História Bad Girl - Capítulo 2


Escrita por:

Visualizações 140
Palavras 2.430
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ecchi, Ficção Adolescente, Fluffy, Harem, Hentai, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


eae povo? turu bom com vcs? espero que sim
cap quentinho saindo do forno, espero que gostem ^^

Capítulo 2 - Universo, Tu É Massa!


Lucy

Assim que eu saí do palco, notei um monte de gente me encarando, inclusive um garoto loiro de olhos profundamente azuis com umas marquinhas que eu achei super fofas nas bochechas. Sorri e pisquei pra ele, que me retribuiu com um maneio de cabeça e uma mordidinha no lábio. Sou puxada das minhas encaradas por um braço, que me arrastava até aonde meu pai estava. Olho pro grandão do meu lado emburrada e em seguida pro meu pai, que estava me encarando de cara feia.

- Que apresentação foi aquela? - se controlando

- Muito boa não acha! Ah cara, aqueles passos que eu criei foram massa - sorri alegre 

- "Massa"? Aquilo foi uma sem-vergonhisse sem tamanho Lucy Heartfilia! - reviro os olhos, sorrindo de lado presunçosamente - O que sua mãe iria falar se te visse dançando daquele jeito? - questionou mais pra si mesmo do que pra mim, que assim que citou minha progenitora, tirei o sorriso do rosto

- Até quando vai usar ela pra me atingir? - questionei, recebendo um olhar frio dele, que foi retribuído a altura - não devia usar ela toda vez que for me repreender, está se tornando repetitivo - suspirei, cruzando os braços 

- Tsc! Tanto faz. Aqui estão os seus horários e o número do seu armário. Procure por seu quarto. Espero que crie responsabilidade nesse tempo que estiver aqui - me entregou uns papéis e saiu andando, não se despedindo. 

E por que você ainda espera uma reação digna de um pai, justamente dele Lucy? 

Estava travando uma batalha interna, pensando se eu devia mostrar o dedo do meio pra ele ou simplesmente mandá-lo ir se fuder, como faço na maioria das vezes. Resolvi ignorar, pegando meu celular do meio das minhas tetas e tirando uma foto dos papéis, pra não ter que carregá-los pra cima e pra baixo no meu tour pelo colégio. Não me perguntem como ele não caiu enquanto eu mexia a minha jaca naquele palco, porque eu não sei. 

Amassei os papéis e saí andando, entrando em um corredor espaçoso, que tinha uma fileira enorme de armários. Encontrei o meu pouco tempo depois. Número 219. Criei uma senha que eu sabia que ia lembrar, já que ao contrário da maioria dos colégios, esses armários tem senha digital, e saí, ainda querendo conhecer cada canto desse lugar. Já passei pelas salas de aula, pelo ginásio e até mesmo pelo clube de natação, mas nada dos dormitórios. Acho que devem estar do outro lado do pátio, naquele edifício menor. Nossa Lucy, como é que tu não pensou num negócio desses antes? 

Os corredores estavam praticamente vazios, o que apenas complicou a minha jornada para a minha futura e deliciosa cama, que eu a desejei depois de ter andado por mais ou menos uma hora. Mas eu sou bem exagerada, então deve ter passado apenas uns vinte minutos. Quando eu virei a esquerda em um corredor, trombei com tudo em alguém. Por causa dos meus reflexos não caí, mas já a pessoa...

- Ai Deus! Me desculpa - me agachei, tendo o vislumbre de uma cascata vermelha, ajudando a catar os livros e documentos que haviam caído por causa do encontrão

- Que isso. Está tudo bem - me senti arrepiar com o seu timbre grave e mesmo assim doce. Levantei minha cabeça pra poder vê-la melhor, e senti meu coração falhar uma batida com a linda visão que eu tive. Céus! Que anjo! Eu acho que eu fiquei encarando ela por tanto tempo, que a mesma acabou ficando envergonhada, fazendo sua lindas bochechas rosadas ficarem vermelhinhas. Ai que tiro! - você é nova aqui, certo? Nunca te vi antes - se levantou, colocando uma mecha de seu lindo cabelo atrás da orelha. Me levantei, passando a mão na boca, me certificando de que minha baba não estava escorrendo. Porque sim, eu estou babando por essa garota! 

