1. Spirit Fanfics >
  2. Baile de formatura. >
  3. I. Quem conseguiu ser o par de Park Sooyoung?

História Baile de formatura. - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - I. Quem conseguiu ser o par de Park Sooyoung?


“Eu realmente agradeço o seu convite Junmyeon...” A doce voz de Park Sooyoung ecoava pelos largos corredores da escola enquanto Kim Junmyeon sentia as pequenas gotas de suor escorrendo de seu pescoço e sumindo ao encontrarem o tecido amarelo da gola da camiseta polo do uniforme escolar. “Mas não posso ir com você ao baile de formatura. Me desculpe.” Concluiu e se curvou educadamente para o rapaz. Sooyoung deu meia volta e ao constatar que pelo menos meia dúzia de pessoas (desocupadas, diga-se de passagem) puderam observar a cena, não pensou duas vezes antes de voltar para a sala de aula em passos rápidos.

Não tinha dúvidas de que em menos de quinze minutos a escola inteira já estaria falando sobre o fora que Kim Junmyeon tinha levado de Park Sooyoung no último dia de aula. Quer dizer... Junmyeon seria tratado apenas como mais um dos rapazes que tiveram coragem de chamar a Park para o baile de formatura. Em menos de uma semana, Sooyoung recebeu quase vinte convites — e negou todos, é óbvio — e isso não lhe agradava nenhum pouco. Parece que grande parte dos garotos (e até mesmo algumas garotas) estavam em uma espécie de competição desde que tinha sido abordada no horário do almoço por Im Nayeon, que foi direta e lhe perguntou se já tinha algum garoto para ir. Sooyoung não pensou duas vezes antes de falar que não aceitaria nenhum convite, mas antes de concluir a fala explicando que já tinha um par, Nayeon já tinha saído da sala de aula para espalhar a fofoca do dia.

Desde então, todos começaram a competir sobre quem conseguiria ser o par de Park Sooyoung no baile de formatura do Ensino Médio.

 

[...]

 

Seungwan terminava de guardar — pela última vez naquele ano, ainda bem — seus cadernos e seus grossos livros de matemática dentro de sua mochila quando percebeu uma aglomeração de pessoas no fundo da sala. Curiosa, olhou por cima dos ombros e observou atentamente o sorriso nervoso de Sooyoung enquanto tentava inutilmente desviar das perguntas nada discretas das garotas do terceiro ano sobre ter negado o convite de Junmyeon.

Sooyoung parou de prestar atenção nas perguntas assim que notou os olhos escuros de Wendy lhe observando por trás dos óculos de grau. Seungwan era a criatura mais extraordinária que Sooyoung já tinha conhecido em toda a sua vida e, mesmo após longos oito meses de namoro, ainda não conseguia acreditar que aquela era a sua namorada. Quer dizer, Seungwan — ou Wendy, como era chamada quando estudou no exterior — era a típica garota tímida dentro da escola e extrovertida (e outras coisas também) quando as duas estavam à sós no quarto da mais velha.

Sooyoung passou tanto tempo olhando Wendy (ou melhor dizendo, nos lábios rosados que estavam cobertos por uma fina camada de gloss labial e que a Park tinha certeza de que era o de pêssego) e que por não estar prestando atenção nas fúteis perguntas que as garotas que lhe cercavam faziam, que ao escutar um “então é isso?” vindo de Eunbi, apenas respondeu um cansado e desatento “sim” para que parassem de lhe encher de perguntas.

Entretanto, a expressão de choque de Seungwan e o grito animado das garotas lhe fizeram voltar ao mundo real.

“Ai, que bom que é isso!” Kim Yongsun suspirou aliviada. “Eu já estava preocupada com os resmungos de Minseok pelos corredores de casa... Nem nossos pais aguentavam mais!”

“Oh, então já que é por isso eu acho que o Junmyeon Oppa não vai ficar tão chateado.” Hwang Yeji, aluna do segundo ano, pontuou. “Não se preocupe, unnie. Ninguém vai lhe mandar convites no KaTalk até o dia da formatura!”

