorada dele nunca foi fácil não, era só eu piscar que já apareciam 260 rabos de saia.

Ultimamente (há um mês atrás, diga-se de passagem né) ele tem se segurado mais. Uma hora ou outra o senso de responsabilidade iria bater, agora ele já é um adulto, não um mocinho de 15 anos.

A             h, e sabe porque eu mencionei o negócio do ciúmes la em cima? Porque eu sei que esse é o veneno mais maléfico a saúde dele.

Jeon Jungkook sempre foi ciumento, e eu odiava isso.

Odiava porque eu não entendia como ele ainda achava que alguém poderia me tirar dele, ou eu achar outra pessoa “melhor”.

Odiava porque na cabeça oca dele não entrava a ideia de que ele era, e é, tudo o que eu preciso. Essa insegurança velada ridícula que ele esconde por trás dessa faceta de “fodão”.

O tanto de bate-bocas( e alguns murros e chutes) desnecessários por conta disso, tanto com pessoas conhecidas quanto aleatórias. Jungkook de cabeça quente é pior que ventilador quebrado em dia com sensação térmica de 40 graus.

O que salvou ele de ser expulso da escola foram as notas, porque arruaceiro ele sempre foi.

-Você tinha que ameaçar alguém né.- Claro que eu iria o provocar. Embora eu tenha gostado do que ele falou, eu já não estava numa vibe muito boa depois desse ocorrido com Junghyun.

-Era pra eu deixar ele dar em cima de você? E ainda por cima na minha frente?- suas sobrancelhas se franziram e ele já estava menos bravo. Mas ainda assim aborrecido.

-Ué, como ele mesmo disse, eu estou solteira.- coloco minhas duas mãos na cintura e recito minhas palavras em seu ouvido.-Livre, leve e solta. Solteira.

-Vamos ver se você vai continuar dizendo isso mais tarde.- O maior se inclinou sobre mim e segurou meu queixo com a sua destra.-Eu tava tentando me segurar, mas não ta dando mais. Pode me bater se quiser.

                Afrontoso do jeito que é, Jungkook me puxou para um beijo necessitado é apaixonado.     

                O beijo que eu mesma percebi que precisava ainda mais do que eu pensei, o beijo que conseguia me fazer derreter.

                O beijo dele.

                E de mais ninguém.

                Não era da mesma intensidade a qual eu era acostumada, Jeon estava se segurando. Talvez com receio da minha reação.

                Por isso eu mesma tratei de fazer com as nossas línguas dançassem a melodia delas.

            E por falar em melodia, eu finalmente( depois de muito tempo absorta com a presença de Jeon) parei pra ouvir a música que estava tocando. E por algum arrumadinho do destino, ou não, in the name of love era a nossa trilha sonora do momento.

                Eu não queria que aquilo acabasse, parecia algo tão certo. Agora mais do que nunca.

Suas mãos grandes fizeram caminho a minha cintura, e me permiti descansar naqueles braços que já foram meu abrigo diversas vezes.

Aqueles braços eram o meu céu e o meu inferno, tudo ao mesmo tempo. Droga, ele conseguia me desordenar com tanta facilidade.

-Calma, isso tá errado.

Sim, eu sei que eu disse que parecia certo. Mas eu estava longe de estar 100%. Claro que eu estava morrendo de saudades, mas não se pode esquecer do fato que ele simplesmente acabou comigo há um mês atrás.

-Eu mereço respostas, antes de qualquer coisa.-De fato, eu poderia aproveitar essa festa ao máximo. Mas se hoje é o dia em que eu possa entender o que tem acontecido, que seja.

-Eu sei, vamos sair daqui.

Concordo mesmo sem saber do que ele havia posto em mente, apenas deixo-me guiar pela sua intuição de ir para um lugar mais calmo, silencioso.

Jungkook segura a minha mão e me guia em meio à multidão alvoroçada, que me causa a confusão psicológica de eu estar em uma rave sem ao menos saber.

Algumas pessoas nos olham com desdém, enquanto outras praticamente tem “otp supremo”  tatuado em suas testas. Nessa sociedade adulta-juvenil, infelizmente, sua vida deixa de ser só sua e pertence a mais 500 pessoas que querem cuidar dela.

Não farei hipocrisia aqui, quem não gosta de uma fofoca?

O problema é você querer conviver diariamente com ela.

E bem, neste caso, nós tínhamos espectadores de sobra.

Ao perceber meu evidente desconforto, Jeon entrelaça nossas mãos e me puxa para perto de sua figura robusta. Ainda assim, posicionando seu corpo esguio ainda em minha frente.

Meus espasmos configuram o nervoso, o tipo de nervoso que só ele consegue causar em mim. Aquele que me faz tremer de ansiedade para o aquilo que eu nem ainda pensei em cogitar na minha mente.

