História Badmoon - interativa - Capítulo 22


Escrita por:

Visualizações 67
Palavras 3.072
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OOiiiii geeeenteeeeeee.....
vamos ao que interessa, lá baixo no vemos de novo...

Capítulo 22 - Fim de baile. Início dos problemas!


Fanfic / Fanfiction Badmoon - interativa - Capítulo 22 - Fim de baile. Início dos problemas!

As coisas não estavam nada boas, Lua e  Lilac desaparecidas, Mali no hospital, Elena sem saber o que que estava acontecendo com ela… seja lá o que for que pretendiam fazer mau a matilha da suprema estava tendo sucesso…

 — Cadê a Malica? — Dylan anda apressado pelo corredor do hospital, segurava o colar da irmã com tanta força que seus dedos já estavam ficando vermelhos, se continuasse daquele jeito ia acabar fazendo com que eles atravessassem a palma de sua mão… — Cadê ela? — ele repetiu quase que gritando…

 — Ei! fique calmo rapaz.— uma enfermeira se aproximou dele. — isso aqui é um hospital, você não pode sair por aí gritando… — ela o analisou, percebendo que estava alterado o levou para a recepção. — Quem você procura? — A jovem mulher de cabelos cacheados e pele negra o olhou com ternura.— Me diga o nome que eu posso te ajudar.

 — Você nunca na sua vida poderia me ajudar neste momento, — o Alfa estava extremamente irritado e com pressa, acabou sendo mais rude que de costume. Mais a frente ele viu Elena na máquina de doces, e correu até ela, — Elena, onde está Malica? — ele segurou o braço da alfa com mais força que necessário.

 — Você está me machucando. — Elena o recebeu com a mesma grosseria e puxou braço da mãos dele

—Eu não estou para brincadeiras, onde ela está, isso tem ser feito agora, o tempo está acabando… —Elena não entendeu nada, apenas o analisou massageando o lugar onde foi apertado.

— ELENA! — ele gritou, algumas pessoas que estavam por perto até se assustaram.

— O que você quer? Ela ainda está desacordada, lembra que um prédio em ruínas caiu na cabeça dela? — Elena foi irônica.

— Lua está desaparecida, só ela pode encontrá-la… — Ele olhou para o punho fechado em volta do colar — Ela precisa acordar...

— Sinto muito! — a Alfa notou que por trás de toda aquela raiva tinha um alguém muito preocupado com a irmã menor, e dada as circunstâncias, era entendível. — Não sei como acordá-la…

— Acho que posso ajudar nisso, — Krys apareceu acompanhada por Maxy, em uma de suas mãos tinha uma seringa…

 — Então ajude. — Dylan pediu

— Não! espera… quer dizer.— Elena e seu instinto protetor logo a barrou com o braço impedindo que a moça de olhos puxados prosseguisse. — O que vai vai fazer? — A alfa desconfiou.

 — É só uma injeção de estimulante cardíaco, ela vai sentir dor, mas vai despertar em seguida.

— Sai da frente Elena, eu preciso que ela acorde agora.— Dylan, se exaltou com a castanha mais uma vez.

—Ela só vai passar por que é pela Lua. — Elena foi firme, Dylan jamais a intimidaria, ela jamais permitiria isso ...

  

***

  Na casa do caçadores, um outro problema acabava de ser descoberto, o jovem que foi retirado por último dos escombros, havia sido mordido, Malica teve que fazer uma escolha caso contrário os dois morreriam soterrados.

 — Eu não quero morrer. — o jovem caçador pedia por sua vida.

