1. Spirit Fanfics >
  2. Bad Romance (Kirasaya) >
  3. Chapter XLV - Você é minha

História Bad Romance (Kirasaya) - Capítulo 47


Escrita por:


Notas do Autor


Oiii voltei pessoal!! Sim, eu sumi por muito tempo, precisei de um tempo afastada de tudo pra colocar minha cabeça no lugar, sério, eu tava vivendo uma loucura, n tava dormindo, nem comendo direito pq tava atolada de coisa pra fazer, mas agr tô na paz e resolvi voltar para a alegria de vcs kfkfk antes de tudo, queria apresentar uma fic Kirasaya mtoo boa, sério eu li e amei, a escrita é mto perfeita acho q vcs vão gostar!
https://www.spiritfanfiction.com/historia/kirasaya--through-and-through-21715337

Agr falando do cap de hj, so tenho uma coisa a dizer: PEGA FOGO CABARÉ!!! Kvkgk e tbm n revisei o cap, dps reviso, boa leitura ae 💕

Capítulo 47 - Chapter XLV - Você é minha


Fanfic / Fanfiction Bad Romance (Kirasaya) - Capítulo 47 - Chapter XLV - Você é minha

POV Sayaka Igarashi 

  Em minha cabeça não se passava nada, não conseguia pensar direito, eu só queria ter Kirari ali comigo, mesmo depois do que nós duas fizemos. Claro que não vamos esquecer o que aconteceu hoje tão fácil assim, mas com certeza me sentir amada por Kirari, vai acabar com uma boa parte dos meus problemas. Eu quero sentir ela me tocando, me desejando e mostrando realmente que ela não sentiu nada com Terano. A única coisa que vem em minha mente nesse momento é que ela tome meu corpo para ela, mas também sinto raiva, quero marca-lá, mostrar para todos que ela é minha e somente eu posso tê-la dessa forma.

- Então me mostre o quanto me deseja mais do que qualquer uma. - Falo a olhando séria, cravando minhas unhas curtas em seus ombros. 

  Sem perder tempo, Kirari me puxa para um beijo de tirar o fôlego, segurando minhas coxas com firmeza, enquanto juntava mais nossos corpos, me deixando ainda mais colada na porta. Só retribui o beijo na mesma intensidade, sentindo seus toques em meu corpo, querendo mais daquilo, queria sentir nossos corpos sem nenhuma roupa nos atrapalhando, então comecei a desabotoar seu blazer, arrancando-o de seu corpo e sua blusa teve o mesmo fim. Quando separamos nossas bocas, Kirari foi direito em meu pescoço, voltando a me marcar ali, enquanto me carrega em seu colo, em direção a grande mesa do grêmio. A platinada me deixa sentada ali e sem perder tempo, abro minhas pernas, para que ela possa ficar entre elas. Rapidamente sinto as mãos de Kirari tirando meu blazer numa velocidade absurda e logo já estava desabotoando minha blusa.

  Assim que minha blusa branca vai ao chão, puxo a platinada pela nuca, juntando novamente nossas bocas e enquanto arranho aquela área com uma mão, desço a outra por seu braço e levo sua mão delicadamente até um de meus seios, ainda cobertos por meu sutiã branco. Sentir o toque suave da mão de Kirari em meu seio, mesmo coberto, me fez gemer de prazer entre o beijo, ela o apertava com uma certa brutalidade, que estava me deixando ainda mais excitada. Com sua outra mão, começou a apertar e alisar minha cintura, onde a cada toque, sentia meu corpo se arrepiar inteiro, eu estava fervendo, querendo cada vez mais aquilo que a mais velha estava me proporcionando. 

- Você é minha, entendeu? - Falo assim que nos separamos por falta de ar, segurando-a pelo maxilar com uma de minhas mãos. - Só eu posso te tocar desse jeito. - Digo, tocando seu abdômen levemente definido e vejo um sorriso malicioso se formar em seus lábios.

- Sou sua por inteiro, Sayaka. - Fala sincera, sem tirar o sorriso do rosto.

