História Bad Girlfriend (Imagine Yoongi - BTS) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Namjoon (RM), Min Yoongi (Suga)
Tags Badgirlfriend, Bts, Girlpower, Menina Má, Min Yoon, Motos, Sad, Samipvg, Seul, Suga, Yoongi
Visualizações 2.347
Palavras 2.418
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


HEHEHEHE vamos concluir nossa 2shot? acredito que o capítulo não tenha ficado tão extenso pelo simples fato de eu não querer extende-lo de mais. Eu espero que gostem e é tão difirente não dizer "se divirtam" como virou costume nas outras histórias kkkkkkk
Me perdoem por qualquer erro, ainda vou corrigir ♡

Boa leitura ♡

Capítulo 2 - Amor irracional, incontrolável


Fanfic / Fanfiction Bad Girlfriend (Imagine Yoongi - BTS) - Capítulo 2 - Amor irracional, incontrolável

Sua língua deslizou desde minha bochecha até meus ombros. Meu corpo se arrepiava por inteiro, denunciando o que eu não colocava em palavras. Meus olhos se mantinham fechados no momento, apenas para apreciar mais a fundo todas as sensações que ele me proporcionava. Era maravilhoso, sensacional. O seu vai e vem cada vez mais rápido me deixava tão entregue a si, meu corpo simplesmente se entregava. 

— A-Ah... m-mais... — Pedi, sentindo meu corpo responder em um esparmo forte, tão intenso que contrações ainda percistiam. — V-Você... me d-deixa tão fora de mim... a-aish! — A frase simplesmente saiu, não deixando a mim o trabalho de segurá-la na garganta, escondida de qualquer olofote. Eu não enxergava Yoongi, apenas captava seus sons de prazer e o contato dos nossos corpos. Meus olhos estavam fechados, inebriados em uma onda de torpor que eu não era capaz de controlar. Na verdade, eu não era capaz de controlar nada com relação a ele.

— Deixo, é? — Sua boca passou rente a minha, deixando na mesma uma mordida nada fraca. Sua língua arrastava-se por minha pele me molhando e marcando-me ainda mais. De todas as tatuagens estampadas em minha pele, as melhores eram as que ele fazia com sua boca.— Repete...

— Aish... a-abaixe essa bola que ainda sou eu no comando... a-ah! Eu! — Lambi os lábios, sentindo a marca dos seus dentinhos ainda na área. Ele tombou sua cabeça para o lado, franzindo o cenho enquanto diminuía as investidas. Suor pingava de sua testa, grudando os seus fios claros. 

— Eu acho que não... — Sorriu de lado, rebolando enquanto passava a meter fundo na minha buceta que piscava e o abrigava com vontade. 

— A-Awn... Y-Yoon... 

— Me fale o que você quer? Vamos, quer que eu deixe uns tapas nessa sua carinha safada? 

— V-Você não tentaria isso. — Sussurei, sentindo sua mão apertar minhas bochechas e me erguer, deixando-me rente ao seu rosto.

— Não duvide de mim. — Ditou firme, mas não firme o suficientemente para me deixar tão submissa e obediente assim.

— Eu duvido. — Sorri, mostrando todo o meu escárnio e deboche. — Eu estou duvidando de você agora, vai fazer o quê? Uh? 

— Aish... — pronunciou baixo, me encarando enquanto retirava-se até a metade para logo após voltar enterrando-se com tudo, furioso. Gemi alto, não conseguindo controlar o volume da minha voz. — Sua buceta é tão molhada, tão apertadinha... hm... E-Eu quero ver você se desmanchando toda, gozando bastante no meu pau. Oh! Eu sinto você piscando cada vez mais forte...

Arh... A-AA-Ah... ugh!

Shiu, sem escândalos. Agora vem aqui me dar uma chupada.— Retirou seu pau da minha entrada já o envolvendo em uma punheta lenta. O loiro me puxou pelos cabelos sem a menor delicadeza, fazendo com que eu levantasse e ficasse rente a ele. Olhei para cima, visualizando seu semblante sério e entorpecido em prazer. — Tá esperando o quê? Chupa esse caralho.

—Eu vou fazer apenas porque eu quero, não porque está pedindo. — Levei a língua para fora, esfregando-a em sua glande.

Yoongi apenas riu, abusando do meu estado de necessidade enquanto batia o seu mastro bem ereto no meu rosto. 

