1. Spirit Fanfics >
  2. Bad Girl (Kim Seokjin) >
  3. Jeon Jungkook

História Bad Girl (Kim Seokjin) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olha eu aparecendo aqui de novo Ksksksk

Atenção! Capítulo importante pra história!

💜
B
O
A

L
E
I
T
U
R
A
💜

Capítulo 6 - Jeon Jungkook


Fanfic / Fanfiction Bad Girl (Kim Seokjin) - Capítulo 6 - Jeon Jungkook



Ouço gritos femininos extremamente familiares, até que eu finalmente os reconheço como os gritos apavorados de minha doce mãe. Me vejo em minha cama de solteira infantil e ouço barulhos de briga no andar de baixo, repito em minha cabeça que isto é apenas um pesadelo como todos os outros, todavia nada ia embora, os gritos só ficavam mais ensurdecedores e os barulhos mais altos! Com o máximo de silêncio que consigo, eu movo meus minúsculos pés até o quarto de Jungkook, todavia não o encontro, lembrando que ele estava na casa de Tyler, seu melhor amiguinho.

Quando tudo fica em completo silêncio resolvo ir até o andar onde nossa sala ficava, então com as minhas pernas de estatura comum a uma criança de dez anos, tremendo, eu desço as escadas com cuidado e vejo aquela cena horrível novamente! Meus pais, completamente ensanguentados e gelados enquanto nossos móveis se foram pela porta arrombada ao lado esquerdo de minha mãe agora gélida.

Ao rever os corpos de meus pais, eu acordo completamente apavorada e suada, quase caio da cama com brusquidão, mas fui impedida por braços fortes ao meu redor, que acabam me assustando mais, então eu me debato com força em seus braços até finalmente reconhecer o homem ao qual eu me deitei noite passada.

Ao reconhecer Seokjin eu me derramo em lágrimas, sendo acolhida por seus ombros largos e braços bem torneados em um abraço reconfortante e preocupado. Choro como se eu realmente estivesse revivendo o pior dia da minha vida e desabo nos braços de um estranho que jamais deveria me ver soltar uma única lágrima sequer!

Ao ter minha consciência de volta, eu me lembro do mico que estou passando e simplesmente levanto com rapidez, secando minhas lágrimas enquanto arrumo a camisa do mais alto em meu corpo esguio.


— Quer conversar? — Seu questionamento carrega preocupação e até mesmo um pouco de pena, sentimento ao qual eu detesto, mas relevo pelo estado deplorável ao qual ele me viu.

— Não! Eu vou preparar um café da manhã na sua cozinha, vou comer e depois irei embora, a menos que queira me impedir, e se quiser deve fazer isto agora! — Minha máscara de mulher de ferro é recolocada com velocidade e exclamo cada uma de minhas palavras com firmeza, olhando em seus olhos levemente inchados pelo recente sono.

— Eu jamais lhe impediria de algo assim, mas pode deixar que eu preparo seu café! — Ao terminar sua frase, o moreno começa a andar em direção a porta, então levemente desesperada eu corro em sua direção e o impeço de passar pela mesma, que lhe levaria a saída.

— Eu quero cozinhar! Farei para você também, mas se quiser, pode optar por preparar por conta própria o seu! — Se eu estava desesperada? Muito! Eu geralmente detesto cozinhar, mas sempre que fico triste ou preocupada, é meu único meio de alívio, então sempre acabo cozinhando toneladas de comida, que eu doo para um centro de caridade que alimenta desabrigados.

— Tudo bem, desculpe! Pode fazer nossos cafés da manhã! — Meu desespero com certeza está estampado em meu rosto, pois sem perguntar nada ele apenas me dá total liberdade sobre sua casa e anda em direção ao banheiro para provavelmente fazer suas higienes matinais.


Meio tímida eu ainda o paro e questiono se posso usar o banheiro primeiro, recebendo seu assentimento sincero e sua permissão para tomar um banho que podeira demorar quanto tempo eu desejasse.

Aproveito sua permissão e realmente tomo um banho em seu chuveiro, um banho quente que não me dá um único alívio muscular. Eu realmente não deveria ter dormido aqui!

Como minhas roupas ficaram encharcadas de suor, eu precisei trocá-las por outras roupas do moreno, então eu recolho uma calça moletom cor de salmão, uma cueca vermelha estilo boxer e um moletom superior também da cor salmão, porém a calça não me serve, então opto por ficar apenas com a cueca e o moletom superior.


[...]


Ao chegar na cozinha extravagantemente espaçosa eu começo a olhar todos os armários para ver quais ingredientes ele possui, vendo que seu estoque está cheio e que ele possui utensílios incríveis, fico imaginando se isso tem a ver com sua profissão ou hobbie.

Quando começo a cozinhar, eu nem sequer me lembro mais o que eu estava preparando, tudo saí de forma automática até que eu me dê conta de que já não há mais espaço em nenhum local do balcão americano e da mesa de vidro, pois todos os espaços nestes móveis já estão ocupados com outros alimentos feitos por mim.

