História Bad Romance: Diário de Leto. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias 30 Seconds to Mars, Ben Affleck, Esquadrão Suicida, Jared Leto, Margot Robbie
Personagens Jared Leto, Margot Robbie, Shannon Leto, Tomo Milicevic
Tags Harley Quinn, Jared Leto, Jared X Margot, Jargot, Joker, Margot Robbie, Shannon Leto, Suicide Squad
Visualizações 90
Palavras 1.323
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - You're Killing Me.


~ Janeiro de 2017 - No psicólogo ~ 

Psicólogo: Então, Sr. Leto. Resumindo naquele dia você fez aquilo com ela... Você sabe. *tento fazer gestos com a mão* *com vergonha* 

Jared: *confuso* *encaro o psicólogo*  *sorrisinho de entendido* Aaah naaah! Ela só me chupou. Enfiei só a cabecinha e ela não aguentou. 

Psicólogo: Sr. Leto. Imagino que você tenha um sério problema aqui e não é só algo no seu psicológico mas tbm uma coisa relacionado ao seu corpo, como... 

Jared: *interrompo o psicólogo* Ah, eu tenho compulsão sexual. 

O psicólogo olha Jared de uma forma estranha e volta a falar sobre o que mais aconteceu naquele ano. 

Psicólogo: *meio sem graça* Prossiga. 

De volta para 2015. 

Jared narrando: Pseh! Eu fiquei meio desconfortável depois que ela saiu daquele jeito do meu camarim. O pior é que o diretor me liberou mais cedo naquele dia porque outras cenas iriam ser gravadas com outros atores. Eu nem vi mais a Margot perambulando por aí. Eu só iria ter que voltar em uma semana pra gravar. Naquele momento me arrependi, mas fazer o que. Ela também não quis transar comigo. Do mesmo jeito eu teria que recompensa-la de alguma forma cedo ou mais tarde, aliás eu ainda sentia uma baita atração por ela e teria que planejar algo pra que ela não me olhasse de outro modo, já que eu tenho fama de pegador também, segundo a mídia. Só que não.

Uma semana se passa. Jared estava todo trabalhado no Joker. Os dois iam gravar a cena onde Quinzel se joga em um tanque químico cheio de ácido. (gravam cenas aleatórias) Ambos já estavam com as falas decoradas. Margot quase não olhava para cara do Jared, só estava ali por ter que atuar mesmo. 

Jared: *sussurro com a voz do joker olhando pra ela* Ei, vc não tá com raiva de mim né? *me aproximo mais dela* 

Margot: Não! *viro o rosto e me afasto* 

Jared: *continuo sussurrando* Não se afaste de mim desse jeito. Olhe pra mim! *boto a mão em seu rosto e viro em minha direção* 

Jared narrando: Ficamos nos olhando durante 2 minutos. Eu acariciava o rosto dela. Nossos rostos estavam próximos, quase que nos beijávamos. O pessoal da direção pensou que estavamos treinando a nossa atuação, mas aí lembrei que eu não poderia ser um cara, vamos dizer, delicado ou carinhoso. Ora, eu era o Joker! Prometi que não seria eu mesmo quando estivesse no personagem, mas é claro que com um pouco de mim né, também tenho uns parafusos a menos, deve ter sido tanta batida na cabeça durante a infância. 

Diretor: Ei vocês dois. Vamos começar a gravar, já sabem o que fazer. Margot, sua dublê vai pular, o dublê do Jared também fará o mes-

Jared: *interrompo o diretor* *voz do joker* Opa opa! eu não preciso de dublê, eu mesmo pulo! 

Diretor: Jare... Jay, não queremos que ninguém se machuque aqui. 

Jared: Faço coisas piores que isso, pular de um local muito alto é uma coisa insignificante pra mim. 

Diretor: ...tá! mas se vc se ferir não nos responsabilizaremos! 

Jared: Relaxa, é que nem pular de um trampolim a 30 metros de altura numa piscina. *falo sorrindo* 

Margot: Tomare que ampute alguma parte do corpo.

Jared: *paro de sorrir* *olho pro lado* Grossa. 

Margot: Seu pau! 

Jared: Ainda bem que sabe. *sorriso* 

Diretor: Acabou a briguinha do casal? Temos uma cena pra gravar. 

Jared: *sussurro em seu ouvido* Olha só, me desculpa se eu não sou um cara muito agradável, mas eu quero te recompensar por aquele dia. Me arrependi, fui escroto, eu sei, eu só quero uma chance. Por favor! 

Jared implora enquanto Margot observa ele. 

Margot: *respiro fundo* ... EU TAVA TE ZUANDO! *risos* 

Jared fica sem graça enquanto Margot fica rindo. 

Margot: Sua reação é a melhor. Relaxa bb! Eu não fiquei com raiva de vc naquele dia, só queria saber como seria sua reação ao saber que eu te transmiti AIDS. 