- Quero que você me foda como nunca antes, entendeu?! - Digo, ainda a segurando pelo maxilar e ela concorda com a cabeça. - E saiba que eu irei te marcar inteira, para todos dessa escola saibam que você é só minha! 

- Sim, senhora. - Fala simples e finalmente solto seu rosto, para puxa-la para mais perto de mim. - Espero que aguente. - Diz cínica e antes que eu pudesse rebater, ela me beija de maneira intensa.

  Suas mãos passam por minhas coxas e quando menos espero, ela arranca a saia de meu corpo, junto com minha calcinha, de forma bruta, me deixando totalmente nua da cintura para baixo. Mal tive tempo para raciocinar, só senti meu corpo ser virado rapidamente, me deixando de costas para ela e Kirari já começou a distribuir beijos e mordidas por meu pescoço. Sinto sua mão passeando por minhas costas, onde ela solta o fecho de meu sutiã e em seguida, me empurra, me deixando inclinada, com meus seios em cima da mesa. 

  Eu estava praticamente de quatro em cima da mesa, empinando minha bunda para a Momobami e mesmo querendo muito aquilo, não conseguia evitar minhas bochechas corando. Inclino um pouco meu rosto para trás para olha-la e consigo ve-la analisando todo meu corpo, suas mãos passam de minhas costas até minha bunda, onde deixa um forte tapa ali, para em seguida depositar um beijo na região. A cada tapa e beijo depositado, eu gemia de dor e prazer, sentindo meu sexo encharcado, implorando pelos dedos de Kirari dentro de mim. 

- A-amor, me f-fode, por favor... - Peço em uma súplica, olhando-a de lado, vendo seu sorriso aumentar.

- Acho que eu já te dei uma boa lição, não é? - Pergunta e sinto uma de suas mãos tocando minha intimidade, começando a massagear meu clitóris. - Me responda, Sayaka! - Ordena e rapidamente concordo com a cabeça.

- S-sim amor... - Digo com a voz falha. - E-eu preciso de você dentro. - Peço novamente, começando a rebolar em seus dedos, em busca de mais contato.

- Tudo bem. - Diz simples, se afastando de mim, apenas para me virar para ela, ainda me mantendo em cima da mesa. - Vou dar o que você quer. 

  Sem mais demora, Kirari me penetra com dois de seus dedos de uma vez, me fazendo gemer alto seu nome, em agarrando ao seu corpo, nos deixando próximas. Aproveitei nossa proximidade para deixar chupões em seu pescoço e soltei seu sutiã, deixando suas costas livres para marcar com minhas unhas. A platinada aumentou a velocidade de seus dedos e nesse momento eu só sabia gemer, sem me importar se alguém estava ouvindo, cada vez mais, sentia meu orgasmo próximo. Porém, quando eu estava a pouco de me derramar em seus dedos, Kirari para de se movimentar, me fazendo olha-la com raiva.

  Quando eu estava prestes a reclamar com ela, sinto sua mão livre indo até meu pescoço, onde apertou a região com alguns de seus dedos com certa força, apenas para prender um pouco da circulação e não me sufocar. Fazendo isso, logo voltou a me foder do jeito que só ela sabe fazer, me tocando nos meus pontos mais sensíveis, me levando a loucura. 

- Estou te machucando? - Pergunta com carinho, sem parar com seus movimentos e apenas concordo com a cabeça. Não era mentira, estava doendo, mas eu estava adorando aquilo, então quando a mais velha deu sinal que ia se afastar, a impedi.

- E-eu não m-mandei você parar. - Falo com dificuldade, mantendo sua mão em meu pescoço. - Me faça gozar, K-kirari! - Praticamente ordeno.

  Como uma boa garota, a platinada obedece, me deixando no limite quando adiciona mais um dedo em meu sexo, me fodendo com força, enquanto aperta meu pescoço, com certeza ficaria marcas ali e eu não estava ligando. Em instantes, acabo gozando em seus dedos, praticamente gritando seu nome, enquanto arranho sua barriga e braços. Quando acho que já acabou, por Kirari ter me soltado, observo a mais velha descendo meu corpo, fazendo um rastro de beijos e quando chega em minha virilha, não perde um segundo em me chupar. 

