História Bad things - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Batman, Christian Bale, Heath Ledger, Jensen Ackles, Lauren Cohan, Megan Fox, Tom Cruise
Personagens Alfred Pennyworth, Bruce Wayne (Batman), Christian Bale, Comissário James "Jim" Gordon, Coringa (Jack Napier), Harvey Dent (Duas-Caras), Heath Ledger, Jensen Ackles, Lucius Fox, Megan Fox, Personagens Originais, Rachel Dawes
Tags Ação, Batman, Bruce Wayne, Coringa, Gotham, Heath Ledger, Humor Negro, Jensen Ackles, Joker, Julia Roberts, Lauren Cohan, Mckenna Grace, Megan Fox, Mistério, Romance, Suspense, Tom Cruise
Visualizações 72
Palavras 1.667
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi oi oi, oi oi oi nananananananana
Relevem, são apenas delírios da madrugada de uma pessoa com sono. Ksfdksk

AAAAAHHH VOCÊS ASSISTIRAM CORINGA???
Pq eu não kkkkkkkkkkkk *lágrimas*

Desculpem pela demora. Acreditem, eu não gosto disso tanto quanto vocês. Mas infelizmente meus afazeres não colaboram. Ksgxks

Boa leitura! <3

Capítulo 26 - Espremida



Eu disse: Me mate agora, eu quero morrer 

Ouvi que há uma chance no além 

Talvez não me deixe entrar, mas pelo menos eu não estarei vivendo

Aqui estou eu, espremida entre Paraíso e inferno...

(My Smile Is Extinct - Kane Strang)



Ouvia um barulho ao longe, mas não sabia identificar de fato o que era. Depois de alguns segundos, esse barulho foi aumentando, começando à ficar irritante. Abro os olhos e me assusto ao ver Coringa sentado ao lado da minha cama, enquanto batucava com os dedos no criado mudo. 

- Então a bela adormecida resolveu acordar?  -Ele pergunta, me olhando. Reparei em seu rosto e vi que ele já estava com a sua habitual cara pintada novamente.

- Eu só espero que não tenha acabado com toda a minha maquiagem, ou eu..  -Estreito os olhos, fazendo uma voz ameaçadora.

- Ou você vai fazer o quê?  -Ele para de batucar, e me olha, entrando na brincadeira de parecer ameaçador. Só que a diferença é que, ele não parece, ele é!

- Eu? Eu vou comprar mais maquiagem.  -Levanto de supetão da cama e sinto uma dor terrível na cabeça, me fazendo massageá-la enquanto faço uma careta. Coringa parece perceber, pois me olha enquanto franze as sobrancelhas.

- Está sentindo dor?

- Não, imagina, só estou tentando fazer telepatia com alguém, igual a Jean Grey.  -Falo ainda massageando.

- Deveria ir ao médico, isso deve ser resultado da falta de tarja preta no seu organismo.  -Ele fala e começa à andar pelo meu quarto, fuçando minhas coisas.

- Ah, é. E o que eu vou dizer? Que brinquei de UFC com você?  -Rio sem humor.  - E acho que quem está faltando tomar a tarja preta aqui é você! 

- Pelo menos eu me dou bem sem ela, diferente de você.  -O olho e percebo que ele estava com uma lingerie preta nas mãos, e digamos que, ela era sensual até demais para o meu gosto.  - O que é isso?

- Ei, não mexe nas minhas coisas.  -Vou até ele e pego a lingerie de suas mãos, sem delicadeza nenhuma. Em seguida, a guardo novamente na gaveta.  - Foi Kristy quem me deu há alguns anos. Ela achou que eu deveria usá-la com algum cara da faculdade, o que não aconteceu.  -Dou de ombros.

- Guarde-a, podemos precisar dela depois.  -Ele sorri malicioso, me fazendo revirar os olhos.