Porque Jeon jungkook é imprevisível, e consegue me deixar bobinha, na hora em que ele quiser.

Interpretem como quiserem.

Pelas escadas, provavelmente ele iria me levar pro quarto de Yoongi. É impossível não se sentir nostálgica em um dos lugares onde tive os melhores momentos da minha vida.

Eu, Jeon, Violet e Yoongi sempre vínhamos pra cá depois da escola, porque dentre as nossas casas, a do Yoongi é a qual se localiza mais perto.

Depois que nós crescemos, ainda nos encontrávamos. Contudo, cada um começou a priorizar o seu namoro, e a faculdade muito dificultou.

Estar aqui com eles sempre me fazia achar em que eu estava estrelando um filme, ou até mesmo uma série de tv.

E com o suposto distanciamento, eu nem me preocupo.

Nós nascemos para ser amigos, e não há nada que irá tirar isso de nós. Nunca.

O quarto do Yoongi continua o mesmo, todo azul marinho, com os quadros do Tupac e do Dr. Dre pendurados na única parede preta do cômodo. A cama King Size na qual me traz a lembrança de inúmeras ligações eufóricas da Violet.

Maldita memória fotográfica, eu ainda me lembro das aventuras sexuais dos dois.

-Desculpa.

Com o timbre baixo, mais baixo que o normal, Jeon Jungkook me afasta de minha breve epifania e me ganha com sua feição triste. Por mais que eu odiasse vê-lo assim.

Sinto que não há necessidade de confrontar-lo de cara, darei lhe o espaço que precisa. Embora meu coração ainda se encontre despedaçado, a vontade de encontrar respostas cresce em meu peito.

-Eu não fui verdadeiro com você, porque não estava sendo verdadeiro comigo mesmo.-Ele estava realmente tenso, parecia não saber lidar com o assunto.- A empresa só faz encher o meu saco, e o meu pai só faz reclamar… Eu estou ficando doido. Eles querem me adiantar na faculdade pra eu participar de um projeto fora, mas eu não quero nada disso agora.

-Você não me disse nada.-Ele sempre foi muito ocupado, mas não sabia que as coisas já estavam fluindo deste jeito.

-Porque eu vi como o nosso relacionamento estava. Desgastante. Por mais que eu te amasse...ou ame, eu não estava conseguindo te dar o meu máximo.

-Jeon, não me venha com esse papo de não ser o suficiente blablá. Isso é desculpa sua, quem quer dá um jeito!- E sim, a mais pura verdade. Não se pode culpar o tempo, ele não deve responsabilidade a ninguém.- Mesmo dando conta de dois processos enormes no escritório, eu ainda me doava para você!

Eu curso direito, e tenho um estágio em um dos maiores escritórios de Seoul.

Não, não. Não foi só o galã que se deu bem aqui.

Eu posso não ter sido um prodígio na escola, nem ter participado das inúmeras olimpíadas educacionais.

Mas eu dei duro pra chegar aqui, ah como dei.

Atualmente, se você souber fazer cálculo, você já está praticamente a 500 metros à frente do seu concorrente.

Mesmo que você seja o pika das galáxias em português, e escreva um essay perfeito, sua nota não é nem a metade de alguém que acerte todas as questões da prova de matemática.

Fuck the system.

Eu sempre quis cursar direito, mas sempre fui muito insegura em relação a provas. Era horrível ser a namorada “lerda” da calculadora humana, eu até cheguei a chorar antes das provas.

Mas graças a Deus deu tudo certo, e eu consegui calar a boca de todas aquelas praguinhas que acharam que eu ia viver as custas dos meus pais. Ou até mesmo do Jungkook.

Eu, Anastasia, viver as custas de um homem?

Ata. E a minha avó inventou a eletricidade.

O Jeon foi o meu pilar durante as seletivas para a faculdade, ou melhor, para ter vencido cada ano naquele inferno. Quer dizer, escola.

Claro que o mérito é meu, por ter alcançado meus objetivos. Mas se não fosse por ele, talvez eu não estivesse aqui agora.

Ele segurou a minha mão em cada choro, me ensinou os assuntos que não entravam na minha cabeça, e foi um dos poucos que genuinamente acreditaram no meu potencial.

Por isso, quando saíram os resultados. A alegria de vê-lo brilhar já era certa, ainda que eu tenha me emocionado muito. Entretanto, nada se compara a sensação de ver meu nome destacado naquela tela do computador.

Foi indescritível, uma vitória nossa.

E hoje estamos no mesmo período, mesmo que em cursos diferentes.

-Eu não sou organizado como você, não adianta querer comparar Anastasia.

No nosso conto de fadas, a pisciana era mais organizada que o virginiano.