- P-porra, Kirari! - Falo em meio a gemidos, agarrando forte seus cabelos. 

  E dessa maneira gozo pela segunda vez, em cima da mesa do grêmio estudantil, com Kirari entre minhas pernas, bebendo tudo que derramei. Quando ela se da por satisfeita, sobe meu corpo, em puxando para um beijo intenso, me fazendo sentir meu próprio gosto em sua boca. Nós duas estávamos tão distraídas, que nem percebemos que havia alguém batendo na porta da sala e tentando abri-la.

- Merda, a reunião, Kirari! - Falo me separando dela rapidamente e começo a vestir minhas roupas.

- Calma, acho que ninguém vai perceber. - Diz rindo divertida.

- Kirari, só tem nós duas, trancadas em uma sala e cheias de chupões no pescoço. - Falo o óbvio e ela somente ri mais, vestindo também sua roupa.

  Da maneira mais rápida possível, nos vestimos e demos nosso melhor para esconder qualquer marca visível. Quando arrumamos tudo, Kirari destrancou a porta, botando sua melhor cara cínica para receber os membros do grêmio, nem parecia que tínhamos acabado de transar ali.

- Que demora em, Presidente! - Comenta Runa entrando. - Que que vocês tavam fazendo nessa sala em? - Pergunta sorrindo maliciosa, enquanto os membros já se acomodavam em suas cadeiras.

- Nada de interessante, só falando de negócios. - Diz Kirari, sem demonstrar nenhuma vergonha.

- Sei bem que tipo de negócios são esses. - Fala a baixinha e faz sinal de tesoura para nós duas.

- Meu Deus, Runa!! - Falo abismada e corando, enquanto ela e Kirari caem na gargalhada com os outros membros.

- Sei não viu, Sayakinha, juro que ouvi você gemendo o nome da presidente. - Comenta Midari e eu não sabia onde enfiar a cara, todos os membros estão desconfiados agora e Kirari não parece ligar. 

- Elas se chifram e depois vão se comer, vai entender. - Runa continua falando, mas para, analisando a mesa. - Vocês não fizeram aqui em cima não né? - Pergunta, apontando para mesa e escondo meu rosto com minhas mãos. - Suas taradas! Galera, não bota a mão na mesa não, tá gozada!!! - Grita, fazendo todos rirem, principalmente Kirari.

- Tá bom, já chega! Temos muito o que fazer pessoal, chega de falar disso. - Finamente a presidente fala algo, se sentando em sua cadeira, dando início a reunião.

POV Kirari Momobami 

  Finalmente conseguimos terminar toda a arrumação do festival e bem a tempo, quinze minutos antes do horário previsto por Sayaka. Nós, membros do grêmio estudantil corremos contra o tempo, Itsuki não parava de gritar nervosa, com medo de não conseguir fazer o festival tão precioso que ela criou, mas acabou que deu tudo certo. Quando fizemos uma última checada, para saber se está tudo certo, liberamos enfim, a entrada para todos os alunos, dando início ao festival. Todos os membros estavam animados, menos Sayaka, ela ainda se encontrava meio envergonhada por quase termos sido pegas pelo pessoal, mas acho que não é só isso, ela parecia mais possessiva comigo. 

  A mais nova estava agarrada comigo, não queria sair de perto por nada, porém, não podíamos dar tão na cara, já que o grêmio inteiro percebeu que nós duas ainda temos um caso. Até porque, difícil não acreditar nisso depois do pouco que ouviram fora da sala. Então por esse motivo, quando as pessoas começaram a aparecer mais dentro do ginásio, nos afastamos um pouco e passei a andar com Rei, que para todos, é minha noiva. Enquanto Sayaka passou a andar com Runa, Midari e Yuriko, mas seus olhos nunca se desgrudavam de mim, sempre me procurando com o olhar, sentia de longe que ela estava de olho.