Sooyoung viu Wendy sair às pressas da sala de aula e, naquele momento, a Park sentiu seu corpo travar.

Com que porra eu concordei?, pensou.

Sorriu amarelo para Yeji e perguntou como quem não queria nada: “Oh, sim. Mas por que o Junmyeon não ficaria chateado?”

Yeji arqueou as sobrancelhas, claramente confusa, e respondeu: “Porque você acabou de confirmar para a Yongsun Unnie que você tem um namorado, unnie.”

 

[...]

 

Sooyoung passou o resto do dia tentando mandar mensagens para sua namorada.

 

Park Sooyoung [12h48]: Você nem falou comigo antes de sair da sala.

Park Sooyoung [12h57]: Jagiya?

Park Sooyoung [13h24]: Está passando aquela novela que você gosta na SBS.

Park Sooyoung [14h]: Você já almoçou?

Park Sooyoung [16h12]: ㅠㅠ

Park Sooyoung [18h29]: A minha mãe quer saber se você quer jantar aqui em casa  hoje.

 

E todas foram ignoradas com sucesso.

Sooyoung bloqueou a tela do celular após mandar a última mensagem para Seungwan e se jogou de costas em sua cama. Sentiu o colchão macio entrar em contato com suas costas e suspirou antes de olhar para o teto branco cheio de estrelas — que brilhavam no escuro — que Wendy tinha lhe ajudado a colar. Estava preocupada com a reação da Son a respeito do que tinha respondido para Yongsun. Tudo bem que não tinha prestado atenção na pergunta, mas por que foi respondê-la no lugar de pedir para a Kim repetir a pergunta? Com toda certeza Wendy tinha ficado chateada com a situação e por isso estava ignorando suas mensagens.

Parecia besteira, mas não era. Seungwan e Sooyoung namoravam há quase um ano e, com exceção seus pais e os pais da Son, somente três pessoas sabiam. Falar na frente de sua namorada — ou quase isso, já que Wendy estava prestando atenção na cena — que você tem um namorado é algo realmente perigoso e é óbvio que qualquer pessoa ficaria chateada com a situação. Wendy não via problemas em se assumir; diferente de Sooyoung, que tinha medo do que as pessoas da escola poderiam fazer com as duas, e isso era algo que gerava poucas brigas entre as duas.

Sooyoung suspirou cansada e quando ia puxar o celular para mandar mais mensagens para a namorada, sua mãe abriu a porta do quarto lhe chamando para jantar.

 

[...]

 

“É sério que vocês brigaram por causa disso?” Bae Joohyun perguntou incrédula enquanto tomava os últimos goles de seu bubble tea.

Sooyoung suspirou e se debruçou sobre a mesa da cafeteria, colocando a cabeça sobre os braços cruzados e observando Seulgi terminar de servir os poucos clientes daquela tarde.

“Não foi bem uma briga, unnie...” Sussurrou para a mais velha. “Ela apenas saiu da sala e desde então anda ignorando as minhas mensagens. Ela está me ignorando, você tem ideia do que é isso?” Perguntou e sentiu as finas lágrimas escorrendo pelo rosto.

A Bae apenas abriu a bolsa e retirou de lá um pacote de lenços, entregando-os para a Park que logo abriu a embalagem e secou o rosto, fungando e reclamando várias vezes durante o processo. Sooyoung abriu a boca para agradecer, mas foi interrompida por Yeri:

“Sinceramente?” Perguntou debochada, observando suas duas unnies. “Você é uma idiota, Park Sooyoung.” Foi sincera e Sooyoung se sentiu ofendida.

“Ei! Olha só como você fala com a sua unnie, dongsaeng!” Joohyun deu um tapa no braço de Kim Yerim, que mostrou a língua para a mais velha das três.

“Eu estou falando sério, Irene unnie!”

“E por que eu sou uma idiota, Kim Yerim?” A voz de Sooyoung soou ácida e naquele momento Yerim se arrependeu por ter aceitado passar o final tarde com as duas na cafeteria que a namorada da Bae trabalhava.

