História Badlands - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Styles, One Direction
Personagens Harry Styles, Personagens Originais
Tags Badlanders, Eaters, Guerra, Harry Styles, Ravena Rowen
Visualizações 180
Palavras 2.504
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


olá, feliz natal à todos vocês!
eu estava realmente pensando se postaria hoje, aí eu resolvi postar sim kjdkaa.
espero que gostem e uma boa leitura :)

Capítulo 3 - 02; Tears


Fanfic / Fanfiction Badlands - Capítulo 3 - 02; Tears

 

“Minhas lágrimas são como os segredos da minha alma. Ocultas. Ninguém as vê brotar de meus olhos, ninguém as vê sair de dentro de mim, somente minha alma. Ela é a única que as vê” — autor anônimo

Os Eater eram criaturas que possuíam dentes fortes, contudo, com um toque de delicadeza, qualquer movimento brusco, poderia quebrar um deles. Para os proteger, usavam máscaras feitas de um material antigo, criados pelos homens no início da segunda guerra. Não sabiam o nome, assim, denominando-o de filmy

A máscara de Rave residia sobre seu rosto, cobrindo uma grande parte. Ela era feita pelo Filmy de cor preta com um fecho entre o desenho dos dentes. Fora feita por seu pai antes de seu nascimento, sabia que só usaria quando conseguisse sair das Terras Vermelhas, mas não imaginava que aquele seria o momento. 

— Meus pés doem — Rave ouviu o resmungo do Badlander. — A noite é fria, não podemos parar? — Era Brice quem pronunciava aquelas palavras. 

— Não — disse Noah dando fortes passos pela terra vermelha. — Temos que levá-la para o laboratório antes do amanhecer, se os Eaters descobrem que fizemos isso virão atrás de nós. 

Rave era levada por Ava e Brice que seguravam seus braços finos e magros com uma algema em seus pulsos. Via somente a escuridão por dentro daquele saco, sem conseguir fazer nenhum movimento por conta da arma que estava apontada em direção a sua cabeça. 

Era noite nas Terras Vermelhas, os soldados andavam com suas armas em suas mãos e o sentimento de vitória dentro de si, por ter pego finalmente um Eater. Harry não conseguia encarar a criatura, nem ficar próxima dela, não se sentia igual aos outros, bem diferente disso. Algo em sua mente pesava, fazia ele se arrepender de ter matado o Eater e ter visto a reação do qual estava preso próximo a ele. 

Queria ser herói, mas sua mente acreditava que estava errado.

Seus olhos iam em direção as botas novas em seus pés. Sua primeira missão havia dado certo, mas ele não estava feliz por isso. Desde os oito anos ele esperava por aquilo, fora resgatado pelos Badlanders anos atrás e queria ser um daqueles que o salvaram dos Eaters no campo de concentração do centro do país. Dava o máximo de si, tentava ser melhor que todos, sempre se esforçando ao máximo igual sua mãe pedira antes de partir. As palavras da mulher eram claras para os filhos: sempre busque ser o melhor para se dar bem nesse mundo, era tudo o que ele fizera desde então. 

Os garotos geralmente se inscreviam para serem soldados aos dez anos e passavam oito treinando até completarem os seus dezoito e ter sua primeira missão. Para Harry havia chego mais cedo. Na central dos rebeldes, todos faziam algo para ajudar aquilo a crescer cada vez mais. Ia de soldado até um simples faxineiro, todos ajudavam. O Coronel era apenas o que vigiava tudo, seu nome era Brandon. Um homem já de meia idade com os cabelos loiros e fios brancos compondo sua cabeça. Inteligente o bastante para coordenar todos no pequeno espaço em que os humanos viviam. 

Chegaram a grande montanha no meio da noite. Brice e Harry foram separados do corpo do Eater e dos outros soldados, sendo levados para a pequena sala do lado do laboratório onde Rave havia sido levada. 