- Presidente, podemos iniciar a aposta com todos os membros do grêmio? - Pergunta Itsuki, se aproximando de mim toda animada.

- Claro, se já achar que está na hora, por mim tudo bem. - Digo simples, passando uma de minhas mãos no ombro de Rei e rapidamente a mesma me abraça, depositando sua mão em meu quadril. - Acho que Yumeko e Miyo irão querer participar. 

- Já estou sabendo, Miyo está louca para apostar com você, presidente. - Fala Itsuki, enquanto caminhamos logo atrás. - Ela jura que é capaz de vence-la. - Diz e solto um riso irônico, com Rei me acompanhado.

- Coitada. - Diz a Batsubami, debochando de Miyo. 

- Deixa ela, estou pronta para deixá-la zerada hoje. - Comento simples, dando de ombros e do nada sinto a mão de Rei sendo tirada de meu quadril com certa brutalidade.

- Não precisa segura-la desse jeito. - Escuto a voz de Sayaka e notei quem havia tirado a mão da Batsubami de meu corpo. 

- D-desculpa, é hábito, Sayaka. - Diz Rei, meio sem graça. - Não se preocupe, não quero sua mulher. - Fala tentando deixar o clima mais leve, porém Sayaka a olhou séria e seguiu seu caminho, passando a nossa frente. - O que deu nela? - Pergunta para mim.

- Melhor você nem saber... - Falo rindo fraco de nervoso. - Tivemos um leve desentendimento.

- Leve?! - Do nada escuto a voz de Runa, rindo alto. - As duas enfeitaram a cabeça uma da outra e depois resolveram o problema fodendo, isso é leve, presidente? 

- Runa, fica quietinha fica, meu anjo. - Falo simples, fazendo -a gargalhar e Rei me olha com os olhos arregalados.

- Prontinho, chegamos!! - Fala Itsuki, quando chegamos no lugar onde seria a aposta com todos os membros do grêmio e alguns alunos. - Pode se sentar presidente já vou dizer como tudo vai ser.

  Faço o que me foi indicado e Rei senta ao meu lado, enquanto Sayaka senta do outro. Estávamos em volta de uma grande mesa de jogos redonda, todos os membros do grêmio já estavam sentados em seus devidos lugares e Yumeko e Miyo tbm já estavam ali. Alguns alunos já começavam a se reunir ao nosso redor, tentando entender o que está para acontecer, muitos já até adivinharam e estavam loucos para nos ver apostando, até porque, todos sabem que o grêmio estudantil é composto pelos melhores apostadores da escola. Sem contar que nunca apostamos entre si, agora será a primeira vez e com certeza vai ser um ótimo jogo, que farei questão de vencer.

- Já que todos estam aqui, acho que já posso explicar tudo. - Começa Itsuki, dando pulinhos de alegria. - Agora haverá um simples jogo de blackjack 21, um dos meus preferidos e acredito que todos aqui já jogaram pelo menos uma vez. Como temos muita gente para jogar e é uma competição, montei um esquema com as cadeiras em que estam sentadas. Se notarem, cada uma tem um número e nele será a ordem de jogo. - Fala e finalmente reparo no número das cadeiras. - A presidente está na cadeira número um, porém, há outra cadeira número um e a pessoa que estiver nela irá ser a primeira a apostar, as apostas serão desse jeito, até sobrar duas de nós.

- Entendi... - Falo passando minha mão em meu queixo, com um sorriso de lado. - Quem será minha primeira vítima? - Pergunto cínica e animada.

- Acho que você que será minha vítima, Kirari. - Fala Miyo, se levantando da cadeira, mostrando o número 1, assim como eu.

- Isso vai ser interessante! - Digo simples, é hoje que ela vira um bicho doméstico.

- Bom, a primeira aposta da competição será entre a presidente e a Miyo, todas vocês têm um par para apostar e quem vencer dessa primeira etapa de apostas, se classifica para a próxima fase. - Explica simples de maneira bem animada. 

