História Bad Boy (Long Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jennie, Jeon Jungkook (Jungkook), Jinyoung, Jisoo, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lisa, Mark, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Rosé, Youngjae, Yugyeom
Tags Bambam, Bangtan Boys, Blackpink, Bts, Got7, Jackson, Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jisoo, Jungkook, Lisa, Mark, Rap Monster, Rose, Suga, Youngjae, Yugyeom
Visualizações 720
Palavras 2.240
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Isso não é hora, mas aki está.

Boa leitura. ♡

Capítulo 19 - Capítulo 18.


Como ele pôde fazer isso comigo? E todas as vezes em que ele disse que me amava? Que jamais iríamos nos separar por alguém? Era tudo uma mentira? Meu coração estava em quebrado em pequenos pedaços. Sentia que eu não podia falar com ninguém, porque todos os meus amigos eram amigos de Jungkook, em algum momento eu iria explodir com essa mistura de sentimentos dentro de mim. Ódio, tristeza, angústia, ansiedade, tudo estava misturado na minha cabeça e no meu coração. As palavras que Jeon dizia me acertaram como uma flexa certeira. Após alguns minutos em prantos, sentindo que nada daria certo, me recompus e saí porta afora. Tentei ao máximo não demonstrar minha tristeza enquanto eu caminhava pelos corredores lotado de adolescentes e professores do colégio. Infelizmente, eu não consegui mais, para me esconder, entrei na biblioteca que, ao meu ver, estava vazia. E foi ali, na sessão de livros de história que eu refiz a cena que aconteceu no meu quarto minuto atrás. Senti uma mão ser pousada no meu ombro, eu não queria olhar para cima mas, automaticamente minha cabeça foi elevada, e confesso que se eu não estivesse acabada, eu iria achar o garoto na minha frente muito atraente. Cabelos lisos, castanhos, alto, o garoto da mão pálida era uma verdadeira obra de arte. 

— O que uma garota bonita e diferente como você está fazendo chorando no canto de um corredor? - um largo sorriso foi formado nos seus lábios, e que sorriso aquele ser tinha. - 

— Não é nada. - disse enquanto secava as lágrimas com a lateral do meu dedo indicador. O maior com certeza não estava convencido disso. - 

— É óbvio que é alguma coisa. Vem! - estendeu sua mão para mim. - Não gosto de ver as pessoas tristes, principalmente as que eu sempre quis contato. - deu uma piscadela para mim. Eu sabia que não deveria, mas eu não estava me importando no momento. Segurei a mão do garoto e o mesmo me puxou devagar para que eu me levantasse. -

— Bom, que vergonha dessa apresentação que tivemos. - ri fraco. - Eu me chamo ____. 

— Eu sei quem você é, você foi bem comentada aqui. - deu de ombros. - Eu me chamo Im Jaebum. 

— JB? O Jimin sempre falava de você... mal, mas falava. - pelo o que eu havia entendido, aqui também tinha brigas de grupos. Algo como para disputar sobre quem era mais popular. - 

— Eu mesmo. Espero que você não se importe. - sorriu ladino. Eu realmente não me importava; me afastar de pessoas que tem algo relacionado a Jungkook no momento era a melhor coisa a se fazer. - 

— Não me importo. - dei de ombros e sorri. - 

— Seu sorriso é muito bonito, só para avisar, então, pare de chorar. - fez uma pausa um tanto estranha. - Bom, quer conhecer os "meus" meninos? Não somos o Bangtan, mas algo é algo. 

— Aceito. - ri fraco. Jaebum me tomou pela mão e assim saímos da biblioteca. - 

Eu tinha certeza que aquilo que eu estava fazendo era precipitado, mas eu estava completamente machucada, eu não estava me importando com o que achariam de mim ou o que falariam. Queria esquecer o que aconteceu, tudo de preferência. Mas como sabia que era impossível, eu queria ao menos esquecer a minha dor e mágoas. Jaebum me levou até o seu quarto, onde estavam cinco garotos. Uns mais altos que os outros, diferentes porém atraentes da sua maneira. Quando entramos, todos nos olharam fixamente; não sabia se aquilo era uma crítica ou não. 