— Como é bom estar em casa — disse Brice, deitando na plataforma de ferro pendurada em uma das paredes. Retirou as botas dos pés e encarou o companheiro. — Estamos juntos desde os dez anos, não faça essa cara — repreendeu o jovem, vendo a expressão triste no rosto de Harry. — Vivos. Saímos vivos da nossa primeira missão, não devemos ficar com cara de bosta por isso — a voz de Brice soava firme e forte, com os olhos mel dele encarando Harry cabisbaixo próximo a porta. 

A sala era iluminava por várias lâmpadas nas paredes de ferro puro. Livraram-se finalmente das barras de ferro em seu pescoço e braços, deixando-as jogadas sobre o chão. 

— Eu matei o irmão dela — Harry disse baixo, sentando ao lado do companheiro. 

— Fez o certo — negou com a cabeça. — Você fez o seu, imbecil! 

— Eu sei que eu fiz o certo, Brice, mas há algo errado nisso — os olhos de Brice encararam o do amigo. — Não sei o que é isso em mim — ele permanecia confuso.

— Idiotice — disse num tom rude. — Harry, você sabe quem são os vilões dessa história — parou um instante para refletir nas palavras do amigo. — Está com ressentimentos de um Eater, com pena de um Eater.

Ele fechou os olhos, concordando com Brice.

 — Pare com isso, deu certo e estamos aqui, quantas vezes terei que repetir isso até você mudar de expressão nessa sua cara? 

Harry riu baixo com as palavras de Brice. Ele tinha razão, tinha feito o certo por matar aquele Eater. Mesmo lembrando da expressão triste de Ravena, decidiu ignorar seus pensamentos em relação a morte do inimigo. 

.:.

Grail abriu os olhos vagarosamente, porém, logo os fechou ao ver a claridade da luz solar tomar conta de sua visão. Com o corpo mole, o Eater levantou a cabeça, encontrando-se ainda no local onde houve o tiroteio contra os Badlanders. Passou a língua por seus lábios ressecados e pegou a arma jogada no chão próxima a árvore. 
Viu o corpo de seus companheiros mortos ao levantar-se. Girou seu corpo, em busca do de Rave, mas ela não estava lá. Em seu primeiro passo, deparou-se com a visão de David caído sobre o chão. O Eater tinha um buraco em meio a testa, com o sangue escorrendo por lá. Sabia o que significava aquilo e o que poderia acontecer pela missão ter dado erro. Lembrou-se do ocorrido. Estava pronto para atirar, quando fora empurrado por David para a árvore e não ver mais nada após sentir uma forte dor na cabeça. E agora, o filho da puta que tinha feito isso com ele estava morto, pois não deixou o responsável por ele protege-lo. Ignorou seus pensamentos, começando a dar poucos passos pelo chão. Precisava chegar no Sul das Terras Vermelhas e informar todo o ocorrido. 

Os Badlanders comemoravam a pequena vitória em um café da manhã. Todos estavam no refeitório encarando a grande mesa cheia de comida preparada somente para os soldados da missão. Os líderes e os comandantes estavam atrás da mesa, sentados sobre cadeira de madeira ao redor de outra. Esperavam a chegada de todos os membros para começar com a comemoração. 

Harry encarou seu reflexo pela porta de ferro do elevador. Sentiu a empolgação de Brice ao seu lado e Ava irritada novamente por motivos desconhecidos. Afinal, com tudo o que havia acontecido ontem, ele questionava o motivo da raiva dela. 

— Eu adoro quando eles fazem essas coisas — comentou Forrest para Noah, com um grande sorriso em seus lábios. 

— A última vez o jantar foi melhor — Ava disse num tom seco, encarando a porta de ferro na sua frente. Grace riu do comentário dela. 

— O melhor jantar da minha vida — Noah sussurrou, lembrando-se da noite que ele havia matado os Eaters que encontraram a fortaleza dos Badlands e a noite chegar com todos comemorando com um grande jantar somente para eles. — Mas café da manhã também é ótimo, Ava. 
— Nada irá superar o jantar daquele dia — a Badlander loira pronunciou as últimas palavras antes que a porta se abrisse. 