— Você não tem escolha.— Disse o Wittelsbach pai. — Esse é o destino do caçador mordido. Ou você faz, ou algum de nó faz por você… Tem três dias até a lua cheia. — Dito isso da forma mais fria possível o pai deixou o jovem sozinho no porão modificado da casa…

 — Isso não está certo. — Justin falava com o amigo. Seu nervosismo era visível, pois andava de um lado para o outro na sala de armas…

 — Do que você está falando? — Pet que estava sentado na alta cadeira de couro do pai, levou os pés até a mesa e recostou. A sensação que tinha era de satisfação por um trabalho bem feito, mesmo que este esteja apenas começando. Agora que Justin sabia a verdade pegar os lobisomens de Devenforce seria questão de tempo e pouco tempo, afinal na cabeça dele, seu amigo estava de volta, sem garotas para lhe atrapalhar, o bom e velho Dunbar, caçador de lobisomens não iria permitir que essa mordida em um de seus novos recrutas ficasse impune…

 — Não é certo ele ter que perder a vida. A culpa não foi dele, ele não pediu para isso acontecer.

 Pet não entendeu o questionamento do amigo, esse era um dos códigos supremos dos caçadores, se um fosse mordido, com possibilidade de transformação ele ou um dos seus teria que tirar a vida evitando assim que mais uma besta nascesse…

 — Não acredito que você está questionando isso! — Pet se levantou exaltado, passou as mãos nervosamente pelos cabelos, coçou a nuca… foi furioso na direção do outro, mas parou no meio do meio do caminho, não podia acreditar no que seus ouvidos haviam acabado de escutar… — Eu não te reconheço mais… — Ele olhou para o loiro que se recostou nas costas do sofá e apoiou as mãos no mesmo… — Não te reconheço mais. — Peter repetiu balançando a cabeça negativamente e lançando mais um olhar desapontado para o tatuado  e saiu da sala o deixando só…

 — Nem eu me reconheço mais… — Justin abaixou a cabeça, quase que encostando o queixo no peito, fazendo com seus cabelos, cobrisse seu rosto… O rapaz estava totalmente confuso, como ele estava questionando algo que para ele era natural, tendo ele mesmo já tirado a vida de alguns colegas caçadores pelo mesmo motivo? — O que está acontecendo comigo? — Perguntou para si mesmo....

 

***

 

Na casa dos vampiros, Kenna havia terminado as poções de purificação para o corpo da avó Winterson, agora só precisava que Draugon chegasse para poder iniciar o processo, mas não foi bem o bruxo que chegou na casa…

 — Eles estão atrás de mim… não saia de casa — foi única coisa que Aidan conseguiu dizer antes de desmaiar… Kenna não entendeu muito bem o que houve, mas preferiu dar ouvidos ao loiro, com um movimento das mãos ela o fez levitar o levando para dentro, em seguidas três lobisomens apareceram do lado fora onde a pouco segundos o gêmeo havia caído, no entanto dali não conseguiram passar pois a casa ainda estava com a proteção que Ammy havia pedido para que ela fizesse…

 — Droga! Mas que merda é essa que está acontecendo? — a bruxa esbravejou, tratando logo de estancar o sangue das feridas do lobo com magia, mas como ele era um lobisomem, não conseguiria fechá las com magia, teria ser do jeito dos humanos mesmo, coisa que fez ela bufar mais uma vez sem a mínima paciência algo que já não era mesmo de sua natureza… os lobisomens continuavam tentando atravessar a barreira que já estava precisando ser reforçada pois não duraria por muito mais tempo se eles continuassem forçando suas entradas…

 — Mas que merda! Esse sangue não pára, preciso fechar isso… — Kenna continuava esbravejando e xingando enquanto enrolava toalhas no corpo mole de Aidan…

 Como previsto eles finalmente quebraram a barreira, e avançavam na direção da casa, a mulher bateu a porta com outro movimento das mãos e da mesma forma  jogou uma estante de madeira pesada na frente da porta impedindo assim que a entrada deles fosse fácil… finalmente após conseguir estancar um pouco o sangue, ela é surpreendida por uma das feras que atravessou a janela enquanto a outra ainda tentava arrombar a porta, a terceira fera entrou pelo mesma janela encurralando assim a bruxa na parede… de repente a estante foi ao chão e terceira fera pulou em cima da porta derrubada, Kenna não teria menor chance, mesmo sendo uma bruxa poderosa, já havia gastado muita energia, estava cansada dos preparativos da purificação… mas ela não desistiria, não morreria sem lutar até sua última gota de sangue…