Tudo pelos avessos.

Jeon Jungkook e Anastasia.

-Sim, mas eu mereço sofrer por isso? Porque será que eu tenho a sensação de que eu sempre te amei mais?- Me sento na cama e fito a janela a minha frente. Talvez dentre o céu estrelado eu pudesse encontrar respostas

-Nunca mais diga isso.- Ele se ajoelha diante mim, e consequentemente me faz encarar sua face doce e viril. O olhar negro, um dementador que tende a me sugar para sua fantasia. Talvez o pesar de seus olhos sobre mim seja demais.-Stass,olhe pra mim.

E eu olho. Me rendo a mil e uma emoções só por olhar em suas órbitas. Que preenchem a minha retina com as mais inéditas cores, e reconfiguram o meu modo de enfrentar este sentido.

-Eu sempre amei você. E percebi da pior forma possível neste último mês, que sempre vou amar.

Meus olhos enchem e eu fito o chão, não consegueria encará-lo, e não irei chorar. Pelo menos não agora.

-Não me iluda mais, Jungkook.

-Eu posso te provar, eu faço de tudo Anastasia!-O espaço do colchão se afunda, e sua mão encontra a minha, indicando sua presença.-Eu diminui a bebida, me afastei das brigas, dos rachas. Eu reduzo o meu horário lá na empresa, eu faço qualquer coisa.

Jeon segura o meu rosto com as duas mãos, e acaricia o meu rosto com todo o cuidado do mundo. O cuidado que eu sempre fui orgulhosa de ter-lo para mim.

-Volta pra mim amor, por favor.

Cedo ao seu beijo, e me dou a liberdade de cair em deleite com seus toques.

Quanta informação, um bombardeio de sentimentos.O furacão Jeon Jungkook me atacou novamente , e de 1 a 10, ele tem escala onze.

Então desisto de meus porquês, de meus mas, e dos entretantos.

Eu só quero ele, e apenas isto.

Beijar Jeon é como cruzar com a ventania no mirante de um cruzeiro.

É chupar uma pastilha de menta, e logo após tomar um copo de água gelada.

É completamente intenso, e inevitavelmente irresistível.

Que saudade eu estava.Saudade de nossos beijos, tão nossos e a nossa cara. Carregados de sentimentos que repercutem, e que ainda virão há existir. Não posso negar mais, eu o desejo.

E quero que permaneça sempre perto de mim.

-Eu quero voltar Jeon, e muito, eu só preciso entender você primeiro.-Separo nossos lábios  não deixo de perceber o sinal de desaprovação em seu rosto.

Te bebi de uma só vez

Achei que poderia te afastar com a noite fria

Deixar alguns anos diminuírem o que eu sinto por você

-Estamos há quase três anos juntos, eu já tive bastante tempo pra pensar na gente Anastasia.

-Por isso mesmo, não se acaba algo de três anos assim, não acha?- Sinto as lágrimas preencherem minhas órbitas, não me privaria de chorar.Não mais.- Esse é o problema Jungkook, como você foi capaz de fazer isso comigo? Se me ama do jeito que diz, porque saiu deste jeito?

Ele pressiona os lábios, e baixa a cabeça como um símbolo de vergonha, repulso. Sabe que agora eu preciso dominar o diálogo, há uma necessidade.

-Eu me senti vazia, incompleta. Você me deixou sem explicações, foi tipo uma vertigem. E quando eu penso que já não vi de tudo, tem foto sua em todas as redes sociais, saindo com seus amigos. Você ficou com outra pessoa, não ficou?-Reduzo o meu tom de voz, suavemente.

Seu sim silencioso ataca meu peito como uma faca, rasgando-o por dentro. Não que eu já não tivesse pensado várias vezes na possibilidade, mas enfrentar a verdade nua e crua é bem mais desafiador.                                      

E toda vez que conversamos

Cada palavra nos trás para esse momento

E tenho que me convencer de que não quero isso

Mesmo querendo

-Se você sofreu, me ensine a sofrer assim também.-Verdades na cara além de serem úteis, são agradáveis aos ouvidos.- Eu poderia muito bem ter dado a volta por cima, passado na sua cara, do mesmo jeito que você fez. Mas não, sabe porque? Porque t u d o  me lembra você, parece até um fantasma. Eu não entendo esse método, nem essa bad masculina!

Bad masculina;

                substantivo: Ação ou estado que se manifesta em um longo ou curto prazo. Onde se nasce o mantra de vagabundar com o propósito de esquecer alguém. Os filhos da puta curtem a vida enquanto sua bela ex donzela arrasta correntes e baldes de choro.

sinônimo; 1.Vadiagem 2.Putaria

-E quer saber mesmo? Eu te amo, muito, talvez mais do que deveria. Mas eu agora não sei se sou correspondida da mesma forma.- Um silêncio mortal se estabelece entre nós, e o meu nervosismo só aumenta.- E antes de vir para essa festa, eu estava decidida a voltar com você. Mas agora, neste exato momento, eu não sei mais o que eu quero. Eu só quero aquilo que me faça feliz.