  Observei todas ali olhando o número em suas cadeiras e em poucos minutos as duplas de apostas foram formadas, Yumeko vai apostar com a Itsuki, Runa com a Sachiko, Sayaka com a Yuriko, Midari com Ririka e Mary com a Yumemi. Iremos jogar nessa ordem, para ninguém perder nenhum momento da competição, então para começar, Miyo e eu iríamos dar início. Ficamos apenas nós duas na mesa com as pessoas ao redor, uma de frente para a outra, esperando os próximos comandos da Itsuki, até porque, teremos que decidir quem vai ser a delear da partida.

- As duas já sabem as regras, certo? - Pergunta e concordamos com a cabeça. - Será apenas três partidas e vocês decidem quanto vão apostar em sua mão. Quanto ao delear, será escolhido na sorte, no cara ou coroa. - Diz pegando uma moeda qualquer do bolso.

- Quero coroa! - Falo simples, deixando Miyo com o lado "cara" da moeda.

  Itsuki jogou a moeda para o alto, pegando-a no ar, antes de cair no chão e no momento que virou, mostrou o lado cara, indicando que Miyo iria ser a Delear dessa nossa partida. Em instantes a Sumeragi deu um baralho fechado para a Inbami e ali ela o abriu, começando a embaralhar as cartas para jogarmos. 

- Então, Miyo, quanto vamos apostar nessa rodada? - Pergunto cínica, queria tirar o máximo de dinheiro possível dela. - Não aceito menos que que 10 milhões de ienes. - Falo, vendo-a arregalar os olhos.

- Tudo isso? Em três partidas de 21? - Pergunta Miyo em choque.

- Claro, porque não apostar tanto dinheiro? Vai ser divertido. - Digo sorrindo de lado. - Ou você está com medo de perder tudo? - Pergunto irônica, desafiando-a.

- Não tenho medo de você, Momobami! - Fala, me olhando com raiva. - Já peguei sua mulher, agora vou pegar seu dinheiro. - Diz cínica e lhe lanço um olhar raivoso, enquanto ela tinha aquele sorriso cínico nos lábios.

  Não falo mais nada, sei que Miyo não vai dar conta de uma aposta comigo, é impossível eu perder por ela. Apenas observei os movimentos em suas mãos, a maneira que a mesma embaralha as cartas e assim que Itsuki trouxe nossas fichas, soubemos que poderíamos começar. Cada uma ficou com 20 fichas, somente uma, vale 500 mil ienes, logo ao todo, tínhamos 10 milhões de ienes em fichas cada. Sem perder mais tempo, Miyo distribuiu as cartas na mesa, duas para mim, viradas para cima e duas para ela, sendo uma virada para baixo, já que ela é a delear. Minhas duas cartas são um A e um 2, logo minha pontuação é 13, já a única carta virada de Miyo é um 5. 

  Como a Inbami é a delear, de certa forma ela está em desvantagem por não saber qual é sua segunda carta, porém mesmo eu sabendo minhas duas cartas, estou com um número alto, minha única vantagem no momento é o A, que dependendo do meu jogo ele pode passar a valer 1 ou 11, tudo ao meu favor. O ponto principal para minha estratégia de jogo é focar na carta da delear, ela tem uma carta muito baixa, logo, terá que "comprar" mais cartas no baralho para dar 21, com isso, é muito fácil dela acabar estourando. Como ela tem um 5 amostra, carta bem baixa, a chance de estourar é cerca de 40% e caso sua segunda carta some 10 pontos junto da primeira, a chance desce para 20%.