Vou ao banheiro, levando uma roupa junto. Faço minhas higienes e aproveito para tomar um banho, acho que tenho algumas coisas para resolver hoje. E talvez, até seja intimada a ir à delegacia. Optei por uma calça jeans preta e uma blusa vinho de manga longa para tentar disfarçar os diversos arranhões e hematomas de ontem. E no rosto e pescoço, onde a roupa não poderia cobrir, passei base e pó compacto. É claro que não ficou 100% disfarçado, mas, pelo menos deu para amenizar um pouco.

Ao sair do banheiro, não vejo nenhum sinal de Coringa, o que era bom. Vou até a cozinha, aliás, no que sobrou dela, e o vejo mexendo nos restos mortais do meu armário, provavelmente, procurando comida. 

Droga. Já estava ficando empolgada pelo fato de ele supostamente ter ido embora.

- Não vai embora mais não, folgado?

- Oh, isso é jeito de tratar suas visitas, Charlotte?  -Ele pergunta de forma teatral, totalmente cínico.

- Você não é visita, mas sim, um empecilho. Ah, se quiser comida, vai ter que cozinhar você mesmo, e eu vou sair.  -No mesmo momento, ele para de mexer no armário e me olha.

- E para onde vai?  -Seu tom de voz era calmo, por enquanto.

- Não é da sua conta.  -Dou de ombros, e em um piscar de olhos, Coringa já estava agarrando o meu pescoço, e com a outra mão livre, encosta uma navalha em minha boca.

- Quantas vezes será que eu tenho que avisar para ter cuidado com o que fala?  -Ele lambe suas cicatrizes e me olha.  - Sabe, eu não quero ser forçado à calar essa boquinha tão linda, mas bom, você não está colaborando.

Antes que eu pudesse responder alguma coisa, a campainha toca. E seja quem for, esse alguém acaba de me salvar, bom, é o que eu acho.

- Sai, eu preciso atender a porta.  -Falo, ainda sentindo a lâmina gelada encostada em meus lábios.

- Não pediu direito.  -Ele sorri. Por alguns segundos, presto atenção em seus dentes amarelos, depois o olho, e em seguida, reviro os olhos.

- Com licença, querido Coringa, poderia fazer o favor de me soltar para eu atender a porta?  -Falo com voz fresca e logo sinto ele me soltar.  - Muito obrigada.  -Digo sarcástica e caminho até a sala. Abro a porta e me deparo com Kristy, que vai logo entrando, com alguma coisa, que eu não pude ver direito o que era, nas mãos.  - Ah, bom dia para você também, Kristy.  -Fecho a porta e caminho até ela.

- Charlotte, eu preciso..  -Ela fala jogando sua bolsa no sofá, mas logo para, ao olhar a situação do meu apartamento.  - Credo, passou um furacão aqui? 

- Não, na verdade, foram..  -Droga, Charlotte! Pensa em alguma coisa.  - Bom, eu estava com raiva e quis quebrar minhas coisas.  -Aposto que o palhaço deve estar na cozinha rindo dessa minha desculpa ridícula. Kristy estreita os olhos, me olhando, como se quisesse dizer: "Não acredito em nada do que está falando". 

Já estava esperando ela começar com o seu chilique, mas este não veio. Ao contrário, ela estava calada. Calada até demais, enquanto olhava para um lugar fixo, me arrisquei à olhar para o mesmo lugar que ela, e vi que se tratava da cozinha, mas não era exatamente isso que chamava a atenção dela, mas sim, quem estava lá parado, encostado à parede com pose de "Sou foda". Ele. Coringa.

- Olá, Kristy.  -Ele diz sorrindo. Kristy não responde. Na verdade, ela estava em choque.  - O que foi, querida? O gato comeu sua língua? Sabia que quando alguém fala com a gente, devemos responder?

- S-sim, cla-claro. Quer dizer, o-oi, senhor..

- Veja só a sua prima, Charlotte. Ela é bem mais educada que você.  -O palhaço diz, e em seguida, gargalha. Percebo que Kristy deu um pulo de susto.

- Seu idiota! Por que não se escondeu?  -Falo brava. Kristy estava uma poça de nervos, a coitada estava até gaguejando, uma coisa que é rara de acontecer com ela.

- Porque você não mandou.  -Ele dá de ombros. Até parece que se eu tivesse mandado, ele teria obedecido. Ridículo.