— Você não está no controle agora... — Sussurrou. — Eu sei ser bem pior que você, fica ligada.

— Vou te deixar experimentar como é ter o controle de tudo. — Sussurei de volta, abrigando toda a sua cabecinha evidenciada na minha cavidade. — Hm... esse seu caralho é tão gostoso de mamar.

É o que todas dizem... — Sua frase me fez estagnar. Levantei o olhar séria e minha mão para deixar um soco no primeiro lugar que conseguisse atingir, mas ele me imobilizou. Sua risadinha fez meu sangue ferver em ódio. 

Passou pela minha cabeça até mesmo sumir dali. Ele era meu! Eu não admitia traições, porque quando alguém diz amar a necessidade está na pessoa ao seu lado, não nas outras. É algo simples de se entender, mas dificil de acontecer. — É brincadeira cara, até parece. — Falou, passando uma das mãos nos seus fios bagunçados enquanto a outra segurava minhas mãos para trás. — Eu te amo porra. 

— Seu idiota. 

— Ficou com ciuminho, né? Ora, ora, ora... pra você sentir o gostinho do que eu passo.

— Eu não traio você. — Respondi, cuspindo no seu pau e deixando a baba escorrer até chegar em suas bolas. Ele gemeu.

— B-Beijar mulheres também conta, sabia? Oh! Caralho, chupa aí... a-ah! 

— Selinho não é nada. E trair pra mim é sentir desejo por alguém que não é você. — Respirei fundo, segurando seu pau enquanto decia e subia minha mão por sua extensão. Ignorei o seu pedido, rindo a ouvir os xingamentos que me eram dirigidos. — E isso nunca aconteceu... 

— Oh! Pare de enrolar! — O jogo virou, sempre vira. — Mete essa boca nele todinho, vai. 

E com vontade eu relaxei a garganta, fazendo o que ele tanto clamava: colocar tudinho em minha boca. Ver seus olhos fechados, sua boca aberta soltando gemidos e as veias de suas mãos saltadas era um estímulo do caralho. Era tão enlouquecedor que eu sentia o líquido de lumbrificação escorrendo por entre minhas pernas. Eu estava mole, piscando e sedenta por uma surra de pau. Não de qualquer um, apenas o dele. 

Minha cabeça trabalhava rápido, minha língua realizava movimentos circulares sobre sua glande e a cada estímulo a mais era um gemido mais afetado seu. 

— Porra... — Ralhou, segurando o meu cabelo e levando por contra própria a minha cabeça de encontro ao seu pênis. 

Saliva escorria da minha boca, a quantidade de líquido que havia era tanto que a cada sugada o barulho ainda que interno era alto, estimulante. Parecia até que eu estava com a boca cheia de esperma. 

Retirei sua mão na minha nuca, retomando o comando, no entanto, sua pélvis passou a ser investida contra meu rosto. 

— Não engasga, engole bem gostoso...— Falou, apertando um dos meus seios enquanto passava a estimular um dos meus mamilos com seu indicador. Meu corpo se arrepiou enquanto seu pau era enterrado na minha garganta e suas mãos me alizavam. Rolei os olhos atingindo quase o nirvana, isso em apenas por tê-lo em minha boca. 

— Hm...— Desprendi meu lábios do seu membro para respirar. Passei a língua por toda a redondeza da boca, sentindo a saliva molhar a área. Sua atenção estava fixa em mim. O fitei, por meros segundos até encarar aquela sua boca macia e maltrada por mordidas feitas por si próprio. 

— Eu quero te beijar.— Falei, puxando seu corpo para que este ficasse rente a mim. No entanto, ele resistiu e não abaixou. 

— Não agora, se quer me beijar, levante o rosto e venha. — Sentenciou. Mais uma vez uma onda de arrepio de dominou. Seus olhos sérios e sua expressão fechada me deixava ainda mais mole. Completamente sem instabilidade. Essa que eu nunca tive.— Isso... — Ergui meu rosto, deixando-o bem próximo do seu. Novamente desviei meu olhar das suas orbes para os seus lábios vermelhos. Passei minha língua sobre eles, arrastando-a por sua bochecha também. O maior soltou um arfar pesado, olhando-me de baixo. Aquilo soava tão superior, o deixava sexy em proporções exorbitantes. Fora do normal!