- Eu...- suspirei, chamando sua atenção. Que boca é essa Deus?! Vermelhinha e cheinha. Senti minha boca salivar, me fazendo perder a linha de raciocínio por alguns segundos - e-eu, cheguei hoje. Meio que acabei de sair de uma audição - sorri, um pouco tímida por ter gaguejado

- Então está aqui pelo curso de músicos e musicistas? Nossa, que pena eu não ter visto, adoraria vê-la cantar - arregalou os olhos, ficando corada novamente - e-esquece o que eu disse - soltou uma risadinha sem graça

- Por que? Eu adoraria poder cantar pra você - sorri, a achando muito fofa - e você? Está aqui por quê? - coçou a bochecha, olhando pro lado 

- Pelo curso para dançarinos - falou baixinho, mas graças a minha boa audição, consegui ouvir

- Então você dança? Uau, adoraria vê-la dançar - sorriu, vergonhosa - sabe, eu também danço, então meio que estou aqui pelos dois cursos 

- Que legal, pretende se tornar uma idol? - parecendo bastante interessada

- Não pensei muito sobre isso. Acho que só quero poder dançar e cantar o que eu quiser, sem julgamentos - assentiu 

- Bom, eu tenho que ir, espero que a gente se esbarre novamente por aí - e selou minha bochecha, por um tempo razoavelmente longo pra se despedir de alguém. Eu mal pude respondê-la, já que a mesma saiu correndo logo depois

- Eu também - murmurei baixinho, ainda sentindo a textura de seus lábios em minha pele 

- Nem pense nisso - levei um susto, com a voz grave e rouca, que me chamou a atenção. Com a mão sobre o coração e com a respiração quase falha, me virei pra poder ver a criatura que cometeu um crime desses, me deparando com um cara de cabelos rosas. O analisei, me sentindo meio tonta. Que que há com esse lugar que só tem gente de tirar o fôlego pai?! HEIN?! Mesmo estando vestido, era nítido que passava horas e horas treinando. Seu porte físico não mentia. Seu rosto era belo e sua pele parecia macia, mesmo com a barba rala se formando em seu queixo e maxilar. Não consegui distinguir muito bem a cor do seus olhos, a nomeando como ver-escuro-ônix, e sua boca mesmo fina, era cheinha, me causando um reboliço dos grandes no meu baixo ventre. Ele se aproximou, me deixando entorpecida com o cheiro do seu perfume. Bonito, estiloso e ainda por cima cheiroso? Cara...Papai do Céu, facilita as coisas pra mim, por favor, sério, tô te implorando, quase me ajoelhando aqui, nesse chão super bem polido!- ela namora - não desviei meu olhar do seu, mesmo tendo ficado um pouco pra baixo com essa notícia. Poxa, só porque eu ia pedir o número dela? O Universo deve estar rindo da minha cara agora.

- Que pena - respondi simplesmente - mas você precisava mesmo, ter ficado escondido atrás dos armários, vendo e ouvindo meus flertes e ainda por cima me dar um susto? Te juro cara, que eu tava prestes a meter uma voadora na tua cara - sorriu de lado, arqueando uma sobrancelha e se aproximando mais de mim 

- E não vai mais por quê? - alargou o sorriso quando me viu estremecer. Pô, o cara falou tão baixo e tão perto, que foi quase impossível não me arrepiar

- Porque meu papai e minha mamãe me ensinaram que não se deve arrumar confusão no primeiro dia de aula - empurrei seu peitoral com força, o fazendo se afastar minimamente de mim. Soltou uma risadinha 

- Só no primeiro dia de aula? - semicerrei os olhos

- A partir do segundo já pode dar uma surra em qualquer um - sorri presunçosa - se prepare pra levar uma voadora na cara amanhã - e passei por ele, pronta pra passar não sei mais quantos minutos procurando pelos benditos dormitórios - por que está me seguindo? Posso te acusar como um assediador e um stalker sabia? - virei meu rosto pra olhá-lo 

- Mas eu não assediei ninguém - respondeu despreocupado - estou apenas ajudando uma colega claramente perdida - abri a boca indignada, pronta pra falar alguma merda, mas ele me interrompe - eu vi você passeando pelos corredores, de início achei que ia aprontar alguma, mas depois que não te reconheci presumi que era uma novata - emburrei 

- Por que achou que eu ia aprontar alguma? - questionei meio baixo, desacelerando meus passos e o encarando 

- Digamos que você tem cara de anjinho, mas suas atitudes em cima do palco e o seu olhar mostram que você é justamente o oposto - abri a boca, chocada - e também porque qualquer coisa eu te chantagearia, quando precisasse de alguma ajuda sua - confessou, nenhum pouco arrependido 

- Como consegue, ser tão cara de pau, a ponto de tá me confessando isso e não ter um pingo de arrependimento nessa tua cara? - deu de ombros 

- Acho que, minha consciência limpa ajuda, já que eu não flagrei ninguém fazendo alguma coisa ilegal ou delinquente - me encarando. Bufei - o que estava procurando loira? Posso ser um ótimo guia 

- Os dormitórios - soltei, cansada. Me olhou incrédulo - que é?