 

***

 

 De volta ao hospital, Malica havia acordado com uma forte dor no peito, levantou exaltada de supetão como quem desperta de um terrível pesadelo, e acabou por perceber de que o pesadelo era real e este estava só no começo… Dylan já lhe contará o que houve… então ela fez o que tinha que fazer antes que fosse tarde demais. Pegou  o colar da mão do Alfa tentando farejar alguma coisa, mas como era esperado o mesmo desapareceu sem deixar rastros, todos a olharam esperando saber se ela tinha conseguido…

 — Então? — Dylan foi o primeiro a quebrar o silêncio. — O que sentiu? — ela o olhou, também olhou para Elena que estava ao seu lado, e para Krys e o Kitsune a sua frente, se detendo um pouco mais no rapaz de cabelos platinados, lembrando que ele foi que impediu que os escombros a atingissem,  com um escudo de algum tipo de energia que emanava dele…

 — Obrigado! — Mali o agradeceu, ele deu um sorriso imperceptível meio de lado e fez um movimento positivo e muito sutil com a cabeça…

 — Malica!— Dylan que já não tinha um pingo de paciência, falou entre dentes apertando os olhos, tentando em vão se controlar pois socou a parede com tanta força que esta afundou fazendo um buraco na mesma… Malica o olhou  erguendo uma sobrancelha…

 — Bom… Eu… — a suprema não conseguiu iniciar, a porta do quarto foi escancarada e a figura rude e feroz de Connor passou por ela…

— Filha você está bem? — o homem estava preocupado, foi na direção da jovem e a abraçou, fortemente…

 — Estou bem… — Mali falou com dificuldades, pois ele a apertava muito… — Vou ficar melhor se você me soltar. Não dá.. para.. res.. pirar…

 — Desculpe! — ele  a soltou olhando ao redor — Imagino que este buraco tenha sido obra sua. — o barbudo olhou para Dylan, que ainda estava sem paciência…

 — Eu vou encontra-lá Dylan, não se preocupe. Sejá  lá quem foi que a levou não a matou.— Mali tentou tranquiliza-lo

 — E como você tem tanta certeza disso?— Ele ironizou. já não estava mais pensando direito.

 — Eu posso sentir.— A morena foi seca

 

Ali mesmo no hospital no quarto ao lado Nora despertava tendo Arch dormindo na cadeira ao lado da cama…

 —O que você está fazendo aqui? — ela perguntou meio lenta tentando se sentar…

 — Ei! Você acordou. — o ruivo se espreguiçou, ação esta que deixou seus músculos sobressaltado na camisa social branca que usava, Nora observou cada gomo sobressaltado, ela tinha que admitir o cara era bonito, naquele momento achou que tinha sorte, por tê-lo ao seu lado, já que ela não se sentia tão bonita assim… mesmo que muitos dissessem que sim, não era assim que a própria se via — Está com fome? — ele perguntou com um sorriso largo no rosto, ignorando totalmente o olhar fulminante que ela lhe lançou, todo o pensamento anterior de ser uma garota de sorte desapareceu de sua mente de forma tão rápida que nem parecia que os tivera…

 — Não.— foi seca. — quero ir para casa.

—Mas é claro que você vai comer, nem que seja esta deliciosa gelatina, que eu mesmo… — Arch abriu a potinho levando o dedo que sujou a boca. — vou dar a você se for preciso… agora come um pouco vai… só um pouquinho… Por favor… — as caras que ele fazia eram tão fofas que ficava difícil resistir, então a loirinha pegou o pote da mão dele e deu uma colherada bem grande e enfiou na boca…

 — Satisfeito? — ela jogou o pote de volta na mesa móvel a sua frente e a empurrou de lado, numa falha tentativa de sair da cama…

—Não estou muito satisfeito não... mas vou deixar passar… — ele cruzou os braços. — Um passo de cada vez. — o ruivo bem definido levantou e foi ajudar sua loirinha…