Num pequeno espaço de tempo, Harry já estava sentado entre Brice e Noah na grande mesa no centro do refeitório com paredes brancas, cheios de mesas, cadeiras feitas de metal e pessoas sentadas ocupando todos os lugares. Seus olhos verdes direcionaram-se a imagem do Coronel Brandon no centro da mesa na frente dele. Não era a primeira vez que ele via ele, porém, era a primeira que conseguia ter uma boa visão do homem que comandava tudo. 

Ele sorria enquanto ouvia as palavras do comandante de um dos grupos de soldados. Harry sempre buscou imaginar que ele era um homem sério, que em momento algum de sua vida iria sorrir em meio a todos os homens que ele controlava, porém fora tudo ao contrário de sua imaginação. 

Acordou naquela manhã imaginando como o Eater capturada poderia estar. Brice dissera que ela foi levada para o laboratório por Grace de madrugada, porém não foi em busca de mais informações. 

— Quanta comida — Brice comentou para Harry. Sempre acompanhavam a chegada dos soldados, mas nunca iam para as comemorações, porque queria treinar para um dia serem eles que estariam naquele lugar e esse dia finalmente havia chegado. — Gostaria que Hunter estivesse conosco — ele olhou para o amigo ao seu lado. 

— O idiota teve o que mereceu, não lamentem por nada e não lembrem dos mortos que não tiveram vitória antes de partir — Noah chamou a atenção dos jovens. Falou num tom tão frio que chegara a incomodar Brice. — Agora vão pegar a comida de vocês — o foco do soldado era somente comer e sentir-se feliz por ele ser o vitorioso da vez. 

Harry levantou da cadeira, acompanhando Noah até a mesa de comida. Pegou o pequeno prato de vidro com seus dedos grandes, levantou o olhar, vendo o olhar dos comandantes diante o garoto. Questionava o motivo de Grace não estar acompanhada pelos companheiros e sim junto aos soldados. Terminou de pôr umas pequenas porções de comida em seu prato e voltou para seu lugar. 

— Como vocês já sabem, perdemos três membros da nossa equipe — Grace chegou na mesa, segurando um grande prato cheio de comida. — Os novatos já foram selecionados por todos os comandantes, porém duas do grupo do Grant — apontou discretamente para o homem que fizera o Coronel rir minutos atrás. — Virão para o nosso. 

— Quem? — Ava questionou do outro lado da mesa. 

— Skye Devan e Aris Parker — Ava sorriu ao ouvir um dos nomes. 

— Skye vem para nosso grupo? — A loira finalmente mostrou seu lado alegre. — Não acredito. 

— Sim, ela vem — sorriu de volta para ela. — Eu nunca ouvi falar muito da Aris, mas da Skye já. 

— Ela é ótima em tudo o que faz — Ava recebeu o olhar de todos na mesa. — O quê?

Eu conheço ela desde pequena, sempre se destacou e estava em primeiro lugar. 

Harry fitou a imagem da garota que chegara a mesa segundos depois que Ava havia se calado. Com um pequeno sorriso nos lábios, a garota de cabelos castanho claro e um piercing na narina esquerda sentou-se ao lado de Grace na mesa. 

— Novatos já vem se destacando aqui — Skye disse em relação a Harry na sua frente.

— Porém veremos quem será o melhor desse grupo — as sobrancelhas do jovem franziram no momento que ela pronunciou suas palavras e ela riu de sua reação. 

— Quem é você? — Harry questionou, encarando seus olhos verdes. 

— Skye Devan — disse a garota de olhos verdes, ainda com o sorriso nos lábios. — Também conhecida como quem vai tomar seu lugar no grupo. 

— Ele nem foi o destaque — Noah pronunciou-se quando chegou na mesa. 

— Não é o que meu antigo comandante disse — prosseguiu Skye. — Ele matou o irmão daquele Eater e deixou ela cercada — mexeu em seus cabelos curtos. — Ele é sim o destaque do grupo de vocês. 
Brice encarou Harry. Sabia que quem queria ser destaque era Hunter, se ainda estivesse vivo. 

— Ava deveria ser o destaque — Brice disse — Ela trouxe o Eater até aqui. 

— Mas ele capturou — apontou para Harry. — Ava já se destacou demais. 

Ser o destaque do grupo era o que todos queriam. Os destaques sempre eram os mais conhecidos por toda a base e ganhavam melhores tratamentos em relação aos comandantes.

