1. Spirit Fanfics >
  2. Bad Boy Blues ( aidan gallagher) >
  3. Plêiades

História Bad Boy Blues ( aidan gallagher) - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Plêiades


Fanfic / Fanfiction Bad Boy Blues ( aidan gallagher) - Capítulo 1 - Plêiades

Há um limite na cidade onde eu moro.

É invisível, este limite. Também é fino como papel e extremamente afiado.

Mas está aí. Por cerca de dezenove anos, eu vivi de um lado. No lado sul. É o lado de pessoas trabalhadoras e honestas, mas não temos muito dinheiro. Temos prédios decaídos, jardins malcuidados e casas que rangem e tremem com o vento forte.

O lado norte é o dos ricos e poderosos. É o lado com casas grandes,

gramados aparados e carros caros.

É o lado que eu odeio por várias razões. Mas eu não vou falar sobre isso agora.

Eu tenho uma missão, uma missão muito importante.

Nos últimos seis meses, tenho vivido no canto mais alto do lado norte.

Não por escolha, lembre-se. Mas pelas circunstâncias.

Uma propriedade chamada Plêiades.

O nome vem da constelação de sete estrelas no céu. Provavelmente

porque a mansão palaciana nesta propriedade tem sete torres.

E esta noite, minha missão é invadi-la. A mansão, quero dizer.

Bem, para ser honesta, se você souber o código da entrada de serviço, será

que é realmente invasão de domicílio?

Acho que não.

É mais como digitar o código e entrar. Algo que faço todos os dias.

A única diferença é que todos os dias faço isso em plena luz do dia. Mas

agora, estou fazendo isso sob o manto da escuridão com o meu modo

furtivo ativado.

Estou usando short preto, combinado com um moletom preto que cobre

meu cabelo azul brilhante e botas de couro.

Eu sou como a noite: escura e silenciosa. Ah e quente. Estou falando da temperatura.

Outra coisa sobre a nossa cidade é que é sempre quente. É sempre abafado

e úmido. O verão é o nosso clima permanente, mesmo no inverno.

Estranhamente, Plêiades é o lugar mais quente de todos.

Estou suando com todas as coisas pretas que estou usando. Mas também

pode ser o nervosismo. Não é toda noite que insiro o código e entro assim.

Mas tempos desesperados, medidas desesperadas.

Sem mencionar, não consigo me livrar da sensação de estar sendo

observada.

Parando na entrada de serviço com a mão no teclado, olho em volta

provavelmente pela décima vez desde que saí para a missão. Mas não há

ninguém lá. A noite escura e os jardins exuberantes estão tranquilos e

solitários.

Talvez a paranoia venha com coisas meio duvidosas.

Suspiro e viro, aperto as teclas e digito o código. Quando a porta

automática se abre, eu entro no pequeno lobby com escadas que levam ao

porão. Para a ala dos criados.

Lentamente, eu desço, evitando os degraus que rangem para não acordar

os funcionários da noite que provavelmente estão dormindo nos quartos de descanso.

Chego ao patamar que dá acesso a um corredor largo, iluminado por

minúsculas luzes noturnas. Quartos de ambos os lados. Quartos de repouso para os funcionários da noite, a sala dos funcionários onde temos reuniões e intervalos, o escritório da governanta.

Ando devagar e sem fazer barulho até chegar ao outro lado do corredor.

Há outra escada que nos leva ao primeiro andar. Mais uma vez, evito os rangidos enquanto subo.

Meu destino é a torre três, localizada a leste.

Leva-me cerca de sete minutos para percorrer todos os quartos e

passagens do primeiro andar: o salão de baile, a sala das rosas, a sala de

estar amarela, a sala de jantar privada e tudo o mais.

Então eu me deparo com as escadas que me levam para a torre três, onde a ala dos hóspedes fica. Enquanto subo mais uma vez, enfio as mãos nos

bolsos para ver se ainda tenho minha arma.

Sim, está aqui.

Sinto as bordas do bolso e sorrio na escuridão.

Agora que estou tão perto do meu destino, não posso esperar. Eu

literalmente não posso esperar.