 

***

 

 Lua despertava lentamente, sua visão estava turva, seu olfato estava confundido, não conseguia distinguir nada…

 — Minha doce Lua… porque você? Logo você… sempre gostei tanto de ti…porque você tinha que ser a protetora da suprema? — A voz mais jovem que sempre falava com o verdadeiro gêmeo do mau ecoou pelo porão fétido e pouco iluminado, mas a ômega não conseguia ver quem era dono dela, apesar de ter tê-la reconhecido se recusava a acreditar no que seu ouvidos insistiam em confirmar, não podia ser, não podia…   Grossas lágrimas escorreram pela face da morena… isso com toda certeza a atingiu em cheio no coração, agora já não sentia mais as dores de seu corpo e sim uma dor interna, uma dor que lhe apertava o peito de tal forma que ela podia sentir seu coração sendo esmagado…

 

***

 

 Kenna já estava sem forças, já estava tão cansada de tentar deter as feras usando magia e sua vasta experiência de combate corpo a corpo que foi ao chão quando derrubou a segunda fera, mas estas simplesmente se levantou e avançou na direção dela enquanto a outra ia em direção ao loiro que despertou no meio da briga e tentava ajudá-la, mas ele já tinha perdido muito sangue e não estava se curando, as garras das feras continham veneno, o mesmo tipo de veneno que havia infectado Elena e Lua… e ele já tinha lutado com essas bestas antes, eles não resistiriam por muito mais tempo, então Aidan fez a única coisa que lhe restou, um uivo, saiu de sua garganta, reunindo todas as suas forças ele o aumentou de tal forma que estremeceu o lugar e em seguida desmaiou novamente… este seria o fim para eles, Kenna havia lutado bravamente, conseguindo matar uma das bestas, e Aidan debilitou a outra, restando apenas uma ainda forte mesmo que machucada… a bruxa caiu de joelhos haviam vários cortes em seus braços sua boca sangrava, tudo parecia perdido… os movimentos agora pareciam ser em câmera lenta, a morte se aproximava dela e ela nada mais conseguia fazer contra isso… mas… três vultos passaram por ela, um a pegou no colo segundos antes das enormes e envenenadas garras da besta cravar em seu pescoço e os outros dois agarraram a outra besta que se preparava para dilacerar o meio irmão de Malica, um de cada lado partindo assim a última besta ao meio, o sangue do animal escorreu pela sala, espirrou também nas paredes… Klaus colocou Kenna no chão apoiando sua cabeça delicadamente, enquanto Elijah e Malica ainda respingados de sangue se olharam... mais uma vez aos olhos da bruxa, tudo que foi bem rápido, parecia acontecer em câmera lenta, ela olhou para todos ali e se permitiu desmaiar, estava verdadeiramente exausta…

 

 ***

 

— Esta noite está sendo longa demais… — Madison reclamou sentando no banco ao lado do amigo vampiro que estava ao beijos com a bruxinha Winterson…

 — O que houve? — ele perguntou bufando desenrolando a língua da boca da menina…

— Comigo nada, mas a turminha dela.— apontou para Dia com desdém.

— O que houve com eles? — A bruxa se levantou não dando a mínima, para o desdém da ruiva…

 — Não faço a menor ideia… — Madi mentiu e saiu deixando uma Dia furiosa…

 — Jack você pode me levar em casa? — a ruiva pediu quase que ordenando. Dia revirou os olhos e saiu pisando firme tentando ligar para alguém para saber  o que houve…

 — Ei! espera. — O vampiro gritou para o morena, mas ela fingiu que não ouviu e se afastou apressadamente…

 

 Pouco tempo depois todos já estavam na clareira, Krystal examinava as bestas que agora estavam do lado de fora, coletou algumas amostras antes que Ammy acendesse o fogo para fazê-los virar churrasquinho…

 — Eu não faço idéia do tipo de veneno que temos aqui. — Falou a estagiária sacudindo a substância viscosa dentro do pequeno frasco…