Jared: TU ME PASSOU AIDS? SUA BOSTA DE VACA! *desesperado* 

Margot: MEU DEUS! VOCÊ ACREDITA EM TUDO! *risos* 

Jared: NÃO BRINCA COM ISSO. É UMA COISA SÉRIA SUA RETARDADA! 

Margot: SUA CARA! NUM VOU AGUENTAR! *quase me mijando de tanto rir* 

Jared ficou desesperado naquele momento e percebeu que realmente era uma zoação então deu um belo sorriso falso para Margot. 

Jared: *sorriso falso* E eu que faço papel de palhaço. 

Margot: Mas e aí. Qual é a recompensa?  

Jared: Tu é muito assanhada. 

Margot: Sou mesmo! Fala logo. 

Jared: Um chute na sua bunda depois dessa brincadeira retardada que fez. 

Margot: Não leva pro lado pessoal. Diz logo. 

Jared: Tá! É uma surpresa que te mostrarei no final da noite. 

Margot: Espero que não seja uma de suas armações. 

Jared: Não prometo nada. 

Jared narrando: Começamos a gravar a cena, nós já tínhamos gravado a parte do "morreria por mim, viveria por mim..." sei lá, tô pouco me fudendo pra isso agr, lembro nem o que eu comi ontem. Daí tinha que se jogar lá no tanque né, ela se jogou, mentira que foi a dublê dela porque ela é muito cagona, aí chegou minha vez, eu tinha que pular e pulei, cai direto no tanque, aquilo parecia mingau, sem contar que quando cai nele eu engoli um pouco. Enfim, vou pular pra parte que interessa porque eu tenho mais o que fazer da vida. Depois que a gente terminou as gravações, nos trocamos e tudo mais. Chamei ela pra ir comigo a um certo local. 

Jared: Margot! Vem comigo se quiser ver a surpresa. 

Margot: Agora?! Tá tarde. 

Jared: Eu falei que era no finalzinho da noite, sua burra e estou pouco me fudendo, você vem sim, não é a toa que deixei de fazer minha coisas pra planejar essa surpresa pra você. 

Margot: Nossa! não sabia que eu era tão especial assim. 

Jared: Claro! Pessoas com autismo são super especiais pra mim. 

Margot: Falou o especialista. 

Jared: Vem logo, porra! 

Margot: TO INDO, VIADO! *grito* 

Jared: Não sou surdo, sua arrombada. Viado é teu irmão.  

Margot: Fala assim comigo não que eu não sou tuas vadias. 

Jared: Cala a porra da boca e vem! 

Jared narrando: Eu levei ela para o The Bowery Hotel onde eu estava hospedado. Sou de fazer brincadeirinhas de mal gosto só que eu queria fazer algo especial pra Margot e ganhar a confiança dela. Levei ela para o meu apartamento. Ela pensou que eu iria dar em cima dela, mas estava enganada. 

Margot: Você tá hospedado aqui, beleza, mas me trouxe pra poder gozar em mim e me jogar fora? 

Jared leva ela até a sala de janta (hotel é chique msm). 

Jared: Porque vc mesmo não vê? 

A mesa da sala de janta estava toda arrumada com comida e tudo. Havia flores e velas espalhadas ao centro da mesma. 

Margot narrando: Fiquei surpresa pois pensava que Jared fosse apenas um vampiro louco compulsivo com fama de pegador. 

Margot: *impressionada* Você fez tudo isso pra mim? 

Jared: E nao para por aí. 

Ele vai até seu quarto e pega seu violão e volta pra sala de janta. 

Margot: Vo-voc ...Você vai cantar? Só pra mim? 

Jared: Olha, eu ia fazer uma piadinha sem graça mas não quero estragar o clima. 

Jared narrando: Pedi pra que Margot se sentasse. Peguei meu violão e comecei a tocar uma de minhas mais famosas musicas: The Kill. Eu tocava e cantava, de um jeito que nunca cantei pros meus fãs, pra ela foi algo muito mais do que especial. Eu cantava de um jeito delicado, sem gritar é claro, se eu gritasse acho que seria expulso do hotel ou faria a Margot sair correndo do meu apartamento. Olhava ela me apreciando, aquele olhar de apaixonada. Nunca pensei que faria isso pra conquistar uma mulher, eu nem me reconheço mais, parece que a doença está se espalhando pelo meu corpo, pesquisei no google os sintomas e descobri que isso é amor.


Notas Finais


No The Bowery Hotel na verdade são quartos mas fingi aí que são apartamentos e me desculpem pelas piadinhas de mal gosto, sei que é errado por isso tô pedindo desculpas logo porque vai ter muita pelo que eu me lembre, mas não levem a sério essas piadas. Agradeço de coração.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...