- Olha, eu já tinha ouvido que as loiras eram burras, mas não achei que era verdade. Os dormitórios, ficam no final de todos esses corredores, já que o diretor quis facilitar a nossa vida, construindo as pontes, que interligam o prédio principal com a campus. Se você tivesse olhado ao seu redor - gesticulou - teria achado eles sozinha 

- Ata, obrigado. Mas, peraí, tu me chamou de burra? - fechei meus punhos, me aproximando dele - tá querendo morrer Pink Pie? - franziu o cenho, também se aproximando de mim 

- Do que você me chamou, loira burra? - o sorrisinho que brincava em seus lábios estava me irritando profundamente 

- Ah, pelo visto tintura de cabelo realmente prejudica o cérebro das pessoas. Não devia mais pintar teu cabelo Pink Pie, tá ficando até surdo - debochei, fingindo preocupação 

- Meu cabelo não é tingido - exclamou entredentes - é puramente natural 

- Claro claro. Vou fingir que acredito enquanto tu finge que diz a verdade - olhei para as minhas unhas, desdenhando de sua resposta 

- Escuta aqui loira, devia utilizar mais o respeito e a educação com as pessoas, pois você pode se dar muito mal - sussurrou, extremamente perto dos meus ouvidos, me fazendo ofegar com a aproximação repentina. Quando me virei pra olhá-lo, o mesmo agarrou meus braços com força e me prensou com tudo em um dos armários, me deixando presa e totalmente rendida. O encarei petrificada. O cara, que eu não sabia nem o nome, esbanjava uma aura amedrontadora e intimidante. Eu me senti diminuída com tal ação repentina e mais ainda com seus olhos me repreendendo severamente, o que eu estranhei, já que foi ele que começou com a troca de farpas, eu apenas segui o baile - peça desculpas - abri a boca incrédula, com a forma autoritária que o mesmo usou 

- Eu? Pedir desculpas? - ainda me encarava, com os lábios crispados e as veias do pescoço saltadas - Escuta aqui cara, eu nem sei teu nome, e eu não estou interessada em saber, mas é o seguinte, eu não te devo desculpas, porque não fui eu que comecei essa ceninha ridícula aqui, no meio do corredor. Quem me deve desculpas é você - sua feição era de surpresa, mas a minha que ficou confusa quando do nada a peste começa a rir - d-do que tá rindo idiota? - meio envergonhada, e ainda sem conseguir me soltar 

- Você. Mesmo estando com medo, me enfrentou. Você até que é bem interessante loira - me soltou, me fazendo suspirar aliviada - venha, vou te mostrar os dormitórios femininos - pegou em minha mão e saiu me puxando - aliás meu nome é Natsu Dragneel, prazer em te conhecer - sorriu, fofo. Mudança de humor drástica me deixa com medo. Esse cara deve ser bipolar.

- Eu não falei, que não estava interessada em saber teu nome? - me ignorou, ainda sorrindo. Suspirei - meu nome é Lucy Heartfilia, desprazer em conhecê-lo - riu gostosamente, me fazendo sorrir involuntariamente 

- Acho que a gente vai se dar bem Luce - entrelaçou nossos dedos, me fazendo encarar nossas mãos unidas

- É Lucy, com Y, e eu não acho - apertando um pouco a mão dele

- Pois eu acho - olhou em meus olhos, sorrindo sapeca - Lu-ce - bufei, contrariada. Resolvi relaxar, e não implicar com a pronúncia errada propositalmente de meu nome em sua boca. Após termos passado pelas tais pontes, que me remetiam muito à aqueles tubos de hamsters, saímos em um corredor extenso, cheio de portas coloridas - esta é a ala feminina. É apenas um corredor pra cada, o masculino também é assim, e ele fica no andar de cima - explicou. Faz sentido, porque aquele corredor com certeza poderia ser considerado infinito - como pode ver, tem uma plaquinha ao lado de cada porta. Procure o seu nome e vai achar o seu quarto - assenti, beijando sua bochecha e caminhando, lendo os nomes nas plaquinhas. Pelo visto eu teria uma colega de quarto, já que todas as plaquinhas continham dois nomes - A GENTE SE VÊ MAIS TARDE, NO JANTAR - acenei, ocupada demais procurando meu quarto. 

Depois de passar umas trezentas portas, e dessa vez eu não estou exagerando, finalmente achei meu nome, junto de uma tal Erza Scarlet. Lembrei automaticamente da ruiva de mais cedo. Universo, por favor colabore comigo. Bati na porta e entrei, tendo o vislumbre de cores como vermelho, dourado e preto. O quarto era espaçoso, com suas camas King Size nos cantos opostos, encostadas nas paredes, com criados-mudos ao lado, ambos com um abajur em cima. Tinha mais duas portas no quarto, uma ao lado da porta e outra em um canto mais afastado. Presumi que devia ser o closet e o banheiro. Fechei a porta do quarto na mesma hora que a porta do banheiro abriu. Juro, que se aqueles negócio que acontece em anime, quando o cara vê uma menina muito gostosa e de repente o nariz dele começa a sangrar, fosse real, eu estaria morrendo afogada em meu próprio sangue. 

A ruiva do corredor, estava apenas com uma toalha em volta do corpo, com os cabelos pingando água. Assim que me viu, seu rosto atingiu tons de vermelho que eu nem sabia que existiam, me fazendo corar também, mas mais por desejo do que por vergonha.

Valeu Universo! Tu é massa!
 

 


Notas Finais


eae, oq achara,? comentem pra deixar a ttia feliz ^^

kissus ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...