  Coloco 4 de minhas fichas na mesa, totalizando 2 milhões de ienes apostando em uma única mão. Como em minha mão tem um A, vai ser burrice não arriscar pedindo uma carta, não importa qual carta saia, não tem como estourar, então rapidamente peço minha primeira. Dou um leve tapa na mesa e Miyo vira a carta 9 para mim, com isso fico com 12 pontos, pois o A que antes valia 11, passa a valer 1 em minha mão. Continuo com a mão alta e mesmo não sendo 21, decido parar dobrando minha aposta, pois a probabilidade da Inbami estourar a mão tentando me alcançar, é muito alta, já que sua carta é baixa. A aposta estava alta, 4 milhões de ienes logo na primeira rodada e eu estava confiante, os alunos que assistiam a aposta estavam animados, todos sabem que eu jogo loucamente, não é nenhuma surpresa.

- Você é esperta Kirari, me surpreende não está contando as cartas. - Diz simples, virando sua segunda carta, um 7, totalizando 12 pontos para ela.

- Sabe que não gosto de trapaças, Miyo. - Falo sorrindo cínica, suas cartas são horríveis, está muito fácil dela estourar. 

  Dito e feito, assim que ela puxou uma carta do baralho para tentar passar meus pontos e ganhar a partida, saiu um 10, logo somando 22 pontos, estourando sua mão. Com minha vitoria, consegui tirar 4 milhões de ienes dela, deixando-a com 6 milhões e eu com 14 milhões. Vi a mesma recolher as cartas da mesa me olhando com ódio e voltou a embaralha-las, nessa partida irei ganhar e tirar esse resto de dinheiro que lhe sobrou. Não demora muito para ela entregar novamente as cartas, dessa vez eu vim com dois 10, totalizando 20 pontos. 

- Acho que essa partida é minha, Miyo. - Falo cínica, apostando 14 fichas, o total de 7 milhões de ienes, um milhão a mais do que ela tem. - Vou parar com vinte pontos mesmo. 

- Desgraçada! - Diz e apenas sorrio cínica para ela. 

- Eu disse que você não dava conta, Miyo. - Provoco-a e ela revela sua segunda carta, em sua mão tem um A e 7, somando 18 pontos.

  Vejo a Inbami pegar outra carta no baralho, um 9 e com isso, o A fica valendo 1, totalizando 17 pontos para ela. Mais uma carta foi puxada e novamente ela estoura sua mão, quando sai um 6, deixando-a com 23 pontos. 

- Kirari acaba de se classificar para a próxima fase! - Anuncia Itsuki, comemorando junto de Runa e minha irmã.

- Acho que você está me devendo um milhão, Miyo. - Falo irônica, me levantando da cadeira. - E que jogo fácil e sem emoção você me proporcionou. O que você tinha dito mesmo antes? Que ia pegar meu dinheiro não foi? - Pergunto debochando dela. - Tenta de novo na proxima!

- Você não sabe o que te aguarda, Kirari. - Fala com raiva, indo embora do local.

- Você não imagina o quanto estou preparada... - Digo mais para mim, do que para ela, com um sorriso de lado no rosto.

- Pela ordem, a próxima aposta é entre Yumeko e eu. - Diz Itsuki, já se sentando na mesa.

  A Jabami não perdeu tempo em ir correndo até a cadeira em que eu estava sentada e acho que não preciso nem dizer quem venceu essa aposta né? Obviamente Yumeko fez como eu, venceu as duas primeiras partidas, garantindo sua vaga para a próxima fase da competição. Logo depois veio a aposta de Runa e Sachiko, na qual a platinada mais alta venceu com muita dificuldade e pela ordem, agora é a vez de Sayaka e Yuriko jogarem. Ao meu redor, a maioria dos alunos estavam confiantes de que a Igarashi irá perder feio, mas na minha opinião essa partida é dela. As pessoas a subestimam muito por nunca verem apostando, mal sabem eles o quão bem Sayaka é em apostas, por ser extremamente inteligente, ela usa a lógica e matemática e com isso, se torna uma excelente jogadora.


Notas Finais


Prontinho glr! Desculpa se ficou uma bosta, n queria demorar mais então fiz na correria. Próximo cap vai ter a Sayaka apostando, então eu tô mtoo animada pra escrever isso, sério! Agr uma pergunta, quem vcs acham q vai ganhar essa competição? Quero saber kfkfk enfim, e isso, até a próxima💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...