Meus pés estão mais rápidos e minha respiração está saindo ofegante.

Estou nadando em adrenalina. Eu me sinto viva. Como se eu tivesse mais

de uma vida em mim. Mais de um coração e dois pulmões.

Acalme-se, S/n.

Eu não posso cometer um erro agora e alguém me prender. Não quando

estou tão perto do meu objetivo.

Finalmente, finalmente, depois de todo o percurso, caminhadas e

escaladas, eu o alcanço. O quarto exato que eu estava procurando.

“Ok.” Eu solto um suspiro e olho de um lado para o outro. “Você é um

homem morto, seu filho da puta.”

Pego as chaves do bolso que me levarão para o quarto.

A minúscula chave prateada.

Ok, sim, isso pode ser um pouco contra a lei. Como, talvez dez por cento contra isso.

As chaves no meu bolso não pertencem a mim. Eu as roubei da Sra. Stewart, do escritório da governanta, logo depois que meu turno terminou.

Mas, ei, eu planejo devolvê-las amanhã, isso é mais como pegar

emprestado. Preciso devolver, na verdade; ela é estranha sobre as chaves.

Mas isso não vem ao caso.

A questão é que eu não sou uma ladra; sou uma mutuária.

Mordendo meu lábio, eu insiro a chave na fechadura e ela gira facilmente.

O clique que vem quando abro a porta é alto. Ou talvez soe assim para mim e eu engulo, congelando no meu lugar.

Deus por favor. Estou tão perto.

Eu tenho que fazer isso. Isso precisa acontecer. Esta é minha única

chance.

Olhando para cima e para baixo no corredor escuro mais uma vez, eu

conto os segundos, mas nada mexe. A mansão ainda está adormecida e

quieta, muito parecida com a noite lá fora. Não há qualquer indicação de

movimentos no interior também. Significa que ele está dormindo também.

Totalmente inconsciente do que vai acontecer com ele.

Abrindo a porta apenas o suficiente para que eu possa passar, eu entro. O

quarto está frio, cortesia do ar condicionado. O abajur está ligado e lança o

corpo adormecido na cama para a luz.

Sr. Grayson.

Um hóspede de cinquenta anos de idade que voou para ver os famosos

pomares de maçã em Plêiades e fazer um grande tour pelas torres seis e

sete. Elas são mais como um museu e estão abertas para exibição pública.

Sim, Plêiades é uma espécie de grande negócio para a nossa cidade.

Metade dela é preservada e pessoas privilegiadas de todo o mundo vêm

para ver a bela arquitetura dela. Jogar em um campo de golfe mundialmente

famoso ou dois e eles ficam felizes como nunca. Ouvi dizer que o passeio

custa mais do que o que ganho em um ano trabalhando na equipe de

limpeza.

A outra metade desta mansão é onde os Gallagher vivem, a mais antiga

família desta cidade. Na verdade, eles são os fundadores desta cidade

delimitada.

Eles construíram Plêiades há muito tempo e vivem aqui por séculos.

Um cara morou aqui também.

Um cara que eu não vejo há três

anos, desde que ele foi embora abruptamente.

Um cara que eu não gosto de pensar.

De qualquer forma, chega de lição de história. É hora do show.

Eu já estive neste quarto cem vezes antes, então sei onde tudo está. Ou

seja, o armário que detém o meu prêmio.

Suavemente, eu ando na ponta dos pés, mantendo meus olhos no homem

adormecido. Ele ainda não se mexeu. Provavelmente está totalmente

bêbado.

Abro a porta do armário e lá está: seu terno recém-passado para amanhã.

Gostaria de poder agitar o punho no ar agora, mas isso pode ser muito

arriscado. Então eu pego minha arma, o pó de mico e abro as lapelas do

paletó dele. Olhando para o Sr. Grayson uma última vez, eu jogo o pó em

todo o tecido, especialmente em suas calças.

Ele não vai saber o que o atingiu.

Mordendo meu lábio mais uma vez, tento manter meu riso alegre em

segredo. Eu não estou fora de perigo ainda. Eu preciso voltar para a minha

casa sem ser vista ou a Sra. Stewart vai acordar com as melhores notícias de sempre: S/n foi finalmente pega quebrando uma regra e é hora

de demiti-la.