Os olhos claros da Park encaravam a Kim de forma ameaçadora, até que Yeri reuniu coragem o suficiente para responder a mais velha: “Pelo amor de Deus... vocês duas moram em Samsong-dong, não são nem oito quadras de distância. Ela pode ignorar as suas mensagens mas não pode te ignorar na porta da casa dela.”

 

[...]

 

Sooyoung odiava admitir que Yerim estava correta (na realidade eram doze quadras, não oito como a mais nova havia dito). Estava parada há exatos dez minutos na porta da casa da família Son e procurava coragem para tocar a campainha. Sabia que Wendy estava em casa, pois escutou o toque de telefone da namorada enquanto ligava para ela (que acabou se tornando apenas mais uma chamada ignorada). Relutante, colocou o dedo sobre a campainha e a apertou. Alguns segundos se passaram até que a Senhora Son aparecesse para abrir a grande porta de madeira e esboçasse um sorriso para a nora.

“Sooyoung!” Disse animada e abraçou a namorada da filha. “Entre!” Quando se desfez do abraço, deu espaço para que a Park adentrasse na casa.

Sooyoung retirou o par de tênis preto, deixou-os na prateleira de sapatos de Wendy e resolveu não calçar nenhum par de chinelos, entrando na casa somente com suas meias coloridas. A Senhora Son olhou Sooyoung da cabeça aos pés e com um olhar sério, puxou a mais nova até a cozinha.

“Você está tão magra, querida.” Abriu a geladeira e começou a retirar várias vasilhas de lá, colocando-as sobre o balcão de mármore da pia. “Ainda bem que as aulas acabaram, assim vocês não precisam mais passar noites em claro para estudar para as provas finais e para o vestibular...” Fechou a porta da geladeira e se virou para a pia, abrindo as vasilhas e separando os utensílios necessários para cozinhar. Sooyoung queria falar, mas a sogra não deixava. “Eu e a sua mãe percebemos o quanto você e a Seungwannie estavam magras nesses últimos meses... Mas não se preocupe, vou fazer um ótimo jantar e você vai voltar com uns quilos a mais para casa!” Declarou e Sooyoung riu. “Você vai ficar para o jantar, certo?”

“Sim, senhora.” Disse formalmente e escutou a senhora comemorar.

Por longos minutos, apenas o barulho da água fervendo e das verduras sendo cortadas eram audíveis na cozinha, até que Sooyoung resolveu ser direta: “Senhora Son...” Disse e a sogra fez um barulho com a boca, indicando que estava ouvindo. “Eu queria lhe ajudar no jantar, mas eu realmente preciso falar com a Wendy. Me desculpe por deixá-la sozinha na cozinha.” Se curvou educadamente e a mais velha riu.

“Ah, esses jovens de hoje...” Riu e Sooyoung sentiu o rosto ficar quente com a forma que a Senhora Son falou. Inclinou a tábua de bambu e jogou os vegetais dentro da panela. “Pode subir, querida. Apenas não demorem para o jantar!”

Sooyoung apenas girou o corpo e subiu as escadas correndo.

 

[...]

 

“Eu é que deveria lhe pedir desculpas, amor.” A voz de Wendy saiu abafada. As duas estavam conversando há quase vinte minutos e foi só questão de tempo até que Wendy se sentisse envergonhada pela forma que agiu e começasse a chorar após finalmente admitir que estava com ciúmes da namorada.

Sooyoung riu e fez carinho nos cabelos curtos de Seungwan, que estava com a cabeça deitada em seu colo.

“Você tem todo direito de ficar chateada, Wannie. Não foi legal.” Movimentou os dedos para cima e para baixo, enrolando os fios castanhos nos longos dedos e fazendo um carinho gostoso no couro cabeludo da mais velha.