 — Como chegaram aqui tão rápido? — Kenna estava sentada largada no sofá, Elijah, Klaus e Mali terminavam de limpar tudo…

 — Aidan. — Mali acabou sua parte— ouvi o rugido dele, mas de fato não sei como cheguei tão rápido…

 — Sua parte vampiro.— Klaus esclareceu. — Você é igual a mim

 — Na verdade irmão. — Elijah o cortou —Ela é mais forte que você, é mais forte que todos nós aqui nesta casa… — Klaus a olhou com uma sobrancelha erguida, não sabe se gostou desta informação… mas não teve tempo de falar mais nada, Elena que estava sentada no braço do sofá desmaiou sendo amparada por Maxy…

 — Elena! — Mali se levantou de imediato indo até a amiga…

 — Precisamos levá-la para a clínica, preciso descobrir um antídoto o quanto antes — Krystal falou examinando a alfa…

 

 Todos combinaram de se encontrarem na clínica, pois ainda estavam usando seus trajes de baile e precisavam trocar de roupa, os vampiros levaram Elena e Aidan enquanto Mali, ia para casa e depois passaria na casa da amiga para pegar alguma roupa para ela. Dylan estava inconformado sabia que precisa encontrar a irmã, decidiu então tomar um caminho diferente do de sua casa, Dia também foi trocar de roupa, Mali achou melhor acompanhá-la, não aceitaria perder mais ninguém de vista, após deixá-la em casa, seguiu para a de Elena tomando a forma de lobo, pois seria mais rápido que se levasse o carro da bruxinha como Dia lhe ofereceu, no caminho sentiu um cheiro familiar, e ficou a espreita observando o loiro caminhado na direção da casa da castanha…

 — Sou caçador a bastante tempo, pra saber que estou sendo seguido. — Justin parou olhando para trás por cima do ombro, enfiou as mãos no bolso e esperou uns segundos, quando das sombras surgiu um enorme lobo, negro como a noite, com olhos vermelhos brilhantes… Malica rosnava lentamente para ele, colocando sua enorme língua para fora, como se babasse por uma presa, o rapaz deu um passo atrás, nunca tinha visto um supremo tão de perto, sabia que eles eram maiores que lobos comuns, mas não sabia que eram tão grandes como aquele… ele apertou os olhos como quem analisa a situação, uma das mãos segurou o cabo da arma que carregava na parte de trás da cintura, pensou que talvez se fosse preciso seria mais rápido que enorme animal a sua frente, que avançou alguns passos, fazendo com que ele recuasse o mesmo tanto…

 — Quem é você? — o loiro perguntou permanecendo em alerta.— Malica talvez — ele ponderou levando a mão livre até o queixo, levou a cabeça um pouco para lado — Só pode ser… só pode ser você, os lobisomens são fortes, mas você é mais, é mais rápida também… É… com toda certeza é você mesmo… Olha… — ele pensou... soltou o cabo da arma…—  não quero machucar você.— a suprema continuava a encará-lo lambendo o focinho — se bem que eu devia querer isso. Afinal, você mordeu um dos meus…mas... não quero… só quero saber se Elena está bem… é só o que eu quero, eu não sei bem o que estou sentindo, mas preciso saber se ela está bem… — A loba avançou na direção dele, que no reflexo empunhou a arma, mas ela saltou por cima de sua cabeça e desapareceu na escuridão da mata…

 — Droga! — Justin bufou, guardou a arma e voltou na direção contrária da casa de Elena...


Notas Finais


Oi pessoas lindas, seu que demorei, mas cara está difícil abeça, escrever, bateu um bloqueio sinistro... espero que ele tenha partido para nunca mais voltar...
estava morrendo de saudades de vocês com seus cometários maravilhosos... kkkk
Eente a capa é só para mostrar os figurinos do baile tá...
Agradeço a todos que me apoiaram e me deram dicas incríveis, que coloquei em prática para voltar a escrever...

Espero que nos vejamos em breve...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...