Me rendo as intensas lágrimas, sem arrependimento algum. Precisava colocar para fora tudo o que estava guardado no meu fígado. Minha mente se encontrava e pura confusão, e eu não consigo mais obter diagnósticos.

-Eu saí várias vezes, e bebi muito. Fiquei com uma outra mulher em uma festa, e dormi com ela.- Ele não conseguia olhar nos meus olhos, e sua voz assumiu um tom desolado, longe das graves oitavas que ele proferia sempre.-Fiz tudo isso porque eu sou um imbecil, e não fui homem o suficiente para enfrentar os meus erros. Não fui homem suficiente para você.

Nós nunca acertamos

Repetindo conversas antigas

Pensando demais em cada palavra e eu odeio isso

Porque não sou eu

-Você não vai acreditar em mim, mas esse mês foi o pior de todos, eu juro! Toda noite eu chegava em casa bêbado, chamando por você. Nem minha mãe me aguentava mais! E aquela mulher...Foi um erro Stass, eu tava desesperado pra tirar você da cabeça. Eu pensei que não tinha volta ,que você nunca mais iria olhar pro meu lado.

-Você... transou com ela?- Minha voz saiu como um fiapo, embora eu já cogitasse esse acontecimento.-E ai? Ela é boa de cama, ou mais bonita que eu?- Cada letra saia de minha boca com amargura, o que faz o maior se aproximar de mim com aflição.

-Não, não, nunca. Essa é a questão, não há ninguém mais bonita que você na minha cabeça. Nem em cama, nem em canto nenhum. Porra, não há ninguém como você.

E qual a razão em se esconder?

E todos sabem que temos coisas a resolver

E me arrependeria se não dissesse

Que isso não é o que poderia ser

                E pela primeira vez em muito tempo, eu vejo Jeon Jungkook chorar. E se eu dissesse que isso não partiu meu coração, estaria mentindo. Meus olhos inchados também se encontram em lágrimas, mas agora não há mais desespero.

                Porque talvez pela primeira vez nessa noite, eu reconheço a sinceridade no seu olhar. E não por causa de seu abrupto choro, mas sim devido a sua incrustada genuinidade. Pela coragem de ter me contado a verdade, e de ter exposto seu lado mais frágil, o qual eu sei que não é nada fácil.

                Sinceridade porque já o conheço o bastante para saber se estaria mentindo, porque eu conheço o meu homem.

                E antes de mais nada, ofereço os meus braços para o seu aconchego. Porque acima de tudo eu o amo, e jamais lhe deixaria na mão.

                -Apressadinha, vem logo gatin…- Yoongi e Violet entram aos beijos no quarto e ao nos verem dão um pulo para trás.- Vocês estavam aqui, esse tempo todo?- Diz Min ainda com as mãos na cintura de sua namorada.

                -Ta tudo bem gente?- Violet, diferentemente de seu namorado, nos aborda com sua implacável doçura. Seus olhos pairam em Jungkook.- Não precisa esconder o rosto Jk, não há nada de errado em chorar.

                Jeon passava a mão no rosto vermelho várias vezes, e fungava com seu nariz congestionado.

                -Vamos deixar-los gatinha, daqui a pouco a gente volta.- Apontou Yoongi, observando o seu amigo em meus braços.

                -Não, não saiam.- O maior se levantou segurando minha mão e por consequência, acabei me levantando junto.- Quero pedir desculpas a vocês dois também. Por ter me afastado de você Violet, e por ter sido um problema, Yoongi.

                -Aish, garoto. Mas você é um problema, meu garoto problema. Pare de chorar, nem parece o meu Jungkookie abusado.- Os dois rapazes sorriem, e eu aperto ainda mais a mão de Jeon.-Ah, e só pra deixar claro, vocês dois estão sendo empata-fodas agora.

-Min Yoongi!!! Isso é jeito de se falar?- Violet não estava vermelha, ela estava roxa.- Enfim, eu aceito suas desculpas amigo. Eu sei que você não estava bem, e sei o quanto ama a Stass. Vocês voltaram né, por favor me digam que sim.

                Nos entreolhamos timidamente, e mesmo sem a confirmação de palavras, no fundo já sabíamos nossos status.

                -Não formalmente, só sei que hoje eu não saio daqui desacompanhada.- Respondo com veemência.

                -Ah ,mas não vai mesmo.- Sua voz baixa me causa tremores, aos poucos, o Jungkook soft&emotional vai me dando tchau.