— Vocês são imbecis por só pensarem nisso — Brice estranhou o que Harry dissera. 

Harry saiu do refeitório após terminar de tomar seu café, em passos lentos, ele chegou ao corredor dos dormitórios dos recrutas. A saudade tomou conta do jovem ao encarar o quarto número 314. Seu antigo quarto de recruta já fora dominado por outro garoto, a porta estava fechada, igualmente a todas as outras. 

Respirou fundo, lembrando da primeira vez que havia chegado naquele lugar. Após o grande incêndio no pequeno campo de concentração das Terras Vermelhes, o Sul era o melhor lugar para ele ficar depois daquela tragédia. Ainda era noite quando ele chegara na grande montanha, homens armados e musculosos passavam por ele correndo, igualmente as mulheres sérias com cabelos amarrados sem nenhum fio solto.

Era desesperador para o garoto algo novo, depois de tudo o que viu no mundo a fora, a montanha era o lugar mais pacifico que ele já vira. Foi levado para o quarto 314 no terceiro andar dos dormitórios dos recrutas, um quarto somente para ele, com uma cama encostada na parede, um armário de madeira cheio de roupas e uma pequena porta que levava até o banheiro, sentia-se ótimo em ter aquilo somente para ele. 

A dor tomava conta dele quando ele levou o primeiro soco do garoto mais velho que ele. Queria ser melhor, ele faria de tudo para ser melhor e alcançar um lugar melhor na pequena lista de destaques dos recrutas. Conseguiu ficar em décimo lugar semanas depois, era um garoto forte, cheio de energia para gastar, porém ainda era fraco emocionalmente para enfrentar o mundo novamente. 

Toda noite, ele fechava os olhos e lembrava-se da imagem da sua mãe sendo morta por um dos Eaters no campo de concentração, só conseguia adormecer quando o sol já estava se aproximando do céu novamente para o dia chegar. Não deixava a tristeza dominá-lo por dias, até receber a notícia de que seu pai, um dos comandantes havia sido morto na missão de retirar os humanos vivos da Reserva. Depois daquilo, Harry não era mais o mesmo. 

Em sua mente percorria a ideia de ter matado um ser humano. O sentimento de culpa o dominava, causando a péssima sensação sentida no peito. Brice tinha razão, ele estava ressentido pela morte do Eater.

Desceu pelas escadas até o último andar, ouvindo várias batidas em uma parte das paredes de metal do corredor principal. Eram fortes e rápidas. Curioso, Harry buscou com os olhos a porta que levava até o barulho. Seus passos vagarosos chegaram até a porta inoxidável do laboratório, ele passou as mãos pela camisa rajada, retirando o suor que havia nela. Sem medo algum, ele abriu a porta, adentrando o local. 

Viu as milhares de prateleiras penduradas nas paredes, cheias de experimentos dos ciências da base. Vários papéis jogados em cima de uma das mesas de aço, junto com os béqueres e erlenmeyer com substâncias coloridas em cada um deles. Havia uma grande parede de metal próximo ao fim da sala, uma grande parede de vidro cobria a porta da frente, formando uma verdadeira cela. 

Os sons das batidas aumentavam a cada passo que ele dava em direção a cela. Seus olhos percorram toda a região até encontrar Rave caída no chão, batendo com a mão contra a parede de metal. Estava do mesmo jeito desde a última vez que ele a vira, a única diferença era que agora havia correntes feitas pelo lítio em seus pés.

 


Notas Finais


a primeira meta de 2017 é acabar badlands, amém!
espero muuuito que tenham gostado do capítulo, não esqueçam de comentar.
Desejo-lhes um feliz natal e maravilhoso ano novo, que 2017 seja melhor do que 2016!!!!
até o próximo capítulo :)
recomendações; https://spiritfanfics.com/historia/honor-7367147
https://spiritfanfics.com/historia/stargirl-7460734
https://spiritfanfics.com/historia/red-5060872
ask; http://ask.fm/Havins_
tumblr de histórias; http://herquinn.tumblr.com/
all the love
xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...