Ela não gosta muito de mim ou do meu cabelo azul ou do meu batom azul ou das minhas botas de couro. Basicamente, ela me odeia e não hesitará em me demitir se eu passar dos limites. E agora, estou muito além dos limites que nem posso ver.

Com a missão cumprida, saio do quarto do Sr. Grayson e fecho a porta

silenciosamente. Então, refaço meus passos, descendo, andando,

percorrendo todo o caminho de volta para a ala dos empregados.

Com alguma sorte, voltarei ao meu chalé antes que o relógio marque

meia-noite e quando eu for trabalhar amanhã, o Sr. Grayson será reduzido a

um macaco que coça suas próprias bolas.

Você é incrível, S/n. Você é foda demais.

Eu sorrio.

Assim que estou prestes a pisar as escadas que me levarão até a entrada de

serviço, ouço um farfalhar atrás de mim e meu nome é sussurrado.

“S/n!”

Eu suspiro e meus dedos batem no corrimão de madeira.

“S/n.”

Fecho os olhos e inclino a cabeça. Suspirando, eu encaro o interlocutor. É Maggie, a cozinheira chefe.

Ela está com as mãos nos quadris e seus lábios estão franzidos enquanto

me olha com olhos acusadores. “O que você fez?”

“Nada.”

Ela me olha de cima a baixo, provavelmente notando meu modo furtivo e de alguma forma, seu olhar cai nos bolsos do meu casaco. “O que você tem aí?”

Eu os acaricio e percebo que há uma protuberância onde enfiei o pó de

mico e a chave. “Nada”, repito.

Mesmo eu não acredito em mim, e sou uma excelente mentirosa.

“Passa pra cá.”

Hora de me esforçar.

“Maggie, não há nada nos meus bolsos, ok? Eu entrei porque pensei que tinha deixado meu telefone na sala dos funcionários. Mas não deixei. Então sim. Nada nos meus bolsos. Sem danos ou qualquer coisa.”

Abro minhas palmas em rendição fingida enquanto termino meu discurso indiferente.

Maggie me observa por um tempo. Seu olhar está me deixando nervosa,

ou mais nervosa do que eu já estava.

“Eu vi você crescer, você sabe. Sei quando está mentindo, S/n.”

“Eu não estou—”

“Vamos. Vamos para a cozinha.”

Com isso, ela vira para a direita e caminha para o corredor que termina

logo antes das escadas, onde eu estou de pé.

Droga.

Não foi bem isso que pensei quando invadi a mansão hoje à noite. Tirando

meu capuz para que meu cabelo comprido e ondulado possa respirar, eu a sigo.

A cozinha em Plêiades provavelmente pode caber a casa em que eu moro

três vezes. É um grande espaço circular com luzes industriais e bancadas de aço. É mais ou menos como a cozinha de um restaurante muito chique, com

um freezer e churrasqueiras de última geração.

Maggie gesticula para eu sentar em um canto em uma pequena mesa de

jantar perto da janela, com vista para a noite.

Ela está em seu roupão, o que significa que ela está de plantão hoje à

noite, e eu sei que ela tem sono leve. Apenas minha sorte.

Eu a observo enquanto ela corre para frente e para trás, coletando pratos e

garfos, e tirando a torta de mirtilo da pequena geladeira ao lado.

Maggie é muito fofa. Baixa e rechonchuda, com cabelo encaracolado loiro mel, salpicado de cinza.

Ela corta um pedaço para cada e coloca um dos pratos na minha frente

antes de se sentar.

“Coma”, ela me diz, seu rosto materno severo.

Eu atiro para ela um pequeno sorriso. Ela sabe o quanto eu amo torta de

mirtilo — na verdade, eu amo tudo o que é doce — e ela sempre faz

questão de guardar alguns pedaços para mim.

Deslizando o prato perto de mim, eu como. “Obrigada.”

Ela grunhe e meu sorriso fica maior.