                -Agora sim o universo voltou ao normal. Do jeito que vocês dois são, vão copular até a próxima semana.-Por mais que todos nós fossemos inteiramente íntimos, senti meu rosto pegar fogo. Talvez eu estivesse tão nervosa pelo o que há por vir, que me deixei levar pela ansiedade.

                -Pare de falar essas coisas, ela está ficando envergonhada. - Dizia Jeon mais calmo, enquanto acariciava minha cintura.-Mas de verdade, eu sei que nunca falo essas coisas, mas vocês três são muito especiais para mim.

                -E você para nós, Jungkook!- Os olhos da minha amiga brilhavam, talvez ela estivesse emocionada por conhecer esse lado novo dele.

                -Abraço coletivo!!-Abro meus braços enfio no meio dos quatro. Eu estava muito feliz, fazia tempo que não sentia a sinergia do nosso quarteto.

                - Já está bêbada, Anastasia? Quando eu falei da corona, não era sério.- Mostro a língua para Yoongi, e percebo o sinal confuso no olhar de Jungkook.- Nem me olha com essa cara, sou uma ótima influência para sua namorada.

                Namorada.

E mais uma vez me sinto dona deste termo, e sei que Min Yoongi não o utilizou em vão.

                Ele sabe, Min Yoongi sabe de tudo.

                Eu não sei nada nada sobre o dia de amanhã, muito menos sobre o futuro.

                Só sei que eu sou dele, e ele é meu.

                E depois de um mês e oito dias, eu me sentia realizada. Eu tinha meus três melhores amigos ao meu lado, e sabia que cada pessoa naquele quarto colocaria a mão no fogo por mim.

                E eu por eles.

                E como diria John Lennon, Não interessa quem tu amas, onde é que amas, porque é que amas, quando é que amas ou como é que amas, o que interessa é que amas.

                E eu os amo com plenitude, fazem de mim inteira, completa.

                ---

                A festa foi louca, e com certeza, ainda não teve fim pra nós dois.

                Depois da pequena reunião melancólica, eu e o Jeon já estávamos prontos para ir embora, mas acabou que não resistimos a bagunça no andar de baixo.

Haviam pessoas sobre as mesas, gente se pegando nos 4 quantos, tudo normal para uma festa de Min Yoongi. Me permiti tomar uns copinhos a mais de cerveja, mas longe de ficar embriagada. Nesta noite, o que eu mais queria era estar lúcida.

Revemos o pessoal do colégio, e foi muito bom saber que a maioria tinha seguido atrás de seus sonhos. Nossa turma, apesar de altos e baixos, sempre foi muito unida.

Então dançamos, beijamos, nos divertimos, e fizemos cada minuto valer a pena. Nem parecia que há algumas horas atrás eu estava no meu quarto me lamentando pelo passado infortuno.

E agora, ás exatas 02:00, eu estava subindo as escadas do casarão de cores claras e móveis modernamente rústicos. A casa de Jungkook era completamente o oposto dele mesmo. Tudo branco, cheia de quadros com pinturas singelas, e um quarto a lá Shigeru Ban.

E para ver isso, era só entrar em seu quarto.

Bagunça, posters, miniaturas de super-heróis que não sei o nome, jaquetas pretas, e livros de números abertos em cima da cama.

                Que saudade eu tava.

                -A senhorita estava bem animadinha hoje né?-Não tinha o visto beber em nenhum momento, até estranhei ele nem falar sobre cachaça alguma.- Não sabia que havia mudado a casaca pro álcool?

                -Eu sempre bebi um pouquinho, ta bom, quase nada.- O maior parou em frente a janela, me deixando com a bela vista de suas espaçosas costas.- E você virou a casaca pro não-álcool?

                -Não disse que eu ia parar, por você?- Disse ele enquanto se virava, tirando a jaqueta e a pondo na cômoda.

                Com uma energia estranhamente boa e muito efervescente, me levantei imediatamente, e pelo o braço, lhe puxei para um beijo nada casto. Pelo visto, gostando muito da minha atitude, seus braços rodearam minha cintura e ele me ergueu com seus braços rijos, logo senti meus músculos serem pressionados contra a parede.

A nossa conexão era como uma descarga elétrica, meu corpo vibrava a cada toque e a cada arrepio que ele me proporcionava. Eu estava entregue em seu denso curto circuito, dançava em meios aos raios do fervedouro de sua tensão.

                Seus lábios percorreram ao meu pescoço, e eu mal conseguia manter os olhos abertos diante de toda a excitação que queimava o meu corpo. Estou completamente sedenta, e pretendo deixar isso mais claro que o possível.