 Mordi o seu inferior, arrastando meu músculo mais uma vez entre eles, até selar minha boca na sua e iniciar um beijo afoito, molhado e cheio de tesão. Sentia saliva escorrer por meu queixo e nem eu, nem ele estava realmente ligando pra aquilo. Suas mãos me puxaram e me grudaram em si. Nossos íntimos se enfregavam e naquela posição onde ambos estávamos de joelhos no colchão, ele investiu. A posição era diferente, ousada e nossa... tão gostosa. Uma de minhas pernas fora parar sobre os seus ombros, enquanto a outra ainda estava dobrada na cama. 

A-A-Awn...Arg! — Me apoiei em seu pescoço, unindo as nossas testas enquanto não desviava os meus olhos do seu. 

Talvez fosse a hora. A hora de revelar tudo que estava tão preso dentro de mim. Hora de tentar mudar. 

Parecia tão controverso o fato do meu medo de lhe perder ser maior que o seu medo de ficar sem mim... 

Foram tantas as tentativas, tantas. Mas era pra ser quando tudo veio a acontecer. O brilho cada vez mais escasso nos seus olhos não podiam simomesmente sumir. Eu ao menos tinha que tentar...


Cinco meses atrás - Noite de sexta-feira - Gangam - 00:00 AM.


— O que você está fazendo aqui, Yoongi?— Perguntei irritada. —  Era pra você estar em casa não na rua! Está tarde.

— Não... por favor... — Seus olhos vermelhos de lágrimas me desarmaram inteira. — Não me deixa assim, é tão... frustrante!

—É o melhor acredite. — Dei-lhe as costas, sinalizando para meus amigos que não iria correr mais. — Sobe aí, vou te levar pra casa. — Indiquei para que subisse, vendo-o resistir por minutos enquanto negava veementemente com a cabeça. — Yoongi, sobe logo! 

— Ei, não vai correr porquê? Cara, todo mundo tá 'mo animado pra ver tu ganhar, qual é.

— Cancela tudo Jennie, depois talvez, mas agora não dá, falou? — Peguei o seu cigarro, olhando para trás e vendo o maior esperando por mim. — Foi mal. 

Ela acenou com a cabeça, saindo de perto. Atravessei minha perna na moto, ligando-a para dar partida a qualquer momento. Yoongi subiu, ainda contrariado. Suas mãos me envolveram com força, e naquele momento eu queria não ter ouvido o seu choro baixo. Não me culpem por tudo, eu tentei me afastar.

— Você não devia ter vindo aqui. Atrapalhou minha corrida. — falei, o advertindo.

— Não deu. Queria que eu fizesse o quê? Que deixasse você sair assim? Por favor...

— Entenda! É o melhor cara.— suspirei. — Não vamos mais falar sobre isso agora.

O restante do caminho foi silencioso, sem mais nenhuma palavra trocada entre nós. Era incômodo, ruim. Ter ele ali junto de mim me deixava com o cérebro embrulhado em questionamentos. 

                         

                              ~ 

— Se cuida. — Falei, abrindo a porta da sua casa e me virando de costas para sumir de uma vez por todas dali. Eu tinha que ir! O quanto antes, eu só tinha que ir.

— Não... Não! — Ele gritou com a voz embargada de choro enquanto embarreirava  a porta.

Suspirei, fechando os olhos com força. Levantei ambas as mãos para o alto, como se estivesse rendida ao fato de permanecer ali. Deixando explícito minha desistência. 

De qualquer forma não era preciso pedir muito. Ele apenas não sabia.

— Eu vou dormir aqui, só pra você se acalmar. — Falei, vendo o mesmo suspirar e caminhar até mim. Seus braços me envolveram com força e sua cabeça tombou no meu ombro. Por segundos eu precisei focar em qualquer ponto enixistente para não deixar a vontade de também chorar me invadir.

— Pare de chorar, eu não mereço que chore por mim. — Sussurrei, beijando o seu cabelo macio enquanto fazia carinho neles.

Meu coração estava apertado, meus olhos ardiam em vontade de chorar... mas eu não podia desmoronar ali, não. 

— Vamos dormir, vem. — Puxei sua mão, caminhando pelo corredor até o seu quarto.

— Deita comigo...— Pediu baixinho.