— Que milagre você fez para que ela saísse das garras do Bangtan, Im Jaebum? - um garoto de mais ou menos a mesma estatura de JB perguntou, confesso que o comentário foi engraçado. Esse mesmo garoto tinha os lábios carnudos, pareciam duas almofadas. - 

— Deixa de ser idiota. - riu e empurrou o garoto. - ____, esse é o Bambam. Chamamos ele assim porque não queremos invocar o Satanás dizendo o nome dele verdadeiro. - deu de ombros. - 

— Depois eu que o sou idiota. - Bambam revirou os olhos. - 

— Aquele é o Mark, Youngjae, Jinyoung e o Yugyeom. - apontou para os quatro garotos de uma só vez. Todos acenaram para mim. - 

— O que fez você se "separar" dos Bangtan? - Youngjae questionou e se levantou. -

— Não posso contar... não agora. - disse em um trêmulo. -

— Espero que eles não tenham lhe feito mal. - Jaebum pôs sua mão na minha bochecha e acariciou aquela área. -

— Se comam! - Mark gritou e todos riram, inclusive eu. -

— Vamos fugir mais tarde para ir na casa de Jaebum beber, você quer ir? - o mais alto de todos os garotos, Yugyeom, perguntou. -

— Ahm... eu não sei. - recuei um passo. - 

— Ah, vamos, vai ser divertido. - Jaebum começou a fazer cócegas na região das minhas costelas para que eu aceitasse. -

— Tá, tá! - disse entre gargalhadas. -

— Ei, Jaebum, temos aula de literatura agora. É melhor comparecermos pra que eles não nos procurem antes. - Mark disse. - 

— Sim, vamos, ____. - novamente o maior me tomou pela mão. - 

Estávamos parecendo um esquadrão foda de filmes americanos andando pelos corredores. Todos nos olhavam e comentavam alguma coisa. Estava tudo bem para mim, as mágoas ainda existiam, mas eu conseguia escondê-las, mas tudo o que eu tentei para esconder foi em vão no momento em que vi Jungkook sentado no mesmo lugar de quando o vi pela primeira vez. O primeiro que escutei foi Jimin falando para Namjoom; "ali está ela." Nam veio até mim e desatou minha mão da de JB. 

— Não se meta com ela. - Namjoon elevou a voz para o garoto que estava ao meu lado. Eu não estava conseguindo pensar naquilo, porque toda vez que eu via Jungkook, eu percebia que ele estava se esforçando para não ter um ataque de ciúmes, mas se ele nunca gostou de mim, por quê estaria assim? -

— Para, Namjoon. Eu só estou tentando esquecer o que me fez mal - dei uma passada de olhos em Jeon. - Jaebum é meu amigo. 

— Ah, Jungkook, você me paga. - balbuciou para si mesmo e saiu, sentou-se sem nem olhar para Jungkook. -

E mais uma vez as aulas demoraram séculos para que acabassem. Mesmo Jaebum estando ao meu lado, toda vez que eu olhava para trás, o meu peito doía. Era impossível não rever toda aquela cena no quarto. Eu jurei para mim mesma que eu não me apaixonaria por alguém de novo e, tampouco me sentiria mal por esse alguém; mas como sempre, eu estou fazendo tudo ao contrário. Eu estou há dois metros e meio de distância de uma das pessoas que mais conseguiu me machucar, e eu não posso fazer nada a respeito além de esquecer. Mas algo me dizia que eu não era a única sentindo algo ruim no peito, algo me dizia que ele também estava, mas eu não sabia o porquê. 

[...]

Horas se passaram e eu já estava arrumada para me encontrar com os garotos e "fugir" do colégio. Tenho de admitir que uma adrenalina estava passando por todo o meu corpo; eu nunca fugi da escola, isso nunca foi necessário, então era algo novo para mim. Apostei em uma calça preta com rasgos grandes nos joelhos, regata preta, jaqueta jeans e um par de botas Timberland, até isso era parecido com ele. Prendi meu cabelo no alto e saí. Hoje não estava sendo o meu dia de sorte. Por que justamente quando eu saio, Jeon decide aparecer? Passei pelo maior sem ser a mínima, mas o mesmo puxou o meu braço com brutalidade. 

— Aonde está indo? - perguntou sério. -

— Não é da sua conta. - disse simplista. - 

— Por que estava de mãos dadas com Jaebum? - perguntou ainda com um tom sério. -

— Também não é da sua conta. - dei de ombros. - Me solta, Jeon. 

— Só quando você me responder. 

— Eu disse que não é da sua conta, nunca foi e nunca será. - tentei me soltar, mas foi em vão. -

— Eu não vou te soltar até você me dizer. 

— Jaebum me ajudou hoje mais cedo quando você quebrou meu coração em pedaços. Feliz? Agora me solta. - o moreno aparentou ficar um pouco desnorteado e me soltou. Sem dizer nada, saiu. Por que ele estava se importando? - 

Senti alguém me puxar para um corredor. Antes de ver quem era, pensei que podia ser Namjoon, mas não era, era BB. 

— Estamos te procurando há horas. - revirou os olhos. -

— Não seja exagerado. - ri. - 

— Tá, vamos. 