                O zíper do meu vestido já tinha sido desfeito, e o fato de eu estar sem sutiã lhe causou um certo ânimo em sua linha tênue.

                Dos simples selares até as sugadas e mordidas doloridas, Jeon conseguia me manter inerte de um jeito inexplicável. Meus gemidos abafados garantiam suas risadas nada éticas, ele sempre soube o poder que tinha sobre mim.

                Logo ele nos locomoveu e ainda me beijando, nos posicionou sobre a cama, fazendo com que eu imediatamente abrisse minhas pernas. O jeito como devorava minha boca só me deixava mais encharcada, eu mal podia esperar pra que ele me fodesse, que descontasse toda a saudade dentro de mim.

                Assim meu vestido escorreu o meu corpo por completo, e apesar de eu ser a única a estar nua aqui, não acho que estou em devidas condições de raciocinar qualquer coisa neste momento.

                Sua mão direita adentrou minha calcinha, e seu sorriso lascivo se escancarou quando viu sua tonalidade. Jungkook amava vermelho, e eu tinha pensado em todos os detalhes pra fazer com que ele perca a cabeça.

                Ao puxá-la para o lado, seu longo dedo médio sequer teve pena de mim. Veloz e fundo, bem fundo. Movimentos ágeis e completa intensidade, ele sempre soube me tocar, do exato jeito que eu queria. Seus olhar marcava o meu corpo com um lazer, e sua preucupação em assistir minhas expressões de êxtase era plenamente evidente.

                Eu poderia gozar só em ver seu corpo musculoso e seu sorriso safado se curvarem sobre mim.

                -É incrível como eu mal começei, e você já está gemendo deste jeito.- Sua agilidade repentinamente se transformou em um passeio lento, não contive a indignação.-Se continuar assim, vai ficar sem voz quando eu meter o pau em você.

                -Droga Jeon...Ent-ão vai log-o…- A minha agonia se respaldava a cada segundo que se passava, meu corpo se encontrava febril.

                Então seus lábios traçaram caminhos em meu corpo, do meu austero colo até o peito do meu pé. Acima de tudo ele me respeitava, e me ama do exato jeitinho que eu sou.

                E eu o correspondo, o amo de um jeito inexplicável.

                E ainda depois de adicionar outro dedo, sua boca sugava minha intimidade com vigor, ele queria me provar tudo o que tinha dito anteriormente. Ele sempre me proporcionava sensações singulares, mas hoje a missão era diferente.

                Ele queria se redimir, fazer dessa noite uma das mais especiais da minha vida.

                Minhas costas arqueadas já doiam, e as góticulas de suor esquentavam a minha testa. Eu gritava e balbuciava o seu nome, o que lhe dava mais apreço e atenção a minha intimidade inchada.Em nossa primeira vez, Jeon me prometeu que a partir daquele momento, ele me faria sempre ver estrelas.

                E ele faz, e como faz.

Uma corrente arrebatadora preencheu meus tecidos, não demorei muito a me desfazer em sua boca. Meus dedos maltratavam seus fios tão negros e macios, seu olhar descarado não me abandonava por um segundo sequer.

          -Porque você ainda está de roupa?-Ainda me encontrava ofegante, mas o meu desejo pedia por mais.

-Estava esperando você vir tirar.

Desesperadamente eu arranco sua blusa de seu corpo, e fito o seu tronco perfeitamente moldado. Dizer que ele era um Deus grego não é bajulação, eu sou apaixonada por seu corpo.

                Se Jeon Jungkook fosse uma era, ele seria o helenismo.

O pescoço fino, com sua veia marcante ao meu dispor. O maxilar quadrado e trincado, que parecia até um desenho de tão simétrico. O peito forte e possante, o abdômen tão bem dividido e marcado. Ombros largos e espaçosos, que davam início a série de músculos em seu braço. Tal qual dono de carregadas veias, que conseguiriam tirar minha atenção em qualquer momento.

Meu namorado era uma perdição, e eu queria me perder nele.

Minhas mãos ferozmente desabotoaram sua calça, e eu me desfiz de seu cinto prateado. Diferentemente de sua calma cínica e sua paciência, agarrei a sua cueca e comecei a dar atenção ao seu membro tão acordado.

Me ajoelhei e o fiz sentar na cama, proferindo um grunhido rouco, suas mãos alisaram os meus cabelos.

Coloquei tudo o que eu podia e conseguia de uma vez, sem me importar com a força que eu estava exercendo. Eu sempre gostei mais de dar, do que receber. E dar prazer a ele era um dos meus passatempos favoritos.

Seu falo grosso, grande e rijo deslizava pela minha boca com facilidade. Meus olhos lacrimejavam e a saliva acumulada já escorria pelo canto da minha boca. Era um vai e vem acelerado e cauteloso ao mesmo tempo, minhas mãos apertavam e fincavam suas coxas expressivas.