Maggie aponta um dedo para mim. “Não. Não sorria para mim. Você não

se safou ainda.”

Eu mordo meu lábio para não sorrir e murmuro desculpe.

Ela corta um pedaço de sua própria torta. “Agora, é sobre esse convidado,

Sr. Grayson?”

Engulo a mordida que eu tinha na boca e Maggie levanta as sobrancelhas.

Limpando minha garganta, eu sussurro: “Talvez.”

“Eu lhe disse para ficar fora disso.”

“Ficar fora disso?” Pergunto em descrença. “Você me conhece mesmo?

Eu não posso ficar de fora disso. Eu não vou ficar de fora disso. Ele apalpou

Grace. Apalpou. Ele praticamente me apalpou.” Eu gesticulo para meus

seios. “E você não apalpa isso sem consequências.”

Grace é uma das garotas da equipe de limpeza. Ela é tímida e não gosta de

confronto. Então, quando a peguei chorando na sala dos funcionários,

forcei-a a contar sua história. Aparentemente, o Sr. Grayson vem

assediando-a, fazendo comentários indecentes e dando tapinhas em sua

bunda sempre que ela passa.

Filho da puta idiota.

Alguns dias atrás, quando senti um roçar no peito enquanto servia o café

da manhã na cama, pensei ter imaginado. Mas a história de Grace me fez

reavaliar as coisas.

Então eu agi. Alguém tinha que fazer alguma coisa.

Maggie me estuda astutamente e sinto minhas bochechas coradas.

“E essa é a única razão?” Ela pergunta.

“Sim.” Eu me mexo no meu lugar. “O que mais poderia ser?”

Encolhendo os ombros, ela dá uma mordida em sua torta. “Eu não sei.

Talvez tenha algo a ver com o fato de que você odeia esse trabalho.”

“Eu não odeio esse trabalho.”

“Mesmo?”

Eu deslizo a torta para longe. “Sim. Quer dizer, eu gosto de limpar o

vômito quando os convidados ficam loucos e encontrar preservativos

usados no chão? Não, eu não gosto. Eu gosto de tirar o pó das janelas ou

esfregar o chão até que eu possa ver meu rosto nos azulejos? Não. Mas é

um trabalho e você sabe que eu preciso disso. Eu preciso disso mais do que qualquer outra coisa no mundo agora.”

Maggie foi quem conseguiu esse trabalho para mim.

Na nossa cidade, se você não for para a faculdade, provavelmente virá

para cá. Você trabalha na equipe de limpeza ou na equipe de cozinheiros ou qualquer outra equipe que pareça adequada para trabalhar.

Meus pais eram uns dos poucos que tinham outros empregos. Meu pai

costumava pintar casas e minha mãe costumava ensinar as crianças às

vezes.

A faculdade nunca foi uma opção para mim; eu não gosto de livros e tudo mais. Nem trabalhar em Plêiades.

Eu queria viajar pelo mundo como minha mãe costumava dizer quando eu era pequena. Eu queria explorar e ver o que eu gostava. Ver onde minha

paixão estava. Eu queria me encontrar.

Piedade passa pelos olhos de Maggie e eu desvio o olhar. Caso contrário,

posso começar a chorar e é a última coisa que quero esta noite.

Esta noite foi sobre olho por olho. Sobre aventura, a adrenalina. Esta noite foi sobre se sentir viva.

“Sabe, você não precisa fazer isso. Este trabalho. Você poderia fazer as

malas agora mesmo e deixar esta cidade. Assim como você planejou.

Apenas entre no seu carro. O carro azul que você tanto ama.” Ela sorri.

“Faça uma viagem. Envie-me cartões-postais. Ninguém vai te culpar, S/n.”

Ok, primeiro de tudo: eu não posso simplesmente entrar no meu carro. Eu não posso.

Eu não vou.

Meu carro azul que eu costumava amar tanto, o carro que eu pintei com

meu pai, me assusta agora. Eu não posso tocar. Eu não vou tocar. Porque

toda vez que toco, não durmo por dias. Eu tenho pesadelos. Às vezes eu

vomito, fico tonta, claustrofóbica.