Acabo tomando um susto ao ser tirada de meu transe incrédulo, quando noto que o moreno observava todos os meus passos enquanto estava sentado em uma das cadeiras ao redor da mesa.


— Sabe que só nós dois iremos comer, certo? — Eu até riria de seu questionamento e de toda esta situação se eu estivesse menos tensa, mas infelizmente ainda não estou.

— Faça o que desejar com a comida extra e assim que eu encontrar minha bolsa eu lhe dou o dinheiro dos ingredientes gastos. — Respondo com indiferença enquanto procuro algo para fazer, já que a louça já está lavada e os pratos e vasilhas ainda não foram esvaziados.

— Não precisa, apenas sente e coma. — Responde sinceramente apontando para o local à sua frente, na mesa.


Sem muitas opções eu me rendo e sento-me antes de começar a comer um pouco de arroz japonês com yakizakana, me perguntando quando eu havia feito estes complementos nutricionais.

Minha culinária preferida sem dúvida é a japonesa, apesar de gostar dos tradicionais pratos gordurosos americanos e de morar na Coreia do Sul, local com uma culinária bem diferente!

Calada eu apenas como enquanto recebo um olhar totalmente intenso do moreno a minha frente que nem sequer comeu algo ainda.


— Não está envenenado. — Afirmo dando de ombros tentando amenizar o clima estranho que pairava no ar úmido de hoje.

— Ham? — Como se tivesse acabado de acordar de um transe, o moreno me encara confuso — Ah, desculpa! Eu não estava refletindo sobre isso. — Afirma com calma após acordar por completo, e logo começa a comer algumas panquecas com calda de morango caseira. Quantos tempo eu levei para preparar tudo isto? E por que eu preparei coisas tão distintas? Tais questionamentos provavelmente não terão respostas, assim como nunca têm quando eu cozinho para esvaziar minha mente.


— Qual a sua profissão? — Droga _______, por que está fazendo perguntas pessoais para uma foda?

— Sou dono e chefe de um restaurante aqui no centro de Seul. — Se eu fiquei surpresa? Um pouco! Mas, acredito que fiquei bem mais preocupada com o fato de que ele pode estar avaliando minha comida neste exato momento, sem levar em consideração que eu não cozinho a meses — E você? — Sua feição preocupada ainda é perceptível, eu apenas não entendo o motivo já que mal nos conhecemos. Será empatia?

— Sou veterinária. — Digo antes de enfiar mais um pouco do frango grelhado em minha boca.

— Eu queria ser um, mas não tenho estômago para ver animais sofrendo! — Sua afirmação é seguida de sua risada espalhafatosa e estabanada, me arrancando um leve riso. Realmente não é uma profissão fácil! — Desculpa tocar neste assunto, mas… Sua insônia é gerada por pesadelos do passado? — Seu questionamento certeiro sobre o tempo verbal do meu sonho me deixa levemente intrigada até que ele explique com sua próxima frase — Você mal havia fechado seus olhos quando começou a gritar pela sua mãe e pai, pedindo para que nada “daquilo” se repetisse.

— Este é um assunto que eu não gosto de tocar, mas... sim! Minha insônia é gerada por causa de pesadelos frequentes gerados por memórias, que não me permitem dormir. — Me levanto logo após minha explicação breve e começo a procurar minhas coisas pela casa toda.

— Posso te levar em casa? — Seu pedido não possuía nenhuma segunda intenção e mesmo que eu soubesse que não era seguro lhe deixar saber meu endereço, eu estava emocionalmente e fisicamente cansada demais para ir até o meu apartamento em meio a vários estranhos e é por isto que eu aceito com um simples aceno de cabeça.


Eu também não poderia ir para casa vestindo apenas uma cueca e um moletom, não é?


Após recolher todas as minhas coisas, incluindo a minha roupa suja, alguns acessórios e meu celular que encontrei em cima da escrivaninha vermelha ao lado direito da cama se olhada de forma frontal, sou guiada ao seu estacionamento, local onde seu Kia Sorento branco se encontrava estacionado.

Esse carro é simplesmente incrível! E ainda é do modelo mais atual! Se fiquei com inveja? Não! Apesar de amar carros e possuir dinheiro suficiente para comprar um desse nível, eu prefiro a minha Indian Scout preciosa!


[...]


Após chegar ao meu prédio, me despeço de Seokjin sem lhe dar chances para me acompanhar até minha porta, e entro no apartamento com a maior velocidade que já utilizei em toda a minha vida para algo, porém eu mal tenho tempo de me jogar no sofá em posição fetal, pois minha campainha soa, fazendo eu me lembrar que preciso reclamar com o síndico o fato de que o porteiro nunca avisa pelo interfone quando eu possuo uma visita, apenas os deixa vir tranquilamente e sem pronunciamento.

Checando meu rosto no espelho, eu vejo que minha aparência chorosa não é tão evidente quanto a sonolenta, então apenas jogo uma água gelada no rosto para me despertar melhor e me enxugo antes de me direcionar até a porta.

Conferindo pelo famoso olho mágico, quem se encontrava ao lado de fora, eu não sei se arregalo meus olhos ou se choro de extrema felicidade!