Sua mão segurava meus cabelos e estimulava meu ritmo, e apesar de sempre querer segurar os gemidos, hoje Jeon não conseguiria isso.

-Porra, como eu senti falta dessa boca.- Sua voz rouca me deixava ainda mais arrepiada.-Você ama o meu pau, não é?

Sim, eu sempre amei muito o kookie. E amo ainda mais quando ele fica animado.

                Ao ver a sua expressão e sentir sua rigidez se expressar ainda mais, fico tentada a acelerar os meus movimentos, porém sou interrompida pelo mesmo.

                -Agora não, eu quero gozar de outra forma.- Ao mesmo tempo que eu estava ansiosa, um arrepio passou pela minha espinha. Se Jungkook, duro como está agora, rejeitou terminar o meu boquete, isso signfica que ele irá acabar comigo agora.

                Minha nossa.

                -De qual?

                -Depois de ir bem fundo e com força em você.

                Todo o meu ( se sequer restava mesmo) 1% de paciência foi por algo abaixo, e no final das contas, eu só queria que ele fizesse aquilo que havia dito anteriormente.

                Enquanto procurava provavelmente a camisinha na mesinha de cabeceira, me deitei na sua cama, tentando regularizar a minha respiração. Alguns flashbacks invadiram a minha cabeça, e eu estava muito realizada em estar tendo o meu final feliz.

                Talvez hoje teria sido uma decepção, talvez hoje eu nem sairia de casa, talvez hoje poderia ser mais um dia sem ele.

                Mas hoje e agora eu estou aqui, com ele.

                E talvez a nossa história seja pra sempre mesmo.

                Devidamente protegido, Jeon deposita parte de seu peso sobre mim e puxa os meus lábios para um beijo longe de ser casto, embora carregado de sentimentos. Talvez o mais significativo que já trocamos esta noite.

                A ardência e um certo incômodo já começaram a se fazer presentes assim que ele me penetrou. Embora depois de tantos anos eu já estivesse acustumada com seu tamanho e espessura, não era tão fácil receber o membro de Jungkook. Ele era consideravelmente grande, e grosso. E depois de um mês sem fazer nada, eu não pensei que estivesse tão despreparada para isto.

                -Ta machucando?- Seus olhos confusos me vigiaram com preucupação.

                -Vai logo, Jungkookie.-Com a voz mais manhosa que eu poderia alcançar, seguro sua nuca e prendo meus lábios em sua pele clara.

                Depois de me ceder um tempo para me ajustar ao seu tamanho, Jugkook decidiu vir com tudo de uma vez, sem ao menos me deixar um segundo para eu pensar. Suas estocadas eram lentas, mas a intensidade delas eram suficientes para me levar ao delírio.

                Puro êxtase.

                Seus gemidos roucos se misturavam com os meus gritos, os sons libidinosos decoravam o quarto espaçoso. Seu membro colidia com a minha vagina e até o atrito entre eles me deixava zonza.

Você pode partir meu coração em dois

Mas quando sara, ele bate por você

Eu sei que é demais, mas é verdade

Sua boca se concentrou em meus seios, e a cada chupada, gradativamente aumentava a sua dança dentro de mim. Ele conseguia me deixar mole, inerte e excitada ao mesmo tempo. Um nirvana que parecia ser inacabável, nosso templo.

                As horas em que nos tornávamos um só.

                -Eu te amo.- Bem baixinho em meu ouvido, eu o ouvi proferir as palavras que eu tanto gostava de ouvir. Que mesmo só estando nós dois naquele grande casarão, ele fazia questão de fazer com que eu e apenas eu escutasse sua declaração. Ele sabia o quão importante aquela noite era pra ele, e queria eternizá-la de todas as formas possíveis.- Você é minha.

                -Eu também te am-o Jungkooki-e.- Totalmente carregada de emoção, fito aqueles olhos grandes e atentos, com os meus levemente marejados.- Então me prove, que eu sou sua.

Quero te abraçar quando eu não devo

Quando estou deitada do lado de outra pessoa

Você está grudado na minha cabeça e não consigo te tirar

Meu pedido foi aceito como uma ordem. E com toda a certeza Jeon utilizou toda a força presente em seu corpo para fazer com que eu me desmanchasse de uma vez. Uma, duas, três, ele saia e entrava de uma forma furiosa. Se não estivesse segurando os meus quadris, eu provavelmente já teria me dado por vencida pelo cansaço.

As góticulas de suor se aglutinavam pelas extremidades de seu corpo, e sua feição concentrada e raivosa só me causavam ainda mais espasmos. Não aguentaria mais um milésimo de segundo, me rendi ao meu segundo orgasmo da noite.