Mas eu não posso dizer isso a ela. Porque ela dirá a mesma coisa que vem dizendo desde o ano passado.

Você precisa ver alguém, S/n. Falar com alguém.

“Eu não posso”, eu sussurro, entrelaçando meus dedos. “Eu preciso deste

trabalho. Eu preciso recuperar minha casa.”

Minha antiga casa. A casa em que cresci.

O banco a tomou no ano passado por causa das dívidas do meu pai.

Depois de muita súplica, eles me deram uma segunda chance, junto com um

limite de tempo para conseguir o dinheiro. Eu só tenho mais quatro mesesvpara juntá-lo e preciso desse emprego para conseguir.

“Seus pais não queriam isso para você.”

“Bem, eles não estão aqui, estão?”

Eu estava tentando ser mal-humorada. Mas acho que soei mais... desamparada, como a órfã que sou.

Suspirando, Maggie se recosta. “Bem. Eu não posso te obrigar a nada.”

Meu peito parece pesado, mas ainda consigo dar um sorriso trêmulo.

“Mas,” Maggie diz, severamente. “Eu não quero você dentro da mansão

depois que seu turno acabar. Entendeu?”

Endireito minha espinha. “Sim.”

“Não importa o que aconteça. Não importa o quão tentador seja se vingar.

Você não é uma justiceira.”

“Você quer dizer como a Mulher Maravilha?” Eu sorrio.

“Não é engraçado.”

Eu balanço a cabeça seriamente. “Não é.”

Maggie acena em aprovação. “Você não vai colocar o pé dentro deste

lugar se não estiver trabalhando. Eu nem quero pensar sobre o que teria

acontecido se alguém tivesse te encontrado vagando por aí em vez de mim.

Portanto, sem mais excursões noturnas.”

“Entendi.”

Maggie me olha. Meu batom azul marinho, meu cabelo azul e meu traje

preto.

Estou acostumada com esse olhar das pessoas. No lado sul, ninguém se

importava. Mas aqui, do outro lado da cidade, as pessoas olham para mim

com julgamento. Meu cabelo azul, ondulado e despenteado é a primeira

indicação de que eu não sou sofisticada o suficiente. Meu batom azul marinho significa que eu não sei nada sobre moda.

Mas vindo de Maggie, meio que dói. Isso me deixa autoconsciente.

“Não é um segredo que você não segue as regras e Nora não gosta muito de você por isso.”

Nora é a Sra. Stewart, também conhecida como Sra. S e sim, ela me odeia.

“Para dizer o mínimo.”

“Sim. Você ainda pode pedir demissão e sair desta cidade, mas como você

não quer, tente não mostrar quanto não se importa com as regras dela. Tente não ser demitida.”

“Eu não estava tentando—”

“Poupe-me.”

Eu fico quieta e coloco uma mecha do meu cabelo atrás da orelha

enquanto Maggie continua: “Agora, esvazie seus bolsos e me dê o que você

tem aí.”

Olhando para ela por alguns segundos, decido entregar-lhe todos os meus bens. Pego o pacote de pó de mico e a chave e coloco na mesa.

Balançando a cabeça, Maggie se apodera deles. “S/n. S/n.” Ela

suspira. “O que eu vou fazer com você?”

“Me amar, talvez?”

Maggie ri. “Termine sua torta e vá para casa.”

Vinte minutos depois e muito olhar para trás para ver se ainda estou sendo seguida, estou no meu chalé.

Os chalés dos funcionários estão localizados um pouco mais longe da casa principal. Há cerca de cinco ou seis casas no total, dispostas em semicírculo com bosques por trás.

Eu moro no menor com minha melhor amiga, Tina. Somos melhores amigas desde que éramos crianças. Alguns garotos roubaram sua bicicleta rosa e eu bati neles para recuperá-la. Como eu, Tina está na equipe de limpeza. A faculdade não era para ela também, mas ao contrário de mim, ela sempre planejou vir trabalhar em

Plêiades. Meu quarto tem uma cama de solteiro, uma pequena cômoda e um armário ainda menor. As paredes são brancas, das quais eu não sou tão fã. Quando me mudei para cá, pensei em pintar de azul com os pincéis do

meu pai; guardei alguns de seus pincéis entre outras coisas da minha antiga casa. Mas então eu percebi, eu não queria pintá-la de azul.