“Não, amor. Eu que fui infantil.” Wendy respondeu e girou o corpo na cama, ficando de barriga para cima. Cruzou os braços sobre a barriga e encarou o rosto da namorada. Sooyoung estava com os cabelos presos em um coque e com o rosto livre de maquiagem (com exceção do hidratante labial que usava). “Me desculpa, Soo.”

A Park riu e curvou o corpo para beijar Wendy. Os lábios se moviam com delicadeza e Sooyoung sentiu o coração errar algumas batidas quando as mãos de Seungwan fizeram carinho em seu rosto. Sooyoung pretendia aprofundar o beijo, mas a risada de Wendy fez com que ela ajeitasse a postura e lhe encarasse com as sobrancelhas arqueadas, visivelmente confusa.

“O que foi, Wannie?” Perguntou.

Wendy riu baixinho e tirou a cabeça das pernas da namorada, se ajeitando na cama para ficar de frente para a mais nova. Sooyoung repetiu o gesto de Wendy e cruzou as pernas.

“Quase um ano de namoro e eu ainda não me acostumei.” Falou, colocando o rosto gordinho de Sooyoung entre suas mãos. A expressão confusa da namorada lhe fez rir. “O seu aparelho. Ele faz cócegas.”

Sooyoung jogou a cabeça para trás e riu alto. Após alguns segundos, a Park voltou a encarar Wendy e fez uma expressão perversa. Colocou as mãos sobre o peito da Son e a empurrou na cama, se inclinando até ficar com o corpo sobre o da namorada.

“Sabe, você não reclama dele quando eu...” Começou e logo foi interrompida por um grito envergonhado de Wendy.

Não demorou muito até que suas bocas estivessem coladas novamente e os dedos afobados de Seungwan procurassem pela barra da camisa de Sooyoung.

Pelo visto a Senhora Son jantaria sozinha nesta noite.

 

[...]

 

“Você demora muito para escolher uma roupa, amor.” Sooyoung reclamou ao ver Wendy entrando no provador pela sexta vez.

“Quieta, Sooyoung.” Disse de dentro do provador e Sooyoung revirou os olhos.

A mais nova cruzou os braços e bufou, observando de forma tediosa as roupas da loja. Faltavam apenas três dias para a formatura e Wendy estava desesperada à procura de um vestido perfeito. Devido a isso, ligou para Sooyoung às oito da manhã de uma terça-feira e a arrastou para todas as lojas de roupas possíveis.

Por que perder tanto tempo escolhendo um vestido se no final da noite você vai estar sem roupa no meu quarto?, pensou.

Mais alguns minutos se passaram até que Wendy saiu do provador com uma expressão de raiva. Jogou o vestido vinho em Sooyoung e caminhou em passos pesados até o outro lado da loja, cruzando os braços e olhando todos os vestidos pendurados. Sooyoung resmungou, se levantou e colocou o vestido sobre os ombros. Pegou um cabide, estendeu o vestido e pendurou-o de volta no lugar que estava antes. Após guardar o vestido, andou até Wendy e também cruzou os braços, olhando os vestidos.

Os olhos atentos de Sooyoung analisavam cada peça de roupa. Quando Wendy estava quase desistindo de encontrar uma roupa que lhe caísse bem (o que na verdade não passava de uma paranoia, pois Seungwan ficava bem vestindo qualquer coisa), Sooyoung esticou o braço direito e puxou um vestido preto. Esticou a peça afim de analisá-la melhor e, ao constatar que seria aquele, estendeu-o para a namorada.

“É este.” Disse sem enrolar. Apontou com o indicador para o provador e Wendy logo entendeu o recado, andando até a porta branca.

Não demorou muito para que a porta do provador se abrisse. Sooyoung sentiu seu coração parar ao perceber que a pele alva de Seungwan se destacava com o preto do vestido. As coxas grossas apertadas pela bainha do vestido, a clavícula sendo exposta e os cabelos claros presos deixando a mandíbula bem marcada à mostra.

“Esse vestido ficou bom?” Wendy perguntou insegura, virando o corpo e se observando no espelho do provador.

“Wannie.” A voz de Sooyoung saiu arrastada e Wendy virou para lhe encarar.