Andamos pelos corredores às pressas e cobrindo os rostos das câmeras. Quando finalmente saímos dos corredores e fomos para o pátio do lado de fora do colégio, os cinco já estavam nos esperando sentados na grama. Jaebum sorriu largo e veio até mim, segurando minha mão ao se aproximar. 

— O que foi isso? - questionou, vendo o vermelho no meu braço. - 

— Não foi nada. - escondi o braço atrás de mim. - 

— Foi Jeon, não foi? Aquilo filho de... - o interrompi. -

— Apenas deixe isso quieto. 

Não foi difícil para sair da área do colégio; havia um muro baixo, muito fácil de escalar, e ainda por cima, as câmeras não alcançavam aquela área. Yugyeom por ser o mais alto, me ajudou a subir sem esforços. Até que enfim todos saíram e já haviam dois carros pretos de fumê escuro nos esperando. Jaebum separou as pessoas para irem nos carros; quatro em um e três em outro. Em um dos carros ficaram Jaebum, Mark e eu; no outro, Youngjae, Bambam, Jinyoung e Yugyeom. Não demoramos muito para chegar na frente de uma mansão, achei um pouco exagerado, mas eu não posso falar nada, meus pais são do mesmo jeito. JB e Mark saíram do carro e JB abriu a porta para mim, como um cavalheiro. 

— Bem-vindos ao meu humilde lar. - Jaebum disse. - 

— Se todos os humildes fossem assim, algo não estaria certo. - Bambam disse e todos riram. - 

Os sete entramos na enorme mansão revestida completamente em vidro, e as bebidas já estavam todas sobre as mesas. Nos sentamos, menos Jaebum, que pegou um copo, e começou a misturar algumas coisas. Prestei bastante atenção nas coisas que usava; Curaçau Blue, tequila e uma garrafa de Keep Cooler. Bateu tudo e me ofereceu o copo. Sem hesitar, virei todo o líquido presente no copo, e merda, como era forte. 

— Vai com calma, mocinha. - Youngjae disse rindo. - 

— Estamos aqui para nos divertir, não é mesmo? - peguei a garrafa de vodka que estava aberta na minha frente e bebi no próprio gargalo. Por um momento, percebi que bebi muito dessa garrafa, já sentia minha cabeça embaralhar. - 

Mark desligou as luzes, deixando apenas as de LED iluminarem a sala, e pôs músicas eletrônicas no mais alto que as caixas de som pudessem. Quem escutasse por fora, iria jurar que estamos dando uma festa, mas são apenas sete pessoas bebendo e se divertindo. Comecei a dançar com os garotos, todos juntos. Antes eu me incomodava em ser a única garota dali, mas depois de tantos copos de vodka, parei de me importar. Eu já não estava dentro de mim. Jaebum me puxou para longe de onde os meninos estavam; agora estávamos em um dos milhares de corredores da sua casa, sozinhos. 

— Por que você estava chorando hoje mais cedo? 

— Jeon terminou o que tinha comigo. - comecei a rir sem razão. - Não foi um término normal, ele acabou com todo o sentimento de felicidade que eu tinha. - dei de ombros. -

— Vocês estavam namorando? - assenti. - Por que ninguém sabia? 

— Porque Jimin gostava de mim, não queríamos problemas. Mas agora ele me deixou com uma dor horrível no peito. - o efeito da bebida estava fazendo com que eu contasse tudo. - 

— Não liga pra ele, ele é um babaca e eu sempre soube disso. - sorriu. - 

— Você é tão bonito, Jaebum. - me aproximei mais ao garoto, cambaleei um pouco e quase caí, mas o maior me segurou nos seus braços. Puxei o garoto pela camisa e fiz com que os nosso lábios se encontrassem. Em um início, Jaebum não retribuiu, mas após processar o que estava acontecendo, o garoto me puxou para ainda mais perto dele, aumentando a velocidade do beijo, o garoto me segurou pela nuca, evitando qualquer tipo de afastamento. Eu não estava mais consciente dos meus atos, e querendo ou não, Jaebum beijava muito bem. Quem se importa? - 


I don't know if I'll be alright (Eu não sei se eu vou ficar bem)

I wanna leave it all behind (Eu quero deixar tudo para trás)

I've got nothing to lose (Eu não tenho nada a perder)

I've got nothing to lose, but you (Eu não tenho nada a perder, mas você)

I know that I can't undo, my self-destruction, the damage I've done (Eu sei que eu não posso desfazer, minha autodestruição, o dano que eu fiz)

I've got nothing to lose but you (Eu não tenho nada a perder, mas você)

Nothing to Lose but You - Three Days Grace


Notas Finais


só pra avisar que eu super recomendo todas as musiquenhas que eu ponho no meio do cap. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...