Caminho até ele e puxo o seu braço, praticamente o arrastando para o meu quarto, com um pouco de dificuldade, é claro. Mas nem vou me gabar muito, porque se consegui esse feito, foi porque ele permitiu.

- Cara, você é vampiro por acaso? Porque enquanto meu corpo ainda está todo dolorido, você parece estar novinho em folha.  -Coringa apenas ri.

- Bom, e eu que achava que as minhas piadas eram ruins.  -Ele revira os olhos.

- Olha, faz o seguinte. Já que não quer ir embora, fica aqui no quarto, ok? Pelo menos só enquanto a Kristy está aqui, aí depois você pode arrumar a bagunça e preparar meu café da manhã na cama.  -Falo calma, tentando parecer o mais natural possível.

- E o que eu ganho com isso?  -Ele arqueia as sobrancelhas me olhando. É sério que ele estava levando isso à sério?

- Posso pensar em uma coisa legal.  -Dou de ombros, e percebo o palhaço sorrir malicioso.

- Ho ho ho, acho que isso está ficando interessante.  -Ele diz rindo. Apenas reviro os olhos.

- Virou papai Noel agora, rapaz?  -Nego com a cabeça e me viro para sair, e logo sou surpreendida por um tapa no bumbum.  - Ei! Seu.. abusado!  -Brigo e saio do quarto, fechando a porta. Volto para a sala e encontro Kristy sentada no sofá.

- Charlie, por favor, me diz que o seu apartamento não está de pernas para o ar porque você e o Coringa brigaram.

- Meu apartamento não está de pernas para o ar porque eu e Coringa brigamos.  -Afinal, foi isso que ela me mandou dizer. 

- Charlotte!

- Kristy!  -Exclamo.  - É sério, não começa! Eu já te envolvi demais nessa história, e não quero te ver sofrendo por minha causa.

- Eu já estou sofrendo.  -Sinto um aperto no coração ao ouvir essas palavras. Ah.. aquela maldita sensação de decepcionar alguém que ama.

- Por favor, Kristy. Isso também está sendo difícil para mim.  -Falo tentando me controlar para não desabar ali mesmo.

- Tudo bem!  -Ela respira fundo, parecendo tentar se acalmar.  - Eu vim te mostrar isso aqui.  -Ela me entrega um jornal. Leio o título e em seguida, levo uma das mãos à boca, em choque.

"A nova amante e cúmplice de Coringa"

Essa frase de grande impacto estava destacada na primeira página do jornal de Gotham, e mais abaixo, havia uma foto de Coringa e eu, ambos distraídos, e já sem a máscara, no dia da festa beneficente.

Li o resto da matéria, e tudo dava à entender que.. que eu era cúmplice de Coringa! Que eu compactuei com todo aquele circo no dia da festa, e o pior: que eu o ajudei à matar aquele casal.

Agora sim a minha vida acabou de vez!

- Charlie, isso é terrível!  -Kristy se desespera.

- Tem razão! Olha só como eu fiquei nessa foto!  -Tento fazer uma piada da situação, mas não resolveu nada, e.. meu Deus! Quem eu estou querendo enganar?

- E se mamãe e papai souberem?  -A minha irmã supõe.

- Quem escreveu essa matéria?  -Pergunto, ignorando sua pergunta anterior.

- Bom, está dizendo aí que foi uma tal de Vicki Vale.

- Ótimo, arrumei outro motivo para sair de casa.  -Pego minha bolsa novamente.

- O que está pensando em fazer?  -Kristy pega a bolsa dela também e começa à me seguir em direção a porta.

- Você vai ver.  -Falo somente isso.



Continua...



Notas Finais


Bom, era pra acontecer mais coisas nesse capítulo, mas decidi deixar para o próximo.
Motivo:
Eu tava com um baita de um sono, e já que eu tinha algo escrito, pensei: "pq não postar logo né?" Afinal, já fazem muitos dias que não atualizo.

Tá, esse capítulo não ficou essas coooiisas, eu sei. Mas logo logo as coisas esquentam.

Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...