— Eu vou, eu estou aqui. — Sorri minimamente, apenas para lhe passar conforto.

Até quando? — A pergunta retórica saiu fraca e carregada de dor. 

O loiro deitou-se na cama com a roupa pesada que usava. Não se importando em nem tirar sua jaqueta. 

— Coloque um pijama, essas roupas são incômodas pra dormir. 

— Não precisa. — Respondeu com os olhos fixos nos meus. 

— Tudo bem, você que sabe.

Tirei minha jaqueta grossa de couro, minhas botas, e em seguida a regata que usava.

— Me empresta uma blusa sua? — Perguntei, andando de sutiã até o seu guarda roupa.

— Pode pegar. — Respondeu. Enquanto procurava por qualquer peça no meio de tanta organização sem fundamento o silêncio dominou o ambiente mais uma infinita vez.  — Tatuagem nova? — Perguntou ao reparar nas minhas costas livres dos cabelos negros que eu joguei pra frente. — O que significa esse cadeado? 

— Uh? Que eu estou presa a você, Yoongi por uma chave que me trancou aqui.

Ocupei o espaço ao seu lado, descansando minha cabeça no travesseiro enquanto encarava seus lábios descoloridos.

— Quando você entender, você vai descobrir do que eu me refiro. 

— Você é tão complexa de se entender. Não podia dizer coisas mais simples? — Me fitou, virando-se de frente pra mim. Sorri, negando com a cabeça. Ele nunca poderia dizer que eu não havia me declarado a ele. —Não me abandona não, eu amo você.— Eu também...

Atualmente - Apartamento


— Eu... — minha visão ficou turva. Senti uma gota de suor de seu cabelo cair em minha pele e escorrer. — Eu... v-vou gozar! A-argh! — Me segurei com firmeza em si, sentindo o seu pau maltratar minha bucetinha já ardida. Nossas testas ainda estavam coladas, e nossos olhos presos um no outro parecendo não ter ousadia de desviar. Estávamos tão próximos, vulneráveis.

— Então goze, deixa ela piscar bastante por mim, uh?— Provocou, sentando e me colocando sobre o seu colo. Suas mãos seguravam minhas bandas, levantando e subindo ao que me ajudava nas quicadas violentas. Sua cabeça pendeu para trás, ele estava extasiado, tão perto quanto eu.

— Oh... Caralho! — Gemeu, passando as mãos por minhas curvas perigosas. — Isso! Pula bastante no meu pau, vai sua safada! 

— Eu vou vir tão forte... — avisei. Meu corpo começou a indicar a onda intensa que estava por vir. 

Yoongi sorriu de lado, passando a língua por toda  a área do meu pescoço só para me endoidar mais. Ele levantou seu quadril e passou a me penetrar, mantendo-me no lugar enquanto seu pau voltava a socar firme no meu interior. Minha boca não parava fechada, ora lufadas de ar eram expulsas, ora gemidos cada vez mais manhosos eram liberados. Eu estava uma completa bagunça de sentidos e sentimentos. 

Você é minha minha... — Sussurrou. — Admita que me ama, não me deixe nessa escuridão sozinho.

Eu apenas gemia, inebriada de mais para conseguir contestar algo. 

— Está bom pra você? — Capturou minha boca, iniciando um beijo tão sedento quanto os outros anteriores. — Eu amo te foder, eu amo você, porra!


— Eu também! — Simplesmente foi, sem medir o erro e as consequências. — Eu também te amo...


Eu não podia mais ignorar. Eu não era uma boa namorada, mas podia ao menos tentar ser. Por ele.


Notas Finais


AAAAAAAAAA ESPERO QUE GOSTEM E ME DESCULPEM POR SER CURTINHO HEHEHE ♡♡♡
ME DESCULPEM PELOS ERROS TAMBÉM KE EU VOU CORRIGIR ELES ^.~ ♡♡♡

ESPERO VOCÊS NOS COMENTÁRIOS BEBÊS ^.~

Meu perfil: @samipvg

Fic da minha amiga que merece muuito amor: https://www.spiritfanfiction.com/historia/dangerous-love-long-imagine-seo-johnny-14565142

Minha one recente:

https://www.spiritfanfiction.com/historia/god-is-a-woman-imagine-jeon-jungkook--bts-14642405

Obrigada por tudo e é isso ♡♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...