“O que foi, amor?” Perguntou confusa quando o corpo alto da Park parou em frente ao seu.

“Eu acabei de perceber que preciso usar esse provador.”

Claramente confusa, Wendy arqueou a sobrancelha esquerda e levantou a cabeça para encarar a namorada.

“Você já não tinha comprado o seu vestido?” Perguntou e Sooyoung riu com a inocência da mais velha. “Você encontrou outro vestido?”

“Você não entendeu?” Perguntou entre risos, mas Wendy continuou sem entender.

Seungwan soltou os cabelos curtos para prendê-los novamente e caminhou até o provador, virando para a namorada e falando: “Eu vou tirar esse aqui, me dê cinco minutos e você já pode usar o provador.” Entrou no espaço e antes que pudesse fechar a porta, os longos dedos de Sooyoung empurraram a madeira para trás. “Soo, o que você...” Sooyoung se inclinou para beijar Wendy, adentrou o espaçoso provador e fechou a porta logo em seguida.

 

[...]

 

Era o dia da formatura e Sooyoung estava uma pilha de nervos.

Mal chegou em casa naquela tarde de sábado — após um encontro duplo com Seulgi e Irene — e o seu celular estava cheio de notificações do Kakao Talk. Ao abrir o aplicativo, descobriu que o grêmio estudantil decidiu e organizou de última hora uma espécie de votação para rei e rainha do baile, no qual Sooyoung foi colocada como uma das indicadas para rainha.

Isso é ridículo, pensou enquanto lia no grupo da sala todas as mensagens que lhe parabenizavam pela indicação. Saiu da sala de bate-papo, viu as horas e bloqueou a tela do celular, jogando-o sobre a cama.

Começou a prender os cabelos para poder tomar banho até que o ecrã brilhou, indicando que havia novas mensagens.

 

Wannie [17h48]: parabéns, rainha do baile!

Wannie [17h48]: kekeke

Park Sooyoung [17h49]: aigoo

Park Sooyoung [17h49]: você sabe que eu não gosto dessas coisas

Park Sooyoung [17h50]: acho ridículo

Wannie [17h52]: bem, realmente é ridículo...

Wannie [17h52]: pra quê uma votação dessas se você já é a número um no meu coração?

Wannie [17h53]: kekekeke

 

Sooyoung riu envergonhada e voltou a digitar.

 

Park Sooyoung [17h54]: você não deveria estar se arrumando?

Wannie [17h55]: eu já estou pronta

Park Sooyoung [17h55]: mas já?

Park Sooyoung [17h55]: ainda está tão cedo!

Wannie [17h56]: Park Sooyoung...

Park Sooyoung [17h56]: presente! Kekekeke

Wannie [17h57]: o baile começa às 18h

 

Oh, merda..., pensou e correu para o banheiro.

 

[...]

 

Sooyoung forçou um sorriso enquanto subia as escadas do palco do auditório da escola. Por mais que achasse esse tipo de coisa ridículo, já tinha preparado um discurso mentalmente, pois sabia que seria coroada como rainha do baile.

Tão óbvio e tão ridículo ao mesmo tempo..., respirou fundo.

Kim Dahyun colocou a coroa de plástico na cabeça de Sooyoung e lhe entregou um simples buquê de flores, lhe parabenizando logo em seguida. Sooyoung se curvou respeitosamente e forçou um sorriso. Ajeitou sua postura e esperou que anunciassem pelo rei do baile, enquanto seus olhos procuravam sua namorada em meio à multidão.

Assim que seus olhos encontraram Wendy, Sooyoung se corroeu de ciúmes ao ver Hwang Hyunjin conversando com o rosto tão perto do rosto de sua namorada. Apertou o buquê de flores em sua mão e desviou o olhar, olhando para Dahyun que estava abrindo o próximo envelope. Não demorou muito para que o nome de Yook Sungjae ecoasse pelo ginásio poliesportivo. O rapaz subiu no palco, foi coroado e parou ao lado de Sooyoung para que o fotógrafo pudesse tirar uma foto para o anuário escolar.