Isto não é um lar.

O lado norte, Plêiades, não é um lar. Não é meu lugar seguro. Esse não é

meu povo.

Meu povo — pessoas que eu realmente posso chamar de meu — estãomortos.

Eles estão mortos há um ano e eu me pergunto quanto tempo leva para a

dor desaparecer e uma órfã não se sentir como uma.

Visto a camisola da minha mãe, feita de algodão e renda, e azul. Minha

mãe era uma grande fã da cor azul. Na verdade, ela tinha cabelos azuis

como eu.

Estou entrando sob as cobertas quando algo brilha na minha visão

periférica.

É uma estrela cadente.

Levanto na cama e agarro as barras na janela. Quando eu era pequena,

minha mãe e eu criamos o hábito de fazer um pedido a uma estrela cadente, se víssemos uma. Foi apenas uma das coisas que fizemos.

E como sempre, fecho meus olhos e faço um pedido.

Por favor, deixe-me ter minha casa de volta.

Quando eu abro minhas pálpebras, a estrela se foi como se ela nunca

estivesse lá. Estranhamente, isso me deixa triste.

Mas então, um segundo depois, eu não tenho tempo para ficar triste.

Tudo dentro de mim para bruscamente quando noto outra coisa na minha visão periférica.

Vem e vai tão rápido. Mais rápido do que uma estrela cadente, que eu

poderia ter imaginado.

Mas não. Eu vi.

Eu vi o lado de um ombro. Um lampejo de cotovelo. Uma longa e

musculosa coxa envolta em jeans escuros.

Alguém andando pelo caminho de terra na floresta.

A sensação de estar sendo observada que senti a noite toda volta com

força total. Na verdade, isso traz outras coisas.

Coisas que eu esqueci.

Meu coração dispara. O aperto no meu peito como se meus pulmões

estivessem com falta ar. E aquelas... borboletas no meu estômago, com asas afiadas como lâminas.

“Oh meu Deus”, eu sussurro.

Não é possível, certo? Ele não está aqui. Ele foi embora há três anos.

Quero dizer, eu conheço esse ombro. Estou familiarizada com esse

cotovelo e essa coxa. Eu os vi quase todos os dias desde que eu tinha dez

anos. Eu os vi crescer e ficar maior e mais forte com a idade.

Eu poderia distingui-los em um grupo, mesmo se eu estivesse sonâmbula.

Eu poderia identificá-los, embora eu não os veja, o veja, em três anos.

Em seguida, estou pulando da cama e corro para a porta da frente da casa.

Eu a abro e corro para fora com meus pés descalços.

O chão é quente e duro, mesmo através da grama que circunda o nosso jardim da frente. Mas eu não me importo com nada disso.

Eu me importo com o que vi.

Mas, novamente, não há ninguém até onde consigo ver. A noite é a

mesma que há meia hora quando voltei para o chalé.

Eu olho ao redor, para cima e para baixo, lado a lado.

Eu o imaginei?

Mas por que eu o imaginaria? Por que eu imaginaria o cara que odiei por

quase uma década?

É essa sensação que se tem quando você enlouquece?

Talvez a morte dos meus pais esteja me afetando de todas as formas

erradas.

Alguns segundos depois, volto para dentro, na minha cama, debaixo das

cobertas.

Fecho os olhos para ir dormir, mas tudo que posso ver é aquele ombro,

aquele cotovelo e ele.


Notas Finais


Olá, bom, essa é minha primeira fanfic, espero que gostem, vou tentar postar com frequência, alguns capítulos terão cenas inapropriadas com insinuação de sexo, avisarei quando tiver, para quem não gosta do conteúdo, caso algum erro me falem, como nome dos personargens, mas caso se aparecer, cleo é a s/n e zack é o aidan, por enquanto é só, aproveitem, beijos da sayu❤

Ah, vocês preferem capitulos mais curtos ou mais longos como esse?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...