Ainda instável, presenciei que Jungkook ainda massageava o seu falo com vigor. Juntei todas as forças que eu tinha e sentei sem mais nem menos em seu membro tão convidativo. Depois de tudo o que ele me proporcionou hoje, a minha maior ambição agora era fazer-lo gozar como nunca havia feito antes.

Um tapa estalado fez com que eu sentisse a minha bunda queimar perigosamente, sua expressão safada só me dava vontade de continuar aquilo ali até não aguentássemos mais. Suas mão me levavam para cima, e para baixo.

-Gostosa. Eu poderia ficar até amanhã assim, com você.- Tarados um pelo outro, sou apaixonada por seu corpo e por sua alma.

Eu amava o poder que ele tinha de me pegar e fazer mil e uma coisas comigo, da forma que éramos entregues uma para o outro. Essa conexão era minha e dele, ela se dividia em vários compartimentos. E agora exatamente estamos no mais pecaminoso de todos.

-Amor, eu vou…- Meus braços rodearam o seu pescoço, e eu o apertei com toda a força do mundo, sem se importar com nossos corpos completamente suados.

                -Jungko-ok!-Meu grito indicava o meu limite, eu não conseguiria aguentar mais aquele ritmo.

                Enfim nossas respirações descompensadas sonorizavam o ambiente, nosso abraço caloroso assumiu a ação. Jeon teve que se apoiar em suas mãos por um segundo, mas logo me apertou em seus braços. Que pra mim eram como rochas protetoras, casa.

                E mais uma vez dei mais um significado ao amor.

                Que ele é carnal, profundo, metamorfose.

                Ele se transforma e se molda de várias formas, para que possamos vêr-lo e interpretá-lo do jeito que desejamos e pretendemos admirar-lo.

                O amor é tão bom que suas aparições são embasadas nas nossas carecterísticas e na nossa alma, assim, não o rejeitaremos. Pelo contrário, o acolheremos da melhor forma possível.

                Porque o amor faz com que você acredite em coisas que até então você acharia banal, irrelevante. Ele tem a capacidade de se resplandecer em alguém, para que você possa aprender a amar a si mesmo.

                Jeon foi amor quando enxugou minhas lágrimas, segurou minha mão, e acreditou em mim em momentos que nem eu mesma acreditei.

                Nunca me deixou cair.

                Não sinto remorso ou sequer pena de me entregar de corpo e alma para o meu amado, com ele não tenho a necessidade de me esconder ou forjar.

                Me sinto confortável, me sinto eu.

                Não importa o caminho e suas adversidades, se ele existe, sempre irá haver um jeito de ele voltar para você. O amor é elástico, entre mínimos e máximos, o ponto de equilíbrio é imprescindível para que o seu ciclo seja refeito.

                Faz com que nos sintamos protegidos e valorizados. E mesmo que você se sinta só em meio a 6.999.999.999 bilhões de pessoas, serão apenas 6.998.998.998, porque alguém vai estar lá para você.

                Apenas porque o amor verdadeiro fortalece. Ele vence titãs, move montanhas e é capaz de restaurar a dor.

                               O amor é a cura.        

E Jeon Jungkook é a forma viva dele para mim, assim como eu sou para ele.

                A pouca idade e a inexperiência é uma desculpa como tantas outras para fugir de uma questão muito maior sobre todos nós: Nascemos para amar, e para sermos amados. Porque o mundo só é mundo porque de alguma forma, um indivíduo amou o seu próximo.

                Crescer ao lado do mesmo só me fez perceber que o amor é sim uma ramificação da admiração. Eu o aprecio pela sua determinação, honestidade, e a carisma de enfrentar o mundo e suas adversidades.

                O admiro por ter a capacidade de abrir mão de suas angústias, e abraçar as minhas.

                Porque como disse o grande filósofo Olaf, de frozen, amor é por a necessidade dos outros acima das suas.

                Eu o amo com todo o meu coração, e o quero sempre perto de mim.

Se pudesse fazer tudo de novo

Sei que voltaria para você

Voltaria para você

Voltaria para você

                -Volta pra mim, Anastasia.- Seus dedos acariciavam minhas costas, seus lábios carinhosamente deixavam selares em meu ombro.

                -Eu volto, meu amor.

                E ali foi concretizado mais um capítulo da nossa história, o nosso concerto carnal, espiritual, artístico. Terminei a minha noite da forma que tanto desejava, nos braços do meu namorado, sonhando com anjos e contos de fadas.

                Posso não estar viva amanhã, talvez o mundo acabe na próxima segunda-feira.

                Todavia, meu destino é um relicário.

                E Jeon Jungkook com certeza está dentro dele.

                Eu vivo e sou amor.


Notas Finais


Obrigada S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...