Após a foto, os dois desceram do palco e Sungjae colocou a mão direita no ombro de Sooyoung, chamando a sua atenção.

“Sooyoung-ssi, eu sei que deveria ter uma dança entre o rei e a rainha após a coroação...” Começou e Sooyoung já se preparava para negar o convite. “Mas, na verdade, a minha namorada ficaria chateada. Eu sei que você foi coroada a rainha, mas terei essa dança com ela. Me desculpe.” Falou tudo tão rápido que Sooyoung ficou surpresa.

Não estava chateada... muito pelo contrário! Se sentia aliviada.

Discretamente, deixou a coroa de plástico e o buquê de flores em uma mesa afastada e se embrenhou no mar de alunos, afim de aproveitar o resto da festa com sua namorada. Sentiu uma mão em seu pulso e, ao olhar para trás, se deparou com Kim Junmyeon.

“Oi, Sooyoung!” O rapaz sorriu. “Posso falar com você por um momento?”

Ah, porra! De novo?, olhou ao redor novamente e como não encontrou Seungwan, resolveu escutar o que o rapaz tinha para falar.

“Oi, Junmyeon.” Tentou ser educada e felizmente conseguiu.

“Então...” Enquanto procurava coragem para falar com a jovem, os olhos de Sooyoung continuavam procurando Wendy. “Eu estive conversando com Nayeon e, sabe...” Parou de falar por alguns instantes e Sooyoung fez um barulho com a boca, indicando que estava prestando (ao menos estava tentando prestar) atenção no que ele dizia.

Seus olhos pararam brevemente em Seungwan. Sua namorada sorria de forma desconfortável para um rapaz da outra sala — e que nenhuma das duas sabia o nome — e logo os olhos de Wendy se encontraram com os da Park. A voz de Junmyeon ecoava ao fundo, mas Sooyoung só conseguia perceber o quanto a namorada estava linda. A Son apenas ignorou o rapaz que lhe perturbava e caminhou até Sooyoung.

“Você está me ouvindo?” Junmyeon perguntou nervoso ao notar que Sooyoung mal prestou atenção em suas palavras.

“Ah, me desculpe...” Sooyoung voltou a encarar o mais velho. “Você poderia repetir?”

Junmyeon bufou e disse firme: “Eu quero saber por que você mentiu, Park Sooyoung!”

Surpresas, Wendy e Sooyoung encararam o rapaz.

“Oi?”

“Por que você disse que tinha um namorado quando na verdade não tinha?”

A Park encarou o Kim de forma incrédula e Wendy cruzou os braços e revirou os olhos (e também agradeceu por estar atrás do rapaz).

“Você acha legal o que você fez?”

“Mas o que eu fiz?”

“Fez metade da escola de idiotas!”

Sooyoung riu alto.

“E eu tenho culpa se vocês não conseguem entender que não é não?”

“E por isso precisava mentir?” Perguntou nervoso ao constatar que pelo menos metade das pessoas ali prestavam atenção na conversa dos dois.

“Cara...” Park Chanyeol se aproximou dos dois. “Acho que o problema é com você, viu?” Sorriu debochado para o colega de turma. Chanyeol riu convencido e olhou para Sooyoung. “Me chamo Chanyeol, e bem... caso você precise de um namorado, gatinha...” Mal começou e foi interrompido pela voz de Seungwan.

“É justamente por namorar comigo que ela não precisa de um namorado, querido.” Wendy falou de forma debochada. “E se você nos der licença, vou fazer algo que nenhum de vocês” Apontou para Chanyeol e Junmyeon “Pode fazer com ela nesse momento.” Entrelaçou os seus dedos com os da namorada e se preparava para sair do ambiente, mas apenas riu da expressão dos dois rapazes.

“Mas o que?” Junmyeon disse desacreditado.

“Isso mesmo, gatinho...” Voltou a falar de forma debochada. “Nós vamos foder a noite toda.”



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...