Abro a porta de supetão e me jogo nos braços do moreno mais novo, sendo acolhida de prontidão, porém por conta do susto e das malas em seus pés, ambos acabamos caindo no chão gélido, todavia limpo do edifício.


— Não sabia que sentia tanto a minha falta, noona. — Seu tom é brincalhão, mas consigo perceber umas falhas sonoras que indicam que em breve o meu pequeno chorão irá se afundar no líquido salgado dos próprios olhos.

— Cala a boca, pirralho! — Exclamo já derramando lágrimas que eu havia prendido hoje mais cedo com todo meu esforço.


Meio atrapalhados, nós levantamos do chão e entramos no apartamento junto às suas malas.


— Por que não me informou que viria hoje? Eu poderia ter te buscado no aeroporto! — O bico em meus lábios era visível e ele era um homem de sorte por poder ver este gesto infantil feito por mim.

— Eu queria fazer uma surpresa! — Exclama com seu típico sorriso semelhante ao de um coelho fofo e algumas lágrimas nos olhos, me fazendo rir — E do jeito que está vestida eu dúvido que realmente poderia ir me buscar! — Sua última frase me faz lembrar de minutos e até mesmo horas atrás, arrancando-me um sorrisinho bobo.

— Eu poderia estar transando com o Dean Winchester, que mesmo assim, eu pararia tudo para buscar o meu irmãozinho. — Sim, este foi o melhor exemplo já que sou completamente apaixonada por este personagem característico da série “Supernatural”, série a qual eu sou completamente apaixonada.

— Me sinto honrado, madame. — Fico tão feliz por saber que sua personalidade não mudou nenhum pouco, mesmo com o convívio que ele teve com os crápulas dos nossos antigos responsáveis!

— Por que decidiu sair da casa dos tios? — Não pude deixar de expor minha dúvida já que Jungkook sempre foi medroso demais para dar um único passo que não fosse ordenado ou bem planejado, apesar de seu lado levemente rebelde.

— Eu não aguentava mais ouvi-los falando “certas coisas” sobre você, noona! — Mesmo disfarçando, eu sabia exatamente o que Jungkook queria dizer!


Meus tios sempre disseram que eu era uma péssima filha e que meus pais detestariam saber o que sua preciosa filha se tornou! Entretanto, eu discordo completamente! Sei que meus pais estariam orgulhosos por ver que me tornei uma mulher independente e extremamente capacitada!


— Não deveria tomar esta decisão apenas por conta disto, mas se tomou, fico feliz em te ajudar a descobrir se deseja permanecer em seu país natal e em que área acadêmica gostaria de estudar em uma faculdade. — Tudo que digo vem de uma irmã responsável, mas eu sei que quando o sol se pôr, eu o levarei para todos os lugares profanados desta cidade e de outras também, apenas para que ele possa se divertir mais enquanto vive!

— Pensei que me levaria a baladas… — Seu tom sugestivo me diverte! Meu irmão sabe bem quem eu sou e eu realmente gosto disso!

— Também está nos meus planos! Inclusive eu vou te levar para conhecer minha casa em Busan. Local conhecido também como: Cidade das boates! — Talvez meu tom tenha saído um pouco mais alegre do que deveria, mas isso não importa.

— Você tem outra casa? — Seu tom surpreso me diverte! Será que ele acreditava em nossos tios quando eles insinuavam que eu era uma mendiga ou vagabunda farrapada? Acho que não, mas ele não faz ideia da mulher bem sucedida que eu sou! Disso tenho certeza!

— Sou uma veterinária bem sucedida, moleque abusado! — Meu falso tom de repreensão, serve apenas para arrancar risadas de ambas as partes — Vai tomar um banho e descansar da viagem, que eu tenho que te levar para conhecer muitas pessoas e lugares! — Apesar da animação e da leve impaciência que eu me encontro, eu poderia esperar um ano, pois estou extremamente feliz pela minha família estar ao meu lado novamente.

— Espero que me apresente a muitas amigas, noona! — Como dizer que não é meu irmão?

— Aish, anda logo, _______ Jeon Jungkook! — Uso seu nome completo em forma de irritação, pois ambos sabemos que nosso sobrenome não combina com seu nome e sobrenome coreano!

— Se me chamar assim de novo, eu vou embora! — Eu sabia que ele ficaria irritado, mas é impossível não querer irritar alguém que fica extremamente fofo e emburrado quando sente tal sentimento!

— Tudo bem, mas vai logo tomar banho! — Ordeno andando em direção ao meu quarto para trocar de roupa e decidir se arrumo o guarda roupa do quarto de hóspedes para ele ou se deixo que ele mesmo o faça quando sair do banheiro.


Será que ele e a Lisa se darão bem? Aliás, eu ainda não chequei as mensagens do meu celular, não é? Será que ela me respondeu?




Notas Finais


Eita que essa personagem sofreu em...
Eu revelando a história dela aos poucos 😚 kskskksks

Curiosos pelo passado do Jin?

Entenderam um pouco do passado dela?

Jk apareceu...

Muitas coisas neste capítulo...

E aí? Teorias? Reações? Alguma coisa?


Desculpe qualquer erro!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...